Crise do império e primeira república2

  • 2,838 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,838
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5

Actions

Shares
Downloads
38
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Do Império à República Natania Nogueira nogueira.natania@gmail.com www.historiadoensino.blogspot.com
  • 2. A GUERRA DO PARAGUAIO governo paraguaio investiu na produção interna, no desenvolvimento da indústria e no bem estar social.Objetivo: criar um país forte e soberano.O Paraguai era livre da exploração do capitalismo internacional.O desenvolvimento do Paraguai desagradava profundamente a Inglaterra.
  • 3. SOLDADOS DA GUERRADO PARAGUAI
  • 4. Como o Paraguai não se enquadrava no esquema do capitalismo industrial inglês, para a Inglaterra ele representava um "mau exemplo que precisava ser destruído.A Inglaterra ajudou o Brasil, a Argentina e o Uruguai na luta contra o Paraguai.Brasil, Argentina e Uruguai formaram aTríplice Aliança contra o Paraguai e deram.O que alimentou a Guerra do Paraguai foram questões econômicasIniciada em 1865, a Guerra do Paraguai durou cinco anos terminando em 1870.
  • 5. SOLANO LOPEZ,PRESIDENTE DOPARAGUAI, COMOSANGUINÁRIO.CARICATURA DE ANGELOAGOSTINI NA REVISTAFLUMINENSE, 12 06 1869.
  • 6. Consequências da guerraSaldo da guerra: morreram aproximadamente 100 mil soldados brasileiros; do lado a população de 800 mil habitantes reduziu-se a 194 mil pessoas (75,7% dos paraguaios foram exterminados.A economia brasileira ficou fortemente abaladaO Exército brasileiro passou a assumir posições contrarias à sociedade escravista brasileira e a demonstrar simpatia pela causa republicana.
  • 7. A ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO  Começa com a lei Eusébio de Queirós.  Após a extinção do tráfico negreiro (1850), cresceu no país a campanha abolicionista, que foi um movimento público pela libertação dos escravos.  Após a Guerra do Paraguai o exército passou a se recusar a capturar escravos fugidos.  Na década de 1870 cresce o movimento abolicionasta. O sistema escravista foi sendo extinto lentamente, de maneira a não prejudicar os proprietários de escravos.
  • 8. SOLDADO RETORNA DAGUERRA E SE INDIGNACOM A ESCRAVIDÃO.ILUSTRAÇÃODE ANGELOAGOSTINI
  • 9. As principais leis abolicionistas foram:1. Lei do Ventre Livre (1871): declarava livres todos os filhos de escravos nascidos no Brasil.2. Lei dos Sexagenários(1885):declarava livres os escravos com mais de 65 anos, o que significava libertar os donos de escravos da "inútil" obrigação de sustentar alguns raros negros velhos que conseguiram sobreviver à brutal exploração de seu trabalho.3. Lei Áurea (1888), promulgada pela princesa Isabel, filha de D. Pedro II, efetivou a abolição da escravidão no Brasil.
  • 10. CRÍTICA À LEI DOS SEXAGENÁRIOS,POR ANGELO AGOSTINI
  • 11. A PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICAA República foi proclamada em 15 de novembro de 1889, por um grupo formado por militares e civis.Os intelectuais adeptos do positivismo tiveram um papel importante neste processo.O governo provisório foi instalado tendo a frente o Marechal Deodoro da Fonseca.
  • 12. O GOVERNO DE DEODORO Deodoro da Fonseca governou provisoriamente até 1891, quando foi eleito presidente. Durante este período, a Constituição da República foi escrita e aprovada. O Brasil entrou em uma grande crise econômica, apelidada de encilhamento.
  • 13. O encilhamento foi uma desastrosa política econômica implementada por Rui Barbosa, ministro da economia. A emissão descontrolada e papel moeda, liberação de empréstimos e a venda de ações de empresas que não existiam fizeram com que a bolsa de valores do Rio de Janeiro quebrasse, assim como muitos bancos e empresas, fazendo o país mergulhar numa grave crise econômica, afetando principalmente as classes populares.
  • 14. O GOVERNO DE FLORIANO PEIXOTO  O Governo de Deodoro durou poucos meses.  Seu autoritarismo e sua recusa em obedecer à Constituição levou à sua renuncia.  Em seu lugar entrou o Vice-Presidente, Floriano Peixoto.  Floriano se preocupou com os mais pobres, congelando presos e tentando diminuir o impacto da crise sobre os mais pobres, o que o tornou um presidente popular.  Os inimigos políticos ele conseguiu neutralizar, podendo governar quase sem oposição política.
  • 15. Durante seu governo, enfrentou duas revoltas:A REVOLTA DA FEDERATIVA (1893-1894): ocorreu no Rio Grande de Sul, onde grupos aliados de Floriano, defensores da república federalista enfrentaram seus opositores, que desejavam o retorno do parlamentarismo, tal como existia na monarquia.A REVOLTA DA ARMADA (1893-1894): Ocorreu no Rio de Janeiro. A marinha do Rio de Janeiro desejava novas eleições pois estava insatisfeita com o seu papel secundário dentro da República.
  • 16. A GUERRA DE CANUDOSAconteceu na Bahia.Foi um movimento messiânico, liderado por Antônio Conselheiro.O Arraial de Canudos (Belo Monte) era habitado por seguidos de Conselheiro, pessoas pobres que buscavam melhores condições de vida.Cerca de 14 mil pessoas foram mortas pelo exército brasileiro, que atacou o arraial, a mando da Igreja e dos Coronéis.
  • 17. CRIANÇAS E MULHERES PRISIONEIROS DE GUERRA