A Joana e o Feijoeiro Mágico
Em tempos que já lá vão (no tempo em que ainda muito poucas
pessoas no mundo sabiam o que era...
Feirante (Inês) – Olá rapariga, queres vender a tua vaca.
Joana – Sim quero são 600 euros.
Feirante (Inês) – Eu não tenho ...
Cat A- É que elas são usadas para fazer coisas novas, percebes?
Narrador - Como já tínhamos visto, a Joana não era nada pa...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

O joão e o feijoeiro mágico alterado

662

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
662
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "O joão e o feijoeiro mágico alterado"

  1. 1. A Joana e o Feijoeiro Mágico Em tempos que já lá vão (no tempo em que ainda muito poucas pessoas no mundo sabiam o que era isso da reciclagem), vivia uma rapariga chamada Joana conhecida por fazer algumas avarias e ser um pouco trapalhona. A Joana não era uma rapariga pateta, não julguem lá… Acreditava na magia, acreditava que tudo era possível. O que de resto, não tem mal nenhum. Antes pelo contrário, como vai ficar provado… A Joana vivia com a mãe numa casinha ao pé de uma lixeira. Não tinham muito dinheiro, apenas uma horta, onde cresciam couves e cenouras e uma bela e gorda vaca capaz de dar muitos litros de leite Mãe - Sabes Joana a vaca é o nosso maior tesouro. Pensei em vende-la para conseguir algum dinheiro e comprar uma casa nova longe desta ligeira Joana – Bem… Não tinha pensado nisso, mas gostava de morar num lugar que não cheirasse tão mal. Mãe – Pega na vaca e vai a feira da aldeia para a vender, por um bom preço. NA FEIRA Joana - Bom dia, minha senhora. A senhora quer comprar esta vaca tão genuína Olhe que ela dá muito leite. Feirante (Paula C.) – Não, não estou interessada. Joana – E o senhor não esta interessado, olhe que é um verdadeiro tesouro Feirante( Alexandre) – Quanto quer pela vaca Joana – Vendo-lhe por 600 euros Feirante (Alexandre) – Não, não quero. É muito cara.
  2. 2. Feirante (Inês) – Olá rapariga, queres vender a tua vaca. Joana – Sim quero são 600 euros. Feirante (Inês) – Eu não tenho esse dinheiro, mas tenho este saco de feijões…. Mas são diferentes, são mágicos. Joana – Feijões magicos…? Não sei….. Feirante (Gonçalo) – Olhe que eles são mesmos mágicos, leve-os. Feirante (Inês) – Com estes feijões todos os teus problemas serão resolvidos. Joana - Está bem, então eu troco a vaca pelos feijões. Ao fim do dia corado e feliz chegou a Joana. Já não trazia a vaca na mão, apenas um saquinho bastante cheio… de feijões e entregou à mãe. Mãe - Como pudeste fazer tal asneira? Trocar a vaca por feijões só mesmo tu… Joana – Mas…Não são uns feijões quaisquer. São mágicos! A mãe não quis ouvir nada, pegou no saco dos feijões e atirou- os fora: Zás! O tempo passou. E naquele pedaço de terra em frente à casinha, começaram a crescer umas plantas muito estranhas das quais nasceram primeiro uns enormes feijões amarelos, depois uns feijões azuis, ao terceiro dia uns feijões bem verdes e finalmente ao quarto dia uns feijões vermelhos. Cada feijão tinha uma boca enorme; deviam ser muito faladores. - Olá Joana! Nós somos os Ecofeijões. Vimos do futuro e trazemos a mensagem da reciclagem. Joana - Da reci…quê? Todos - A reciclagem é a melhor forma de diminuir as lixeiras. Todos - Se recolhermos as embalagens de plástico, metal, vidro, papel e cartão não fazemos tanto lixo.
  3. 3. Cat A- É que elas são usadas para fazer coisas novas, percebes? Narrador - Como já tínhamos visto, a Joana não era nada pateta. Pode não ter compreendido tudo, mas uma coisa percebeu: Joana - Quer dizer que a reciclagem é mágica? Transforma uma coisa velha numa nova? Todos - È isso mesmo! Sofia - E tu foste escolhida para esta missão, acabar com a lixeira e fazer com que todos os habitantes destas paragens passem a separar as embalagens usadas. A lixeira que ficava ao lado da casa do Joana cheirava muito, muito mal; mas a Joana encheu-se de coragem: pôs uma mola no nariz e acabou com o mal pela raiz. Durante cinco dias separou todas as embalagens e distribuiu-as pelos Eco feijões. Depois foi pelas aldeias distribuir os Eco feijões para que as pessoas os plantassem nas suas ruas e com muito boas maneiras disse a todos que era a única forma de acabar com as lixeiras. Parecia uma missão impossível mas a Joana conseguiu. Hoje, os Eco feijões já mudaram de nome e chamam-se...digam lá: Ecopontos! Continuam a ter as mesmas cores, amarelo, azul e verde, continuam a ter grandes barrigas e já fazem parte das nossas vidas.

×