ASES - Ferramenta de teste e acessibilidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

ASES - Ferramenta de teste e acessibilidade

  • 2,188 views
Uploaded on

Artigo sobre o ASES - Avaliador e Simulador de Acessibilidade de sítios. ...

Artigo sobre o ASES - Avaliador e Simulador de Acessibilidade de sítios.

Tendo por objetivo fornecer instrumentos que viabilizem a adoção da acessibilidade pelos órgãos do governo, o ASES é uma ferramenta que permite avaliar, simular e corrigir a acessibilidade de páginas, sítios e portais, sendo de grande valia para os desenvolvedores e publicadores de conteúdo.

More in: Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
2,188
On Slideshare
2,188
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
23
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ASES - Avaliador e Simulador de Acessibilidade de SítiosO Programa de Governo Eletrônico [url: governoeletronico.gov.br] disponibiliza, de formagratuita, para toda a sociedade, softwares e documentos que auxiliam e orientam profissionais naconstrução, adequação, avaliação e correção de páginas, sítios e portais da Internet, garantindoassim o controle da navegação e o pleno acesso dos usuários aos conteúdos e serviços dogoverno, independentemente das suas capacidades físico-motoras e perceptivas, culturais esociais.O ASES - Avaliador e Simulador de Acessibilidade de sítios - é uma ferramenta que permiteavaliar, simular e corrigir a acessibilidade de páginas, sítios e portais. Para os usuáriosbrasileiros o programa é distribuído de forma gratuita sob licença LGPL - GNU Lesser GeneralPublic License. A ferramenta foi desenvolvida pelo Departamento de Governo Eletrônico e a OSCIP Acessibilidade Brasil com o objetivo de fornecer instrumentos que viabilizem a adoção da acessibilidade pelos órgãos do governo. Apesar de seu público-alvo ser desenvolvedores de portais e sites públicos, o ASES pode ser utilizado por qualquer cidadão ou empresa que queira testar seu sitio. A ferramenta incorpora o programa Silvinha, desenvolvido pela Acessibilidade Brasil para a verificação de sites e portais, e outras 14 ferramentas de avaliação recomendadas pelo World Wide Web Consortium (W3C).Além de avaliar a acessibilidade de um sítio, o ASES também permite os procedimentosnecessários para a sua correção e avalia o CSS e HTML de páginas. É possível, na versão 1.0,
  • 2. avaliar a acessibilidade tanto pelo e-MAG 2.0 quanto pelo padrão internacional WCAG 1.0. OASES é um programa de plataforma, sendo possível a análise de sítios inteiros, ou apenascamadas e seções específicas, algo que não pode ser realizado por validadores Web, que avaliamapenas a página fornecida pela url.Principais Funcionalidades:•Avaliador de acessibilidade (e-MAG e WCAG);•Avaliador de CSS;•Avaliador de HTML (4.01 e XHTML);•Simuladores de leitor de tela (tempo) e Baixa visão (daltonismo, miopia, catarata);•Ferramenta para selecionar o DocType, conteúdo alternativo, associador de rótulos, linksredundantes, corretor de eventos e preenchimento de formulários. O programa funciona tanto em Windows quanto Linux e para rodá-lo é necessário o Java Application Platform SDK (para Windows) e Java Runtime Environment – JRE (para Linux). Comunidade ASES no Portal de Software Público Para baixar o ASES pode-se cadastrar na comunidade ASES do Portal do Software Público Brasileiro. Também é possível baixar os arquivos fontes, o manual e participar da melhoria do programa.A Comunidade conta atualmente com cerca de 2140 participantes. Os questionamentos enviadospela comunidade estão sendo utilizados para versão 2.0 que está sendo desenvolvida pelaRENAPI.Cooperação RENAPI - SLTIEm 2010 a SLTI firmou um acordo de Cooperação Interministerial de Pesquisa, Inovação eDesenvolvimento com a RENAPI - Rede de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais - ,com diversos projetos para a área de acessibilidade. Entre os projetos está a atualização doASES, com o conserto de bugs, melhoria da usabilidade, novas funcionalidades e a atualizaçãopara os padrões e-MAG 3.0 e WCAG 2.0.Acessibilidade e ASESA acessibilidade na internet trata do oferecimento de conteúdos gráficos e sonoros alternativos,claros, compreensíveis e capazes de garantir o controle da navegação pelos usuários,independente das suas capacidades físico-motoras e perceptivas, culturais e sociais.Modelo de Acessibilidade em Governo EletrônicoEssa é mais uma iniciativa do Governo Federal para facilitar a adoção da acessibilidade pelosórgãos do governo. A SLTI já disponibilizou o - e-MAG - que contém uma série derecomendações técnicas para a construção e adaptação de portais acessíveis a usuários portadoresde deficiências auditivas e visuais.
  • 3. O Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico (e- MAG) consiste em um conjunto de recomendações a ser considerado para que o processo de acessibilidade dos sítios e portais do governo brasileiro seja conduzido de forma padronizada e de fácil implementação. O e-MAG é coerente com as necessidades brasileiras e em conformidade com os padrões internacionais. Foi formulado para orientar profissionais que tenham contato com publicação de informações ou serviços na Internet a desenvolver, alterar e/ou adequar páginas, sítios e portais, tornando-os acessíveis ao maior número de pessoas possível. A primeira versão do e-MAG foi disponibilizada para consulta pública em 18 de janeiro de 2005 e a versão 2.0 jácom as alterações propostas, em 14 de dezembro do mesmo ano.A versão 3.0 do e-MAG, atualizada para a WCAG 2.0 e com itens de padronização decomportamentos comuns para os sítios da APF, está prevista para o segundo semestre de 2011.Além do ASES, o e-MAG possui outras iniciativas: • Cursos e-MAG Como forma de divulgar o e-MAG, a SLTI desenvolveu Cursos a distância, que podem ser hospedados por órgãos do governo em seus ambientes de Ensino a Distância (EAD). • Documentação de Apoio São artigos que auxiliam e complementam as diretrizes da Cartilha Técnica. Incluem-se aí tutoriais, checklists para validando humana e uma avaliação de leitores de tela.LegislaçãoNo Brasil, a construção de sites acessíveis é uma exigência do Decreto 5.296/2004, que tornaobrigatória a acessibilidade nos portais e sites eletrônicos da administração pública na redemundial de computadores para o uso das portadoras de deficiência, garantindo-lhes o plenoacesso aos conteúdos disponíveis. Em 2007, a Portaria nº3, de 7 de maio, institucionalizou o e-MAG no âmbito do sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática – SISP,tornando sua observância obrigatória nos sítios e portais de entidades da Administração PúblicaFederal direta, autárquica e fundacional desde maio desse ano. Ainda em 2007 o Brasil aderiu a"Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência" da ONU, sendo esta e seu respectivoProtocolo Facultativo ratificados pelo Congresso Nacional em 09/07/2008 pelo decretolegislativo nº 186/2008. Em 2009 o decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009, promulga aConvenção.10 dicas para construir sítios acessíveis
  • 4. 1.Imagens: Use o atributo alt para descrever as imagens que são relevantes ao conteúdo da página e use o atributo alt vazio para imagens que não acrescentam informação. Imagens decorativas devem ser inseridas via folha de estilo (CSS); 2.Multimídia: Inclua transcrições e legendas para áudio e vídeo. 3.Links: o texto do link deve fazer sentido para o do contexto. Evite frases como “clique aqui”. 4.Organize seu conteúdo utilizando a hierarquia de cabeçalhos “h1, h2, h3...” 5.Coloque o conteúdo antes do menu. Se quiser um menu à esquerda ou no topo da página, use as Folhas de estilo para mudar o posicionamento; 6.Não faça a diagramação da página, definições de fontes no html, para isso utilize folhas de estilo; 7.Use javascript acessível, torne os elementos acessíveis tanto por mouse quanto por teclado. Forneça acesso alternativo ao conteúdo caso plugins e applets estejam inativos; 8.Use tabelas apenas para dados tabulares. Faça-as acessíveis; 9.Utilize a marcação correta na criação de formulários; 10.Valide seu trabalho: Use as ferramentas, checklist e os guias disponíveis no portal do Programa de Governo Eletrônico. Utilize o ASES para validação mecânica. Valide sempre que possível com pessoas com deficiência.Glossário:Licença LGPL - A GNU Lesser General Public License, de 1991, é uma licença de softwarelivre aprovada pela FSF e escrita como um meio-termo entre a GPL e licenças mais permissivas,tais como a licença BSD e a licença MIT. A LGPL permite a associação com programas que nãoestejam sob as licenças GPL ou LGPL, incluindo programas proprietários.Leitor de tela – Programa utilizado por pessoas com deficiência para acessar serviços deinternet. Apesar do nome, esses programas interpretam o código e leem as informações para aspessoas.WCAG - Web Content Accessibility Guidelines (WCAG) é parte de uma série de diretrizes paraacessibilidade, incluindo-se as Diretrizes de acessibilidade para as ferramentas de produção(ATAG) e as Diretrizes de acessibilidade para agentes de usuários (UAAG). As ligações entre asdiferentes diretrizes, são explicadas em [http://www.w3.org/WAI/intro/wcag]