Your SlideShare is downloading. ×
Adivinha quanto eu gosto de ti
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Adivinha quanto eu gosto de ti

980

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
980
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
60
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Às vezes, quando gostamos muito, muito de alguém, queremos encontrar uma maneira de descrever como os nossos sentimentos são grandes. Quem nos vai contar uma história são duas lebres. A Grande Lebre Castanha. A Pequena Lebre Castanha.
  • 2. Vamos ouvir a história com atenção, porque no fim têm que responder a uma pergunta.
  • 3. A Pequena Lebre Castanha, que se ia deitar, agarrou-se bem agarrada às orelhas muito compridas da Grande Lebre Castanha. Quis ter a certeza de que a Grande Lebre Castanha estava a ouvir.
  • 4. — Adivinha quanto eu gosto de ti — disse ela. — Ora bem, acho que não consigo adivinhar isso — disse a Lebre Castanha. Grande
  • 5. — Gosto assim — disse a braços o mais que podia. Pequena Lebre Castanha, esticando os
  • 6. A Grande Lebre Castanha tinha uns braços ainda maiores. — Mas eu gosto de TI assim — disse ela. “Hummm, é muito”, pensou a Pequena Lebre Castanha.
  • 7. — Gosto de ti esta altura toda — disse Pequena Lebre Castanha .
  • 8. — E eu gosto de ti esta altura toda — disse a Grande Lebre Castanha. “É mesmo alto”, pensou a Pequena Lebre Castanha. “ Quem me dera ter uns braços assim.”
  • 9. Então a Pequena Lebre Castanha teve uma boa ideia. Fez o pino, encostada ao tronco muito esticadinha. — Gosto de ti até à ponta dos pés! — disse ela.
  • 10. — E eu gosto de ti até à ponta dos teus pés — disse a G rande L ebre C astanha, fazendo-a girar por cima da cabeça
  • 11. — Gosto de ti até onde eu consigo SALTAR! — riu-se a Pequena Lebre Castanha, dando pulos e mais pulos.
  • 12. “Isto é que é saltar”, pensou a P equena L ebre Castanha . — Mas eu gosto de ti até onde eu consigo saltar — sorriu a G rande L ebre C astanha. E saltou tão alto que as orelhas tocaram no ramo da árvore. “Quem me dera saltar assim.”
  • 13. Gosto de ti o caminho todo até ao rio — gritou a P equena L ebre Castanha . — E eu gosto de ti até depois do rio e dos montes — disse a C astanha. G rande L ebre
  • 14. “É mesmo longe”, pensou a Pequena que já quase nem conseguia pensar. Então olhou para além das noites, para a grande noite escura. Nada podia ser mais longe do que o céu. Lebre Castanha. Tinha tanto sono
  • 15. — Gosto de ti até à LUA — disse ela, e fechou os olhos. — Ora, se isso é longe — disse C astanha . — É mesmo, mesmo longe. a G rande L ebre
  • 16. G rande L ebre C astanha deitou a P equena L ebre Castanha na caminha de folhas. Inclinou-se e deu-lhe um beijo de boas - noites.
  • 17. Depois deitou-se muito pertinho e murmurou sorrindo. — E eu gosto de ti até à Lua… E DE VOLTA ATÉ CÁ ABAIXO.
  • 18. Agora vão responder… É fácil ou difícil medir o amor Também para a P equena a G rande L ebre fácil de medir! L ebre Castanha e para C astanha , o amor não é coisa
  • 19. O AMOR é um sentimento indefinível, abstracto. Sente-se, mas não se vê. Fim… A equipa da BE, 2013

×