Uploaded on

curso básico de geologia geral, geografia

curso básico de geologia geral, geografia

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
1,186
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
62
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Bowen's Reaction Series has two branches. They are: Discontinuous reaction series , from olivine to biotite,. Continuous reaction series , from Ca plagioclase to Na plagioclase. The discontinuous reaction series involves the dark-colored ferromagnesian minerals: olivine pyroxene amphibole biotite. As a magma cools, olivine crystallizes first. The olivine crystals react with the remaining magma to form pyroxene. Pyroxene reacts with the magma to form amphibole. Amphibole reacts with the magma to form biotite. Each successive mineral, from olivine to biotite, has a different composition and a different silicate crystal structure . As crystallization proceeds, the crystal structures become more complex (olivine has an isolated tetrahedral structure, pyroxene has a single chain structure, amphibole has a double chain structure, and biotite has a sheet structure). The series of minerals is called discontinuous because a series of different minerals is formed, each with a different crystal structure. The continuous reaction series involves the plagioclase feldspars . Plagioclase feldspars are an example of a "solid solution series", exhibiting gradations in chemical and physical properties. Chemically, this series consists of two "end members": albite or Na plagioclase (NaAlSi 3 O 8 ), the sodium "end member", and anorthite or Ca plagioclase (CaAlSi 2 O 8 ), the calcium "end member". There is a continuous chemical and physical gradation between the two end members. (Various plagioclase mineral names are given, based on the percentages of calcium and sodium present, including anorthite, bytownite, labradorite, andesine, oligoclase, and albite). Ca-plagioclase is the first to crystallize. It reacts with the melt to become more sodium rich. (If reaction is not complete, a zoned plagioclase crystal results which has a calcium-rich center and sodium-rich edges). This series of plagioclase minerals is called continuous because all of the plagioclase minerals have the same crystal structure . The minerals differ primarily in the proportions of calcium and sodium present. During the last stages of crystallization, potassium feldspar (KAlSi 3 0 8 ) crystallizes. Muscovite may also form. If the remaining melt contains excess silica, quartz will crystallize. Bowen's Reaction Series helps us to understand why certain minerals tend to occur together in igneous rocks. For example, the mafic rocks, basalt and gabbro tend to contain olivine, pyroxene, and calcium-rich plagioclase feldspar. These are all minerals which crystallize at high temperatures. As another example, felsic or sialic rocks such as granite and rhyolite tend to contain quartz, potassium feldspar, sodium-rich plagioclase feldspar, and sometimes muscovite. These are minerals which crystallize at lower temperatures. The minerals that ultimately form are controlled by the initial composition of the magma. Bowen's Reaction Series also helps us to understand why certain minerals do NOT occur together in igneous rocks. For example, olivine and quartz are unlikely to occur in the same igneous rock, because olivine is a high temperature mineral, and quartz is a low temperature mineral. Bowen determined that specific minerals form at specific temperatures as a magma cools. At the higher temperatures associated with mafic and intermediate magmas, the general progression can be separated into two branches (see below). The continuous branch describes the evolution of the plagioclase feldspars as they evolve from being calcium-rich to more sodium rich. The discontinuous branch describes the formation of the mafic minerals olivine, pyroxene, amphibole, and biotite mica. The remarkable thing that Bowen found concerned the discontinuous branch. At a certain temperature a magma might produce olivine, but if that same magma was allowed to cool further, the olivine would "react" with the residual magma, and change to the next mineral on the series (in this case pyroxene). Continue cooling and the pyroxene would convert to amphibole, and then to biotite. Magmatic Differentiation: With this term we describe the process of separating the magma into several batches (separating crystals from melt) as it evolves and migrates upwards in the earth's crust. E.g. we might early on separate olivine and pyroxene (crystal mush), and would thus create a peridotite (more mafic than basalt). The remaining melt would crystallize pyroxene, hornblende, and plagioclase with intermediate Ca content (andesine), and might erupt from a volcano and form andesite. Or, if the material remained buried, the crystal fraction would form a diorite from which in turn a granitic melt would rise. The parental magma that Bowen envisioned was a "primitive" basalt with high Fe and Mg contents and fairly low SiO2 contents. This gradual change in mineral composition during differentiation is accompanied by a change in color (mafic rocks dark, felsic rocks light) and density of the respective rocks, and is the basis for most of the accepted classification schemes of igneous rocks. The original composition of the magma of course determines the variety of igneous rocks we can derive from it. An originally dioritic/andesitic magma for example could never give rise to a basalt, but may give rise to a granite. A magma may be modified by mixing with another magma that is further or less far evolved, and then rocks of unusual mineral composition may form. Another way in which a magma can be modified is by assimilation of wall rock during its rise through the crust.
  • The reason for this "stepped" evolution of minerals is that with dropping temperature we have decreasing thermal vibration of molecules, and that allows silica to form more complex structures .   Thus, olivine with its isolated silica tetrahedrons forms at the highest temperatures, and as temperatures drop silica tetrahedrons first manage to join together in chains (pyroxenes), then in ribbons (amphiboles), and then sheets (micas).   Finally, at the lowest temperatures the two branches merge and we get the minerals that are common to felsic rocks - muscovite mica, orthoclase feldspar,and quartz (3D frameworks).
  • This diagram shows the main groups of igneous rocks, their main mineral constituents and their intrusive (cooling in the crust) and extrusive (cooling as lava flow) equivalents.  For example: granitic magmas solidify to granite if they cool in the crust (intrusive), but are called rhyolites if they cool down after they reach the Earth's surface as lava flows (extrusive).  Both, rhyolites and granites, are composed of K-feldspar, Quartz, Sodium Plagioclase, and Biotite.  Peridotite is the name for rocks of the upper mantle, and Komatiite is the name for extrusive lavas that are essentially of Peridotite composition.  The latter are found primarily in very old rocks (Archean) that formed soon after the formation of the first crust (crust was thin, very mobile, and convection was vigorous).
  • Questões: Porque na Série de Bowen que representa a sequência de cristalização de minerais a partir de um magma, a olivina e o quartzo provavelmente não irão coexistir em uma mesma rocha ígnea? R. Olivina quartzo não devem ocorrer na mesma rocha ígnea pois apresentam temperaturas de fusão muito difirentes. A olivina na sequência de cristalização magmática é um mineral de alta temperatura, enquanto o quartzo tende a formar-se a T mais baixas.

Transcript

  • 1. Geologia Tempo geológico Em busca do passado do planeta
  • 2. ■ Concepções iniciais da idade da terra e o princípio da geologia
    • A idéia de que a terra poderia ser extremamente antiga só emergiu recentemente.
    • * Dois grandes eventos promoveram esta mudan ç a de ver o mundo:
    • # Iluminismo
    • # Revolu ç ão industrial
    • Até então, nem se cogitava que o mundo pudesse ser “imperfeito” ou muito antigo
  • 3. ■ Concepções iniciais da idade da terra e o princípio da geologia
    • O judaísmo pré-cristão concebia a terra como tendo apenas poucos milhares de anos.
  • 4. ■ Concepções iniciais da idade da terra e o princípio da geologia
    • A geologia só surgiu, como ciência, a partir dos séc. XVII e XVIII
    • Nils stensen -> nicolau steno (1638-1686)
    • -> Estabeleceu três princípios que regem a organiza ç ão de seqüências sedimentares:
    • # Superposi ç ão
    • # Horizontalidade original
    • # Continuidade lateral
  • 5. ■ A consolidação da geologia como ciência
    • ► Na segunda metade do séc. XVIII a geologia foi submetida a uma interpretação baseada no relato bíblico da separação das águas durante a criação:
    • -> Netunismo
  • 6. ■ Concepções iniciais da idade da terra e o princípio da geologia
    • Utiliza ç ão dos princípios de steno no campo.
  • 7. ■ A consolidação da geologia como ciência
    • James hutton (1726-1797)
    • -> Percebeu que a história da terra era mais longa do que se pensava.
    • -> Formulou a idéia de que o registro geológico podia ser explicado pelos mesmos processos que atuam hoje.
    • -> Princípio de causas naturais
    • # “Não há, mediante a análise dos processos geológicos, nenhum vestígio de come ç o e nenhuma perspectiva do fim”.
  • 8. ■ A consolidação da geologia como ciência
    • ► Como resultado dos trabalhos de hutton, hoje reconhece-se três tipos distintos de discordâncias:
    • A) não-conformidade
    • B) discordância angular
    • C) desconformidade
  • 9. ■ “ O presente é a chave do passado” – uniformitarismo e atualismo
    • ► Sir charles lyell (1797-1875)
    • -> O presente seria a chave do passado, sendo o passado igual ao presente (inclusive em gênero e em intensidade dos processos atuantes na dinâmica interna e externa).
    • -> Esta visão “dogmática” foi aperfei ç oada e é conhecida, e ensinada, hoje pelo nome de atualismo.
  • 10. ■ Datação relativa e o estabelecimento da escala de temo geológico
    • ► Fósseis e idades relativas
    • -> Com o progresso do pensamento científico os fósseis, antes erroneamente interpretados, passaram a ser analisados sob um novo prisma.
    • # William smith (1769-1839) -> primeiro mapa geológico da grã-bretanha.
    • # G. Cuvier (1769-1832) e A. Brongniart (1770-1847) -> constataram a existência de uma correla ç ão fossilífera ou bioestratigráfica entre diversas seqüências rochosas.
  • 11. ■ Datação relativa e o estabelecimento da escala de temo geológico
    • ► Bioestratigrafia
    • -> Parte da geologia que trata da datação e da correla ç ão de rochas por meio de fósseis.
    • -> Cada planta ou animal não viveu durante todo o tempo geológico.
    • -> Alguns surgiram e se adaptaram às condi ç ões ambientais e chegaram até os dias de hoje.
    • -> Se a amplitude de um fóssil é curta, sua presen ç a na rocha fornece uma data ç ão precisa.
  • 12. ■ Datação relativa e o estabelecimento da escala de temo geológico
    • ► Bioestratigrafia
  • 13. ■ Datação relativa e o estabelecimento da escala de temo geológico
  • 14. ■ Datação relativa e o estabelecimento da escala de temo geológico
    • # A bioestratigrafia se baseia nos seguintes fundamentos:
    • -> Lei de superposi ç ão das camadas sedimentares.
    • -> Presen ç a de fósseis nestas camadas.
    • -> Evolu ç ão biológica.
    • -> Irreversibilidade da evolu ç ão.
  • 15. A paleontologia e o tempo geológico
    • # Constatações:
    • Tudo que existe no planeta é mutável.
    • As leis físicas e químicas que regem a matéria do universo são imutáveis.
    • Quase a totalidade de organismos que viveram deixaram algum tipo de vestígio de sua presença.
    • Um organismo, uma vez extinto, não reaparece outra vez na história da vida sobre o planeta.
  • 16. A paleontologia e o tempo geológico
    • ♦ Fóssil-guia
    • -> Um táxon qualquer que, com sua presença no sedimento, identifica o tempo geológico de formação do estrato rochoso.
    • # Características:
    • Ser facilmente reconhecível anatomicamente.
    • Ter pequena distribuição vertical.
    • Ter ampla distribuição horizontal.
    • Possuir pequenas dimensões corporais.
    • Não ser um organismo muito especializado.
  • 17. A paleontologia e o tempo geológico
    • ♦ Problemas que podem dificultar a datação:
    • # Refossilização -> ocorrência de um fóssil de tempos mais antigos em rochas mais modernas (fósseis que foram expostos graças a processos erosivos e que são novamente sepultados em sedimento depositado posteriormente).
    • # Fósseis entremetidos -> ocorrência de organismos mais modernos em sedimentos mais antigos (freqüente fósseis de animais escavadores).
  • 18. ■ Darwin, kelvin e as primeiras tentativas de calcular a idade da terra
    • Até a primeira metade do séc. XIX não havia uma unanimidade quanto ao melhor método de se estabelecer a idade “real” das rochas.
    • -> Os valores estimados eram extremamente contrastantes.
    • # As tentativas de se estimar a antiguidade da terra baseavam-se numa série de critérios aleatórios:
    • -> Acumula ção de sal nos oceanos.
    • -> Resfriamento da terra por condu ção térmica (lorde kelvin) .
    • -> Taxas de sedimenta ção.
    • A idade absoluta do registro geológico era uma incógnita.
  • 19. ■ Darwin, kelvin e as primeiras tentativas de calcular a idade da terra
  • 20. ■ Princípios e métodos modernos da datação absoluta
    • ► Decaimento radioativo e a data ção absoluta
    • -> Método utilizado para determinar a duração de tempo real de cada acontecimento geológico e a idade da terra.
    • Pioneiros:
    • # Piérre e marie currie -> descobriram e estudaram a radioatividade emitida pelo rádio e o urânio.
    • # Rutherford (1905) -> vislumbrou a possibilidade da idade de um mineral de urânio ser estimada a partir da quantidade de chumbo formada e acumulada.
    • # Boltwood (1907) e holmes (1911) -> mostraram que a radioatividade pode ser usada para a data ç ão de rochas.
  • 21. ■ Princípios e métodos modernos da datação absoluta
    • ► Método radiocarbônico (C-14)
    • -> Foi criado na década de 50 por w. Libby.
    • -> É um isótopo radioativo que ocorre normalmente na atmosfera e nos seres vivos.
    • -> Sua meia-vida é de cerca de 5730 anos.
    • -> Esse método só pode ser utilizado para o quaternário tardio.
    • -> Muito importante no estabelecimento cronológico de eventos geomorfológicos e arqueológicos recentes.
  • 22. ■ Princípios e métodos modernos da datação absoluta
    • ► Método radiocarbônico (C-14)
  • 23. ■ Princípios e métodos modernos da datação absoluta
    • ► Método radiocarbônico (C-14)
  • 24. ■ Princípios e métodos modernos da datação absoluta
    • ► Método radiocarbônico (C-14)
  • 25. ■ Princípios e métodos modernos da datação absoluta
    • ► Método da série de urânio
    • Elemento de meia-vida longa.
    • Método utilizado na data ç ão das rochas mais antigas conhecidas na terra.
    • Satisfatoriamente utilizado na data ç ão de granitóides lunares.
    • Seu erro de medida é sempre da ordem de milhões de anos (o que impede que este método seja aplicado na data ç ão de eventos geológicos recentes).
  • 26. ■ Princípios e métodos modernos da datação absoluta
    • ► Método da série de urânio
  • 27. ■ Princípios e métodos modernos da datação absoluta
  • 28. ■ Outros métodos de datação
    • Método da hidrata ç ão da obsidiana
    • -> Vidro natural, amorfo, formado, geralmente, de fontes magmáticas.
    • -> Sua percussão promove a forma ç ão de uma película proporcional ao tempo em que a superfície ficou exposta a atmosfera.
    • -> Extremamente utilizado nos trabalhos arqueológicos.
  • 29. ■ Outros métodos de datação
    • Dendrocronologia
    • -> Método biológico de data ç ão mais utilizado para o quaternário tardio.
    • -> Medi ç ão do tempo baseada na contagem e espessura de anéis de crescimento de certos tipos vegetais.
    • -> Indica o ciclo anual das esta ç ões e mudan ça s climáticas de mais longa data.
  • 30. ■ Outros métodos de datação
    • Varvas e ritmitos
    • # Varvas -> seqüências de lâminas sedimentares muito finas, depositadas anualmente, que seguem o ritmo das esta ç ões climáticas (lagos e lagoas de águas tranqüilas).
    • # Ritmitos -> camadas sedimentares com cor e textura diferentes que se alternam (observados em golfos e bacias).
  • 31. A litosfera: núcleo – manto e crosta
  • 32.
      • Crosta: constituída de materiais mais leves
      • Manto: camada intermediária
      • Núcleo: formado pôr materiais mais densos.
    A ESTRUTURA DA INTERIOR DA TERRA
  • 33. A estrutura da interior da terra
  • 34. A ESTRUTURA DA INTERIOR DA TERRA
  • 35. 1. Crosta terrestre ou litosfera
      • É dividida em crosta :
        • Continental
        • Oceânica
      • Abaixo da litosfera está a astenosfera, e abaixo encontramos a mesosfera.
      • Logo em seguida encontramos a endosfera (núcleo) formada pôr ferro e níquel.
  • 36. Crosta continental superior - sial
      • Crosta continental superior, com 15 a 25 km de espessura, formada principalmente pôr silício e alumínio (SIAL)
  • 37. Crosta continental inferior - sima
      • Crosta continental inferior, com 30 a 35 km de espessura; nela predomina silício e magnésio (SIMA)
  • 38. Crosta e as rochas
      • A crosta é formada pôr rochas e minerais.
      • As rochas são agrupamentos de minerais.
      • Minerais são elementos ou compostos naturais sólidos, que possuem uma composição química bem definida, ou seja, é possível determinar com precisão os elementos que compõem um mineral.Exemplo , o elemento que compõem o diamante é o carbono.
  • 39. A CROSTA TERRESTRE ¨PLACAS TECTÔNICAS¨
  • 40.
    • O planeta terra é composto por placas tectônicas, que se acham apoiadas sobre o manto, e assim sendo elas se movem e são instáveis e se deslocam em idades de eras terrestres o que denominamos de deriva continental .
    • Assim, o que vamos estudar é a dinâmica das placas tectônicas.
    • Vamos ver na sequência, com base na teoria inicial proposta por ¨alfred lothar wegener¨ ,( geofísico alemão ).
  • 41. 1. A teoria das placas
    • - ¨Alfred Lothar W egener¨ , descreve no livro “ a origem dos continentes e dos oceanos “ , em 1915, propos a teoria inicial expondo os princípios básicos sobre a história do planeta terra.
  • 42. ¨Wegener partiu da hipótese que existira um único continente, denominado ¨ pangéia ¨, onde há 200 milhões de anos, no início da era mesozóica, o planeta terra começou a se fragmentar e consequentemente formando os continentes com as disposições atuais, conforme este próximo slide . 2 . O PRINCÍPIO DA DERIVA
  • 43.
    • A FRAGMENTAÇÃO DA PANGÉIA OCORREU NO INÍCIO DA ERA MESOZÓICA.
  • 44.
    • A PANGÉIA, AO SE FRAGMENTAR, FORMA DOIS SUPER CONTINENTES: GONDWANA, AO SUL E, LAURÁSIA AO NORTE.
  • 45. DE ¨ GONDWANA¨ E DA ¨ LAURÁSIA¨ SURGIRAM OS CONTINENTES ATUAIS.
  • 46. NO MESOZÓICO FINAL SURGEM A FORMAÇÃO DO ATLÂNTICO E A ÍNDIA COMEÇA O SEU DESLOCAMENTO PARA O NORTE.
  • 47.
    • NO INÍCIO DO TERCIÁRIO COMEÇA A FORMAÇÃO DAS ATUAIS CADEIAS MONTANHOSAS .
  • 48. NA MEADOS DA ERA TERCIÁRIA SURGE A AMÉRICA CENTRAL E O MAR MEDITERRÂNEO COMEÇA A SE ESTREITAR.
  • 49. ASSIM É A CONFIGURAÇÃO CONTINENTAL ATUAL DOS CONTINENTES, PORÉM INSTÁVEL E EM DERIVA.
  • 50. POSIÇÃO DOS CONTINENTES DAQUI A 50 MILHÕES DE ANOS .
  • 51. POSIÇÃO DOS CONTINENTES DAQUI A 150 MILHÕES DE ANOS.
  • 52. POSIÇÃO DOS CONTINENTES DAQUI A 250 MILHÕES DE ANOS.
  • 53. O que aconteceu NO HEMISFÉRIO SUL NO HEMISFÉRIO NORTE PANGÉIA LAURÁSIA GONDWANA AMÉRICA DO NORTE ÁSIA EUROPA ÁFRICA AMÉRICA DO SUL ANTÁRTICA AUSTRÁLIA ÍNDIA
  • 54. Principais placas tectônicas
  • 55.
    • As placas fragmentam em função da pressão interna da Terra é maior que a externa.
  • 56. 4. Instabilidades das placas ATIVIDADE DAS CORRENTES CONVECTIVAS QUE OCORREM NO MANTO SUPERIOR OU ASTENOSFERA, INFLUENCIAM NA ESTABILIDADE DAS PLACAS.
  • 57. 5. Conseqüências dos deslocamentos AS PLACAS AO SE DESLOCAREM PROVOCAM INSTABILIDADES TECTÔNICAS, REPRESENTADAS, PRINCIPALMENTE, PELO: A) VULCANISMO; B) TERREMOTOS.
  • 58. AS MAIORES AÇÕES VULCÂNICAS DA TERRA OCORREM NO CINTURÃO DO FOGO DO PACÍFICO.
  • 59. ÁREAS DE INSTÁVEIS COM TERREMOTOS NOS CONTATOS ENTRE PLACAS TECTÔNICAS.
  • 60. 6. Tipos de movimentos AS PLACAS, AO SE DESLOCAREM, UMA EM RELAÇÃO À OUTRA, APRESENTAM TRÊS TIPOS DE MOVIMENTOS. ESTES TRES MOVIMENTOS SÃO:
  • 61. Caracteriza por ser um movimento de colisão entre as placas. 6.1 movimento convergente Três interações mecânicas diferentes atuam entre as placas com o movimento convergente. Em cada tipo de interação associam-se algumas conseqüências específicas.
  • 62. 1. CONTINENTAL - CONTINENTAL COMO CONSEQÜÊNCIAS DESSA INTERAÇÃO TEM-SE A FORMAÇÃO: A) DAS CADEIAS MONTANHOSAS CONTINENTAIS; B) DE UMA ZONA DE SUBDUCÇÃO, ISTO É, ÁREA ONDE OCORRE A ENTRADA DO MATERIAL DA LITOSFERA PARA O MANTO. COMO EXEMPLO DE PLACAS COM ESSE MOVIMENTO, PODE SER CITADA A INDIANA COM A EURO-ASIÁTICA.
  • 63. 2. OCEÂNICA - CONTINENTAL C) DE FOSSAS OCEÂNICAS, ISTO É, ÁREAS DE MAIORES PROFUNDIDADES DOS OCEANOS. A) CINTURÕES VULCÂNICOS; B) MONTANHAS LITORÂNEAS, COMO OS ANDES; COMO EXEMPLO DE PLACAS COM ESSE TIPO DE MOVIMENTO É PLCA DE NAZCA COM A SUL-AMERICANA.
  • 64. 3. OCEÂNICA - OCEÂNICA COMO CONSEQÜÊNCIAS DESSA INTERAÇÃO TEM-SE A FORMAÇÃO: COMO EXEMPLO DE PLACAS COM ESSE MOVIMENTO PODE SER CITADA A DO JAPÃO COM A DO PACÍFICO. A) DE FOSSAS ABSSAIS B) DE ARCOS DE ILHAS, CUJA ORIGEM SE DÁ A PARTIR DO VULCANISMO SUBMARINO . SAS OCEÂNICAS;
  • 65.
    • Pode-se observar, que as montanhas têm origem como conseqüência do movimento convergente.
  • 66.
    • Veja uma animação do movimento convergente.
  • 67.
    • Caracteriza por ser um movimento de separação entre as placas.
    6.2 Movimento divergente
    • Existem duas interações diferentes entre as placas com o movimento divergente.
    • Para cada tipo de interação associa-se conseqüências específicas.
  • 68.  
  • 69.
    • Como conseqüência dessa interação, tem-se a formação de lagos tectônicos , como os existentes no leste da África.
    1. Fossa tectônica ou “ rift valley” .
    • É exemplo dessa situação a relação entre as placas da África e da Somália.
  • 70. 2. Dorsal oceânica ou montanha submarina
    • Como conseqüência da interação, tem-se:
    A) formação de uma zona de agregação , isto é, área onde ocorre a saída de material do manto para a crosta; B) a expansão do fundo do mar como na Cordilheira Meso Atlântica ou Dorsal do Atlântico.
  • 71. As principais dorsais oceânicas são: 2 1 1. Dorsal do Atlântico 2. Dorsal do Pacífico
  • 72.
    • A formação da Península do Sinai está ligada ao movimento divergente entre placas.
  • 73.
    • Caracteriza por ser um movimento paralelo entre as placas.
    6.3 Movimento tangencial
    • Este movimento também é denominado de falha transformante .
  • 74.
    • Como conseqüência desse movimento tem-se as instabilidades tectônicas.
    • É um contato conservativo entre as placas, pois a litosfera não é criada ou destruída durante o movimento.
  • 75.
    • A Falha de Santo André , localizada no contato entre as placas Juan de Fuca e Norte-americana, é o principal exemplo de movimento tangencial ou transformante.
  • 76. Resumo
  • 77. Rochas e minerais
  • 78. Silicatos  óxidos  sulfetos  sulfatos  carbonatos ...... MINERAIS
  • 79. COMO MINERAIS SE FORMAM NA CROSTA TERRESTRE? Precipitação a partir de uma solução: Calcita cristalizando-se pela saturação de água subterrânea em caverna (condições P-T superficiais)
  • 80. COMO MINERAIS SE FORMAM NA CROSTA TERRESTRE? Precipitação a partir de resfriamento de material fundido: anfibólio e feldspato cristalizado em lava (alta T).
  • 81. COMO MINERAIS SE FORMAM NA CROSTA TERRESTRE? Precipitação a partir de uma solução: Malaquita formada pela saturação de fluidos em profundidade (baixas T-P). Cada banda marca um episódio de cristalização.
  • 82. COMO MINERAIS SE FORMAM NA CROSTA TERRESTRE? Precipitação a partir de uma solução: Calcita cristalizando-se pela saturação de água subterrânea em caverna (condições P-T superficiais) Precipitação a partir de uma solução: Malaquita formada pela saturação de fluidos em profundidade (baixas T-P). Cada banda marca um episódio de cristalização. Precipitação a partir de resfriamento de material fundido: anfibólio e feldspato cristalizado em lava (alta T). Sob condições de altas T e P, novos minerais formam-se a partir da reação de outros minerais: grafita – diamante.
  • 83. O que é uma rocha?
    • Rochas são agregados naturais multigranulares, uni ou poliminerálicos – isto é, constituídos de um único tipo ou de vários tipos de minerais.
    • As rochas costumam ser analisadas e classificadas segundo o critério genético (isto é, de origem), que por sua vez está relacionado aos diferentes ambientes de formação.
  • 84.
    • As rochas podem ser classificadas em:
    • ígneas (resultam da solidificação de um fundido silicático – silicatos que atingiram seu ponto de fusão)
    •  metamórficas (resultam de transformação de outras rochas, em profundidade, envolvendo > P e T)
    •  sedimentares (resultam de materiais provenientes de outras rochas, depositados e consolidados em sub-superfície)
    PRINCIPAIS TIPOS DE ROCHAS NA CROSTA TERRESTRE
  • 85. Distribuição e abundância
    • Em extensão , as rochas sedimentares predominam, mas em volume são as rochas ígneas e metamórficas as mais abundantes .
    09/04/11 Silvia F. de M. Figueirôa
  • 86. Feldspatos 51% Quartzo 12% Piroxênio 11% Micas 5% anfibólio 5% Argilo-minerais 4.6% olivina 3% Não silicatos 8.4% PRINCIPAIS MINERAIS FORMADORES DE ROCHAS
  • 87. ROCHAS ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS MAGMA Massa pastosa constituída por tetraedros de (SiO 4 ) 4- e (AlO 4 ) 4- (fundido alumino-silicático) unidos por cátions (Fe 2+ , Mg +2 , Ca +2 , Na + , K + ). Fases sólidas neo-cristalizadas (silicatos, óxidos, sulfetos). T= 650°C a 1200°C Fases voláteis dissolvidas ou em processo de degaseificação (bolhas)  H 2 O mais abundante; CO 2 , compostos de S (H 2 S, SO 2 , SO 4 ), HCl e HF em concentrações significativas. Exs: Alaska = 1.250.000 ton HCl e 200.000 ton HF em 1 ano; Etna = 20 mil litros de H 2 O/dia, 80 - 1.200 kg Au/ano, 480 – 580 t Cu/ano. Durante uma erupção vulcânica, os voláteis são "perdidos", de modo que a lava não é exatamente magma , mas é o que de mais semelhante podemos encontrar.
  • 88. Magma
    • % De sio 2 é variável e interfere nas características e no comportamento do magma:
      • > % Sio 2  > polimerização
      • > % Sio 2  > viscosidade
      • > % Sio 2  < mobilidade
    09/04/11 Silvia F. de M. Figueirôa
  • 89.
    • A polimerização também é influenciada pelos cátions presentes em maior quantidade:
    • N.C. 6 n.C. 8 n.C. 12
    • Fe mg ca li na K
    •       > Polimerização
    MAGMA 09/04/11 Silvia F. de M. Figueirôa
  • 90.
    • A viscosidade do magma depende:
      • Temperatura: > T°  < viscosidade
      • Composição: > sio 2  > viscosidade
      • Voláteis: > voláteis (rompem as ligações si- O e al-o)  < viscosidade
      • Pressão: > P  > viscosidade
    • Mantendo-se o vol magma constante, se p e t° aumentam simultaneamente 
    • < viscosidade (  t° é mais influente)
    MAGMA
    • A densidade do magma varia em função da pressão: > P  > d
  • 91. MAGMA: AMBIENTES DE FORMAÇÃO Magma forma pela fusão parcial de regiões do manto superior ou crosta. Fusão parcial significa que apenas uma fração da rocha forma um fundido e o restante permanece sólido.
  • 92.
    • Intrusivas ou plutônicas:
    • Magma cristaliza-se em profundidade
    • Magma nunca atinge
    • a superfície
    • Cristalização lenta
    • Granulação média a
    • grossa (> 1mm)
    • São expostas à
    • superfície somente após ascensão da crosta
    ROCHAS ÍGNEAS: CLASSIFICAÇÃO Profundidade de cristalização :
  • 93.
    • Extrusivas ou
    • vulcânicas:
    • Magma cristaliza-se na superfície
    • Vulcão ou derrame:
    • lava
    • Cristalização rápida
    • Granulação fina a muito
    • fina (< 1mm) ou vítrea
    ROCHAS ÍGNEAS: CLASSIFICAÇÃO Profundidade de cristalização :
  • 94.
    • mineralógica : basicamente estão presentes 6 grupos mineralógicos (silicatos) - feldspatos, quartzo, olivinas, piroxênios, anfibólios, micas, com quantidades subordinadas de magnetita, ilmenita e apatita.
    • A % dos minerais essenciais é o critério básico para classificação das rochas ígneas.
    Rochas ígneas: classificação 09/04/11 Silvia F. de M. Figueirôa
  • 95. CRISTALIZAÇÃO FRACIONADA Rochas máficas = escuras Rochas félsicas = claras Vários tipos de rochas ígneas podem ser formadas pela separação de um magma durante a cristalização fracionada e sua migração no manto e crosta = DIFERENCIAÇÃO MAGMÁTICA .
  • 96. CRISTALIZAÇÃO FRACIONADA VERSUS ESTRUTURA CRISTALINA nesossilicatos inossilicatos filossilicatos tectossilicatos KAlSi 3 O 8 feldspato K CaMgSi 2 O 6 piroxênio NaMg 3 Fe 4 Al 3 Si 5 O 22 (0H) 2 anfibólio KMgFe 2 AlSi 3 O 10 (0H) 2 biotita Mg 2 SiO 4 olivina KAl 3 Si 3 O 10 (0H) 2 muscovita SiO 2 quartzo CaAl 2 Si 2 O 8 anortita NaAlSi 3 O 8 albita
  • 97. ROCHAS ÍGNEAS: CLASSIFICAÇÃO intrusivas extrusivas Composição mineralógica + claras + minerais félsicos + escuras + minerais máficos Granito e basalto são as rochas ígneas mais abundantes na crosta terrestre. Crosta continental = granito; crosta oceânica= basalto
  • 98. Composição química de rochas ígneas (alguns exemplos – nockolds, 1954) 09/04/11 Silvia F. de M. Figueirôa félsicas máficas Óxido Gabro/ba-salto Diorito/an-desito Rochas graníticas Granito/riolito SiO 2 46,16 48,36 51,86 59,41 66,88 72,08 TiO 2 0,20 1,32 1,50 0,83 0,57 0,37 Al 2 O 3 0,84 16,40 16,40 17,12 15,66 13,86 Fe 2 O 3 1,88 2,73 2,73 2,19 1,33 0,86 FeO 11,87 6,97 6,97 2,83 2,59 1,67 MnO 0,21 0,18 0,18 0,08 0,07 0,06 MgO 43,16 6,12 6,12 2,02 1,57 0,52 CaO 0,75 11,07 8,40 4,06 3,56 1,33 Na 2 O 0,31 3,36 3,36 3,92 3,84 3,08 K 2 O 0,14 1,33 1,33 6,53 3,07 5,46 P 2 O 5 0,04 0,35 0,35 0,38 0,21 0,18
  • 99.
    • em termos de composição química, o critério fundamental é a % sio 2 (essa variação se reflete quase que diretamente na coloração das rochas):
    • > 65% = ácidas
    • < 65% e > 55% = intermediárias
    • < 55% e > 45% = básicas
    • < 45% = ultrabásicas
    Rochas ígneas: classificação 09/04/11 Silvia F. de M. Figueirôa
  • 100. Rochas magmáticas ou ígneas ou cristalinas
    • Classificação : intrusiva e extrusiva
  • 101. Intrusivas ou plutônicas
    • Formam-se quando o magma se resfria lentamente nas profundezas da terra, dando origem a cristais relativamente grandes.
  • 102. Rochas magmáticas intrusivas
    • Granito amarelo real
  • 103. Pedreira de granito
  • 104. Rochas magmáticas intrusivas diorito
  • 105. Extrusivas ou vulcânicas
    • Formam-se pela solidificação do magma expelido pelas erupções vulcânicas.Como seu resfriamento e solidificação são rápidos, não há tempo para a formação de macro-cristais.
  • 106. Extrusivas ou vulcânica (basalto)
  • 107. Extrusivas ou vulcânica (basalto)
  • 108. Rochas sedimentares
    • Conceito: através da litificação dos sedimentos que procedem da erosão, transporte e deposição de sedimentos, realizado pela água, vento, reações físicas e químicas. Derivam-se de rochas que sofrem a ação de processos erosivos.
  • 109. Litificação
    • Conceito: processo de sedimentação e cimentação, exercida através das camadas superiores.
  • 110. Rochas sedimentares - calcário
  • 111. Rochas sedimentares - arenito
  • 112. Rochas sedimentares - arenito
  • 113. Rochas metamórficas
    • Conceito: foram originalmente rochas magmáticas, sedimentares ou metamórficas que, pela ação do calor ou da pressão do interior da terra, adquiriram outra estrutura.
  • 114. Rochas metamórficas - gnaisse
  • 115. Rochas metamórficas - gnaisse
  • 116. Rochas metamórficas - mármore
    • Mármore azul mediterrâneo
  • 117. Rochas metamórficas - mármore
    • Arabescato
  • 118. Rochas metamórficas - mármore
    • Onix
  • 119. Rochas metamórficas - mármore
    • Rosa egeo
  • 120. Rochas metamórficas - mármore
    • Pedreira de mármore - espanha
  • 121.
  • 122. Processo erosivo
    • Intemperismo físico
    • Intemperismo químico
  • 123. Intemperismo físico
    • Conceito:primeiro passo no processo erosivo, ocorre principalmente devido a contração e dilatação das rochas provocadas pelas mudanças de temperatura.No frio as rochas contraem e no calor dilatam, este processo ao longo de vários anos provoca sua fratura.
  • 124. Intemperismo químico
    • Conceito:segundo passo no processo erosivo, após o intemperismo físico, ou seja, com a rocha fraturada, a penetração da água da chuva dissolvendo alguns minerais hidrossolúveis ocasiona a quebra das rochas.
  • 125. Estrutura geológica
    • O conjunto das diferentes rochas de um lugar, uma vez que as mesmas não estão distribuídas de maneira uniforme. Sua distribuição vai depender da ação das forças internas da terra - tectonismo.
  • 126. Tipos de estrutura geológicas
    • Escudos cristalinos
    • Faixa orogênicas
    • Bacias sedimentares
  • 127. Escudos cristalinos
    • São rochas magmáticas e metamórficas muito antigas das eras pré-cambriana e paleozóico.Sofreram fortes desgastes erosivos, apresentando-se desgastes e com baixas altitudes. Podem ser escudos ou embasamentos cristalinos.
  • 128. Escudos(cráton aflorado)
    • Quando estão expostas à ação de agentes erosivos.
  • 129. Embasamento cristalinos(plataformas cobertas)
    • Quando estão recobertas pôr terrenos sedimentares
  • 130. Observação
    • Estas áreas de escudos e embasamento são ricas em recursos minerais, principalmente as formadas na era pré-cambriana (arqueozóico e proterozóico)
  • 131. Bacias sedimentares
    • Com o passar das eras, os escudos cristalinos foram atacados pôr processo erosivo. Os sedimentos assim produzidos e transportados pelo ventos acumularam-se em depressões existentes na superfície dos escudos(bacias).
  • 132. Bacias sedimentares
    • Temos bacias originárias das eras paleozóica, mesozóica e cenozóica.
    • Os combustíveis fósseis - carvão e petróleo-são encontradas neste tipo de estrutura geológica.
  • 133. Faixa orogênicas ou dobramentos
    • São movimentos originados pôr forças internas, que deram origem a cadeias de montanhas. Podemos distinguir de acordo com a era geológica.
    • Podem ser divididas em dobramentos antigos e modernos.
  • 134. Dobramentos antigos
    • Alguns datam do pré-cambriano, período arqueozóico, exemplo serra do mar e mantiqueira, no brasil.
    • Outros datam do período proterozóico, dando origem à chapada dimantina, na bahia e a serra do espinhaço em minas gerais.
  • 135. Dobramentos modernos
    • Ocorreram na era cenozóica no terciário e deram origem às altas cadeias de montanha da terra - himalaia, alpes, andes.
  • 136. A dinâmica interna do relevo
    • Tectonismo ou diastrofismo (movimentos epirogênicos e movimentos orogênicos)
  • 137. Tectonismo ou diastrofismo
    • Compreende a todos movimentos que deslocam e deformam as rochas que constituem a crosta terrestre.São causados por forças internas. O diastrofismo se manifesta de duas maneira através da epirogênese e orogênese.
  • 138. Movimentos epirogênicos
    • Epirogênicos - do grego épeiros = continente
    • São movimentos verticais que provocam abaixamento ou soerguimento da crosta terrestre.
    • Pode provocar o rebaixamento de litorais pelas invasões do mar (transgressão marítima) .
  • 139. Movimentos epirogênicos
    • Ou o levantamento da costa pelo recuo dos oceanos (regressão marinha).
    • Pode também soerguer ou rebaixar os leitos dos rios, modificando seu trabalho erosivo.
    • Ocorrem em áreas relativamente mais estáveis.
  • 140. Movimentos orogênicos
    • Orogênicos - do grego ôros = montanha
    • Resultado de movimentos verticais ou horizontais. São movimentos de pequena duração no tempo geológico, mas muito intenso
    • Como resultado deste movimento temos: dobras(dobramentos) e as falhas(falhamento) ou fraturas.
  • 141. As dobras
    • Ocorrem se as rochas atingidas não oferecerem grande resistência às forças internas.
    • Os dobramentos ocorreram em diferentes eras geológicas (pré-cambriana e cenozóica)
  • 142. Orogênese
  • 143. Falhas ou fraturas
    • Ocorrem em áreas onde as rochas são rígidas e resistentes às forças internas e “quebram-se” em vez de dobrar.
    • Caracterizam-se pôr um desnível do terreno: uma parte elevada e outra rebaixada.
  • 144. Vulcanismo
    • Chamamos de vulcanismo os fatos e fenômenos geográficos relacionados com as atividades vulcânicas, através dos quais o magma do interior da terra chega até a superfície.
  • 145. Vulcanismo
  • 146. Vulcanismo(gêiseres)
  • 147. Vulcanismo(gêiseres)
  • 148. Vulcanismo(gêiseres)
  • 149. Vulcanismo(gêiseres)
    • Manifestações vulcânicas secundárias
    • Expelem água quente no sentido vertical.
    • Seus jatos podem durar segundos ou semanas e atingir muitos metros de altura.
    • Seu funcionamento dependem da quantidade e da temperatura da água subterrânea.
  • 150. Vulcanismo(gêiseres)
      • Quando a temperatura da água se torna muito elevada, formam-se jatos de água no sentido vertical. A água expelida do interior da terra se infiltra lateralmente no solo, é novamente aquecida e recomeça o ciclo das águas quentes.
  • 151. Vulcanismo(fontes termais)
    • Caldas novas(go)
  • 152. Vulcanismo(fontes termais)
    • Caldas novas(go)
  • 153. Vulcanismo(fontes termais)
    • As águas atingem camadas mais profundas, tornando-se aquecidas. Quando aflora, com temperaturas elevadas, constitui uma fonte termal.
  • 154. O círculo de fogo
  • 155. O círculo de fogo
    • A maior parte dos vulcões se localiza ao longo ou próximo do limite de placas tectônicas.São os chamados vulcões de limite de placas. Porém alguns deles localizam-se no interior de uma placa, sendo pôr isto chamados de vulcões intraplacas, cujo exemplo mais conhecido é o arquipélago havaiano, situado no interior da placa do pacífico.
  • 156. O círculo de fogo
    • Temos vulcões tanto nos limites de divergência , como nos de convergência.
    • Nos limites divergência, geralmente nos fundo do mar, ocorrem quase 80% das manifestações vulcânicas da terra.
  • 157. Abalos sísmicos ou terremotos
    • Uma das manifestações mais temidas e destruidoras dos movimentos da crosta terrestre.
    • Ocorrem quando as forças tectônicas atuam prolongadamente em áreas de rochas duras, elas provocam fraturas ou o deslocamento de camadas.Seu ma das camadas se mover horizontalmente ou verticalmente, serão produzidas ondas vibratórias que se espalham em várias direções, causando um terremoto.
  • 158. Abalos sísmicos ou terremotos
    • Portanto, o terremoto é produzido pôr acomodações geológicas de camadas internas da crosta ou pela movimentações das placas.
    • Em limites transformantes, onde não há convergência nem divergência de placas. Podemos citar como exemplo a falha de san andreas , na califórnia, EUA e a falha da anatólia, na turquia.
  • 159. Abalos sísmicos ou terremotos
    • O ponto onde o terremoto se origina recebe o nome de centro ou foco.
    • O ponto da superfície terrestre diretamente acima do centro é o epicentro, onde o terremoto é sentido com maior intensidade.
    • O aparelho utilizado para medir a intensidade de um terremoto é o sismógrafo, que segue a escala richter - uma escala com 10 graus, cada um indicando uma intensidade 10 vezes maior que a anterior
  • 160. Abalos sísmicos ou terremotos
  • 161. Abalos sísmicos ou terremotos
  • 162. Erosão e Sedimentação
  • 163.
    •   É a destruição do solo e seu transporte em geral feito pela água da chuva, pelo vento ou, ainda, pela ação do gelo, quando este atua expandindo o material no qual se infiltra a água congelada.
  • 164.
    •   A erosão destrói as estruturas que compõem o solo . Estas são transportadas para as partes mais baixas dos relevos e em geral vão assorear cursos d’água .
  • 165. Tipos de Erosão
  • 166. Erosão causada pela água
    • Pode ser de três tipos:
    • • Laminar;
    • • Sulcos;
    • • Voçorocas.
  • 167. Laminar
    • Arrasta primeiro as partículas mais leves do solo.
  • 168. Sulcos
    • Resulta de pequenas irregularidades na declividade do terreno que faz com que a enxurrada, atinja volume e velocidade suficientes para formar sulcos mais ou menos profundos.
  • 169. Voçorocas
    • Forma mais avançada da erosão, ocasionada por grandes concentrações de enxurrada
  • 170. Erosão fluvial Causada pelas águas dos rios que provoca desgaste nas encostas dos rios e removem porções do solo das margens dos rios, provocando desmoronamento de barrancos. Rio Piranhas-açu / Jucurutu
  • 171. Erosão Eólica
    • É um tipo de erosão pelo vento com a retirada superficial de fragmentos mais finos.
  • 172. Erosão Pluvial
    • Provocada pela retirada de material da parte superficial do solo pelas águas da chuva.
    Canoa quebrada - Ceará Niterói – São Paulo
  • 173. Erosão Glacial
    • Causada pelo gelo.
  • 174. Erosão causadas pela água do mar
    • Conhecida também por erosão marinha ou abrasão marinha.
  • 175.
    • Pode ocorrer por ação de fenômenos da natureza ou do ser humano.
    • Causas Naturais - Se refere às ações da natureza;
    • Causas Humanas – Quando o homem é um agente provocador.
  • 176.
    • As causas naturais são aquelas que ocorrem naturalmente, sem a ação da mão do homem.
  • 177.
    • As causas humanas são aquelas em que o homem é o agente (ou o principal agente ) provocador.
  • 178. Maior erosão urbana Mãe Biela
    • Considerada por muito tempo como a maior erosão urbana do Brasil. Foram 40 anos combatendo a enorme voçoroca que ainda hoje está lá presente.
    Ano: 1972. Autor: Eleutério Langowski. Voçoroca Mãe Biela, Cianorte – Paraná
  • 179. Conseqüências
  • 180.
    • Encobrir porções de terrenos férteis e sepultá-los com materiais áridos;
    • Morte da fauna e flora do fundo dos rios e lagos por soterramento;
  • 181.
    • Turbidez nas águas , dificultando a ação da luz solar na realização da fotossíntese, importante para a purificação e oxigenação das águas;
  • 182.
    • Instabilidade causada nas partes mais elevadas podem levar a deslocamentos repentinos de grandes massas de terra e rochas que desabam talude abaixo, causando, no geral, grandes tragédias .
  • 183. Sedimentação
  • 184. O que é sedimentação
    • Processo (Geológico) de separação em que a mistura de dois líquidos ou de um sólido suspenso num líquido é deixada em repouso.
  • 185. Processo da sedimentação
  • 186.
    •   As rochas sedimentares são formadas a partir da pressão exercida sobre as partículas de sedimentos carregados e depositados pela ação do ar (vento), gelo ou água. Conforme os sedimentos se acumulam, eles vão sofrendo cada vez mais pressão, se solidificando, num processo conhecido como litificação (formação rochosa) e os fluídos originais acabam sendo &quot;expulsos&quot;.
  • 187.  
  • 188.  
  • 189.
    • A Formação das Rochas Sedimentares implica duas fases principais:
    • A elaboração dos materiais que as vão constituir: Sedimentogénese
    • A evolução dos materiais até consolidarem numa rocha: Diagénese
  • 190.
    • Tipos de sedimentos :
    • Origem Detrítica
    • Origem Química
    • Origem Biogénica
    Sedimentogénese
  • 191.  
  • 192.  
  • 193.  
  • 194.  
  • 195.  
  • 196.  
  • 197.  
  • 198. Erosão
  • 199. Legenda : 1- Rolamento 2- Saltação 3- Suspensão 4- Corrente
  • 200. Erosão – Conjunto de Processos de Transporte dos Sedimentos
  • 201. Ação Mecânica da Água e do Vento
  • 202. Actividade Biologia Esfoliação
  • 203.  
  • 204.  
  • 205.  
  • 206.  
  • 207.  
  • 208.  
  • 209.  
  • 210.  
  • 211.  
  • 212.  
  • 213.  
  • 214.  
  • 215.  
  • 216.  
  • 217.  
  • 218.  
  • 219.  
  • 220.  
  • 221.  
  • 222. Estratificação
  • 223.
    • Os sedimentos e as rochas sedimentares são caracterizados pela presença de  estratificação  - que resulta da formação de camadas paralelas e horizontais, pela deposição contínua de partículas no fundo de um oceano, de um lago, de um rio ou numa superfície continental.
  • 224.
    • Uma outra característica das rochas sedimentares é a sua ordenação temporal. Assim numa seqüência de estratos que não tenha sido modificada da sua posição original, um estrato é mais antigo do que aquele que está por cima, e mais recente do que o que está por baixo - Princípio da sobreposição.
  • 225. A estratificação das rochas sedimentares e o princípio da sobreposição:
  • 226. Arenito Dolomia Calcário Rocha Sedimentar Química Clástica
  • 227. Ambientes de sedimentação
  • 228.
    • São compostas por sedimentos carregados pela água e pelo vento, acumulados em áreas deprimidas .
    • Correspondem a 80% da área dos continentes e é nelas que foi encontrada a maior parte do material fóssil.
  • 229.  
  • 230. Depósitos Sedimentares
  • 231.
    • Incluem algumas fontes minerais mais valiosas do planeta. Muitos depósitos são formados pela segregação química e física decorrentes de processos sedimentares.
  • 232. Depósitos sedimentares formados pela sedimentação química
  • 233.
    • Os depósitos de origem sedimentar química incluem aqueles formados pela precipitação de compostos, tais como os calcários, os evaporitos e os fosforitos.
    Calcário Fosforitos
  • 234. Depósitos de evaporitos
  • 235.
    • São formados quando a água do mar , em canais isolados e baixos de regiões áridas, ou de uma bacia oceânica restrita, evapora mais rapidamente que seu reabastecimento , através de conexões com o mar aberto.
  • 236. Depósitos sedimentares : Fontes de metais
  • 237.
    • Os depósitos sedimentares são também fontes importantes de metais. Um exemplo desses metais são o cobre e o ferro, mas podendo ser encontrados outros metais.
    Ferro Cobre
  • 238.
    • Depósitos sedimentares formados por sedimentação física
  • 239.
    • Os principais depósitos formados pela concentração mecânica de minerais, resistentes ao intemperismo físico e químico das rochas, são os pláceres . ( depósito de materiais pesados ).
  • 240.
    • Muitos depósitos ricos em minerais pesados, tais como ouro, a cassiterita, a magnetita e ilmenita, são encontradas em pláceres.
    Ilmenita Magnetita Cassiterita
  • 241.
    • Os principais minerais encontrados em pláceres são minerais de estanho, platina, nióbio, tântalo, zircônio, ouro e elementos terras raras, além de diamante.
    Nióbio Elementos terra Zircônio Ouro
  • 242.
    • No Brasil têm-se os depósitos ricos em Ilmenita, Rutilo, e magnetita em Bojuru, na planície costeira do Rio Grande do Sul, e os depósitos de Almandina, Rutilo e Monazita em Guarapari, no Espírito Santo.
    Bojuru Guarapari
  • 243. Depósitos Residuais
  • 244. São formados por processos intempéricos que ocorrem sobre a superfície terrestre.
  • 245. Minerais encontrados em Depósitos Residuais Ouro Magnetita Nióbio Ganierita Anatásio
  • 246. Perdas com a Erosão
  • 247. Desmatamento
  • 248. Queimadas
  • 249. Solo após uma queimada
  • 250. Uso Inadequado do Solo
  • 251. Uso intensivo de maquinas pesadas
  • 252.  
  • 253. Uso Inadequado
  • 254. Reconstituição
  • 255.  
  • 256. Compactação do solo
  • 257. Comparativos de Solos
  • 258.
    • Classe 1: terras cultiváveis aparentemente sem problemas de conservação; são as áreas planas;
    • Classe 2: terras aptas para agricultura que exigem trabalho de conservação; são os terrenos pouco
    • inclinados;
    • Classe 3: terras cultivavéis com grandes exigências de conservação; são terrenos inclinados;
    • Classe 4: terras muito inclinadas cultivadas apenas ocasionalmente, exigindo grande trabalho de
    • conservação; são as encostas íngremes;
    • Classe 5: terras cultivavéis apenas em casos especiais e com culturas permanentes, as quais, uma
    • vez estabelecidas, exigem pouco trabalho de conservação, como é o caso dos reflorestamentos ou
    • pastagens;
    • Classe 6: terras de difícil cultivo devido à grande presença de pedras e ao relevo montanhoso;
    • Classe 7: terras onde as restrições para o cultivo anual são totais; são terras altamente
    • susceptíveis à degradação pela erosão;
    • Classe 8: terras impróprias para culturas anuais, pastagens e reflorestamento, sendo utilizadas
    • apenas para abrigo da fauna silvestre, preservação, recreação e armazenamento de água.
  • 259. Praticas Adequadas
  • 260. Machu Pichu – Peru Agricultura Planejada
  • 261. Adubação Verde
  • 262. Plantio Agrícola
  • 263. Cultivo Mínimo
  • 264. Plantio direto na palha
  • 265. Cultivo em faixas
  • 266. Uso de Terraços
  • 267. Uso de Patamares
  • 268. Patamares Quinta Dela Rosa, Porto Portugal
  • 269. Uso de plantas leguminosas
  • 270. Rotação de Culturas