Aula 002
Aplicativos
PRONATEC
Programa Nacional de Acesso ao
Ensino Técnico e Emprego
PRONATEC
Programa Nacional de Acesso
ao Ensino Técnico e Emprego
1. ANÁLISE DE SISTEMAS
• Sistema em informática é um software para atender a
necessidades específicas de um ou mais usuári...
2. Ferramentas da Análise de Sistemas
• Diagrama de Fluxo de Dados (DFD): um diagrama
estruturado que mostra os processos,...
3. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados
• É um diagrama para representação em rede do
processos (funções) do sistema e dos dad...
3. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados
• O retângulo representa ENTIDADES do
sistema
• As Entidades são externas ao sistema,
...
4. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados
• O círculo representa um processo
• Deve ser numerado de forma
estruturada de 1..N
• ...
5. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados
• Dois traços horizontais de mesmo
tamanho com um nome dentro indica
um arquivo para o...
6. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados
• Uma linha com uma seta direcional na
ponta indicando o fluxo de uma origem
para um d...
7. Diagrama de Contexto
• Para elaborar um DFD a primeira coisa a definir
é o Diagrama de Contexto – Uma única bolha
indic...
8. Diagrama 0
• O diagrama de contexto serve para apresentar
um resumo geral de “O Quê” o sistema faz e
não como ele faz. ...
9. Exemplo de Diagrama 0
1
FAZ PEDIDO
VENDEDOR
PEDIDO
CLIENTE
NOTA-FISCAL
PEDIDOS
2
VALIDA
PEDIDO
3
IMPRIME
NF
PEDIDO-VÁLI...
10. Explodindo outras bolhas
• O analista poderá ir explodindo os níveis das
bolhas em tantos subníveis quantos achar
nece...
11. Descendo mais um nível
2.1
CONFERE
CPF/CNPJ
PEDIDOS
2.3
CONFERE
DÉBITO A
PRAZO
2.1
CONFERE
SPC
• Note que esse exemplo...
12. DER – Diagrama de Entidade e
Relacionamentos
• É um diagrama para representação dos dados do
sistema com a finalidade ...
13. Exemplo de DER
ALUNO
PROFESSOR
MATÉRIACURSON N
N
• Como se lê esse diagrama: Um aluno cursa várias (N)
matérias minist...
14. Atributos
• Os atributos são características importantes
das entidades e podem ser mostradas para
melhorar o entendime...
15. Exemplo de DER com atributos
ALUNO
PROFESSOR
MATÉRIACURSON N
N
• Os atributos “Chave Primária” devem ser
marcados com ...
16. Tipos de Relacionamentos
CURSO MATÉRIATEM1 N
• UM PARA N: um curso tem várias matérias, uma
matéria só pertence exclus...
17. Dicionário de Dados
• É um recurso para descrever todos os dados mostrados
no DFD e no DER de forma mais clara possíve...
18. Exemplo de um DD
• DADOS-MATERIA = (NOME,NOTA-TOTAL)
• NOME = 0{LETRA}50
• LETRA = [a..z,A..Z]
• NOTA-TOTAL = VALOR-RE...
19. Português Estruturado
• Forma de descrever o que acontece dentro de
uma bolha de processo do DFD
• Deve ser feito em u...
20. Exemplo de Português Estruturado
Para cada DADOS-MATERIA faça:
Confirme se NOME está preenchido
Confirme se NOTA-TOTAL...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Aplicativo aula02

125

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
125
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aplicativo aula02

  1. 1. Aula 002 Aplicativos PRONATEC Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego
  2. 2. PRONATEC Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego
  3. 3. 1. ANÁLISE DE SISTEMAS • Sistema em informática é um software para atender a necessidades específicas de um ou mais usuários • Função da Análise de Sistemas: produzir detalhes de um sistema através de diagramas, relatórios, modelos a fim de facilitar a criação dos programas • Tipos de análise de sistemas: tradicional, estruturada, moderna e orientada a objetos • Análise tradicional: produz muitos relatórios descritivos sobre o sistema mas muito redundante e dificulta a manutenção, impossível de ser automatizada • Análise estruturada e Moderna: produzem diagramas, são modulares ficando mais próximas da forma da mente humana trabalhar, facilitam a manutenção do projeto • Análise orientada ao objeto: produz diagramas modulares e pode ser automatizada com uso de ferramentas case que podem até mesmo gerar os programas módulos
  4. 4. 2. Ferramentas da Análise de Sistemas • Diagrama de Fluxo de Dados (DFD): um diagrama estruturado que mostra os processos, os arquivos, as entidades externas e o fluxo de dados e tarefas entre os elementos do sistema • Diagrama de Entidade – Relacionamento (DER): mostra a estrutura do banco de dados a ser criado para o sistema facilitando a criação das tabelas do BD • Dicionário de Dados(DD): contem informação de todos os dados para o sistema com suas respectivas definições • Português estruturado (PE): forma de descrever as ações de um processo a fim de facilitar na programação, muito mais parecida com a linguagem humana que a do computador
  5. 5. 3. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados • É um diagrama para representação em rede do processos (funções) do sistema e dos dados que ligam esses processo. • DFD – mostra o que é feito e não como é feito • É estruturado começando do nível mais elevado e descendo para maiores detalhes • É gráfico podendo ser automatizado por softwares • O primeiro diagrama sempre é chamado de “Diagrama de Contexto” • O DFD é uma ferramenta para apresentar ao usuário tanto quanto aos programadores, logo deve ser de fácil entendimento para ambos
  6. 6. 3. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados • O retângulo representa ENTIDADES do sistema • As Entidades são externas ao sistema, geralmente usam o sistema como usuários, setores, departamentos, empresas • Um nome deve ser inserido dentro do retângulo para indicar qual entidade ele representa • Não deve ser numerado uma vez que não é o objetivo do DFD ENTIDADE
  7. 7. 4. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados • O círculo representa um processo • Deve ser numerado de forma estruturada de 1..N • Um nome deve ser inserido dentro do círculo e deve indicar uma ação bem definida sem ser repetitiva • Também conhecido no diagrama como “bolha” • Uma bolha pode ser “explodida” e gerar subdiagramas DFD que juntos comporão o resultado da bolha original 1 PROCESSO
  8. 8. 5. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados • Dois traços horizontais de mesmo tamanho com um nome dentro indica um arquivo para o sistema • Um arquivo pode ser uma pasta de documentos, uma gaveta com papéis, uma pessoa, um setor, depende da análise feita • Um arquivo pode receber e enviar dados aos processos, mas são passivos, não denota ação somente servem para conter dados • Não precisam ser numerados, embora possam ser se melhorar o entendimento ARQUIVO
  9. 9. 6. DFD – Diagrama de Fluxo de Dados • Uma linha com uma seta direcional na ponta indicando o fluxo de uma origem para um destino é o Fluxo de Dados • Pode ligar: dois processos, um processo e um arquivo, uma entidade e um arquivo, uma entidade e um processo. • ATENÇÂO: nunca ligue arquivo com arquivo sem ter processo ou entidade entre eles • Fluxos de dados que saem de arquivos não precisam ser nomeados uma vez que o arquivo já diz o que são DADO
  10. 10. 7. Diagrama de Contexto • Para elaborar um DFD a primeira coisa a definir é o Diagrama de Contexto – Uma única bolha indicando toda a função do sistema com as entidades envolvidas que trabalham com o sistema e os principais fluxos de dados iniciais VENDAS VENDEDOR PEDIDO CLIENTE NOTA-FISCAL Sistema de Vendas
  11. 11. 8. Diagrama 0 • O diagrama de contexto serve para apresentar um resumo geral de “O Quê” o sistema faz e não como ele faz. O objetivo da Análise é sempre descrever “o quê” e não “o como” • Explodir o Diagrama de Contexto significa detalhar um pouco mais internamente o funcionamento do sistema • O Diagrama Zero, sempre é a explosão da bolha do Diagrama de Contexto
  12. 12. 9. Exemplo de Diagrama 0 1 FAZ PEDIDO VENDEDOR PEDIDO CLIENTE NOTA-FISCAL PEDIDOS 2 VALIDA PEDIDO 3 IMPRIME NF PEDIDO-VÁLIDO • Note que o Diagrama zero tem os mesmos fluxos de dados de entrada/saída do Diagrama de Contexto – isso é o Balanceamento. Diagrama 0: Sistema de Vendas
  13. 13. 10. Explodindo outras bolhas • O analista poderá ir explodindo os níveis das bolhas em tantos subníveis quantos achar necessário • Um subnivel sempre começa com o número da bolha pai, um ponto e outro número indicando sua sequência • Todos os fluxos de entrada e saída em um diagrama devem corresponder aos mesmos fluxos de entrada e saída da bolha pai mantendo o balanceamento • Cada bolha poderá gerar outro diagrama pela sua explosão, bastando para isso a necessidade de maior esclarecimento do processo
  14. 14. 11. Descendo mais um nível 2.1 CONFERE CPF/CNPJ PEDIDOS 2.3 CONFERE DÉBITO A PRAZO 2.1 CONFERE SPC • Note que esse exemplo é muito incomum, sem fluxo de saída de dados, porque todos os processos estão mantendo um arquivo atualizado 2.4 CONFERE FORMA DE PAGTO Explosão da bolha 2: Valida Pedido
  15. 15. 12. DER – Diagrama de Entidade e Relacionamentos • É um diagrama para representação dos dados do sistema com a finalidade de facilitar ao projetista do banco de dados a construção do modelo de dados • É de simples compreensão pois mostra os arquivos como ENTIDADES e a ligação entre elas como RELACIONAMENTOS • A Entidade é um arquivo ou tabela que é representado no diagrama por um retângulo • O Relacionamento é a ligação entre as Entidades mostradas como um losango • Para o projetista do banco cada Entidade e cada Relacionamento se tornarão uma tabela • São mostrados no DER como linhas saindo da Entidade (retângulo) com terminadores em pontos negros onde aparecem os seus nomes
  16. 16. 13. Exemplo de DER ALUNO PROFESSOR MATÉRIACURSON N N • Como se lê esse diagrama: Um aluno cursa várias (N) matérias ministradas por vários (N) professores. • Um professor leciona várias (N) matérias para vários (N) alunos • Uma matéria é cursada por vários (N) alunos e ministrada por vários (N) professores • Podemos ler o diagrama de várias formas dependendo do foco a ser tomado
  17. 17. 14. Atributos • Os atributos são características importantes das entidades e podem ser mostradas para melhorar o entendimento do diagrama • Um atributo sempre vai se transformar no projeto em uma coluna (campo) da tabela • Um atributo pode ser “Chave Primária” quando define unicamente a entidade a que pertence não se repetindo seu valor na tabela • Um atributo pode ser “Chave Estrangeira” caso se refira a uma chave primária de outra entidade
  18. 18. 15. Exemplo de DER com atributos ALUNO PROFESSOR MATÉRIACURSON N N • Os atributos “Chave Primária” devem ser marcados com o asterisco * • Somente mostre os atributos relevantes no contexto do sistema não inclua todos pois pode provocar maior dificuldade do que facilitar no entendimento NOME IDENTIDADE* NOME * NOTA TOTAL NOMECPF* DATA INICIAL
  19. 19. 16. Tipos de Relacionamentos CURSO MATÉRIATEM1 N • UM PARA N: um curso tem várias matérias, uma matéria só pertence exclusivamente a um curso ALUNO MATÉRIAFAZN N • N PARA N: um aluno faz várias matérias, uma matéria pode ser feita por vários alunos ao mesmo tempo • IMPORTANTE: Relacionamento 1 Para 1 não existe. Provavelmente se trata de um atributo que foi confundido com Entidade. Pode se tratar de um erro da análise do sistema
  20. 20. 17. Dicionário de Dados • É um recurso para descrever todos os dados mostrados no DFD e no DER de forma mais clara possível para o projetista criar a estrutura do banco de dados • Pode ser tão detalhado quanto se desejar, mas o mais importante é que o Usuário deverá compreender os dados, deverá ver e saber do que se trata no seu ambiente de trabalho • Geralmente começa descrevendo os Fluxos de Dados do DFD e depois as Entidades, Relacionamentos e Atributos do DER com as seguintes simbologias: • 0{}N = indica 0 a várias ocorrências do dado • [,] = indica uma das opções separadas por “,” • (* *) = indica um comentário a parte
  21. 21. 18. Exemplo de um DD • DADOS-MATERIA = (NOME,NOTA-TOTAL) • NOME = 0{LETRA}50 • LETRA = [a..z,A..Z] • NOTA-TOTAL = VALOR-REAL-POSITIVO • DADOS-MATÉRIA-VALIDADOS = DADOS-MATÉRIA • CURSO = 0{ID,NOME}N • ID = VALOR-INTEIRO-POSITIVO • MATÉRIA = 0{ID,ID-CURSO,DADOS-MATERIA-VALIDADOS}N • ID-CURSO = ID (* Chave estrangeira para CURSO *) CURSO MATÉRIATEM1 N 1 CADASTRA MATÉRIA USUÁRIO DADOS- MATÉRIA DADOS-MATÉRIA- VALIDADOS DFD - Curso DER - Curso DD - Curso MATÉRIA
  22. 22. 19. Português Estruturado • Forma de descrever o que acontece dentro de uma bolha de processo do DFD • Deve ser feito em uma linguagem chamada “Português Estruturado” parecido com linguagem de algoritmos. • Não deve entrar muito em detalhes de codificação pois deverá ser vista pelo usuário e ele deverá entender e confirmar o resultado • Deve ser feito para cada bolha de último nível e somente para elas • Toda bolha de último nível deve ter obrigatoriamente uma especificação em PE
  23. 23. 20. Exemplo de Português Estruturado Para cada DADOS-MATERIA faça: Confirme se NOME está preenchido Confirme se NOTA-TOTAL está preenchida e é maior que Zero Confirme se NOTA-TOTAL é menor que 100 Confirme se existe ID-CURSO de DADOS-MATÉRIA em CURSO Se todas verificações forem confirmadas Então Mova DADOS-MATERIA para DADOS-MATÉRIA-VALIDADOS Crie um ID único de DADOS-MATÉRIA_VALIDADOS em MATÉRIA Fim do Se Fim do Para Cada 1 CADASTRA MATÉRIA USUÁRIO DADOS- MATÉRIA DADOS-MATÉRIA- VALIDADOS DFD - Curso PE – Cadastra Matéria MATÉRIA
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×