• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Rafael Sanzio: Alto-Renascimento - Parte 4-
 

Rafael Sanzio: Alto-Renascimento - Parte 4-

on

  • 13,118 views

 

Statistics

Views

Total Views
13,118
Views on SlideShare
13,118
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
155
Comments
2

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

12 of 2 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Pode ficar a vontade, utilize como quiser o meu trabalho, o conhecimento é para sr socializado mesmo. So tomei conhecimento de tudo isso por que fui para universidade estudar, caso contrário seria uma analfabeto visual da arte, hoje compreendo a arte por outro prisma.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Maravilhoso o seu trabalho. Amei, estou utilizando bastante em minhas aulas de História da Arte na faculdade e em meus trabalhos sobre vida e obras de Rafael Sanzio. Parabéns!!! Abraços.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Rafael Sanzio: Alto-Renascimento - Parte 4- Rafael Sanzio: Alto-Renascimento - Parte 4- Presentation Transcript

    • Pelo Professor Gilson Nunes
      Alto-Renascimento1480 – 1520 jafaelSanzioParte 4
    • Alto-Renascimento – Rafael Sanzio. Em 1500, no alto do Renascimento pleno, tinha 17 anos, já era considerado um mestre da pintura e da arquitetura. Influenciado pelas obras de Michelangelo, Leonardo da Vinci e Fra Bartolomeu.
      Seu Pai Giovanni Santi, foi poeta, pintor de pouca expressa, porém, culto e bem relacionado na corte.
      Aos 11 anos de idade Rafael estudou com o mestre Pietro Perugino.
      Rafael Sanzio. Autorretrato, 1506. Galeria delgliUffizi, Florença, Itália.
    • Cores brilhantes e um cenário em perspectiva. Observe o gesto da mão de Cristo, sempre apontando para o alto.
      Rafael Sanzio. Ressurreição de Cristo. 1491-1502. Museu de Arte de São Paulo. Brasil.
    • O que estas duas obras têm em comum?
    • Estas duas obras pertencem a Rafael Sanzio?
    • Leonardo da Vinci. Madonna with a flower. 1478. Óleo sobre tela. 0,50 x 32 cm. TheHermutage. São Petersburgue.
      Rafel Sanzio. Solly Madonna. 1502. Oleio sobre madeira. 0,52 x 0,38. Staatliche Museem. Berlin.
    • Quais as semelhanças e diferenças ?
    • Rafael Sanzio. Madona e criança. 1503. Óleo sobre madeira. 0,55 x 0,40. Norton Simon Museum of Art. Pasadena.
      Leonardo da Vinci. Madonna with the yarnwinder. 1501. 0,48 x 0,36 cm. Coleção Particular.
    • Quase uma norma pintar a Anunciação.
      Rafael Sanzio. A Anunciação. 1502-03. 0,27 x 0,50 cm. Pinacoteca do Vaticano, Itália.
    • Um Rabino fazendo o casamento da virgem com o viúvo José.Por trás de José, estão jovens do tempo de Rafael.
      Rafael Sanzio. O casamento da Virgem. 1504. Pinacoteca de Brera, Milão.
    • Existe algo diferente no pé de São José?
      Tente descobrir o motivo.
    • O pé esquerdo contem seis dedos, está relacionado ao sexto sentido, a previsão dos acontecimentos, em relação ao futuro.
    • Por trás da Virgem, um grupo de amigas.
    • Ao fundo um templo em forma circular, representando a unidade da vida, a união perfeita, a associação e a fraternidade. Nome do artista como marca registrada e data no arco de entrada.
    • Quais as semelhanças? Qual o quadro que pertence a Rafael?
    • Leonardo da Vinci. Cecilia Gallerani. 1483-90. Óleo sobre madeira. 0,54 x 0,40 cm. Czortoryski Museum, Cracow.
      Rafael Sanzio. Lady with a Unicorn. 1505. Óleo sobre madeira. 0,65 x 0,51 cm. Galeria Borghese. Roma.
    • Quais as semelhanças?
    • Pintados pelo mesmo artista?
    • Rafael Sanzio. Retrato de Madalena Doni, 1506. Galeria Palatina, Florença. Itália.
      Leonardo da Vinci. Mona Lisa. 1503-05. 0,77 x 0,53. Museu do Louvre, Paris.
    • Podemos observar que o artista incorpora nitidamente o jogo de luz e sombra (chiaroscuro – claro escuro e o sfumato – esfumaçado), que são camadas finíssimas de tinta sobre outra, ou seja, um sombreado esbatido, ao invés de traços para delinear as formas, causando um efeito fotográfico, ressaltado pela carnosidade da pele, influência de Leonardo da Vinci.
      Leonardo da Vinci. Mona Lisa. 1503-05. 0,77 x 0,53. Museu do Louvre, Paris.
      Rafael Sanzio. La Muta. 1507. Galeria Nacional de Marche, Urbino, Itália.
    • O que podemos analisar na imagem de Cristo pintada por Rafael?
      Rafael. A benção de Cristo. 1506. Óleo sobre madeira 0,30 x 0,25 cm. Pinacoteca de TosioMartinengo. Brescia.
    • Uso das cores, anatomia do corpo, gesto da mão apontando para o alto, além de sentimento psicológico dos olhos e do rosto. Sem esquecer a perspectiva da paisagem.
      Rafael. A benção de Cristo. 1506. Óleo sobre madeira 0,30 x 0,25 cm. Pinacoteca de Tosio Martinengo. Brescia.
    • Qual o significado do gesto das mãos do Cristo?
      Rafael. A benção de Cristo. 1506. Óleo sobre madeira 0,30 x 0,25 cm. Pinacoteca de TosioMartinengo. Brescia.
    • Amadurecimento pleno da Técnica.
      Rafael Sanzio. O enterro. 1507. Galeria Borghese, Roma, Itália.
    • Muitos críticos acreditam que a Última Ceia de Rafael está representada na obra: Escola de Atenas, pela qual reúne uma complexidade de conhecimento filosóficos e pagãos.
      Rafael Sanzio. 1506-10. Afresco – 5,0 x 7,0 m. Palácio Apostólico, Vaticano.
    • Influência de Michelangelo, pois começou a pintar o teto da Capela Sistina em 1508. Logo Rafael é uma síntese da técnica dos dois grandes artistas do alto Renascimento, Michelangelo e Leonardo da Vinci.
      Rafael Sanzio. 1506-10. Afresco – 5,0 x 7,0 m. Palácio Apostólico, Vaticano.
    • Duas esculturas no plano superior: do lado esquerdo Apolo (deus grego) com a lira harmonia e a luz. Do lado Direito: a deusa Minerva, símbolo da sabedoria.
      Rafael Sanzio. 1506-10. Afresco – 5,0 x 7,0 m. Palácio Apostólico, Vaticano.
    • Ao centro, o filósofo Platão com o rosto de Leonardo da Vinci, mão levantada com o dedo indicando o mundo inteligível, o espiritual, carregando na mão o seu tratado Timeu, uma teoria que apresenta especulações sobre o mundo físico .
      Rafael Sanzio. 1506-10. Afresco – 5,0 x 7,0 m. Palácio Apostólico, Vaticano.
    • Ao lado de Platão o filósofo Aristóteles, com seu tratado sobre a ética, e tem a mão na horizontal, representando o terrestre, o mundo sensível.
      Rafael Sanzio. 1506-10. Afresco – 5,0 x 7,0 m. Palácio Apostólico, Vaticano.
    • noeses são as personalidades em que Rafael se inspirou para pintar os rostos dos diferentes filósofos gregos. 1: Zenão de Cítio ou Zenão de Eléia 2: Epicuro 3: Frederico II, duque de Mântua e Montferrat 4: Anicius Manlius Severinus Boethius ou Anaximandro ou Empédocles
    • 5: Averroes 6: Pitágoras a esquerda como representante da teoria da harmonia e Euclides a direita, representando a perfeição lógica da geometria, dando enfase a matemática, em particular , ao número, à razão eà harmonia. 7: Alcibíades ou Alexandre, o Grande 8: Antístenes ou Xenofonte 9: Hipátia (Francesco Maria della Rovere or Raphael's mistress Margherita.) 10: Ésquines ou Xenofonte 11: Parménides 12: Sócrates 13: Heráclito (Michelangelo).
    • 14: Platão segurando o Timeu (Leonardo da Vinci). 15: Aristóteles segurando Ética a Nicômaco 16: Diógenes de Sínope 17: Plotino 18: Euclides ou Arquimedes acompanhado de estudantes (Bramante) 19: Estrabão ou Zoroastro (Baldassare Castiglione ou Pietro Bembo). 20: Ptolomeu R: Apeles (Rafael Sanzio). 21: Protogenes (Il Sodoma ou Pietro Perugino).
    • Bela ninfa Galatéia, perseguida por ciclope Polifemo. Que nos faz lembrar o Nascimento de Vênus. Podemos observar o o movimento espiralado.
      Rafael Sanzio. Galatéia. 1513. Afresco. Villa Farnesina, Roma.
    • Galatéiauma ninfa imortal que vivia nas profundezas do mar e vez por outra vinha a beira-mar, em uma carruagem puxada por golfinhos. Mantinha um relacionamento amoroso com Ácis.
    • Porém, o Ciclope Polifemo, um monstro de um só olho na testa, de instinto irracional e compulsivo por prazer, desprovido da moral e dos costumes, via na Galatéiao conforto para amenizar a sua feiúra e sua violência primitiva, também representado com a parte inferior como serpente.
      Rafael Sanzio. Galatéia. 1513. Afresco. Villa Farnesina, Roma.
    • O ciclope Polifemo apaixonado por Galateia, lhe oferecia belas jóias, vestes e moeda de ouro, que a tudo recusava. Mas não sabia de sua paixão por Ácis, quando estavam se amando, Polifemo flagrou-os e matou Ácis com uma pedra.
      Rafael Sanzio. Galatéia. 1513. Afresco. Villa Farnesina, Roma.
    • Com a morte da Ácis, Galateia transforma o sangue do seu amado no rio Ácis ou Ácio. E jamais aparece a beira-mar para aventurar-se. E Polifemo passa a cantar para esquecer o amor rejeitado.
    • Pigamalião, escultor grego via tanto defeito nas mulheres que começou a abandoná-las. Um dia esculpiu uma estátua tão bela que se apaixonou, e ficava horas com a estátua que chegava a apalpá-la para verificar se estava viva, chegando a oferecer presentes.
      Ele orou para deusa Afrodite, pedindo-a que desse vida a sua grande paixão, ela atendeu-o, transformando a estátua em Galatéia.
    • Aos 25 anos de idade, Rafael era conquistado pelo papado. Foi batizado como “Príncipe dos pintores”.
      O papado queria transformá-lo em cardeal, pela sua grandiosidade. Passou a decorar aposentos dos papas.
      O artista mais famoso da época, o mais solicitado para decorar prédios, além de fazer desenhos para tapeçaria e para pratos e até trabalhos cenográficos.
      Rafael Sanzio. Papa Julio II. 1511-12. Óleo sobre madeira. Galeria Nacional de Londres.
    • Esta pessoa central representa que autoridade?
    • O artista foi fiel ao modelo, quando representou o queixo quadrado com seus traços carrancudos, sua áurea de poder em relação ao seu cargo elevado e sagrado.
      Rafael Sanzio. O Papa Leão X com seus sobrinhos Giulio de Médici e Luigi de Rossi, 1518. 1,54 x 1,19 m. Galeria dos Uffizi, Florença.
    • Podemos observar a intensidade da luz, da cor e da textura. Os seus sobrinhos no segundo plano, cardeais, faltam-lhes o equilíbrio do Papa, sobre uma penumbra. Porém, presentes e imortalizados como algo sagrado, pela mão de um artista divino.
      Rafael Sanzio. O Papa Leão X com seus sobrinhos Giulio de Médici e Luigi de Rossi, 1518. 1,54 x 1,19 m. Galeria dos Uffizi, Florença.
    • Perdeu os seus pais aos 11 anos, e provavelmente, transferiu a sua nostalgia materna para o rosto das suas belíssimas madonas, que passou vários anos pintando diversas.
      Rafel Sanzio. Solly Madonna. 1502. Oleio sobre madeira. 0,52 x 0,38. Staatliche Museem. Berlin.
      Rafael Sanzio. Madona e criança. 1503. Óleo sobre madeira. 0,55 x 0,40. Norton Simon Museum of Art. Pasadena.
    • Rafael Sanzino. Madona e criança. 1504-05. Óleo sobre madeira. NationalGalleryof Art. Washington.
      Rafael Sanzio. Madona del Granduca, 1505. 0,84 x 0,546 cm. Palácio Pitti, Florença.
    • RafelSanzio. A Virgem do Prado. 1506. óleo sobre madeira. 1,13 x 0,88 cm. Kunsthistorisches, Viena.
      Rafael Sanzio. A sagrada família. 1507. Óleo sobre madeira. 0,29 x 0,21. Museu do Prado. Madri.
    • Rafel Sanzio. Madonna of Loreto. 1509-10. Óleo sobre madeira. 1,20 x 0,90 cm. Musée Condé. Chantilly.
      Rafael Sanzio. Madona com criança. 1508. Óleo sobre madeira. 0,75 x0,51 cm. Alte Pinakothek. Munich.
    • A virgem ao centro, ladeada pelo Papa Santo Sisto, que tem seis dedos na mão, também possui o sexto sentido e Santa Bárbara com as cores da bandeira do Brasil.
      Rafael Sanzio. TheSistine Madonna. 1513-14. Gernaldegalerie. Dresden. Alemanha.
    • Influência de Michelangelo.
      Michelangelo Buonarroti. A sagrada família. 1504.
      Rafael Sanzio. Madonna dela Seggiola. 1514. Diâmetro 0,71. Galeria Paletina, Florença, Itália.
    • O que dizem os olhares?
      Rafael Sanzio. Madonna dela Seggiola. 1514. Diâmetro 0,71. Galeria Paletina, Florença, Itália.
    • Amadurecimento pleno do artista
      Rafel Sanzio. A sagrada família. 1518-20. Óleo sobre madeira. 1,14 x 1,15 c m. Museu do Prado, Madri.
      Leonardo da Vinci. A Virgem dos Rochedos. 1483-86. Museu do Louvre, Paris.
    • Rafael Sanzio. São João Batista, 1518. Óleo sobre tecido, 1,65 x 1,47 cm. Galleria dell Accademia, Florença.
      Leonardo da Vinci. João Batista. 1513-16. 0,69 x 0,57. Museu do Louvre. Paris.
    • Tem como base o evangelho segundo S. Mateus, 17: Jesus levou consigo Pedro, Thiago, e João, a um alto monte.
      Transfigurou-se, o seu rosto resplandeceu como o Sol, uma alusão ao Cristo cósmico; suas vestes ficaram brancas como a luz na sua origem primeira.
      Surgem Moisés e Elias, conversando com ele. Ora Moisés reencarnou-se em Elias e este em São João Batista.
      Rafael Sanzio. A transfiguração. 1518-20. Museu do Vaticano.
    • Rafael Sanzio. A transfiguração (detalhe). 1518-20. Museu do Vaticano.
    • Rafael Sanzio. A transfiguração (detalhe). 1518-20. Museu do Vaticano.
    • Basílica de São Pedro, iniciada pelo arquiteto Bramante, em 1506, depois de sua morte em 1514 o papa atribui a responsabilidade a Rafael, que faleceu em 1520, aos 37 anos de idade. Sua morte foi o maior acontecimento trágico da história, seu quadro a Transfiguração participou do cortejo de sua morte.
    • Referencial
      BECKET, Wendy. A história da Pintura. São Paulo, Ática, 1997.
      JANSON, H. W. História Geral da Arte: o mundo antigo e a Idade Média. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
      PEDRERO-SÁNCHEZ, Maria Guadalupe. História da Idade Média: textos e testemunhas. São Paulo, UNESP, 2000.
      PEREIRA, F. M. Esteves. Os manuscritos Iluminados. In: a iluminura em Portugal, catálogo da exposição inaugural do arquivo nacional da torre do Tombo. Porto, Lisboa, Ed. Figueirinhas, 1990.
      CHEVALIER, Jean et GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1988.
      FRANCO.RJ, H. Idade Média: nascimento do Ocidente. São Paulo, Brasiliense, 1988.
      SPENCE, David. Grandes Artistas: vida e obra. São Paulo, Melhoramentos, 2004.
      Revista:
      História Viva: Bizâncio: o paraíso dos negócios e do saber na Idade Média. Ano: VI, nº 74, pp. 28-54.
      Mestres da Pintura: Michelangelo. Editora on-line, São Paulo, s/d.
      Galeria, revista de arte. São Paulo, Editora Telma Cristina Ferreira, Ano 4, junho/julho de 1990. pp. 62-77.
      Folha de São Paulo. Michelangelo ofusca mestres na Sistina. F. 10, 14 de abril de 2005.
      Superinteressante. O segredo de leonardo. São Paulo. Edição 205. Editora Abril, 2004. pp. 60-67.
      Veja. Muito além do código da Vinci. São Paulo. Edição 1956, Ano 39, nº 19, Editora Abril, 2006. pp. 126-134
      www.brasilescola.com/mitologia/brasilescola.htm
      www.amazonline.com.br/heraldica/heraldica.htm - (tudo sobre brasões)
      www.arteguias.com
      www.logosphera.com/.../sereias/sereias.htm
      www.minerva.uevora.pt
      www.pitores.com.br
      www.sergioprata.com.br – (afresco)
      www.wga.hu/frames-e.html
      www.guaciara.worpress.com/.../27/a-cruz-de-cimabue/ - 27/09/2009.
    • Criação e autoria:
      Gilson Cruz Nunes
      Especialista em Artes Visuais – UFPB
      Professor da Disciplina de Artes das Escolas:
      Dr. Hortênsio de Sousa Ribeiro – Rede Estadual
      Pe. Antonino e Lafayete Cavalcante – Rede Municipal.
      Campina Grande, 12 de janeiro a 25 de fevereiro de 2010.
      Paraíba – Brasil.
      gilsonunes2000@bol.com.br – www.professorgilsonunes.blogspot.com