Quadrinhos na sala de aula   2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Quadrinhos na sala de aula 2011

  • 17,475 views
Uploaded on

slide apresentado durante oficina no dia 29 de agosto de 2011.

slide apresentado durante oficina no dia 29 de agosto de 2011.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
17,475
On Slideshare
14,160
From Embeds
3,315
Number of Embeds
14

Actions

Shares
Downloads
472
Comments
1
Likes
6

Embeds 3,315

http://gibitecacom.blogspot.com.br 2,261
http://gibitecacom.blogspot.com 866
http://www.gibitecacom.blogspot.com 131
http://asmusicasnaauladeespanhol.blogspot.com.br 19
https://asmusicasnaauladeespanhol.blogspot.com 12
http://gibitecacom.blogspot.pt 12
http://www.gibitecacom.blogspot.com.br 4
http://gibitecacom.blogspot.jp 2
http://gibitecacom.blogspot.com.ar 2
http://asmusicasnaauladeespanhol.blogspot.com 2
http://gibitecacom.blogspot.it 1
http://gibitecacom.blogspot.ch 1
http://www.livrosgratis.rg.com.br 1
http://translate.googleusercontent.com 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NA SALA DE AULA Natania Nogueira [email_address] www.gibitecacom.blogspot.com
  • 2. Quadrinhos são (...) uma manifestação artística autônoma, assim como são a literatura, o cinema, a dança, a pintura, o teatro e tantas outras formas de expressão. Waldomiro Vergueiro, 2009
  • 3. Quadrinhos são quadrinhos
    • Os quadrinhos são forma de arte, uma mídia presente na civilização industrializada que nasceu e cresceu como fruto da expansão dos meios de comunicação.
    • Os quadrinhos não nasceram com função pedagógica ou educativa, mas passaram a incorporá-la a partir do momento que se tornaram meios de comunicação e, portanto, imbuídos de ideias, símbolos e sentidos com o poder de formar ou reforçar opiniões.
  • 4.  
  • 5.
    • Defender o uso dos quadrinhos na sala na escola não os descaracterização enquanto mídia popular.
    • Há quadrinhos de todos os tipos que podem desempenhar funções diversas conforme o(s) objetivo(s) de quem o produziu.
    • Os quadrinhos, acima de tudo, são uma forma de lazer, de diversão.
  • 6.  
  • 7. As histórias em quadrinhos são uma forma específica de leitura
    • Os quadrinhos têm características próprias que lhe permitem uma interação com leitor diferente daquela que se obtém por meio da leitura de um livro, por exemplo.
    • A leitura dos quadrinhos não se limita ao texto mas estende-se à imagem, ajudando a formar habilidades mais complexas de análise e contextualização.
    • São estas particularidades, dentre elas a integração entre texto e imagem, que colocam os quadrinhos como um instrumento valioso para o desenvolvimento e estímulo da leitura.
  • 8.  
  • 9.
    • Existe um debate acirrado acerca das adaptações literarias para quadrinhos.
    • O que é melhor?
    • A obra original sempre será única.
    • Adaptações provocam sempre mudanças.
    • Um filme adaptado de um livro nunca será igual ao livro original; um quadrinho adaptado de um livro seguirá o mesmo caminho.
  • 10. A necessidade de estimular a leitura é urgente
    • É preciso estimular o gosto pela leitura, independente do que o leitor deseje ler.
    • Estamos condicionados a acreditar que existe uma “boa” leitura e que ela está presente apenas nos livros. No entanto, a boa leitura é aquilo que o leitor deseja ler, não importa se é uma revista em quadrinhos, o caderno de esportes ou a revista de horóscopo.
    • Quanto maior a frequência com que uma pessoa lê diariamente, maiores as chances de ela desejar ler mais e de variar o tipo de leitura.
  • 11.
    • Pesquisa recente mostra que:
    • A cada cem alunos do 3º ano do ensino fundamental, 43 deles não são capazes de entender um texto que estejam lendo. 
    • Os resultados da Prova ABC (Avaliação Brasileira do Final do Ciclo de Alfabetização) demonstram que apenas 56,1% dos alunos do 3º ano aprenderam o que era esperado em leitura para este nível do ensino.
  • 12.
    • Na rede municipal e estadual, apenas 48,6% dos alunos alcançam os níveis considerados esperados para o 3º ano do fundamental: 51,4 % dos estudantes não sabe tirar o tema de um texto que leia.
    • O Nordeste é a região com o pior desempenho: 63,5% dos alunos da rede pública têm conhecimento abaixo do esperado.
  • 13. Usar quadrinhos na sala de aula não é tão simples
    • É fato que uma considerável parcela dos professores ainda não está familiarizada com o uso dos quadrinhos.
    • Este é um agravante se levarmos em consideração sua presença cada vez maior em livros didáticos e em avaliações como a Provinha Brasil, o ENEM e, é claro, os vestibulares.
  • 14.  
  • 15. (...) as escolas e a academia têm, em grande parte, dificuldade em lidar com imagens, uma vez que, por conta da dominância do paradigma racionalista, desenvolveu-se de que as imagens são para crianças e, portanto, não podem ser para coisas sérias como os conteúdos escolares. Elydio dos Santos Neto, 2011
  • 16.
    • É preciso investir na formação, seja através de cursos de extensão, oficinas, indicação de leituras ou mesmo compartilhado experiências.
    • Assim como trabalhar com jornais, filmes ou TICs, trabalhar com quadrinhos requer um mínimo de formação para que se possa explorar ao máximo as potencialidades deste recurso midiático.
    • A formação do professor é um processo contínuo e que deve acompanhá-lo por toda a sua vida profissional.
  • 17. Algumas considerações sobre trabalhar com quadrinhos na sala de aula
    • O professor Elydio dos Santos Neto oferece em seu livro Histórias em Quadrinhos & Educação de dicas importantes para quem quer trabalhar com quadrinhos na escola:
  • 18.
    • 1. Histórias em quadrinhos podem ajudar no desenvolvimento da razão sensível e da razão simbólica;
    • 2. Trabalhar com quadrinhos ajuda a desenvolver formas diferentes de analisar a realidade;
    • 3. Para trabalhar com quadrinhos é preciso conhecer a linguagem dos quadrinhos;
    • 4. É preciso saber escolher as Hqs que se deseje trabalhar na sala de aula;
    • 5. É preciso ter comprometimento pedagógico;
  • 19.
    • 6. Deve-se considerar o contexto social do aluno;
    • 7. Trabalhar quadrinhos é também estimular uma educação para uma cultura visual;
    • 8. O professor deve ter cuidado com a didatização excessiva dos quadrinhos;
    • 9. Cada professor deve desenvolver sua própria metodologia;
    • 10. É preciso formar professores para o uso dos quadrinhos.
  • 20. Os quadrinhos vão salvar a educação?
    • O uso dos quadrinhos é apenas mais uma estratégia para se alcançar bons resultados na sala de aula.
    • Eles são mais um recurso e, portanto, não podem ser responsabilizados unicamente pelo bom ou mal desempenho escolar.
    • No entanto, a parceria entre quadrinhos e educação podem contribuir para que os alunos desenvolvam várias habilidades, que podem ir além da boa leitura e interpretação.
  • 21.
    • Atualmente pesquisas realizadas em vários campos do conhecimento demonstram que os quadrinhos ajudam, inclusive, na formação de valores e na compreensão da realidade social.
    • Na prática, podemos hoje utilizar quadrinhos em praticamente todos os conteúdos escolares.
  • 22. Dicas de como usar quadrinhos na sala de aula
    • Vamos trabalhar com alguns exemplos de como os quadrinhos podem ser usados na sala de aula, em diversos conteúdos.
    • É sempre bom lembrar que a parceria entre quadrinhos e educação dever estar afinada com as necessidades do professor e a realidade dos alunos.
    • As dicas que seguem são apenas indicações de como trabalhar o recurso e não devem limitar a criatividade do professor.
  • 23. Usando quadrinhos na alfabetização
    • Observe que entre o segundo e o terceiro quadro há um “vazio” que deve ser preenchido pelo leitor para entender a tirinha. Nesta atividade o professor está trabalhando com o recurso da metalinguagem e intertexto.
  • 24.
    • Outra atividade muito usada nesta fase é a de estimular a produção de textos preenchendo balões.
  • 25. Nas aulas de Língua Portuguesa
    • O professor pode trabalhar a leitura crítica e interpretação de texto;
    • A criatividade;
    • Caracterização de personagens, regionalização, ortografia;
    • Concisão e coesão do texto;
    • Metáforas visuais.
  • 26. Nas aulas de Matemática e Física
    • Usar tirinhas para ilustrar uma atividade ou introduzir uma atividade é uma das formas mais comuns de se utilizar os quadrinhos nas atividades de matemática e na física.
  • 27. Considere que o leão da história acima tenha repetido o convite por várias semanas. Na primeira, convidou a Lana para sair 19 vezes; na segunda semana, convidou 23 vezes; na terceira, 27 vezes e assim sucessivamente, sempre aumentando em 4 unidades o número de convites feitos na semana anterior. Imediatamente após ter sido feito o último dos 492 convites, o número de semanas já decorridas desde o primeiro convite era igual a: (A) 10 (B) 12 (C) 14 (D) 16
  • 28.
    • A criação de tirinhas de física é uma forma de fixar o conteúdo apreendido.
  • 29. Quadrinhos e Geografia
    • Na geografia os quadrinhos podem ser usados como complemento para o estudo de vários temas, que vão desde os aspectos geográficos a sociais.
    • Existem quadrinhos que abordam, por exemplo, temas como etnia e preservação do meio ambiente que podem ser trabalhados em geografia.
  • 30.  
  • 31.  
  • 32. Quadrinhos nas aulas de História
    • Assim como nas aulas de Geografia, os quadrinhos podem ser utilizados nas aulas de história para introduzir os mais variados temas.
    • Há ainda um diferencial que é a produção de quadrinhos históricos ou com temáticas históricas que permitem ao professor deste conteúdo um uso mais abrangente do recurso.
  • 33.  
  • 34. Quadrinhos nas aulas de Ensino Religioso e Filosofia
    • Quadrinhos podem ser usados em aulas de Ensino Religioso e Filosafia como forma de introduzir e debater, por exemplo, valores morais e discussões éticas muito resentes em quadrinhos de super-heróis norte-americanos, muito populares entre os jovens.
  • 35. (..) narrativas de cunho religioso sempre envolvem elementos misteriosos, desconhecidos, mitológicos, fantásticos, sobrenaturais, e tornam-se, justamente por esse “ar de mistério”, interessantes de serem narradas e fáceis de serem “cientificamente” justificadas. Assim, há várias estórias que carregam um senso de moralidade e ética e a existência de aspectos atinentes à religião estadunidense, não só à “religião tradicional”, mas também à religião civil – Robert N. Bellah – que ali se desenvolveu peculiarmente . Iure Andréas Reblin, 2010
  • 36. As melhores histórias em quadrinhos de super-heróis (...) introduzem e abordam de forma vivida algumas das questões mais interessantes enfrentadas por todo ser humano – questões referentes à ética, a responsabilidade pessoal e social, à justiça, ao crime e ao castigo, à mente, às emoções humanas, á identidade pessoal, à alma, à noção do destino, o sentido de nossa vida, ao que pensamos da ciência e da natureza(...). Matt Moris e Tom Morris, 2005
  • 37. FONTES UTIZADAS
    • Em leitura, 43,9% dos alunos do 3º ano do ensino fundamental não são capazes de encontrar informações num texto escrito. Disponível em: http://noticias.bol.uol.com.br/educacao/2011/08/25/em-leitura-439-dos-alunos-do-3-ano-do-ensino-fundamental-nao-sao-capazes-de-encontrar-informacoes-num-texto-escrito.jhtm . acesso em 25/08/2011 ;
    • MORIS, Matt, MORRIS, Tom. Super-heróis e a filosofia: verdade, justiça e o caminho socrático. São Paulo, Ed, Mandras, 2005
    • Questões de ciências da natureza & matemática. Disponível em: http://www.cbpf.br/~eduhq/html/questoes/questoes_uerj_ciencia_natureza_e_matem.htm. acesso em 04/06/2009 .
    • RAMA, Angela; VERGUEIRO, Waldomiro (orgs.) Como usar histórias em quadrinhos na sala de aula . São Paulo: Contexto, 2004.
    • REBLIN, Iuri Andréas. A teologia e a saga dos super-heróis: valores e crenças apresentados e representados no gibi. Protestantismo em Revista, São Leopoldo, RS, v. 22, maio-ago. 2010. Disponível em http://www.academicos.gibihq.org/artigos_academicos/A %20teologia%20e%20a%20saga%20dos%20super- her %C3%B3is_ reblin.pdf , acesso em 20/07/2011.
  • 38. O conteúdo desta apresentação pode ser usado, desde que seja dado crédito a quem produziu o material.