A BUSCA PELA ESCOLARIZAÇÃO, ATRAVÉS DA AMPLIAÇÃO DA LEITURA E DO SENSO ESTÉTICO: O CASO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE POR...
cultural, digital e esportiva, englobando Educação Infantil, Ensino Fundamental, EnsinoMédio, Educação Especial e Educação...
mecânica e didática desligada do contexto cultural e das motivações mais profundas                       que o ato de ler ...
dos sistemas de ensino realizar a formação continuada de seus professores. Desse modo, aSMED-POA/RS procura, além de quali...
O Programa de Leitura Adote um Escritor conta com dotação orçamentária específicada Prefeitura de Porto Alegre/RS, a qual ...
instituições as quais têm a possibilidade de participar do Programa Brinca. Considerando-seque cada escola possui em média...
de educação. As ideias do autor possibilitam pensar em uma ação educativa que considere asrelações entre a escola, o lazer...
particularmente a Música e às Artes Visuais, são bastante desenvolvidas. Fundamentam otrabalho das Artes a LDBEN 9.394/96,...
além de momentos de repouso, mas representam um agente transformador de atitudes quepoderão ser levadas para toda a vida. ...
FUSARI, Maria F. R; FERRAZ, Maria H.C.T. Metodologia do ensino de arte. 2. ed. SãoPaulo: Cortez, 1999. (coleção Magistério...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

A busca pela escolarização, através da ampliação da leitur…

952

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
952
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "A busca pela escolarização, através da ampliação da leitur…"

  1. 1. A BUSCA PELA ESCOLARIZAÇÃO, ATRAVÉS DA AMPLIAÇÃO DA LEITURA E DO SENSO ESTÉTICO: O CASO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PORTO ALEGRE/RS Cristina Rolim Wolffenbüttel Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre/RSIntrodução A Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre/RS (SMED-POA/RS), ao longode alguns anos, tem procurado solidificar suas políticas em diversas áreas do conhecimento.De acordo com Ahlert (2004), “as políticas públicas são as ações empreendidas pelo Estadopara efetivar as prescrições constitucionais sobre as necessidades da sociedade em termos dedistribuição e redistribuição das riquezas, dos bens e serviços sociais no âmbito federal,estadual e municipal. São políticas de economia, educação, saúde, meio ambiente, ciência etecnologia, trabalho, etc.” (p.1). Em se tratando do desenvolvimento da leitura e do senso estético percebe-se umaintensificação junto às ações nos últimos anos. Podem ser destacados, neste sentido, doisprogramas bastante solidificados, cuja construção ocorreu coletivamente com a RedeMunicipal de Ensino de Porto Alegre/RS (RME-POA/RS) e SMED-POA/RS. São eles oPrograma de Leitura Adote um Escritor e Programa Brinca. O desenvolvimento destesprogramas ocorre, muitas vezes, congregando atividades diversas das escolas, notadamente nabase e no complemento curricular, ou seja, em atividades previstas na chamada “gradecurricular” e como extracurricular ou oficina.Programa de Leitura Adote um Escritor O Programa de Leitura Adote um Escritor existe desde o ano de 2003 na RME-POA/RS. Faz parte do programa da Prefeitura de Porto Alegre, denominado Inclusão social,
  2. 2. cultural, digital e esportiva, englobando Educação Infantil, Ensino Fundamental, EnsinoMédio, Educação Especial e Educação de Jovens e Adultos. O Programa de Leitura Adote um Escritor é uma política pública de leitura propostapela SMED-POA/RS. Objetiva potencializar a formação de leitores e escritores nas escolas daRME-POA/RS, através da ampla apropriação de obras literárias de autores (escritores e/ouilustradores) do Rio Grande do Sul e de todo o Brasil, os quais são escolhidos pelacomunidade escolar. Pode-se fundamentar a referida política em documentos existentes, tanto em nívelmunicipal quanto federal, bem como em pesquisas em nível nacional e local quanto ao índicede leitura e escrita das pessoas. Em se tratando da Constituição Federal, no seu Título I – DosPrincípios Fundamentais, tem-se como objetivos fundamentais uma sociedade livre, justa,solidária, com a redução das desigualdades sociais e a erradicação da pobreza. No mesmodocumento, no Capítulo II – Dos Direitos Sociais, assegura-se ao cidadão direitos sociaiscomo educação, trabalho, lazer, saúde, segurança, moradia (BRASIL, 1988). Quanto aos índices de leitura, dados do Instituto Nacional de Estudos e PesquisasEducacionais Anísio Teixeira (Inep) revelam altos índices de analfabetismo no Brasil.Considerando os analfabetos funcionais, caracterizados como pessoas com menos de quatroséries concluídas, os índices também são alarmantes. A leitura participa ativamente do processo educativo, sendo importante que sejadesenvolvida com base em práticas prazerosas. Por conseguinte, para que se desenvolva ogosto pela leitura, faz-se necessário que os professores consigam desenvolvê-la comoalternativas de lazer desde a infância. De acordo com Souza, os adultos fazem o papel deintermediários entre os livros e as crianças. Desse modo, já no ambiente familiar, os paiscomo educadores possibilitam o primeiro contato com a leitura que desperta a curiosidade e oimaginário da criança por meio de contação de histórias. A criança, ao entrar para a escola, etendo certa familiaridade com o livro, potencializará o trabalho dos professores ebibliotecários, que passarão a ser também responsáveis pelo processo de formação de leitores(SOUZA, 2009). Todavia, nem sempre é possível que, nos lares, os estudantes tenham estecontato inicial com a leitura. Desse modo, Hoffmann (1996) enfatiza a importância da leitura.Para a autora, ensinar a gostar de ler deve ser a preocupação de todos os educadores que, em nossa sociedade se dão conta de que a alfabetização não pode ser uma atividade apenas 2
  3. 3. mecânica e didática desligada do contexto cultural e das motivações mais profundas que o ato de ler pode despertar no eventual ou potencial leitor, em especial na criança. (HOFFMANN, 1996, p.19). Considerando-se estas fundamentações, o Programa de Leitura Adote um Escritor foiestruturado, destinando-se às escolas da RME-POA/RS. Dentre as ações do programa estáprevista a aquisição de obras literárias dos autores escolhidos pela comunidade escolar, bemcomo de outros autores, ampliando o acervo de obras literárias das bibliotecas escolares. Para Carvalho (2006), a biblioteca é “um dos mais antigos sistemas de informaçãoexistentes na história da humanidade, é considerada pólo de irradiação cultural de grandesignificação. Inerente à sua própria condição tem o papel de motivar o leitor para o livro e aleitura” (p. 11). De acordo com Amato (1989), a biblioteca escolar é um setor na escola que dedicacuidados especiais à criança e ao adolescente. Assim, as bibliotecas são um dos meioseducativos, um recurso indispensável para o desenvolvimento do processo de ensino eaprendizagem, bem como para a formação do estudante. Além da aquisição de obras literárias, que compõem o acervo das bibliotecasescolares da RME-POA/RS, dentre as ações de leitura realizadas junto ao programa deLeitura Adote um Escritor, são previstas a realização de reuniões de formação continuada e,literatura, políticas de leitura e temáticas afins. Estes encontros são feitos com oscoordenadores do programa nas escolas, auxiliando no desenvolvimento das açõespedagógicas de leitura. Estes coordenadores do Programa de Leitura Adote um Escritor sãoprofessores das escolas da RME-POA/RS, oriundos de diversas áreas do conhecimento, e quese dedicam à formação de leitores e escritores. Desse modo, ocorrem estas formações, comvistas a encaminhar ações que qualifiquem positivamente o trabalho desenvolvido pelosprofessores das escolas. A formação de professores vem assumindo posição de destaque nas discussões relativasàs políticas públicas. É uma preocupação que se evidencia nas reformas que vêm sendoimplementadas na política de formação docente bem como nas investigações e publicações daárea da Educação. Na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394, de 1996(LDBEN 9.394/96), nos artigos 61, 63 e 67, por exemplo, encontram-se os fundamentos paraa formação inicial e continuada dos professores. Assim, a formação continuada apareceassociada ao processo de melhoria das práticas pedagógicas desenvolvidas pelos professoresem sua rotina de trabalho e em seu cotidiano escolar. Corroborando a análise, é incumbência 3
  4. 4. dos sistemas de ensino realizar a formação continuada de seus professores. Desse modo, aSMED-POA/RS procura, além de qualificar o ensino e a aprendizagem em suas escolas,cumprir determinações legais. Considerando-se o incremento das bibliotecas das escolas da RME-POA/RS e aformação continuada dos professores que desenvolvem ações de leitura nas escolas, noPrograma de Leitura Adote um Escritor, posteriormente, o autor adotado realiza uma visita àescola, objetivando o contato mais próximo com professores, estudantes e a comunidadeescolar. Estas visitas sempre ocorrem de um modo muito lúdico, sendo prazerosa tanto paraos autores, quanto para a comunidade escolar como um todo. Para tanto, escola e autorescombinam o melhor modo deste evento ocorrer. Muitas escolas preparam verdadeirasfestividades para a referida visita sendo, realmente, um momento muito emocionante paratodos os participantes. As visitas dos autores às escolas são organizadas com muitashomenagens e apresentações, sendo a presença da música sempre muito marcante. Como complemento ao programa são realizadas visitas à Feira do Livro de PortoAlegre. Este evento, cujo início deu-se no ano de 1955, teve como idealizador o jornalista SayMarques. O objetivo era popularizar o livro, levando livreiros e editores à Praça da Alfândega– onde até a atualidade a feira acontece – a fim de comercializar livros, levando as livrarias àspessoas. Ao oportunizar a participação das comunidades das escolas da RME-POA/RS, aSMED-POA/RS objetiva somar as possibilidades dos tempos e espaços da educação,ampliando, desse modo, os horizontes pedagógicos e os lugares de aprender. Ao longo dos anos o programa teve a adesão da totalidade das escolas, beneficiandocerca de 60 mil alunos, aproximadamente 5.000 professores, sem contar os desdobramentosjunto à comunidade escolar, bem como da cidade de Porto Alegre como um todo(WOLFFENBÜTTEL, 2009). O Programa de Leitura Adote um Escritor prevê o desenvolvimento de diversasações. Além das já mencionadas, podem ser acrescidos os repasses de dotações orçamentáriaspara a aquisição de obras literárias e para o desenvolvimento do programa como um todo nasescolas. A aquisição destas obras literárias permite que sejam desencadeadas ações de leiturajunto aos alunos e comunidade escolar, ampliando as perspectivas de letramento e, porconsequência, da alfabetização. Os encontros com os coordenadores do programa das escolasda RME-POA/RS permitem a partilha de experiências, bem como as avaliações constantes,tão necessárias aos processos de construção coletiva em educação. 4
  5. 5. O Programa de Leitura Adote um Escritor conta com dotação orçamentária específicada Prefeitura de Porto Alegre/RS, a qual é distribuída diretamente às escolas da RME-POA/RS, considerando-se a autonomia prevista legalmente para a escola e a gerência namicroestrutura escolar. Esse procedimento tem possibilitado a completa apropriação destapolítica de leitura por parte das escolas que, neste sentido, valorizam-no muito, inserindo oprograma e essas ações no projeto político pedagógico escolar. O termo projeto indica plano,intento; vem de projetar que significa lançar-se, precipitar-se. Neste sentido, o projeto traduzas intenções da escola. Para Libâneo, Oliveira e Toschi (2003), o projeto político pedagógico“é um documento que reflete as intenções, os objetivos, as aspirações e os ideais da equipeescolar, tendo em vista um processo de escolarização que atenda a todos os alunos” (p.345-346). Assim, ter o Programa de Leitura Adote um Escritor inserido nos projetos políticopedagógicos das escolas da RME-POA/RS traduz os objetivos de leitura e escrito dessasinstituições.Programa Brinca Programa Brinca é direcionado primordialmente à Educação Infantil, e buscadesenvolver ações que enfatizem o ensino e a aprendizagem, baseadas em processos lúdicos, apartir da formação de leitores e escritores, do trabalho com a Educação Musical e com asArtes Visuais. O Programa Brinca é composto pelos seguintes projetos: BrincaLetras,BrincaSons e BrincArtes, cada um deles direcionado ao desenvolvimento de uma daspotencialidades humanas, a saber: leitura e escrita, desenvolvimento da musicalidade eampliação do senso estético. Criado em 2006, o Programa Brinca tem oportunizado formação continuada parainúmeros professores, monitores e estagiários da educação infantil. Nos últimos anos tematendido cerca de 100 professores, dentre a RME-POA/RS e instituições de Educação Infantilconveniadas à Prefeitura de Porto Alegre. A RME-POA/RS possui 41 escolas de EducaçãoInfantil. Todavia, como o contingente de crianças é maior que a capacidade do atual númerode escolas desta rede de ensino, um modo de suprir a carência de escolas tem sido o processode conveniamento de outras instituições, como as então chamadas creches. Até final do anode 2010 o número de instituições de Educação Infantil conveniadas à Prefeitura de PortoAlegre era de cerca de 200 escolas. Somando-se às escolas da rede, resultam cerca de 250 5
  6. 6. instituições as quais têm a possibilidade de participar do Programa Brinca. Considerando-seque cada escola possui em média 120 crianças, o número total fica em torno de 30.000crianças atendidas. Ampliando a análise dos atendimentos, se forem acrescidas as famílias, onúmero cresce para cerca de 90.000 pessoas atendidas diretamente. O Programa Brinca tem como um de seus principais conceitos a infância. Esta éuma época da vida em que há o predomínio das brincadeiras. É por meio delas que a criançasatisfaz, em grande parte, seus interesses, necessidades e desejos particulares. É, portanto, ummeio privilegiado de inserção na realidade, pois expressa a maneira como a criança reflete,ordena, desorganiza, destrói e reconstrói o mundo. Os processos lúdicos são maneiras muitoeficazes de envolver os estudantes nas atividades, pois a brincadeira é algo inerente à criança.Constitui seu modo de trabalhar, refletir e descobrir o mundo que a cerca (DALLABONA,MENDES, 2004). A importância do trabalho pedagógico com as dimensões da ludicidade é umconstante tema na literatura especializada. O ato de brincar, para o ser humano, encontra-seem sua essência. Desde o ventre materno a criança brinca com seu corpo, fazendomovimentos e, assim, construindo-se como ser humano. No processo lúdico podem serencontrados estímulos diversos de brincadeira, prazer, descobertas, desafios, diversos e,principalmente, repletos da alegria do ensino e da aprendizagem. Neste processo, a vivênciaeducativa é plena. Assim, o lúdico, conforme Winnicott (1975), é a brincadeira que é universal e que é a própria saúde: o brincar facilita o crescimento e, portanto, a saúde; o brincar conduz aos relacionamentos grupais; o brincar pode ser a forma de comunicação na psicoterapia; finalmente, a psicanálise foi desenvolvida como forma altamente especializada do brincar, a serviço da comunicação consigo mesmo e com os outros. (WINNICOTT, 1975.p.63). Partindo desses pressupostos, o Programa Brinca pretende auxiliar na construção deuma escola que articule, cada vez mais, a diversidade de aprendizagens existentes nocotidiano, em uma constante interlocução entre os variados saberes e a vida. Estão presentes,assim, a Literatura, a Música e as Artes Visuais. As pesquisas em sobre o lúdico e a brincadeira têm defendido a reintrodução dasatividades lúdicas nos processos educativos. Para Marcellino (1990), esse direito não significaa aceitação de que a criança habite um mundo autônomo do adulto, tampouco que deva serdeixada entregue aos seus iguais, recusando-se, assim, a interferência do adulto no processo 6
  7. 7. de educação. As ideias do autor possibilitam pensar em uma ação educativa que considere asrelações entre a escola, o lazer e o processo educativo como um dos caminhos a seremtrilhados em busca de um futuro diferente. Desse modo, é positiva a presença do jogo, dobrinquedo, das atividades lúdicas nas escolas, tanto como técnicas educativas, quanto comoprocesso pedagógico na apresentação dos conteúdos (MARCELLINO, 1990). Para alcançar os objetivos educacionais, calcados em pressupostos da ludicidade, oPrograma Brinca se propõe a envolver, em ações criadoras e criativas, diversos segmentos dasinstituições escolares, bem como da comunidade em geral. Com esses focos, dentre osobjetivos do Programa Brinca, salientam-se quatro objetivos que são fundantes para seu plenodesenvolvimento. O primeiro objetivo, proporcionar a formação continuada em música, artes visuais eliteratura, tem sido desenvolvido junto aos educadores e professores de instituições deEducação Infantil. Nos últimos anos, a formação dos profissionais de Educação Infantil temrecebido um incremento, tanto por parte dos formuladores de políticas, quanto por parte dosmeios acadêmicos e da sociedade civil organizada. Objetiva-se, assim, alcançar oreconhecimento quanto à peculiaridade desse nível escolar, dos conhecimentos necessáriospara sua atuação na área e dos prazos para que se efetue a formação preconizada na Lei. Ovalor e a importância da infância foi reconhecido há muito tempo atrás por Comenius,considerado o fundador da moderna didática. Tendo vivido entre os séculos XVI e XVII,Comenius propôs um sistema articulado de ensino, reconhecendo o igual direito de todos oshomens ao saber. Em sua obra, Didática Magna, propõe uma educação realista e permanente,um método pedagógico rápido, econômico e sem fadiga, um ensinamento a partir deexperiências do cotidiano, o conhecimento de todas as ciências e de todas as artes, bem comoum ensino unificado (COMENIUS, 2002). Nesta perspectiva articulada, lúdica e unificadatem-se constituído o Programa Brinca. O segundo objetivo que o Programa Brinca tem como primordial é oportunizar odesenvolvimento de ações leitura, produção musical e visual junto às instituições deEducação Infantil e com a comunidade em geral. O reconhecimento da importância da leiturae o incentivo às suas práticas são ações constantes nos âmbitos escolares. Desse modo, oPrograma Brinca oportuniza a leitura de obras literárias junto às instituições de EducaçãoInfantil, as quais, após a elaboração de projetos de leitura, promovem atividades neste sentidojunto às crianças e comunidade escolar. Do mesmo modo, as ações voltadas às Artes, 7
  8. 8. particularmente a Música e às Artes Visuais, são bastante desenvolvidas. Fundamentam otrabalho das Artes a LDBEN 9.394/96, que estabelece as diretrizes e bases da educaçãonacional, tornando obrigatório o ensino de Arte, no § 2º do Artigo 26. Na LDBEN tem-se queo “ensino da Arte, especialmente em suas expressões regionais, constituirá componentecurricular obrigatório nos diversos níveis da Educação Básica, de forma a promover odesenvolvimento cultural dos alunos”. Em se tratando especificamente da inclusão da Músicacomo um dos objetivos do Programa Brinca, cabe salientar a obrigatoriedade do ensino demúsica na Educação Básica, instituída através da Lei nº 11.769, de 2008. Considerando que aEducação Infantil faz parte da Educação Básica, torna-se justificado e necessário considerareste trabalho neste nível de ensino. O terceiro objetivo do Programa Brinca pretende potencializar o conhecimento e aprodução de obras literárias, musicais e de artes visuais, envolvendo crianças, educadores epais. Trabalhar com Arte na educação possibilita improvisar, transformar, ir além dasuperficialidade e entrelaçar os conhecimentos. Enfim, pode-se entrar no terreno criativo dacondição humana. Esta manifestação dinâmica confere às artes uma importância que vai alémde uma disciplina escolar, pois é produto íntimo da formação humana. O sujeito percebe asensibilidade da humanidade quando tem a Arte como algo significativo em sua educação. AArte tem uma grande importância na educação e, em geral, tem função indispensável na vidadas pessoas desde o início das civilizações, tornando-se um fator essencial de humanização.Para Martins, Picosque e Guerra (1998), “cada um de nós, combinando percepção,imaginação, repertório cultural e histórico, lê o mundo e o reapresenta à sua maneira, sob oseu ponto de vista, utilizando formas, cores, sons, movimentos, ritmo, cenário (p.57). Assim,conforme Ferraz e Fusari (1999) complementam, a “arte se constitui de modos específicos demanifestação da atividade criativa dos seres humanos ao interagirem com o mundo em quevivem, ao se conhecerem e ao conhecê-lo” (p.16). Por fim, o último objetivo, porém não menos importante, é promover a realização deexposições das produções oriundas do Programa Brinca, envolvendo crianças, educadores ecomunidade em geral. O processo criativo é muito importante para o ser humano. Para acriança, em especial, é fonte de muitos aprendizados. Enquanto a criança cria, desenha, canta,dança ou representa, ela é livre para expressar suas idéias e seus sentimentos. É nestesmomentos que a criança vai aprender a ouvir, a ver e a sentir. É no contato direto com a Arte,entendendo e criando, que a criança vai aprender a gostar de Arte. As atividades com Arte vão 8
  9. 9. além de momentos de repouso, mas representam um agente transformador de atitudes quepoderão ser levadas para toda a vida. Para Larrosa (2003) “se alguém lê ou escuta ou olhacom o coração aberto, aquilo que lê, escuta ou olha ressoa nele; ressoa no silêncio que é ele, eassim o silêncio penetrado pela forma se faz fecundo. E assim, alguém vai sendo levado à suaprópria forma” (p. 52).Considerações Finais O Programa de Leitura Adote um Escritor e o Programa Brinca têm se destacadodentre as ações desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre/RS,direcionadas às escolas de sua rede ou às instituições de Educação Infantil conveniadas àPrefeitura. Mostra, assim, uma preocupação com a promoção da leitura e do senso estético,bem como com a construção e solidificação de políticas públicas para a potencialização doensino em Porto Alegre. Pretende-se, ao longo dos anos, dar continuidade aos programas procurando, cadavez mais, solidificá-los e, principalmente, os qualificar.ReferênciasAHLERT, Alvori. A eticidade da educação: o discurso de uma práxis solidária/universal.2.ed. Ijuí: UNIJUÍ, 2003. (Coleção - Fronteiras da educação).AMATO, Mirian, GARCIA, Neise Aparecida Rodrigues. A biblioteca na escola. In: Nery,Alfredina et al. Biblioteca Escolar: estrutura e funcionamento. São Paulo: Loyola, 1989. 108p. p. 9-23.BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 25. ed.Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2005. (Série textos básicos, n.37).CARVALHO, Kátia de. Disseminação da informação e biblioteca: passado, presente e futuro.In: CARVALHO, Kátia de; SCHWARZELMÜLLER, Anna Fredericka. (Orgs.). O ideal dedisseminar: novas perspectivas, outras percepções. Salvador: EDUFBA, 2006. p. 9-27.COMENIUS. Didática magna. São Paulo: Martins Fontes, 2002.DALLABONA, Sandra Regina; MENDES, Sueli Maria Schmitt . O lúdico na educaçãoinfantil: jogar, brincar, uma forma de educar. Revista de Divulgação Técnico Científica doICPG, vol. 1, n.4 – jan.-mar./2004. 9
  10. 10. FUSARI, Maria F. R; FERRAZ, Maria H.C.T. Metodologia do ensino de arte. 2. ed. SãoPaulo: Cortez, 1999. (coleção Magistério. 2º grau. Série formação do professor.).HOFFMANN, Rosemira da Silva. A aprendizagem da criança pela leitura. Florianópolis:UFSC, 1996.LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. 4. ed. Tradução deAlfredo Veiga-Neto. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. EducaçãoEscolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2003.MARCELLINO, Nelson Carvalho. Pedagogia da animação. São Paulo: Papirus, 1990.MARTINS, Mirian C.; PICOSQUE, Gisa; GUERRA, M. Terezinha Telles. Didática doensino de arte: a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, 1998.SOUZA, Juliana Daura de. A biblioteca e o bibliotecário escolar no processo de incentivo àleitura: uma pesquisa bibliográfica. Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação emBiblioteconomia, do Centro de Ciências da Educação da Universidade Federal de SantaCatarina. 2009.WINNICOTT, Donald W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago Editora Ltda.,1975. 10

×