Seminário - Lucia Santaella. linguagens líquidas na era da mobilidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Seminário - Lucia Santaella. linguagens líquidas na era da mobilidade

on

  • 815 views

Apresentado para a disciplina de Tópicos Especial em Midialogia, ministrada pelo professor Antonio Adami, na Unicamp, 2º semestre de 2013.

Apresentado para a disciplina de Tópicos Especial em Midialogia, ministrada pelo professor Antonio Adami, na Unicamp, 2º semestre de 2013.

Statistics

Views

Total Views
815
Views on SlideShare
815
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
9
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution-ShareAlike LicenseCC Attribution-ShareAlike License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Seminário - Lucia Santaella. linguagens líquidas na era da mobilidade Seminário - Lucia Santaella. linguagens líquidas na era da mobilidade Presentation Transcript

  • andré, gui, may, mari linguagens líquidas na era da mobilidade lucia santaella
  • a tal da Santaella... tá na Wikipedia bomba no Twitter lattes infinito foi no provocações
  • estatísticas tipo, uns 40 livros publicados corpo editorial de 21 periódicos 108 mestrados, 99 docs par de prêmios
  • estatísticas tipo, uns 40 livros publicados corpo editorial de 21 periódicos 108 mestrados, 99 docs par de prêmios
  • estatísticas tipo, uns 40 livros publicados corpo editorial de 21 periódicos 108 mestrados, 99 docs par de prêmios
  • orientações hrenatoh, mestrado (1994) e doc (2001) adami, pós-doc (2009) paulo de laurentiz, doc (1988) cara do lab do ia
  • seminário 0. introdução 1. os múltiplos sentidos do pós-humano 2. o fim do estilo na cultura pós-humana 3. subjetividade e identidade no ciberespaço
  • metodologia todos nós falamos. o adami falará. falem vocês também. (é sério!)
  • metodologia [2] ela é BEM organizada. seguiremos a estrutura. traremos exemplos. slide tá on-line.
  • bora lá! <introducao>
  • modernidade líquida bauman nos diz que agora tudo está em permanente estado de desmontagem, sem nenhuma perspectiva de permanência
  • lipovetsky e serroy feelings lance da grande desorientação falta de pontos de referência tal da hipermodernid ade
  • metáfora velha resgate histórico do termo “arquiteturas líquidas no ciberespaço” 1991, Marcos Novac artista pioneiro. zas.
  • só que não 3 resultados no google, pode até ter sido massa mas não teve tanto eco
  • várias paradas sloterdijk (2004) espumas esferas globos guattari (1996) fugacidades nomadismo desterritorialização
  • várias paradas maffesoli (1997) territórios flutuantes realidade porosa guattari (1996) fugacidades nomadismo desterritorialização sloterdijk (2004) espumas esferas globos deleuze (1997) não o termo mas o sentido
  • à procura da metáfora perfeita “As metáforas tendem a figurar, a tornar visível, o que se move, combina ou mescla.” - CANCLINI, p. 53
  • e aí, deleuze? antigas certezas sobre corporalidade corpo sem órgãos presença mediada ubiquidade
  • WTF, corpo sem órgãos? o que somos nós, então????????? corpos materiais??????? pura dinâmica e transparências? (?) a que universo pertencemos?????/ à biologia ou à cultura?????? comparáveis aos ovos?? sem forma?? irrealizados?? líquidos?? imersos em representações líquidas e fugidias?? são formas de vida que viraram signos??
  • muniz sodré 4o bios midiatização esfera dos negócios tecnocultura
  • muniz sodré 4o bios midiatização esfera dos negócios tecnocultura
  • muniz sodré 4o bios midiatização esfera dos negócios tecnocultura
  • objetivo do livro autores classe a, mas nenhum fala diretamente da linguagem, o âmago da nossa constituição humana
  • tese (?) geral “este é o desaparecimento progressivo dos obstáculos materiais que até agora bloqueavam os fluxos dos signos e das trocas de informação” (25) pós-material?
  • trilogia acidental Cultura das mídias (1996) Cultura e artes do pós-humano (2003) cap1: síntese / continuação / detalhamento
  • foco da atenção: o foco da atenção, neste Linguagens líquidas na era da mobilidade, está voltado para o afluxo avassalador dos signos, para a exacerbada dilatação que tende ao infinito das bordas difusas do ciberespaço e para as novas órbitas de circulação das linguagens agora inexoravelmente atreladas aos corpos em movimento. Muito mais que revoluções da informação e comunicação, …
  • bla bla bla o foco da atenção, neste Linguagens líquidas na era da mobilidade, está voltado para o afluxo avassalador dos signos, para a exacerbada dilatação que tende ao infinito das bordas difusas do ciberespaço e para as novas órbitas de circulação das linguagens agora inexoravelmente atreladas aos corpos em movimento. Muito mais que revoluções da informação e comunicação, … o foco da atenção, neste Linguagens líquidas na era da mobilidade, está voltado para o afluxo avassalador dos signos, para a exacerbada dilatação que tende ao infinito das bordas difusas do ciberespaço e para as novas órbitas de circulação das linguagens agora inexoravelmente atreladas aos corpos em movimento. Muito mais que revoluções da informação e comunicação, … o foco da atenção, neste
  • bla bla bla o foco da atenção, neste Linguagens líquidas na era da mobilidade, está voltado para o afluxo avassalador dos signos, para a exacerbada dilatação que tende ao infinito das bordas difusas do ciberespaço e para as novas órbitas de circulação das linguagens agora inexoravelmente atreladas aos corpos em movimento. Muito mais que revoluções da informação e comunicação, … o foco da atenção, neste Linguagens líquidas na era da mobilidade, está voltado para o afluxo avassalador dos signos, para a exacerbada dilatação que tende ao infinito das bordas difusas do ciberespaço e para as novas órbitas de circulação das linguagens agora inexoravelmente atreladas aos corpos em movimento. Muito mais que revoluções da informação e comunicação, … o foco da atenção, neste H H A ! H H H
  • foco da atenção: o foco da atenção, neste Linguagens líquidas na era da mobilidade, está voltado para o afluxo avassalador dos signos, para a exacerbada dilatação que tende ao infinito das bordas difusas do ciberespaço e para as novas órbitas de circulação das linguagens agora inexoravelmente atreladas aos corpos em movimento. Muito mais que revoluções da informação e comunicação, … o foco da atenção, neste Linguagens líquidas na era da mobilidade, está voltado para o afluxo avassalador dos signos, para a exacerbada dilatação que tende ao infinito das bordas difusas do ciberespaço e para as novas órbitas de circulação das linguagens agora inexoravelmente atreladas aos corpos em movimento. Muito mais que revoluções da informação e comunicação, … o foco da atenção, neste
  • </introducao> <cap1>
  • 1. Os múltiplos sentidos do pós-humano Pós-humano?
  • Prefixo pós: “O prefixo ‘pós’ leva a entender que o humano se foi, para ceder passagem a algo que lhe é distinto e desconhecido” Pós-modernidade: o grande tema da década de 80. A Condição Pós-moderna, Jean-François Lyotard, 1979.
  • A emergência do pós-humano “A tecnologia dos anos 1980 cola-se à pele, responde ao toque: o computador pessoal, o walkman, o telefone portátil, as lentes de contato. Alguns temas centrais emergem repetidamente no ciberpunk. O tema da invasão dos corpos: membros prostéticos, circuito implantado, cirurgia plástica, alteração genética. O tema ainda mais poderoso da invasão da mente: interfaces cérebrocomputador, inteligência artificial, neuroquímica – técnicas que radicalmente redefinem a natureza da humanidade, a a natureza do eu… Sendo híbridos eles mesmos, os ciberpunks são fascinados pelas interzonas.
  • Ciberpunk Termo de 1983. Neuromancer, 1984, William Gibson “refere-se ao casamento da subcultura high-tech com as culturas marginalizadas das ruas, ou à tecnoconsciência e à cultura que fundem tecnologia de ponta com a alteração dos sentidos, da mente e da vida presente nas subculturas boêmias.”
  • Corpos pós-humanos Outros Corpos - Feminismo. Deslocar identidades e orientações. “Manifesto ciborgue: ciência tecnologia e feminismo-socialista ao final do século XX”, 1985, Donna Haraway. Santaella: corpo biocibernético.
  • A Condição Pós-humana História, concebida como história social e cronológica está morrendo junto com o homem branco da metafísica ocidental. “Corpos pós-humanos são causas e efeitos das relações pós-modernas de poder e de prazer, virtualidade e realidade, sexo e suas consequências.O corpo pós-humano é uma tecnologia, uma tela, uma imagem projetada; é um corpo sob o signo da Aids, um corpo contaminado, um corpo morto, um corpotecno; ele é, como veremos, um corpo gay.O corpo humano em si não faz mais parte ‘da família do homem’, mas de um zôo de pós-humanidades” (Halberstam & Livingston, 1995, p. 3).
  • Robert Pepperel - http://www.robertpepperell.com/post-human.htm - para marcar o fim do período de desenvolvimento social conhecido como humanismo, de modo que pós-humano vem a significar ‘depois do humanismo’; -- o fato de que nossa visão daquilo que constitui o humano está passando por profundas transformações - o que significa sermos humanos hoje já não é pensado da mesma maneira como era pensado anteriormente -; - refere-se a uma convergência geral dos organismos com as tecnologias até o ponto de tornarem-se indistinguíveis. Para ele, essas tecnologias pós-humanas são: realidade virtual (RRV), comunicação global, prostética e nanotecnologia, redes neurais, algoritmos genéticos, manipulação genética e vida artificial, tudo isso junto deve representar uma nova era no desenvolvimento humano, a era pós-humana”
  • Por um pós-humanismo crítico. “Negar a originalidade das mutações que a tecnociência está atualmente introduzindo, não se pode deixar de considerar que elas estão na linha de continuidade e de aumento de complexidade daquilo que tenho chamado de crescimento dos signos na biosfera como fruto da externalização da capacidade simbólica humana, algo que teve início no momento em que o ser humano se constituiu como tal através da posição bípede e da fala”
  • “Embora sob o disfarce insuspeito da naturalidade, a primeira tecnologia simbólica está no nosso próprio corpo: a tecnologia da fala. … Falar não é natural. Natural é suar, chupar, comer, respirar. Falar, cantar, beijar, chorar e rir são funções separáveis de um mesmo artifício, o artifício da maquinaria simbólica que está instalada em nosso próprio corpo.” Fala -> Artificial. Demais tecnologias, inclusive cibernéticas -> externalização da capacidade simbólica do ser humano. “Para me referir à atual necessidade de repensamento do humano na pluralidade de suas dimensões - molecular, corporal, psíquica, social, antropolófica, filosófica etc - utilizo a expressão ‘pós-humano’”
  • Uma interpretação sui generis do pós-humano (da Santaella) Termo surgiu espontaneamente, na virada da década de 80 e 90. Cruzamento da descoberta Freudiana da pulsão de morte com as descobertas termodinâmicas.
  • 2. O fim do estilo na cultura póshumana
  • Estilo? Do latim stilus, que é? Instrumento para escrever em tábuas de cera. Sentido original advindo da retórica (?) de Aristóteles e da oratória de Quintiliano. Quintiliano – estilo é a vestimenta do pensamento
  • A estilística moderna Estilística como herdeira da retórica clássica Birch (1994) apresenta três modos de entendimento da estilística: a. busca da compreensão do significado de um texto b. atividade de classificação formal de textos, gêneros e períodos literários c. utilização da variação linguística
  • sobre gênero a unidade de análise da cultura de massa mediação fundamental sistema produtivo ⇐⇒ sistemas de consumo formato ⇐⇒ modos de ler, de usar
  • Principais tendências § § § § Estilística e computação Estilística impressionista Estilística estruturalista Etsilística pós estruturalista Definições aproximativas de estilo Expressão, meio e formalidade, traços característicos e desvio da norma
  • Automatização do estilo Novas tecnologias e portando máquinas como extensão do homem e como co-criadoras. Saturação de estilos no pós moderno Há estilos advindos de diferentes tempos e espaços, o que traz uma miscigenação de estilos e, portanto, a morte da ideia de estilo como o marco de um período histórico. Ex. Moda.
  • A autoria ainda é possível na cultura do pós humano? Pós humano surge com a revolução digital e a cibercultura* = dilemas entre interfaces ser humano - máquina * definida por Levi Strauss (1989) como: “conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço”. Sendo ciberespaço “um espaço não físico ou territorial, que se compõe de um conjunto de redes de computadores através das quais todas as informações (...) circulam” (LEVY, 1999). Hibridização - diversos conceitos tornam-se obsoletos, assim como o problema da autoria pelos diferentes modos de produção de conteúdo.
  • Mas… Como saber se ainda existe autoria se não sei o que é um autor? Primeiramente o autor não tinha importância A partir do século XVIII começa criadas regras de propriedade para os textos “A noção de autor constitui um momento forte da individuação na historia das ideias, dos conhecimentos, literaturas, também na historia da filosofia e nas ciências.” (Foucault, 1984) Noção de autor romântico até o fim do século XX - autor como uma unidade estilística
  • A morte do autor Barthes, Foucault = figura do autor não é universal (ex. xamanismo); surge na modernidade com a cultura do indivíduo Barthes - morte do autor com o nascimento do leitor Foucault - autoria como um problema
  • Autorias coletivas e públicas Novas tecnologias = mutação nos conceitos de autoria Processos colaborativos ou cooperativos Ex. Cinema, wikis. Necessidade de repensar autoria a partir do cenário da Produsage (Bruns, 2008)
  • 3. Subjetividade e Identidade no Ciberespaço
  • questionando as questões da identidade identidades são sempre múltiplas?? construção imaginária - ilusória unidade as interpretações da subjetividade “subjetividade distribuída” incerteza existencial, oh céus reinvenção do sujeito a partir da lógica: bio-lógica (lol) sujeito como processo de semiose
  • deleuze e guattari atacam novamente “a subjetividade coletiva é engendrada ‘por componentes semióticos irredutíveis a uma tradução em termos de significantes estruturais e sistêmicos’”... say wut, guattari??? = já não se pode falar de enunciação individuada componentes parciais e heterogêneos multiplicidade humana
  • deleuziando “a espontaneidade de uma ~~mônada~~ é como a de um adormecimento que rola de um lado para o outro em sua cama” seguir labirintos criar novos espaços transversalidade entre planos
  • tudo isso no ciberespaço não há como separar nitidamente o sujeito uno da realidade da subjetividade múltipla do ciberespaço a imprensa fixa determina o sujeito como fixo e estável, mas a liquidez do mundo torna essa teoria inviável “a realidade se tornou múltipla” globalização - 4o bios (muniz sodré)
  • o eu lúdico o advento das mídias distancia os indivíduos dos locais imediatos da vida cotidiana sistema flexível, múltiplo: abrigo de identidades paralelas eu fluido - interação com as máquinas incorporação (e não identificação) multiplicado em bancos de dados, em mensagens eletrônicas, na tv, rematerializado em alguma transmissão eletrônica de símbolos brincar com a verdade