Atps contabilidade basica 2014
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Atps contabilidade basica 2014

on

  • 360 views

contabilidade

contabilidade

Statistics

Views

Total Views
360
Views on SlideShare
360
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
13
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Atps contabilidade basica 2014 Document Transcript

  • 1. LFG POLO LAURO DE FREITAS/BA. GESTÃO PÚBLICA COTABILIDADE BASICA 3ª SERIE CLERISTON FELIX DE JESUS RA 423638 EUVALDO BONFIM DE JESUS DIAS RA 407551 MAYARA SANTANA DE ALMEIDA RA 440012 HUGO DAVID SANTANA (PROFESSOR EAD) GICELIO FRANCISCO BUERI ROCHA (TUTOR PRESENCIAL). LAURO DE FREITAS/BA, 22 DE ABRIL DE 2014.
  • 2. ETAPA 1 / Passo 1 A evolução da contabilidade e seus avanços no Brasil e a harmonia com as normas internacionais. A contabilidade passou por diversas transformações desde tempos muito primitivos onde, Como sempre, o principal objetivo era o controle das riquezas, como relatam variados autores até chegar a ser reconhecida como ciência. Nesse processo, as escolas de pensamento contábil disseminaram teorias que deram origem a vários conceitos que ainda são usadas na organização dos bens das empresas. No Brasil a contabilidade foi se desenvolvendo à medida que o mercantilismo se proliferava país afora. Enquanto a globalização se expandia a contabilidade internacional nasceu da necessidade de uniformizar as normas contábeis numa maneira mais compreensiva para os usuários de diversos países. O Brasil é um deles onde adequação já é uma realidade. Este estudo demonstra através da opinião de um profissional que lida com a teoria e outro com a prática, como as mudanças no cenário contábil estão influenciando seus trabalhos. O desenvolvimento dessa pesquisa reúne dados bibliográficos e um estudo de caso com um questionário com dez perguntas para cada profissional, um voltado para a teoria e o outro para a prática. No fim, é possível identificar que muita coisa. Está sendo modificado no ensino, o professor demonstra que há uma necessidade constante de pesquisas que auxiliem na diminuição de diversidades, por outro lado, o contador aposta necessidade de atualização da profissão procurando formas de se aprimorar para atender a demanda das empresas. Palavras- chave: Contabilidade internacional, empresas, globalização. INTRODUÇÃO Desde o inicio da história da humanidade, a contabilidade já existia, e no decorrer do tempo, vem sofrendo mudanças no sentido cultural, econômico, político, social e científico. Seu desenvolvimento foi contínuo à medida que o homem buscava novas fontes para aprimorar seus conhecimentos.
  • 3. De acordo com relatos de diversos autores, a contabilidade surgiu junto com a história da humanidade, existem indícios do seu surgimento há 4.500 A.C., os povos primitivos dedicavam-se à agricultura e a pecuária e logo foram surgindo as cidades e as atividades comerciais. Devido à ação humana que gera e modifica o patrimônio, concluiu-se que a contabilidade precisava ser tratada como ciência social. O Brasil é um país que abriga muitas dessas histórias e no decorrer do tempo às práticas contábeis nele foram ganhando força e reconhecimento. A contabilidade nesse país também nasceu com o comércio que se iniciou com a chegada da colônia Portuguesa e logo com a abertura dos portos. Inevitavelmente, quando se fala em contabilidade da era moderna, dessa época em que muitas empresas se transformaram em empresas de grande porte estando presentes quase que no mundo inteiro, conhecer a origem da contabilidade ajuda a entender a importância da mesma no processo de tomada de decisão e controle do patrimônio. Fica claro que com a globalização, padronizar os balanços e demonstrações financeiras das empresas favorece o trabalho dos profissionais da área contábil. Nesse momento é que surge o processo de harmonização das demonstrações contábeis brasileiras às normas internacionais. Com a chegada das normas internacionais de contabilidade, o Brasil e outros países buscam proporcionar uniformidade nas demonstrações, gerando redução de custos de muitas empresas, promovendo o mercado, e gerando eficiência e eficácia para as organizações no país. A questão a ser esclarecida neste estudo releva a seguinte pergunta: as mudanças no ambiente contábil estão influenciando os profissionais da teoria e da prática? Como objetivo geral este trabalho analisa e avalia como as mudanças vindas da contabilidade internacional estão modificando as teorias e as práticas contábeis. Como objetivos específicos a pesquisa, identifica os principais fatos que marcaram a história da contabilidade no Brasil e no mundo, mostra a chegada das normas de contabilidade internacional e ainda conhece a opinião dos profissionais que vivem o lado prático e o lado teórico da contabilidade. A relevância desse assunto se justifica pela necessidade de conhecer as origens da contabilidade, identificando as causas de suas mudanças e a necessidade de adequação à contabilidade internacional que é um assunto de extrema importância num momento de convergência. caso que envolve um profissional contábil que atua como professor nessa área é um contador que lida com as
  • 4. práticas contábeis e consultoria. Os mesmo responderam um questionário com dez perguntas cada, onde puderam expor suas opiniões sobre os novos passos da contabilidade e suas experiências profissionais. Etapa1 / Passo2 1- O que é Contabilidade? É a ciência que tem como objeto de estudar o patrimônio das entidades, seus fenômenos e variações, tanto no aspecto quantitativo quanto no qualitativo, registrando os fatos e atos de natureza econômico-financeira que o afetam e estudando suas consequências na dinâmica financeira. 2- Quais os objetivos da Contabilidade? O objetivo principal da Contabilidade, portanto, é o de permitir, a cada grupo principal de usuários, a avaliação da situação econômica e financeira da entidade, num sentido estático, bem como fazer inferências sobre suas tendências futuras. Em ambas as avaliações, todavia, as demonstrações contábeis constituirão elemento necessário, mas não suficiente. Sob o ponto de vista do usuário externo, quanto mais a utilização das demonstrações contábeis se referir à exploração de tendências futuras, mais tenderá a diminuir o grau de segurança das estimativas. Quanto mais a análise se detiver na constatação do passado e do presente, mais acrescerá e avolumará a importância da demonstração contábil. 3- Quem são os usuários da Contabilidade? Os principais usuários da contabilidade são classificados em dois grupos: a) Internos, representados pelos empregados, gerentes, diretores, chefes de unidades produtivas etc. b) Externos representados pelos bancos, fornecedores, governo, sindicatos, acionistas, agências, investidores, institutos, instituições de ensino e estudantes, pessoas físicas, etc.
  • 5. 4- Por que a Contabilidade é importante para toda empresa? A importância da contabilidade se faz necessário para toda e qualquer empresa independente do seu porte, segmento e da sua forma de tributação, Através da Contabilidade a empresa sabe o valor de seus ativos, passivos, receitas, custos e despesas, a rentabilidade e lucratividade do negócio, produtividade da mão de obra e através disso, pode realizar um bom planejamento tributário. ETAPA 2 / Passo 2 Resumos parciais da contabilidade básica entre o grupo. O objetivo da contabilidade pode ser estabelecido como o de fornecer informação estruturada de natureza econômica, financeira e, subsidiariamente, física, de produtividade e social aos usuários internos e externos à entidade objeto da contabilidade. Quais seus principais usuários e suas necessidades? Entre os usuários das demonstrações contábeis, incluem-se investidores atuais e potenciais, empregados, credores por empréstimos, fornecedores e outros credores comerciais, clientes, governos e suas agências, e o público. Quais as características qualitativas das demonstrações contábeis? a) Investidores – os provedores de capital de risco e seus analistas que se preocupam com o risco inerente ao investimento e o retorno que ele produz – eles necessitam de informações para ajudá-los a decidir se devem comprar, manter ou vender investimentos. b) Empregados – Os empregados e seus representantes estão interessados em informações sobre a estabilidade e a lucratividade de seus empregadores. c) Credores por empréstimos – Estão interessados em informações que lhes permitam determinar a capacidade de a entidade pagar seus empréstimos e os correspondentes juros no vencimento.
  • 6. d) Fornecedores e outros credores comerciais – Estão interessados em informações que lhes permitam avaliar se as importâncias que lhes são devidas serão pagas nos respectivos vencimentos. e) Clientes – Têm interesses em informações sobre a continuidade operacional da entidade, especialmente quando têm um relacionamento em longo prazo com ela, ou dela dependem como fornecedor importante. f) Governo e suas agências – Estão interessados na destinação de recursos e, portanto, nas atividades das entidades. Necessitam também de informações a fim de regulamentar as atividades das entidades, estabelecerem políticas fiscais e servir de base para determinar a renda nacional e estatística semelhante. g) Público – As entidades afetam o público de diversas maneiras. Elas podem, por exemplo, fazer contribuição substancial à economia local de vários modos, inclusive empregando pessoas e utilizando fornecedores locais. • São quatro as principais características qualitativas obrigatoriamente presentes nas demonstrações contábeis: Compreensibilidade, Relevância, Confiabilidade e Comparabilidade. h) A Comparabilidade – Uma qualidade essencial das informações apresentadas nas demonstrações é que elas sejam prontamente entendidas pelos usuários. Para esse fim, presume se que os usuários tenham um conhecimento razoável dos negócios, atividades econômicas e contabilidade e a disposição de estudar as informações com razoável diligência. Todavia, informações sobre assuntos complexos que devam ser incluídas nas demonstrações contábeis por causa da sua relevância para as necessidades de tomada de decisão pelos usuários não devem ser excluídas em nenhuma hipótese, inclusive sob o pretexto de que seria difícil para certos usuários as entenderem. i) A Relevância – Diz respeito à influência de uma informação contábil na tomada de decisões. As informações são relevantes quando podem influenciar as decisões econômicas dos usuários, ajudando-os a avaliar o impacto de eventos passados, presentes ou futuros ou confirmando ou corrigindo as suas avaliações anteriores. A
  • 7. Relevância depende da natureza e também da materialidade (tamanho) do item em discussão. j) A Confiabilidade – Exige que a informação seja apresentada da forma mais apropriada possível, retratando adequadamente o que se pretende evidenciar (faithful representation). Para a confiabilidade estar presente é fundamental que seja sempre respeitada a Primazia da Essência Sobre a Farma, ou seja, que, no que se espera sejam raros os casos de não conformidade dos documentos formais com a realidade econômica, que esta última prevaleça nas Demonstrações Contábeis. k) Quanto à Comparabilidade, trata-se de características que permite a melhor visão da evolução da entidade medida sob os mesmos critérios e princípios ao longo do tempo, mas sem que isso leve a não evolução das práticas contábeis; e a comparabilidade também se aplica à adoção das mesmas práticas por empresas semelhantes. ETAPA 2 / Passo 2 Princípios e ideias da contabilidade. Princípio da Entidade- Este princípio reconhece o Patrimônio como objeto da Contabilidade e afirma a autonomia patrimonial, a necessidade da diferenciação de um Patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes, independentemente de pertencer a uma pessoa, um conjunto de pessoas, uma sociedade ou instituição de qualquer natureza ou finalidade, com ou sem fins lucrativos. O Princípio da Continuidade – A continuidade influencia o valor econômico dos ativos e, em muitos casos, o valor ou o vencimento dos passivos, especialmente quando a extinção da Entidade tem prazo determinado, previsto ou previsível. O Princípio da Oportunidade - Refere-se simultaneamente, á tempestividade e á integridade do registro do patrimônio e das suas mutações, determinando que este feito de imediato e com a extensão correta, independentemente das causas que as originaram.
  • 8. O Princípio da Oportunidade exige a apreensão, o registro e o relato de todas as variações sofridas pelo patrimônio de uma Entidade, no momento em que elas ocorrerem. O Princípio do Registro Pelo Valor Original - O componente do patrimônio deve ser registrado pelos valores originais das transações com o mundo exterior, expressos a valor presente na moeda do País, que serão mantidos na avaliação das variações patrimoniais posteriores, inclusive quando configurarem agregações ou decomposições no interior da Entidade: • Os elementos essenciais do Princípio • A expressão em moeda nacional • A manutenção dos valores originais nas variações internas O Princípio da Atualização Monetária - “Art. 8º Os efeitos da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional devem ser reconhecidos nos registro contábeis através do ajustamento da expressão formal dos valores dos componentes patrimoniais: • Aspectos conceituais • Dos Indicadores da atualização O Princípio da Competência - O Princípio da Competência determina quando as alterações no ativo ou no passivo resultam em aumento ou diminuição no Patrimônio Líquido, estabelecendo diretrizes para classificação das mutações patrimoniais, resultantes da observância do Princípio da Oportunidade. • As variações patrimoniais e o Princípio da Competência O Princípio da Prudência - Determina a adoção do menor valor para os componentes do ativo e do maior para os do passivo, sempre que se apresentarem alternativas igualmente válidas para a quantificação das mutações patrimoniais que alterem o Patrimônio Líquido. O princípio da Prudência impõe a escolha da hipótese de que resulte menor patrimônio líquido, quando se apresentarem opções igualmente aceitáveis diante dos demais Princípios Fundamentais da Contabilidade.
  • 9. ETAPA 2 / PASSO 3 Os principais conceitos da Contabilidade. Ativo: bens, direitos e valores a receber de uma entidade, Balanço Patrimonial: Relação ordenada dos ativos, passivos e patrimônio líquido de uma empresa. Bens: coisas capazes de satisfazer as necessidades humanas e possíveis de serem avaliadas economicamente. Contas de Resultado: receitas e despesas representam as variações patrimoniais, permitindo demonstrar o resultado do exercício. Contas Patrimoniais: representam os elementos componentes do patrimônio, elementos ativos e passivos. Demonstração de Fluxos de Caixa (DFC): relaciona o conjunto de ingressos e desembolsos financeiros em determinado período. Demonstração de Lucros / Prejuízos Acumulados (DPLA): evidencia a destinação do lucro líquido apurado no fim de cada exercício social. Demonstração de Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL): representa a movimentação em todas as contas do Patrimônio Líquido em determinado período. Demonstração de resultado do Exercício (DRE): resumo ordenado de receitas e despesas da empresa em determinado período, evidenciando o lucro ou o prejuízo. Despesas: gastos que objetivam a obtenção de receitas, Direitos: valores a serem recebidos em poder de terceiros. Equação Fundamental da Contabilidade: Ativo (A) = Passivo (P) + Patrimônio Líquido (PL). Exercício Social: período de tempo, um ano geralmente, no qual é apurado o resultado no final. Lançamento: meio pelo qual se processa a escrituração.
  • 10. Notas Explicativas (NE): esclarecimentos que complementam as demonstrações contábeis. Obrigações: dívidas ou compromissos assumidos perante terceiros, bem como, bens de terceiros que se encontra na posse da empresa. Passivo: obrigações perante terceiros, Passivo a Descoberto: situação líquida negativa, ativo é menor que o passivo. Patrimônio Líquido: valor aplicado pelos proprietários, a principal conta do grupo é a de Capital Social. Receitas: entradas provenientes de vendas ou prestação de serviços. Regime de Caixa: somente entrarão no DRE as despesas pagas e as receitas recebidas. Regime de Competência: o que vale é a data da ocorrência dos fatos geradores, ou seja, receita menos despesa, independente se as mesmas foram recebidas ou pagas. Resultado Bruto: resultado da atividade principal da empresa, Resultado Líquido, resultado final apurado. ETAPA 3 / Passo 3 Balanço patrimonial. Ativo circulante Caixa R$ 2.600,00 Duplicatas a Receber- R$ 4.100,00 Estoques R$ 5.500,00 Ativo Não Circulante: Ativo Realizável em Longo Prazo: Títulos a Receber em Longo Prazo R$ 11.000,00
  • 11. Ativo Imobilizado: Máquinas R$ 3.700,00 Prédios R$ 3.000,00 Investimentos: Participações em outras empresas R$ 6.455,00 Ativo Intangível: Marcas e Patentes R$ 2.000,00 Passivo: Passivo Circulante: Fornecedores R$ 4.000,00 Salários a Pagar- R$ 5.500,00 Contas a Pagar- R$ 2.000,00 Impostos a Pagar no Curto Prazo R$ 2.600,00 Passivo Exigível Em Longo Prazo Financiamentos a Pagar no Longo Prazo R$ 6.455,00 Títulos a Pagar no Longo Prazo R$ 3.700,00 Patrimônio líquido- capital social R$ 10.000,00 Reserva de Lucros: R$ 4.100,00 ETAPA 4 / Passo 1 Demonstração do Resultado do Exercício É um relatório contábil que, apresenta as receitas, custos, despesas, perdas e ganhos obtidos e suportados pela entidade, assim como as participações no resultado, evidenciando o lucro líquido apurado em um determinado período.
  • 12. Receita operacional Valor obtido na execução da atividade principal da entidade, geralmente proveniente da venda de mercadorias ou produtos, e da prestação de serviços. Receita não operacional. Valor proveniente de eventos não decorrentes da atividade principal da entidade, geralmente em virtude da venda de bens do ativo permanente. Gastos Aquisição de bens e serviços, a vista - desembolso, a prazo - obrigação. Investimento Gasto ativado, ou seja, registrado no ativo. Custo Só existe na produção, cmv e cpv são Despesas com denominações específicas. Despesa Ativo sacrificado ou consumido para a obtenção de receitas. Perda. Ativo consumido de forma anormal e involuntária. Resultado. É o lucro ou prejuízo obtido pela diferença entre a Receita e a Despesa, Resultado = Receitas – Despesas, Resultado - Lucro ou Prejuízo. Demonstrativo DRE Desembolso gasto, obrigação, investimento despesa, custo de perda, ganho, produto, acabado receita, cmvcpvadmcomfin, resultado.
  • 13. DRE Estrutura Receita Operacional Bruta (-) Deduções da Receita Operacional Bruta Receita Operacional Líquida. Receita Operacional Líquida (-) Custo das Vendas e Serviços Lucro Bruto. Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais Lucros Operacionais (+/-) Outras Receitas e Despesas Operacionais. Lucro Operacional (+/-) Resultado Não Operacional Lucro Antes do Imposto de Renda Lucro Antes do Imposto de Renda (-) Provisão para o Imposto de Renda Lucro Depois do Imposto de Renda. Lucro Depois do Imposto de Renda (-) Participações Lucro Líquido do Exercício. Receita operacional Bruta. Receita de Vendas, Receita de Serviços. Deduções da receita operacional bruta. Devoluções de Vendas, descontos Incondicionais ou Comerciais e Abatimentos, Impostos Incidentes sobre vendas, IPI, ICMS, ISS, PIS, COFINS, CUSTO. Custo das vendas e serviços. Custo dos Produtos Vendidos, Custo das Mercadorias Vendidas, Custo dos Serviços Prestados. Despesas operacionais. Despesas Comerciais, despesas Administrativas, financeiras líquidas. Despesas comerciais. Desp. Comissão sobre Vendas, Desp. Veículos de Carga, Desp. Devedores Incobráveis, Desp. Propaganda e Publicidade. Despesas administrativas. Desp. Salários e Ordenados, Desp. Encargos Sociais, Desp. Aluguéis, Desp. com Veículos, Desp. Material Escritório, Desp. Energia Elétrica.
  • 14. Financeiras líquidas. Despesas financeiras, Juros Passivos descontos concedidos, (-) Receitas financeiras, Juros Ativos, Descontos Obtidos. Outras receitas e despesas operacionais. Outras receitas operacionais, ganho na equivalência patrimonial, (-) outras despesas operacionais, perda na equivalência patrimonial. Resultado não operacional. Receitas não operacionais, ganho de capital, despesas não operacionais, perda de capital. Participações. Debêntures, empregados, administradores, parte beneficiarias, fundos de assistência e previdência social de empregados, a base de cálculo das participações é o valor do lucro remanescente após a dedução de cada participação anterior. ETAPA 4 / Passo 2 Separação e Classificação das Contas. Ativo | Passivo | Dre | Caixa R$ 900,00, Banco conta Movimento R$ 5.000,00, Duplicatas a receber R$ 4.600,00, Clientes R$ 6.800,00, Equipamentos R$ 5.000,00, Estoques de Peças de Reparos R$ 6.000,00, Imóveis R$ 13.000,00 |, Fornecedores a Pagar R$ 6.000,00, Capital Social R$ 10.000,00, Duplicatas a Pagar R$ 4.500,00, Lucros Acumulados R$ 3.200,00 |, Custo de Serviços Vendidos R$ 4.500,00, Despesas com Aluguel R$ 600,00, Despesas com Energia Elétrica R$ 300,00, Despesas com Pró-Labore R$ 400,00, Despesas com Propaganda R$ 2.500,00, Despesas com Salários R$ 4.400,00, Despesas com Seguros R$ 400,00, Despesas com Telefone R$ 300,00, Receita com Venda de Serviços R$ 31.000,00. ETAPA 4 / Passo 3 DRE - Demonstração do Resultado do Exercício e apuração do lucro ou o prejuízo. TOTAL
  • 15. Receita com vendas de serviço R$ 31.000,00 (=) Receita operacional liquida R$31.000,00 (-) Custo de Serviços Vendidos R$4.500,00 (=) Resultado bruto R$26.500,00 (-) Despesas Operacionais (-) Despesas de Vendas (-) Despesas Administrativas (-) Despesas Financeiras R$3.100,00 R$5.400,00 R$400,00 (=) Resultado operacional R$17.600,00 Resultado antes do Ir R$17.600,00 Resultado liquido do exercício R$17.600,00 Elaborar o Balanço Patrimonial separando as contas de Ativo e Passivo e transportando para o lugar correto, o lucro ou prejuízo apurado na Dre. Ativo Passivo Circulante caixa R$ 900,00 Banco movimentação de conta R$ 5.000,00 Cliente R$ 6800,00 Duplicatas a receber R$ 4.600,00 Total do circulante R$ 17.300,00 Não circulante mobilizado R$ 24.000,00
  • 16. Total do não circulante R$ 24.000,00 Circulantes fornecedores R$ 6.000,00 Duplicatas a pagar R$ 4.500,00 Total do circulante R$ 10.500,00 Patrimônio líquido capital social R$ 10.000,00 Lucros acumulados R$ 3.200,00 Resultado líquido do exercício R$ 17.600,00 Total do patrimônio R$ 30.800,00 Total do ativo R$ 41.300,00 Total do passivo R$ 41.300,00. ETAPA 4 / Passo 4 Relatório final O objetivo de toda empresa, seja ela pública ou privada é ter um resultado positivo. Uma empresa que está sempre gerando prejuízo dificilmente terá sua continuidade mantida. A demonstração de resultado do exercício é uma forma estruturada de se evidenciar a composição do resultado da entidade, ou seja, é um critério de se organizarem as receitas auferidas e as despesas incorridas no período. Ao apresentar o resultado lucro ou prejuízo, a dre evidencia a riqueza gerada pela entidade num determinado período exercício, sabendo-se que essa riqueza pertence, ao fim das contas, aos acionistas da entidade.
  • 17. O artigo 187 da Lei das Sociedades por Ações disciplina sua apresentação, conforme apresentado no item 4,2,1 do passo 3 da etapa 4, A demonstração é iniciada com valor total de receita apurada na sua prestação de serviços, da qual são subtraídas as deduções da receita e os custos dos serviços vendidos, apurando-se o lucro bruto. O lucro bruto é o valor que a empresa consegue obter após recuperar o custo do serviço prestado. A partir disso, são subtraídas as despesas operacionais segregadas por subtotais conforme sua natureza, isto é despesas com vendas aluguel e propaganda, despesas administrativas energia, salários, seguro e telefone e despesas financeiras pró-labore. Assim sendo, chega-se, desta forma, ao lucro ou prejuízo líquido do exercício. No item 4, 2,2 , do passo 3, etapa 4, foi elaborado o Balanço Patrimonial, item que as companhias abertas tem obrigação de divulgá-lo ao público, assim como as demais peças contábeis, a cada trimestre. O Balanço Patrimonial tem como objetivo mostrar a posição financeira de determinada empresa em um momento específico e informar a capacidade de geração de fluxos futuros de caixa. O Balanço Patrimonial foi elaborado de modo ordenado, dos ativos bens e direitos, passivos obrigações e patrimônio líquido diferença entre os ativos e os passivos dos dados informados. No lado esquerdo ficarão os Ativos e no lado direito, o Passivo e o Patrimônio Líquido. As contas do Ativo representam onde os recursos da empresa foram aplicados, e são representados de acordo com sua ordem decrescente de liquidez ativo Circulante, ou seja, inicia-se com os itens de maior liquidez: caixa, banco, clientes e duplicatas a receber. No final foram colocados os itens que vão permanecer mais tempo na empresa ativo Não Circulante, como por exemplo, o mobilizado: equipamentos, estoque de peças para reparos, imóveis.
  • 18. As contas do Passivo representam a origem dos recursos de terceiros e foram inicialmente separadas considerando a data de vencimento, ou seja, se ela é abaixo ou superior a um ano. Os passivos foram agregados por sua natureza, como, por exemplo, fornecedores e duplicatas a pagar Passivo Circulante. Logo a seguir foi apresentado o Patrimônio Líquido, indicando o capital integralizado, as reservas de lucros ou prejuízos acumulados e reservas de capital. O Passivo Total foi formado pela soma do Passivo, que representa dívidas ou obrigações, e do Patrimônio Líquido, que representa o valor pertencente aos acionistas. O total do Ativo e o total do Passivo + Patrimônio Líquido são sempre iguais, sendo por isto chamado balanço. Daí a equação fundamental da contabilidade, ativo passivo+ patrimônio liquido. Referencias biográficas consultas Osni Moura – Contabilidade Básica, 27ª Edição – São Paulo Editora – Saraiva -2010. Alessandra Cristina – Contabilidade Financeira – SP, Anhanguera Publicações. Artigo Conceito de Contabilidade por Willian Martins, www.wikipedia.com.br www.supremacia.contabilidade.spaceblog.com.br, Iudícibus, Sergio de/ Marion, José Carlos. Introdução à Teoria da Contabilidade para o nível de graduação - 4. Ed - São Paulo: Atlas, 2008, biblioteca nacional (Brasil). Relatório da Diretoria Geral 1984. Rio de Janeiro, 1985, www.sebrae.com.br, www.anhanguera.com/bibliotecas.