MAPEAMENTO DIGITAL DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO COM IMAGENS                                     WORLDVIEW-2            ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Mapeamento Digital da Zona Oeste do Rio de Janeiro com imagens WorldView-2

681 views

Published on

Mapeamento Digital da Zona Oeste do Rio de Janeiro com imagens WorldView-2.
Gilberto Pessanha Ribeiro, Artur Willcox dos Santos, Bruno Garbero Pinna, Marcelo Francisco Moraes.
Univeridade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminense e GlobalGeo Geotecnologias

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
681
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Mapeamento Digital da Zona Oeste do Rio de Janeiro com imagens WorldView-2

  1. 1. MAPEAMENTO DIGITAL DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO COM IMAGENS WORLDVIEW-2 Gilberto Pessanha Ribeiro1,2,3 , Artur Willcox dos Santos2, Bruno Garbéro Pinna1,2, Marcelo Francisco Moraes3 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ; 2 Universidade Federal Fluminense; 3 GlobalGeo Geotecnologias LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA RESULTADOS PARCIAIS APOIO: A partir da validação dos dados cartográficos, e do processo de modelagem dos dados de apoio, foram produzidos mapas e cartas com a apresentação e indicação de aspectos de padrões de cobertura da Terra. Fig. 3 - Mapa das Unidades de Conservação – porção oeste do Município do Rio de Janeiro Fig. 1 - Área de estudo - zona oeste do município do Rio de Janeiro INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Com o crescimento da zona oeste do município do Rio de Janeiro foi investido nodesenvolvimento do protótipo de um Sistema de Informação Geográfica (SIG) para suporte aosinvestidores e empreendedores com olhos voltados para negócios nos bairros de CampoGrande, Santa Cruz e Guaratiba. Com a implantação de obras de engenharia como o ArcoRodoviário Metropolitano, e a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), estudos têm sido feitosno sentido de investigar e identificar inicialmente os condicionantes ambientais por meio dedados físicos dessa área. Com o propósito de potencializar análises espaciais complexas, optou-se por reunir dados cartográficos que pudessem compor cenários hoje diante dos avanços nocrescimento urbano, permitindo desenvolver aplicações geográficas agregadas a dadossocioeconômicos, compondo parte importante de ferramentas tecnológicas para estudos demercado. Para tal, foram adquiridas, através de projeto de pesquisa formal apoiado pela FAPERJ,imagens do sistema orbital WorldView-2 (Figura 1) que, em conjunto com bases cartográficasvetoriais institucionais, tanto provenientes da Fundação IBGE na escala 1/25.000, como doInstituto Pereira Passos da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro na escala 1/10.000,possibilitando a elaboração de uma base de dados cartográficos, no contexto do sistema ArcGIS. A partir do processamento das imagens WorldView-2, com o auxílio dos sistemas SPRINGe PCI, foi possível obter um mosaico georreferenciado abrangendo esses três bairros da zonaoeste carioca. Classes de uso da Terra e cobertura vegetal foram adotadas no processo demapeamento digital temático, a saber: área úmida; urbana/urbanizada; águas interiores; usoindustrial; propriedade rural; mata ciliar; mangue; floresta alterada; cultura/pastagem; campoantrópico; apicum; afloramento rochoso; e solo exposto. Fig. 4 - Mapa das Unidades de Conservação – porção oeste do Município do Rio de Janeiro Como referências para o SIG esses mapas puderam ser combinados com dadosestatísticos de interesse econômico na área da indústria, com foco no desenvolvimento territorialregional. MATERIAIS E MÉTODOS Fig. 6 – Logradouros Principais Para controle e monitoramento de aspectos do ambiente físico, a serem posteriormenteagregados às análises espaciais, foi desenvolvido um protótipo de um SIG que desse contatambém de aspectos sociais e econômicos, servindo de ferramenta tecnológica aos gestorespúblicos, e também aos empreendedores e investidores locais. A validação do processo deprodução dos mapas temáticos no ambiente SIG contou com a análise criteriosa dogeorreferenciamento de imagens e geração de mosaico onde houve suporte de bases vetoriaisconsolidadas. Todo mapeamento digital foi estruturado com sistema de coordenadas UTM fuso24, com meridiano central de longitude de 45o W) e sistema geodésico South America Datum Figuras 5 e 6: Área reservada e após implantação da indústria CSA.(SAD-69). Identificação da área Geográfica e Escala de Análise A sustentação para a CONCLUSÕES corroboração das hipóteses se baseia nas etapas do arcabouço O sistema desenvolvido possibilitará análises espaciais complexas visando suportar metodológico descrito de forma estudos de pesquisas de mercado, posicionando investidores e empreendedores sobre Aquisição de Aquisição de sintética, onde são identificadas aspectos importantes no estabelecimento de locais para fixação de atividades comerciais e dados sócio- dados as atividades e as fases relativas econômicas. Há no setor terciário e de serviços demandas emergentes. Há na área industrial econômicos cartográficos à elaboração do SIG proposto. necessidades de projetar espaços urbanos em áreas até então degradadas em ambiente rural. Com o crescimento populacional da zona oeste do Rio de Janeiro, é imperativo uso de Crítica e Crítica e Cada etapa encadeada geotecnologias para planos urbanos. Novos pólos populacionais se instalarão, em função da Validação Validação compreende na utilização de CSA. Políticas habitacionais e de assentamento humano coexistindo com unidades de Modelagem de diversos materiais e métodos conservação. Projetos urbanísticos dispararão serviços de pesquisa e análises dos SIG (BDE) Dados que serão empregados para que condicionantes ambientais para promover soluções inteligentes de uso da Terra e de os objetivos e metas sejam aproveitamento dos recursos hídricos. O SIG implementado permitirá ampliar estudos sobre as Mapeamento de atingidos. Procurou-se dividir tais áreas de atuação dos fornecedores dos empreendimentos lá já instalados. Arranjos Produtivos Banco de Dados Uso da Terra e etapas de acordo com os Locais no campo da indústria se utilizarão da ferramenta SIG com dados detalhados e Alfanumérico Cobertura softwares a serem utilizados, a atualizados da zona estudada. Vegetal fim de facilitar a compreensão e SGBD Integrado a execução das tarefas (Integração dos mencionadas. Dados) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GELELETE, G. J. A. Classificação digital de uso da terra e cobertura vegetal de zona costeira em Araruama (RJ) a partir de imagens sensoriais, Projeto de Graduação, Engenharia Consultas e Cartográfica (UERJ), 2008. PEREIRA, M. F. M. Mapeamento digital de zona urbana em Teresópolis (RJ), adjacente ao Atualização Fig. 2 – Arcabouço Metodológico Parque Nacional da Serra dos Órgãos (PARNASO), a partir de imagens IKONOS II, Projeto de Graduação, Engenharia Cartográfica (UERJ), 2008. PINHEIRO, T. C. Mapeamento digital do município de São João da Barra (RJ) com suporte Análise Espacial de imagens IKONOS e dados GPS, como requisito para revisão do plano diretor municipal, Projeto de Graduação, Engenharia Cartográfica (UERJ), 2008.

×