Your SlideShare is downloading. ×
0
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Lei  10639 .SALA DO PROFESSOR
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Lei 10639 .SALA DO PROFESSOR

1,180

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,180
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. • Incentivar os estudos que contemplam, no campo educacional, as discussões sobre questões étnico-raciais
  • 2. • A lei 10639/03 é muito clara e sem ambiguidades.• Todos os professores deverão ensinar História e cultura africana, principalmente os professores de Educação Artística, História e Língua Portuguesa.• A palavra principalmente não tira a responsabilidade dos demais educadores.
  • 3. • O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:• Art. 1o A Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar acrescida dos seguintes arts. 26-A, 79-A e 79-B:• "Art. 26-A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro- Brasileira.• § 1o O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil.• § 2o Os conteúdos referentes à História e Cultura Afro-Brasileira serão ministrados no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de Educação Artística e de Literatura e História Brasileiras.• § 3o (VETADO)"• "Art. 79-A. (VETADO)"• "Art. 79-B. O calendário escolar incluirá o dia 20 de novembro como ‘Dia Nacional da Consciência Negra’."• Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.• Brasília, 9 de janeiro de 2003; 182o da Independência e 115o da República.• LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Cristovam Ricardo Cavalcanti Buarque
  • 4. CONTRIBUIÇÃODO NEGRO NAS ÁREAS...
  • 5. Fonte: IBGE, Censo 2010Atente-se ao fato de que a amostragem é de toda a populaçãopesquisada.
  • 6. MILTON ALMEIDA DOS SANTOS(advogado) Milton Almeida dos Santos (*3de maio de 1926 em Brotas de Macaúbas — †24 de junhode 2001 em São Paulo)foi advogado e um dos pensadoresexpoentes da geografia.
  • 7. • Ele fez parte de uma reunião de negros que trabalhavam em condições precárias designado de escravidão. Que fugiram dos engenhos de açúcar da Zona da Mata nordestina e se estabeleceram na Serra da Barriga, onde atualmente é o município de União dos Palmares (AL).• Ali, devido às condições de difícil acesso, puderam organizar-se em uma comunidade, chamada Quilombo dos Palmares, que chegou a reunir mais de 30 mil pessoas, de acordo com estimativas.
  • 8. • Um dos aspectos valiosos da lei é que ela escancara, impõe, para quem negou-se até agora a ver que os afro-brasileiros existem• foram e são sujeitos na construção da sociedade brasileira, têm história, têm cultura, têm memória, têm valores que precisam ganhar amplitude e status de conhecimento também dentro da escola, no fazer cotidiano da sala de aula.• Assim a lei, ao determinar a inclusão de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana nos currículos da Educação Básica, busca valorizar devidamente a história e cultura do povo negro, na perspectiva de não só elevar a auto- estima e compreensão de sua etnia mas de todas as etnias, na perspectiva da afirmação de uma sociedade multicultural e pluriétnica . (MIRANDA, 2004, p. 3).
  • 9. • Os livros didáticos mostravam a imagem do negro como subalterno e inferior ao povo branco,• a história estudada sempre foi na perspectiva do colonizador, os negros sempre apareciam de forma estereotipada, sendo inferiores,• porém dotados de grande força física, para assim exercerem suas funções de escravo.
  • 10. • No Brasil• No Brasil, também houve pelourinhos na época colonial,• servindo como símbolos do poder público• e lugar de castigo para criminosos e escravos rebeldes.• Atualmente, os únicos que existem são os de Paranaguá, no Paraná; Alcântara, no Maranhão; Mariana, em Minas Gerais, reconstruído em 1970; Óbidos, no Pará, localizado na praça central da cidade e Rio Grande, no Rio Grande do Sul, que está localizado no centro histórico da cidade, onde atualmente é o mercado de peixe.
  • 11. • PERGUNTA:• PROFESSORES, É POSSÍVEL TRABALHAR O FILME TIROS EM RUANDA SEM CAUSARMOS TRAUMA EM NOSSOS ALUNOS?• COMO?
  • 12. EU SEI QUE A ESCRAVIDÃO FOI FATO REAL DA NOSSA HISTÓRIA, PORÉM EU QUERO APRENDER TAMBÉM SOBRE MINHA ORIGEM ÉTNICA. A HISTÓRIA DOS POVOS AFRICANOS, EUROPEUS, INDÍGENAS
  • 13. • Essa iniciativa com certeza foi um ponto de partida para conscientizar a Sociedade e renovar a qualidade do ensino brasileiro, não deixando dúvidas sobre a importância de estudar o Continente Africano.
  • 14. • Raça humana é normalmente uma classificação de ordem social, onde a cor da pele e origem social ganham sentidos, valores e significados distintos.• As diferenças mais comuns referem-se à cor de pele, tipo de cabelo, conformação facial e cranial, ancestralidade e, em algumas culturas, genética.• Algumas vezes utiliza-se o termo raça para identificar um grupo cultural ou étnico- lingüístico, sem quaisquer relações com um padrão biológico, e nesses casos pode-se utilizar termos como população, etnia, ou mesmo cultura.• O termo "raça" ainda é aceito normalmente para designar as variedades de animais domésticos e animais de criação como o gado.
  • 15. “Como podemos fazer com que nossos alunos entendam que a Cultura Africana é o embrião da nossa própria história e é a identidade do povo brasileiro”... Depoimento de um professor X.É necessário que tenhamos preparo, elaboraçãode materiais didáticos urgentemente e adquirirconhecimento adequado através de cursos eespecializações, para que a Lei se tornar viva.Também é preciso que as Secretarias, o MEC(Ministério da Educação), os ProgramasEducacionais, a SEPPIR (Secretaria Especial dePolíticas de Promoção de Igualdade Racial) e asInstituições de Ensino Superior nos prepare paraimplementação dessas atividades, pois nãopodemos discuti-la só em seminários, palestras ouem datas como: o 13 de maio e o 20 de novembro,a mesma para poder obter êxito, tem que estapresente e permanente no cotidiano educacional,para que desta forma não seja folclorizada.
  • 16. • Ao se tratar de educação não existe receita pronta.• Mas isto não significa que não existem caminhos que possam ser seguidos, de maneira que venha a contribuir para atuar em situações, em especial “Relações Raciais” independente da faixa etária.
  • 17. • O educador deve se conscientizar que o aluno é formado através das experiências que são vivenciadas por toda sua vida.• O desenvolvimento do aluno tem uma forte ligação com o ambiente em que vive, sua relação cultural e principalmente a maneira como a família se relaciona com ele.
  • 18. • Recomenda-se também a mudança da rotina diária, colocando os alunos para trabalharem em forma de grupo, dupla, individual, ambientes e atividades diferenciadas como laboratórios, teatros, quadra, jogos didáticos, dança, música, etc., variando conforme a necessidade, tornando a aula diferente e prazerosa. Vale ressaltar que a criatividade do professor é um dos pontos chaves para lidar com esse tipo de situação. Boa Sorte!• Por Elen Campos Caiado Graduada em Fonoaudiologia e Pedagogia Equipe Brasil Escola
  • 19. Dessa forma nós professores nãopodemos considerar nossa disciplina comoúnica. O processo ensino-aprendizagemnão pode nem deve ser fragmentado comose cada disciplina fosse uma caixinhaisolada , o processo é um todo eprecisamos cada vez mais abrir nossamente para esse fato, pois assim teremosalunos motivados em sala de aula.Marcelo Beneti
  • 20. • Temos a obrigação enquanto professores de levantar discussões sobre racismo e preconceito no Brasil,• Para torná-la mais ampla e eficaz, precisamos ter seguimento e não depender de algumas ações individuais executadas por uma minoria de professores,
  • 21. • na prática a aplicação da Lei, tem sido feita de forma lenta e isolada• precisamos que ocorra de forma que envolva todas as escolas
  • 22. • No entanto, são muitos os desafios que se interpõem a uma efetiva prática docente no sentido de tornar a Lei exequível.
  • 23. • Reconhece-se, todavia, a disposição da Lei em impor um deslocamento da visão simplista com que se tem pensado a questão negra no Brasil em favor de um posicionamento que reconheça o papel do negro na constituição do país;
  • 24. • Vale salientar, que combater o racismo, trabalhar pelo fim da desigualdade social e racial,• empreender e reeducar não são tarefas exclusivas do professor,• esse trabalho tem que ser em conjunto (Família, Escola- Professor e Sociedade).• É Necessário mais, muito mais de todos nós, senão a marca do preconceito e da discriminação irá perpetuar, temos que desconstruir essa forma engessada que foi passada aos nossos alunos durante séculos.
  • 25. • Na esfera pública, o corpo acaba por ter um peso maior do que o espírito na formação da socialidade e da sociabilidade. Peço desculpas pela deriva autobiográfica.• Mas quantas vezes tive, sobretudo neste ano de comemorações, de vigorosamente recusar a participação em atos públicos e programas de mídia ao sentir que o objetivo do produtor de eventos era a utilização do meu corpo como negro – imagem fácil – e não as minhas aquisições intelectuais, após uma vida longa e produtiva. (SANTOS, 2002, p. 160).

×