Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto

1,791 views
1,671 views

Published on

Slides da apresentação de defesa de dissertação de mestrado "Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto" por Rodrigo Freese Gonzatto.

Published in: Design
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,791
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
379
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto

  1. 1. Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Candidato Rodrigo Freese Gonzatto Banca de defesa de mestrado – 19/02/2014 Orientador: Luiz Ernesto Merkle
  2. 2. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Recorte temático ● Fundamentos teóricos em Design de Interação. – Relação entre pessoas e artefatos. Problema de pesquisa ● “Como o conceito de amanualidade de Álvaro Vieira Pinto pode contribuir na compreensão das relações entre pessoas e artefatos em Design de Interação?”
  3. 3. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Objetivos de pesquisa ● Geral: Aproximar o conceito de amanualidade de Álvaro Vieira Pinto aos fundamentos em Design de Interação. ● Específicos: – Compreender como a amanualidade é conceitualizada por Álvaro Vieira Pinto; – Resgatar historicamente alguns dos debates sobre fundamentos teóricos da relação entre pessoas e artefatos que, nas últimas décadas, marcaram os campos da IHC e do Design de Interação; – Contrapor o conceito de amanualidade de Vieira Pinto e o conceito de readiness-to-hand de Winograd e Flores;
  4. 4. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Motivação e Justificativa ● Contribuir com a compreensão crítica e reflexiva da transformação social e tecnológica a partir do manuseio de artefatos ● A tradição teórica em Design de Interação não problematiza a contento algumas questões da relação entre pessoas e objetos, como as dimensões existenciais da produção dos artefatos. ● Álvaro Vieira Pinto elaborou extensa reflexão sobre tecnologia, existência e a relação entre pessoas e artefatos, oferecendo ênfase à transformação social pela elaboração da realidade ● O conceito de amanualidade deste filósofo permite diálogo com algumas tradições de fundamentos em Design de Interação, como a fenomenologia e o existencialismo
  5. 5. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Apresentação da estrutura do trabalho e principais aportes teóricos 1. Introdução 2. Tecnologia e Sociedade na perspectiva de Álvaro Vieira Pinto 3. Conceito de amanualidade no Design de Interação 4. Contribuições para o Design de Interação a partir da amanualidade de Álvaro Vieira Pinto 5. Considerações finais e direções para estudos futuros 5. Referências ➢ Ribeiro Junior ➢ Heidegger, Husserl,Vieira Pinto ➢ Cortês, Freitas, Kleba, Azevedo, Bicudo, Ferraz, Schröder, Struchiner, Silva, Zilles, Harman
  6. 6. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Apresentação da estrutura do trabalho e principais aportes teóricos ➢ Winograd & Flores ➢ Harisson, Tatar & Sengers, Bødker Rogers ➢ Dourish, Svanaes, Löwgren & Ehn ➢ Capurro, Karlström 1. Introdução 2. Tecnologia e Sociedade na perspectiva de Álvaro Vieira Pinto 3. Conceito de amanualidade no Design de Interação 4. Contribuições para o Design de Interação a partir da amanualidade de Álvaro Vieira Pinto 5. Considerações finais e direções para estudos futuros 5. Referências
  7. 7. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Considerações metodológicas ● Nosso trabalho segue pontos em comum com metodologia recorrente em estudos críticos/reflexivos (Svanaes, 2000), tais como os de: Winograd e Flores (1987), Paul Dourish (2005) e Lucy Suchman (2007) e outros, especialmente nos que discutem abordagens a partir da fenomenologia e da filosofia da existência (como os dois primeiros) ● Busca se aproximar do contexto de estudos CTS ao abordar as relações entre tecnologia e sociedade no Design de Interação pelo um viés crítico de Álvaro Vieira Pinto
  8. 8. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Considerações metodológicas 1) Resgate histórico do conceito de amanualidade, do pensamento de Vieira Pinto e da discussão de fundamentos em Design de Interação. ● Seguimos as recomendações de Vieira Pinto: – “Conceitos” como dialética entre concreto e abstrato; – Investigação científica de um conceito realizada pela exposição do desenvolvimento da história da ideia, “considerando as manifestações precedentes que a esboçaram e a levaram até sua formulação atual”. (Vieira Pinto, 1969, p.90-91)
  9. 9. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Considerações metodológicas 2) Aproximação e contraposição especificamente entre conceito de amanualidade em Winograd e Flores e Vieira Pinto. 3) Propostas de contribuições aos fundamentos em Design de Interação a partir da amanualidade, considerando a problemática de “Implicações para o Design” (DOURISH, 2006): – Consideramos nosso trabalho de pesquisa como parte dos processo de Design de Interação. – Discussões realizadas como contribuições, não apenas as contribuições finais.
  10. 10. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Álvaro Borges Vieira Pinto (1909-1987): Breve Histórico ● Formado em medicina, foi professor de filosofia e de lógica, além de pesquisador, colunista e tradutor – Traduziu para o português obras de Lukács, Chomsky, Levi-Straus, Jaspers, Berger e Luckmann ● Diretor do Departamento de Filosofia do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB) ● Exílio com o golpe militar de 1964. Retorno nos anos 70
  11. 11. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Amanualidade ● Conceito que trata da relação entre ser humano e objetos ao seu redor (realidade envolvente). – E das questões existenciais desta relações: os modos de ser. ● O ser humano manifesta sua existência por meio da ação de manuseio do mundo ● Conceito proveniente das filosofias fenomenológico- existenciais, discutido principalmente por Heidegger, inspirado em questões propostas por Husserl.
  12. 12. A compreensão husserliana de mundo guarda ecos da noção de “mundo da vida” tal como concebida pelo historicismo de Dilthey. […] Esta concepção conheceu vários desdobramentos teóricos nos mais diversos pensadores [...] É o caso, por exemplo, do conceito de ser-no-mundo de Heidegger, da noção de envolvente em Jaspers, ou do conceito de situação de Ortega y Gasset.” (CÔRTES, 2003, p.254) “
  13. 13. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Amanualidade em Heidegger ● Ser-no-mundo ● Primazia da prática: somos/vivemos em ação Modos de ser: Zuhandenheit (amanualidade), Vorhandenheit (ao-alcance-da-mão) – Modos de ser do Dasein em relação aos entes
  14. 14. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Ser-no-mundo em Heidegger e relação com mundo da vida de Husserl ● Em Heidegger: Zuhandenheit (atitude prática) precede o Vorhandenheit (atitude teórica) ● Em Husserl: o mundo da vida (Lebenswelt) sempre precede o mundo científico ● Mundo da vida como o mundo da experiência, relacionamento com o 'mundo dado', 'já-dado' ● Contexto: Guerras e cientificismo X Filosofia
  15. 15. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Releitura da filosofia fenomenológico- existencial Álvaro Vieira Pinto Releitura do ser-no-mundo: ● é necessário discriminar o duplo aspecto, de ser no mundo e de estar no mundo Releitura do mundo da vida como 'mundo dado': ● o mundo deve ser considerado como 'feito' pelo ser humano, pelo que já foi trabalhado e pelo potencial de transformação constante Releitura da concepção de Ciência: ● A prática é primordial, mas não se opõe à Ciência (conforme conceituada por Vieira Pinto). A situação na realidade desenvolvida é diferente daquela da realidade subdesenvolvida
  16. 16. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Em seu conceito de amanualidade notam-se referências como: ● Ortega y Gasset: situação, “eu sou eu e minha circunstância” o corpo e seu entorno são históricos e inseparáveis: ● Heidegger: ser-no-mundo e questão do ser/existência ● Husserl: fenomenologia, caráter intencional da consciência ● Marx: trabalho, dialética e divisão do trabalho: praxis e transformação da realidade ● Sartre: projeto, liberdade e liberdade Releitura da amanualidade por Álvaro Vieira Pinto
  17. 17. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Amanualidade em Vieira Pinto ● O ser humano manifesta sua existência por meio da ação de manuseio do mundo, assim como em Heidegger. ● A ideia de 'mão' em 'amanualidade': 'agarrar com a mão', 'preensão'. Alcance da mão e ao alcance da percepção sensível, passível de apreensão, ou seja, mais do que a própria mão: – “a mão não é somente o órgão do trabalho, é também o produto do trabalho” (ENGELS, 1952 apud VIEIRA PINTO, 2005 [I], p.189)
  18. 18. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Amanualidade em Vieira Pinto Aspectos da relação entre o ser humano e os objetos ao redor: – Trabalho – Projetos possíveis – Atividade – Acumulação do trabalho – Graus de amanualidade
  19. 19. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Amanualidade em Vieira Pinto Trabalho: ● O mundo se apresenta ao existente humano como espaço de ações possíveis mediante objetos dispostos ao seu redor, a serem tomados como utensílios. ● Trabalho como modo de amanualidade caracterizada pela fabricação de objetos. Os artefatos (entes circunstantes preexistentes à ação) foram feitos. Feitos pelo trabalho e utilizados para o trabalho (mediação) ● Epistemologia: Trabalho como via de acesso à realidade: conhece- se o mundo ao transformá-lo (praxis do conhecer e agir): “não há outro modo de captar o real senão introduzir-se na sua mobilidade (…) o meio único de realizar a união do homem com o mundo é a ação” (VIEIRA PINTO, 1960, p.61)
  20. 20. Esboço de representação visual da dialética entre conhecer e agir no conceito de 'estar no mundo' de Álvaro Vieira Pinto (1960)
  21. 21. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Amanualidade em Vieira Pinto Projetos possíveis: ● O mundo circundante não é apenas espaço para ações possíveis, mas de projetos possíveis ● Projeto como projeto de existência: elaboração de outras condições de existência e novos modos de ser Atividade: ● A ação humana não deve ser entendida apenas em um viés mecanicista ou isolada da atividade ● Assim como a realidade é móvel, a ação (projetos e operações) se dá em atividade. Dialética entre pensar e agir
  22. 22. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Amanualidade em Vieira Pinto Acumulação do trabalho: ● Os artefatos carregam o trabalho coletivo que as gerou ● Os artefatos são criados de forma interdependente, inclusive para atuar uns nos outros Graus de amanualidade: ● Concepção democrática: horizontalização das técnicas ● Existem diferentes gradações de manuseio dos objetos (inclusive Grau zero) cada grau, um modo de ser
  23. 23. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Amanualidade em Vieira Pinto Historicidade e desenvolvimento: ● O mundo é já-feito (e não já-dado) e está sempre em- construção. A amanualidade se dá em um processo histórico. ● O desenvolvimento efetivo é pelo trabalho a partir de um projeto social coletivo (e não apenas individual) Dialética: ● Criação do novo a partir do velho (modo estabilizado de trabalho, repetição que leva ao mesmos resultados) ● Técnica como “mediação na obtenção de uma finalidade humana consciente” e como “memória social do fazer novo” (VIEIRA PINTO, 2005)
  24. 24. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Interrelação entre amanualidade, ação, trabalho, técnica e tecnologia ● Tecnologia como: 1) estudo da técnica, 2) sinônimo de técnica, 3) conjunto de técnicas e 4) ideologia da técnica ● A técnica como aspecto constituinte do ser humano ● Dimensão existencial da técnica ● Consciência crítica e consciência ingênua ● Contradições ● Liberdade como libertação e alienação do trabalho ● Técnica e desenvolvimento: divisão do trabalho e trabalho para si
  25. 25. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Design de Interação ● Termo recente, que indica uma área de práticas e debates acerca da questão da interação em e com artefatos digitais ● Sua formação se dá a partir de contribuições de diversas disciplinas, como Computação, Sistemas de Informação, Design, Psicologia, Ciências Sociais, entre outras ● Possui uma diversidade (crescente) de fundamentos e abordagens teóricas
  26. 26. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Concepções históricas dos fundamentos e teoria em Design de Interação
  27. 27. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Fundamentos em Design de Interação a partir da fenomenologia e do existencialismo 1) Affordances – James Gibson, em sua leitura por Donald Norman, inserido na abordagem de cognição do autor 2) Amanualidade – Heidegger, em sua leitura por Winograd & Flores, que propõe outra concepção de cognição 3) Interação corporificada – Filosofia da Existência, em leitura por Paul Dourish
  28. 28. Sete estágio da ação, modelo de Donald Norman (1986)
  29. 29. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto A amanualidade no Design de Interação via Winograd e Flores ● Leitura de Winograd e Flores a partir da leitura de Dreyfus sobre a amanualidade de Heidegger ● Understanding Computers and Cognition' → crítica à tradição racionalista em Inteligência Artificial – Questionamento às abordagens da época baseadas nas Ciências e Psicologia Cognitiva
  30. 30. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto A amanualidade no Design de Interação via Winograd e Flores ● Conceitos relacionados à readiness-to-hand – Ready-to-hand e Present-to-hand – Unready-to-hand e quebra (breakdown) – Background – Transparência – Ponto cego
  31. 31. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Contraponto entre o conceito de amanualidade em Winograd e Flores e Álvaro Vieira Pinto ● Ações possíveis X Projetos possíveis ● Caracterizações da amanualidade e mudança (modos de ser) – Present e Ready-to-hand (atitude teórica/prática) X Graus de amanualidade (consciência ingênua/crítica) e grau zero ● Situação: ser-lançado e background X em-construção e historicidade ● Transparência e ponto cego X graus de amanualidade e ideologia ● Aspecto existencial da amanualidade: a questão do ser – Mundo como existencial X Tecnologia como existencial
  32. 32. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Contribuições ao Design de Interação Exemplos: 1) 'Interação' como 'manuseio': existência, ontologia e modos de ser ● Ontologia no termo Interação, pelo antropomorfismo (amigável) e substancialização (fácil de usar) → Termo 'manuseio', sem substancializá-lo: atividade situada, em curso, em amanualidade ● 'Se fazer com os artefatos'. Manusear computadores → ser quem manusear computacionalmente a realidade para um fim ● Do uso neutro → Para como computadores são manuseados pelas pessoas que, por exemplo, se fazem escritoras, pesquisadoras, educadoras, designers, mulheres ou mães?
  33. 33. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Contribuições ao Design de Interação Exemplos: 2) Interrelação entre uso e produção ● Exemplo de apropriação do Twitter: – #hastag, @usuario e RT – borra limites 'entre usuário e usuário' (quem usa) e 'a designer ou o designer' (quem projeta) ● A praxis de agir e conhecer pelo manuseio: reconecta dois momentos estudados como opostos, pela divisão do trabalho
  34. 34. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Contribuições ao Design de Interação Exemplos: 3) Manuseio como fenômeno de múltiplas dimensões ● Um clique: compreensão material, situada, sócio-cultural, econômica, política, histórica, existencial, etc. ● quem manuseia, onde manuseia, quando manuseia, como manuseia, porque manuseia, para que manuseia e para quem manuseia? 4)O amanual é histórico: dialética entre novo e velho, passado e futuro ● De Design de Interação como projeto de interfaces que se mudam temporalmente → para projeto de artefatos que mudam temporalmente e historicamente ● Camisetas interativas (computação vestível) na realidade desenvolvida e subdesenvolvida
  35. 35. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Contribuições ao Design de Interação Exemplos: 5) A existência está sempre em construção, sendo feita constantemente pela elaboração dos artefatos ● Da necessidade de se projetar artefatos interativos em virtude da humanidade estar em uma 'Sociedade da Informação' na 'Era da Informática' causada pela 'Revolução Tecnológica' (determinismo) → indivíduos que historicamente lidam com potenciais (possibilidades de projetos) de mudar quem são (sua existência) pela transformação do seu mundo (elaboração de artefatos). ● Busca por 'satisfação do usuário', 'facilidade de uso', ou causar 'experiência do usuário' como desvio de questões éticas, políticas, sociais, culturais, existenciais, etc.
  36. 36. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Contribuições ao Design de Interação Exemplos: 6) Equidade entre diferentes modos de manuseio ● Manuseio de referências em um texto impresso e digital – Diferentes graus de manuseio, que atingem suas finalidades – O digital não é necessariamente melhor, eficaz ou prático. Depende das circunstâncias e da realidade de quem manuseia.
  37. 37. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Contribuições ao Design de Interação Exemplos: 7) O caráter situado da amanualidade e a consciência da situação como amanual ● Exemplo periódicos de acesso pago. Contradição e Acesso Livre 8) A elaboração da amanualidade é realizada em virtude de contradições: o trabalho para si e para o outro como libertação de determinações ● De solução de problemas para consciência das contradições ● Como é um Design de Interação para a libertação? ● Designer como trabalhar e trabalhadora, trabalha para quem? 9) Design de Interação como design para projetos possíveis
  38. 38. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Considerações finais e direções para estudos futuros ● Dificuldades enfrentadas durante a pesquisa: – Dificuldade de acesso às obras de Vieira Pinto – Bibliografia em Design de Interação e IHC em inglês. – Escassos estudos sobre amanualidade e filosofia da existência em Design de Interação, no Brasil ● Limitações desta pesquisa – Trabalhar a especificidade dos artefatos digitais – Exemplos pouco aprofundados
  39. 39. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Considerações finais e direções para estudos futuros ● Estudos futuros: considerar limites e propor contribuições ao próprio conceito de Vieira Pinto – “O conceito de amanualidade pode obscurecer-nos uma face significativa da realidade das coisas, omitindo o fato de serem muitas delas produtos de arte, uniformizando falsamente a objetividade.” (VIEIRA PINTO, 1960 [I], p.69) – Dificuldade em trabalhar aspectos de linguagem e comunicação (ex.: o simbólico)
  40. 40. Banca de defesa – Rodrigo Freese Gonzatto Design de Interação e a Amanualidade em Álvaro Vieira Pinto Considerações finais e direções para estudos futuros Outros potenciais do conceito de amanualidade de Vieira Pinto ao Design de Interação: – Conectar dimensões do indivíduo e da sociedade – Explorar mais a fundo a dimensão existencial em uso e fabricação dos objetos, pelos modos de ser – Trazer aproximações e considerações da amanualidade perante a Teoria da Atividade, o Design Participativo e o Design Crítico – Explorar em profundidade outros conceitos e temas em Vieira Pinto, como sua crítica à cibernética e a teoria da informação
  41. 41. Obrigado a tod@s! Autor: Eduardo Chillida Título: Esku XXI (Mano XXII), Ano: 1979, Técnica: Punta seca Fonte: sítio eletrônico de La Aurora (Galeria de Arte Contemporânea)

×