Filtração glomerular trab biologia

60,431 views

Published on

Published in: Health & Medicine, Technology
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
60,431
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
395
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Filtração glomerular trab biologia

  1. 1. Mestrado em Computação e Instrumentação Médica<br />Introdução à Biologia Humana<br />Filtração Glomerular<br />Célio Cerqueira nº1100119<br />Diana Barros nº 1101593<br />Hélder Silva nº 1100118<br />Janeiro 2011<br />
  2. 2. Tópicos Principais<br />Conceitos Introdutórios<br />Sistema Urinário<br /> Importância Funcional<br />Órgão essencial<br />Unidade Funcional do Rim<br />TúbuloUrinífero<br />Formação da Urina no Túbulourinífero<br />Filtração Glomerular<br />O que é e onde ocorre<br />Taxa de Filtração Glomerular<br />Barreira de Filtração<br />Regulação da Filtração Glomerular<br />
  3. 3. Conceitos Introdutórios<br />Breve revisão das principais funções do sistema urinário e principais constituintes do rim<br />
  4. 4. Sistema Urinário: Importância Funcional<br />Excreção dos produtos resultantes da actividade metabólica do organismo;<br />Regulação do equilíbrio hidro-electrolítico;<br />Regulação do volume de fluído extracelular (determinante da pressão arterial);<br />Regulação do equilíbrio ácido-base dos fluidos corporais;<br />Função endócrina;<br />Activação da vitamina D;<br />
  5. 5. A concentração de uma solução é designada:<br />OSMOLARIDADE<br />Quando expressa em osmoles por litro de água<br />OSMOLALIDADE<br />Quando expressa em osmoles por kilogramade água<br /><ul><li>É fundamental manter a osmolaridade do fluido extracelular, excretando solutos ou água que estejam em excesso no fluido extracelular.</li></li></ul><li>Sistema Urinário: Órgão Essencial<br />O RIM<br />
  6. 6. Unidade Funcional do RIM<br />TúbuloUrinífero:<br />Cápsula glomerular e Glomérulo renal Corpúsculo renal<br />Túbulo contornado proximal<br />Segmento fino da ansa de Henle<br /> Segmento espesso da ansa de Henle<br />Túbulo contornado distal<br />Túbulos colectores que convergem para constituir canais colectores ou papilares que terminam num orifício da papila renal<br />
  7. 7. TúbuloUrinífero<br />
  8. 8. Formação da Urina no TúbuloUrinífero<br />O processo de formação e excreção da urina baseia-se em três processos: Filtração, Reabsorção e secreção<br />
  9. 9. Filtração Glomerular<br />Definição<br />Taxa de Filtração Glomerular<br />Barreira de Filtração<br />Regulação da Filtração Glomerular<br />
  10. 10. O que é e onde ocorre:<br />Ocorre no Corpúsculo Renal e consiste no movimento passivo de um filtrado plasmático a partir dos capilares glomerulares para o espaço urinário da cápsula de Bowman.<br />
  11. 11. A primeira fase da produção de urina realiza-se então nos corpúsculos renais, aos quais chega cerca de 20 a 25% do sangue bombeado pelo coração, sensivelmente 1 200 ml por minuto. <br />É um processo de filtração que se inicia no plasma sanguíneo, atravessa os minúsculos poros das paredes dos capilares glomerulares e da camada visceral da cápsula de Bowman, para passar para o espaço urinário, situado entre as duas camadas da cápsula de Bowman, continuando o seu percurso pelo túbulo renal. <br />
  12. 12.
  13. 13. Esta filtração glomerular é um processo passivo que depende da interacção de dois tipos de forças antagónicas<br />Pressão hidrostática, ou seja, a pressão do líquido em cada compartimento (nos capilares glomerulares e no espaço urinário)<br />Pressãocoloidosmótica, ou seja, o poder de absorção de água das proteínas presentes no plasma e cujo tamanho não lhes permite atravessar as paredes dos capilares do glomérulo – por isso têm tendência para reter líquidos no sangue<br />Taxa de Filtração Glomerular<br /><ul><li>As forças que determinam a taxa de filtração glomerular são as mesmas que determinam a troca de fluidos entre os capilares sistémicos e o fluido intersticial:
  14. 14. Pressão hidrostática do sangue nos capilares glomerulares;
  15. 15. Pressão coleidosmóticado sangue nos capilares glomerulares;
  16. 16. Pressão hidrostática do filtrado glomerular na cápsula de Bowman;
  17. 17. Pressão coleidosmóticado filtrado glomerular na cápsula de Bowman;</li></li></ul><li>A interacção destas forças provoca uma determinada pressão de filtração, que se traduz na passagem de água e de múltiplas substâncias de minúsculo tamanho dissolvidas no plasma sanguíneo para o interior do espaço urinário.<br /> Todavia, as substâncias de maior dimensão, como as proteínas e as células sanguíneas, não conseguem atravessar a membrana dos capilares e, por conseguinte, permanecem sempre no sangue. <br />A passagem do fluido plasmático faz-se através da Barreira de filtração que separa o sangue no lúmen dos capilares glomerulares do espaço urinário da cápsula de Bowman.<br />
  18. 18. Barreira de Filtração<br />A barreira de Filtração é constituída pela parede dos capilares glomerulares e pela camada visceral da cápsula de Bowman.<br />
  19. 19.
  20. 20. O que resulta da filtração glomerularé um fluido que aparece no espaço urinário da cápsula de Bowman designado filtrado glomerular, desprovido de elementos celulares do sangue e praticamente sem proteínas.<br />Nesta primeira fase de produção de urina, produz-se uma grande quantidade de produto filtrado pelos glomérulos.<br />
  21. 21. Regulação da Filtração Glomerular<br />De um modo geral, o aumento da pressão arterial sistémica, a vasodilatação da arteríola aferente e a vasoconstrição de arteríola eferente são capazes de aumentar a taxa de filtração renal. <br />Existem sistemas capazes de regular essa taxa de filtração como são exemplo:<br />Sistema Renina-Angiotensina-Aldosterona;<br />Retroalimentaçãotubuloglomerular (Aparelho Justa-glomerular);<br />Reflexo miogénico; <br />Factores extra-renais. <br />
  22. 22. Conclusão<br />Através da filtração glomerular é possível avaliar a função renal;<br />O produto da filtração glomerular passa por consideráveis transformações ao longo do seu percurso pelos túbulos renais, tendo em conta que grande parte da água e das diversas substâncias são reabsorvidas, ou seja, passam do interior dos túbulos para os vasos capilares adjacentes, de modo a regressarem ao sangue;<br /> Outras substâncias que não tenham sido filtradas no glomérulo são segregadas na direcção inversa, ou seja, passam do sangue que circula pelos ditos capilares para o interior dos túbulos; <br />O organismo consegue recuperar substâncias úteis, que entretanto foram filtradas nos glomérulos, e eliminar outras, com o objectivo de manter o equilíbrio físico-químico do meio interno. <br />
  23. 23. Referências<br />Cristina Teixeira, “Sistema Urinário”, Anatomo-Histo-Fisiologia II, 2008-2009<br />SeeleyStephens Tate “Anatomy & Phisiology”<br />http://www.fisiologia.kit.net/fisio/renal/2.htm<br />http://www.medipedia.pt/home/home.php?module=artigoEnc&id=277<br />
  24. 24. Mestrado em Computação e Instrumentação Médica<br />Introdução à Biologia Humana<br />Obrigada pela Atenção<br />Célio Cerqueira nº1100119<br />Diana Barros nº 1101593<br />Hélder Silva nº1100118<br />Janeiro 2011<br />

×