Your SlideShare is downloading. ×
Profetismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Profetismo

9,867
views

Published on

Um estudo do profetismo bíblico à luz dos principais teólogos no Antigo Testamento, com espaço para algumas reflexões pessoais a título de ensaio teológico.

Um estudo do profetismo bíblico à luz dos principais teólogos no Antigo Testamento, com espaço para algumas reflexões pessoais a título de ensaio teológico.

Published in: Spiritual

0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,867
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
322
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PROFETISMO HEBREU A Relevância do Profetismo Hebreu para o Ministério da Igreja. Pf.Mtr. Eduardo Sales de Lima Coordenador CETAD-Maringá
  • 2. Programa da Matéria
    • 1) Características do movimento Profético no Antigo Testamento.
    • 2) Ofício Profético no Antigo Testamento.
    • 3) A Teologia dos Profetas do Antigo Testamento.
  • 3. Características Do Movimento Profético
    • O Profetismo iniciou na Síria, Palestina e Mesopotâmia.
      • Os profetas de Baal – I Rs 18:19.
      • É um fenômeno internacional Jr 27:9
      • Na Suméria o Profeta é visto como o Homem que penetra o céu. Possui característica extática: (êxtase - Sair de si 1Rs 18:19; 2Rs 10:19), Teve como instrumentos a Necromancia (Estudo dos mortos), vôo dos pássaros, estudo dos astros, e sortes – Ez 21:26;I Sm 14:40ss; 28:6; Pv 16:33.
      • É descrito nos documentos de Mari XVIII – como “ Apilum” – aquele que responde, e “ Muhhutum” – profetiza.
  • 4.
    • O Profetismo no Antigo Israel:
      • Forma extática.
      • Nabi – aquele que foi chamado.Também conhecido como Rozeh o vidente.
      • Possuía vida nômade. As Escolas de profetas marcaram a primeira época da profecia em Israel. Is 8:16;30:8; Jr 36.
    •   Profetas profissionais do culto :
      • Fundiram o Nabi com o rozeh.
      • Pregavam a Benção e a Salvação.
      • Seu tema principal é “a eleição do povo conduz os indivíduos a Deus, ainda que pela punição”.
      • Outro tema importante é a exaltação de Israel: “Os inimigos sempre serão aniquilados e Israel será salvo. Jr 14:13”.
    Características Do Movimento Profético
  • 5.
    • Profetas da Corte:
      • Falam o que o rei quer ouvir IReis 22:8-18; ISm 10:1, 24; 16:12-13.
      • Conselheiros do rei 1Sm 22:5; 2Sm 24:11-19; 1Rs 11:29-31.
      • Quando a política se desviou dos planos de Deus, a profecia mudou seu discurso e passou a criticar o rei.
        • Inimigos, IRs 21:20; 18:17.
        • Perseguidos IRs 18:13; 19:10; Jr 18:18; 26:11.
        • Divisão: Profetas reais, ou da corte e profetas por vocação e chamado, independentes. Jr 28:1-17. 14:13-16; 23:9-40; 28:9; Ez 33:30-33; Jr 17:15; 12:1.
    Características Do Movimento Profético
  • 6.
    • Profetas individuais ou anônimos - .
      • Amós, Oséias, Isaias, Miquéias, Sofonias, Jeremias e Ezequiel. Vocacionados e não profissionais.
      • Vêm o homem numa condição de abandono de Deus, recusando entregar-se a Ele, revoltado.
      • Esperam a punição. (O dia do Senhor)
      • Apontam a possibilidade de perdão e de uma nova salvação. “Ruína ou salvação”.
      • O Tema é a conversão.
      • A salvação, para esses profetas trata-se de uma transformação radical, interior e exterior.
    Características Do Movimento Profético
  • 7.
    • Profetismo Escatológico :
      • Reinterpretam os profetas individuais.
      • Inicia-se com o Isaias, seguido de Daniel, Joel, e a apocalíptica judaica.
    • Estágios Proféticos:
      • Deus se apossa interiormente da pessoa.
      • O Espírito ou a palavra de Deus vem sobre o profeta. Is 6:8 audição.
      • O profeta não perde a consciência. O Profeta procede à interpretação e explanação de acordo com a fé em que vive. Acréscimo de imagens, ilustrações poética, que marcam o estilo do profeta.
    Características Do Movimento Profético
  • 8.
    • Abraão, Moisés, Débora, Aarão, todos foram chamados de profetas. Gn 20:7; Ex 7:1; Dt 34:10; Jz 4:4.
    • Jeremeias e Isaias não são chamados de profetas.
    • Amós rejeita ser chamado de profeta Am 7:14.
    • Em Ageu e Zacarias, após o exílio, vemos que o ofício profético foi reconhecido socialmente Ag1:1, Zc1:1, e já passaram a ser chamados como “Antigos Profetas” Zc 1:4.
    • Como o povo via os profetas? Como doidos, ou tolos 2Rs 9:11; Os 9:7. Será que alguém queria ser profeta? E hoje, as pessoas anseiam por ser profetas?
    Conclusão: O que é o Profeta?
  • 9. Conclusão: O que é o Profeta?
    • Os profetas foram pessoas que se levantaram em momentos de crise social.
      • Surgem em grupos ISm 19:20; IRs 2:3,
      • Chamam-se filhos de profetas IRs 20:35,
      • Líderes que presidiam suas reuniões ISm 19:20;
      • Viviam em comunidades 2Rs 4:38-41;
      • Alguns eram casados 2Rs 4:1;
      • Sustento por esmolas e doações 2Rs 4:8,42;
      • Vestimentas, mantos de pele e cinturão de couro 2Rs 1:8; Zc 13:4; sinais e cicatrizes na testa 1Rs 20:41;
      • Cantavam, soltavam gritos e lamentações 1Sm 10:6-9; Mq 1:8; chegavam até a cair por terra, prostrados ou desmaiados 1Sm 19:24; Dn 8:18,27. Entravam em transe 1Sm 19:24;
  • 10. OFÍCIO PROFÉTICO
    • Qual era a natureza do ofício profético?
      • Consultados para resolver problemas de Saúde (IRs 17:17-18) Insalubridade da água (2Rs 2:19-22), perda de um jumento (ISm 9:1-10), defesa de território (Nm 22:2-6), etc...
    • Ofício Profético: Entre Deus e os homens.  
      • O profeta deve possuir profunda experiência com Deus .
        • Rendimento à presença de Deus (Is 52:6; 58:9; 65:1)
        • Retoma os critérios da aliança, as dádivas de Deus para com seu povo (Dt 32:10-11) e a exigência de Fidelidade à Aliança (Eu sou o Senhor teu Deus que te tirou da terra d Egito) O profeta torna-se o defensor da aliança, lembrando o povo de seu compromisso, ser uma nação santa (Ex 19:9).  
  • 11. OFÍCIO PROFÉTICO
    • O profeta também deve possuir profunda experiência com o homem .
      • Experiência do pecado. (Is 6:5).
      • Sensibilidade.
      • O pobre, os órfãos, as viúvas, os estrangeiros, os escravos, as injustiças sociais, e a aliança havia se rompido. (Dt 15:1-11; Lv 25:35-43; Is 1:6-7; Jr 30:12-15; 14:17-18)
    • Intercessor dos oprimidos:
      • Na defesa dos pobres relembrava a aliança e o compromisso assumido pelo povo.
      • Enfrentavam o Governo Jr 21:11-14;22:13-19; o Comércio Am 8:4-8; o Tribunal Mq 3:9-12; o Trabalho Hb 2:9-12; o Sacerdócio e o Culto Os 4:4-14.
  • 12.
    • Mensagem Profética:
      • A memória do passado.
      • A profecia é uma leitura da história. É a ação de Deus na história a fonte da profecia. Ez.14:8; 32:15; Is 45:3.
      • Conversão hoje – conseqüência amanhã. Dt 30:2; Is 6:10; Jr 18:8; Ez 3:19.
      • Assim disse Javé.
      • Crítica ao culto –Am 4:4; 5:5,21; Os 8:11; Is 1:15;Jr 14:11
      • Falsos profetas – Is 29:7ss, Miq 3:5; Jr 6:13
      • Critica social – Am 2:6ss; 3:10; Os 4:1ss; Is 5:7; Jr 22:15
      • Critica a autoconfiança religiosa – Am 3:2; 9:7; Is 6:9; Is 1:4; Ez 15:1-6.
    OFÍCIO PROFÉTICO
  • 13.
    • Profecia Histórica x Lunática.
    • Profetas Anteriores
      • Samuel – Teologia da Vida com Deus ISm15:22.
      • Os Profetas e o Templo 1Rs 8:20-21; Jr 26:12.
        • Outros Santuários: Siló, 1Sm 1; Dã Jz 18:29; Siquem Jz 24; Betel Gn 28:19; Gilgal Jz 2:1; Hebron Gn 23:1; Berseba Gn 21:33;
      • Centros religiosos e comerciais. Jz 9:4, a referência a um depósito de prata. Davi traz a arca para Jerusalém.
      • Ninguém poderia ir de mãos vazias Ex 23:15; Ne 10:33-44, 2Rs 12:5-6. No templo estavam todas as escrituras.
      • Crítica ao culto - Casa de Oração e Covil de Ladrões.
      • Crítica Social. Revolucionários.
    A TEOLOGIA DOS PROFETAS
  • 14. Profecia Messiânica
    • Multiplicidade e Antropocentrismo.
    • Não apenas no otimismo profético, mas na denuncia, na preservação da aliança e no chamado à conversão.
    • Responsabilidade presente, olhando para a aliança e os erros do passado, pensando num resultado futuro.
    • Já as mensagens antropológicas não olham para o passado, quão pouco para o futuro.1Rs22:8
    • A profecia messiânica possui clara noção do passado. Meu povo que se chama pelo Meu nome”. Da aliança e das obrigações da promessa.
  • 15. Entendendo a Profecia Messianica.
    • São as necessidades e aflições , as marcas fundamentais da profecia messiânica, Is 53.
    • A conversão e prática da aliança são testemunhas e tipos messiânicos.
    • A profecia é o poder do reino messiânico que adentra nossa era .
    • Está apontando, ao mesmo tempo que, envolvida pelo próprio reino do messias.
    • A profecia antropológica não quer vínculos. Está procurando sempre uma nova profecia . Sempre algo que só diga respeito a ele mesmo. Algo que o liberte e suas obrigações e lhe traga mais bênçãos .
  • 16. As Frustrações apontam para era Messiânica.
    • A profecia messiânica não é uma mensagem triunfalista.
    • Dietrich Bonhoeffer utiliza um termo chamado ú ltimo e penúltimo para expressar sua teologia.
    • A Vinda de Jesus é o último.
    • Tudo que precede a isso é o penúltimo.
      • Triunfalismo = Só prega o último. Profecias Lunáticas. Anestésicos. Falam de Deus, mas não estão vinculadas a Deus.
      • Os Profetas e o Penúltimo = A nimar a fé do povo para viver o presente e restaurar a aliança do passado.
  • 17. O cumprimento da Profecia Messiânica.
    • Judaísmo triunfalista: U m messias poderoso que elevaria os judeus ao triunfo sobre todas as nações.
    • Não identificaram o messias. Sua fé era muito triunfalista só pensavam em si mesmos.
    • Jesus viveu o penúltimo e na sua morte, no “fracasso” providenciou o encontro do penúltimo com o ultimo, do presente com o futuro.
    • A profecia messiânica não é trunfalista mas de frustração.
      • Na frustração do humano vemos o poder de Deus (Graça).
      • Triunfalismo = Auto-Justificação x Graça.
      • Teologia do Domínio
  • 18. A Profecia Messiânica Hoje
    • Quando a mensagem concentra-se apenas no “sangue de Jesus” está pregando somente o último. Essa mensagem é lunática, sem contexto histórico e real, serve apenas como anestésico.
    • A Profecia messiânica deve obrigatoriamente encontrar no penúltimo a razão histórica, o contexto ético e moral em que a vida é construída, a aliança para qual encontraremos o cumprimento da promessa no último, no reinado do messias.
    • Muitos crentes vivem como Acabe, interessados apenas no ultimo, sem obrigação com a aliança, ou mesmo como Deus. Querem as bênçãos do último sem compromisso com o messias do penúltimo.
  • 19. Profecia em tempos de Exílio
    • Desenvolvimento Final da Teologia dos Profetas.
    • Na Teologia dos Profetas os conceitos estão ligados.
    • A “ Terra ” com a “ Promessa ”, esta com a “Aliança e Eleição”, esta com a “Justiça Social”.
    • Esses conceitos não existem sozinhos.
    Promessa Aliança Justiça Deus Terra Povo
  • 20. Tempos de Exílio A Profecia em nova Posição
    • Jeremias – Profecia Messiânica
    • 1) Olha pelo povo; 2) Olha para a aliança; 3) Olha para o futuro.
    • Profetas profissionais - Antropocêntricos. Só pensavam no crescimento do reino humano.
    • Quando a mensagem deve mudar de tom?
    • Quando devemos deixar de resistir e nos render?
    • Assim como hoje, no cativeiro babilônico existiam teólogos da prosperidade. Is 42:18-43:2; Jr 29:8-9. Só pregavam Deus apoiando o povo, não lhes importava a aliança, ou a justiça. Sua teologia era de apenas uma ponta, não levava em consideração toda realidade e história do povo.
  • 21.
    • Jeremias: O cativeiro foi a mão de Deus chamando afim de lembra-los da aliança e promessa.
      • Ou Seja, “as pessoas só dão valor quando se perde”.
      • Foi uma teologia completa.
        • olhou para a aliança, para o passado,
        • para a presente condição social do povo,
        • e para o futuro: restaurar o relacionamento com Deus.
    • A redenção só foi possível pela Cruz. O que nos perdoa não é o Sangue de Cristo, o sentido é figurado, mas o que o ele representa: Deus descendo conosco restaurando a aliança para todo que, diante do exílio vê Deus, abandona seu individualismo, e crê na promessa, buscando a restauração da aliança.
    Tempos de Exílio A Profecia em nova Posição
  • 22.
    • Jr 29:13 Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração.
      • É um abandonar-se a Deus.
      • Fim das buscas individuais e triunfalistas.
      • A teologia Messiânica é a Teologia da Aliança.
      • Todo Coração = Toda a Vida.
    • Ao levar o povo para a Babilônia Deus queria os tornar como Abraão:
      • Renovar promessa e a aliança,
      • Buscar de todo coração é o compromisso de não querer lutar, de se render, de encontrar todo triunfo em Deus, de abandonar todas as teologia egocêntricas que só valorizam os homens e seus interesses, e anelar pela justiça de Deus.
    Tempos de Exílio A Profecia em nova Posição
  • 23.
    • È na Teologia do Exílio que encontramos a CRUZ, o penúltimo, que nos outorga a realidade do último, a presença do Reino de Deus, a renovação:
      • A busca pelo novo. Diante do exílio, o retorno ao começo. Os profetas iniciam uma mensagem de busca pelo novo.
        • O novo êxodo Ez 11:14-20,
        • Coração novo e novo Espírito Ez 18:30-31; 36:25-27.
        • Novo nome Jr 33:15-16
    Tempos de Exílio A Profecia em nova Posição