Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense, através de tecnologias digitais de geoprocessamento e análise espacial
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense, através de tecnologias digitais de geoprocessamento e análise espacial

on

  • 511 views

Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense, através de tecnologias digitais de geoprocessamento e análise espacial....

Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense, através de tecnologias digitais de geoprocessamento e análise espacial.
Gilberto Pessanha Ribeiro, Artur Willcox dos Santos, Bruno Garbéro Pinna, Marcelo Francisco Moraes.
Universidade do Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminense e GlobalGeo Geotecnologias

Statistics

Views

Total Views
511
Views on SlideShare
509
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

1 Embed 2

https://www.linkedin.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Mapeamento Digital e Monitoramento das áreas de mangues no litoral fluminense, através de tecnologias digitais de geoprocessamento e análise espacial Document Transcript

  • 1. MAPEAMENTO DIGITAL E MONITORAMENTO DAS ÁREAS DE MANGUES DO LITORAL FLUMINENSE, ATRAVÉS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE ESPACIAL Gilberto Pessanha Ribeiro1,2,3 , Artur Willcox dos Santos1, Bruno Garbéro Pinna1,2, Marcelo Francisco Moraes3 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ; 2 Universidade Federal Fluminense; 3 GlobalGeo Geotecnologias; LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA RESULTADOS E DISCUSSÕES O processo de mapeamento digital envolveu em sua interface a manipulação de dados distintos, tanto em sua origem como na utilização por meio de softwares. Estes mapeamentosAPOIO: foram executados com base no sistema geodésico WGS_84, estando em coordenadas geodésicas. Foi adotado o sistema de projeção UTM, fuso 23 (Rio de Janeiro). Neste contexto . está sendo gerado um banco de dados espaciais no sistema SPRING 5.18 (INPE, 2011), um software que trabalha de forma eficaz o processamento digital de imagens. Já na manipulação dos dados originalmente vetoriais, foram criados projetos para produção de mapas e análises, feitas especialmente nos sofware ArcGIS versão 9.3 (ESRI, 2008) e GlobalMapper 12 (Digital Globe, 2011). Estão sendo utilizadas bases cartográficas públicas do IBGE (escala 1/50.000) e Figura 1 – Mapa de Localização dos de outras fontes disponíveis em escalas maiores no processo de validação dosmunicípios litorâneos do Estado do Rio georreferenciamentos das imagens, como Ampla, Vale e INEA. Os módulos RAPELD podem de Janeiro ser vistos nos resultados deste trabalho, divulgados a seguir. INTRODUÇÃO Historicamente ouve-se sobre a necessidade de se conhecer a distribuição e o estado dos mangues no litoral fluminense. Esforços foram concentrados a partir de 2010, com o apoio fundamental da FAPERJ, por meio do Edital 04/2010, no sentido de mapear o litoral com tecnologias digitais de geoprocessamento. Demandas por parte de universidades e órgãos ambientais do governo federal e estadual garantem que a vegetação remanescente de mangue representa indicador importante de biodiversidade envolvendo a vida flúvio-marinha com relação prioritária na conservação de espécies de organismos, e no desenvolvimento de atividades econômicas extrativistas sustentáveis de pesca predominantemente artesanal. Diante da relevante marca dos manguezais representarem alimento o ano inteiro, desde a ocupação pré-histórica do litoral, esses ambientes hoje possuem na costa indicadores que têm respondido de forma expressiva às mudanças do clima. Mapear os mangues e conhecer como os condicionantes astronômicos, atmosféricos, oceanográficos e metereológicos atuam na zona costeira do estado do Rio de Janeiro torna-se imperativo e determinante de estudos de ganhos e perdas para o homem e para a natureza, na busca de entender a "equação" do . equilíbrio teórico dos recursos diante das necessidades humanas, e como essa relação tem feito uso de geotecnologias na potencialização das análises espaciais. Desta forma, e nesse contexto, serão apresentados resultados preliminares do mapeamento digital proposto, com Figura 3 – Mapa com o recorte das zonas de ocorrência de manguezais no litoral da zona oeste foco em arcabouço metodológico consolidado pelos autores, e que tem permitido a obtenção do município do Rio, além de outros municípios do sul fluminense. de resultados inéditos e com o rigor cartográfico exigido em mapeamentos dessa natureza. CONTEXTO GEOGRÁFICO E OBJETIVOS Figura 4– Mapa com o recorte das zonas de ocorrência de manguezais no litoral do norte fluminense. CONCLUSÕES O sistema em desenvolvido e em aperfeiçoamento possibilitará análises espaciais complexas visando identificar fragmentos de remanescentes de vegetação de mangue, localizados no litoral do estado do Rio de Janeiro. O mapeamento preliminar proporcionou uma visão geral, com imagens LANDSAT do ano de 2010, um cenário de ocorrências, com a Figura 2– Mapa do estado do Rio de Janeiro com as zonas de ocorrência de manguezais. limitação prevista da resolução espacial de 30m. Com as imagens das ortofotografias aéreas será possível ter um possível refinamento desse mapeamento, para todo o litoral. O projeto está neste estágio atualmente, especificamente em fase de processamento da segmentação do bloco 1 e contará com descrições importantes de Soffiati (2009) na identificação de ocorrência METODOLOGIA E DESENVOLVIMENTO da vegetação de mangue, na etapa de aquisição amostras. Em seguida será replicado esse processo aos outros blocos. Para controle e monitoramento de aspectos do ambiente físico, a serem posteriormente REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASagregados às análises espaciais, foi desenvolvido um protótipo de um SIG que desse contatambém de aspectos da vegetação de mangue, sua diferenciação, por métodos radiométricos,das vegetações de Mata Atlântica e de restinga, servindo de ferramenta tecnológica aos CRUZ, Z. Q. Mapeamento digital regional do uso e cobertura da terra em unidade degestores públicos, e também aos pesquisadores em estudos ecológicos. conservação a partir de imagens CBERS para apoio a gestão ambiental, Projeto de Graduação, Engenharia Cartográfica (UERJ), 2008. A validação do processo de produção dos mapas temáticos no ambiente SIG contou com GELELETE, G. J. A. Classificação digital de uso da terra e cobertura vegetal de zona costeiraa análise criteriosa do georreferenciamento de imagens LANDSAT para as épocas de agosto e em Araruama (RJ) a partir de imagens sensoriais, Projeto de Graduação, Engenhariade setembro de 2010, e posterior geração de mosaico, onde houve suporte de bases vetoriais Cartográfica (UERJ), 2008.consolidadas por instituições nacionais e estaduais. MAGALHÃES, C. R., MEDEIROS, Y. M., SILVA. A. E. e RIBEIRO, G. P. Plano Urbano Do Complexo Industrial Do Porto Do Açu Com Suporte De Mapas Temáticos Digitais Todo mapeamento digital foi executado com base no sistema de coordenadas UTM (fuso Gerados A Partir De Imagens Sensoriais, Resende, 2008.24, com meridiano central de longitude de 45o W) e no sistema geodésico South America Datum OLIVEIRA, R. D. Modelagem tridimensional da Ilha Grande, Angra dos Reis (RJ), ProjetoSAD-69. Foram gerados documentos cartográficos por meio dos sistemas computacionais de Graduação, Engenharia Cartográfica (UERJ), 2010.especializados GlobalMapper e ArcGIS. PEREIRA, M. F. M. Mapeamento digital de zona urbana em Teresópolis (RJ), adjacente ao Parque Nacional da Serra dos Órgãos (PARNASO), a partir de imagens IKONOS II, Projeto de Graduação, Engenharia Cartográfica (UERJ), 2008. PONZONI, F. J. e SHIMABUKURO, Y. E. Sensoriamento Remoto no Estudo da Vegetação Parêntese Editora, 2007. PINHEIRO, T. C. Mapeamento digital do município de São João da Barra (RJ) com suporte de imagens IKONOS e dados GPS, como requisito para revisão do plano diretor municipal, Projeto de Graduação, Engenharia Cartográfica (UERJ), 2008.