Quadrinhos na sala de aula 2011

24,344 views
23,966 views

Published on

slide apresentado durante oficina no dia 29 de agosto de 2011.

1 Comment
11 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
24,344
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3,478
Actions
Shares
0
Downloads
785
Comments
1
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Quadrinhos na sala de aula 2011

  1. 1. AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NA SALA DE AULA Natania Nogueira [email_address] www.gibitecacom.blogspot.com
  2. 2. Quadrinhos são (...) uma manifestação artística autônoma, assim como são a literatura, o cinema, a dança, a pintura, o teatro e tantas outras formas de expressão. Waldomiro Vergueiro, 2009
  3. 3. Quadrinhos são quadrinhos <ul><li>Os quadrinhos são forma de arte, uma mídia presente na civilização industrializada que nasceu e cresceu como fruto da expansão dos meios de comunicação. </li></ul><ul><li>Os quadrinhos não nasceram com função pedagógica ou educativa, mas passaram a incorporá-la a partir do momento que se tornaram meios de comunicação e, portanto, imbuídos de ideias, símbolos e sentidos com o poder de formar ou reforçar opiniões. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Defender o uso dos quadrinhos na sala na escola não os descaracterização enquanto mídia popular. </li></ul><ul><li>Há quadrinhos de todos os tipos que podem desempenhar funções diversas conforme o(s) objetivo(s) de quem o produziu. </li></ul><ul><li>Os quadrinhos, acima de tudo, são uma forma de lazer, de diversão. </li></ul>
  5. 7. As histórias em quadrinhos são uma forma específica de leitura <ul><li>Os quadrinhos têm características próprias que lhe permitem uma interação com leitor diferente daquela que se obtém por meio da leitura de um livro, por exemplo. </li></ul><ul><li>A leitura dos quadrinhos não se limita ao texto mas estende-se à imagem, ajudando a formar habilidades mais complexas de análise e contextualização. </li></ul><ul><li>São estas particularidades, dentre elas a integração entre texto e imagem, que colocam os quadrinhos como um instrumento valioso para o desenvolvimento e estímulo da leitura. </li></ul>
  6. 9. <ul><li>Existe um debate acirrado acerca das adaptações literarias para quadrinhos. </li></ul><ul><li>O que é melhor? </li></ul><ul><li>A obra original sempre será única. </li></ul><ul><li>Adaptações provocam sempre mudanças. </li></ul><ul><li>Um filme adaptado de um livro nunca será igual ao livro original; um quadrinho adaptado de um livro seguirá o mesmo caminho. </li></ul>
  7. 10. A necessidade de estimular a leitura é urgente <ul><li>É preciso estimular o gosto pela leitura, independente do que o leitor deseje ler. </li></ul><ul><li>Estamos condicionados a acreditar que existe uma “boa” leitura e que ela está presente apenas nos livros. No entanto, a boa leitura é aquilo que o leitor deseja ler, não importa se é uma revista em quadrinhos, o caderno de esportes ou a revista de horóscopo. </li></ul><ul><li>Quanto maior a frequência com que uma pessoa lê diariamente, maiores as chances de ela desejar ler mais e de variar o tipo de leitura. </li></ul>
  8. 11. <ul><li>Pesquisa recente mostra que: </li></ul><ul><li>A cada cem alunos do 3º ano do ensino fundamental, 43 deles não são capazes de entender um texto que estejam lendo.  </li></ul><ul><li>Os resultados da Prova ABC (Avaliação Brasileira do Final do Ciclo de Alfabetização) demonstram que apenas 56,1% dos alunos do 3º ano aprenderam o que era esperado em leitura para este nível do ensino. </li></ul>
  9. 12. <ul><li>Na rede municipal e estadual, apenas 48,6% dos alunos alcançam os níveis considerados esperados para o 3º ano do fundamental: 51,4 % dos estudantes não sabe tirar o tema de um texto que leia. </li></ul><ul><li>O Nordeste é a região com o pior desempenho: 63,5% dos alunos da rede pública têm conhecimento abaixo do esperado. </li></ul>
  10. 13. Usar quadrinhos na sala de aula não é tão simples <ul><li>É fato que uma considerável parcela dos professores ainda não está familiarizada com o uso dos quadrinhos. </li></ul><ul><li>Este é um agravante se levarmos em consideração sua presença cada vez maior em livros didáticos e em avaliações como a Provinha Brasil, o ENEM e, é claro, os vestibulares. </li></ul>
  11. 15. (...) as escolas e a academia têm, em grande parte, dificuldade em lidar com imagens, uma vez que, por conta da dominância do paradigma racionalista, desenvolveu-se de que as imagens são para crianças e, portanto, não podem ser para coisas sérias como os conteúdos escolares. Elydio dos Santos Neto, 2011
  12. 16. <ul><li>É preciso investir na formação, seja através de cursos de extensão, oficinas, indicação de leituras ou mesmo compartilhado experiências. </li></ul><ul><li>Assim como trabalhar com jornais, filmes ou TICs, trabalhar com quadrinhos requer um mínimo de formação para que se possa explorar ao máximo as potencialidades deste recurso midiático. </li></ul><ul><li>A formação do professor é um processo contínuo e que deve acompanhá-lo por toda a sua vida profissional. </li></ul>
  13. 17. Algumas considerações sobre trabalhar com quadrinhos na sala de aula <ul><li>O professor Elydio dos Santos Neto oferece em seu livro Histórias em Quadrinhos & Educação de dicas importantes para quem quer trabalhar com quadrinhos na escola: </li></ul>
  14. 18. <ul><li>1. Histórias em quadrinhos podem ajudar no desenvolvimento da razão sensível e da razão simbólica; </li></ul><ul><li>2. Trabalhar com quadrinhos ajuda a desenvolver formas diferentes de analisar a realidade; </li></ul><ul><li>3. Para trabalhar com quadrinhos é preciso conhecer a linguagem dos quadrinhos; </li></ul><ul><li>4. É preciso saber escolher as Hqs que se deseje trabalhar na sala de aula; </li></ul><ul><li>5. É preciso ter comprometimento pedagógico; </li></ul>
  15. 19. <ul><li>6. Deve-se considerar o contexto social do aluno; </li></ul><ul><li>7. Trabalhar quadrinhos é também estimular uma educação para uma cultura visual; </li></ul><ul><li>8. O professor deve ter cuidado com a didatização excessiva dos quadrinhos; </li></ul><ul><li>9. Cada professor deve desenvolver sua própria metodologia; </li></ul><ul><li>10. É preciso formar professores para o uso dos quadrinhos. </li></ul>
  16. 20. Os quadrinhos vão salvar a educação? <ul><li>O uso dos quadrinhos é apenas mais uma estratégia para se alcançar bons resultados na sala de aula. </li></ul><ul><li>Eles são mais um recurso e, portanto, não podem ser responsabilizados unicamente pelo bom ou mal desempenho escolar. </li></ul><ul><li>No entanto, a parceria entre quadrinhos e educação podem contribuir para que os alunos desenvolvam várias habilidades, que podem ir além da boa leitura e interpretação. </li></ul>
  17. 21. <ul><li>Atualmente pesquisas realizadas em vários campos do conhecimento demonstram que os quadrinhos ajudam, inclusive, na formação de valores e na compreensão da realidade social. </li></ul><ul><li>Na prática, podemos hoje utilizar quadrinhos em praticamente todos os conteúdos escolares. </li></ul>
  18. 22. Dicas de como usar quadrinhos na sala de aula <ul><li>Vamos trabalhar com alguns exemplos de como os quadrinhos podem ser usados na sala de aula, em diversos conteúdos. </li></ul><ul><li>É sempre bom lembrar que a parceria entre quadrinhos e educação dever estar afinada com as necessidades do professor e a realidade dos alunos. </li></ul><ul><li>As dicas que seguem são apenas indicações de como trabalhar o recurso e não devem limitar a criatividade do professor. </li></ul>
  19. 23. Usando quadrinhos na alfabetização <ul><li>Observe que entre o segundo e o terceiro quadro há um “vazio” que deve ser preenchido pelo leitor para entender a tirinha. Nesta atividade o professor está trabalhando com o recurso da metalinguagem e intertexto. </li></ul>
  20. 24. <ul><li>Outra atividade muito usada nesta fase é a de estimular a produção de textos preenchendo balões. </li></ul>
  21. 25. Nas aulas de Língua Portuguesa <ul><li>O professor pode trabalhar a leitura crítica e interpretação de texto; </li></ul><ul><li>A criatividade; </li></ul><ul><li>Caracterização de personagens, regionalização, ortografia; </li></ul><ul><li>Concisão e coesão do texto; </li></ul><ul><li>Metáforas visuais. </li></ul>
  22. 26. Nas aulas de Matemática e Física <ul><li>Usar tirinhas para ilustrar uma atividade ou introduzir uma atividade é uma das formas mais comuns de se utilizar os quadrinhos nas atividades de matemática e na física. </li></ul>
  23. 27. Considere que o leão da história acima tenha repetido o convite por várias semanas. Na primeira, convidou a Lana para sair 19 vezes; na segunda semana, convidou 23 vezes; na terceira, 27 vezes e assim sucessivamente, sempre aumentando em 4 unidades o número de convites feitos na semana anterior. Imediatamente após ter sido feito o último dos 492 convites, o número de semanas já decorridas desde o primeiro convite era igual a: (A) 10 (B) 12 (C) 14 (D) 16
  24. 28. <ul><li>A criação de tirinhas de física é uma forma de fixar o conteúdo apreendido. </li></ul>
  25. 29. Quadrinhos e Geografia <ul><li>Na geografia os quadrinhos podem ser usados como complemento para o estudo de vários temas, que vão desde os aspectos geográficos a sociais. </li></ul><ul><li>Existem quadrinhos que abordam, por exemplo, temas como etnia e preservação do meio ambiente que podem ser trabalhados em geografia. </li></ul>
  26. 32. Quadrinhos nas aulas de História <ul><li>Assim como nas aulas de Geografia, os quadrinhos podem ser utilizados nas aulas de história para introduzir os mais variados temas. </li></ul><ul><li>Há ainda um diferencial que é a produção de quadrinhos históricos ou com temáticas históricas que permitem ao professor deste conteúdo um uso mais abrangente do recurso. </li></ul>
  27. 34. Quadrinhos nas aulas de Ensino Religioso e Filosofia <ul><li>Quadrinhos podem ser usados em aulas de Ensino Religioso e Filosafia como forma de introduzir e debater, por exemplo, valores morais e discussões éticas muito resentes em quadrinhos de super-heróis norte-americanos, muito populares entre os jovens. </li></ul>
  28. 35. (..) narrativas de cunho religioso sempre envolvem elementos misteriosos, desconhecidos, mitológicos, fantásticos, sobrenaturais, e tornam-se, justamente por esse “ar de mistério”, interessantes de serem narradas e fáceis de serem “cientificamente” justificadas. Assim, há várias estórias que carregam um senso de moralidade e ética e a existência de aspectos atinentes à religião estadunidense, não só à “religião tradicional”, mas também à religião civil – Robert N. Bellah – que ali se desenvolveu peculiarmente . Iure Andréas Reblin, 2010
  29. 36. As melhores histórias em quadrinhos de super-heróis (...) introduzem e abordam de forma vivida algumas das questões mais interessantes enfrentadas por todo ser humano – questões referentes à ética, a responsabilidade pessoal e social, à justiça, ao crime e ao castigo, à mente, às emoções humanas, á identidade pessoal, à alma, à noção do destino, o sentido de nossa vida, ao que pensamos da ciência e da natureza(...). Matt Moris e Tom Morris, 2005
  30. 37. FONTES UTIZADAS <ul><li>Em leitura, 43,9% dos alunos do 3º ano do ensino fundamental não são capazes de encontrar informações num texto escrito. Disponível em: http://noticias.bol.uol.com.br/educacao/2011/08/25/em-leitura-439-dos-alunos-do-3-ano-do-ensino-fundamental-nao-sao-capazes-de-encontrar-informacoes-num-texto-escrito.jhtm . acesso em 25/08/2011 ; </li></ul><ul><li>MORIS, Matt, MORRIS, Tom. Super-heróis e a filosofia: verdade, justiça e o caminho socrático. São Paulo, Ed, Mandras, 2005 </li></ul><ul><li>Questões de ciências da natureza & matemática. Disponível em: http://www.cbpf.br/~eduhq/html/questoes/questoes_uerj_ciencia_natureza_e_matem.htm. acesso em 04/06/2009 . </li></ul><ul><li>RAMA, Angela; VERGUEIRO, Waldomiro (orgs.) Como usar histórias em quadrinhos na sala de aula . São Paulo: Contexto, 2004. </li></ul><ul><li>REBLIN, Iuri Andréas. A teologia e a saga dos super-heróis: valores e crenças apresentados e representados no gibi. Protestantismo em Revista, São Leopoldo, RS, v. 22, maio-ago. 2010. Disponível em http://www.academicos.gibihq.org/artigos_academicos/A %20teologia%20e%20a%20saga%20dos%20super- her %C3%B3is_ reblin.pdf , acesso em 20/07/2011. </li></ul>
  31. 38. O conteúdo desta apresentação pode ser usado, desde que seja dado crédito a quem produziu o material.

×