Comemoração dos mortos

26,402 views
29,387 views

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
26,402
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
22,760
Actions
Shares
0
Downloads
300
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Comemoração dos mortos

  1. 1. Aprende a viver bem, e bemsaberás morrer. Confúcio www.luzdoespiritismo.com
  2. 2. A Doutrina Espírita não comporta em suaprática doutrinária a fixação de datas especiais.Para o espírita todos os dias são “dos mortos”e“dos vivos” e devem ser bem vivenciados. (Fonte: IDE-JF instituto de difusão espírita de juiz de fora - MG) 2
  3. 3. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 320 - Capítulo VI320. Sensibiliza os Espíritos o lembrarem-se deles os que lhes foram caros na Terra?Muito mais do que podeis supor. 3
  4. 4. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 320 - Capítulo VISe são felizes, esse fato lhesaumenta a felicidade.Se são desgraçados, serve-lhes delenitivo. 4
  5. 5. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 321 - Capítulo VI321. O dia da comemoração dos mortos é, para os Espíritos,mais solene do que os outros dias? Apraz-lhes ir ao encontrodos que vão orar nos cemitérios sobre seus túmulos?“Os Espíritos acodem nesse dia ao chamado dos que daTerra lhes dirigem seus pensamentos, como o fazem noutrodia qualquer.” 5
  6. 6. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 321a - Capítulo VI321a) - Mas o de finados é, para eles, um dia especialde reunião junto de suas sepulturas?Nesse dia, em maior número se reúnem nas necrópoles,porque então também é maior, em tais lugares, o daspessoas que os chamam pelo pensamento.Porém, cada Espírito vai lá somente pelos seus amigos enão pela multidão dos indiferentes. 6
  7. 7. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 321b - Capítulo VI 321b) - Sob que forma aí “Sob a que tinham comparecem e quandocomo os veríamos, encarnados.” se pudessemtornar-se visíveis? 7
  8. 8. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 322 - Capítulo VI322. Quando o espírito não é lembradopor ninguém, pouco se lhes importa estarlá. Só ficam presos à Terra pelo coração. 8
  9. 9. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 323 - Capítulo VI323. A visita que se faz ao túmulo não causamaior contentamento ao espírito, do que alembrança e a prece feita de coração. 9
  10. 10. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 324 - Capítulo VI324. Os Espíritos das pessoas a “Muitos comparecem a tais quem se erigem estátuas ou solenidades, quando podem; monumentos assistem porém, menos os sensibiliza aà inauguração de umas e outros homenagem que lhes prestam e experimentam algum prazer do que a lembrança que deles nisso? guardam os homens.” 10
  11. 11. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 325 - Capítulo VI 325. O interesse de alguns espíritos por serem enterradosem determinado lugar, vem da simpatia que tem pelo local. 11
  12. 12. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 325 - Capítulo VI 325. a. A reunião dos despojos mortais dos membros de uma família não é futilidade mas um testemunho de simpatia.Essa reunião pouco importa aos Espíritos, masé útil aos homens: as lembranças ficamconcentradas num só lugar. 12
  13. 13. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 326 - Capítulo VI 326. Depende da evolução do espírito a sua comoção ou não com as honras que lhe prestem aos despojos. 13
  14. 14. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 327e 327a - Capítulo VI 327. O espírito 327. a. A frequência de frequentemente assiste ao muitas pessoas ao enterro seu enterro, mas pode lisonjear mais ou normalmente perturbado, menos o espírito, dependenem percebe o que se passa. de sua elevação. 14
  15. 15. Allan Kardec - O livro dos espíritos q. 328 e 329 - Capítulo VI 329. O instintivo 328. Quase sempre o respeito que oespírito assiste a reunião de homem consagraseus herdeiros pela partilha aos mortos é efeito de seus bens. da intuição que têm da vida futura. 15
  16. 16. "O livro dos médiuns”- Capítulo IX A lembrança das pessoas Eles não ligam que lhes são — O corpo mais para o caras é a não era mais envoltório que os única coisa a8. Os Espíritos que uma fez sofrer do que o que dãovisitam de veste. prisioneiro parapreferência os valor. as algemas.túmulos em querepousam os seuscorpos? 16
  17. 17. Há diferença capital entre morrer e desligar-se: a morte é física, mas o desligamento é puramente espiritual. Allan Kardec ensina-nos que o corpo espiritual e o corpo físico estão aderidos um ao outro - do ponto de vista magnético, átomo a átomo e molécula a molécula.(Fonte: IDE-JF instituto de difusão espírita de juiz de fora - MG) 17
  18. 18. O desligamento, portanto, consiste na separaçãomais ou menos lenta que se verifica entre eles. (Fonte: IDE-JF instituto de difusão espírita de juiz de fora - MG) 18
  19. 19. “A causa principal da maior ou menor facilidade de desprendimento é o estado moral da alma.”O céu e o inferno - Allan Kardec - O passamento 19
  20. 20. O posicionamento mental dos Pensamentos de revolta e desesperofamiliares ante o desencarne será o atingem como dardos mentais de de fundamental importância na dor e angústia, dificultando a sua recuperação do Espírito. recuperação. (Fonte: IDE-JF instituto de difusão espírita de juiz de fora - MG) 20
  21. 21. André Luiz mostra que a atitude inconformista da família pode criar “teias de retenção”, prendendo o Espírito ao seu corpo.(Fonte: IDE-JF instituto de difusão espírita de juiz de fora - MG) 21
  22. 22. Os pensamentos de amor e caridade, as “Ajudam-no a vibrações dos Léon Denis soltar-se dos corações afetuososexaminando a últimos laços que brilham para os questão diz: a acorrentam à desencarnados Terra.” como raios na névoa que, por vezes, o envolve. (Fonte: IDE-JF instituto de difusão espírita de juiz de fora - MG) 22
  23. 23. Allan Kardec afirma que o melhor presente que podemos dar a um ente querido que partiu é orarmos sinceramente em seu benefício:(Fonte: IDE-JF instituto de difusão espírita de juiz de fora - MG) 23
  24. 24. “As preces pelos Espíritos que acabam de deixar a Terra têm por fim, não apenas proporcionar-lhes uma prova de simpatia, mas também ajudá-los a se libertarem das ligações terrenas, abreviando a perturbação que segue sempre à separação do corpo, e tornando mais calmo o seu despertar.” [ESE - cap. XXVIII it 59](Fonte: IDE-JF instituto de difusão espírita de juiz de fora - MG) 24
  25. 25. O Livro dos Espíritos - Allan Kardec O Céu e o Inferno - Allan Kardec A Gênese - Allan KardecIDE-JF Instituto de Difusão Espírita de Juiz de Fora – MGResumo de O Livro dos Espíritos (32ª. edição da FEB) Responsável : Américo Luís Sucena de Almeida Grupo Espírita Allan Kardec 25 www.luzdoespiritismo.com

×