• Like
Aula n° 6   toxoplasma
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Aula n° 6 toxoplasma

  • 1,137 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
1,137
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
45
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. TOXOPLASMOSE E Toxoplasma gondii Prof.Gildemar Crispim
  • 2. Taxonomia - Toxoplasma gondii REINO: Protista FILO: Protozoa CLASSE: Apicomplexa ORDEM: Eucoccidiida FAMÍLIA: Sarcocystiidae GÊNERO: Toxoplasma ESPÉCIE: Toxoplasma gondii Toxoplasma gondii, protozoário que causa a toxoplasmose
  • 3. Histórico/Apresentação Toxoplasma gondii ­ Protozoário parasita células do epitélio intestinal de felinos não imunes (hospedeiros definitivos), ­ Parasita uma grande gama de hospedeiros intermediários, ­ Homens e animais de sangue quente ­ Encontrado em vários tecidos, células e líquidos orgânicos ­ Splendore (1908) no Brasil e Nicole & Manceaux (1908) na Tunísia ­ Este fato fazia antever uma ampla distribuição geográfica e no reino animal do recém descrito protozoário ­ Atualmente; extensa relação de sps (mamíferos e aves) encontradas naturalmente infectadas pelo T. gondii, ­ Janku (1923) – primeira caso humano ­ Criança, 11 meses, falecida ­ Hidrocefalia e cegueira ­ Cortes do globo ocular – parasitas da toxoplasmose
  • 4. Histórico/Apresentação • Torres (1927) no RJ – Toxoplasma em cortes histológicos de cérebro, miocárdio e músculos esqueléticos - Transmissão congênita?, • Wolf & Cohen (1937) ­ Primeiros a descreverem a infecção congênita • 1942 – Pinkerton & Hendersonmas ­ Ocorrência da toxoplasmose em adultos • 1948 – Sabin & Feldman ­ “Dye Test” • 1957 – 1962: Hemaglutinação e Imunofluorescência Indireta • 1970 – Dudey e cols. ­ Oocisto nas fezes do gato ­ Fase assexuada do agente • 1972 – Miller e cols. ­ Felinos (domesticos e selvagens) – únicos mamíferos que suportam o ciclo sexuado do T. gondii (oocistos)
  • 5. Epidemiologia • Umas das INFECÇÕES mais difundida no mundo ­ Prevalência: 23% - 83% ­ Encontrada em todas as regiões da Terra, nos mais variados climas,altitudes e condições sociais ­ Guimarães e cols. 1993 – 60% da pop tenha entrado em contato no Brasil ­ Mamíferos e aves: 12% - 64% ­ Felinos: 75% ­ Liberam milhares de oocistos por dia durante meses ­ Oocisto – viáveis por até 1, 5 ano (5 anos) • As principais fontes de infecção para os humanos: ­ Caixas de areia contaminadas, ­ Carne crua ou mal cozida, embutidos mal cozidos, leite de cabra cru, ­ Transmissão congênita (fase aguda)
  • 6. Morfologia • Taquizoíto (Trofozoíto ou forma livre) ­ Primeira forma descrita de T. gondii ­ Forma proliferativa (Aguda) ­ Encontrada em líquidos biológicos ­ Forma de arco (banana e/ou meia lua)
  • 7. • Morfologia Bradizoíto (Cistozoíto ou forma de latência) ­ Forma de pequeno taquizoíto dentro de “cistos” em células de diversos tecidos (muscular, nervos, cardíaco, retina, etc.) ­ Forma de resistência do T. gondii ­ Lento metabolismo ­ Reprodução lenta (Endodiogenia) ­ Fase crônica da doença Detalhe da estrutura cística ocupada totalmente por bradizoítos de T. gondii Endodiogenia
  • 8. • Oocisto Morfologia ­ Forma infectante produzida no intestino do gato ­ Apresenta uma membrana dupla – grande resistência ­ Em condições ideais – viável por mais de ano ­ Ao ser eliminado amadurece em 2 esporocistos (4 esporozoítos cada) Oocistos de T.gondii forma excretadas nas fezes des felinos. (A) Oocistos não esporulados. (B) Oocisto esporulado com 2 esporocistos mostrando 4 esporozoítos no interior do esporocisto (setas). (C) Microscopia eletrônica de transmissão mostrando esporulação do oocisto. Fonte: Dubey et al., 1998.
  • 9. Ciclo biológico de T. gondii – Fase Assexuada
  • 10. Ciclo do Toxoplasma gondii
  • 11. Ciclo biológico de T. gondii – Fase Sexuada
  • 12. Morfologia
  • 13. Patogenia e Sintomatologia • Bastante variável – Febre e enfartamento ganglionar Lesões graves no SNC ou na retina • Esta variação se deve: – Virulência da cepa – Via de infecção e volume de formas infectantes – Estado imunitário – Idade do paciente
  • 14. • Congênita ­ ­ ­ ­ Formas de toxoplasmose Possíveis lesões irreversíveis no feto Ocorre somente na fase aguda Concepção – 6° semana ABORTO 6° - 16° semana Período de alterações mais graves ­ ­ ­ ­ ­ ­ ­ ­ Hepatoesplenomegalia Icterícia Edemas pulmonares Miocardite Pneumonite Meningoencefalite Calcificações cerebrais Retardamento mental ­ Ultimo trimestre de gestação ­ A criança pode nascer normal e apresentar sinais da doença semanas ou meses depois (linfadenopatia generalizada, hepatoesplenomegalia, edemas, lesões do SNC e oculares)
  • 15. Formas de toxoplasmose • Adquirida ou Pós-natal ­ Infecção adquirida depois do nascimento (Fase adulta) ­ Período de incubação variável (5 – 20 dias) ­ Em pacientes imunocompetentes (casos subclínicos) infecção passa desapercebida ­ Casos clínicos ­ Forma ganglionar ou febril ­ Forma ocular ­ Forma meningoencefalite ­ Forma cutânea ou Exantemática ­ Toxoplasmose em Imunodeficientes Raras e fatais
  • 16. Diagnóstico • Clínico • Laboratorial • Sorologia • Parasitológico
  • 17. Profilaxia • Evitar ingerir alimentos de origem animal cru ou mal passados, • Acompanhamento clínico/sorológico das gestantes, • Controlar a população de rua de gatos, • Combate aos ratos, • Incinerar fezes dos felinos, • Proteger caixas de areias.
  • 18. Tratamento • Terapêutica deve ser instituída por um médico (especialista) • Os medicamentos disponíveis só atuam na fase aguda (taquizoítos) • Obs.: Os medicamentos não atingem os cistos (Fase crônica) NÂO HÁ CURA • Sulfadiazina • Pirimetamina, • Clindamicina • Dapsona • Atovaquona