Your SlideShare is downloading. ×
0
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Integração entre Medicina e Espiritualidade

4,245

Published on

Ampliando os caminhos de Cura do Espírito

Ampliando os caminhos de Cura do Espírito

Published in: Education
1 Comment
7 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
4,245
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Religiões são uma das formas de se atingir o Sagrado. É a mais comum entre a população mas não a única.
  • “Quando discutimos espiritualidade, o que realmente importa é discutirmos os caminhos pelos quais as pessoas preenchem sua busca pelo propósito e significados de suas vidas”
    Yamar A, 2001
    “dimensão espiritual do homem é o envolvimento numa busca infinita pelo significado da vida” Boero ME, 2005
  • BIO – PSICO - SOCIAL
    A dimensão espiritual, para mim, é a mais importante de todas – fará a integração entre todas as demais dimensões do ser humano, trazendo significado, buscas e a capacidade de transcendência e superação dos aspectos físico-socail-psicológico. Embora para abordagem da questão espiritual, é necessário avaliação de sintomas físicos e do suporte psico-social que a pessoa possui.
  • QUE Nível é esse ??
  • Transcript

    • 1. Integração entre Medicina e Espiritualidade Ampliando os caminhos de Cura do Espírito
    • 2. Rodrigo M. Bassi Nascimento da Medicina Ocidental Medicina como CiênciaMedicina como Ciência EquilíbrioEquilíbrio MultidimensionalMultidimensional IntegralidadeIntegralidade "Tuas forças naturais,"Tuas forças naturais, as que estão dentro deas que estão dentro de ti, serão as que curarãoti, serão as que curarão suas doenças”suas doenças” HipócratesHipócrates
    • 3. Rodrigo M. Bassi Embates entre Ciência e ReligiãoEmbates entre Ciência e Religião • Idade Média => controle total da ciênciaIdade Média => controle total da ciência • Séc. XVII => René DescartesSéc. XVII => René Descartes • Séc. XVIII => separação Ciência e ReligiãoSéc. XVIII => separação Ciência e Religião Séc XIX e XX – aprofundamento do abismo entre Ciência e Religião Koenig HG. Religion and medicine I. Int J Psychiatry Med. 2000;30(4):385-98.
    • 4. Rodrigo M. Bassi FUNDAMENTOS DA MEDICINAFUNDAMENTOS DA MEDICINA MECANICISTA REDUCIONISTAMECANICISTA REDUCIONISTA •Anamnese esquartejadaAnamnese esquartejada •Saúde: ausência de doençaSaúde: ausência de doença •Enfermidade: peças avariadas - supressãoEnfermidade: peças avariadas - supressão •Morte: inimiga ferozMorte: inimiga feroz •Médico: consertador da máquina – TecnicismoMédico: consertador da máquina – Tecnicismo •Paciente: passivo – falta de responsabilidadePaciente: passivo – falta de responsabilidade •Relação: ImpessoalidadeRelação: Impessoalidade •Terapêutica: Sem integraçãoTerapêutica: Sem integração •Despersonalização do cuidadoDespersonalização do cuidado
    • 5. Rodrigo M. Bassi Mudança deMudança de paradigmaparadigma
    • 6. Rodrigo M. Bassi Renovação das Práticas de SaúdeRenovação das Práticas de Saúde Mudança deMudança de pensamentospensamentos Mudança de paradigma Mudança de vida Amor, Fé, Esperança & Espiritualidade
    • 7. Rodrigo M. Bassi ““O médico do porvirO médico do porvir conhecerá semelhantesconhecerá semelhantes verdades, dirigindo-se,verdades, dirigindo-se, muito mais, nos trabalhosmuito mais, nos trabalhos curativos,curativos, às providências espirituais,às providências espirituais, onde o amor cristãoonde o amor cristão represente o maior papel”represente o maior papel” Missionários da Luz – André LuizMissionários da Luz – André Luiz Medicina e EspiritualidadeMedicina e Espiritualidade
    • 8. Rodrigo M. Bassi DEFINIÇÃO DE SAÚDE “um estado dinâmico de completo bem-estar físico, mental, social, espiritual e não meramente a ausência de doença ou enfermidade” World Health Organization 1998 (proposta)
    • 9. Espiritualidade Religião SagradoJudaísmo BudismoIslamismo Espiritismo Catolicismo Evangélico Adaptado de Handbook of Religion and Health, cap 1 – Harold Koenig George, L. K., Larson, D. B., Koenig, H. G. & McCullough, M. E. (2000). Spirituality and health: What we know, what we need to know.George, L. K., Larson, D. B., Koenig, H. G. & McCullough, M. E. (2000). Spirituality and health: What we know, what we need to know. JournalJournal of Social and Clinical Psychology, 19of Social and Clinical Psychology, 19(1), 102-116.(1), 102-116.
    • 10. Espiritualidade Religião SagradoJudaísmo BudismoIslamismo Espiritismo Catolicismo Evangélico Adaptado de Handbook of Religion and Health, cap 1 – Harold Koenig
    • 11. Espiritualidade SagradoJudaismo BudismoIslamismo Espiritismo Catolicismo Evangélico Religião
    • 12. O que é Espiritualidade? ““ Espiritualidade é a busca pessoal peloEspiritualidade é a busca pessoal pelo entendimento de respostas a questões sobre aentendimento de respostas a questões sobre a vida, seu significado e relações com o sagradovida, seu significado e relações com o sagrado e transcendente, que pode ou não estare transcendente, que pode ou não estar relacionada a propostas de uma determinadarelacionada a propostas de uma determinada religião”religião” (Harold Koenig et al, 2001)
    • 13. Integração entre Medicina e Espiritualidade Rodrigo M. Bassi Há bases científicas?Há bases científicas? Pub-MedPub-Med – Spirituality: mais de 4.000 artigos científicosSpirituality: mais de 4.000 artigos científicos – Religion: mais de 41.000 artigos científicosReligion: mais de 41.000 artigos científicos Publicações em Revistas de Alto ImpactoPublicações em Revistas de Alto Impacto
    • 14. Rodrigo M. Bassi Centros Universitários que pesquisam o tema (EUA) Integração entre Medicina e Espiritualidade
    • 15. Rodrigo M. Bassi Centros de Pesquisa sobre Saúde e Espiritualidade no Brasil • PROSER no Inst Psiquiatria USPPROSER no Inst Psiquiatria USP (Núcleo de Estudos de Problemas Espirituais e Religiosos, na Universidade de São Paulo)(Núcleo de Estudos de Problemas Espirituais e Religiosos, na Universidade de São Paulo) • Grupo WHOQOL-BrasilGrupo WHOQOL-Brasil (Universidade Federal do Rio Grande do Sul)(Universidade Federal do Rio Grande do Sul) • Núcleo de Pesquisas em Espiritualidade e SaúdeNúcleo de Pesquisas em Espiritualidade e Saúde (Universidade Federal de Juiz de Fora)(Universidade Federal de Juiz de Fora) • Núcleo Avançado de Saúde Ciência e EspiritualidadeNúcleo Avançado de Saúde Ciência e Espiritualidade (Universidade Federal de Minas Gerais)(Universidade Federal de Minas Gerais) • NUSE - Núcleo Universitário de Saúde e EspiritualidadeNUSE - Núcleo Universitário de Saúde e Espiritualidade (Universidade Federal de São Paulo)(Universidade Federal de São Paulo) • NUPAME – Núcleo Pesquisas da AME-SPNUPAME – Núcleo Pesquisas da AME-SP Pesquisas da própria AME-SPPesquisas da própria AME-SP Parcerias com a UNIFESP, USP, FAMEMA, UNESP, UFJFParcerias com a UNIFESP, USP, FAMEMA, UNESP, UFJF Integração entre Medicina e Espiritualidade
    • 16. Rodrigo M. Bassi EDUCAÇÃO EM SAÚDE E ESPIRITUALIDADE EM ESCOLAS MÉDICAS NOS EUA • 1993, menos de 55 escolas médicas dos Estados Unidos tinham a disciplina de religião- espiritualidade em medicina. • 1994, 1717 das 126 escolas médicas • 2000, subiu para 6565 escolas médicas • 2004, atingiu-se 8484 escolas médicas • 2007, chegou-se a mais de 100100 escolas Auguste H. Fortin VI, MD, MPH; Barnett, K.G. Medical School Curricula in Spirituality and Medicine – JAMA, June 16, 2004 —Vol 291, No. 23 2883 Integração entre Medicina e Espiritualidade
    • 17. Rodrigo M. Bassi EDUCAÇÃO EM SAÚDE E ESPIRITUALIDADE EM ESCOLAS MÉDICAS REALIDADE NO BRASIL Seminários Acadêmicos sobre Medicina, Saúde e Espiritualidade (SP) UNIFESP/EPM, USP, USP – Ribeirão, UNICAMP, UNESP-Botucatu, Santa Casa, FAMEMA, UNISA , C. Univ. Lusíada (Santos) • 2002 - primeiro curso de extensão2002 - primeiro curso de extensão Univ. Santa Cecília (Santos-SP)Univ. Santa Cecília (Santos-SP) • 2004 – primeira disciplina eletiva2004 – primeira disciplina eletiva Univ. Federal do CearáUniv. Federal do Ceará • a partir de 2006 – diversas faculdades incluem no currículoa partir de 2006 – diversas faculdades incluem no currículo médicos ou como disciplinas eletivas demédicos ou como disciplinas eletivas de Medicina, Saúde e EspiritualidadeMedicina, Saúde e Espiritualidade UNIFESP, USP-SP, UFMG, UFRS, UFRN, UFJF, UNITAUUNIFESP, USP-SP, UFMG, UFRS, UFRN, UFJF, UNITAU Lucchetti, G; Granero, A - Integration of spirituality courses in Brazilian medical schools MEDICAL EDUCATION 2010; 44: 527–530 Integração entre Medicina e Espiritualidade
    • 18. Rodrigo M. Bassi Atividades e crenças religiosas são relacionadas à melhor saúde e qualidade de vida Saúde Mental • Depressão • Ansiedade • Fobias, T. Pânico • Dep Química • Suícidio • Dor Crônica Cardiovascular • HAS, DM, AVC, IAM Doenças cronicas HIV/AIDS Imunológico Oncologia Cuidados Paliativos Rede suporte social Cuidador Bem-estar Satisfação em viver Qualidade de Vida Capacidade Funcional Maior longevidade Odler EL, 1997; Willits, 1998; Hummer R, 1999; Koenig HG, 1999; Strwbridge WJ, 1997; Koenig HG, 2005 Integração entre Medicina e Espiritualidade
    • 19. Rodrigo M. Bassi A espiritualidade... ... conforta, alivia ansiedade e dá segurança emocional e espiritual para as... conforta, alivia ansiedade e dá segurança emocional e espiritual para as pessoas que compartilham seus significadospessoas que compartilham seus significados ... auxilia no enfrentamento de doenças físicas, transtornos psíquicos,... auxilia no enfrentamento de doenças físicas, transtornos psíquicos, sofrimentos e limitaçõessofrimentos e limitações ... responde a questões existenciais... responde a questões existenciais ... envolve qualidade de vida... envolve qualidade de vida ... auto-estima e auto-motivação... auto-estima e auto-motivação ... sabedoria, equilíbrio e maturidade... sabedoria, equilíbrio e maturidade ... significado e propósito de vida... significado e propósito de vida Dull VT, Skokan LA. A Cognitive model of religion’s influence on health. J Soc Issues. 1995 Araújo MFM et al. O papel da religiosidade na promoção da saúde do idoso. RBPS 2008; 21 (3) : 201-208 Monteiro DMR. Espiritualidade e Envelhecimento. In: Py, L. et al., organizadores. Tempo de envelhecer. 2004 Integração entre Medicina e Espiritualidade
    • 20. RELIGIOSIDADE ESPIRITUALIDADE Físico Biológico Intelectual Social Familiar Emocional ENERGÉTICA ENERGÉTICA AVALIAÇÃO SUBJETIVA DE SAÚDE – PONTUAR DE 0 a 10 PERCEPÇÃO MOTIVOS DA PONTUAÇÃO - ESCREVER QUAIS SÃO AS DIFICULDADES DE CADA DIMENSÃO ? QUAIS SÃO OS PONTOS FORTES DE CADA DIMENSÃO? COMO POSSO MELHORAR AINDA MAIS MEU EQUILIBRIO? ESTRUTURAR PONTOS CHAVES DO EQUILIBRIO ESPIRITUAL
    • 21. ““Saúde é a realização real da conexãoSaúde é a realização real da conexão criatura-criador e a doença, o contráriocriatura-criador e a doença, o contrário momentâneo de tal fato”momentâneo de tal fato” Joseph Gleber, em O Homem Sadio, (Roberto Lúcio Vieira de Souza)
    • 22. Rodrigo M. Bassi NÍVEL MENTAL Nível Energético Nível Funcional / Inflamatório Nível Orgânico IMATERIAL / ESPIRITUAL (Alma, Espírito,Consciência, Essência do Eu) CORPOS ENERGÉTICOS (Perispírito, Corpo Espiritual, Corpos Sutis, Corpos Vibracionais) (energia vital, Qi, Prana) CORPO FÍSICO COMO É O PROCESSOCOMO É O PROCESSO DE ADOECIMENTO?DE ADOECIMENTO? COMO CONSTRUIR ACOMO CONSTRUIR A SAÚDE INTEGRAL?SAÚDE INTEGRAL?
    • 23. Rodrigo M. Bassi CAUSAÇÃO DESCENDENTECAUSAÇÃO DESCENDENTE Física MATÉRIA ENERGIA Física Quântica Matéria Onda (possibilidade) Partícula (fato) OBSERVADOROBSERVADOR (CONSCIÊNCIA)(CONSCIÊNCIA) imaterialimaterial COLAPSO QUÂNTICOCOLAPSO QUÂNTICO O Médico Quântico – Amit GoswamiO Médico Quântico – Amit Goswami
    • 24. MODELO QUÂNTICOMODELO QUÂNTICO de Amit Goswamide Amit Goswami FÍSICOFÍSICO ADOECERADOECER TERAPÊUTICATERAPÊUTICA
    • 25. Rodrigo M. Bassi “O corpo vital fornece as matrizes para as formas e programas da morfogênese. “ ...o bem-estar exige a homeostase não somente do funcionamento do corpo físico – as matrizes mapeadas do corpo vital – mas também do corpo vital” “ ...a medicina oriental se concentrou em uma metade da maça, o corpo vital onde estão as matrizes da forma; a medicina ocidental se concentrou na outra metade, o corpo físico, a forma em si.” ““Temos assim dois sistemas de medicina, ambos muito bonsTemos assim dois sistemas de medicina, ambos muito bons no que fazem, mas individualmente nenhum deles é a maçano que fazem, mas individualmente nenhum deles é a maça perfeita da saúde holística que detém a chave da cura. Porperfeita da saúde holística que detém a chave da cura. Por isso precisamos integrá-las”.isso precisamos integrá-las”. O Médico Quântico – Amit GoswamiO Médico Quântico – Amit Goswami
    • 26. Rodrigo M. Bassi
    • 27. CONSCIÊNCIA (ESPÍRITO)CONSCIÊNCIA (ESPÍRITO) Centro Coronário (Corpo Energético)Centro Coronário (Corpo Energético) => Ligado ao Diencéfalo e Tálamo (cérebro)=> Ligado ao Diencéfalo e Tálamo (cérebro) CÓRTEX CEREBRALCÓRTEX CEREBRAL (transmite impulsos, avisos)(transmite impulsos, avisos) INTEGRAÇÃO MENTE-CORPO ““O cérebro é um colapso quântico da mente”O cérebro é um colapso quântico da mente”
    • 28. Rodrigo M. Bassi Integração Mente-CorpoIntegração Mente-Corpo Interferimos no corpo físicoInterferimos no corpo físico – Efeito placeboEfeito placebo – Funções fisiológicas básicasFunções fisiológicas básicas Taquicardia, Ruborização, DiarréiaTaquicardia, Ruborização, Diarréia – Papel das Emoções na ModulaçãoPapel das Emoções na Modulação Dra. Candance PertDra. Candance Pert – Interferência genéticaInterferência genética Dr. Kazuo MurakamiDr. Kazuo Murakami Dr. Bruce H. LiptonDr. Bruce H. Lipton ““Tudo o que somos é resultado do que pensamos. A mente é tudo.Tudo o que somos é resultado do que pensamos. A mente é tudo. Nós nos tornamos aquilo que pensamos” -Nós nos tornamos aquilo que pensamos” - BudaBuda
    • 29. Rodrigo M. Bassi
    • 30. Rodrigo M. Bassi MOLÉCULAS DAS EMOÇÕESMOLÉCULAS DAS EMOÇÕES • Wilder Penfield: Sist límbico • Meados década 1980: Dra Candace Pert: Dra Candace Pert • Neuropeptídeos: moléc fabricadas pelo SN • Manifestação fisiológica das emoções • Receptores neuropeptídeos espalhados pelo corpo • Mente e corpo interconectados: => emoções no corpo todo
    • 31. Rodrigo M. Bassi PSICONEUROIMUNOLOGIAPSICONEUROIMUNOLOGIA •Dra Candace Pert: Diálogo SN, SE, SIDra Candace Pert: Diálogo SN, SE, SI •Monócitos: ingerem organ.Monócitos: ingerem organ. (self e o não self)(self e o não self) •Farejam neuropeptídeos:Farejam neuropeptídeos: possuem receptorespossuem receptores •Comunicam-se com céls B e TComunicam-se com céls B e T ““Os neuropeptídios são a ponteOs neuropeptídios são a ponte entre a mente e o corpo”entre a mente e o corpo”
    • 32. Rodrigo M. Bassi EpigenéticaEpigenética (controle sobre a genética)(controle sobre a genética) – Os genes não são imutáveisOs genes não são imutáveis – Fatores ambientais controlam os genesFatores ambientais controlam os genes Meio ambienteMeio ambiente Meio interno (Claud Bernard)Meio interno (Claud Bernard) – Expressividade gênicaExpressividade gênica Mecanismo de liga-desliga (proteínasMecanismo de liga-desliga (proteínas controladoras)controladoras) Reprogramação epigenética (atitude mental)Reprogramação epigenética (atitude mental) EPIGENÉTICAEPIGENÉTICA
    • 33. Rodrigo M. Bassi A Biologia da Crença – Bruce Lipton ““A nova biologia ressalta o papel da mente comoA nova biologia ressalta o papel da mente como o fator primordial a influenciar a saúde. Nessao fator primordial a influenciar a saúde. Nessa realidade, uma vez que controlamos nossosrealidade, uma vez que controlamos nossos pensamentos, tornamo-nos mestres de nossapensamentos, tornamo-nos mestres de nossa vida, e não vítimas dos genes”vida, e não vítimas dos genes” ““Pensamentos, que são a energia da mente,Pensamentos, que são a energia da mente, influenciam diretamente a maneira como oinfluenciam diretamente a maneira como o cérebro físico controla a fisiologia do corpo.cérebro físico controla a fisiologia do corpo. A “energia” dos pensamentos pode ativar ouA “energia” dos pensamentos pode ativar ou inibir as proteinas de funcionamento das células”inibir as proteinas de funcionamento das células”
    • 34. Rodrigo M. Bassi O Código Divino da Vida - Kazuo MurakamiO Código Divino da Vida - Kazuo Murakami “É surpreendente a descoberta de que os nossos genes não são imutáveis, mas se alteram em resposta a diversos fatores. Nossos genes são equipados com um mecanismo liga-desliga e esse mecanismo é acionado por uma atitude mental”. ““a idéia de que o corpo pode curar a si próprioa idéia de que o corpo pode curar a si próprio na atuação do genes que comandam o nossona atuação do genes que comandam o nosso corpo no sentido da cura.corpo no sentido da cura. Em outras palavras, o corpo humano já vem equipado com um programa latente de cura...
    • 35. Rodrigo M. Bassi MENTE: SISTEMA INTEGRADO • Rede: substrato físico: corpo e cérebroRede: substrato físico: corpo e cérebro • Substrato imaterial:Substrato imaterial: circulação do fluxo de informaçãocirculação do fluxo de informação • Neuropeptídeos: falamNeuropeptídeos: falam Receptores Neuro: ouvemReceptores Neuro: ouvem • Plugamos a rede em qualquer ponto,Plugamos a rede em qualquer ponto, chegamos a outrochegamos a outro • Processamento de informação emocionalProcessamento de informação emocional • Mente e consciência independentes do cérebro e do corpoMente e consciência independentes do cérebro e do corpo
    • 36. CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA (ESPÍRITO)(ESPÍRITO) CORPOS ENERGÉTICOSCORPOS ENERGÉTICOS (centro coronário)(centro coronário) CÉREBROCÉREBRO (glândula pineal e cortex)(glândula pineal e cortex) COMUNICAÇÃO E REGULAÇÃOCOMUNICAÇÃO E REGULAÇÃO NEUROPEPTIDEOSNEUROPEPTIDEOS NEUROTRANSMISSORESNEUROTRANSMISSORES GLÂNDULASGLÂNDULAS SISTEMA IMUNOLÓGICOSISTEMA IMUNOLÓGICO A Biologia da Crença – Bruce LiptonA Biologia da Crença – Bruce Lipton Moleculas da Emoção – Dra. Candance PertMoleculas da Emoção – Dra. Candance Pert O Código Divino da Vida -O Código Divino da Vida - Dr. Kazuo MurakamiDr. Kazuo Murakami O Passe como Cura Magnética – Dra. Marlene NobreO Passe como Cura Magnética – Dra. Marlene Nobre A Alma da Matéria – Dra. Marlene NobreA Alma da Matéria – Dra. Marlene Nobre
    • 37. Rodrigo M. Bassi MEDICINA INTEGRATIVA Medicina IntegrativaMedicina Integrativa é uma abordagem médicaé uma abordagem médica orientada para a “cura”,orientada para a “cura”, que visa abordar aque visa abordar a pessoa em seu todopessoa em seu todo (corpo, mente e espírito),(corpo, mente e espírito), incluindo todos os aspectos do estilo de vida.incluindo todos os aspectos do estilo de vida. Ela enfatiza as relações terapêuticas entre oEla enfatiza as relações terapêuticas entre o paciente e o médico, epaciente e o médico, e faz uso de todos os tiposfaz uso de todos os tipos de terapias consagradas cientificamente,de terapias consagradas cientificamente, sejamsejam elas convencionais ou complementareselas convencionais ou complementares CONSORTIUM OF ACADEMIC HEALTH CENTER FOR INTEGRATIVE MEDICINE
    • 38. Rodrigo M. Bassi  Medicina AlopáticaMedicina Alopática  Medicina ComplementarMedicina Complementar (Homeop, Antropos, Med Chinesa)(Homeop, Antropos, Med Chinesa)  Terapias NaturaisTerapias Naturais (Nutricional Funcional, Fitoterapia, Florais(Nutricional Funcional, Fitoterapia, Florais))  Terapias Corporais e MotorasTerapias Corporais e Motoras (Conscientização)(Conscientização)  Terapias BioenergéticasTerapias Bioenergéticas (Reiky, Johrei, Passe, Fluidoterapia)(Reiky, Johrei, Passe, Fluidoterapia)  Terapias ArtistícasTerapias Artistícas (Arteterapia, Musicoterapia)(Arteterapia, Musicoterapia)  Terapias Mente – CorpoTerapias Mente – Corpo (Meditação, Relaxamento, Hipnose)(Meditação, Relaxamento, Hipnose)  Psicoterapias => RessignificaçãoPsicoterapias => Ressignificação  Práticas Espirituais e Religiosidade (Prece, Caridade)Práticas Espirituais e Religiosidade (Prece, Caridade) Medicina Complementar e Integrativa
    • 39. MODELO QUÂNTICOMODELO QUÂNTICO de Amit Goswamide Amit Goswami (modificado por Bignardi)(modificado por Bignardi) ((modificado por Bassimodificado por Bassi)) FÍSICOFÍSICO SensaçõesSensações ADOECERADOECER TERAPÊUTICATERAPÊUTICA MedicinaMedicina ConvencionalConvencional Nutrição FuncNutrição Func FitoterapiaFitoterapia HomeopatiaHomeopatia AcupunturaAcupuntura T. FloraisT. Florais Ter CorporaisTer Corporais (Conscien)(Conscien) PsicoterapiaPsicoterapia (ressignificado)(ressignificado) ReligiosidadeReligiosidade MeditaçãoMeditação (onda cerebral)(onda cerebral) RespiraçãoRespiração AÇÕES TERAPÊUTICASAÇÕES TERAPÊUTICAS PassePasse Reiki, JohreiReiki, Johrei TERAPÊUTICA DO ESPÍRITOTERAPÊUTICA DO ESPÍRITO
    • 40. CASO CLÍNICO I MEDICINA INTEGRATIVA Florais de Bach e Bioeletrografia : Recursos na Terapia Regressiva.
    • 41. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos L.A.N.F, 90 anos Viúva, mora sozinha. Professora aposentada Espírita atuante, porém afastada trabalhos desde adoecimento (há 2 anos) MUITAS PERDAS NA SUA HISTÓRIA DE VIDA 1ª consulta: maio/2009 QUEIXASQUEIXAS  Queixa de muito cansaço e falta de ar aos esforços e ao repouso.Queixa de muito cansaço e falta de ar aos esforços e ao repouso.  Dores Cervicais com irradiação para MSD (parestesia)Dores Cervicais com irradiação para MSD (parestesia)  Cefáleia holocranianaCefáleia holocraniana  Emagrecida, Desnutrida, Apetite ruim, alimentando-se pouco, diarréiasEmagrecida, Desnutrida, Apetite ruim, alimentando-se pouco, diarréias  Intensa dificuldade para dormir – INSÔNIAIntensa dificuldade para dormir – INSÔNIA  Depressiva, abatida (piora do quadro há 11 meses com falecimento do filho)Depressiva, abatida (piora do quadro há 11 meses com falecimento do filho)  Perda de Memória progressivaPerda de Memória progressiva
    • 42. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos L.A.N.F, 90 anos HIPÓTESES DIAGNÓSTICASHIPÓTESES DIAGNÓSTICAS  Insuficiência Cardíaca Congestiva descompensada (BNP 3.345)Insuficiência Cardíaca Congestiva descompensada (BNP 3.345)  Estenose de Válvula MitralEstenose de Válvula Mitral  Marcapasso – paciente com anticoagulação (Marevan)Marcapasso – paciente com anticoagulação (Marevan)  Hipertensão Arterial, Hipotiroidismo, GlaucomaHipertensão Arterial, Hipotiroidismo, Glaucoma  Insuficiência Renal Crônica grau IV (clearance 20)Insuficiência Renal Crônica grau IV (clearance 20)  AVCi (2000) – sequela na memóriaAVCi (2000) – sequela na memória  Câncer de Mama (2002) – cirurgia + RadioterapiaCâncer de Mama (2002) – cirurgia + Radioterapia  Diarréia Crônica, Osteoartrose com dor crônica (cervical)Diarréia Crônica, Osteoartrose com dor crônica (cervical)  Depressão, Distúrbio do SonoDepressão, Distúrbio do Sono  Desnutrição Proteico CalóricaDesnutrição Proteico Calórica  Perda grave de VitalidadePerda grave de Vitalidade MEDICAÇÕESMEDICAÇÕES - Ibesartana 150mg- Ibesartana 150mg - Hidroclorotiazida 25mg- Hidroclorotiazida 25mg - Puran T4 50mcg- Puran T4 50mcg - Marevan- Marevan - Sertralina 75mg- Sertralina 75mg - Homeopatia – 26 remédios !!!- Homeopatia – 26 remédios !!! 1ª consulta: maio/2009
    • 43. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos L.A.N.F, 90 anos 1 e 2 º retorno1 e 2 º retorno Compensação Cardíaca => melhora progressiva Suspensão medicação homeopática Orientações e Suplementação Nutricional Piora diarréia com introdução outro antidepressivo Melhora discreta no Humor, Sono e Apetite Manteve dor cervical, muitos medos, angústia CONDUTA ⇒Introdução de Mirtazapina, Miosan e Ansiodoron ⇒Encaminhada para tratamento espiritual (espírita) ⇒Encaminhada para Psicoterapia e Terapia de Florais
    • 44. MARTHA MENDES L.A.N.F. - mulher – 89 anos-1ª consulta 10/06/2009 Religião – católica/espírita Queixa : falta de ar – dor na cervical,nas mãos, na cabeça- insônia infância difícil – rejeição da avó ( não lembra se era a mãe do pai ou da mãe - odiava ela); mãe casou-se com 14 anos e o pai 26 –tinham 12 filhos – ela filha mais nova- pai ficou cego aos 30anos após ver o filho ser assassinado. Perderam mais dois filhos - um afogado e uma menina com pneumonia. adolescência – era muito “danada”, “namoradeira”; dava muito trabalho aos pais, queria estudar; Casou-se aos 22 anos teve 3 filhos – 1 faleceu aos 64 anos 1º casamento marido suicidou-se – ela c/ 39anos; 2º casamento aos 45 e aos 59 ficou viúva – marido foi assassinado; Professora –carreira promissora (reconhecida ); Um filho mora em outro estado do Brasil ( longe); É vizinha da filha , quem cuida dela. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR
    • 45. MARTHA MENDES BIOELETROGRAFIA - (foto de gases e vapores que saem das células pelas pontas dos dedos – suor) 1ª CONSULTA Dedo Ind mão direita (dominante) dor culpa conflito trauma medo raiva conflito Baixa energia vital Congelamento da emoção Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR Tensão/ medo
    • 46. Dentre vários sonhos, um foi bastante significativo: “ Eu estava na cozinha de minha avó, tinha uns 6 anos. Estava com medo, muito medo ( o que lhe despertava medo? perguntei), os olhos dela. Eu odeio ela. Gostava de mexer na cozinha dela. O que mais você viveu no sonho? Eu queria doces, ela não me dava e ficava furiosa. Todos tinham doces e ela não me dava. “eu era uma peste”. Isso é uma conclusão sua? Não... Ela dizia! Daí estava em outro lugar . para todo lado que eu ia era abismo, não conseguia sair de lá. Estava ficando escuro e eu não conseguia ir para lugar algum. Sentia muito medo. Acordei com minha filha me chamando para tomar meu remédio” Intervenção da terapeuta. • Utilização de Florais de Bach em stock (noite) e manipulado(dia) - anotar sonhos •intervalo de15 dias da 1ª consulta: relatou um sinal de melhora no sono. Na 4 ªconsulta relatou o sonho: . Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES Busca da origem da perda da energia vital Promover homeostasia.
    • 47. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos L.A.N.F, 90 anos 3 ao 6º retorno3 ao 6º retorno Compensação Cardíaca => melhora progressiva Melhora importante da Vitalidade - Humor, Sono, Apetite, Funcionamento Intestinal, Disposição Melhora parcial – Humor, Emocional (medos e angústia) e Sono Mantém dor cervical CONDUTA ⇒ Mantido tratamento integrativo ⇒ Iniciar Atividade Fisica (caminhada) + Medicação + Acupuntura ⇒ Encaminhada para Fisioterapia (Conscientização Corporal) ⇒ Reiniciar atividade de doação no grupo de Passe e Vibração
    • 48. MODELO QUÂNTICOMODELO QUÂNTICO de Amit Goswamide Amit Goswami (modificado por Bignardi)(modificado por Bignardi) ((modificado por Bassimodificado por Bassi)) FÍSICOFÍSICO SensaçõesSensações ADOECERADOECER TERAPÊUTICATERAPÊUTICA MedicinaMedicina ConvencionalConvencional Ativ FísicaAtiv Física Nutrição FuncNutrição Func AcupunturaAcupuntura T. FloraisT. Florais AntroposofiaAntroposofia Ter CorporaisTer Corporais (Conscien)(Conscien) PsicoterapiaPsicoterapia (ressignificado)(ressignificado) ReligiosidadeReligiosidade AÇÕES TERAPÊUTICASAÇÕES TERAPÊUTICAS PassePasse Água FluidÁgua Fluid TERAPÊUTICA DO ESPÍRITOTERAPÊUTICA DO ESPÍRITO Significado e Propósito de VIdaSignificado e Propósito de VIda
    • 49. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES L. sofreu várias perdas, com muito sofrimento. Continuamos com o uso dos florais adequando-os às suas necessidades. Como a primeira foto foi nos dando alguns indícios, comecei a investigar situações de culpa (sinal sugerido na foto). Na 8ª consulta : “Preciso lhe contar uma coisa que nunca contei p ninguém. É um segredo que ia morrer comigo. Aliás, ele me dá vontade de morrer. Segurei em suas mãos para que se sentisse acolhida diante de algo tão forte. Fiquei a ouvi-la. “eu roubo coisas !”. Como é que isso acontece? Tem situações especiais para que isso aconteça? Não! Quando me dou conta já fiz. Já me envolvi em cada situação... Mas nunca ninguém da minha família soube. Desde quando isso acontece? Não me lembro. Eu fico com muita raiva de mim. E fomos continuando... No final da sessão perguntei-lhe como foi poder compartilhar um segredo de tanto tempo? Foi muito bom, parece que tirei um peso dos meus ombros.”
    • 50. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES Antes da TR No final da 8ª consulta : culpa conflitos A foto apresenta sinais de conflitos e culpa acentuados , baixa de energia vital (auto consumação). Na 9ª sessão realização da TR – indução/relaxamento Exploramos: pensamento/sentimento/emoção/sensação/repe tição(pensamento/ação) e conclusão sobre os fatos. A avó a humilhou, aos 5 anos, por ter pego doces do armário sem sua permissão. Apanhou e ouviu xingamentos. As crianças riam dela “ainda ouço as gargalhadas”, “vejo os olhos dela”. Pedi que acolhesse a criança que se sentia acuada. Abraçou a criança e chorou compulsivamente . “Estou aliviada!”
    • 51. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES Após a TR Na 11ª sessão (foto) Sentia-se alegre, lembrou das coisas boas que fez como professora e o carinho das crianças por ela . Sono sensivelmente melhor, ainda com algumas dores ,embora com menor intensidade – O médico e eu pensamos na fisioterapia, já que passou tanto tempo sob tensão com postura inadequada devido as dores. 15ª sessão – entrou para aula de dança.
    • 52. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos L.A.N.F, 90 anos SEM QUEIXAS ATIVIDADES Caminhada – 3x/sem Dança Circular - semanal Biopilates - semanal Psicoterapia - quinz CONDUTA ⇒Mantido tratamento integrativo => redução gradual atividades ⇒Redução gradativa e retirada de medicações (Digoxina, Hidroxicloroquina, Prednisona, Miosan, Ansiodoron, Sertralina)(Digoxina, Hidroxicloroquina, Prednisona, Miosan, Ansiodoron, Sertralina) ⇒Reiniciar atividade de Caridade no grupo espírita 7 e 8º retorno7 e 8º retorno Acupuntura – semanal Tratamento Espiritual (sem)  Grupo de Passe e Vibração,  Água Fluidificada, Leituras, Preces quinzenal ALTA ALTA  Trabalho de CaridadeTrabalho de Caridade
    • 53. A CARIDADEA CARIDADE movimenta asmovimenta as correntescorrentes energéticas doenergéticas do corpo espiritual,corpo espiritual, alcançando todasalcançando todas as suas estruturasas suas estruturas Centro Coronário Fluxo constante de energia renovadora Expansão dos Centros de ForçaATOS CONSTANTESATOS CONSTANTES NO BEMNO BEM SAÚDESAÚDE EQUILÍBRIOEQUILÍBRIO FELICIDADEFELICIDADE Corpo Energético Malha Energética
    • 54. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos EXISTEM EVIDÊNCIAS CIENTIFICAS SOBRE A CARIDADE?EXISTEM EVIDÊNCIAS CIENTIFICAS SOBRE A CARIDADE? • Estudo com milhares de voluntários nos EUA relataram,Estudo com milhares de voluntários nos EUA relataram, consistentemente, melhor saúde – após ajuste multivariávelconsistentemente, melhor saúde – após ajuste multivariável Luks A. “Helper’s high: Volunteering makes people feel good, physically and emotionally.” Psychology Today 1988;22(10):34-42)Luks A. “Helper’s high: Volunteering makes people feel good, physically and emotionally.” Psychology Today 1988;22(10):34-42) • Alcoólicos em tratamento que iniciaram trabalho de auxílioAlcoólicos em tratamento que iniciaram trabalho de auxílio tiveram resultados melhores de abstinência e interação socialtiveram resultados melhores de abstinência e interação social Pagano M E, Friend KB, Tonigan JS, Stout RL. Helping other alcoholics in Alcoholics Anonymous and drinking outcomes:Pagano M E, Friend KB, Tonigan JS, Stout RL. Helping other alcoholics in Alcoholics Anonymous and drinking outcomes: Findings from Project MATCH. Journal of Studies on Alcohol 2004; 65(6):766-773.Findings from Project MATCH. Journal of Studies on Alcohol 2004; 65(6):766-773. • Pacientes com dor crônica que tornaram-se voluntáriosPacientes com dor crônica que tornaram-se voluntários tiveram significante diminuição de queixas como dores,tiveram significante diminuição de queixas como dores, limitações funcionais e depressão.limitações funcionais e depressão. Arnstein P, Vidal M, Well-Federman C et al. From chronic pain patient to peer: Benefits and risks ofArnstein P, Vidal M, Well-Federman C et al. From chronic pain patient to peer: Benefits and risks of volunteering. Pain Management Nurses 2002; 3(3):94-103.volunteering. Pain Management Nurses 2002; 3(3):94-103.
    • 55. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos EXISTEM EVIDÊNCIAS CIENTIFICAS SOBRE A CARIDADE?EXISTEM EVIDÊNCIAS CIENTIFICAS SOBRE A CARIDADE? • Aposentados (> 65anos) que tornaram-se voluntários tiveramAposentados (> 65anos) que tornaram-se voluntários tiveram significante indices de maior satisfação e qualidade de vida,significante indices de maior satisfação e qualidade de vida, maior percepção de propósito de vida e menos sintomas demaior percepção de propósito de vida e menos sintomas de depressão, ansiedade e somatizaçõesdepressão, ansiedade e somatizações Hunter KI, Linn MW. Psychosocial differences between elderly volunteers and non-volunteers. InternationalHunter KI, Linn MW. Psychosocial differences between elderly volunteers and non-volunteers. International Journal of Aging and Human Development 1980-1981;12(3):205-213.Journal of Aging and Human Development 1980-1981;12(3):205-213. • Melhor qualidade de vida, melhor saúde física e mental eMelhor qualidade de vida, melhor saúde física e mental e maior longevidade em grupo de voluntáriosmaior longevidade em grupo de voluntários Moen P, Dempster-McClain D, Williams RM. Social integration and longevity: An event history analysis ofMoen P, Dempster-McClain D, Williams RM. Social integration and longevity: An event history analysis of women’s roles and resilience. American Sociological Review 1989;54:635-647.women’s roles and resilience. American Sociological Review 1989;54:635-647. Harris A H, Thoresen CE. Volunteering is associated with delayed mortality in older people: Analysis of theHarris A H, Thoresen CE. Volunteering is associated with delayed mortality in older people: Analysis of the Longitudinal Study of Aging. Journal of HealthPsychology 2005;10(6):739-752.Longitudinal Study of Aging. Journal of HealthPsychology 2005;10(6):739-752.
    • 56. CASO CLÍNICO II MEDICINA INTEGRATIVA Florais de Bach e Bioeletrografia : Recursos na Terapia Regressiva.
    • 57. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos F.S.S., 55 anos Casada, tem 1 filho (32 anos) Caseira de uma chácara no interior de SP QUEIXASQUEIXAS  fev/2010:fev/2010: internada por 2 dias com quadro de Infecção Urinária cominternada por 2 dias com quadro de Infecção Urinária com grave descompensação glicemica (acima de 500).grave descompensação glicemica (acima de 500). Após alta manteve com glicemia (200-300) e PA (210 x 120mmHg)Após alta manteve com glicemia (200-300) e PA (210 x 120mmHg) elevadaselevadas  abr/2010:abr/2010: LECO para Nefrolitiase (1 dia internada)LECO para Nefrolitiase (1 dia internada) Após alta manteve com glicemia (250) e PA (190 x 120mmHg) elevadasApós alta manteve com glicemia (250) e PA (190 x 120mmHg) elevadas  Cefáleia intensa. Dor em Flanco Esquerdo de moderada intensidadeCefáleia intensa. Dor em Flanco Esquerdo de moderada intensidade  jun/2010:jun/2010: início uso de Floral e Terapia Regressivainício uso de Floral e Terapia Regressiva
    • 58. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos HIPÓTESES DIAGNÓSTICASHIPÓTESES DIAGNÓSTICAS  Rim Esquerdo Atrófico (estenose de JUP – nascença)Rim Esquerdo Atrófico (estenose de JUP – nascença)  Diabetes Mellitus (desde fev/2010) não controladaDiabetes Mellitus (desde fev/2010) não controlada  Hipertensão Arterial grave e não controladaHipertensão Arterial grave e não controlada  Dislipidemia (elevação de Triglicérides)Dislipidemia (elevação de Triglicérides)  Rinite AlérgicaRinite Alérgica  Menopausa precoce (aos 32 anos)Menopausa precoce (aos 32 anos)  Obstipação Intestinal (1x a cada 3dias)Obstipação Intestinal (1x a cada 3dias) MEDICAÇÕESMEDICAÇÕES - Metformina 850mg 3x- Metformina 850mg 3x - Glibenclamida 5mg 3x- Glibenclamida 5mg 3x - Captopril 50mg 3x- Captopril 50mg 3x - HCTZ 25mg 2x- HCTZ 25mg 2x - AAS 100mg- AAS 100mg - Celestamine – se necessário- Celestamine – se necessário F.S.S., 55 anos
    • 59. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES F.S.S . Mulher 55 anos – 1ª consulta em 01/06/2010 Religião – nenhuma – crê em Deus e Santo Expedito Queixa - Pressão alta (medicação) – Diabetes (medicação) – dores pelo corpo. Sono muito agitado – suor excessivo, às vezes acorda chorando.Intestino preso. Filha adotiva – soube aos 14 anos por um irmão em um momento de briga. Começou a beber aos 15. Sente ódio de pai e mãe – só se sentia amada pela avó paterna. Dificuldades de relacionamento – sente- se traída todo o tempo – não confia em ninguém. Não suporta a nora e a filha dela(de outro casamento). Só tem afeto pelo filho e pela neta. Fez cirurgia para retira de cálculos renais; Variações na pressão arterial e da diabetes. Florais de Bach em stock : dia e noite ID – mão dominante ciúme angustia profunda/ estado depressivo culpa dor dor conflito trauma 1ª foto- 1ª consulta
    • 60. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES F.S.S . 2ª consulta Sempre teve pressão alta ,mas no natal/2009 teve uma crise de hipertensão – “por causa da nora e filha dela”. “Odeio aquela menina ( 9 anos) . Nem o pai quis ela, a mãe (nora) queria abortar, mas não deu certo”. Não suporta a idéia do filho criar a menina. Uso de florias adequados a necessidade. 4ª consulta - Trouxe um sonho que mexeu muito com ela. “Tenho certeza que era eu, tenho uma foto minha daquele jeito : Estava em um lugar escuro. Ouvi um choro de criança e fui seguindo o som. Vi uma menininha chorando muito e uma mulher bonita . Entre elas um rio que a menininha não conseguia atravessar. A mulher virou de costas e foi embora. A menina estava desesperada, gritava, tinha muito medo. “Fiquei com pena da criança e muita raiva daquela mulher”. 4ª consulta – 2ª foto ciúme ciúme trauma intoxicação dor raiva Energia vital
    • 61. 5ª sessão TR : indução/relaxamento Exploramos:pensamento/sentimento/emoção/sensação/repetição(pensamento/aç ão) e conclusão sobre os fatos. Foi para a imagem do sonho com a menininha : exploramos o pensamento naquele momento : ”A mulher era sua mãe biológica” – Sentiu-se rejeitada, abandonada, com raiva e muito medo de não ter mais ninguém. Concluiu que não teria mais ninguém, a mãe não a quis, ela deveria ser ruim,por isso a mãe foi embora. Ela vê a avó paterna se aproximar : diz à ela que a mãe havia morrido e por isso foi para a casa da família adotiva. A mãe estava muito doente e pediu para que cuidassem de sua filhinha , a criança abraça a avó e se sente protegida . Perguntei-lhe sobre o que sentia naquele momento: “Pena da criança” , queria levá-la até a mãe . Vc pde fazer isso? Sim! Então faça , você pode. Ela pegou a criança no colo e atravessou o rio (“nossa é um riachinho”), deixou a mãe abraçar a criança, a mãe disse que a amava muito e queria vê-la feliz. Perguntei o que lhe faltava “aceitar essa criança”. Como pode fazer isso? Cuidar dela. Abraçou a criança e a trouxe para dentro de si. Coloquei a criança no meu coração. Com se sente? Muito bem. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES
    • 62. Na 6ª sessão ( 15 dias após): Conscientizou-se de que não foi abandonada por não ter sido boa filha-menina; A mãe não a abandonou de fato, ela faleceu. “Eu não era ruim”. Percebeu o quanto se machucou durante a vida com a fala do irmão, que era uma criança, da raiva que viveu durante tanto tempo. E ainda o quanto sentia ciúme dos filho ao acolher o filha da esposa como se fosse sua. O quanto se sentia preterida pelo filho. E ainda de onde vinha a sensação de ser traída todo o tempo, do medo de se relacionar com as pessoas “amar é igual a sofrimento”.( não se relacionar é garantia de não ser abandonada). Foto no final da sessão. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES
    • 63. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES Aparenta melhora na dinâmica de vida. Sono de boa qualidade; Segundo dados médicos- exames clínicos diabetes baixou sensivelmente, com a diminuição do remédio e a pressão arterial também ( o que não significa abandonar tratamento médico). Continua em terapia para entender questões como : “Tudo tem que ser do meu jeito”- um padrão de funcionamento (controle). Energia vital Energia vital
    • 64. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos REAVALIAÇÃO APÓS TERAPÊUTICA COM FLORAL + T. REGRESSIVAREAVALIAÇÃO APÓS TERAPÊUTICA COM FLORAL + T. REGRESSIVA  Melhora significativa da Glicemia CapilarMelhora significativa da Glicemia Capilar  Melhora significativa da Pressão ArterialMelhora significativa da Pressão Arterial (PAS 100 – 130 mmHg e PAD 60 – 80 mmHg)(PAS 100 – 130 mmHg e PAD 60 – 80 mmHg)  Melhora completa da dor em flanco EsquerdoMelhora completa da dor em flanco Esquerdo  Melhora parcial e importante da CefáleiaMelhora parcial e importante da Cefáleia  Melhora do Humor e do SonoMelhora do Humor e do Sono  Melhora nas relações pessoaisMelhora nas relações pessoais  Manutenção da Obstipação Intestinal e da Rinite AlérgicaManutenção da Obstipação Intestinal e da Rinite Alérgica F.S.S., 55 anos
    • 65. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos F.S.S., 55 anos Controle de Glicemia Capilar de Jejum
    • 66. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos Há fatos que seHá fatos que se cristalizam na MEMÓRIAcristalizam na MEMÓRIA interferindo no fluxointerferindo no fluxo energético doenergético do PENSAMENTO tornando-PENSAMENTO tornando- o repetitivoo repetitivo enfraquece a VONTADEenfraquece a VONTADE pois passa a serpois passa a ser alimentada por um únicoalimentada por um único pensamento, pela mesmapensamento, pela mesma vibraçãovibração
    • 67. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos ““A doença é um lembreteA doença é um lembrete para mudar o nosso modopara mudar o nosso modo de ser e corrigir a direçãode ser e corrigir a direção da nossa jornada para ada nossa jornada para a totalidade, o destino paratotalidade, o destino para onde a cura nos leva”onde a cura nos leva” O Médico Quântico - Amit GoswamiO Médico Quântico - Amit Goswami
    • 68. CASO CLÍNICO III MEDICINA INTEGRATIVA Florais de Bach e Bioeletrografia : Recursos na Terapia Regressiva.
    • 69. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos Nadege, 68 anos 1ª consulta: maio/2009 Viúva, mora com 2 filhos solteiros Espírita atuante, afastada devido adoecimento recente Trabalho voluntário em Osasco (coordenadora ) - problemas QUEIXASQUEIXAS Depressão Grave (há 6 meses) - Dificuldades financeiras e de gestão no trabalho voluntário - Falecimento de companheira de trabalho voluntário T. Ansiedade Generalizada com T. Pânico - internada no hospital metropolitano com quadro de precordialgia, mal- estar, ansiedade, depressão mais intensa - foi investigada para quadro de sd coronariana aguda - não mostrou alterações
    • 70. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos Nadege, 68 anos HIPÓTESES DIAGNÓSTICASHIPÓTESES DIAGNÓSTICAS Transtorno de Humor (Depressão grave/Ansiedade moderada) Quadro Estresse Crônico, Dist Sono, Sd Fadiga Crônica Distúrbio de vitalidade DRGE, Dispepsia Alteração Apetite, Obstipação Intestinal Diabetes, Hipertensão Def Auditivo Leve, Def Visual Leve, Zumbido Ombro Doloroso, Fratura pé E (há 5a) Dores em MMII (queimação, incapacitantes) Cefáleia - uso crônico de AINE´s MEDICAÇÕES Pantoprazol Aradois H Metformina 500mg 2x Frontal 1 mg manhã, tarde Frontal 2 mg noite Pamelor 75mg Dalmadorm 1cp noite AVALIAÇÕESAVALIAÇÕES GDS 10 Beck 42GDS 10 Beck 42
    • 71. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos Nadege, 68 anos Triste, com muita raiva não demonstrada. Emocionalmente apóia-se apenas na questão da dimensão de religiosidade externa (trabalhos, coordenações, ações externas) Traz a responsabilidade e o compromisso como valores espirituais. Porém associa quadro de obrigatoriedade, culpa e frustração. Auto-cobrança muito intensa. Confia em poucas pessoas. Muita dificuldade em aceitar ser cuidada ou perceber que tinha problemas na esfera emocional e espiritual (muita resistência) Muitos e intensos fatores externos de estresse que conseguiram abalar suas estruturas. Espera que tudo fique curado e “reclama” muito de ter ficado doente e não poder mais trabalhar no voluntariado como trabalhava antes
    • 72. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos Nadege, 68 anos Ajustado medicações - Retirada gradual do Dalmadorm e Pamelor - Substituição Frontal pelo Lorazepam - Introdução de Citalopram - Introduzido medicação para Obstipação Intestinal Orientação Nutricional e Atividade Física Regular Orientação sobre Tratamento Espiritual Realização de Respiração Abdominal em 4 tempos => 15 min/dia (programar ensino de resposta de relaxamento de Benson e Meditação)
    • 73. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos Nadege, 68 anos logo após a última consulta passou por período de grandelogo após a última consulta passou por período de grande piora devido a queda da mãe com necessidade depiora devido a queda da mãe com necessidade de observação hospitalar por 48 horas.observação hospitalar por 48 horas. Alguns dias após o sobrinho e afilhado suicidou-se.Alguns dias após o sobrinho e afilhado suicidou-se. Passou muito estresse ficando exaltada, ansioso,Passou muito estresse ficando exaltada, ansioso, depressiva, sem dormir adequadamente. Porém ao longodepressiva, sem dormir adequadamente. Porém ao longo dos dias vem reagindo um pouco melhor.dos dias vem reagindo um pouco melhor. Não fez uso adequado das medicações prescritasNão fez uso adequado das medicações prescritas Não fez tratamento espiritual orientadoNão fez tratamento espiritual orientado 1º retorno1º retorno
    • 74. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos Nadege, 68 anos Boa melhora – um pouco menos ansiosa e depressiva Boa aderência a todo o tratamento proposto de cuidado integral Ganho de 2 kg em 3 semanas - alimentando-se melhor. 2 e 3 º retorno2 e 3 º retorno Planejamento Compartilhado de Cuidado Integral a SaúdePlanejamento Compartilhado de Cuidado Integral a Saúde  Físico e MetabólicoFísico e Metabólico => medicações, alimentação adequada, ingesta=> medicações, alimentação adequada, ingesta adequada de água, caminhada e alongamentoadequada de água, caminhada e alongamento  VitalVital => Passe, Água fluidificada, Floral=> Passe, Água fluidificada, Floral  PosturalPostural (consciência corporal) => Lian Gong, Tai Chi, Pilates, Yoga(consciência corporal) => Lian Gong, Tai Chi, Pilates, Yoga  Mental / EmocionalMental / Emocional => Psicoterapia, Postura Mental,=> Psicoterapia, Postura Mental, Relaxamento/VisualizRelaxamento/Visualiz  EspiritualEspiritual => Preces, tratamento espiritual, Desobsessão=> Preces, tratamento espiritual, Desobsessão Encaminhada para Psicoterapia e Terapia de FloraisEncaminhada para Psicoterapia e Terapia de Florais
    • 75. MODELO QUÂNTICOMODELO QUÂNTICO de Amit Goswamide Amit Goswami (modificado por Bignardi)(modificado por Bignardi) ((modificado por Bassimodificado por Bassi)) FÍSICOFÍSICO SensaçõesSensações ADOECERADOECER TERAPÊUTICATERAPÊUTICA MedicinaMedicina ConvencionalConvencional Ativ FísicaAtiv Física Nutrição FuncNutrição Func T. FloraisT. Florais Ter CorporaisTer Corporais (Conscien)(Conscien) RelaxamentoRelaxamento VisualizaçãoVisualização PsicoterapiaPsicoterapia (ressignificado)(ressignificado) ReligiosidadeReligiosidade MeditaçãoMeditação AÇÕES TERAPÊUTICASAÇÕES TERAPÊUTICAS PassePasse Água FluidÁgua Fluid TERAPÊUTICA DO ESPÍRITOTERAPÊUTICA DO ESPÍRITO Significado e Propósito de VIdaSignificado e Propósito de VIda
    • 76. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES N.A.S. mulher – 68 anos – 1ª consulta – 30/04/10. Queixas: depressão – Pânico – dores (cabeça e pernas )– insônia- falta de ar. Tem muito medo de morrer. Diabetes e pressão alta. “Construiu trabalho voluntário – uma creche e um centro espírita”. Está em vias de perder a creche, foi enganada pelo contador. Trabalha desde os 6 anos; Aos 12 assumiu a casa ; Morou na rua , foi pedinte. Casou-se , o marido era alcoólatra. “Judiava dela”. Há 38anos começou a ter problemas de saúde,sem causa clínica. Todos os filhos(adultos) dependem dela. Construiu a vida sozinha, todos os filhos dependem dela. Há 2 anos perdeu quase tudo o que tinha; Concluiu : “ sempre perco tudo, é injusto”. medo medo medo estado depressivo estado depressivo sinal sugere culpa
    • 77. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES Na 2ª sessão trouxe: Nasceu com sarna, o padre não quis batizá-la. Sente-se injustiçada “desde que nasceu”. Sempre teve que trabalhar, nunca pode ser criança. Aos 12 anos passou a ser a mãe da casa, a mãe da mãe (sobrecarga). Quando iniciou o adoecimento há 38 anos atrás, “ o espírito de Clara Nunes pediu para que montasse uma creche para 300 crianças e, ainda, espaço para idosos.” Não passou bem durante a semana , corpo queimava como se tivesse num incêndio, sufocada como se tivesse asfixiada, aperto na garganta. Olhos expressam tristeza. Uso de florais de Bach manipulados, adequados à sua necessidade.
    • 78. 6ª sessão: Sonho: “Era uma mulher que se tornou um homem gigante. Eu estava em um poço lavando roupa com um homem (desconhecido); Num passe de mágica o poço sugou a roupa , o homem cresceu e o poço sugou ele. Senti medo de ser sugada, fiquei desesperada. Outro sonho, na mesma noite: Estava em uma banca vendendo frutas, legumes muita gente foi se aproximando, saí correndo, fui embora.” Sentiu-se angustiada, fica ansiosa com muita gente, não sabe o motivo. Com base na foto e nos sonhos perguntei como viva a mulher N. “ela não vive, nunca tive tempo para ela”, respondeu. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES Foto na 5ª sessão trauma ciume dor resistência Energia vital Energia sexual
    • 79. 7ª sessão- Utilizamos a TR – solicitei a presença do médico durante o trabalho. Trabalhamos as perdas sucessivas, é o tema constante nas sessões. indução/relaxamento Exploramos:pensamento/sentimento/emoção/sensação/repetição (pensamento/ação) e conclusão sobre os fatos. Os relatos estão resumidos. “ estão apertando minha cabeça” Quem aperta a sua cabeça? Não sei. Você pode saber quem é? Sim, é um homem negro. Ele está apertando sua cabeça aqui, nesta sala? Não! Onde é que você está então? Na beira de um rio. Existe um motivo para que ele lhe aperte a cabeça? Ele está nervoso. Você fez algo para que ele esteja nervoso e apertando a sua cabeça? Acho que sim. Ele é empregado do meu pai . Para que ele precisa fazer isso com você? Tenho medo dele. Tenho muito medo (tremor). Quando parece que ele começou a apertar sua cabeça? Quando eu tinha 18 anos. Como era você aos 18 anos? Sou branco e forte . Eu queria ajudar o povo e ele não queria. Quem? O homem negro? Não! O meu pai, ele me colocou para fora de casa. E o que aconteceu quando você saiu de casa?... Tá tudo molhado, estou no rio... To com medo... Ai, ai, ai... Isso é uma lembrança, tudo isso já passou... O que acontece aí com você? Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES
    • 80. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES Vejo um barco grande, um homem grande ... é o homem negro. E o que acontece? Ele me joga na água, segura minha cabeça eu começo a me afogar ... Engasga ... Você não precisa sofrer novamente, tudo já passou, é só uma lembrança. Silencio...O que acontece agora? Estou morto . Vejo meu corpo abandonado. O que você pensa ao ver o seu corpo abandonado? Que não tenho ninguém. E o que sente ao pensar que não tem ninguém? Tristeza, muita tristeza ... Chora Agora que você está fora do corpo e pode ver com clareza o que aconteceu, volte para o momento em que você foi colocado para fora de casa, diga-me o que aconteceu de fato. Uma mulher me acolheu , ela fazia comida, lavava minha roupa, ela cuidava de mim. Quem era essa mulher? Alguém que eu um dia ajudei. O que você sente por essa mulher? Só carinho. Agora estou com 45 anos. Fui pego em uma armadilha, perdi tudo. Que armadilha é essa? Quem preparou isso? Meu pai. Tive que voltar para casa. Há um motivo especial para que essa armadilha seja feita e você ter que voltar? SIM! Eu não era filho dele. Ele foi traído pela minha mãe. Então esse é o motivo pelo qual você era perseguido por ele? Na verdade não. Qual foi então? Ele me criou como filho, me amou e se sentiu traído e eu não valorizava nada que ele fazia por mim. Dava tudo o que podia e não podia para os outros. Para que você fazia isso? Você era bom? Não, eu era um revoltado. Tirar o que era da família me fazia bem.
    • 81. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES (Parte da história ocultada) Vejo o meu pai agora. Onde ? Aqui nesta sala. O que ele faz aqui? Risada sarcástica... Ele tá pior que eu, perdeu tudo também. O que você sente quando o vê? Ódio ! Por causa dele perdi tudo. Como seria se descobrisse que foi sido traído? Silêncio ... Pensando no seu momento atual de vida, como se sentiu quando foi enganada pelo contador e aos poucos foi perdendo tudo? Ódio! Foi injusto. (Parte da história ocultada) Na experiência vivida qual parece ser o momento mais difícil? Quando o homem me pegou e levou para o barco no rio. Diante da morte ,nessa experiência, você toma uma decisão ou conclui algo? “diante da morte não vale a pena lutar “tá tudo dominado”. O que parece que você levou para outras vivências? A luta sem esperança de viver . E o que você trouxe para a atual experiência? O abandono. E o que você repete? A angustia na cabeça e sempre perder tudo. O que no seu comportamento atual lembra o da experiência vivida ? Tudo tem que ser do meu jeito (“poder”?).
    • 82. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos Nadege, 68 anos 5º retorno5º retorno Bem melhor dos sintomas psíquicos. Após realização de terapia regressiva teve importante melhora dos sintomas de cefaléia, choques, mal-estar Melhora completa do gosto amargo na boca. Está conseguindo retornar ao trabalho voluntário que realiza e ao centro espírita que coordena Sono está indo bem, ocasionalmente não dorme bem. Mantém quadro de cefaléia e tensão cervical => melhora após continuidade em trabalho de conscientização corporal PA e Glicemia controladas EXAMES - Glic j 109 HbA1 5,1% CT 208 HDL 97 LDL 85 TG 129 PCR 0,5EXAMES - Glic j 109 HbA1 5,1% CT 208 HDL 97 LDL 85 TG 129 PCR 0,5
    • 83. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos Nadege, 68 anos 6 ao 9 º retorno6 ao 9 º retorno Mantém-se bem clinicamente ALTERNÂNCIA DE SINTOMAS FÍSICOS - Cefaléia, Tontura, Queimação nas pernas - Elevações de Pressão e Glicemia - Quadros Dispépticos, Obstipação Intestinal Mantém-se melhor dos sintomas psíquicos. ⇒ Porém ainda espera melhorar completamente e voltar a ser como era antes ⇒ Não consegue sustentar mudança de postura íntima na vida pessoal e trabalho ⇒ Quer manter-se no controle de tudo e de todos (dependência e autoritarismo) MOMENTO DE CONFLITO ÍNTIMO - ENCRUZILHADAMOMENTO DE CONFLITO ÍNTIMO - ENCRUZILHADA INÍCIO DE TRATAMENTO HOMEOPÁTICO ASSOCIADOINÍCIO DE TRATAMENTO HOMEOPÁTICO ASSOCIADO
    • 84. Florais de Bach e Bioeletrografia : recursos na TR MARTHA MENDES 8ª e 9ª sessões trabalhamos os conteúdos da experiência regressiva ressignificando o abandono , o poder , a injustiça. Na foto inicial mostra um sinal que sugeria a culpa na foto ao lado fica claro o sentimento, e o medo da punição. Perda de uma companheira de trabalho – sentiu-se culpada por tê-la levado ao hospital que não queria (não tinha outra opção) e ficou devendo um dinheiro à ela. Diante da emergência você tinha outra opção de socorro? Não. Só vou acreditar se ela mandar uma mensagem psicografada “Ela tem que mandar uma mensagem.” Embora tenha “instrução espiritual” não consegue vivenciá-la, o que dificulta sua autocura . Manter a dinâmica atual (ganho) é garantia de não ser abandonada – os filhos dependem dela e ela detem o poder de decidir tudo. medo medo
    • 85. CURA DO ESPÍRITOCURA DO ESPÍRITO Reestruturação do Campo Mental e da Malha EnergéticaReestruturação do Campo Mental e da Malha Energética CURARCURAR significa elaborar novas criações mentais, transformar as vibrações dos sentimentos, renovando e reorganizando a malha energética 39º Encontro de Evangelização de Espíritos – Ação Terapêutica do Espírito39º Encontro de Evangelização de Espíritos – Ação Terapêutica do Espírito Rodrigo M. Bassi
    • 86. Rodrigo M. Bassi Medicina e Espiritualidade – Casos ClínicosMedicina e Espiritualidade – Casos Clínicos “Não compete ao médico dar sentido à vida de seus pacientes, mas certamente compete ao médico acompanhar e estimular o paciente no encontro de seus sentidos e significados de vida” Michael Ballint, em “O médico, seu paciente e a doença
    • 87. Rodrigo M. Bassi O AMOR como aO AMOR como a terapêutica por excelênciaterapêutica por excelência ““Para mim, o cerne do trabalhoPara mim, o cerne do trabalho terapêutico consiste emterapêutico consiste em ensinar as pessoas a sentirem eensinar as pessoas a sentirem e a expressarem o amor.a expressarem o amor. E isso, descobri, depende daE isso, descobri, depende da minha capacidade de amá-las eminha capacidade de amá-las e de demonstra-lhes que sãode demonstra-lhes que são dignas de serem amadas...”dignas de serem amadas...” Bernie Siegel- “Curar, Curar-se”Bernie Siegel- “Curar, Curar-se” (citado em Cura e Auto-Cura – Andrei Moreira)(citado em Cura e Auto-Cura – Andrei Moreira)
    • 88. Rodrigo M. Bassi O MÉDICO DO FUTUROO MÉDICO DO FUTURO ““... O médico do futuro terá dois... O médico do futuro terá dois objetivos principais:objetivos principais: o primeiro será o de ajudar oo primeiro será o de ajudar o paciente a alcançar umpaciente a alcançar um conhecimento de si mesmo econhecimento de si mesmo e apontar-lhe os erros fundamentaisapontar-lhe os erros fundamentais que ele possa estar cometendo, asque ele possa estar cometendo, as deficiências de seu caráter que eledeficiências de seu caráter que ele teria de corrigir e os defeitos emteria de corrigir e os defeitos em sua natureza que têm de sersua natureza que têm de ser erradicados e substituídos porerradicados e substituídos por virtudes correspondentes. ..virtudes correspondentes. ..
    • 89. Rodrigo M. Bassi O MÉDICO DO FUTUROO MÉDICO DO FUTURO ““... Tem de ser capaz de aconselhar... Tem de ser capaz de aconselhar o paciente de como restabelecero paciente de como restabelecer melhor a harmonia requerida, quemelhor a harmonia requerida, que ações contra a Unidade deveações contra a Unidade deve deixar de praticar e que virtudesdeixar de praticar e que virtudes necessárias deve desenvolver paranecessárias deve desenvolver para eliminar seus defeitos.eliminar seus defeitos. Cada caso necessitará de umCada caso necessitará de um minucioso estudo, e só os queminucioso estudo, e só os que dedicaram grande parte de suadedicaram grande parte de sua vida ao conhecimento davida ao conhecimento da humanidade e em cujos coraçõeshumanidade e em cujos corações arde a vontade de ajudar ...arde a vontade de ajudar ...
    • 90. Rodrigo M. Bassi O MÉDICO DO FUTUROO MÉDICO DO FUTURO ... serão capazes de empreender... serão capazes de empreender com sucesso essa gloriosa ecom sucesso essa gloriosa e divina obra em favor dadivina obra em favor da humanidade, abrir os olhoshumanidade, abrir os olhos daquele que sofre, iluminá-lodaquele que sofre, iluminá-lo quanto à razão de sua existência,quanto à razão de sua existência, e inspirar-lhe esperança, consoloe inspirar-lhe esperança, consolo e fé que lhe capacitem dominare fé que lhe capacitem dominar sua enfermidadesua enfermidade Dr. Edward BachDr. Edward Bach
    • 91. ““O médico do porvir, para sanar as desarmoniasO médico do porvir, para sanar as desarmonias do espírito, precisará mobilizar o remédio salutardo espírito, precisará mobilizar o remédio salutar da compreensão e do amor, retirando-o doda compreensão e do amor, retirando-o do próprio coração”próprio coração” Entre a Terra e o Céu (André Luiz – FCX)Entre a Terra e o Céu (André Luiz – FCX)

    ×