Your SlideShare is downloading. ×
0
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Pré-renascimento - 1201-1399

8,649

Published on

Published in: Travel, Entertainment & Humor
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
8,649
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
105
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Pré-Renascimento (1201 a 1399)<br />Pelo Professor: Gilson Nunes<br />
  • 2. Divisão didática da evolução da pintura: <br />Trecento : Pré-Renascimento - (1201 a 1300 – Século XIII)<br />Quatrocento: Transição – (1301 a 1400 – Século XIV)<br />Cinquecento: Proto-Renascimento – (1401 – 1520 – Séculos XV e XVI)<br />
  • 3. Trecento – Pré-renascimento ( século XIII) Todas as obras produzidas entre 1201 a 1300.<br />Cimabue. “Crucificação de Santo Domenico”. 1260-65. Museu Archeologia Mecenate. Arezzo. Itália – Segunda representação da nudez de Cristo.<br />
  • 4. Representação da nudez de Cristo, com forte índole emocional, carregada de gestos e expressões fisionômica de dor nobreza e compaixão.<br />Logo, a arte bizantina, a grande responsável pela representação humana de Cristo nos séculos seguintes. Igreja do Mosteiro de Dafne, Grécia Séc. XI<br />
  • 5. Aprendendo a ler imagens<br />“Quando Cimabue representa a agonia de Cristo na cruz transforma Jesus quase em uma chama, tal como a chama em que as catedrais góticas podem parecer. Do seu corpo, a carne é subtraída. Ele é visto como um homem que lentamente deixa de ser matéria e se transforma em espírito divino, melhor, o espírito da criação” <br />(GUACIARA, 29/09/2009).<br />.<br />
  • 6. “A forma sinuosa  do abdome tenta criar um espaço tridimensional, convincente, mas também O transforma em uma curva, uma figura plana, espiritual. Tal leveza, representaria o momento em que Deus filho abandona a carne e retorna ao reino da salvação de onde ele veio e de onde nunca mais voltará. Sabem disso São João e Nossa Senhora, por isso lamentam de longe, como se aquele corpo não estivesse diante deles” <br />(GUACIARA, 29/09/2009).<br />.<br />Cimabue. “Crucificação de Santo Domenico”. 1260-65. Museu ArcheologiaMecenate. Arezzo. Itália – Segunda representação da nudez de Cristo.<br />
  • 7. “Como na pintura bizantina, ou na pintura medieval mais tradicional, CIMABUE, que provavelmente foi importante na formação de Giotto, figura um ícone, não uma cena”.<br />“Segundo a tradição artística, desde a idade média, o ÍCONE é a apresentação da imagem sagrada, a demonstração que aquela imagem é sagrada.<br />No caso de Cimabue, essa forma de sacralizar a figura de Cristo passa pelo retrato do sofrimento dele e pela promessa de salvação ensinada por ele depois que morre e se torna espírito”. (GUACIARA, 29/09/2009).<br />
  • 8. “Embora trabalhe muito a partir de temas de Cimabue, nada pode ser mais distante da pintura de Giotto’.<br /> “Cimabuetenta articular um novo espaço na pintura, mas revivendo as idéias antigas da arte. Para Giotto importa a vida de Jesus como homem. Seu exemplo”. (GUACIARA, 29/09/2009).<br />
  • 9. Nota-se que a imagem está confortavelmente aconchegada por um suntuoso trono, alusão ao coliseu romano, sobre um tecido em patchwork (Colcha de retalho acolchoada) – o primeiro no gênero. Parece assistir com o seu filho um grande espetáculo. <br />Panejamentorígido e angulosos com fios de ouro sombreando o tecido.<br /> Cimabue. Viregem no Trono (Madona e Jesus, com São Pedro e São João Batista). 1280-90 – Galeria dis Uffizi, Florença<br />
  • 10. A virgem representa a Rainha do Céu, amparada por guarnições de anjos de uma corte celestial.<br /> Cimabue. Viregem no Trono (Madona e Jesus, com São Pedro e São João Batista). 1280-90 – Galeria dis Uffizi, Florença<br />
  • 11. Ignoravam a individualidade – época do corporativismo e os autores não assinavam as obras. Mais algumas obras foram atribuída autoria ao longo dos anos, perito.<br />Cimabue é um grande exemplo. Neste período, os artistas eram anônimos.<br />Estavam a serviço dos mestres construtores e do clero.<br />
  • 12. Período Quatrocento. <br />Todas as obras produzidas entre 1301 a 1400 – século XIV.<br />
  • 13. O Renascimento alvoreceu no campo da pintura por volta de 1300.<br />Faces e mãos começaram a ganhar volume com uma sutil tridimensionalidade. <br />Duccio di Buoninsegna. Madona e o Menino. 1300. Ícone comprado em 2004, pelo Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque, por 45 milhões de dólares.<br />
  • 14. O segundo artista a enquadrar a figura dentro de um espaço arquitetônico.<br />Duccio. Virgem no Trono, parte central do retábulo do altar da Maestà. 1308-11. Painel com 2,30 de altura. Museu da Catedral de Siena.<br />
  • 15. Nosso olhar é conduzido pelos detalhes até percorrer toda a obra.<br />Duccio. Virgem no Trono, parte central do retábulo do altar da Maestà. 1308-11. Painel com 2,30 de altura. Museu da Catedral de Siena.<br />
  • 16. Analisando a imagem.<br />A profundidade da imagem não é dada pelas personagens, mas pelos muros dos lados, pela porta que moldura as pessoas alvoroçadas dando boas-vindas e pelos edifícios de trás, uma perspectiva deficiente.<br />Duccio. Entrada de Cristo em Jerusalém, retábulo do altar de Maestà. 1308-11.<br />
  • 17. Duccio representa a cena como se estivéssemos olhando de cima, como se estivéssemos flutuando sobre a cena, fazendo parte dela, mais distante do cenário sagrado.<br />Duccio. Entrada de Cristo em Jerusalém, retábulo do altar de Maestà. 1308-11.<br />
  • 18. Descobrindo o uso da perspectiva.<br />Duccio. Anunciação da Morte da Virgem. Do Altar da Maetà, Siena.<br />
  • 19. Quatrocento (século XIV) Todas a obras produzidas de 1301 a 1400.<br />O que é perspectiva?<br />O termo deriva do latim, que significa visão.<br />Perspectiva é um método de representar os objetos numa tridimensionalidade, utilizando-se de conhecimentos matemáticos e físicos. Proporcionando uma ilusão de óptica.<br />
  • 20. Como usar a perspectiva ?<br />
  • 21.
  • 22.
  • 23. A cor é um elemento importante na perspectiva. Ela muda de acordo com a distância do espectador.<br />
  • 24. Giotto, o primeiro artista a usar a perspectiva. <br />Giotto. Crucificação. Capela degli Scronegni, 1304-1306, Pádua, tália.<br />
  • 25. Suas formas são tão naturais que se assemelhavam a um milagre, confundidas com a própria realidade.<br />Giotto. Crucificação. Capela degliScronegni, 1304-1306, Pádua.<br />
  • 26. Nosso olhar é aberto e abraça de uma só vez toda a composição.<br />Giotto. Crucificação. Capela degliScronegni, 1304-1306, Pádua.<br />
  • 27. A madeira foi substituída pelo afresco. <br /> O que é afresco?<br />técnica de pintar sobre uma parede recentemente rebocada hipermiabilizada por uma camada de gesso. <br />
  • 28. Como preparar um afresco ?<br />1º passo: Misture areia e cimento em uma bandeira de plástico, ponha um pouco de água para misturar e unte a base da bandeira. Em separado, prepare o gesso e derrame sobre a argamassa, deixe endurecer e está pronto o suporte para iniciar o desenho.<br />
  • 29. 2º passo: Depois do desenho, feito sobre suporte de papel e depois impresso sobre pressão no gesso. É só jogar as cores.<br />Tinta a base de água.<br />
  • 30. Leitura da imagem.<br />Intensidade do drama e simplicidade do cenário.<br />olhar é dirigido para cabeça de cristo e da virgem.<br />As cabeças obedecem um jogo geométrico e matemático, ou seja, a triangulação.<br />A arvore se associa à morte do Salvador, sua imagem seca é simbólica.<br />Giotto. Deposição. 1304-1306. Capela degli Scrovegni, Pádua.<br />
  • 31. Percebe-se uma tridimensionalidade das imagens.<br /> A perspectiva da profundidade da paisagem invisível do fundo é determinada pelo paredão, ou seja, a perspectiva descendente, da direita para a esquerda, encontrar o rosto de Cristo em posição de queda, de esmagamento ou de regressão. Giotto foi aluno de Cimabue.<br />Giotto. Deposição. 1304-1306. Capela degli Scrovegni, Pádua.<br />
  • 32. As santos se assemelham as pessoas comuns da terra.<br />Não representam mais as figuras da arte bizantina, porém, preso a temática religiosa.<br />Realismo, ou seja, verossimilhança com a realidade, que chegava a confundir as pessoas.<br />Giotto. O beijo de Judas. 1308-1310. Capela de degli Scrorvegni. Pádua.<br />
  • 33. Arte extremamente didática, instrução para os iletrados. <br />O Cometa Halley apareceu em 1301 e o artista faz alusão ao mesmo na estrela que orientou os magos.<br />Representação de ícones do cristianismo para contemplação e ajudar na prece.<br />Giotto. Adoração dos magos. Capella degli Scrovegni. 1302-1306. Pádua.<br />
  • 34. A última obra de Giotto. O primeiro a usar a técnica da marmorização expressiva na pintura.<br />Giotto. O Juízo Final – Capela de Bargello, 1337 – Morreu quando pintava esta capela.<br />
  • 35. A peste negra: bubônica. (Bactéria transmitida através das pulgas dos ratos-pretos). <br />Dizimou entre 25 a 75 milhões de pessoas.<br />Entre 1347 e 1341 o mundo europeu conviveu com a peste negra (bubônica), muitos artistas morreram deixando obras incompletas, até porque as pessoas acometidos pela doença duravam dois dias.<br />Francesco Traini. O triunfo da morte. 1325-50. Afresco. Camposanto, Pisa.<br />
  • 36. Leitura da imagem.<br />Até os animais parecem aterrorizados pelo aspecto e pelo cheiro das carnes putrefatas. Acima o eremita, que renuncia a todos os prazeres do mundo.<br />
  • 37. As figuras passam a ser enquadradas dentro do espaço, onde a arquitetura, a pintura se adapta à forma real da moldura.<br />Pietro Lorenzetti. O nascimento da Virgem. 1342. Painel, 187 x 1,82. Museu da catedral de Siena, Itália. <br />
  • 38. Seu irmão Ambrogio Lorenzetti, segue o mesmo estilo. Ambos morreram de peste bubônica.<br />AmbrogioLorenzetti. O bom governo da cidade. 1338-40. Afresco 12,50 m Palácio Público, Siena, Itália.<br />
  • 39. Fachada do Palácio Público, Construído em 1297 Siena, Itália.<br />
  • 40. Observe: quantas torres? Quais os significados?<br />AmbrogioLorenzetti. O bom Governo da Cidade. 1338-40 - Afresco - Palácio Público, Siena.<br />
  • 41. Detalhe do Painel. AmbrogioLorenzetti. O bom Governo da Cidade. 1338-40 - Afresco - Palácio Público, Siena.<br />
  • 42. Ambrogio Lorenzetti. O bom Governo da Cidade. 1338-40 - Afresco - Palácio Público, Siena, Itália.<br />
  • 43. Giovanni da Milano. Pietà. 1365. Academia, Florença, Itália.<br />
  • 44. Melchior Broederlam. Apresentação no templo e fuga para o Egito. 1394-99. Museu de Becas Artes, Dijon.<br />
  • 45. Referencial<br />BECKET, Wendy. A história da Pintura. São Paulo, Ática, 1997.<br />JANSON, H. W. História Geral da Arte: o mundo antigo e a Idade Média. São Paulo: Martins Fontes, 1993.<br />PEDRERO-SÁNCHEZ, Maria Guadalupe. História da Idade Média: textos e testemunhas. São Paulo, UNESP, 2000.<br />PEREIRA, F. M. Esteves. Os manuscritos Iluminados. In: a iluminura em Portugal, catálogo da exposição inaugural do arquivo nacional da torre do Tombo. Porto, Lisboa, Ed. Figueirinhas, 1990.<br />CHEVALIER, Jean et GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1988.<br />FRANCO.RJ, H. Idade Média: nascimento do Ocidente. São Paulo, Brasiliense, 1988.<br />SPENCE, David. Grandes Artistas: vida e obra. São Paulo, Melhoramentos, 2004.<br />Revista:<br />História Viva: Bizâncio: o paraíso dos negócios e do saber na Idade Média. Ano: VI, nº 74, pp. 28-54.<br />Mestres da Pintura: Michelangelo. Editora on-line, São Paulo, s/d.<br />Galeria, revista de arte. São Paulo, Editora Telma Cristina Ferreira, Ano 4, junho/julho de 1990. pp. 62-77.<br />Folha de São Paulo. Michelangelo ofusca mestres na Sistina. F. 10, 14 de abril de 2005.<br />Superinteressante. O segredo de Leonardo. São Paulo. Edição 205. Editora Abril, 2004. pp. 60-67.<br />Veja. Muito além do código da Vinci. São Paulo. Edição 1956, Ano 39, nº 19, Editora Abril, 2006. pp. 126-134<br />www.brasilescola.com/mitologia/brasilescola.htm<br />www.amazonline.com.br/heraldica/heraldica.htm - (tudo sobre brasões)<br />www.arteguias.com<br />www.logosphera.com/.../sereias/sereias.htm<br />www.minerva.uevora.pt<br />www.pitores.com.br<br />www.sergioprata.com.br – (afresco)<br />www.wga.hu/frames-e.html<br />www.guaciara.worpress.com/.../27/a-cruz-de-cimabue/ - 27/09/2009.<br />
  • 46. Criação e autoria:<br />Gilson Cruz Nunes<br /> Especialista em Artes Visuais – UFPB<br />Professor da Disciplina de Artes das Escolas:<br />Dr. Hortênsio de Sousa Ribeiro – Rede Estadual<br />Pe. Antonino e Lafayete Cavalcante – Rede Municipal.<br />Campina Grande, 12 de janeiro a 25 de fevereiro de 2010.<br />Atualizado em 14 de junho de 2010.<br />gilsonunes2000@bol.com.br<br />

×