Revista SPnotícias - Ano 1 - Número 01
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Revista SPnotícias - Ano 1 - Número 01

on

  • 2,392 views

Ensino de qualidade

Ensino de qualidade

A grande meta

Statistics

Views

Total Views
2,392
Views on SlideShare
2,392
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Revista SPnotícias - Ano 1 - Número 01 Revista SPnotícias - Ano 1 - Número 01 Document Transcript

  • SP notícias ANO 1 • NÚMERO 1 • JUNHO DE 2008 Ensinodequalidade A GRANDE META Instituto do Câncer Mobilização da Cai número R$ 382 milhões nasce para PM para a final de de homicídios de investimentos ser referência um campeonato em São Paulo para o Sudoeste
  • editorial Este é o primeiro número da revista SPnotícias, veículo de comunicação interna mensal do go- verno do Estado de São Paulo que tem o objeti- vo de informar sobre as ações da administração estadual. Inauguramos a revista com o lançamento do Índice de Desenvolvimento da Educação, o Idesp. O índice é parte de um programa mais abrangente traçado pela Secretaria da Educação, em 2007, que tem como meta elevar o nível de qualidade do ensino da rede estadual. Em entrevista, o secretário de Economia e Planeja- mento, Francisco Vidal Luna, fala sobre o Plano Pluria- nual do Estado. Entre as prioridades do governo estão o maior acesso da população à assistência médica e o lan- çamento do Ambulatório Médico de Especialidades (AME). A inauguração do Instituto do Câncer, na capital, faz parte do plano de saúde do governo do Estado. O hospital foi construído com a missão de se tornar refe- rência em pesquisas, levando-se em consideração que a doença é a segunda que mais mata no mundo. No Brasil, as taxas de mortalidade se concentram nas camadas mais jovens da população, especialmente entre os homens, e o motivo é a violência. No Estado de São Paulo, entretanto, dados da Secretaria da Segurança Pública vêm mostrando quedas sucessivas do total de homicídios. A estatística mais recente, do primeiro tri- mestre deste ano, mostra nova redução, de 9% em relação ao mesmo período de 2007. Desde 1999, a que- da supera 66% em todo o Estado. A revista deste mês traz ainda os bastidores de como a Polícia Militar garantiu a segurança na final do Campeonato Paulista de Futebol. O desenvolvimento regional, outra prioridade do governo, é o foco de reportagem sobre o Plano de Investimentos do Sudoeste Paulista, que levará investimento de R$ 382 milhões a uma das regiões mais pobres do Estado. A edição traz ainda o reajuste dos pisos regionais e uma entrevista saborosa com a professora Oralina Lopes Del Vecchio, a mais antiga da rede estadual, que agora se despede da sala de aula para se aposentar. Boa leitura e até o mês que vem. A Redação junho 2008 SPnotícias 3
  • THALES STADLER SPsumário Ano 1 | Nº 1 | 2008 11.000 exemplares Distribuição estadual GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador José Serra Vice-governador Alberto Goldman Secretaria Estadual da Administração Penitenciária Antônio Ferreira Pinto Secretaria Estadual da Agricultura e Abastecimento João de A. Sampaio Filho Secretaria Estadual da Assistência 6 ENTREVISTA e Desenvolvimento Social Rogério Pinto Coelho Amato O secretário de Planejamento, Secretaria Estadual da Casa Civil Aloysio Francisco Vidal Luna, Nunes Ferreira Filho fala sobre o Plano Plurianual Secretaria Estadual da Casa Militar Coronel PM Luiz Massao Kita Secretaria Estadual de Comunicação 26 SEGURANÇA Bruno Caetano Secretaria Estadual da Cultura João Sayad Caem os índices de homicídios em São Paulo 10 CAPA Secretaria da Educação lança o Idesp, índice que estabelece metas para as escolas da rede Secretaria Estadual de Desenvolvimento Alberto Goldman Secretaria Estadual de Economia e Planejamento Francisco Vidal Luna 30 SALÁRIO Secretaria Estadual da Educação Maria Helena Guimar es de Castro Sobe o piso regional Secretaria Estadual do Emprego e Relações do Trabalho Guilherme Afif Domingos 32 SUDOESTE Governo investe R$ 382 mi na região 20 Secretaria Estadual de Ensino Superior Carlos Alberto Vogt Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Turismo Claury Santos Alves da Silva SAÚDE Secretaria Estadual da Fazenda Com perfil Mauro Ricardo Machado Costa 46 FOI NOTÍCIA de excelência, Secretaria Estadual da Gestão Pública Virada Cultural reúne é inaugurado Sidney Beraldo Instituto do Secretaria Estadual da Habitação 657 mil pessoas Câncer Lair Alberto Soares Krähenbühl Secretaria Estadual da Justiça e Defesa da Cidadania Luiz Antônio Marrey 48 PERSONAGEM Secretaria Estadual do Meio Ambiente Francisco Graziano Neto Professora Oralina Lopes Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa conta a sua história com Deficiência Linamara Rizzo Battistella Secretaria Estadual de Relações Institucionais José Henrique Reis Lobo 50 O ESTADO BRUNO MIRANDA/NA LATA Secretaria Estadual de Saneamento e EM NÚMEROS Energia Dilma Seli Pena Secretaria Estadual da Saúde Luís Roberto Barradas Barata Secretaria Estadual da Segurança Pública Ronaldo Augusto Bretas Marzagão Secretaria Estadual dos Transportes Mauro Arce Secretaria Estadual dos Transportes BASTIDORES 38 Metropolitanos José Luiz Portella Detalhes de como a Polícia Militar se organiza A revista SPnotícias é uma publicação para uma final de campeonato de futebol mensal do Governo do Estado de São Paulo, distribuída gratuitamente. Seu conteúdo é informativo e sua venda é proibida. www.saopaulo.sp.gov.br Impressão: 4 SPnotícias junho 2008 THALES STADLER junho 2008 SPnotícias 5
  • SPentrevista “Queremos áreas relativamente boas em São Paulo, mas ainda não se compara ao que se encontra em Paris, por exem- Luna: O Estado tem participado de obras na cidade de São Paulo porque entende que são intervenções de ca- oferecer plo, ou em Nova York. E uma parcela grande dessa rede está sendo mo- dernizada para se transformar efeti- ráter metropolitano, e não de caráter municipal. Isso vale para a reformu- lação da Marginal do Tietê, que será transporte de vamente em metrô de superfície, com qualidade de serviço e com fre- qüência muito maior do que a que existe hoje. Há algumas áreas da transformada numa via completa- mente moderna, diferente do que é hoje, uma via que vem sendo adapta- da e que tem muitos problemas de qualidade” CPTM, por exemplo, em que a fre- qüência do trem é de oito, dez mi- nutos. No metrô de superfície, tem circulação. Vamos modernizar a Mar- ginal do Pinheiros e expandir o nú- mero de pistas com a participação da de ser três, quatro minutos. AutoBan e da ViaOeste. Francisco Vidal Luna, secretário de SP: Por onde começa essa mo- SP: Há outras intervenções feitas Economia e Planejamento, explica dernização? em convênio com a cidade? as principais ações do governo Luna: A primeira linha de qualidade Luna: Temos mais duas obras. Uma é a linha Esmeralda, onde rapida- é na Avenida dos Bandeirantes, con- mente vamos ter essa percepção. O veniada quando José Serra era governo está comprando um volume prefeito. Haverá duas pistas para ca- enorme de trens, 99 composições. As minhões no canteiro central. A se- estações serão reformadas e será mo- gunda obra importante é na Avenida FOTOS: THALES STADLER dificada toda a sinalização e a via Roberto Marinho, que está dentro da física para fazer o metrô de super- operação urbana Águas Espraiadas. fície. Foi feito um investimento pesado da prefeitura na construção da ponte O trem em São Paulo será metrô de superfície. Essa é uma das ambi- SP: Essa prioridade tem em vista estaiada (Octavio Frias de Oliveira, na ciosas metas do governo do Estado que constam como prioridade no os congestionamentos da capital? zona Sul). Agora temos uma segunda Plano Plurianual (PPA), traçado em fevereiro com validade até 2011. Luna: Se você perguntar para algu- fase, a de completar outros 6 qui- Em entrevista a SPnotícias, Francisco Vidal Luna, secretário de Economia e mas pessoas de São Paulo o que lômetros até chegar à Imigrantes. Planejamento, explica como o governo pretende melhorar a qualidade do mais as incomoda, provavelmente a Vamos fazer um túnel de 2,7 qui- transporte coletivo. Luna explica quais das ações continuam com Serra go- questão do transporte virá em pri- lômetros e, na superfície, onde hoje vernador. Fala ainda sobre obras como a dos trechos Sul e Leste do Ro- meiro lugar. São pessoas que hoje vivem 12 mil famílias em condições doanel, a recuperação de estradas vicinais, a urbanização de favelas, o novo têm um sistema de transporte defi- de favela, vamos urbanizar. papel da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) e ciente, e essa dificuldade de loco- a ampliação das escolas técnicas e Fatecs. moção as obriga a utilizar o trans- SP: Quais outras obras o Estado porte individual. A solução para o vai fazer na Região Metropo- trânsito não vai ocorrer por meio de litana? SPnotícias: Quais pontos o go- quilômetros de trilhos. A CPTM construção de mais vias, mas por Luna: Outra obra importante é a da verno do Estado considerou prio- (Companhia Paulista de Trens Metropo- meio de oferta de um serviço de Avenida Jacu-Pêssego, iniciada pela ritários no Plano Plurianual? litanos) vai fazer de 150 a 200 qui- transporte público de melhor quali- prefeitura de São Paulo. A Dersa es- Francisco Vidal Luna: Um deles foi lômetros de metrô de superfície, au- dade. Isso vem sendo feito pelo go- tá fazendo essa obra, que deve ser a questão do transporte. No metrô, mentando a qualidade do transporte verno do Estado. entregue em junho (neste mês). A expandimos em 2 quilômetros a li- sobre trilhos e do serviço oferecido avenida vai chegar ao trecho Sul do nha 2 (Verde), em 4 quilômetros a ao usuário. O metrô de São Paulo é SP: Como o governo do Estado Rodoanel, na Avenida Papa João 23, linha 5 (Lilás) e estamos terminando comparável com outros sistemas do tem contribuído com a prefeitu- no município de Mauá. É uma obra de construir a linha 4 (Amarela). Até mundo. Quando comparamos o me- ra para melhorar o trânsito da metropolitana, que vai fazer o papel 2010, o sistema ganhará mais 17,6 trô de superfície, temos algumas Região Metropolitana? do Rodoanel até o futuro trecho 6 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 7
  • entrevista Leste do Rodoanel. concorrência para administrar as quisas. Em Guarulhos, o governo SP: Este governo tem a intenção grandes rodovias terão a obrigação duplicou a outra fábrica da Furp de iniciar o trecho Leste do de fazer a manutenção das estradas (Fundação para o Remédio Popular). Rodoanel? vicinais que chegam às rodovias Luna: Pretendemos fazer a licitação maiores. Depois, temos de expandir SP: O AME é parecido com o do trecho Leste até o fim deste ano esse modelo para outros casos. AMA? ou início de 2009. Já fizemos estu- Luna: Quando o governador estava dos e identificamos que é possível SP: No interior, especialmente, é na prefeitura, lançou o AMA (Aten- uma concessão, a concessionária re- difícil encontrar mão-de-obra dimento Médico Ambulatorial). Era cebe o direito de explorar o Ro- especializada para determina- uma porta de entrada para tirar a doanel Leste e a tarifa suporta toda das áreas. O ensino técnico do pressão dos hospitais para pequenos a obra. Os dois primeiros trechos governo tenta suprir parte dessa atendimentos. No caso do Estado, o foram feitos por uma obra pública e, carência? que fizemos foi um ambulatório neste caso, nós faremos por Luna: Estamos fazendo um progra- médico especializado. É um mini- concessão, como foi o caso da Imi- ma ambicioso com o Centro Paula hospital com escala pequena que evi- grantes. Ganha a concorrência a em- Souza, tanto para o Ensino Médio ta a locomoção da população, princi- presa que oferecer a menor tarifa. Técnico para com as Fatecs. Com a palmente em cidades que não com- recuperação da economia, temos ca- portam um hospital, no interior. “A CDHU vai deixar SP: É uma intenção do governo rência de profissionais em várias de exercer uma função fazer novas concessões para a áreas. Em muitos casos, os profissio- SP: Quando se fala em habitação que não é a sua, a gestão de estradas no Estado? nais estão sendo procurados em ou- hoje, pensa-se além da constru- Luna: Dentre as melhores estradas tros Estados. O programa vai suprir ção de casas, na adaptação de co- de fazer financiamento do Brasil, 20 estão em São Paulo e pelo menos parte dessa demanda e munidades em áreas ocupadas? de imóveis” 18 são concessões públicas. Estamos manter São Paulo como uma opção Luna: É clara a impossibilidade de fazendo licitação para mais 1.763 importante em investimentos. Muitas se fazer intervenções em grandes quilômetro de concessões. São cinco das Fatecs são feitas com convênios concentrações populacionais. Com- trechos, nas Rodovias Ayrton Senna, com empresas da região onde se plexos como Heliópolis, Paraisópolis truções diretamente. Na medida em Carvalho Pinto, D. Pedro I, Raposo estabelecem. Esses convênios fazem e a favela do Jaguaré são concen- que são habitações de interesse Tavares e Marechal Rondon (dois com que a empresa estabelecida dê trações onde não se justifica mais a social, queremos atrair o setor priva- trechos nesta última). suporte ao Paula Souza, atendendo à retirada dessas populações para ou- do para fazer a habitação, enquanto demanda local. Estamos duplicando tras áreas. Não faria nenhum sentido o Estado apóia o comprador com SP: Como é feita a manutenção o número de Fatecs (de 26 para 52 remover essas famílias dali e levar subsídios. A CDHU deixa de exercer dos 12 mil quilômetros de unidades) e aumentando o número para áreas periféricas. Além de difi- uma função que não é dela, a de estradas vicinais em todo o de alunos em escolas técnicas. São cultar a vida das famílias, isso pres- financiar. Era quase uma operação Estado? 100 mil alunos a mais nas escolas sionaria o sistema de transportes e de sistema financeiro, que é a de Luna: As estradas foram feitas pelo técnicas (de 77 mil para 177 mil). de outras áreas, como a de água, de financiar e depois cobrar. Estado, mas a obrigação de manu- esgoto e de educação. Existe uma tenção é do município. E o municí- SP: O governo tem o projeto de consciência de que o que deve ser SP: Como o governo avalia a que- pio não tem condições de fazer a ma- construir uma fábrica de medica- feito é a urbanização dessas favelas da nos índices de criminalidade? nutenção. De modo geral, essas es- mentos em Américo Brasiliense. para que se transformem em bairros. Luna: Isso é resultado de um tradas estão em mau estado de con- Como está esse processo? esforço que envolve inúmeras ações. servação. Antes, havia caminhões pe- Luna: A planta da fábrica está prati- SP: A CDHU mudou de perfil? As Polícias Civil e Militar estão muito quenos e agora são veículos muito camente pronta. Serão fabricados re- Luna: Estamos modificando radical- bem aparelhadas. As duas hoje têm pesados. Estamos fazendo um pro- médios de maior complexidade, a mente sua forma de ação. A CDHU equipamentos, todos os instrumen- grama de reforma dessas vicinais. O maior parte importada. Estamos não entrava nessa questão de urbani- tos de trabalho necessários para um projeto é reformar 100% das vicinais. pensando em fazer uma Parceria Pú- zação. Agora estamos entrando. E na serviço eficiente da polícia. O apri- Com pouca participação dos municí- blico-Privada (PPP). Não só pela construção habitacional, o que nós moramento do sistema exige mais pios e alguma parceria com as usinas. questão do investimento, mas tam- pretendemos é que gradativamente a inteligência policial. Isso é um pro- As concessionárias que ganharem a bém para que haja reforço nas pes- CDHU deixe de fazer novas cons- grama que já vinha ocorrendo e que estamos fortalecendo. 8 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 9
  • SPeducação Índice de desempenho avalia escolas e estabelece objetivos para a melhoria do ensino Sem rankings ou classificações entre as escolas boas e ruins. A idéia da Secretaria de Estado da Educação, ao lançar o Índice de Desenvolvimento da Educação de São Paulo (Idesp), é avaliar a situação de cada uma das 5.183 unidades da rede paulista e assim estabelecer metas que devem ser alcançadas até 2030. O pro- jeto é parte das medidas lançadas pelo governo do Estado de São Paulo para pôr em prática as 10 Metas pela Educação, divulgadas em agosto de 2007. “É um indicador simples e de qualidade pedagógica. Um programa que vem na esteira das ações que ocorrem desde o ano passado, quando começaram a ser implementadas reformulações na educação”, diz a secretária da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro. Secretária Maria Helena está à frente do projeto 10 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 11
  • educação de Avaliação do Rendimento Escolar PROGRAMAS INTEGRADOS Alunos do 1º ciclo têm do Estado de São Paulo (Saresp) e As escolas têm melhor nível porque já pelo fluxo escolar. O Saresp divide metas individuais, A Secretaria de Estado da Educação traçou um entraram na escola com os alunos em quatro níveis de profi- considerando suas plano de ações em agosto do ano passado ciência (Abaixo do Básico, Básico, sistema educacional Adequado e Avançado), de acordo potencialidades para melhorar a qualidade de ensino da rede até 2010 mais avançado com o desempenho em provas de e dificuldades português e de matemática. O exa- PROGRAMA DE QUALIDADE DAS ESCOLAS (PQE) me, que não foi realizado em 2006, Pretende promover a melhoria da qualidade e igualdade do voltou a ser aplicado no ano passado sistema de ensino da rede estadual. Para que isso ocorra, Alto nível para 2 milhões de estudantes. e considera situações específicas – exigem-se avaliações periódicas dos alunos e metas traçadas. O objetivo da Secretaria Estadual Para a composição do Idesp, o flu- dificuldades e potenciais –, que não A idéia é garantir que os alunos da rede dominem da Educação é que a rede atinja um xo escolar é determinado pela taxa podem ser comparadas a outras uni- as competências e as habilidades requeridas para a série alto nível, compatível com os países de aprovação média em cada ciclo dades. “Levamos em conta o ponto escolar em que se encontram e concluam o Ensino membros da Organização para a (1ª a 4ª série e 5ª a 8ª série do Ensino de partida e a situação de dificulda- Fundamental e o Ensino Médio em tempo adequado. Cooperação e Desenvolvimento Eco- Fundamental e 1º ao 3º ano do Ensi- des da unidade. Para o próximo ano, nômico (OCDE). no Médio). Segundo a secretária, o esperamos um avanço para todas”, METAS Francisco Soares, matemático da fluxo a que se refere diz respeito a afirma Priscila Albuquerque Tavares, Universidade Federal de Minas Ge- aprender com qualidade e no tem- coordenadora do projeto na Secre- São metas de qualidade individuais para cada escola, que rais (UFMG), participou da elabo- po certo. taria da Educação. levam em consideração a situação inicial, suas dificuldades ração do Idesp e afirma que o cálcu- A partir de agora, a escola terá um e as potencialidades. Formam um guia para a escola e a lo é feito para descobrir quanto os Idesp para cada um dos ciclos: se comunidade melhorarem o ensino. Metas baseadas no Idesp. alunos paulistas têm de melhorar possuir os três ciclos (da 1ª série do Proficiência para chegar ao nível dos estudantes Fundamental ao 3° ano do Ensino O Idesp segue o modelo do Índice IDESP de escolas dos países desenvolvidos. Médio), terá três índices e três metas de Desenvolvimento da Educação “Não queremos que todos os alunos anuais. “Todo aluno tem um direito, Básica (Ideb), do governo federal, Indicador que permite avaliar a qualidade das escolas nas sejam excelentes em todos os níveis, que é o de aprender. É preciso haver mas com diferenças importantes. A séries iniciais (1ª a 4ª) e finais (5ª a 8ª) do Ensino Fundamental mas também não queremos que mui- um indicador que faça o diagnóstico principal delas é que enquanto o e no Ensino Médio para estabelecer as metas. É o diagnóstico tos fiquem abaixo do básico. É pre- da qualidade da escola e que Idesp considera quatro níveis de de cada escola por ciclo, baseado no Saresp e no fluxo escolar. ciso distribuir melhor, respeitar a di- dialogue sobre o desempenho dos proficiência, o Ideb trabalha com as versidade, mas não permitir a indi- alunos. Nosso objetivo é uma escola médias das notas dos estudantes. gência”, explica o professor. inclusiva e o estabelecimento de me- Apesar de a média dos estudantes SARESP FLUXO O índice é estabelecido pelo ren- tas razoáveis”, diz a secretária. da rede estadual ainda não ser dimento dos estudantes no Sistema A meta de cada escola é individual satisfatória, há escolas muito boas no Exame de habilidades e Taxa média de aprovação competências para alunos nos em cada ciclo, coletada Estado, que estão bem próximas ou Ensinos Fundamental e Médio em lín- pelo censo escolar. É o já ultrapassaram a meta para 2030 e gua portuguesa e matemática. Os cálculo do tempo médio CAM I N HO DA QUALIDADE que têm qualidade comparável à dos alunos são classificados em: Abaixo que os alunos levam para países desenvolvidos. É o caso da EE do Básico, Básico, Adequado e concluir cada ciclo. Ciclos Média do Idesp Metas para 2030 Papa Paulo VI, no Jardim Alvorada, Avançado. 1ª a 4ª série 3,23 7 em Santo André, nota 6,21 no Idesp. São casos que, segundo a secretária 5ª a 8ª série 2,54 6 da Educação, têm relação direta com Ensino Médio 1,41 5 o perfil de gestão desenvolvi- do em cada unidade escolar. Segundo o Ministério da Educação (MEC), o ideal para que o ensino no Brasil seja com- “Os professores são efetivos e há parado ao dos países pertencentes à Organização para a Cooperação e Desenvolvi- participação dos pais. Quando o di- mento Econômico (OCDE) é que tenha média 6,5. A Secretaria da Educação ambiciona retor é bom, a escola funciona. Há crescimento de 5% ao ano. unidades que tiveram desempe- nho muito ruim porque houve muita 12 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 13
  • educação AS 10 M ETAS TRAÇADAS EM 2 007 rotatividade de diretores. O sistema é desigual, mas há vários aspectos in- ternos às escolas que são fáceis de Programas como o Idesp são parte das medidas adotadas para atingir melhorar e não dependem da esco- as 10 METAS pela Educação até 2010, estabelecidas pela Secretaria laridade dos pais ou de outros fa- de Estadoda Educação em agosto do ano passado. O Estado já tores externos. Dependem apenas da Secretaria, e estamos trabalhando pa- tem 98,6% das crianças de 7 a 14 anos na escola e 90% dos jovens ra a melhora”, explica. de 15 a 17 anos estudando. O objetivo, agora, é melhorar o aprendizado oferecido. A coordenadora Priscila afirma que a diferença de qualidade entre os estudantes do primeiro ciclo do Ensino Fundamental e os alunos do Ensino Médio se dá porque as crian- 6 Atendimento ças mais novas estão em melhor situa- ção escolar. Segundo ela, são crian- de 100% da demanda de jovens e adultos de Ensino Médio com oferta diversi- DIA “E” DE EDUCAÇÃO ficada de currículo 9 Implementação do Ensino Conhecer o cotidiano e as metas da es- profissionalizante. Fundamental de nove anos, em colabo- cola será possível para os pais dos alu- ração com os municípios, com priori- nos no projeto batizado pela Secretaria dade à municipalização das séries como Dia E de Educação. A idéia é abrir 7 Utilização da estrutura de tecnologia iniciais (1ª a 4ª séries). as 5.183 escolas do Estado, das 8 às 22 da informação e Rede do Saber para horas, para que os interessados possam 1 Todos alunos de 8 anos plenamente programas de formação continuada de visitar as unidades, conversar com os alfabetizados. professores integrados nas 5.183 escolas 10 Programa de obras e infra- supervisores e professores coorde- com foco: nos resultados das avaliações; estrutura física das escolas (investi- nadores e tirar dúvidas sobre o sistema 2 Redução de 50% das taxas de na estrutura de apoio à formação e ao mento de R$ 1,7 bilhão em obras): de ensino. reprovação da 8ª série. trabalho de coordenadores pedagógicos e garantia de condições de acessibili- Na ocasião, todos os professores supervisores para reforçar o monitoramen- dade em 50% das escolas para estaduais estarão em suas respectivas 3 Redução de 50% das taxas de to das escolas e apoiar o trabalho do pro- atender à demanda dos alunos com escolas, debatendo os resultados do reprovação do Ensino Médio. fessor em sala de aula, em todas as direto- deficiência; construção de 74 novas Saresp. Os supervisores e os professores rias de ensino; no programa de unidades, reforma e ampliação de 77 coordenadores receberão os pais e os capacitação dos dirigentes de ensino escolas (417 salas de aula); extinção responsáveis, com a função de esclare- 4 Implementação e diretores de escolas com foco na das salas com padrão Nakamura (de cer dúvidas. O encontro deve expor o de programas de eficiência da gestão administrativa. lata); recuperação e cobertura de desempenho dos alunos no Saresp, os recuperação de apren- quadras de esportes; implantação de mecanismos do Idesp e das metas e dizagem nas séries circuito interno de TV para melhorar seus reflexos no ambiente escolar. Nes- finais de todos ciclos 8 Descentrali- a segurança em escolas da Grande se dia, as aulas serão suspensas, con- (2ª, 4ª e 8ª séries zação e/ou munici- São Paulo;100% das escolas com forme previsto no calendário escolar. do Ensino Funda- palização do laboratórios de informática e de Como ficou comprovado em estudos mental e 3ª série do programa de ciência; 100% das salas dos profes- realizados na última edição do Saresp, os Ensino Médio). alimentação escolar sores com computadores, impresso- alunos que têm lições corrigidas pelos nos 30 municípios ras e ambiente de multimídia. professores apresentam melhor desem- 5 Aumento de 10% nos índices de de - ainda centralizados. Atualização e informatização do penho na escola. Por isso, é importante o sempenho dos Ensinos Fundamental e acervo de todas as bibliotecas das acompanhamento dos pais e educado - Médio nas avaliações nacionais e estaduais. 5.183 escolas. res na escola e em casa. 14 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 15
  • educação FONTE: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROGRAMAS ESTABELECIDOS PELA SECRETARIA DESDE 2007 Em 2030, 90% dos PROGRAMA LER E ESCREVER GUIA CURRICULAR alunos da 4ª série É um material de apoio para Foi desenvolvido para 5ª a 8ª devem ter os níveis reforçar a alfabetização dos série do Ensino Fundamental e estudantes. Os livros, da para o Ensino Médio. É um Adequado e Avançado Fundação para o projeto que dá aos professores Desenvolvimento da guias com orientações sobre o Educação (FDE), foram dis- trabalho a ser feito em sala. Os tribuídos às Diretorias de materiais são compostos de 76 Ensino. Das sete primeiras livros, os Cadernos do ças que já entraram na escola com publicações do programa, Professor, para todas as séries um sistema educacional de mais cinco são destinadas a profes- dos materiais de apoio para os (5ª a 8ª e Ensino Médio) em qualidade. “Quem está no Ensi- sores e duas aos alunos. No alunos e para os educadores, o todas as disciplinas. Divididos no Médio, hoje, está estudando há material, há várias sugestões de projeto conta com o apoio de por bimestre, todos os livros mais tempo em um sistema que abordagem do trabalho de alfa- alunos pesquisadores – univer- que complementam o material apresentava muitas dificuldades”, betização, que devem ser ado- sitários de cursos de pedagogia didático têm indicações dos analisa Priscila. tadas de acordo com a con- ou letras das instituições de ensi- conteúdos e das respectivas As unidades que não atingirem a veniência para cada turma. O Ler no superior conveniadas ao Ler e habilidades a serem desenvolvi- meta estabelecida não sofrerão e Escrever é desenvolvido para 1ª Escrever -, que atuam como pro- das pelos alunos. A proposta qualquer punição. O governo do Es- a 4ª série do Ensino Fundamental fessores auxiliares na 1ª série do do governo não tira a autono- tado apenas incentivará o trabalho e focado em leitura e escrita. Além Ensino Fundamental. mia dos professores. nas escolas, com ações de infra- estrutu-ra e apoio à direção e aos BOLETIM IMPRESSO POR BIMESTRE 12 MIL PROFESSORES supervisores. A secretária afirma que COORDENADORES os indicadores foram colhidos nos Os pais e responsáveis dos melhores países do mundo, referên- 4,7 milhões de alunos da Rede 12 mil professores coorde- cia de superqualidade. Pública recebem desde maio de nadores trabalharão como 2007 os boletins impressos gestores das mudanças anun- bimestralmente. Esses docu- mentos são entregues pelas ciadas em 2007. São esses Metas profissionais – 8 mil já estão Para 2010, prevê-se que 41,2% dos Diretorias de Ensino às escolas, trabalhando e 4 mil serão estudantes que estiverem na 4ª série que devem encaminhá-los para chamados no fim deste mês – sejam classificados nos níveis Ade- os responsáveis, ou para os os responsáveis por planejar quado e Avançado. Na 8ª série, próprios alunos maiores de como as escolas cumprirão as 28,2% terão alcançado esses dois ní - 18 anos. Para isso, foram Registro Acadêmico (RA). Além metas de desempenho e veis e, no Ensino Médio, 16,6%. Já entregues 250 impressoras em de notas e faltas, o impresso terá como vão melhorar o nível de em 2030, estima-se que 90% dos outubro de 2007. O investimento é comentários do professor sobre o aprendizado dos alunos. alunos da 4ª série da rede estadual de cerca de R$ 1 milhão por ano - aluno, para que os pais acompa - Antes, a Secretaria contava estejam nos níveis Adequado e Avan- gasto que inclui estimativa de nhem a evolução dos filhos na com 6 mil professores coor- çado. Pretende-se também que 80% manutenção e outras despesas, escola. A Secretaria também denadores, um por escola. dos estudantes da 8ª série e 60% dos como papel. O boletim já era determinou que todos os profes- Agora, cada um dos sele- do Ensino Médio estejam na mesma divulgado na internet pelo sores do Estado tenham cionados será responsável classificação. programa Boletim on-line no site apenas um método de avaliação: por um ciclo (1ª a 4ª séries “É viável. Depende só dos profes- www.educacao.sp.gov.br. notas cheias de 0 a 10. Os do Ensino Fundamental, 5ª a sores e dos diretores da rede. O sis- Todos os alunos da rede estadual números quebrados não 8ª e Ensino Médio) e por não tema pedagógico vai melhorar. Algu- já tinham acesso às notas pelo podem ser usados como forma mais de 30 classes. mas escolas da rede já estão acima portal, digitando o número de seu de avaliação. da média da OCDE, o que nos dá 16 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 17
  • educação PROGRAMAS DE RECUPERAÇÃO EXEMPLO DE ENVOLVIMENTO O bônus aos COM O ENSINO 42 DIAS DE REFORÇO mais ênfase aos conteúdos que professores é um A EE Rui Bloem, no bairro de Mirandópolis, na zona Sul da ca- Nete ano foi implementado não foram absorvidos no período incentivo adicional pital, é um exemplo de boa escola de Ensino Médio da rede pela primeira vez o sistema de anterior. Levantamento da aos funcionários pública. Apesar de ter um índice ainda baixo no Idesp (2,85), a reforço focado em língua por- Secretaria aponta que as escola está bem perto da meta para 2008 (2,95), tem alto índice tuguesa e em matemática recuperações do Primeiro Ciclo de aprovação em vestibulares e boas notas no Saresp. de 42 dias para os alunos de 5ª constituem 1.221 classes, com O vice-diretor, José Carlos Marquizin, na escola há 36 anos, a 8ª série do Ensino Fundamental aproximadamente 29 mil alunos. afirma que sempre se esforçou para que a instituição tivesse e para os do Ensino Médio. Um Desse total, 637 são classes da alegria. E queremos que todas che- diferenciais. “Temos um cuidado especial com a estrutura e a total de 3,6 milhões de alunos recuperação de 3ª série e 584, guem ao mesmo nível”, avalia a organização, e um grupo de professores efetivos que vestem a passou pelo processo e todos classes para quem ficou retido na secretária Maria Helena. camisa da escola e trabalham aqui há muito tempo”, explica. foram avaliados por prova elabo- 4ª série. Todos os alunos do PIC Os níveis ideais a serem alcança- A Rui Bloem tem 2 mil alunos de Ensino Médio e mais 900 rada pela pasta. Quem ainda recebem materiais didáticos dos variam de acordo com o ciclo. no Centro de Línguas, que ensina alemão, japonês, francês e apresentou dificuldades continuou específicos, referentes aos con- Para a 4ª série, as escolas terão de espanhol em cursos de seis semestres. Segundo Marquizin, os em recuperação, mas desta vez teúdos que serão desenvolvidos chegar ao índice 7. Para a 8ª, 6. Para funcionários se esforçam para que a escola seja, de fato, um em turno diferente do de aula, ou no decorrer do ano letivo. a 3ª do Ensino Médio, 5. lugar em que os estudantes vão para aprender. “Para isso, aos sábados, para recuperar uma temos um trabalho pedagógico de primeira linha e foco na vez por semana os conteúdos RECUPERAÇÃO DE aprovação nas faculdades. O interesse da família e dos alunos é aplicados. As classes da recuper- ALFABETIZAÇÃO Medidas no vestibular. Temos parceria com cursinhos que dão apoio aos ação são de no máximo 20 NA 5ª SÉRIE Entre as medidas para se alcançar estudantes”, diz. alunos. Os 3,6 milhões de alunos São classes específicas para recu- técnicos ou pela revisão de os objetivos estão a compra de equi- Em parceria com a Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), receberam o Jornal de perar e alfabetizar plenamente conteúdo, que vai preparar pamentos para as escolas, como data foi desenvolvido um projeto que ensina os alunos a desenvolver Recuperação. Material didático estudantes com dificuldades na 5ª os alunos que pretendem dar show para videoconferência e livros, trabalhos sobre biocombustível e robótica, por exemplo. “A e cerca de 100 mil publicações série, uma atenção especial para continuidade aos estudos e e a contratação de 60 mil funcioná- intenção é estimular o interesse dos alunos pela engenharia.” chegaram às mãos dos profes- os alunos que mostraram proble- ingressar em um curso rios, realizada nos últimos seis me- Ele diz que o segredo é ter compromisso e dedicação. sores, já capacitados. mas em leitura e escrita. As salas superior. A Secretaria da ses. Outro incentivo do governo é a “Apesar do nível não ser muito alto, estamos com o dobro da específicas e Educação realizou uma concessão de bônus para todos os média e fomos o primeiro lugar no Enem pelo segundo ano PROJETO INTENSIVO horários para aceleração de revisão curricular que permitirá funcionários, cujos critérios ainda es- seguido”, afirma. DE CICLO (PIC) resultados são organizados que as escolas disponham tão sendo criados. Para melhorar o desempenho pelas escolas em acordo com a de seis horas semanais “O projeto é muito importante para da 3ª série do Ensino disponibilidade das famílias destinadas à revisão de conteú- melhorar a qualidade do ensino nas Alunos em Fundamental com base no dados dos alunos. A política para a dos. As aulas começarão no escolas paulistas, porque vai fornecer aula de robótica do Saresp, aqueles que não recuperação da aprendizagem segundo semestre deste ano. um incentivo adicional para na EE Rui Bloem, em obtiveram boas notas na também capacitará professores As recuperações paralelas e de que os funcionários da rede Mirandópolis, na capital avaliação, realizada em 2007, virtualmente por meio da fim de ciclo, que já existiam, se empenhem mais e criem foram encaminhados para salas Rede do Saber, setor serão mantidas e aperfeiçoadas. um clima favorável ao específicas. A função principal responsável pela capacitação Neste segundo semestre, a aprendizado em todas as dessas salas é reforçar conteúdos dos educadores, que envolve todo Secretaria da Educação, em escolas”, afirma Naércio ensinados no ano anterior. Na 4ª o Estado. parceria com o Centro Paula Menezes Filho, professor série, os alunos que ficaram reti- Souza, vai abrir 50 mil vagas para de economia da Universi- dos devido ao baixo desempenho INTENSIVO o Teletec, ensino a distância. O dade de São Paulo (USP), durante o ano foram separados PARA O curso é direcionado a alunos do que participou do projeto em turmas específicas, nas ENSINO MÉDIO 3º ano do Ensino Médio ou a do Idesp. “A qualidade da quais os docentes já estão capac- No Ensino Médio, nas duas pessoas que já concluíram o ciclo. educação é um dos itados para trabalhar as últimas séries, os estudantes O ensino prepara o estudante principais fatores que dificuldades de cada um, dando poderão optar pelos cursos para o mercado de trabalho. levam ao crescimento do país”, conclui. 18 SPnotícias junho 2008
  • SPsaúde O EDIFÍCIO, ANDAR POR ANDAR (com previsão para funcionamento de todos os setores até o fim de 2009) 24o 8o Gigante Heliponto 23 Área técnica e restaurante/ lanchonete o Laboratório de análises clínicas e investigação médica 7o contra o câncer Instituto nasce com o objetivo de quadruplicar o 22o Internação 21 Internação o Área de infra-estrutura predial e centro de automação 6o Área administrativa e auditórios atendimento e ser referência em pesquisa 20o 5o Internação Ambulatório o 19 4o Criado para ser um centro de re- se, um desejo de participação de todas as Internação Ambulatório ferência no acolhimento ao pa- áreas da Faculdade de Medicina, de to- o ciente e no campo de pesquisas, o dos os departamentos, que querem aju- 18 3o Instituto do Câncer (IC) de São Paulo dar na construção do Instituto do Cân- Internação e hospital-dia Ambulatório e métodos gráficos Octavio Frias de Oliveira nasce com a cer”, diz o médico. o ambiciosa meta de quadruplicar o atual No IC, os pacientes terão serviços de 17 2o número de atendimentos e passar dos 4 diagnósticos, exames laboratoriais, cirur- Internação Diagnósticos de apoio mil pacientes/mês para 16 mil. O gias, acompanhamento clínico, recupera- o instituto foi inaugurado no mês passado, ção e reabilitação. “A proposta é que 16 1o e a previsão é que o objetivo seja todas as especialidades sejam integradas Internação Radiologia alcançado até o fim de 2009. no tratamento do paciente”, diz o profes- o O Instituto do Câncer não foi criado sor Cerri. “E o acolhimento desse pa- 15 Térreo para ser um hospital aberto. Vai receber ciente é uma questão diferenciada, multi- Área de infra-estrutura predial Recepção, atendimento apenas pacientes encaminhados pelos disciplinar”, observa. Tendência compro- inicial, reabilitação, hospitais do Estado e do Brasil. Inicial- vadamente recomendável para esse tipo 14o acolhimento de pacientes mente pelo Hospital das Clínicas, que de tratamento, como explica o professor. Centro cirúrgico fica ao lado. Sempre com o conceito De início, o Instituto do Câncer está re- 1º Subsolo multidisciplinar. Ou seja, unindo várias cebendo os pacientes no andar térreo, 13o Nutrição, Same (Serviço de áreas em um único prédio. para atendimento ambulatorial e sessões Centro cirúrgico Atendimento Médico O professor Giovanni Guido Cerri, de quimioterapia em andares acima. São e Estatística), vestiários titular de radiologia da Faculdade de 17 médicos, mas o número deverá subir 12o Medicina da USP e agora diretor-geral para 50 até 2009, já que a meta é multipli- Centro cirúrgico 2º Subsolo o Central de esterilização, do Instituto do Câncer, está animado com a concepção moderna da estrutura car por quatro a quantidade de pacientes que o Hospital das Clínicas atende hoje. 11 farmácia, almoxarifado, Quimioterapia ambulatorial roupa limpa da instituição, com a planta arquitetôni- Marcos Fumio, médico especialista em ca, com os modernos equipamentos pa- ra diagnósticos, próprios de um serviço gestão de saúde e diretor executivo do IC, é quem faz as projeções. Segundo 10o 3º Subsolo BRUNO MIRANDA/NA LATA UTI e semi-intensiva Manutenção, necrotério de ponta. “O que percebo é um interes- ele, a implementação dos setores está 9o 4º Subsolo UTI e semi-intensiva 20 SPnotícias junho 2008 FONTE: SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Radioterapia SERI
  • FOTOS: THALES STADLER saúde A proposta é que todas as especialidades sejam integradas, tendência comprovadamente recomendável ocorrendo aos poucos. Em agosto, por exemplo, deverão estar funcio- nando três salas de cirurgia, com parte do serviço de internação e ocu- pação dos primeiros leitos. “Para triagem e atendimento, estão ativadas áreas como recepção, enfer- magem, farmácia e almoxarifado. Va- mos passar por adequações físicas e operacionais e receber recursos para diagnósticos e tratamentos”, explica o médico. Professor Giovanni Cerri na entrada do IC: “Todas as especialidades serão integradas” A serem instalados, há serviços im- portantes como o de gases medicinais (os diferentes gases que são usados em Essa análise levou o governo a trans- Camargo, Sírio-Libanês, Instituto a enfermeira Sheila. Eram atendidas procedimentos em hospitais, normalmente formar o instituto num centro de pes- Ludwig e Santa Casa. cerca de 80 pessoas por dia, e esse ligados à respiração dos pacientes) e a ra- quisa e de atendimento especialmente número passará a cem. “A previsão é diologia. Para isso, são necessárias sa- voltado à oncologia, com a intenção de Humanização que chegue a 300 atendimentos em las muito específicas, como bunkers torná-lo uma referência na área. Além dos consultórios em funcio- 2009”, diz o oncologista Paulo Hoff. blindados e capelas (cabines) de ma- “As pessoas estão deixando de namento, todas as sessões de quimio- Como a rapidez de atendimento é nipulação de drogas quimioterápicas. morrer por problemas do coração, terapia já passaram do HC para o muito importante para o doente de porque têm à sua disposição mais tra- Instituto do Câncer. E respeitando-se câncer, o objetivo é que o paciente Envelhecimento tamentos. No câncer, a situação é um aspecto que foi classificado como não espere mais por uma vaga para O câncer é a segunda doença que diferente. A degeneração das células, fundamental: a idéia de humanização, fazer sessões de quimioterapia. Os mais mata brasileiros atualmente. Fica principalmente em idosos, resulta em de acolhimento do paciente. Por isso, procedimentos serão marcados de atrás apenas das doenças cardíacas. processos cancerígenos. Mesmo as- também se espera a instalação de uma forma rápida. Mas em 20, 30 anos, especialistas nor- sim, há 60% de chances de cura do sala de conforto, pré e pós- te-americanos acreditam que o câncer câncer”, assegura o diretor clínico do tratamento, segundo a enfermeira Ponta será a primeira causa de morte no IC, o oncologista Paulo Hoff. Sheila Duarte de Moraes, que Por conta da segmentação da on- mundo, em razão do envelhecimento “Hoje já estamos atendendo 4 mil coordena o serviço de quimioterapia cologia, com médicos de áreas distin- da população e tendo em vista que a pacientes vindos do Hospital das Clí- no instituto. tas (ortopedia, ginecologia e assim enfermidade atinge predominante- nicas. Deverão ser 8 mil novos aten- Durante pelo menos um mês, todos por diante), o Instituto do Câncer te- mente idosos. O Brasil segue essa ten- dimentos por ano, só na oncologia os pacientes do HC foram avisados de rá como ponto forte a pesquisa. “To- dência, já que a longevidade no país clínica. Assim, no total serão 16 mil que haveria mudança do local de dos os nossos andares vão respirar aumenta a cada ano. Atualmente, a ex- novos pacientes até 2009”, informa o tratamento em maio, por meio de tele- pesquisa, contando com a colabora- pectativa de vida do brasileiro é de médico. Ele diz que o instituto terá fonemas, cartazes e panfletos, ou du- ção de todos os departamentos da 72,3 anos, resultado da melhoria no parcerias com importantes institui- rante o agendamento das consultas. Faculdade de Medicina”, diz o dire- acesso à alimentação, à saúde e ao sa- ções, como o Instituto Nacional de Havia 27 cadeiras para quimiote- tor -geral do IC, Giovanni Guido neamento básico prestado à população. Câncer (Inca) e os hospitais A.C. rapia e agora deverão ser 70, segundo Cerri. Pesquisa que já faz parte do 22 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 23
  • saúde dia-a-dia da Faculdade de Medicina da USP. O instituto contará com a técnica Molecular Imaging para mapear o de- senvolvimento das células, o que aju- dará o IC a se tornar referência inter- nacional em pouco tempo, assegura o diretor. O prédio O prédio do Instituto do Câncer tem 100 metros de altura e uma área de 84 mil metros quadrados. São 29 pavimentos (24 andares, quatro sub- solos mais o teto, que funciona como heliponto), todos automatizados, que serão ocupados paulatinamente até O pesquisador atingir a total capacidade de Roger Chammas diz que funcionamento, prevista para de- equipamento zembro de 2009. Apesar da previsão de ponta vai inicial, a idéia é que essa data seja adi- permitir antada para meados do ano que vem. O diretor adiantar clínico do IC, o No total, foram investidos 270 mi- Paulo (USP) e a participação técnica diagnósticos oncologista lhões de reais, de acordo com Luiz do Hospital das Clínicas. Paulo Hoff, Roberto Barradas Barata, secretário Na inauguração do prédio, o go- aposta nas estadual da Saúde. Quando estiver vernador José Serra ressaltou que o pesquisas, que EM BUSCA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE funcionando plenamente, o hospital instituto deverá ser referência em três já desenvolve Professor e pesquisador na Faculdade de senta um desvio metabólico e concentra vai custar ao governo 190 milhões de aspectos: humanização no atendi- na Faculdade de Medicina Medicina da USP, Roger Chammas espe- glucose em quantidades muito maiores reais por ano com manutenção. O mento ao paciente, investimento em da USP ra a instalação do Ciclotron para 2009 que o normal. O uso do acelerador linear Instituto do Câncer tem a participa- medicamentos cada vez mais eficazes com muita expectativa. O equipamento (Ciclotron) permitirá marcar moléculas co- ção administrativa da Faculdade de e formação de mão-de-obra específi- permitirá que os pacientes sejam diagnos- mo glucose com átomos radioativos, Medicina da Universidade de São ca. O instituto deverá ser uma verda- ticados por imagens moleculares. Para sua transformando-as em um radiotraçador. instalação, será necessário adaptar uma Este nos indicará onde estão células com SERI sala no Centro de Medicina Nuclear. metabolismo aumentado, como as células INSTITUTO DO CÂNCER DE SÃO PAULO OCTAVIO FRIAS DE OLIVEIRA O Ciclotron é um aparelho que permite tumorais”, explica o médico Roger Cham- um método mais avançado de mas. R$ 270 milhões 22 420 sessões diagnóstico, que dá outro parâmetro ao Além do diagnóstico, o aparelho servi- em obras e salas cirúrgicas de radioterapia/mês * que se consegue por meio dos equipa- rá para o acompanhamento do tratamen- equipamentos mentos já tradicionais, como ressonância to, para saber se o tumor está diminuindo, 1.500 magnética e tomografia computadorizada. sinal de que o tratamento surte efeito. 28 internações/mês* Com o aparelho, é possível perceber Há ainda ganhos paralelos, segundo o pavimentos 33 mil as características in vivo dos tumores e, médico. “Pesquisas em andamento visam 23 andares consultas ambulatoriais/mês * assim, adiantar as possíveis intervenções avaliar como os tumores são vasculariza- 580 leitos 1.300 no processo de expansão dos tecidos irre- dos e oxigenados. Usando imagem mole- (84 de UTI e terapia semi- cirurgias/mês * gulares. cular, poderemos acompanhar tentativas intensiva e 30 de hospital-dia “Todas as células do corpo precisam de terapêuticas de normalizar a vasculariza- 6 mil açúcar, como a glucose, para gerar ener- ção dos tumores, que assim poderiam se 120 sessões de gia, por exemplo. A célula tumoral apre- tornar mais sensíveis à quimioterapia ou à consultórios quimioterapia/mês FONTE: SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE (* quando em pleno funcionamento, até o fim de 2009) radioterapia.” 24 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 25
  • SPsegurança SERI Homicídios HOMICÍDIO DOLOSO ESTADO DE SÃO PAULO (POR 100 MIL HABITANTES) despencam Em dez anos, queda foi de 67%; em 1999, eram 35,3 homicídios 30,66 30,25 33,54 35,66 33,79 32,78 30,77 28,04 para cada 100 mil habitantes e, hoje, o índice é de 10,8 mortes 22,52 17,56 14,85 O número de homicídios no Foram 10,8 mortes a cada 100 mil 11,92 10,39 Estado de São Paulo caiu 9% habitantes no primeiro trimestre de no primeiro trimestre de 2008 2008. Número que se aproxima ao em relação ao mesmo período de aceitável pela Organização Mundial FONTE: SSP/SP 2007. As estatísticas divulgadas no de Saúde (OMS), de 10 homicídios a mês passado pela Coordenadoria de cada 100 mil. Em 1999, São Paulo Análise e Planejamento (CAP), da Se- contabilizava 35,3 homicídios a cada cada 400 roubos, e hoje esse número onde a violência tem caído conside- cretaria da Segurança Pública, 100 mil habitantes. A taxa já era de é de um a cada 1,4 mil. ravelmente no Brasil é São Paulo. “A apontam quedas nas taxas da maioria 11,8 a cada 100 mil no primeiro tri- “Os índices vêm diminuindo de- melhoria no número de crimes se dá, das modalidades de crimes. mestre do ano passado. vido ao desarmamento, ao encarcera- desde os anos 90, por controle de ar- No primeiro trimestre do ano passa- “Pretendemos chegar a 10 mortes mento e à gestão”, atribui Túlio Kahn. mas e mais investimento em polícia e do, a Secretaria da Segurança Pública por 100 mil até o fim do ano. Na Segundo o especialista, a transforma- em prisão”, informa a publicação. contabilizou 1.250 homicídios dolo- maior parte das cidades já está ção se dá de maneira paulatina e já A preocupação com o desarma- sos. No mesmo período deste ano, o abaixo dessa média, mas a capital abrange a maior parte do Estado. mento começou quando o então go- número de registros caiu para 1.136. ainda apresenta 15 homicídios”, diz o Em reportagem publicada no mês vernador Mario Covas pediu o cre- Em dez anos, a queda de homicí- coordenador da CAP, Túlio Kahn. passado, a agência norte-americana denciamento das armas, ainda nos dios é ainda mais acentuada, de 67%. Em 1995, havia um latrocínio a Reuters informou que o único lugar anos 90. “A Polícia Militar chegou a 26 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 27
  • segurança ANTES/DEPOIS detentos de cárceres em delegacias fo- Policiais militares ram transferidos para presídios. Essas medidas liberaram os profissionais que saíram das muralhas faziam a segurança para ir às ruas”, diz. dos presídios e foram Na última década, a polícia paulista trabalhar nas ruas fez inúmeros investimentos em tecno- logia. Mecanismos como o Serviço de Informações Criminais (Infocrim) e o Centro de Operações da Polícia Mi- litar (Copom) on-line ajudam a loca- recolher 10 mil armas por trimestre lizar onde está a concentração de cri- no pico, em 1999. Hoje são recolhi- mes. “Agora sabemos como é o de- das cerca de 6 mil a cada três meses, sempenho por área e há balanços pe- já que menos pessoas circulam ar- riódicos para poder cobrar os ges- madas”, diz Kahn. tores e as delegacias”, afirma Kahn. Bimestralmente ocorrem reuniões Prisão entre as Polícias Militar e Civil para O aumento de prisões é outro fator fazer planejamentos por área. Segun- mencionado por Kahn como motivo do Kahn, os policiais saem às ruas de da queda das taxas. Em 1994, eram manhã com cartões e rotas de vigi- 55 mil detentos em todas as cidades. lância, para que não se baseiem so- Hoje são 158 mil, um aumento de mente na intuição. 187%. “O que não quer dizer que “No caso de Isabella Nardoni (as- FOTOS: DIVULGAÇÃO São Paulo tenha uma política de en- sassinada em abril na capital), pôde-se carceramento forçada, nem que isso notar que a Polícia Científica paulista seja um ideal. Mas é um diferencial está muito próxima da dos países mais em relação aos outros pontos do desenvolvidos. As viaturas estão do- Sujeira e abandono nas ruas do Jardim Elisa Maria, na capital: após a Virada Social, aumento da auto-estima país”, afirma Kahn. tadas de modernos sistemas de rádio, O coronel José Vicente da Silva, e pela primeira vez não se reclama da diretor executivo do Instituto Pró- falta de carros”, afirma José Vicente da VIRADA DÁ NOVA VIDA À BRASILÂNDIA Polícia, diz que são 400 presos em Silva. Depois dos ataques de grupos Outro projeto do governo paulista que contribuiu Para que os criminosos não voltassem a agir, houve São Paulo a cada 100 mil habitantes, criminosos a delegacias em 2006, para a queda nas taxas de violência foi a Virada Social. reforço no policiamento do bairro. O resultado da ope- e 200 em outros Estados. “Só em investiu-se ainda mais nos sistemas de Trata-se de um conjunto de medidas de várias secre- ração foi a queda acentuada nos índices de violência. O 2006 foram presos 138 mil crimi- inteligência. “Acreditávamos que o tarias do governo do Estado, em conjunto com a prefei- número de homicídios caiu 80% nos primeiros quatro nosos, enquanto no Rio esse número nosso trabalho acabava quando o tura, com o intuito de revitalizar os bairros mais violen- meses deste ano, em comparação com o mesmo perío- foi de 16 mil. Esse é um fator vigo- criminoso era preso. Descobrimos que tos e reduzir os índices de criminalidade. O piloto do do do ano passado. Outros índices de criminalidade roso na redução da violência”, diz. havia mais a ser feito”, diz Kahn. projeto ocorreu na comunidade do Jardim Elisa Maria, tiveram queda de 30% nas ocorrências, comparando- Silva, que foi secretário nacional de Silva afirma que se tem mostrado no bairro de Vila Brasilândia, zona Norte da capital. se o mesmo período. Segurança Pública em 2002, explica uma capacidade de respostas ao crime Em março do ano passado, o local foi tomado por Além da ação policial, o Jardim Elisa Maria recebeu que se tomou uma medida básica em e os criminosos ficam intimidados. “Em 600 policiais, que tinham em mãos uma lista de crimi- outras 17 ações integradas. Entre as quais, revitalização São Paulo: o número de policiais um debate em Harvard, nos Estados nosos procurados. É a chamada Operação Saturação. urbana e capacitação e formação profissional. Cerca de efetivos é condizente com a demanda. Unidos, sobre o controle da “Deixamos um grande contingente de profissionais do 600 jovens se inscreveram em cursos promovidos pelo Segundo Kahn, isso se deu sem au- criminalidade na América Latina se dis- Choque por dois meses no local, para que houvesse governo do Estado. mentar o número de policiais. “Os cutiu que todos os tipos de crime, uma limpeza da área e a economia do tráfico fosse sufo- Fizeram parte do processo de revitalização da Vila PMs que ficavam nas muralhas dos mesmo os mais leves, devem ter uma cada. Se há muitos policiais, os consumidores de drogas Brasilândia a despoluição de um córrego, a coleta presídios foram substituídos por pro- resposta. Temos um sistema prisional se afastam”, analisa o responsável pela Coordenadoria seletiva e a preservação do meio ambiente. Medidas fissionais concursados da Secretaria rico, com infra-estrutura. Se não hou- de Análise e Planejamento (CAP), Túlio Kahn. que aumentam a auto-estima da população. de Administração Penitenciária, e os vesse lugar, a polícia teria de parar de prender” conclui. 28 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 29
  • SERI SPsalário FAIXAS DE OCUPAÇÕES PRIMEIRA FAIXA florestais, de máquinas da cons- de transporte de passageiros, tra- Piso regional de R$ 410 para R$ 450 trução civil, de mineração e de balhadores de redes de energia e (9,76% de aumento) cortar e lavrar madeira, classifi- de telecomunicações, mestres e cadores de correspondência e contramestres, marceneiros, Trabalhadores domésticos, carteiros, tintureiros, barbeiros, trabalhadores em usinagem de serventes, trabalhadores cabeleireiros, manicures e pedi- metais, ajustadores mecânicos, sobe até 9,76% agropecuários e florestais, cures, dedetizadores, montadores de máquinas, ope- pescadores, contínuos, vendedores, trabalhadores de radores de instalações de mensageiros e trabalhadores de costura e estofadores, pedreiros, processamento químico, e serviços de limpeza e conser- trabalhadores de preparação de supervisores de produção e vação, trabalhadores de serviços alimentos e bebidas, de fabri- manutenção industrial. Correção vale desde o dia 1º de maio e é de manutenção de áreas verdes e cação e confecção de papel e direcionada a trabalhadores da iniciativa privada de logradouros públicos, auxiliares papelão, trabalhadores em TERCEIRA FAIXA de serviços gerais de escritório, serviços de proteção e segurança de R$ 490 para R$ 505 empregados não-especializados pessoal e patrimonial, traba- (3,06% de aumento) do comércio, da indústria e de lhadores de serviços de turismo serviços administrativos, cumins, e hospedagem, garçons, Para os administradores Passou a valer no dia 1º de maio tender o benefício para ocupações barboys, lavadeiros, ascensoris- cobradores de transportes agropecuários e florestais, Estima-se que o novo piso regional paulista. O que não são abrangidas ou que não tas, motoboys, trabalhadores de coletivos, barmen, pintores, trabalhadores de serviços de cerca de 1 milhão aumento foi de 9,76%, maior do são assistidas por uma entidade ou movimentação e manipulação de encanadores, soldadores, higiene e saúde, chefes de de pessoas que a inflação de 6,54%, de abril de uma organização e não fazem acordo mercadorias e materiais, e chapeadores, montadores de serviços de transportes e de tenham sido 2007 a abril deste ano, segundo da- porque pertencem a uma categoria beneficiadas pelo trabalhadores não-especializados estruturas metálicas, vidreiros e comunicações, supervisores piso salarial dos do Índice Nacional de Preços ao muito pulverizada. No caso da cons- de minas e pedreiras. ceramistas, fiandeiros, tecelões, de compras e de vendas, agentes regional em Consumidor Amplo (IPCA). A lei trução civil, por conta da alta deman- tingidores, trabalhadores de cur- técnicos em vendas e todo o Estado sancionada pelo governador José Ser- da, mesmo com os pisos estabeleci- SEGUNDA FAIXA timento, joalheiros, ourives, opera- representantes comerciais, de São Paulo ra no dia 30 de abril determina que dos, o salário pode ser um pouco de R$ 450 para R$ 475 dores de máquinas de escritório, operadores de estação de rádio os pisos passem de R$ 410, R$ 450 e maior”, diz o secretário. (5,56% de aumento) secretários, datilógrafos, digita- e de estação de televisão, de dores, telefonistas, operadores de equipamentos de sonorização e R$ 490 para R$ 450, R$ 475 e R$ 505, Para os operadores de máquinas telefone e de telemarketing, aten- de projeção cinematográfica, respectivamente (veja quadro na pági- Dois meses e implementos agrícolas e dentes e comissários de serviços e técnicos em eletrônica. na ao lado). O piso, criado em agosto O aumento vem depois de dois de 2007, beneficia trabalhadores da meses do reajuste programado para iniciativa privada que não têm piso sa- o mínimo federal. Esse é o tempo larial definido por lei federal, conven- necessário para que seja possível es- ção ou acordo coletivo de trabalho. tudar os impactos do piso novo. “Co- O secretário do Emprego e Rela- mo somos iniciantes nessa legislação, ções do Trabalho, Guilherme Afif Do- é prematuro fixar um critério de mingos, afirma que o piso regional ajustes automáticos. Nos quatro pri- unificado é prerrogativa do governo meiros anos, queremos trabalhar estadual desde 2000. “Partiu de uma com projetos de lei até adquirir se- lei complementar que dava condições gurança observando o mercado. Aí para que os Estados fixassem pisos se adotaria um critério como o fede- regionais, que não podiam se confun- ral”, afirma o secretário. Nos próxi- dir com o salário mínimo. Por isso, o mos anos, o aumento já estará mais piso não poderia ser unificado para próximo do início do ano (abril de todas as profissões e, sim, estabeleci- 2009 e maio de 2010). PRÓXIMOS AUMENTOS Reajuste do piso Diferença do mínimo federal do por classes de ocupações – sem- A terceira faixa (veja classificação ao Antes Hoje % Em reais % pre superior ao valor do mínimo fe- lado), que já tinha o salário mais alto, Mínimo federal deral. O aumento também foi supe- teve correção menor, pois a intenção Fevereiro de 2009 e rior ao do mínimo nacional, que su- da Secretaria é aumentar a base da janeiro de 2010 1) R$ 410 R$ 450 9,76% R$ 35 8,43% biu 9,2% em 12 meses”, explica. pirâmide. No caso dos aposentados, Piso regional 2) R$ 450 R$ 475 5,56% R$ 60 14,46% Segundo Afif, os acordos coletivos o salário é proporcional ao recolhi- 1° de abril de 2009 e 3) R$ 490 R$ 505 3,06% R$ 90 21,69% têm mais força do que o piso regio- do. Os pensionistas são remunerados 1° de março de 2010 nal, mas a nova legislação tenta es- pelos valores do mínimo nacional. FONTE: SECRETARIA DO EMPREGO E RELAÇÕES DO TRABALHO 30 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 31
  • SPsudoeste CARACTERÍSTICAS DA R EGIÃO SU DOESTE PAU LISTA S U D O ESTE ESTADO Municípios 45 645 População (IBGE 2007) 921 mil 41 milhões PIB (2005) R$ 7,7 bilhões R$ 727 bilhões PIB per capita (2005) R$ 8.649,52 R$ 17.977,31 IDH (2000) 0,749 0,814 Obs: dos 20 municípios com menor IDH no Estado de São Paulo, 17 estão na região Sudoeste. R$ 382 milhões para o Sudoeste Pacote de investimentos contempla a região que tem municípios com o menor IDH do Estado O maior desenvolvimento do Estado de São Paulo se deu ao longo do traçado de suas ferrovias, em sua maioria ru- mo ao Noroeste, seguindo também o curso do Rio Tietê. Assim, a região Sudoeste historicamente esteve mais atrás na produção, principalmente pela dificuldade de deslocamento de mercadorias. A conseqüência são as condições socioeconômicas precárias da população. No mês passado, o governador José Serra lançou o Pacote de Investimentos do Sudoeste Paulista, que pretende acelerar programas na região, que tem o menor Índice de Desen- volvimento Humano (IDH) do Estado. No pacote, destaque para as áreas de Educação, Saúde, Obras Viárias e Habitação. Todas obras interligadas, cujos investimentos regionais fazem parte de uma política de desenvolvimento com foco nas áreas mais caren- tes do Estado. A região Sudoeste é o terceiro Pacote de Inves- timentos lançado pelo governo. Os outros dois foram no Vale do Ribeira e no Pontal do Paranapanema. SERI 32 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 33
  • DIVULGAÇÃO sudoeste do Ribeira (São Miguel Arcanjo MALHA VIÁRIA a Sete Barras/Registro). Antiga Prédio da Santa Casa de Itapeva, O planejamento do governo reivindicação local, envolve 11 que foi ampliado prevê a destinação de verba pa- quilômetros de terra, em serra. ra a melhoria da malha viária do “Para essa travessia, dentro do Sudoeste. Três obras em fase de Parque Estadual Turístico do Al- contratação de projeto são: a to Ribeira (Petar), há um projeto SP-129, a SP-157 e a SP-281. A com características especiais, de última será contratada em cará- acordo com estudos de impacto ter prioritário. A recuperação de ambiental”, diz o superintenden- 70 quilômetros começa em Ita- te. raré, passa por Itaporanga e Segundo o engenheiro, as SAÚDE chega a Barão de Antonina. A obras em execução deverão ser AME SP-157 vai ligar Itapetininga a concluídas no mês que vem. Há Nova AME em Itapeva - Guareí e Porangaba. São 52 qui- ainda outros trechos programa- local a definir lômetros para restauração e pa- dos com entrega prevista para Nova AME em Itapetininga vimentação da pista, além de re- dezembro. Os projetos já Investimento: R$ 3,2 milhões capeamento de alguns trechos. licitados deverão começar em 15,9 mil consultas ao mês Na SP-129, a pista será pavi- meados de julho e os prio - 4 mil sessões de fisioter- mentada e recapeada no decor- ritários, no início de 2009. apia ao mês 37 mil exames ao mês rer de 21,7 quilômetros. Delson Amador destaca ainda os rios sejam assoreados. Ao Itapetininga fica numa região “O Sudoeste tem muitos pro- que há investimentos para rodo- longo das laterais das estradas que já foi conhecida como “Vale Hospital Regional ESTRADAS blemas com infra-estrutura e é vias vicinais – entre municípios vicinais são colocadas caixas deda Fome”. Na área da saúde, os de Itapetininga preciso melhorar a malha viária e/ou distritos –, cujas obras vão contenção e é feito um maiores problemas ainda estão Conclusão das obras em Codasp para possibilitar o facilitar o escoamento de revestimento de brita com terra.relacionados à pobreza e conse- 4ª etapa do Melhor Caminho fevereiro de 2009 desenvolvimento. Temos um produtos. Com tempo de tráfego “Praticamente temos de refazer qüente alta taxa de mortalidade Valor investido: FONTE: SECRETARIA ESTADUAL DOS TRANSPORTES E SECRETARIA ESTADUAL DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO Obras em execução 191 quilômetros de programa estratégico em uma reduzido, caem custos de trans- as estradas. Quase uma nova em materno-infantil. R$ 8,7 milhões estradas rurais recuperadas área eminentemente agrícola, porte. cima da velha”, explica o presi- “Se em Sorocaba, que é uma Investimento da atual gestão: R$ 12,7 milhões investidos com dificuldades de escoamento Segundo o presidente da Com- dente Ravagnani sobre o cidade desenvolvida da região, R$ 2,7 milhões de produção”, explica o panhia de Desenvolvimento Agrí- programa Melhor Caminho. ainda há muito a ser feito, em Transporte superintendente do De- cola de São Paulo (Codasp), José Há obras em 36 municípios, Itapetininga a carência é maior”, Santa Casa partamento de Estradas de Ro- Roberto Perosa Ravagnani, a com 191 quilômetros de trechos diz o sanitarista e administrador Itapeva - ampliação e 413,2 quilômetros de construção do novo centro estradas vicinais dagem (DER), Delson Amador. predominância de população ru- sendo refeitos, para serem con- de sistemas de saúde Antônio cirúrgico com 10 salas e recuperadas São várias as ligações da re- ral no Sudoeste exige reforço no cluídos neste mês. “Na seqüên- Carlos Nasi, diretor do Depar- enfermarias Pró-Vicinais 1 gião Sudoeste com o Paraná – trabalho nas estradas rurais, que cia, passa-se para outros trechos tamento Regional de Saúde de Valor investido: Obras em andamento em Chavantes, Fartura, Barão são municipais. Tanto para faci- de estradas. O trabalho é contí-Sorocaba, que compreende 48 R$ 5,7 milhões Previsão de conclusão: de Antonina, Itararé –, porém, litar o transporte de produtos nuo”, diz o presidente da Codasp. municípios, de Itu a Itararé. Investimento da atual agosto de 2008 os caminhões que saem do No- das fazendas como para facilitar Segundo ele, além do AME, gestão: R$ 3,5 milhões 172,9 quilômetros de roeste paranaense rumo à Gran- o deslocamento de pessoas das há a previsão de investimentos 9 máquinas de de São Paulo e ao Porto de San - comunidades rurais para as uni- NOVO AMBULATÓRIO no Hospital de Itapetininga, pa- hemodiálise: R$ 372 mil estradas vicinais recuperadas R$ 43,8 milhões investidos tos não têm como alcançar a dades de serviços públicos, co- Começam no mês que vem as ra que comporte a solicitação re- FONTE: SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE BR-116. Por isso, são obrigados mo escolas e postos de saúde. obras para a construção do Am- gional de média e alta comple- Pró-Santas Casas Pró-Vicinais 2 Repasses de R$ 4,1 milhões Obras em licitação a transitar pela região de Soro - Os custos de construção e ma- bulatório Médico de Especiali - xidades. caba, buscando as Rodovias Ra- nutenção dessas estradas são di - dades (AME) de Itapetininga, “Também existe um esforço em nove parcelas para as Previsão de início das obras: Santas Casas de: este mês poso Tavares e Castelo Branco. vididos entre as prefeituras e a que será gerenciado pela Uni- grande com relação à Santa Ca- Apiaí 240,3 quilômetros de Para resolver o problema, o Codasp. Ravagnani diz que o versidade Estadual de São Paulo sa de Itapeva, que deverá passar Itapeva estradas vicinais recuperadas governo investe na pavimenta - trabalho maior é ligado ao trata- (Unesp) de Botucatu. O orça- por reforma na ala cirúrgica, Angatuba R$ 85,8 milhões a serem ção da SP-139, que liga o Alto mento do solo, com a drenagem mento aprovado para a obra é com atenção especial à área ma- Capão Bonito investidos Vale do Ribeira ao Baixo Vale no leito de terra para evitar que de 3,2 milhões de reais. terno-infantil. Serão dez salas, Tatuí 34 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 35
  • sudoeste to para a indústria de papel co- prefeituras, a maioria em forma de mo moveleira, além da cons- doação de terrenos. EDUCAÇÃO trução civil, que utiliza madeiras “São casas, na grande maioria, não-nobres, como eucalipto. com predominância de autocon- FATEC A Fatec de Itapetininga ofere- strução”, explica Mônica. No mu- Nova Fatec em Capão Bonito ce cursos mais relacionados à tirão, as pessoas constroem, mas Curso: Silvicultura – 80 vagas sua vocação agropecuária, e a de entram em sorteio. Na Novo curso na Fatec Tatuí visa mais ao desenvolvi- autoconstrução, é feita uma pré- de Itapetininga mento do setor industrial. Em seleção. Os futuros moradores já Curso: Informática para Gestão agosto, Itapetininga terá mais 80 sabem que casas vão habitar. Es- de Negócios – 80 vagas vagas no semestre para um novo tão programadas mais 3.542 uni- Novo curso na Fatec de Tatuí curso de Informática para a Ges - dades a serem construídas entre Curso: Gestão Empresarial - tão de Negócios, além do que já o fim de 2008 e o início de Ênfase em Comércio Exterior havia sido iniciado, de Agrone- 2009, com destinação de 146,1 e Sistemas de Informação – gócios. E, em Tatuí, o segundo milhões de reais. 40 vagas semestre começará com 120 no- Entre as moradias, estão as vas vagas. quilombolas, unidades com pro- CLAUDIO UEDA ETEC Etec de Capão Bonito jetos específicos para assenta- 10 novos cursos técnicos. mentos remanescentes da época Municípios: Capão Bonito, 4.876 CASAS da escravidão. As obras nas cida- Ipaussu, Itapetininga, Itapeva, Piraju, Taquarituba e Tatuí. Os planos para desenvolvi- des de Iporanga e de Eldorado Cursos: Turismo, Secretariado, sendo cinco de grande porte”, da interligação de interesses mento na área de Habitação da estão em fase final de cons- Agricultura Familiar, Ass. Em- explica Nasi. O próximo passo, entre as cidades.” região Sudoeste levam em conta trução. Ambos são municípios presarial e Industrial Madei- segundo o médico, é instalar um Foi o que ocorreu em Capão a influência das Rodovias Régis com alta concentração de comu- HABITAÇÃO reira, Informática, Web Design, AME na cidade. Bonito. A Associação da Indús - Bittencourt e Raposo Tavares nidades quilombolas. Administração, Meio Ambien- Construção de tria Madeireira local, a Votoran- (que englobam a Região Admi- “É a primeira vez que fazemos te, Segurança do Trabalho unidades habitacionais tim Celulose e Papel, a ONG In- nistrativa de Sorocaba e a de um empreendimento para eles”, 400 novas vagas em ensino FATEC NA REGIÃO ter-Rios e a prefeitura se Marília) e a concentração de po- diz Maria Cláudia Costa Bran - Obras em andamento técnico (2008) 1.334 unidades Na Educação, o governo do associaram para “vender” a idéia pulações ao longo das estradas. dão, gerente do Programa de Cor - habitacionais Estado preocupa-se em oferecer para o Centro Paula Souza (que Porém, o maior desafio é a cons- tiços, Moradias Indígenas e Valor dos contratos: Obras da FDE - 2008 ao Sudoeste paulista cursos re- administra as Fatecs no Estado). trução de unidades habitacio- Quilombolas. “Técnicos foram às FONTE: SECRETARIA ESTADUAL DO DESENVOLVIMENTO E SECRETARIA ESTADUAL DA EDUCAÇÃO 62 escolas em 33 R$ 26,7 milhões lacionados às demandas regio - A idéia foi aceita e, em março, a nais em áreas de conservação de comunidades e discutiram op- municípios da região 8 novas escolas nais, tanto com a finalidade de Fatec foi entregue. recursos ambientais e hídricos. ções de substituição das casas de Construção de 1 escola ampliada colaborar para o desenvolvimen- “Os parceiros doaram a área e Mônica Rossi, gerente de pau-a-pique. Agora as casas são unidades habitacionais 22 obras de adequação às to lo cal como para fixar a ofereceram os laboratórios, e programação de produção da feitas com tijolos de barro, sem Obras programadas normas de acessibilidade população. Nesse conceito, in - nós compramos os equipamen- Companhia de Desenvolvimento descaracterizá-las. As moradias 3.542 unidades cluem-se as Faculdades de Tec - tos gerais e de informática e con- Habitacional e Urbano (CDHU), continuam tendo fogão caipira habitacionais 17 reformas nologia (Fatecs). tratamos os professores”, explica da Secretaria de Habitação, diz (tipo de fogão a lenha) e locais Valor a investir: 18 coberturas de quadra “As Fatecs são planejadas de Cortelazzo. Como a sugestão do que, por causa do plano de de- para pendurar as redes, onde os R$ 146,1 milhões 57 novas salas de aula Investimento: R$ 18,4 milhões acordo com a demanda socioe- curso partiu dos próprios em - senvolvimento da região, a aten- moradores dormem”, diz Maria Programa Habitacional conômica das regiões onde são preendedores dos setores pro- ção ao Sudoeste é prioritária. Cláudia. FONTE: SECRETARIA ESTADUAL DA HABITAÇÃO Integrado (PHAI) Obras da FDE instaladas”, diz Ângelo Luiz Cor - dutivos locais, boa parte dos “São 3,5% do que produzimos Além da construção das uni - 325 cartas de crédito para concluídas nesta gestão telazzo, responsável pela As- estudantes sai da faculdade já no Estado, para 2,25% de sua dades habitacionais, a região servidores da região 40 escolas em 26 municípios sessoria de Educação Superior, com emprego garantido. população”, exemplifica. Sudoeste teve implementada, 3 novas escolas que coordena as Fatecs do Es- O curso escolhido para inau- Estão sendo construídas 1.334 pela CDHU, o Programa Especial Programa Especial de 5 obras de acessibilidade tado. “Analisamos os pedidos e gurar a Fatec de Capão Bonito unidades, sendo que 52% esta- de Melhorias, com investimentos Melhorias - 2007 e 2008 8 coberturas de quadra sua viabilização. Também ins - foi o de Silvicultura, com 40 va- rão prontas até o fim deste ano, de 4 milhões de reais, sendo 3,2 Construção de praças e 25 reformas truímos as prefeituras a firmar gas à tarde e 40 à noite. A esco- com 26,7 milhões de reais milhões do governo estadual e obras de infra-estrutura em 18 novas salas de aula parcerias para a otimização de lha surgiu porque a região tem aplicados entre verba do governo 800 mil em contrapartida dos conjuntos habitacionais Investimento: R$ 8,8 milhões laboratórios e de recursos. Além produção ligada à madeira, tan- estadual e a contrapartida das municípios. R$ 4 milhões 36 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 37
  • J.B.FERREIRA SPbastidores Passava das 10h30 do domingo, dia 4 de maio, e os 2,5 mil homens sob o co- mando do tenente-coronel Israel Pilmon estavam preparados para a ação da final do Campeonato Paulista: Palmeiras e Ponte Preta. O jogo nem seria em Campinas, cidade onde fica o 35º Batalhão, comandado por Pilmon, mas a Torcida Jovem da Ponte é de lá. Por isso, a polícia da cidade a 90 quilômetros de São Paulo havia feito um esquema de logística mi- nucioso para acompanhar os torcedores até a capital. E naquele momento, com aquele ar ge- lado no rosto, o tenente-coronel nem sentia frio, aquecido pelo trabalho iniciado logo ce- do. Estava na hora de ir para a sede da torcida da Ponte Preta. Em São Paulo, desde as 7 horas, os policiais estavam nas ruas com agentes da Guarda Muni- cipal para evitar a instalação de ambulantes nas imediações do Palestra Itália, onde ocorreria o jogo, às 16 horas. No Comando de Policiamento da Capital (CPC) foram definidas estratégias de PM abre caminho policiamento preventivo nos trajetos das torci- das, nos possíveis pontos de confronto e para o Tenente combate à venda de bebidas alcoólicas e de Marcelo Kyiota organiza o fogos de artifício ao redor do estádio. para Palmeiras comboio para Da sala de monitoramento onde são vistas as dar partida e imagens das câmeras espalhadas pela cidade, seguir viagem os policiais do Centro de Operações da Polícia de Campinas Militar (Copom) iam controlar a chegada dos e Ponte Preta até o Estádio do Parque Antártica palmeirenses que desembarcariam nas esta- ções de trem e de metrô. “A única situação que não podemos contro- lar é o comportamento humano. Esse é o único Na decisão do Campeonato Paulista, as arquibancadas indicador que não tem padrão”, diz o tenente- coronel Luiz de Castro Júnior, responsável por tremem, mas a Polícia Militar fica firme todo o planejamento da polícia na capital. 38 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 39
  • bastidores THALES STADLER J.B.FERREIRA THALES STADLER THALES STADLER J.B.FERREIRA No sentido Esquenta os ônibus partem com os torcedores ela trabalha com outro policial, ele os ônibus. Às 14 horas, o tenente-co- horário, a partir Uma fila de viaturas aguarda um ace- cantando o hino da Macaca, símbolo não compreende a maior parte de ronel Pilmon se despede e transfere a da esquerda: no do tenente-coronel Pilmon para co- da Ponte. Há policiamento por todo o seus movimentos. Cada policial co- responsabilidade da escolta ao te- Renna fareja em meçar a escolta dos ônibus dos torce- caminho até o estádio municipal, o nhece seu cão”, explica. A cadela não nente Marcelo Kyiota, que conta com busca de drogas; dores da Ponte Preta. Na frente da sede Moisés Lucarelli, onde os torcedores encontra nada. o suporte da Polícia Rodoviária. policiais fazem a revista da da Torcida Jovem, em Campinas, uma passariam por uma revista-surpresa. Um dos carros com pneus carecas Kyiota tem cabelos cortados com má- torcida da Ponte; multidão de jovens bebe muita cerveja Todos descem dos ônibus e come- e um motorista sem habilitação impe- quina número um, usa quepe e tem PMs aguardam e espera ingerir mais 10 mil litros de ça a revista. Nada de álcool ou mate- dem momentaneamente a partida do cara de bravo, muito bravo. E vai ao os palmeirenses chope ainda naquele dia para comemo- riais pontiagudos dentro dos veícu- comboio. Os torcedores, com o in- lado do motorista da viatura, dando nas estações; e rar a vitória, no Largo do Rosário. los. Bolsas são vistoriadas, assim co- gresso na mão, não pretendem ver a instruções por rádio ou com a cabeça o monitoramento da cidade Foram poucos minutos até que a tor- mo os bolsos. Entre uma poltrona e final pela TV. O tenente-coronel Pil- para fora do Corsa. “Se não colo- cida se organizasse nos 24 ônibus freta- outra, a cadela Renna raspa, late, fa- mon é bom negociador. Pede que o carem a cabeça para dentro da janela, dos. Os policiais estão atentos a quais- reja em busca de entorpecentes. Ren- pessoal da direção da torcida provi- eu paro o comboio inteiro”, adverte quer movimentos, e um dos diretores na não é imponente, mas é um pastor dencie outro motorista e um carro os torcedores. Não demora muito pa- da Torcida Jovem garante que não ha- belga Malinois, um dos cães mais reserva. E a torcida segue viagem. ra que todos estejam novamente em- veria violência. “Aqui o pessoal é pací- caros do canil da Polícia Militar (2,5 poleirados na janela. Vez ou outra, fico”, diz o diretor José Geraldo de Sou- mil reais o filhote com pedigree) e tentam subir no teto do ônibus, es- za, ciente de que brigas e confusões também um dos mais eficientes para Na estrada capando pelo teto solar. Kyiota põe o podem causar restrições à torcida. encontrar drogas. O PM Carlos Ma- Campinas é só alegria. Os motoci- corpo para fora da janela do carro em O tenente-coronel Pilmon dá o ok, e peli entende todos os seus atos. “Se clistas da PM abrem passagem para movimento e ameaça de novo. Basta 40 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 41
  • bastidores NÚMEROS DA PM para os jovens se recolherem. NÚMEROS DA PM A escolta é uma rotina para os po- EFETIVO liciais. O tenente Kyiota manda ace- EFETIVO E OCORRÊNCIAS lerar, pede para os carros de passeio saírem da fila de ônibus, impede a ul- trapassagem entre os ônibus e tem o controle todo o tempo do número de veículos que seguem no comboio. Após alguns minutos de viagem, 2.500 Kyiota se olha no espelhinho, arruma o quepe já ordenado na cabeça, esboça policiais-militares de Campinas um sorriso para o colega do lado e, Fora do estádio, 2.000 logo depois, está de novo alerta. integrantes da Torcida Jovem, da No Quilômetro 37 da Anhangüera, o 700 soldados Ponte Preta, foram comboio pára. Está na hora de os po- ao jogo em liciais das Rondas Ostensivas com No estádio, 24 ônibus Apoio de Motocicletas (Rocam) toma- 370 homens rem a frente da escolta até a capital. O 18 viaturas Choque acompanha a Torcida Jovem, 30 cães mais sob o comando do capitão Luiz Gon- (20 no gramado 7 motos zaga Oliveira Júnior. São 32 motos, e nos corredores) da PM fizeram a escolta duas viaturas e 40 homens. As motos do comboio de Campinas abrem caminho pela cidade logo que 80 cavalos a São Paulo os ônibus entram na Marginal do Tietê. São 15h05 quando o comboio Na estrada, chega ao Memorial da América Latina, 170 viaturas 32 motos, na Barra Funda, perto do estádio. 2 viaturas mais Os veículos são estacionados na 1 helicóptero 40 policiais Rua Tagipuru, paralela à Avenida Francisco Matarazzo, onde fica o das Rocam acompanharam o portão por onde entrará a torcida da Público: trajeto do Km 37 da Anhangüera até o estádio Ponte. No alto, um helicóptero da PM 27.600 pessoas acompanha toda a movimentação da 5 viaturas e torcida e se comunica com os polici- 15 policiais ais no chão. Dos lados, a cavalaria e feridos com pedradas 14 homens um cordão de policiais. Não há risco da Polícia Rodoviária trabalharam na escolta de um torcedor com a camisa preto- 4 torcedores e-branco escapar e topar com os da Ponte Preta presos adversários. 2.500 homens Na Rua Turiaçu, os palmeirenses já 45 pessoas espalhados pela cidade retiradas de campo com o rosto para qualquer eventualidade estão entrando no estádio. Verdes e al- pintado ou portando sinalizador vinegros não se vêem. Só se encontram ou outro material proibido 800 policiais A cavalaria no campo, isolados na arquibancada. do Choque posicionados toma posição As arquibancadas tremem. As torci- 10 pessoas em estações no trajeto que das estão eufóricas para o início do encaminhadas para o Jecrim de trem e metrô a torcida da jogo. Os policiais não vêem a entrada FONTE: POLÍCIA MILITAR Ponte faz dos dos jogadores no campo. Mas sabem 3 audiências 901 homens ônibus até o portão exatamente quando estão entrando ao agendadas do Choque observar as expressões, os atos, tudo do estádio THALES STADLER 42 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 43
  • bastidores Os torcedores da Macaca vão voltar escoltados de novo pela PM. Os cerca de 1,6 mil torcedores estão cercados de policiais do Choque, da Cavalaria e de PMs com motos e viaturas. Aguardam o retorno para Campinas. Enquanto isso, a maior parte do po- liciamento está concentrada na Rua Turiaçu. É onde fica o portão princi- pal do estádio, por onde saíram os palmeirenses e onde deveria ser a fes- THALES STADLER ta da vitória do time, com o trio elétri- co da Mancha Alviverde. Mas torce- dores que não assistiram ao jogo pressionam para entrar e assistir à en- cada vez mais e o coronel Joviano trega da taça. Não aceitam o não e co- Conceição Lima, que comanda o A Tropa de meçam a quebrar cadeiras. Os Choque, pede reforço de seus ho- Choque na arquibancada, policiais se defendem com bombas de mens. Além dele, o tenente-coronel com a Ponte; efeito moral. O tumulto começa. É só Carlos Botelho, comandante dos abaixo, policiais o início de três horas de embate. jogos, também está presente. Estão as contêm altas patentes no confronto. torcedores Não há embate físico. O Choque palmeirenses O confronto dispersa, aos poucos, as concentra- na Turiaçu J.B. FERREIRA Os policiais têm escudos, cas- ções de torcedores da Mancha Al- setetes, bombas de efeito moral e gás viverde. “Usamos técnicas de dissipa- de pimenta para dispersar a torcida. ção de grupos, com bombas de efeito Os torcedores não estão dispostos a moral e de gás lacrimogêneo”, diz o que ocorre na arquibancada. De ca- caso vai para o promotor e segue para ir embora. Em grupos, avançam no coronel Joviano. Trabalho que dura A torcida do pacetes, coletes à prova de balas e um juiz. A sentença sai no próprio dia. sentido dos policiais, dispostos em até as 22h30. O gás de pimenta ainda Palmeiras já cantava vitória cães, viram as costas para o espetácu- “As penas determinadas pelo juiz nor- barricadas. Jogam garrafas e pedras. arde os olhos dos soldados. O no segundo lo no campo para fixar a atenção nos malmente são alternativas”, explica o O policiamento se concentra na coronel Joviano dá entrevistas para tempo do jogo, torcedores. No estádio, só os oficiais major José Balestiero Filho. frente do portão da Turiaçu. rádios. Ao desligar o telefone, autor- com o placar entram armados. Os outros policiais Dos dois lados há multidões de tor- iza os policiais a se recolher, com a de 2 a 0 só podem carregar cassetetes e escu- cedores. Os palmeirenses avançam certeza de que o trabalho havia sido dos. Nos corredores que dão acesso Segundo tempo às arquibancadas, os policiais estão No segundo tempo, a torcida do espalhados, assim como nos arredo- Palmeiras já canta vitória. O time, que res do campo. Os cães, que antes es- podia perder de 1 a 0, já fez dois gols. tavam nos portões do estádio, agora A Ponte, nenhum. Os palmeirenses es- circulam na área interna com os PMs. tão certos de que vão levar a taça. Co- Acaba o primeiro tempo. Nesse meça a violência na arquibancada. momento, torcedores já foram PMs sobem os degraus e retiram os levados para o Juizado Especial agitadores. Acaba a partida. O placar Criminal (Jecrim), de plantão no es- do Palestra Itália aponta 5 a 0 para o tádio. São torcedores com sprays, com Palmeiras. A torcida da Ponte começa as cores do time pintadas no rosto – o a ser retirada de campo. Primeiro que é proibido – ou que fizeram saem os torcedores de Campinas, para confusão na arquibancada. depois – após a entrega da taça –, os São feitos boletins de ocorrência. O palmeirenses deixarem o estádio. 44 SPnotícias junho 2008 J.B.FERREIRA
  • SPagenda O QUE FOI NOTÍCIA PRÓ-VICINAIS PROGRAME-SE Nos últimos dois meses, o governador Jo- sé Serra inaugurou as quatro primeiras es- CULTURA Local: Avenida Deputado tradas vicinais recuperadas. Uma no mês 12º Salão Paulista de Arte Cantídio Sampaio, 1.750, passado, a Assis-Platina, e outras três na Contemporânea Brasilândia. Ao lado da região de Ribeirão Preto, a Chaffy Jorge, no Data: até 17 de julho subestação da Eletropaulo município de São Simão, a estrada Mario Local: Casa das Rosas – Horário de atendimento: Mazieiro, em Guatapará, e a ligação entre Avenida Paulista, 37, Bela Vista de segunda a sexta-feira, Sertãozinho e Dumont. As recuperações São Paulo das 9 às 17 horas; e aos fazem parte da primeira fase do programa sábados, das 9 às 13 horas Pró-Vicinais, que começou em dezembro Cursos de literatura, Baixada Santista do ano passado e que até 2010 vai poesias, escrita, análise e • São Vicente – até 14 reformar 12 mil quilômetros de estradas. interpretação de texto de junho Data: durante todo o mês Local: Praça dos de junho, consulte em Ambientalistas, s/nº, Jardim BIBLIOTECA SUBTERRÂNEA www.cultura.sp.gov.br Rio Branco. Ao lado do O Metrô inaugurou a quinta biblioteca Em- Taxa: R$ 10 cada curso Ginásio de Esportes Dr. Luiz barque na Leitura, dentro das estações. Os Local: Espaço Haroldo de Gonzaga de Oliveira Gomes usuários poderão fazer a retirada gratuita Campos de Poesia e Literatura. Horário de atendimento: VIRADA CULTURAL de livros na Estação Santa Cecília, da Linha 3-Vermelha. As outras bibliotecas do Avenida Paulista, 37, Bela Vista São Paulo de segunda a sábado, das 10 às 17 horas Cerca de 657 mil pessoas participaram da Virada Cultural Sinfônica de São Paulo. O encerramento do evento sistema metroviário estão instaladas nas Interior Paulista nas 24 horas entre nos dias 18 e 19 de maio, nas ocorreu na capital com o show Bossa na Garoa, no Parque Estações Paraíso (Linhas 1-Azul e 2- EDUCAÇÃO • Botucatu – até 21 19 cidades em que foi organizada. A estimativa foi feita Villa Lobos, com a presença de Toquinho, Jair Rodrigues, Verde), Tatuapé (Linha 3-Vermelha), Luz Vestibular Fatec de junho com base em levantamentos da Polícia Militar, nos shows Roberto Menescal, Demônios da Garoa, Os Cariocas, (Linha 1-Azul) e Largo Treze (Linha 5- Prova: 29 de junho Local: Espaço Cultural da ao ar livre, e no controle de ingressos para os eventos fe- Alaíde Costa, Claudete Soares, Patty Ascher, Banda Man- Lilás). A unidade nova tem acervo com Total de inscritos: 27.409 Praça Américo Veiga, na chados. Algumas das participações da Virada foram o tiqueira, Fernanda Porto, Márcia Salomon e o Grupo Sin- mais de 2 mil livros de literaturas brasileira Mais informações: Avenida Dom Lúcio, s/nº Cordel do Fogo Encantado (à esq.) e a Orquestra fônico Arte Viva, com regência do maestro Amilson Godoy. e estrangeira, filosofia, religião, sociologia, www.vestibularfatec.com.br Horário de atendimento: de artes, história e geografia e títulos infanto- segunda a sábado, das 9h30 juvenis e em braile. O Metrô prevê que POUPATEMPO MÓVEL às 16h30 sejam beneficiados mais de 100 mil Grande São Paulo VENCEDORES PARQUE usuários que circulam por dia nessa linha. • Arujá – até 28 de junho TURISMO Japão - O aluno da rede estadual de ensino A zona Leste da capital tem um novo parque público, o Complexo Es- Para se cadastrar é só levar identidade, Local: Avenida João Manoel, 3º Salão de Turismo – Guilherme Henrique Fidélis embarca para portivo Parque do Trabalhador. O governo do Estado cedeu o espaço comprovante de residência e uma foto 3x4. 220, Centro Roteiros do Brasil Osaka, no Japão, no próximo dia 1º. A viagem do antigo Centro Educativo Recreativo e Esportivo do Trabalhador Horário de atendimento: de Data: 18 a 22 de junho será feita graças a sua vitória num concurso (Ceret) para a prefeitura da capital. Até o mês passado, a área era ad- segunda a sexta-feira, das 8 às Local: Anhembi – Avenida de idiomas no mês passado, quando desban- ministrada pela Fundação Ceret, que cobrava entrada e estaciona- TECNOLOGIA 18 horas; e aos sábados, das Olavo Fontoura, 1.209, cou cerca de 1,5 mil estudantes do idioma mento gratuitos. O parque fica no Jardim Anália Franco e tem 286 mil O governador José Serra inaugurou a 8 às 13 horas Parque Anhembi / São Paulo japonês num teste de competência escrita. metros quadrados. É o maior complexo esportivo da cidade. Possui pis- Faculdade de Tecnologia (Fatec) de São • Santo André – até 28 Informações: Matemática - Os alunos da rede estadual tas de corrida e caminhada, ginásio, quadras poliesportivas e piscina. Caetano do Sul, no dia 15 de maio. A de junho www.salao.turismo.gov.br paulista conquistaram 401 medalhas (26 de instituição oferecerá curso superior Local: Estacionamento do ouro, 71 de prata e 304 de bronze) na 3ª tecnológico de Análise de Sistemas e ABC Plaza Shopping, na Curso de Capacitação Olimpíada Brasileira de Matemática das INFORMÁTICA Tecnologia da Informação, que vai ao Avenida Industrial, 600, Centro dos Candidatos às Escolas Públicas. O destaque foi Gerson Agora os alunos da rede pública poderão utilizar os laboratórios de encontro da vocação socioeconômica do Horário de atendimento: de Eleições Municipais 2008 Tavares Câmara de Souza, da EE Professor informática das escolas estaduais em qualquer horário. É o projeto município, voltada para os setores industri- segunda a sexta-feira, das 9 às Taxa: R$ 30 Santos Amaro da Cruz, também campeão Acessa Escola, que permite que os estudantes utilizem os computadores al e comercial. O vestibular para o curso no 17 horas; e aos sábados, das 9 Data: junho nos dois anos anteriores. A olimpíada contou disponíveis com o auxílio de monitores treinados. Quatro mil estagiários segundo semestre deste ano teve 1,46 mil às 13 horas Inscrições: com a participação de cerca de 17 milhões de serão os monitores e receberão 340 reais mensais pelo trabalho. Outras inscritos para as 200 vagas, distribuídas • São Paulo – até 28 www.cepam.sp.gov.br estudantes. 8.242 vagas para monitores serão abertas. entre os turnos da manhã, tarde e noite. de junho Informações: (11) 3811-0437 46 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 47
  • SPpersonagemdomês Uma vida em sala de aula A professora Oralina se despede do magistério como exemplo na rede Ela vai fazer 70 anos no próxi- mo ano, mas quem olha para a professora de língua portugue- sa Oralina Lopes Del Vecchio com suas roupas modernas e penteado impecável diz que ela tem 20 a me- THALES STADLER nos, tranqüilamente. Aos 48 de ma- gistério, ela está há mais de duas décadas na EE Silva Jardim, no rência para São Paulo. Começou na mente. O diretor da escola, Eraldo A professora já testemunhou mui- bairro do Tucuruvi, zona EE Professor Ademar Hiroshi Suda e Sampaio elogia: “Ao mesmo tempo tas transformações na rede pública A professora Norte de São Paulo. trabalhou lá até sua primeira aposen- que trabalha com a rigidez de um de ensino e considera todas positi- de língua Com aposentadoria com- tadoria, em 1987. Teve experiência de professor à moda antiga, vindo do vas. “Ensinar não é só explicar como portuguesa “Ensinar não é só pulsória marcada para sete anos na direção da instituição. interior, ela traz a modernidade de se escreve. É mostrar o futuro, uma Oralina Lopes Del Vecchio explicar como se 2009, Oralina se despede “É muito gratificante trabalhar como projetos de teatro interativos e coisas missão. Que Deus me ilumine para entre os alunos: escreve. É mostrar o humildemente da sala de diretora e lidar diretamente com que impressionam os profissionais que eu mostre um bom caminho.” “Ensinar não é só explicar futuro, uma missão” aula no fim muitas ano. “Acho que há deste pes- todos os funcionários da escola, mas também é muita responsabilidade.” mais novos”, revela. Mas mesmo com todo esse amor Hoje ela termina as aulas no fim da tarde e vai a pé para casa. Demora como se escreve. É soas que fizeram muito No dia seguinte ao de sua aposen- pela sala de aula, agora que a apo- uma hora e meia no trajeto porque mostrar o futuro. mais pela educação do que tadoria por tempo de serviço, Ora- sentadoria é iminente, Oralina vê encontra os alunos na rua, pára para É uma missão” eu”, diz. Desde 1960, quando come- lina ingressou na EE Silva Jardim que chegou mesmo a hora de parar. conversar e receber a gratidão deles. çou em uma escola da zona rural de em novo cargo público. Agora, vai se A família reclama do tempo que ela “Eu aprendo muito. É preciso ter Joanópolis, cidade localizada a pou- aposentar pela segunda vez pela dedica à escola e se impressiona com uma postura mais que materna. co mais de uma hora da capital, ela compulsória. Ela não tem proble- a quantidade de trabalho que leva Acolher as crianças como se fossem fez muito por incontáveis alunos. mas de disciplina com os alunos e para casa. A filha, segundo ela, tem da família. Dar carinho, olhar nos “Tinha turmas de 1ª, 2ª e 3ª séries. afirma que não sabe o próprio segre- ciúmes do giz. “A sala de aula me faz olhos delas e procurar passar o que Eram crianças que queriam muito do para manter o comportamento muito bem. São portas que se abrem elas precisam. Não é só ensinar, aprender e fomos nos familiari- adequado. É claro que, para segurar todos os dias. Quando saio de casa, não!” E é só escutar o discurso apai- zando. Eu ensinava brincando.” quatro turmas no decorrer da se- digo que estou indo para uma festa. xonado de Oralina para ter certeza Em junho de 1965, pediu transfe- mana, precisa se atualizar constante- Agora, aposentada, vou descansar.” que ela dá conta do recado, sim. 48 SPnotícias junho 2008 junho 2008 SPnotícias 49
  • SPoEstadoemnúmeros HABITAÇÃO DIVULGAÇÃO 14.184 149.931 unidades habitacionais da SH/CDHU concluídas unidades programadas R$ 3,9 bilhões investidos em 873 empreendimentos NOTA FISCAL PAULISTA PAULA SOUZA Desde janeiro de 2007, foram criadas mais R$ 770 mil de 6,5 mil vagas nas Etecs e 3 mil em créditos gerados aos consumidores pelos documentos vagas nas Fatecs. Até 2010, o número de fiscais emitidos entre Fatecs vai passar de 26 para 52 outubro e dezembro de 2007 unidades e as vagas nas Etecs passarão de 77 mil para 177 mil 275 mil estabelecimentos ESTRADAS RURAIS cadastrados O projeto Melhor Caminho , que recu- 298 milhões pera estradas de terra rurais no inte- de documentos fiscais rior, atendeu a 142 municípios em registrados com CPF ou CNPJ do 2007. Foram recuperados 750 quilô - consumidor no projeto da Nota Fiscal Paulista metros de estradas. O investimento foi de R$ 50 milhões 50 SPnotícias junho 2008