• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
As histórias de quadrinhos como fonte de pesquisa
 

As histórias de quadrinhos como fonte de pesquisa

on

  • 8,527 views

Material do segundo dia de apresentação

Material do segundo dia de apresentação

Statistics

Views

Total Views
8,527
Views on SlideShare
8,378
Embed Views
149

Actions

Likes
2
Downloads
91
Comments
0

4 Embeds 149

http://historiadoensino.blogspot.com.br 96
http://historiadoensino.blogspot.com 49
http://www.historiadoensino.blogspot.com.br 3
http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    As histórias de quadrinhos como fonte de pesquisa As histórias de quadrinhos como fonte de pesquisa Presentation Transcript

    • Os Quadrinhos como fonte de pesquisa histórica: a evolução das artes gráficas no Brasil (XIX-XX) Natania Nogueira [email_address] Valéria Fernandes [email_address]
    • As artes gráficas e a História
      • Neste mini-curso, iremos conhecer um pouco mais sobre a história dos quadrinhos, sempre associados a outros tipos de artes gráficas.
      • As artes gráficas serão apresentadas não apenas como meios de comunicação mas, sobretudo, como fontes de pesquisa histórica e do ensino de história.
    • A caricatura e a charge no Brasil
      • É difícil estabelecer a diferença entre charge e caricatura.
      • O historiador Herman Lima , em sua obra "História da Caricatura no Brasil", usa os termos caricatura e charge para se referir basicamente às mesmas coisas.
      • Vamos aqui tentar estabelecer algumas diferenças básicas.
    • Charles Darwin (1871)
      • Chama-se caricatura todo desenho que acentua detalhes ridículos.
      • Vem do termo italiano caricare, "carregar", "acentuar“ e foi utilizado pela primeira vez em 1646, para designar uma série de desenhos satíricos de Agostino Carracci, que retratava tipos populares de Bolonha.
      • A caricatura pode ultrapassar o individual, para particularizar o imaginário coletivo de uma época ou de um povo.
      • Aleijadinho teria sido um dos primeiros a fazer uso da caricatura no Brasil, no século XVIII. O artista teria reproduzido, em um grupo de são Jorge com o dragão, os traços do coronel José Romão.
      • Oficialmente, o iniciador da caricatura no Brasil foi Manuel de Araújo Porto Alegre , que publicou a primeira caricatura, no Jornal do Comércio de 14 de dezembro de 1837: uma sátira ao jornalista Justiniano José da Rocha , inimigo do artista.
      • Manuel de Araújo Porto Alegre (1806-1879), foi o fundador do primeiro jornal de caricaturas do Brasil A Lanterna Mágica, (1844).
      • O uso das charges esteve sempre vinculado à realização de algum tipo de reflexão sobre os acontecimentos do cotidiano.
      • A charge possui tem quatro funções: política, econômica, educativa e de entretenimento.
      • Nesse ponto, Araújo também é considerado o primeiro chargista do Brasil, dado o conteúdo político-social incluso em suas ilustrações.
      • A charge tem poder mobilizador pois ela pode influir na opinião pública. Através dela, por exemplo, os jornais do século XIX alcançavam um público até então inacessível: os analfabetos.
    • Charge de Angelo Agostini, sobre a Guerra de Canudos.
    • O Brasil teve a primeira mulher caricaturista do mundo
      • Nair de Tefé (1886 -1981), publicou seu primeiro trabalho, A Artista Rejane , na revista “Fon-Fon”, sob o pseudônimo de Rian (Nair de trás para frente).
      • Especializou-se em retratar a elite carioca. Publicou suas caricaturas em periódicos como O Binóculo , A Careta , O Ken , Gazeta de Notícias e da Gazeta de Petrópolis .
      • Em 1910 as revistas francesas Fantasie , Femina , Excelsior e Le Rire publicam seus trabalhos
      • Em 6 de janeiro de 1913, casou-se com o presidente da República, o marechal Hermes da Fonseca.
      • Na Europa realizou algumas exposições.
      • Em 1922, participou da Semana da Arte Moderna.
      Affonso Celso
      • Publicou ainda charges, em 1922, no livro de crônicas de Otto Prazeres : Petrópolis, a Encantadora, fez uma capa em cores para a Fon-Fon em 22 de janeiro de 1922.
      • Também publicou na Revista da Semana trinta "cabeças" de personalidades, como a do próprio Hermes da Fonseca, Nilo Peçanha , Epitácio Pessoa e outros, e em 11 de abril de 1925, na mesma revista, publicou um croqui da bailarina Naruna Corder .
      Caricatura do presidente Eurico Gaspar Dutra
      • Só a partir de 1955 é redescoberta pela imprensa.
      • Em 1959, por incentivo de Herman Lima, redesenha seis de suas caricaturas, inclusive A Artista Rejane, que foram incluídas na coleção História da Caricatura no Brasil.
      • Aos 73 anos retomou a carreira como caricaturista
      Caricatura do presidente Juscelino Kubitschek
    • A caricatura de J. Carlos
      • José Carlos de Brito e Cunha (1884-1950), J. Carlos), nasceu no Rio de Janeiro.
      • Foi responsável pela nacionalização da arte da caricatura no Brasil.
    • Capa da revista O Careta (1912)
      • Começou sua carreira em 1902, no "Tagarela" e colaborou em várias revistas, como a “ Careta", "Fon-Fon", "O Tico-Tico", "Almanaque do Tico-Tico" e "O Cruzeiro".
      • O seu traço fui muito influenciado pelo estilo art nouveau , marcado pelas linhas curvas, a elegância e o detalhismo na composições de personagens e ambientes.
      • Começou a desenhar o personagem Juquinha, o primeiro herói brasileiro dos quadrinhos, na revista Tico-Tico, em 1906 .
    •  
      • Compôs um retrato vivo da sociedade brasileira do início do século XX, retratando a vida carioca, as praias, o carnaval, a moda e costumes e criando personagens típicos da cidade.
      • A melindrosa era uma personagem recorrente em seu trabalho.
    •  
    •  
    •  
    • Disponível em: http://www.revistadehistoria.com.br/v2/home/ ? go =detalhe&id=2901 , acesso em 21/06/2010 .
      • Na capa de O Malho de 1º de maio de 1920, o gênio brasileiro da caricatura, J. Carlos, brinca com as comemorações do Descobrimento (naquela época, comemorava-se a data no dia 3 de maio). De Cabral aos nossos “papagaios” congressistas, uma crítica rimada de algumas mazelas nacionais:
      • “ A nau descobre / A mensagem encobre / O Congresso e o cobre”.
      • “ O início do século XX foi um período de grandes inovações no Brasil. Junto com o cinema e o automóvel, um novo estilo de vida acabou surpreendendo os brasileiros. A charge de J. Carlos mostra como os costumes “civilizados” dos grandes centros urbanos causavam sensação. Alguns espertinhos chegaram a usá-los como desculpa para suas atitudes, digamos, avançadas.”
      • (Disponível em http://www.revistadehistoria.com.br/v2/home/?go=detalhe&id=3166 , acesso em, 10/07/2010)
      • À maneira americana – Não me passes o braço na cintura. – O que tem isso? O lugar é discreto. E que não fosse! Pensam que somos americanos.
      • Foi convidado para trabalhar nos estúdios da Disney, mas recusou.
      • Fez uma charge do papagaio preparando as malas para ir a Hollywood, inspirando a criação do personagem Zé Carioca.
    • Quadrinhos de J. Carlos
      • Na revista Careta , de 27 de abril de 1912, está a continuação de uma Hq, como título Brocoió e as suas desventuras . Não há assinatura do autor, mas o traço assemelha-se ao de J. Carlos, que ilustra toda a revista.
      • No Tico-Tico foi publicou a série O talento de Juquinha , criando ainda os personagens Jujuba e seu pai, Carrapicho e a negrinha Lamparina , que é considerada sua maior criação nas HQs.
    • Belmonte: Era Vargas, Nazismo e História do cotidiano
      • Benedito Carneiro Bastos Barreto (1896 - 1947) foi um caricaturista, pintor, cartunista, cronista, escritor e ilustrador brasileiro.
      • Sua produção foi influenciada por J. Carlos.
      • Belmonte foi o criador do Juca Pato (1929), que encarnava as aspirações e frustrações da classe média paulistana, fazendo fortes críticas à corrupção política.
      • O Juca Pato fez sucesso na "Folha da Manhã", atual Folha de S. Paulo, com suas críticas a Getúlio Vargas.
    •  
    •  
      • Foi obrigado pelo DIP a tratar somente de temas internacionais.
      • Voltou, então, suas atenções para questões internacionais como o imperialismo, o nazismo e a II Guerra Mundial.
      • Stalin e Hitler eram personagens presentes em suas charges, algumas vezes dividindo espaço com Juca Pato.
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
      • Suas charges contra o nazifascismo chegaram ao conhecimento de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda e da Informação de Hitler: o nazista reagiu, acusando o brasileiro, pelo rádio, de ter sido comprado pelos aliados.
      • Como fim da II Guerra e a decadência do Estado Novo, Belmonte volta novamente sua atenção para Getúlio, aproveitando o momento de transição da ditadura para um governo democrático.
    •  
    •  
    •  
      • Belmonte publicou o livro ilustrado No Tempo dos Bandeirantes (1939), o qual classificou como uma reportagem retrospectiva sobre a vila de S. Paulo.
      • Trabalho pioneiro, o retrata a vida cotidiana dos paulistas de 1600, sendo uma verdadeira história do cotidiano, em oposição à história dos grande heróis e das grandes suas batalhas.
      • Belmonte pesquisou em testamentos e atas da Câmara Municipal, obras sobre arquitetura, armamento e heráldica.
    •  
    •  
    •  
    • O surgimento das Histórias em Quadrinhos no Brasil
      • Os quadrinhos surgiram no Brasil nos jornais, na segunda metade do século XIX, pegando carona o sucesso da charge e da caricatura.
      • Angelo Agostini é considerado o criador as primeiras histórias em quadrinhos brasileiras.
      • Periódicos como a Revista Ilustrada, fundada em 1876, por Ângelo Agostini, exploravam a imagem como forma de comunicação.
    • As primeiras revistas em quadrinhos do Brasil
      • Em 1905: surgiu o “O Tico-Tico”, criado por Renato de Castro e Manuel Bonfin e publicado pela editora S.A.O. Macho.
      • Circulou nas bancas de jornal até a década de 1960.
    • Ao Tico-tico seguiram outras publicações:
      • A Gazeta Infantil (1929)
      • O Mundo Infantil (1929)
      • Suplemento Juvenil (1934)
      • O Mirim (1939)
      • O Lobinho (1939)
      • O Gibi (1939)
      • A Gazetinha (1939)
      • O Globo Juvenil (1937)
      • O Sesinho (1948).
    • A produção pioneira da EBAL
      • Adolfo Aizen lançou em 1934 o "Suplemento Juvenil“.
      • Em 1945 fundou a EBAL (Editora Brasil América Ltda).
      • Tornou-se um dos pioneiros na produção e edição de histórias em quadrinhos dedicadas a temas históricos e adaptações literárias, valorizando o talento de desenhistas nacionais.
      • A EBAL lançou as séries Edições Maravilhosas, Grandes Figuras do Brasil (lançado em 20 volumes, entre 1957 e 1958), História do Brasil e Epopéia.
      • Seu objetivo : reverter o status cultural dos quadrinhos e afastar do Brasil o fantasma da censura aos quadrinhos.
      • O declínio da editora teve início em fins da década de 1960. Em 1983 a editora encerrou sua produção.
    • Edson Rontani e o nascimento do Fanzine no Brasil
      • Fanzine é uma revista editada por um fã.
      • Edson Rontani (1933 - 1997), desenhista artístico, lecionava desenho em seu Instituto Orbis, situado no centro de Piracicaba. Foi também pintor, jornalista e radialista, tendo produzido capas para revidas da EBAL, como Batman.
      • Foi o editor do primeiro fanzine brasileiro sobre histórias em quadrinhos publicado em 12 de Outubro de 1965, em Piracicaba (SP), com o nome de "Ficção" (Boletim do Intercâmbio Ciência-Ficção Alex Raymond).
    • Exemplo de fanzine
      • O “Ficção” era composto por textos informativos e uma lista de produções brasileira de quadrinhos desde 1905. Ele teve 12 edições.
      • A impressão era feita em mimeógrafo à tinta.
      • Nele, foram divulgadas curiosidades sobre personagens de histórias em quadrinhos, publicações especializadas e editoras.
      • Rontani foi o primeiro a fazer um levantamento sobre a produção de quadrinhos no Brasil.
      • Entre os destinatários estavam: José Mojica Marins (o "Zé do Caixão"), Gedeone Malagola, Adolfo Aizen, Mauricio de Sousa, Jô Soares, Lyrio Aragão e outros desenhistas ou aficionados em quadrinhos.
      Nhô Quim, criação do cartunista Edson Rontani.
    • O conteúdo desta apresentação pode ser usado, desde que seja dado crédito a quem produziu o material