Organizações voltadas para o conhecimento
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Organizações voltadas para o conhecimento

on

  • 3,865 views

Aula 3 da disciplina "Redes Sociais e Gestão do Conhecimento - Wikis e blogs corporativos", ministrado por Cely Carmo Giraldes no curso de Gestão de Hipermídia da Unicid.

Aula 3 da disciplina "Redes Sociais e Gestão do Conhecimento - Wikis e blogs corporativos", ministrado por Cely Carmo Giraldes no curso de Gestão de Hipermídia da Unicid.

Statistics

Views

Total Views
3,865
Slideshare-icon Views on SlideShare
3,861
Embed Views
4

Actions

Likes
0
Downloads
63
Comments
0

1 Embed 4

http://www.slideshare.net 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Organizações voltadas para o conhecimento Organizações voltadas para o conhecimento Presentation Transcript

    •  
    • Conjunto de registros estruturados, distintos e objetivos sobre fatos, eventos e/ou transações. Mensagem com finalidade de exercer algum impacto sobre o julgamento ou comportamento do destinatário. Ferdinand de Saussure: conceito, reside no plano das idéias (e não da forma, como o significante)
    • Aprendizado + fluxo de comunicação: processos SOCIAIS
    • Wikipedia: Gestão = Administração A  administração  é um conjunto de normas e funções elaboradas para disciplinar elementos de produção, que têm como objetivo alcançar um resultado eficaz e retorno financeiro. Administrar envolve a elaboração de planos, pareceres, relatórios, projetos, arbitragens e laudos, em que é exigida a aplicação de conhecimentos inerentes às técnicas de Administração.
    •  
    • *Ontologia: teoria ou ciência do ser, independente do modo pelo qual se manifesta. Indivíduo Equipe de Trabalho Departamento Unidade de Negócio Empresa
      • A dimensão epistemológica* está fundamentada na distinção entre o conhecimento tácito e o explícito.
      • Essa teoria estudou a interação entre o conhecimento tácito e o explícito, identificando quatro modos de conversão.
      Diálogo Construção do campo Aprender fazendo Associação do Conhecimento explícito Socialização tácito em tácito conhecimento compartilhado Externalização tácito em explícito conhecimento conceitual Internalização : explícito em tácito conhecimento operacional Combinação : explícito em explícito conhecimento sistêmico *Epistemologia: estudo / teoria sobre o conhecimento.
    •  
      • Intenção
      • Autonomia
      • Flutuação e caos criativo
      • Redundância
      • Variedade de requisitos
    •  
    •  
      • Gestão do conhecimento é o processo de administrar continuamente conhecimento de todos os tipos, descobrir necessidades existentes e emergentes, identificar, explorar o conhecimento existente, adquirir ativos de conhecimento e desenvolver novas oportunidades.
      • Jarrar (2002, p.322)
      • Mülbert et al. (2002): isso depende de novas estruturas organizacionais que favoreçam:
      • Correia e Sarmento (2003): gestão do conhecimento capacita as empresas para aprenderem a aprender.
    •  
      • Quinn et al. (2002)
      • Exemplo: NovaCare – empresa americana de assistência à saúde
      • Organização distributiva – antiga direção hierárquica se transforma-se em estrutura de apoio, distribuindo o apoio administrativo, logístico e a análise aos profissionais.
      • Não dá ordens e só intervêm em situações extremas.
        • Profissionais com grande autonomia
        • Gerentes viram consultores, facilitadores dos processos
      • Galbraith (1997)
      • Finalidade:
      • Favorecer a criação e aplicação do conhecimento = competividade em um ambiente complexo
      • Como funciona:
      • Coexistem duas estruturas organizacionais – a operacional e a inovadora. A inovadora concebe as idéias; a operacional, as implementa.
      • Aparecem os papéis de orquestrador, patrocinador e gerador de idéias.
        • Orquestrador (nível estratégico) - protege os geradores de idéias, promove oportunidades para testar as novas idéias e incentiva/recompensa a criação do conhecimento.
        • Patrocinador (nível tático): empresta sua autoridade e os recursos que possui para levar as idéias adiante.
        • Gerador de idéias (nível operacional)
        • Trabalham em sistema de reservas (organizacional/P&D e operacional) - no sentido de reserva florestal, um lugar protegido, um paraíso de aprendizado seguro.
    •  
      • Kilmann (1997)
      • Finalidade:
      • Resolver problemas complexos, não-rotineiros e de longo prazo (de forma similar à estrutura matricial/projetos), mas voltada para a criação e a inovação.
      • Como funciona:
      • Em ciclo contínuo, que intercala a estrutura operacional e a colateral, voltada para:
        • (1) sentir o problema (estrutura operacional);
        • (2) definir esse problema (estrutura operacional);
        • (3) desenvolver soluções (estrutura colateral);
        • (4) implementar as soluções encontradas (estrutura operacional).
        • Atividades são sempre desenvolvidas de maneira intercaladas, com múltiplo comando (diferentemente da dedicação parcial de horas a estrutura tradicional x time de projeto)
    •  
      • Finalidade: promover a gestão do conhecimento.
      • Como funciona:
      • Possui uma estrutura hierárquica formal, que funciona em conjunto com uma estrutura não-hierárquica e auto-organizada, constituída de níveis interconectados, nos contextos de sistemas de negócios, de equipe de projeto e de base de conhecimento.
      • Funciona em um ciclo dinâmico que atravessa os três níveis básicos da gestão do conhecimento:
        • (1) criação do conhecimento (equipe de projeto) a partir da direção da alta gerência;
        • (2) recategorização e recontextualização do conhecimento criado (base do conhecimento); e
        • (3) desenvolvimento de atividades operacionais (sistema de negócios).
    •  
    •  
      • COMO GERAR NOVOS CONHECIMENTOS?
      • Descobrir oportunidades
      • Compartilhar recursos
      • Aprender melhores práticas
      • Dar ou receber auxílio
      • Trocar informações, insights, experiências e ferramentas sobre alguma área de interesse comum
      • As redes de conhecimento podem ser criadas entre indivíduos de uma mesma organização; entre organizações com interesses comuns, independentemente de porte; entre organizações e institutos de conhecimento ou entre organizações globais.
      • Boekhoudt e Van Der Sappen (2004) mostram como pequenas organizações podem se organizar entre si, por similaridade de objetivos, e com instituições de conhecimento (universidades, institutos de pesquisa e desenvolvimento e outras), e formar redes de conhecimento.
      • Esse procedimento lhes facilita, principalmente, o acesso às inovações tecnológicas e à própria formação de comunidades de prática, com quantidade e qualidade relevantes de peritos.
      • Diretor/Gerente do Conhecimento
      • Exemplos: PriceWaterhouseCoopers, Skandia, HP, GE, Dow Química
      • O CKO trabalha junto ao CEO ( Chief Executive Officer) e os responsáveis pelas áreas de TI e RH, para adequar a administração do conhecimento à estratégia global da companhia.
      • Atribuições:
        • formular a visão da empresa quanto aos conhecimentos almejados;
        • desenvolver sistemas de gestão do conhecimento;
        • implementar plataformas de TI para ajudar a construir “redes de conhecimento”;
        • determinar o valor do capital intelectual da organização ;
        • projetar sistemas de remuneração que impulsionem o desenvolvimento de competências.
      • Construir uma cultura do conhecimento
      • Criar uma infra-estrutura para a GC
      • Tornar toda a atividade do conhecimento economicamente compensadora.
      • As redes sociais na gestão do conhecimento
      • As ferramentas tecnológicas – ERP, portais corporativos e web 2.0…
      • Ferramentas web 2.0 definindo e influenciando os negócios (blogs, redes sociais, fóruns, Twitter; widgets, blogs corporativos e outros)