Portugues7em

  • 317 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
317
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
5
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 2 Caro (a) aluno (a), Aqui, neste módulo, você terá contato com a síntese de três obras da Literatura Brasileira que são: 1. Senhora – José de Alencar 2. O Cortiço – Aluísio Azevedo 3. Capitães de Areia – Jorge Amado Você deverá ler este módulo de literatura, contendo os três resumos, as descrições das personagens e o fragmento das obras. Leia-os com bastante atenção, pois você fará uma avaliação sobre esse assunto que encerrará o curso de Português. Boa leitura ! Equipe de Português
  • 2. 3
  • 3. 4 SÍNTESE DA OBRA - O tema deste romance – o casamento por interesse – condiciona sua composição. Ele divide-se em quatro partes, que correspondem às etapas de uma transação comercial: O Preço, Quitação, Posse e Resgate. Fernando Seixas, um rapaz pobre, mas ambicioso de subir na escala social, é namorado de Aurélia, moça também humilde e órfã de pai. Passando por apuros financeiros, Seixas aceita, por um dote de trinta contos, a proposta de casamento com Adelaide Amaral. Mas o destino prepara-lhe uma peça: Aurélia, a noiva desprezada, recebe uma inesperada herança do avô paterno e torna-se uma das mais disputadas moças do Rio de Janeiro. Dividida entre o amor e o orgulho ferido, ela encarrega seu tutor, o tio Lemos, de negociar seu casamento com Fernando por um dote de cem contos. O acordo realizado inclui, como uma de suas cláusulas, o desconhecimento da identidade da noiva por parte do contratado até as vésperas do casamento. Na noite de núpcias Aurélia pôde completar seu plano, humilhando o marido comprado e impondo-lhe as regras da convivência conjugal: em casa seriam dois estranhos; para a sociedade fingiriam a felicidade de um casal perfeito. Fernando submete-se às determinações de sua senhora, mas readquire seu orgulho e põe-se a trabalhar para reunir o dinheiro necessário ao seu resgate. No final, quando devolve o dote a Aurélia, ela lhe mostra o testamento que fizera no dia do casamento, nomeando-o seu herdeiro universal. É a prova de seu amor. Estão ambos redimidos de seus erros. “As cortinas cerram-se, e as auras da noite, acariciando o seio das flores, cantam o hino misterioso do santo amor conjugal”. AURÉLIA- era uma mulher diferente. Diferente de todas as outras que naquela época viviam. Era como uma estrela, das mais bonitas e mais brilhantes, não julgada pela intensidade com que sua luz brilha mas, pelo modo com que esta o faz. Era uma mulher daquelas que por onde passa, a todo encanta. Era uma mulher que seduzia a quem pudesse ter a honra de observá-la. Mas junto a esta sua característica tão marcante, ainda mais marcante era quanto a sua maneira de agir e de pensar, já era tão linda e especial quanto a era na sua determinação e no seu jeito de querer opor-se á algumas regras determinadas pela sociedade mas que não agradavam-lhe. Aurélia era aquele tipo de mulher que a todos pode dominar e que tem tudo o que quer ter, possuindo uma lábia, um jeito seu que domina as pessoas que lhe rodeiam. Mais superficialmente, ela era educada, delicada, corajosa, elegante, informada, inteligente, experiente. Era com certeza, alguém que nasceu para a riqueza e para a alta sociedade, e talvez, a SENHORA (1875) JOSÉ DE ALENCAR - ROMANTISMO PERSONAGENS
  • 4. 5 característica que consideramos a mais importante, que pode ser a explicação de seu sucesso no domínio das pessoas: a sua frieza. LEMOS - era um velho não muito diferente de muitos outros, possuía baixa estatura, não era muito gordo, mas rolho e bojudo como um vaso chinês. Possuía como características psicológicas mais superficiais, uma certa vivacidade, que combinava com seus olhos vivos espertos. SEIXAS - uma importante característica de Seixas, talvez o que mais o difere dos outros homens da época, é o enorme contraste entre a sua vida social que levava na alta sociedade e vida que tinha em casa com sua família. Seixas era, apesar de não ser tão rico, um homem de classe, que possuía bens caríssimos, só disponíveis às pessoas da mais alta sociedade. Quanto às suas características mais interiores, Seixas era fino, nobre, elegante, educado, extremamente inteligente. D.FIRMINA – mãe de encomenda de Aurélia que lhe fazia companhia nas festas e compras. D.EMÍLIA – mãe de Aurélia e irmã de Lemos a quem este abandonou por ter-se casado com o Pedro Camargo. PEDRO CAMARGO - pai de Aurélia e filho natural do fazendeiro Lourenço Camargo, que deixa, ao morrer, uma herança à neta, Aurélia. ADELAIDE – rival de Aurélia, quando pobre, na disputa do Seixas. Acaba se casando com o Dr. Torquato Ribeiro que Aurélia habilmente lhe arranja. TORQUATO RIBEIRO - moço bom e humilde que procurou ajudar Aurélia nos momentos difíceis, quando pobre. EDUARDO ABREU - pretendente de Aurélia. Moço bom que custeou as despesas do enterro de sua mãe. LÍSIA SOARES - amiga de Aurélia. Picante e um tanto fofoqueira. O PREÇO Há anos raiou no céu fluminense uma nova estrela. Desde o momento de sua ascensão ninguém lhe disputou o cetro; foi proclamada a rainha dos salões. Tornou-se a deusa dos bailes; a musa dos poetas e o ídolo dos noivos em disponibilidade. Era rica e formosa. FRAGMENTO DA OBRA
  • 5. 6 Duas opulências, que se realçam como a flor em vaso de alabastro; dois esplendores que se refletem, como o raio de sol no prisma do diamante. Quem não se recorda da Aurélia Camargo, que atravessou o firmamento da corte como brilhante meteoro, e apagou-se de repente no meio do deslumbramento que produzira o seu fulgor? Tinha ela dezoito anos quando apareceu a primeira vez na sociedade. Não a conheciam; e logo buscaram todos com avidez informações acerca da grande novidade do dia. Dizia-se muita coisa que não repetirei agora, pois a seu tempo saberemos a verdade, sem os comentos malévolos de que usam vesti-la os noveleiros. Aurélia era órfã; tinha em sua companhia uma velha parenta, viúva, D. Firmina Mascarenhas, que sempre a acompanhava na sociedade. Mas essa parenta não passava de mãe de encomenda, para condescender com os escrúpulos da sociedade brasileira, que naquele tempo não tinha admitido ainda certa emancipação feminina. Guardando com a viúva as deferências devidas à idade, a moça não declinava um instante do firme propósito de governar sua casa e dirigir suas ações como entendesse. Constava também que Aurélia tinha um tutor; mas essa entidade desconhecida, a julgar pelo caráter da pupila, não devia exercer maior influência em sua vontade, do que a velha parenta. A convicção geral era que o futuro da moça dependia exclusivamente de suas inclinações ou de seu capricho; e por isso todas as adorações se iam prostrar aos próprios pés do ídolo. Assaltada por uma turba de pretendentes que a disputavam como o prémio da vitória, Aurélia, com sagacidade admirável em sua idade, avaliou da situação em que se achava, e dos perigos que a ameaçavam. (José de Alencar, Senhora) ■ ■ ■ ■ ■ ■ ■ ■ ■ ■
  • 6. 7
  • 7. 8 SÍNTESE DA OBRA - João Romão, português, bronco e ambicioso, ajuntando dinheiro a poder de penosos sacrifícios, compra pequeno estabelecimento comercial no subúrbio da cidade (Rio de Janeiro). Ao lado morava, Bertoleza, uma preta, escrava fugida, trabalhadeira, que possuía uma quitanda e umas economias. Os dois amasiam-se, passando a escrava a trabalhar como burro de carga para João Romão. Com o dinheiro de Bertoleza, o português compra algumas braças de terra e alarga sua propriedade. Para agradar a Bertoleza, forja uma falsa carta de alforria. Com o decorrer do tempo, João Romão compra mais terras e nelas constrói três casinhas que imediatamente aluga. O negócio dá certo o novos cubículos se vão amontoando na propriedade do português. A procura de habitação é enorme, e João Romão, ganancioso, acaba construindo vasto e movimentado cortiço. Ao lado vem morar outro português, mas de classe elevada, com certos ares de pessoa importante, o Senhor Miranda, cuja mulher leva vida irregular. Miranda não se dá com João Romão, nem vê com bons olhos o cortiço perto de sua casa. No cortiço moram os mais variados tipos: brancos, pretos, mulatos, lavadeiras, malandros, assassinos, vadios, benzedeiras etc. Entre outros: a Machona, lavadeira gritalhona, "cujos filhos não se pareciam uns com os outros"; Alexandre, mulato antipático; Pombinha, moça franzina que se desencaminha por influência das más companhias; Rita Baiana, mulata faceira que andava amigada na ocasião com Firmo, malandro valentão; Jerônimo e sua mulher, e outros mais. João Romão tem agora uma pedreira que lhe dá muito dinheiro. No cortiço há festas com certa freqüência, destacando-se nelas Rita Baiana como dançarina provocante e sensual, o que faz Jerônimo perder a cabeça. Enciumado, Firmo acaba brigando com Jerônimo e, hábil na capoeira, abre a barriga dó rival com a navalha e foge. Naquela mesma rua, outro cortiço se forma. Os moradores do cortiço de João Romão chamam-no de "Cabeça-de-gato"; como revide, recebem o apelido de "Carapicus". Firmo passara a morar no "Cabeça-de- Gato", onde se torna chefe dos malandros. Jerônimo, que havia sido internado em um hospital após a briga com Firmo, arma uma emboscada traiçoeira para o malandro e o mata a pauladas, fugindo em seguida com Rita Baiana, abandonando a mulher. Querendo vingar a morte de Firmo, os moradores do "Cabeça-de-gato" travam séria briga com os "Carapicus". Um incêndio, porém, em vários barracos do cortiço de João Romão põe fim à briga coletiva. O português, agora endinheirado, reconstrói o cortiço, dando-lhe nova feição e pretende realizar um objetivo que há tempos vinha alimentando: casar-se com uma mulher "de fina educação", legitimamente. Lança os olhos em Zulmira, filha do Miranda. Botelho, um velho parasita que reside com a família do Miranda e de grande influência junto deste, aplaina o caminho para João Romão, mediante o pagamento de vinte contos de réis. E em breve os dois portugueses, por interesse, se tornam amigos e o casamento é coisa certa. Só há uma dificuldade: Bertoleza. João Romão arranja um plano para livrar- se dela: manda um aviso aos antigos proprietários da escrava, denunciando-lhe o paradeiro. Pouco tempo depois, surge a polícia na casa de João Romão para levar Bertoleza aos seus antigos senhores. A escrava compreende o destino que lhe estava reservado, suicida-se, cortando o ventre com a mesma faca com que estava limpando o peixe para a refeição de João Romão. O Cortiço (1890) ALUÍSIO AZEVEDO – NATURALISMO
  • 8. 9 João Romão: Era baixo, de cabelos à escovinha, com a barba sempre por fazer, usava sempre mangas de camisa e tamanco, muito ambicioso, desconfiado, dormia sobre o balcão da própria venda, em cima de uma esteira, fazendo de travesseiro um saco cheio de palha. Albino: Era um sujeito afeminado, fraco, cor de aspargo cozido e com um cabelinho castanho e deslavado, que lhe caía, numa só linha, até o pescoço. Botelho: Era um pobre-diabo com quase setenta anos, antipático, cabelo branco, curto e duro como escova, barba e bigode do mesmo teor, muito pálido, com uns óculos redondos que lhe aumentavam o tamanho da pupila, tinha o nariz adunco e os dentes tão gastos, que pareciam limados até ao meio. O casal Jerônimo e Piedade: Uma das grandes histórias de "O Cortiço". Casal de portugueses, Jerônimo e Piedade constituem uma família equilibrada que causa inveja e admiração assim que se instala na estalagem. Com o passar do tempo, entretanto, a felicidade rui. Jerônimo começa a se interessar por uma brasileira, Rita Baiana, e a sofrer uma transformação lenta, abrasileirando-se como o passar dos meses. Chega a cometer um crime, matando seu rival, o ex-namorado de Rita. Depois disso troca sua esposa por ela, muda-se para outro bairro e vive seu declínio rumo a decadência, começa a beber, e perde o gosto pelo trabalho, assim como seus hábitos finos e respeitosos. O português que provavelmente tornaria-se rico, empobrece ao lado de Rita Baiana. Tem sim felicidade sexual ao lado dela, mas torna-se alcoólatra e perde seus princípios, deixando até mesmo de pagar o colégio da pequena filha. Piedade, após abandonada pelo marido, também vive seus piores momentos. Passa a depender da bebida o tempo todo, torna-se irresponsável e promíscua. Perde toda a freguesia e passa a ser sustentada por Pombinha e Léonie. O casal Leocádia e Bruno: Ela o trai por não conseguir controlar-se diante do belo e rico Henrique. Bruno os flagra, mas não chega a identificar o garoto, hóspede de Miranda. Bruno expulsa Leocádia de casa. Ela tem um filho daquela traição, do qual o estudante Henrique nem toma conhecimento, trabalha como ama de leite, depois aqui e ali, envolve- se com outros homens mas acaba sozinha. Bruno dá-se conta de que ama Leocádia e não pode viver sem ela, procura-a e dá início à uma longa reconciliação. Ao final, os dois voltam a viver juntos. Florinda e sua mãe Marciana: Florinda engravida de um dos caixeiros de João Romão. O rapaz recusa-se a se casar com ela. A mãe de Florinda não aceita o ocorrido e passa a castigar a filha fisica e moralmente com agressões constantes. A garota foge de casa, e isso basta para que Marciana mude de comportamento. Fica frágil, chorando todo o tempo, perde a noção da realidade, e entra em estado de loucura. Termina num hospício, onde morre sozinha. Florinda passa por vários amantes até encontrar num deles aparente segurança ao final da história. Pombinha e Léonie: Pombinha é loira, frágil e delicada. Um tipo diferente entre os negros e mulatos da estalagem. No começo do romance é fraca e doente. Aos 18 anos ainda não PERSONAGENS
  • 9. 10 menstruara. Tem um noivo, mas sua mãe não lhe permite casar antes de que lhe venham as regras. Sua mãe no passado era rica, agora esperava apenas pelo casório da filha para voltar ao seu antigo patamar social. Pombinha é amiga da rica prostituta Léonie, e só vem a perceber que o interesse desta nela é sexual, no dia em que Léonie lhe cobre de beijos e carícias, envolvendo-a, excitando-a. As duas transam. Depois disso Pombinha transforma-se, ficando forte e decidida. Casa-se, já sem a antiga ilusão de uma vida perfeita ao lado de um homem. O casamento acaba por não dar certo e ela separa-se, indo morar com Léonie e passando também a se prostituir. Vive aí, o auge de sua felicidade. Trecho do capítulo IV, onde o autor narra como João Romão levou o português Jerônimo para conhecer a sua pedreira. E os dois, em vez de procurarem a estrada, atravessaram o capim quente e trescalante. Meio dia em ponto. O sol estava a pino; tudo reverberava a luz irreconciliável de dezembro, num dia sem nuvens. A pedreira, em que ela batia de chapa em cima, cegava olhada de frente. Era preciso martirizar a vista para descobrir as nuanças da pedra; nada mais que uma grande mancha branca e luminosa, terminando pela parte de baixo no chão coberto de cascalho miúdo, que ao longe produzia o efeito de um betume cinzento, e pela parte de cima na espessura compacta do arvoredo, onde se não distinguiam outros tons mais do que nódoas negras, bem negras, sobre o verde escuro. À proporção que os dois se aproximavam da imponente pedreira, o terreno ia se tornando mais e mais cascalhudo; os sapatos enfarinhavam se de uma poeira clara. Mais adiante, por aqui e por ali, havia muitas carroças, algumas em movimento, puxadas a burro e cheias de calhaus partidos; outras já prontas para seguir, à espera do animal, e outras enfim com os braços para o ar, como se acabassem de ser despejadas naquele instante. Homens labutavam. À esquerda, por cima de um vestígio de rio, que parecia ter sido bebido de um trago por aquele sol sedento, havia uma ponte de tábuas, onde três pequenos, quase nus, conversavam assentados, sem fazer sombra, iluminados a prumo pelo sol do meio dia. Para adiante, na mesma direção, corria um vasto telheiro, velho e sujo, firmado sobre colunas de pedra tosca; ai muitos portugueses trabalhavam de canteiro, ao barulho metálico do picão que feria o granito. Logo em seguida, surgia uma oficina de ferreiro, toda atravancada de destroços e objetos quebrados, entre os quais avultavam rodas de carro; em volta da bigorna dois homens, de corpo nu, banhados de suor e alumiados de vermelho como dois diabos, martelavam cadenciosamente sobre um pedaço de ferro em brasa; e ali mesmo, perto deles, a forja escancarava uma goela infernal, de onde saiam pequenas línguas de fogo, irrequietas e gulosas. (Aluísio Azevedo, O Cortiço) FRAGMENTO DA OBRA
  • 10. 11 JORGE AMADO
  • 11. 12 SÍNTESE DA OBRA - Capitães da Areia é um grupo de meninos de rua. O livro é dividido em três partes. Antes delas, no entanto, via uma seqüência de reportagens e depoimentos, explicando que os Capitães da Areia é um grupo de menores abandonados e marginalizados, que aterrorizam Salvador. Os únicos que se relacionam com eles são Padre José Pedro e uma mãe-de-santo, Don'Aninha. O Reformatório é um antro de crueldades, e a polícia os caçam como adultos antes de se tornarem um. A primeira parte em si, "Sob a lua, num velho trapiche abandonado" conta algumas histórias quase independentes sobre alguns dos principais Capitães da Areia (o grupo chegava a quase cem, morando num trapiche abandonado, mas tinha líderes). Pedro Bala, o líder, de longos cabelos loiros e uma cicatriz no rosto, uma espécie de pai para os garotos, mesmo sendo tão jovem quanto os outros, que depois descobre ser filho de um líder sindical morto durante uma greve; Volta Seca, afilhado de Lampião, que tem ódio das autoridades e o desejo de se tornar cangaceiro; Professor, que lê e desenha vorazmente, sendo muito talentoso; Gato, que com seu jeito malandro acaba conquistando uma prostituta, Dalva; Sem - Pernas, o garoto coxo que serve de espião se fingindo de órfão desamparado (e numa das casas que vai é bem acolhido, mas trai a família ainda assim, mesmo sem querer fazê-lo de verdade); João Grande, o "negro bom" como diz Pedro Bala, segundo em comando; Querido- de- Deus, um capoeirista amigo do grupo, que dá algumas aulas de capoeira para Pedro Bala, João Grande e Gato; e Pirulito, que tem grande fervor religioso. O apogeu da primeira parte é dividido em, quando os meninos se envolvem com um carrossel mambembe que chegou na cidade, e exercendo sua meninez; e quando a varíola ataca a cidade, matando um deles, mesmo com Padre José Pedro tentando ajudá-los e se indo contra a lei por isso. A segunda parte, "Noite da Grande Paz, da Grande Paz dos teus olhos", surge uma história de amor quando a menina Dora torna-se a primeira "Capitã da Areia", e mesmo que inicialmente os garotos tentem tomá-la a força, ela se torna como mãe e irmã para todos. (O homossexualismo é comum no grupo, mesmo que em dado momento Pedro Bala tente impedi-lo de continuar, e todos eles costumam "derrubar negrinhas" na orla.) Professor e Pedro Bala se apaixonam por ela, e Dora se apaixona por Pedro Bala. Quando Pedro e ela são capturados (ela em pouco tempo passa a roubar como um dos meninos), eles são muito castigados, respectivamente no Reformatório e no Orfanato. Quando escapam, muito enfraquecidos, se amam pela primeira vez na praia e ela morre, marcando o começo do fim para os principais membros do grupo. "Canção da Bahia, Canção da Liberdade", a terceira parte, vai nos mostrando a desintegração dos líderes. Sem-Pernas se mata antes de ser capturado pela polícia que odeia; Professor parte para o Rio de Janeiro para se tornar um pintor de sucesso, entristecido com a morte de Dora; Gato se torna uma malandro de verdade, abandonando eventualmente sua amante Dalva, e passando por Ilhéus; Pirulito se torna frade; Padre José Pedro finalmente consegue uma paróquia no interior, e vai para lá ajudar os desgarrados do rebanho do Sertão; Volta Seca se torna um cangaceiro do grupo de Lampião e mata mais de 60 soldados antes de ser capturado e condenado; João Grande torna-se marinheiro; Querido-de-Deus continua sua vida de capoeirista e malandro; Pedro Bala, cada vez mais fascinado com as histórias de seu pai sindicalista, vai se envolvendo com os doqueiros e finalmente os Capitães de Areia CAPITÃES DE AREIA (1937) JORGE AMADO - MODERNISMO
  • 12. 13 ajudam numa greve. Pedro Bala abandona a liderança do grupo, mas antes os transforma numa espécie de grupo de choque. Assim Pedro Bala deixa de ser o líder dos Capitães de Areia e se torna um líder revolucionário comunista. Este livro foi escrito na primeira fase da carreira de Jorge Amado, e nota-se grandes preocupações sociais. As autoridades e o clero são sempre retratados como opressores (Padre José Pedro é uma exceção mas nem tanto; antes de ser um bom padre foi um operário), cruéis e responsáveis pelos males. Os Capitães da Areia são tachados como heróis no estilo Robin Hood. No geral, as preocupações sociais dominam, mas os problemas existenciais dos garotos os transforma em personagens únicos e corajosos, corajosos Capitães de Areia de Salvador. JOÃO GRANDE: Negro, mais alto e mais forte do bando. Cabelo crespo e baixo, músculos rígidos, tem 13 anos. Com nove anos entrou no Capitães de areia. Cedo, se fez um dos chefes do grupo e nunca deixou de ser convidado para as reuniões que os maiorais faziam para organizar os furtos. Ele era temido, devido a sua força muscular. Se fosse para pensar, até lhe doía a cabeça e os olhos ardiam. Ele era uma pessoa boa e forte. João Grande não sabe ler. João Grande, era chamado de Grande pelo professor, que o achava João Grande um negro macho de verdade e muito inteligente. PEDRO-BALA:loiro, olhos verdes. Tinha cicatriz no rosto, feita por Raimundo numa briga pela liderança do grupo. DORA: Morreu de uma febre muito forte, depois de se tornar esposa de Pedro Bala*. Morreu como uma santa, pois havia sido boa. *Para ele, virara uma estrela. SEM-PERNAS: Morrera, se jogando de um penhasco (elevador), depois de muito correr fugindo da polícia após um roubo. Ele preferira morrer do que se entregar. PROFESSOR: Com seu dom de pintar, fora ao "Rio de Janeiro" tentar sucesso. Lá com os quadros dos Capitães da Areia ficou famoso. BOA-VIDA: Era mais um malandro da cidade, que fazia sambas e cantava pelas ruas, nas calçadas, nos bares, a "vagabundear". QUERIDO-DE-DEUS: Ensinava os meninos a lutar capoeira. Todos no trapiche o admiravam. Era pescador. DALVA: Era uma mulher de uns trinta e cinco anos, o corpo forte, rosto cheio de sensualidade. O Gato a desejou imediatamente. PERSONAGENS
  • 13. 14 PIRULITO: Garoto magro e muito alto, olhos encovados e fundos. Tinha Hábito de rezar VOLTA-SECA: Mulato sertanejo. Viera da caatinga. tinha como ídolo o cangaceiro Lampião. O GATO: Candidato a malandro do bando, era elegante, gostando de se vestir bem. Tinha um caso com a prostituta, Dalva, que lhe dava dinheiro, por isso, muitas vezes, não dormia no trapiche. Só aparecia ao amanhecer, quando saía com os outros, para as aventuras do dia. JOÃO-DE-ADÃO: Estivador, negro fortíssimo e antigo grevista, era igualmente temido e amado em toda a estiva. Através dele, Pedro Bala soube de seu pai. FRAGMENTO DA OBRA O fragmento abaixo foi extraído da 81ª, edição de 1995, Ed. Record. (...) É aqui também que mora o chefe dos Capitães da Areia: Pedro Bala. Desde cedo foi chamado assim, desde seus cinco anos. Hoje tem quinze anos. Há dez que vagabundeia nas ruas da Bahia. Nunca soube de sua mãe, seu pai morrera de um balaço. Ele ficou sozinho e empregou anos em conhecer a cidade. Hoje sabe de todas as suas ruas e de todos os seus becos. Não há venda, quitanda ou botequim que ele não conheça. Quando se incorporou aos Capitães da Areia (o cais recém-construído atraiu para suas areias todas as crianças abandonadas da cidade) o chefe era Raimundo, o Caboclo, mulato avermelhado e forte. Não durou muito na chefia o caboclo Raimundo. Pedro Bala era mais ativo, sabia planejar os trabalhos, sabia tratar com os outros, trazia nos olhos e na voz a autoridade de chefe. Um dia brigaram. A desgraça de Raimundo foi puxar uma navalha e cortar o rosto de Pedro, um talho que ficou para o resto da vida. Os outros se meteram e como Pedro estava desarmado deram razão a ele e ficaram esperando a revanche, que não tardou. Uma noite, quando Raimundo quis surrar Barandão, Pedro tomou as dores do negrinho e rolaram na luta mais sensacional a que as areias do cais jamais assistiram. Raimundo era mais alto e mais velho. Porém Pedro Bala, o cabelo loiro voando, a cicatriz vermelha no rosto, era de uma agilidade espantosa e desde esse dia Raimundo deixou não só a chefia dos Capitães da Areia, como o próprio areal. Engajou tempos depois num navio. Todos reconheceram o direito de Pedro Bala à chefia, e foi dessa época que a cidade começou a ouvir falar dos Capitães da Areia, crianças abandonadas que viviam do furto. Nunca ninguém soube o número exato de meninos que assim viviam. Eram bem uns cem, e desses mais de quarenta dormiam nas ruínas do velho trapiche. Vestidos de farrapos, sujos, semi-esfomeados, agressivos, soltando palavrões e fumando pontas de cigarro, eram, em verdade, os donos da cidade, os que a conheciam totalmente, os que totalmente a amavam, os seus poetas.” (...) (Jorge Amado, Capitães de Areia)
  • 14. 15 esta apostila foi elaborada pela equipe de português do CEESVOCEESVOCEESVOCEESVO centro estadual de educação supletiva de votorantim professorasprofessorasprofessorasprofessoras - 2007 cristiane albiero ilza ribeiro da silva ivânia valente miranda sandra mara romano MAURA BERTACO TEOBALDO DIREÇÃODIREÇÃODIREÇÃODIREÇÃO:::: ELISABETE MARINONI GOMES MARIA ISABEL R. DE C. KUPPER coordenaçãocoordenaçãocoordenaçãocoordenação : neiva aparecida ferraz nunes votorantim, JUNHO/ 2007 ObservaçãoObservaçãoObservaçãoObservação material elaborado para uso exclusivo de cees, sendo proibida a sua comercialização. APOIO: PREFEITURA MUNICIPAL DEAPOIO: PREFEITURA MUNICIPAL DEAPOIO: PREFEITURA MUNICIPAL DEAPOIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE VOTORANTIVOTORANTIVOTORANTIVOTORANTIMMMM