Your SlideShare is downloading. ×
(4)a trindade   parte iii - teosofia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

(4)a trindade parte iii - teosofia

836
views

Published on

Published in: Spiritual

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
836
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
49
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Na Teosofia e em outras Culturas O ABSOLUTO E A TRINDADE DIVINA Estudo comparativo de religião, filosofia e ciência
  • 2. Onde quer que haja manifestação, ou seja, relatividade, tem de haver dualidade e, portanto, ao descer ao Plano da Manifestação, a Essência Divina Eterna divide-se em dois pólos: o espiritual, ativo, masculino, positivo, reflexo de Parabrahman; e o material, receptivo, feminino, negativo, reflexo de Mulaprakriti. Filosofia Sânkhya – Rishi Kapila ESPÍRITO (Purusha - Pai Divino) MATÉRIA (Prakriti - Mãe Divina) PARABRAHMAN (Essência Divina) FILHO LUZ DO MUNDO (Consciência sujeito-objeto)
  • 3. FILHO DIVINO (Consciência) Matéria (Mãe Divnina) ESPÍRITO (Pai Divino) PARABRAHMAN (Essência Divina) Assim, na aurora da nova Manifestação Universal, do seio do Uno, da Grande Noite Cósmica em que o Pai e a Mãe Divinos se tinham unido completamente, surge a dupla polaridade: Espírito e Matéria (Purusha e Prakriti).
  • 4. Da relação, do Amor entre estes dois pólos – Espírito e Matéria, Purusha e Prakriti, Pai Divino e Mãe Divina – surge o Filho, a Luz do Mundo, a Consciência de Relação (diferente da Consciência Absoluta do Espírito). A Unidade Divina desdobra-se, portanto, numa Trindade: Espírito, Consciência e Matéria, ou Pai Divino, Filho Divino e Mãe Divina. ESSÊNCIA DIVINA ETERNA FILHO DIVINO MÃE DIVINA PAI DIVINO
  • 5. Para a Teosofia, o “Absoluto” é o “Espaço Infinito” é o “Não-Ser” ou “Não-Eu”, a “Seidade” ou “Ipseidade”, “Aquele”.
  • 6. Glossário Teosófico de H. P. Blavatsky: ABSOLUTO Para a Teosofia, o Universo manifesto é considerado como relativo já, que, tem começo, meio e fim e, portanto, não pode ser considerado absoluto. O Absoluto é o Espaço Infinito e Incondicionado onde surge o Espaço Condicionado da manifestação Logoica (mundo relativo já que a manifestação tem começo, meio e fim). O Absoluto é considerado um Princípio Onipotente, Eterno, Ilimitado e Imutável – sobre o qual toda a especulação intelectual é impossível, porque transcende o poder de percepção humana. Qualquer expressão da inteligência só poderia diminuí-lo. Está fora dos limites e do alcance do pensamento, e segundo as palavras do Mandukya, é “impensável e impronunciável”. Para o hindu é Parabrahman, aquele que se encontra além de Brahmâ. Realidade sem atributos e sem segundo. É o Supremo Princípio Eterno Impessoal, Onipresente, Infinito, Imutável, Inconcebível, Inominável, Inefável.
  • 7. Glossário Teosófico de H. P. Blavatsky: AQUELE “Aquele” quando se manifesta aparece como uma unidade dual, espírito-matéria. O termo “Aquele” se refere ao Todo Absoluto, o Eterno Absoluto, fora do qual nada existe, do qual tudo procede e no qual tudo se resolve; a causa instrumental e material do Universo; a substância e essência do Universo. É a existência Una, incognoscível, cuja primeira manifestação é o Espírito. O Espaço e o Tempo são apenas formas d’Aquele.
  • 8. Glossário Teosófico de H. P. Blavatsky: ESPAÇO INFINITO O espaço é chamado a “Mãe”, antes da sua atividade cósmica, e “Pai-Mãe” (Yin/Yang) na primeira etapa do seu despertar. O Espaço é o Mundo Real, enquanto o nosso mundo é um mundo artificial. O TODO ÚNICO, sem segundo; a Raiz da Natureza visível e invisível, objetiva e subjetiva, que há de perceber-se por meio da mais elevada intuição espiritual, mas que jamais pode ser plenamente compreendida. Melhor seria para nossa mente finita e limitada pelos sentidos físicos e psíquicos, não tentar formalizar nenhuma imagem e compreender este “algo” mais como um “estado” (Mahaparanirvana) do que um lugar ou alguma entidade.
  • 9. O Logos Triplice “A Divindade é um círculo cujo núcleo, está em toda parte e a circunferência, em lugar nenhum.” H. P. Blavatsky A Doutrina Secreta de HPB: “Saindo das profundidades da existência Una, do inconcebível e inefável Uno, um Logos*, impondo-se a si mesmo um limite, circunscrevendo voluntariamente a extensão de seu próprio Ser, se faz o Deus manifestado, e ao traçar os limites de sua esfera de atividade, determina a área de seu Universo.” * Segundo Platão, o princípio de ordem, mediador entre o mundo sensível e Inteligível.
  • 10. A Doutrina Secreta de HPB: “Dentro de tal esfera nasce, evolui, e morre este universo. O universo que no Logos vive, se move e tem o seu ser. A matéria do Universo é a emanação do Logos, e suas forças e energias são as correntes de sua vida. O Logos é imanente em cada átomo, é omnipenetrante; tudo sustenta, tudo o desenvolve. É o princípio (origem) e o fim do universo, sua causa e objeto, seu centro e circunferência... Está em todas as coisas, e todas as coisas estão nele.”
  • 11. Todas as grandes concepções religiosas e/ou filosóficas, o Deus Uno, a Vida Una de onde tudo procede, desdobra-se na sua manifestação periódica (Manvantaras e Pralayas) em uma Trindade.
  • 12. Blavatsky: “Em metafísica oculta existem, a bem dizer, dois ‘UM’: o Um no plano inacessível do Absoluto e do Infinito, sobre o qual não é possível nenhuma especulação, e o segundo "Um", no plano das Emanações. 1 2 3 IMANIFESTO 1 2 3 MANIFESTAÇÃO: TRINDADE DE TODAS AS RELIGIÕES
  • 13. O Logos Cósmico tem uma natureza dual. Por um lado, Ele é parte do Eterno-Não-Manifesto e, por outro, Sua Consciência é a base suprema do Manifesto. O Princípio Logóico que é a sede da Ideação Cósmica e a fonte de infinitos universos que seguem um ao outro na eterna sucessão de Manvantara e Pralaya. Como base suprema do universo manifesto, contém inúmeras galáxias e sistemas solares e existe em todos os graus possíveis de sutileza. No primeiro, Sua consciência pode ser considerada voltada para o interior; no segundo, ela pode ser considerada voltada para o exterior. Esse mistério de Sua natureza dual, esta alternância de consciência entre o Manifesto e o Não-Manifesto é representado pelos hindus, pelo ritmo de tambor (damaru) de Shiva. Quando ele soa tudo vem a Manifestação. Quando ele silencia, tudo entra em repouso. Shiva e o tambor que marca o ritmo de Sua Manifestação. O Logos Cósmico
  • 14. O tambor em forma de ampulheta representa o som da criação do Universo. No Hinduísmo, o Universo brota da sílaba “Om” (AUM). É interessante comparar essa afirmação com o conhecido prólogo do Evangelho de São João: “No princípio era o Verbo (a sílaba, o som). E o Verbo era Deus. (...) Tudo foi feito por Ele (o Verbo) e sem Ele nada se fez”.
  • 15. O Primeiro não produz emanação nem pode ser dividido, pois é eterno, absoluto e imutável; mas o segundo, sendo por assim dizer, o reflexo do primeiro Um (pois é o Logos, ou Isvara, no Universo de Ilusão), pode fazê-lo. Emite de si mesmo os Sete Raios ou Dhyân Chohans*; em outras palavras, o Homogêneo se converte no Heterogêneo.” * Senhores de Luz e/ou de Sabedoria o Tathagatas do Budismo Isvara 1 2 3 IMANIFESTO 1 2 3
  • 16. Três Qualidades Divinas Fundamentais Estas trindades, e tantas outras mencionadas pelas mais diversas filosofias religiosas, aludem consubstanciam, afinal, as três qualidades fundamentais em que se desdobra o Deus Uno, a Vida Divina, a Energia Universal, representando apenas formas diferentes de as designar: Vontade ou Poder, Amor-Sabedoria e Atividade Criadora Inteligente. Na Teosofia estas três qualidades fundamentais da Vida Divina são habitualmente nomeadas por 1º Logos, 2º Logos e 3º Logos ou por 1º Aspecto, 2º Aspecto e 3º Aspecto Divinos. A Trindade no Egito: Osiris, Horus e Ísis
  • 17. O Logos se desprende de si mesmo manifestando-se em forma tríplice: 1. O Primeiro Logos é a raiz e origem do Ser; dele procede o 2. O Segundo Logos, manifestando os aspectos de Vida-forma, Espírito-matéria, positivo-negativo, ativo-recepetivo, sujeito e objeto, pai-mãe dos mundos; e por último, o 3. O Terceiro Logos, a Mente universal, na qual existe o arquétipo de todas as coisas, fonte dos seres, manancial das energias formadoras, arca onde se encontram armazenados todas as formas originais que haverão de se manifestar e aperfeiçoar nas classes inferiores de matéria durante a evolução do universo. SEGUNDO LOGOS TERCEIRO LOGOS PRIMEIRO LOGOS ABSOLUTO (Espaço Infinito)
  • 18. A Matéria do universo é a emanação do Logos, e as forças e as correntes de energias que o compõe são as correntes de sua vida. O Logos é imanente em cada átomo e, portanto, onipresente; sustenta tudo; desenvolve tudo. É o princípio (a origem), e o fim do universo (como diriam os gregos é o Alfa e Ômega de todas as coisas). Como já foi dito, o universo tem no Logos sua causa e objeto, seu centro e circunferência. Está em todas as coisas e todas as coisas estão nele. Poeticamente falando o Logos pode se ilustrado como o penetrante perfume que impregna o ar e todos os objetos de um quarto, ou ainda como a água do mar que penetra a esponja contida em seu seio. O Logos se desprende de si mesmo manifestando-se de uma forma tríplice: o Primeiro Logos como raiz e origem do Ser; dele procedem os Segundo e o Terceiro Logos. 1º Logos "É o primeiro Inata (não nascido), ou o Ego no Cosmo, e todos os demais Egos... são apenas o seu reflexo e manifestação...” D.S.
  • 19. O Primeiro Logos é impessoal e, em Filosofia, o não- Manifestado, o precursor do Manifestado. É o Aspecto Pai no Cristianismo. É a “Causa Primeira”; a “Luz do Mundo”; o Segundo e o Terceiro Logos são suas sombras mais densas. Para Pitágoras é “A Mônada é o ápice do triângulo equilátero manifestado, o Pai.” Para os Budista é Adhi-Buddha Vajradhara, o Buddha Supremo de Raio, o Vencedor Supremo, O Senhor de todos os Mistérios, O Uno sem princípio nem fim, também chamado Dorjechang (Sânscrito: portador de Raio) e Dharmakaya (o Corpo do Dharma). 1º Logos Budismo: Adhi-Buddha Vajradhara Shambogha-Kaya Nirmana-Kaya Dharma Kaya Vacuidade (Sunnyata)
  • 20. Para os hebreus é Kether a Potência Suprema também chamada a “Coroa” o a “Coroa do Universo”; a criação inteira é o “Reino da Coroa”. É a Coroa e não o rei, pois a idéia de um rei implicaria na de um ídolo. Para o Cabalista Deus é infinitamente desconhecido. Sua natureza escapa completamente de nossas investigações. Kether simboliza o Potencial Puro das manifestações que acontecem nos outros Mundos ou Dimensões da Árvore da Vida. Kether pode ser visto como uma Fonte Impessoal e Eterna de toda a Vida; como o princípio absoluto do ser e dos seres. Essa Fonte é para todos os seres o “Fermento”, o “Maná”, o “Alimento ou Pão da Vida”, para manutenção de suas existências. Kether pode-se considerar como o momento zero, a criação em potencial, mas não expandida, o tempo de Plank do Big-Bang. 1º Logos KETHER O Cume do Céu
  • 21. A palavra “Kether” também pode significar ainda “Cume” ou “Pináculo”, um local alto de onde se pode vislumbrar tudo o que nos rodeia, transmitindo a mensagem da necessidade de nos colocarmos num patamar “acima da nossa vida banal” e “olhar o nosso lugar dentro do esquema completo das coisas”. “See through Heavens Eyes” De acordo com o Bahir (Livro da Iluminação) “A primeira Séfira é chamada a Coroa, uma vez que a coroa é usada acima da cabeça. A Coroa refere-se assim a coisas que se encontra acima das capacidades intelectuais de compreensão.
  • 22. Para os hindus o Primeiro Logos é Shiva “O imenso esforço e a energia requeridos para a manifestação de um universo provém da Vontade Divina de Shiva, a Consciência universal, e aparece inicialmente através do âkâsha sob a forma de Nâda, o Som integrado, do qual são derivados todas as formas de vibração e modos de movimento no reino da manifestação.” Yoga-Sutra de Patanjali
  • 23. Na Teosofia, o Segundo Logos corresponde ao aspecto Amor-Sabedoria. O Segundo Logos e se expressa como os aspectos de vida e de forma, a primitiva dualidade, que constituem os primitivos dois polos da Natureza entre os quais se desenvolve o drama do Universo: Vida-Forma, Espírito- Matéria, positivo-negativo, ativo-receptivo, pai-mãe dos Mundos. Proveniente do Segundo Logos, a segunda grande Onda- de-vida divina desce para a matéria vivificada pelo Terceiro Logos: isto é habitualmente conhecido como Segunda Emanação. Assim , a Segunda Pessoa da Trindade toma forma não apenas com a matéria “virgem”, improdutiva, mas como a matéria já animada pela vida da Terceira Pessoa, de forma que ambas, vida e matéria, cobrem-Na como se fossem uma vestimenta. Portanto, é exata a afirmação que diz que a Segunda Pessoa “encarnou do Espírito Santo e da Virgem Maria”; esse é o verdadeiro significado dessa importante passagem do credo cristão. 2º Logos O Segundo Logos, o Amor Universal, o Cristo Cósmico, encarna pela relação entre o Espírito Santo e a Virgem Maria
  • 24. No Egito Hórus era o deus do céu, filho de Osíris e Ísis. No Cristianismo é O Filho, representado na figura de Jesus Cristo. Na Cabala, Chochmah – Realidade. A Divina Revelação. Yesh me-ayin – Ser vindo do Nada (O Poder da Sabedoria). É o Adão Kadmon; o Homem arquetípico; o “Homem Celeste”; a Humanidade. Na índia, temos Vishnu, um deus que se reencarnou como Krishna para sofrer pelos pecados dos homens. (Qualquer semelhança entre o a história de Krishna e Jesus Cristo não é mera coincidência) 2º Logos Hórus O Filho no Cristianismo Vishnu e Krisnha
  • 25. 1- Jesus é perseguido por Herodes, rei da Judéia, porém foge para o Egito, guiado por um anjo; para assegurar-se de sua morte, Herodes ordena que sejam mortos 40.000 inocentes. - Krishna é perseguido por Kanza, tirano de Mathurâ, porém escapa de maneira milagrosa; esperando matar o menino, o rei manda matar milhares de meninos; 2- A mãe de Jesus era Mariam ou Miriam; casou-se, continuando virgem, porém teve vários filhos depois do primogênito Jesus. A mãe de Krishna era Devakî, uma virgem imaculada (porém havia dado à luz oito filhos antes de Krishna; 3- Jesus opera milagres, retira demônios do corpo, lava os pés de seus discípulos, morre, desce ao inferno e sobe ao céu, depois de salvar os mortos. - Krishna faz outro tanto, com a diferença de que lavou os pés dos brâhmanes e subiu ao paraíso Vaikuntha ou paraíso de Vishnu; 4- Um e outro divulgam os segredos do santuário e morrem, Cristo numa cruz (uma árvore) e Krishna numa árvore, com o corpo atravessado por uma flecha. Jesus e Krishna O texto extraído do Glossário Teosófico de HPB
  • 26. Krishna, o Avatar do Amor, mostra sua forma universal (Vishnu) ao guerreiro Arjuna, durante uma pausa na guerra, no campo de batalha chamado Kurukshetra.
  • 27. 3º Logos A Inteligência Ativa
  • 28. Como dissemos anteriormente, o Terceiro Logos em Teosofia é a “Inteligência Ativa”,a Mente Universal, na qual existe o arquétipo de todas as coisas, fonte do seres, manancial das energias formadoras, arca onde se encontram armazenadas todas as formas originais que virão a se manifestar e aperfeiçoar nas classes inferiores de matéria durante a evolução do universo. ABSOLUTO AMOR-SABEDORIA (Vida-Forma) INTELIGÊNCIA ATIVA (Força-Matéria) VONTADE
  • 29. O Terceiro Logos é a Ideação Cósmica, Mahat ou Inteligência, a Mãe Divina, a Mãe do Mundo ou a Alma do Mundo (Anima Mundi). Para os hindus e Senhor Prajâpati ou Brahmâ. Ele cria tudo isso só com a mente, por meio de Dhyâna, ou meditação abstrata e poderes místicos. É o Númeno ou Noumeno de Platão. Aquilo que está por detrás do fenômeno, e o Noûs da Matéria, a base das operações inteligentes da Natureza, também chamada Mahâ-Buddhi (Mahat). Deus Brahmâ 3º Logos
  • 30. A Matéria e os Planos de Existência Seguindo um princípio cósmico, da SUA CONSCIÊNCIA (o segundo Aspecto, o "Filho" da trindade Cristã), ele dimana as partículas de sua própria consciência, chamadas em Teosofia de Mônadas (do grego, a unidade sem divisão). A Mônada é o verdadeiro Átomo, no sentido da indivisibilidade, mas não com relação à matéria, mas sim em relação ao Espírito. A Mônada é a "Chispa Divina", o "Cristo em Nós" (segundo o apóstolo Paulo), que evolui através da sua relação com os planos de existência.
  • 31. No laboratório do Terceiro Logos, do Demiurgo, do Ptah do egípcios, do Vulcano da mitologia romana, se efetua a divina alquimia, que é a base de nosso universo material. Representação de Demiurgo, o deus criador segundo os gnósticos Vulcano Ptah
  • 32. Glossário Teosófico de HPB: Anima Mundi (Lat.) – “Alma do Mundo”; o mesmo que o Alaya dos budistas do Norte; a essência divina que a tudo preenche, penetra, anima e informa, desde o átomo mais diminuto da matéria até o homem e o deus. Em certo sentido, é a “Mãe de sete peles” das estâncias da Doutrina Secreta, a essência dos sete planos da inconsciência, consciência e diferenciação moral e física. Em seu aspecto mais elevado, é o Nirvâna e, no inferior, é a Luz Astral. 3º Logos
  • 33. Anima Mundi (visão dos alquimistas da idade média)
  • 34. O Terceiro Logos era feminino entre os gnósticos, os cristãos primitivos e os nazarenos; bissexual nas demais seitas, que a consideravam apenas em seus quatro planos inferiores. De natureza ígnea, etérea no objetivo mundo da forma (e, portanto, éter), e divina e espiritual em seus três planos mais elevados. Quando se diz que cada alma humana nasce ao se desprender da Anima Mundi, isso significa, esotericamente, que nossos Eus superiores são de idêntica essência àquela da Alma do Mundo, que é uma irradiação do Absoluto Universal, sempre desconhecido. 3º Logos
  • 35. Assim como nada há mais próximo de nós do que a nossa própria consciência, e desde que nossa consciência é a única coisa que podemos conhecer diretamente, é natural que por meio de nossa própria consciência principie o propósito de conhecer algo da Trindade Divina. O Estudo da consciência corresponde à Psicologia, e esta ciência reconhece uma função trina da consciência, a saber: vontade, percepção e pensamento, correspondem aos três aspectos da Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Nosso Deus interno é trino como Deus externo. A Trindade Humana Texto extraído do livro “O Fogo Criador” de J.J. Van Der Leeuw - Ed. Pensamento). MÔNADA BUDDHI ATMA MANAS
  • 36. A trina manifestação da consciência se chama em Teosofia a Trindade humana de Atma-Buddhi-Manas (Vontade-Amor-Inteligência). Atma é a vontade divina, a “volição“ da Psicologia. Buddhi é o divino amor e compreensão, a “percepção” da Psicologia. Manas é a mente divina ou o “pensamento” da ciência psicológica. Esta Trindade humana é algo mais do que o reflexo ou representação da Trindade divina, pois, de uma maneira inefável e maravilhosa são a mesma Trindade. Assim, por meio de Atma nos aproximamos do aspecto de Deus Pai; por meio de Buddhi nos aproximamos do aspecto de Deus Filho ou o amor, e por meio de Manas, de Deus Espírito Santo, o criador. A Trindade Humana
  • 37. ATMA Espírito BUDHI Amor MANAS Inteligência MENTAL CONCRETO CORPO ASTRAL CORPO FÍSICO EGO PERSONALIDADE ANTAHKARANA
  • 38. ATMA Espírito BUDHI Amor MANAS Inteligência MENTAL CONCRETO CORPO ASTRAL CORPO FÍSICO EGO PERSONALIDADE ANTAHKARANA
  • 39. ATMA Espírito BUDHI Amor MANAS Inteligência MENTAL CONCRETO CORPO ASTRAL CORPO FÍSICO EGO PERSONALIDADE ANTAHKARANA
  • 40. Individualidade e Personalidade agindo de forma integrada ATMA MENTAL CONCRETO CORPO EMOCIONAL BUDHI CORPO FÍSICO MANAS
  • 41. F I M
  • 42. Os objetivos da Sociedade Teosófica são: 1. Formar um núcleo da Fraternidade Universal da Humanidade, sem distinção de raça, credo, sexo, casta ou cor. 2. Encorajar o estudo de Religião comparada, Filosofia e Ciência 3. Investigar as leis não explicadas da Natureza e os poderes latentes no homem.
  • 43. Liberdade de Pensamento A Sociedade não impõe nenhuma crença sobre seus membros, que se unem espontaneamente pelo objetivo comum de buscar a Verdade e o desejo de aprender o significado e propósito da existência, dedicando-se ao estudo, reflexão, pureza de vida e serviço voluntário. Não há pré-requisitos nem limitações para qualquer um associar-se, desde que o candidato declare se identificar com os três objetivos básicos, e a Sociedade enfatiza a liberdade de pensamento, de pesquisa e de debate.
  • 44. O Absoluto e a Trindade Divina - Parte III O Absoluto e a Trindade na Teosofia Formatação: Jaime Yeboles Camaño Material didático de uso interno e exclusivo dos membros da Sociedade Teosófica