Your SlideShare is downloading. ×
Aula 2 Promoção da Saúde
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Aula 2 Promoção da Saúde

7,189
views

Published on

Published in: Travel, Technology

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
7,189
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
152
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADES ABERTAS À TERCEIRA IDADE Promovendo a saúde e cidadania do idoso
  • 2. CONSTATANDO E QUESTIONANDO
    • A perda do valor social do idoso
    • O resgate deste valor através do cuidado
    • Em que paradigma se insere o cuidado que preconizamos para o idoso?
    • Afinal, o que é cuidado?
  • 3. A CRISE DO DESENVOLVIMENTO
    • A Ciência: produto e sustentáculo da modernidade
    • O silenciar de outras formas de conhecimento
    • O silenciar de grupos sociais
    • A perda do valor da tradição e da sabedoria dos anciãos
  • 4. O CONHECIMENTO PÓS-MODERNO
    • Conhecimento solidário, que respeita as diferenças sem romper com o conhecimento científico
    • Solidariedade - Cuidado
  • 5. UM NOVO PARADIGMA
    • IMPERATIVOS ÉTICOS: PARTICIPAÇÃO E SOLIDARIEDADE
    • UMA NOVA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO
  • 6. A NOVA AGENDA
        • A saúde como eixo das políticas públicas;
        • Uma atitude de cuidado na relação com a Natureza;
        • Compromisso com a participação social de todos e com a construções dos sujeitos-cidadãos;
        • O resgate do lazer;
        • O resgate do espiritual;
        • A inserção da perspectiva da Promoção da Saúde, como prioritária;
        • A integração de outras práticas culturais.
  • 7. COMO CONSTRUIR ESTE NOVO PARADIGMA?
    • Precisamos resgatar a essência do ser humano. E é o cuidado que faz surgir um ser humano solidário, cordial e conectado com tudo e todos no universo. Somente desta forma poderemos resgatar o ser idoso como valor para a sociedade.
  • 8. Seria este um novo paradigma? Como resgatar a essência do humano?
  • 9.
    • Hoje, em plena crise do projeto humano, sentimos a falta de cuidado em toda parte. No entanto, o caminho da cura está no próprio ser humano, que precisa voltar-se sobre si mesmo e redescobrir que sua essência se encontra no cuidado.
    • Leonardo Boff
  • 10. A Política Nacional de Humanização (PNH, 2004)
    • O conceito de humanização se alinha a uma série de propostas de revisão e de mudança das relações entre equipes, profissionais, gestores e usuários dos serviços. A aposta nas "tecnologias relacionais" é clara. Fala-se do emprego das tecnologias de escuta, acolhimento, diálogo e negociação para a produção e gestão do cuidado.
  • 11. O conceito de Humanização expresso na PNH:
    • “ Entendemos Humanização como: valorização dos diferentes sujeitos implicados no processo de produção de saúde: usuários, trabalhadores e gestores; fomento da autonomia e do protagonismo desses sujeitos; aumento do grau de co-responsabilidade na produção de saúde e de sujeitos; estabelecimento de vínculos solidários e de participação coletiva no processo de gestão; identificação das necessidades de saúde; mudança nos modelos de atenção e gestão dos processos de trabalho tendo como foco as necessidades dos cidadãos e a produção de saúde; compromisso com a ambiência, melhoria das condições de trabalho e de atendimento. (PNI - Brasil, 2004)”.
  • 12. TIPOS DE AÇÃO DE INTERVENÇÃO SOBRE O INDIVÍDUO ( Merhy, 1998)
    • “ tecnologia dura”,- intervenções assistenciais baseadas em ferramentas-máquinas.
    • “ tecnologia leve-dura”- o acolhimento do paciente e os conhecimentos sobre a forma de saberes profissionais, bem estruturados.
    • “ tecnologia leve”- “momentos de falas, escutas e interpretações; momentos de cumplicidades, nos quais se produzem relações de vínculo e aceitação”.
  • 13. OBJETIVO GERAL DAS UNATIs
    • CONTRIBUIR PARA A ELEVAÇÃO DOS NÍVEIS DE SAÚDE FÍSICA, MENTAL E SOCIAL DAS PESSOAS IDOSAS, UTILIZANDO AS POSSIBILIDADES EXISTENTES NAS UNIVERSIDADES.
    • PODE ESTAR ALOCADA COMO ATIVIDADE DE EXTENSÃO, DENTRO DE UM NÚCLEO DE PESQUISA OU SER UMA UNIDADE ACADÊMICA COM CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS GRADUAÇÃO.
  • 14. Eixo do programa
    • Vida com qualidade.
    • A abordagem proposta prioriza a promoção da saúde, o cuidado e a manutenção da autonomia. Deste modo, todas as ações desenvolvidas no programa visam, em última análise, à preocupação com a preservação da saúde do indivíduo idoso.
    •  
  • 15.
    • Pode-se considerar o projeto um aprofundamento de práticas preventivas, balizado pelo afã de detectar precocemente os agravos de saúde que acometem os idosos.
    • Este aprofundamento se dá pela ampliação do espectro de atenção: da promoção à reabilitação e aos cuidados paliativos.
  • 16. HISTÓRICO
    • PRIMEIRA GERAÇÃO - DÉCADA DE 60 - OBJETIVO: OCUPAR O TEMPO LIVRE
    • SEGUNDA GERAÇÃO - 1973 - TOULOSSE - PRIMEIRA UNIVERSIDADE DA TERCEIRA IDADE VOLTADA PARA O ENSINO E PESQUISA
    • TERCEIRA GERAÇÃO - ANOS 80 - FRANÇA - CURSOS UNIVERSITÁRIOS FORMAIS. PARTICIPAÇÃO, AUTONOMIA E INTEGRAÇÃO
  • 17.
    • Brasil
    • NETI (UFSC)- 1983
    • Parceria SESC/ PUC de Campinas- Universidade da Terceira Idade da PUC/Campinas- 1990
    • UNATI/UERJ- 1993
    • A partir de década de 1990multiplicam-se os programas voltados para idosos em universidades brasileiras.
    • Hoje chegam a 150.
  • 18. ELEMENTOS DE UM PROGRAMA DE UNATI
    • 1- PARA OS IDOSOS
    • SERVIÇO DE SAUDE E JURÍDICO
    • ATIVIDADES EDUCATIVAS, CULTURAIS E SOCIAIS
    • 2-ESTUDANTES, PROFISSIONAIS E PÚBLICO EM GERAL
    • EDUCAÇÃO CONTINUADA
    • FORMAÇÃO, CAPACITAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, ESPECIALIZAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
    • PREPARAÇÃO PARA A APOSENTADORIA
    • PREPARAÇÀO DE CUIDADORES
  • 19.
    • 3- PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO
    • PRODUÇÃO DE PESQUISAS
    • CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO, BIBLIOTECA, SALA DE LEITURA
    • PUBLICAÇÃO E DIVULGAÇÃO DA PRODUÇÃO DOS PESQUISADORES
    • 4- SENSIBILIZAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA
    • ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING
  • 20. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
  • 21.
    • DESIGNAÇÕES:
    • Centro Colaborador da OMS
    • Centro Colaborador da BIREME
    • Centro de Referência em Saúde do Idoso para a ANS
    • Membro permanente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa
  • 22. Princípios
    • Cuidado
    • Integralidade
    • Interdisciplinaridade
  • 23. Eixo do programa
    • Vida com qualidade.
    • A abordagem proposta prioriza a promoção da saúde, o cuidado e a manutenção da autonomia.
    •  
  • 24. OBJETIVO GERAL
    • CONTRIBUIR PARA A ELEVAÇÃO DOS NÍVEIS DE SAÚDE FÍSICA, MENTAL E SOCIAL DAS PESSOAS IDOSAS, UTILIZANDO AS POSSIBILIDADES EXISTENTES NA UNIVERSIDADE, PRINCIPALMENTE A INTERGERACIONALIDADE.
  • 25.
    • A concepção da UnATI/UERJ
    • É um centro de convivência e atenção integral à saúde dos idosos.
    • É um centro de pesquisa e formação de Recursos Humanos.
    • Trata-se de um espaço de promoção da saúde e exercício da cidadania para pessoas de todas as idades.
  • 26. Micro-Universidade Temática
  • 27.   Direção COMUNICAÇÃO SECRETARIA Extensão Saúde Centro de Documentação Ensino Programa  Voluntariado Coordenação de Projetos de Extensão Especialização Residência Coordenação de Estágios de Graduação Serviços Centro de Convivência Núcleo de Atenção ao Idoso Cuidado Integral à pessoa idosa
  • 28. Considerações finais
    • Hoje a UnATI/ UERJ está consolidada como o grande centro universitário do país focado no processo do envelhecimento humano, abrangendo a produção, integração e aplicação de conhecimento, criação de alternativas, inovações tecnológicas, formação qualificada e aperfeiçoamento de recursos humanos, difusão de informações, prestação de serviços e, principalmente, como veículo de inserção de idosos na sociedade atual de forma contemporânea e cidadã.