Your SlideShare is downloading. ×
Relação da Vitamina C com o Colágeno
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Relação da Vitamina C com o Colágeno

16,608
views

Published on

Published in: Health & Medicine

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
16,608
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Universidade do Estado do Rio de Janeiro Trabalho de Histologia Prof.ª: Alessandra Alunas: Gizelle Chagas e Ingrid Vianna
  • 2. O Colágeno é uma das proteínas mais importantes do nossoorganismo, ele mantém a união entre os tecidos e constitui 25-30%da proteína total e cerca de 6% do peso total corporal. A Vitamina C, também conhecida como Ácido Ascórbico (AA),é importante para o ser humano (e também para os animais), pois évital para a produção de colágeno, que é importante para ocrescimento e reparo dos tecidos do corpo. Ela também ajuda aproteger as vitaminas lipossolúveis (solúveis em lipídios) A e E e osácidos graxos da oxidação. A vitamina C previne e cura o escorbuto epode ser benéfica no tratamento da anemia ferropriva. As pessoas desconhecem sobre o colágeno e a importância queele tem. O colágeno é a substância mais encontrada no organismo,pois é a fibra mais abundante no tecido conectivo ou conjuntivo.Esses tecidos dão forma a nosso corpo e sustentam nossos órgãos. A Vitamina C tem um papel importante em sua formação. Então,como essa vitamina está envolvida na síntese do colágeno? Quando o colágeno é produzido, há uma complexa série deeventos, alguns dentro e outros fora da célula. A vitamina C é ativadentro da célula, onde hidroxila (adiciona hidrogênio e oxigênio) doisaminoácidos: a prolina e a lisina. Isso ajuda a formar uma moléculaprecursora chamada procolágeno, que mais tarde torna - secolágeno, fora da célula. Sem vitamina C, a formação do colágeno éinterrompida, causando uma série de problemas em todo o corpo. As doenças do colágeno ou doenças difusas do tecidoconjuntivo (DDTC) são patologias que apresentam alteraçõesprimárias e generalizadas do tecido conjuntivo, comprometendo todasas estruturas derivadas do mesênquima. São consideradas DDTC aArtrite Reumatóide (AR), Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES),Esclerose Sistêmica (ES), Dermatopolimiosite (DPM), Polimiosite(PM), Vasculites Necrosantes, Síndrome de Sjögren (SS), DoençaMista do Tecido Conjuntivo (DMTC) entre outras. • Artrite Reumatóide (AR): A artrite reumatóide é uma doença constitucional, na qual háalterações inflamatórias em todos os tecidos conjuntivos do corpo. Aprincipal característica é a poliartrite com predileção pelas pequenasarticulações, tais como a interfalangiana proximal, ametacarpofalangiana e a metatarsofalangiana, com tendência para adistribuição simétrica após a doença ter-se estabelecido. A artrite é
  • 3. produzida por uma inflamação proliferativa crônica da membrana sinovial. Tanto as manifestações constitucionais como a atividade da inflamação da membrana sinovial estão sujeitas a variações na gravidade, com forte tendência para inexplicáveis remissões e exacerbações.• Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES): O lúpus eritematoso sistêmico é uma doença autoimune do tecido conjuntivo que pode afetar qualquer parte do corpo. Assim como ocorre em outras doenças autoimunes, o sistema imune ataca as próprias células e tecidos do corpo, resultando em inflamação e dano tecidual. O lúpus eritematoso sistêmico bolhoso é um subtipo raro de lúpus eritematoso sistêmico (LES), associado com auto-imunidade contra o colágeno tipo VII. Caracteriza-se clinicamente por erupção vesicobolhosa generalizada, não cicatricial, confinada ou não a áreas fotoexpostas. Relata-se caso de lúpus eritematoso sistêmico bolhoso na infância como primeira manifestação clínica de LES. Destaca-se sua raridade e a idade precoce do acometimento, com menos de três casos semelhantes na literatura.• Esclerose Sistêmica (ES): A esclerose sistêmica é uma doença do tecido conjuntivo que afeta a pele, e algumas vezes os órgãos internos. Apresenta uma variação muito grande em termos de prognóstico. Para alguns pacientes representa apenas um incômodo, enquanto para outros é uma doença grave e letal, sendo para a maioria uma doença que afeta o modo como elas vivem o seu dia a dia. A esclerodermia é classificada como uma doença auto-imune, devido ao fato de que o sistema imunológico nestas doenças é ativado para agredir os tecidos do próprio organismo. Existem dois tipos de esclerodermia: a forma sistêmica (esclerose sistêmica) que afeta os órgãos e sistemas internos do organismo, e a forma localizada, que afeta uma área localizada da pele. Como regra geral, as crianças apresentam tendência a apresentar a forma localizada, enquanto os adultos geralmente manifestam a forma sistêmica. Na esclerose sistêmica, o sistema imunológico costuma causar dano a duas áreas principais: os vasos sangüíneos de pequeno calibre
  • 4. e as células produtoras de colágeno localizadas na pele e em todo o organismo.• Dermatopolimiosite (DPM): A dermatopolimiosite é uma doença auto-imune que leva a um processo inflamatório difuso dos músculos estriados podendo ou não estar associada a alterações do tegumento. Sua etiologia permanece desconhecida podendo estar associada a fatores imunológicos, infecciosos e vasculares. O quadro clínico tem início insidioso e lentamente progressivo. A primeira queixa específica geralmente se refere à perda da força muscular simétrica das cinturas escapular, pélvica ou ambas.• Polimiosite (PM): A polimiosite é uma doença sistêmica do tecido conjuntivo, caracterizada por inflamação e degeneração dos músculos. A causa deste distúrbio é desconhecida, porém acredita-se que possa ser causado por uma reação auto-imune, ou por uma infecção viral do músculo esquelético. Pode afetar pessoas de qualquer idade, mas ocorre com maior freqüência entre os 50 e 70 anos, ou em crianças entre 5 e 15 anos de idade. Geralmente, afeta duas vezes mais às mulheres que aos homens, e a incidência é de 5 em cada 10.000 pessoas. A fraqueza muscular pode aparecer subitamente ou ocorrer lentamente durante semanas ou meses. Pode haver dificuldade para elevar os braços acima da cabeça, levantar-se quando em posição sentada, ou subir escadas. A voz também pode ser afetada por fraqueza da laringe. Pode ocorrer dor articular, inflamação do coração e doença pulmonar. • Vasculite Necrosante: Condição inflamatória dos vasos sangüíneos caracterizada por necrose dos tecidos e cicatrização. A vasculite necrosante é incomum, ocorrendo em 6 dentre cada 10.000 pessoas. Pode ocorrer em artrite reumatóide e é geralmente acompanhada por lúpus eritematoso sistêmico, periarterite nodosa e esclerose sistêmica progressiva. É muito rara em crianças. A causa é desconhecida, mas é provável que esteja relacionada a fatores auto-imunes. Os tecidos se tornam necróticos (morrem). Pode haver cicatrização e espessamento da parede dos vasos. O vaso pode fechar (ocluir), causando deficiência no fluxo sangüíneo nos tecidos
  • 5. abastecidos por este vaso, com subseqüente infarto (morte) do tecido. A vasculite necrosante pode afetar qualquer vaso sangüíneo do corpo e, portanto, qualquer parte do corpo incluindo músculos, nervos, rins, fígado ou qualquer outra área.• Síndrome de Sjögren (SS): A síndrome de Sjögren é uma doença sistêmica inflamatória crônica, de provável etiologia auto-imune, com distribuição mundial. Seu quadro clínico é responsável por considerável impacto na qualidade de vida de seus portadores. As glândulas lacrimais e salivares são os principais órgãos afetados pela infiltração linfo-plasmocitária, originando disfunções que desencadeiam quadro clássico de xeroftalmia (olhos secos) e xerostomia (boca seca). Outras glândulas exócrinas também podem ser acometidas como o pâncreas, glândulas sudoríparas, glândulas mucosas dos tratos respiratório, gastrointestinal e urogenital. A SS pode existir como doença primária das glândulas exócrinas (SS primária) ou estar associada a outras doenças auto-imunes como artrite reumatóide, lúpus eritematoso sistêmico, esclerose sistêmica progressiva, esclerodermia, doença de Graves, dentre outras (SS secundária).• Doença Mista do Tecido Conjuntivo (DMTC): A doença mista do tecido conjuntivo é um conjunto de sintomas semelhantes aos de várias doenças do tecido conjuntivo: lúpus eritematoso sistêmico, esclerodermia, polimiosite e dermatomiosite. Cerca de 80 % dos afetados por esta doença são mulheres. Podem ser afetadas pessoas entre os 5 e os 80 anos de idade. Desconhece-se a sua causa, mas é provável que se trate de uma reação auto-imune. Pode efetuar-se uma análise de sangue para detectar um anticorpo antiproteína ribonucléica, presente na maioria dos casos de doença mista do tecido conjuntivo. Valores altos deste anticorpo, na ausência dos outros anticorpos observados no lúpus, são específicos desta doença.
  • 6. Bibliografia• http://www.manualmerck.net• http://www.abonet.com.br• http://adam.sertaoggi.com.br/• http://www.barini.med.br/• http://autoimunes.blogspot.com/2008/05/esclerose- sistmica.html• http://www.scielo.br• http://www.bibliomed.com.br/book/showdoc.cfm? bookid=158&bookcatid=38&bookchptrid=7695