Transtornos de personalidade

19,105 views
18,732 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
16 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
19,105
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
184
Actions
Shares
0
Downloads
811
Comments
0
Likes
16
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transtornos de personalidade

  1. 1. TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE<br />Bruna Avelar<br />Cássio Silveira<br />
  2. 2. Personalidade<br />Definição:<br />“Rótulo descritivo do comportamento observável do indivíduo e de sua experiência interior subjetiva relatada”<br />
  3. 3. Transtorno de Personalidade<br />Definição:<br /> “Experiências subjetivas e comportamento persistentes que se desviam dos padrões culturais, são rigidamente generalizados, tem início na adolescência ou na vida adulta, são estáveis ao longo do tempo e levam a comprometimento ou infelicidade.”<br />
  4. 4. Classificação<br />Grupo A:<br /><ul><li>Paranóide
  5. 5. Esquizóide
  6. 6. Esquizotípica</li></ul>Estranhos e Excêntricos<br />
  7. 7. Classificação<br />Grupo B:<br /><ul><li>Anti-social
  8. 8. Borderline
  9. 9. Histriônica
  10. 10. Narcisista</li></ul>Dramáticos Emocionais Erráticos<br />
  11. 11. Classificação<br />Grupo C:<br /><ul><li>Esquiva
  12. 12. Dependente
  13. 13. OC</li></ul>Ansiosos e Medrosos<br />
  14. 14. Mecanismos de Defesa<br />Fantasia<br />Dissociação<br />Isolamento<br />Projeção<br />Cisão<br />Agressão passiva<br />Atuação<br />
  15. 15. BORDERLINE<br />
  16. 16. Personalidade Borderline<br />Limítrofe entre neurose e psicose<br />Afetos, humor, comportamento, relações objetais e auto-imagem instáveis<br />Duas vezes mais comum entre mulheres que em homens<br />1-2% da população<br />Mais prevalente entre pacientes com transtorno depressivo maior<br />
  17. 17. Quadro clínico TPB<br /><ul><li>Estado persistente de crise
  18. 18. Oscilações de humor
  19. 19. Episódios micropsicóticos
  20. 20. Comportamento imprevisível
  21. 21. Auto-destruição recorrente – suicídios e mutilação
  22. 22. Dependentes de quem são íntimos
  23. 23. Não toleram solidão
  24. 24. Aceitam estranhos como amigos e podem ter comportamentos de risco</li></li></ul><li>Quadro clínico TPB<br /><ul><li>Sentimentos crônicos de vazio e tédio
  25. 25. Difusão da identidade
  26. 26. Dicotomia interpessoal
  27. 27. Incapacidade de lidar com os estágios normais do ciclo da vida
  28. 28. Identificação projetiva
  29. 29. Prognóstico: Evolução para esquizofrenia(raro) e depressão</li></li></ul><li>Diagnóstico<br /> Um padrão invasivo de instabilidade dos relacionamentos interpessoais, auto-imagem e afetos e acentuada impulsividade, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, como indicado por cinco (ou mais) dos seguintes critérios: (1) esforços frenéticos para evitar um abandono real ou imaginado.Nota: Não incluir comportamento suicida ou automutilante, coberto no Critério 5(2) um padrão de relacionamentos interpessoais instáveis e intensos, caracterizado pela alternância entre extremos de idealização e desvalorização(3) perturbação da identidade: instabilidade acentuada e resistente da auto-imagem ou do sentimento de self(4) impulsividade em pelo menos duas áreas potencialmente prejudiciais à própria pessoa (por ex., gastos financeiros, sexo, abuso de substâncias, direção imprudente, comer compulsivamente).Nota: Não incluir comportamento suicida ou automutilante, coberto no Critério 5<br />
  30. 30. Diagnóstico<br />(5) recorrência de comportamento, gestos ou ameaças suicidas ou de comportamento automutilante(6) instabilidade afetiva devido a uma acentuada reatividade do humor (por ex., episódios de intensa disforia, irritabilidade ou ansiedade geralmente durando algumas horas e apenas raramente mais de alguns dias)(7) sentimentos crônicos de vazio(8) raiva inadequada e intensa ou dificuldade em controlar a raiva (por ex., demonstrações freqüentes de irritação, raiva constante, lutas corporais recorrentes)(9) ideação paranóide transitória e relacionada ao estresse ou severos sintomas dissociativos<br />
  31. 31. Tratamento<br />Psicoterapia é o tratamento de escolha<br />Farmacoterapia:<br /><ul><li>Antipsicóticos: controle da raiva
  32. 32. IMAO: impulsividade
  33. 33. ISRS: depressão
  34. 34. CMZP</li></li></ul><li>HISTRIÔNICA<br />
  35. 35. Personalidade Histriônica<br />Pessoas que se comportam de forma colorida, dramática e extrovertida<br />Dificuldade em manter relacionamentos profundos e duradouros<br />2-3% da população<br />
  36. 36. Quadro clínico<br /><ul><li>Comportamento em busca de atenção
  37. 37. Exagero de pensamentos e sentimentos
  38. 38. Ataques quando não estão sendo elogiados quando não são o centro das atenções
  39. 39. Comum o comportamento sedutor – mesmo inadequado
  40. 40. Uso da imagem para seduzir- preocupação escessiva com beleza
  41. 41. Mulheres são comumente anorgásmicas e homens com distúrbios de ereção
  42. 42. Impulsos sexuais para reassegurar-se de que são atraentes</li></li></ul><li>Diagnóstico<br /> Um padrão invasivo de excessiva emocionalidade e busca de atenção, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, como indicado por cinco (ou mais) dos seguintes critérios:(1) sente desconforto em situações nas quais não é o centro das atenções(2) a interação com os outros freqüentemente se caracteriza por um comportamento inadequado, sexualmente provocante ou sedutor(3) exibe mudança rápida e superficialidade na expressão das emoções(4) usa consistentemente a aparência física para chamar a atenção sobre si próprio(5) tem um estilo de discurso excessivamente impressionista e carente de detalhes(6) exibe autodramatização, teatralidade e expressão emocional exagerada(7) é sugestionável, ou seja, é facilmente influenciado pelos outros ou pelas circunstâncias(8) considera os relacionamentos mais íntimos do que realmente são.<br />
  43. 43. Tratamento<br />Psicoterapia: noção de seu comportamento<br />Farmacoterapia sintomática<br />
  44. 44. ANTI-SOCIAL<br />
  45. 45. Personalidade anti-social<br /><ul><li>Incapacidade de se adaptar às normas sociais
  46. 46. Desrespeito e violação dos direitos do outro
  47. 47. Três vezes mais prevalente em homens que em mulheres
  48. 48. 75% - População de penitenciários
  49. 49. 5 vezes mais comum entre parentes de primeiro grau
  50. 50. Não é sinônimo de psicopatia</li></li></ul><li>Diagnóstico TPAS<br />Atentar à manipulação do paciente<br />Necessidade de entrevista provocadora de estresse<br />Procurar inconsistências na história<br />
  51. 51. Características clínicas<br /><ul><li>Inúmeras àreas de perturbação na vida
  52. 52. Mentira, falta às aulas, fuga de casa, furtos, brigas, abuso de drogas e atividades ilegais
  53. 53. Não exibem ansiedade e depressão – incongruencias
  54. 54. Inteligencia verbal
  55. 55. Prognóstico : mantém um curso sem remissão
  56. 56. Ocorre normalmente no final da adolescência
  57. 57. Depressão e abuso de drogas é comum</li></li></ul><li>Tratamento<br />Pouco sucesso<br />Psicoterapia em grupo<br />Sintomática – ansiedade, raiva, depressão<br />Se sintomas TDAH – metilfenidato<br />Anticonvulsivantes – CMZP e Tegretol<br />
  58. 58. Critérios DSM-IV para TPAS<br /><ul><li>(1) Incapacidade de adequar-se às normas sociais com relação a comportamentos lícitos, indicada pela execução repetida de atos que constituem motivo de detenção;
  59. 59. (2) Propensão para enganar, indicada por mentir repetidamente, usar nomes falsos ou ludibriar os outros para obter vantagens pessoais ou prazer;
  60. 60. (3) Impulsividade ou fracasso em fazer planos para o futuro;
  61. 61. (4) Irritabilidade e agressividade, indicadas por repetidas lutas corporais ou agressões físicas;
  62. 62. (5) Desrespeito irresponsável pela segurança própria ou alheia;
  63. 63. (6) Irresponsabilidade consistente, indicada por um repetido fracasso em manter um comportamento laboral consistente ou de honrar obrigações financeiras;
  64. 64. (7) Ausência de remorso, indicada por indiferença ou racionalização por ter ferido, maltratado ou roubado alguém”.
  65. 65. Além dos critérios apresentados, para que o diagnóstico seja validado, há necessidade de serem observadas evidências de Transtorno de Conduta (TC), com início antes dos 15 anos de idade e de ser excluída a possibilidade de que a ocorrência do comportamento anti-social não se dê exclusivamente durante o curso de esquizofrenia ou episódio maníaco </li></li></ul><li>NARCISISTA<br />
  66. 66. Personalidade Narcisista<br />Elevado sentimento de sua própria importância<br />Sentimentos grandiosos de serem únicos<br />Menos de 1% da população geral<br />Comum em filhos de pais com o transtorno<br />Tem aumentado de forma constante<br />
  67. 67. Quadro clínico<br /><ul><li>Consideram-se especiais e esperam tratamento diferenciado
  68. 68. Senso de direitos exacerbado
  69. 69. Lidam mal com críticas- raiva ou indiferença
  70. 70. Ambiciosos por fama e fortuna
  71. 71. Relacionamentos frágeis
  72. 72. Exploração interpessoal comum
  73. 73. Fingem simpatia para conseguir seus objetivos
  74. 74. Predisposição à depressão
  75. 75. Supervalorização da juventude</li></li></ul><li>Diagnóstico<br />Um padrão invasivo de grandiosidade (em fantasia ou comportamento), necessidade de admiração e falta de empatia, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, indicado por pelo menos cinco dos seguintes critérios:(1) sentimento grandioso da própria importância (por ex., exagera realizações e talentos, espera ser reconhecido como superior sem realizações comensuráveis)(2) preocupação com fantasias de ilimitado sucesso, poder, inteligência, beleza ou amor ideal(3) crença de ser "especial" e único e de que somente pode ser compreendido ou deve associar-se a outras pessoas (ou instituições) especiais ou de condição elevada<br />
  76. 76. Diagnóstico<br />(4) exigência de admiração excessiva(5) sentimento de intitulação, ou seja, possui expectativas irracionais de receber um tratamento especialmente favorável ou obediência automática às suas expectativas(6) é explorador em relacionamentos interpessoais, isto é, tira vantagem de outros para atingir seus próprios objetivos(7) ausência de empatia: reluta em reconhecer ou identificar-se com os sentimentos e necessidades alheias(8) freqüentemente sente inveja de outras pessoas ou acredita ser alvo da inveja alheia(9) comportamentos e atitudes arrogantes e insolentes<br />
  77. 77. Tratamento<br />Transtorno crônico e de difícil tratamento<br />Psicanálise parece mais efetiva<br />Farmacoterapia: <br />-Carbolitium<br />-Antidepressivos<br />
  78. 78. PARANÓIDE<br />
  79. 79. Transtorno da Personalidade Paranóide<br /><ul><li>Padrão de desconfiança e suspeitas invasivas em relação aos outros;
  80. 80. Seus motivos são interpretados como malévolos;
  81. 81. Começa no início da idade adulta;
  82. 82. Presente em uma variedade de contextos (pelo menos 4)
  83. 83. Suspeita, sem fundamento suficiente, de estar sendo explorado, maltratado ou enganado pelos outros 
  84. 84. Preocupa-se com dúvidas infundadas acerca da lealdade ou confiabilidade de amigos ou colegas </li></li></ul><li>Transtorno da Personalidade Paranóide<br />Reluta em confiar nos outros por um medo infundado de que essas informações possam ser maldosamente usadas contra si<br />Interpreta significados ocultos, de caráter humilhante ou ameaçador, em observações ou acontecimentos benignos <br />Guarda rancores persistentes, ou seja, é implacável com insultos, injúrias ou deslizes<br />Percebe ataques a seu caráter ou reputação que não são visíveis pelos outros e reage rapidamente com raiva ou contra-ataque <br />Tem suspeitas recorrentes, sem justificativa, quanto à fidelidade do cônjuge ou parceiro sexual.<br />
  85. 85. ESQUIZÓIDE<br />
  86. 86. Transtorno da Personalidade Esquizóide<br /><ul><li>Distanciamento das relações sociais
  87. 87. Faixa restrita de expressão emocional em contextos interpessoais,
  88. 88. Começa no início da idade adulta
  89. 89. Presente em uma variedade de contextos (pelo menos quatro): 
  90. 90. Não deseja nem gosta de relacionamentos íntimos, incluindo fazer parte de uma família 
  91. 91. Quase sempre opta por atividades solitárias
  92. 92. Manifesta pouco, se algum, interesse em ter experiências sexuais com outra pessoa</li></li></ul><li>Transtorno da Personalidade Esquizóide<br />Tem prazer em poucas atividades, se alguma <br />Não tem amigos íntimos ou confidentes, outros que não parentes em primeiro grau <br />Mostra-se indiferente a elogios ou críticas de outros<br />Demonstra frieza emocional, distanciamento ou afetividade embotada.<br />
  93. 93. ESQUIVA<br />
  94. 94. Transtorno da Personalidade Esquiva<br /><ul><li>Inibição social;
  95. 95. Sentimentos de inadequação;
  96. 96. Hipersensibilidade à avaliação negativa;
  97. 97. Começa no início da idade adulta ;
  98. 98. Prevalência na população geral: 0,5 a 1,0%
  99. 99. Presente em uma variedade de contextos (pelo menos 4): 
  100. 100. Evita atividades ocupacionais que envolvam contato interpessoal significativo por medo de críticas, desaprovação ou rejeição
  101. 101. Reluta a envolver-se com pessoas, a menos que tenha certeza de sua estima
  102. 102. Mostra-se reservado em relacionamentos íntimos, em razão do medo de ser envergonhado ou ridicularizado</li></li></ul><li>Transtorno da Personalidade Esquiva<br />Preocupação com críticas ou rejeição em situações sociais<br />Inibição em novas situações interpessoais, em virtude de sentimentos de inadequação <br />Vê a si mesmo como socialmente inepto, sem atrativos pessoais ou inferior <br />Não quer assumir riscos pessoais ou envolver-se em quaisquer novas atividades, porque estas poderiam ser embaraçosas..<br />
  103. 103. DEPENDENTE<br />
  104. 104. Transtorno da Personalidade Dependente<br /><ul><li>Necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado,
  105. 105. Leva a um comportamento submisso e aderente e a temores de separação,
  106. 106. Começa no início da idade adulta
  107. 107. Presente em uma variedade de contextos(pelo menos 5): 
  108. 108. dificuldade em tomar decisões do dia-a-dia sem uma quantidade excessiva de conselhos e reasseguramento da parte de outras pessoas 
  109. 109. necessidade de que os outros assumam a responsabilidade pelas principais áreas de sua vida 
  110. 110. dificuldade em expressar discordância de outros, pelo medo de perder o apoio ou aprovação. </li></li></ul><li>Transtorno da Personalidade Dependente<br /><ul><li>Dificuldade em iniciar projetos ou fazer coisas por conta própria (em vista de uma falta de autoconfiança em seu julgamento ou capacidades, não por falta de motivação ou energia) 
  111. 111. Vai a extremos para obter carinho e apoio de outros, a ponto de voluntariar-se para fazer coisas desagradáveis 
  112. 112. Sente desconforto ou desamparo quando só, em razão de temores exagerados de ser incapaz de cuidar de si próprio
  113. 113. Busca urgentemente um novo relacionamento como fonte de carinho e amparo, quando um relacionamento íntimo é rompido 
  114. 114. Preocupação irrealista com temores de ser abandonado à sua própria sorte.</li></li></ul><li>OBSESSIVO COMPULSIVA<br />
  115. 115. Transtorno da Personalidade Obsessivo- compulsiva<br /><ul><li>Preocupação excessiva com organização, perfeccionismo e controle mental e interpessoal;
  116. 116. Para tal, abre mão a flexibilidade, abertura e eficiência,
  117. 117. Começa no início da idade adulta;
  118. 118. Presente em uma variedade de contextos(pelo menos 4):
  119. 119. preocupação tão extensa, com detalhes, regras, listas, ordem, organização ou horários, que o ponto principal da atividade é perdido 
  120. 120. Perfeccionismo que interfere na conclusão de tarefas (por ex., é incapaz de completar um projeto porque não consegue atingir seus próprios padrões demasiadamente rígidos)
  121. 121. Devotamento excessivo ao trabalho e à produtividade, em detrimento de atividades de lazer e amizades (não explicado por uma óbvia necessidade econômica) </li></li></ul><li>Transtorno da Personalidade Obsessivo-compulsiva<br /><ul><li>Excessiva conscienciosidade, escrúpulos e inflexibilidade em assuntos de moralidade, ética ou valores (não explicados por identificação cultural ou religiosa) 
  122. 122. Incapacidade de desfazer-se de objetos usados ou inúteis, mesmo quando não têm valor sentimental 
  123. 123. Relutância em delegar tarefas ou ao trabalho em conjunto com outras pessoas, a menos que estas se submetam a seu modo exato de fazer as coisas 
  124. 124. Adoção de um estilo miserável quanto a gastos pessoais e com outras pessoas; o dinheiro é visto como algo que deve ser reservado para catástrofes futuras
  125. 125. Rigidez e teimosia.</li>

×