José Augusto
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

José Augusto

on

  • 1,567 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,567
Views on SlideShare
1,567
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    José Augusto José Augusto Document Transcript

    • UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA Departamento de educação Licenciatura em Educação Física JOSÉ AUGUSTO SANTOS ZÓFFOLIPERFIL DA ADERENCIA A PRÁTICA ESPORTIVA NATAÇÃO EM ADOLESCENTES ALAGOINHAS - BA 2010
    • JOSÉ AUGUSTO SANTOS ZÓFFOLIPERFIL DA ADERENCIA A PRÁTICA ESPORTIVA NATAÇÃO EM ADOLESCENTES Monografia apresentada como requisito do componente curricular do Curso de Licenciatura Plena em Educação Física da Universidade do Estado da Bahia- Campus II. Orientador: Prof°. Dr. Mauricio Maltez. ALAGOINHAS - BA 2010
    • 4DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a todos que me apoiaram, a Deus, meu pai, minha mãe e o meu orientador a confiança que me foi dada
    • 5 AGRADECIMENTOSSou grato ao Grande e único Deus Pai!À minha família.Ao meu orientador, Professor Doutor Mauricio Maltez pela ajuda, paci-ência, orientação, incentivo, competência, humildade.Aos amigos que entenderam meu momento e o respeitaram.O clube ACRA Tênis pela contribuição ao meu crescimento humano eprofissional.
    • 6Se fiz descobertas valiosas,foi mais por ter paciência do que qualquer outro talento. Isaac Newton
    • 7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES GráficosGRÁFICO 1. Representação gráfica do percentual de 22 alunos/adolescentes freqüentadores das aulas de natação, que praticavam ou não algum exercício físico anteriormente.GRÁFICO 2. Representação gráfica do percentual de 23 alunos/adolescentes freqüentadores das aulas de natação, que tem apoio familiar ou não a prática da natação.GRÁFICO 3. Representação gráfica do percentual de 24 alunos/adolescentes freqüentadores das aulas de natação, que estudam ou trabalham ou estudam/trabalham ou nenhuma das respostas anteriores.GRÁFICO 4. Representação gráfica do percentual de 25 alunos/adolescentes freqüentadores das aulas de natação, que tem facilidade de acesso ou não ao clube onde praticam natação.GRÁFICO 5. Representação gráfica do percentual de 26 alunos/adolescentes freqüentadores das aulas de natação, que são do gênero masculino ou feminino e praticam natação.GRÁFICO 6. Representação gráfica do percentual de 27 alunos/adolescentes freqüentadores das aulas de natação, que tem ou tiveram aderência de 0 à 3 meses, 3 à 6 meses, 6 meses à 1 ano ou mais de 1 ano. TabelasTABELA 1. Tabela de dados antropométricos 19
    • 8 SUMÁRIO1. INTRODUÇÃO 092. OBJETIVOS 1121. Objetivo geral 112.2. Objetivo especifico 113. REFERÊNCIAL TEORICO 123.1. A atividade física 123.2. A natação “historia e benefícios” 143.3. Aderência 164. METODOLOGIA 184.1. Modelo de estudo 184.2. População e amostra 184.3. Procedimentos 194.4. Local do estudo 204.5. Instrumento de medida 204.6. Coleta de dados 214.7. Analise de dados 215. RESULTADOS E DISCUSSÃO 226.CONSIDERAÇÕES FINAIS 287.REFERENCIAS 29 ANEXOS 33
    • 91. INTRODUÇÃO A natação está inserida no campo de atividades esportivas encontradona cidade de Alagoinhas – BA, e cada vez mais evidente no cenário nacional,principalmente depois das conquistas conseguidas nas Olimpíadas de Pequim(2008). Cada vez mais pessoas têm procurado a atividade aquática comoforma de melhoria da qualidade de vida. Porém, ainda assim não chega a serrepresentativo o número de alunos nas escolas e clubes que oferecem nataçãocomo esporte. Segundo Gomes (1995, p. 12) “a natação é uma atividade muitofascinante e aparentemente complicada para quem não a domina, porém muitosimples para quem nela promove suas praxes.” A natação é a capacidade do homem de se locomover em ambienteaquático sem a ajuda externa de aparelhos e ou artifícios, apenas com seupróprio corpo. Então se pensou estudar o esporte natação praticado pelosalunos encontrados no ACRA (Associação Cultural e recreativa de Alagoinhas)Tênis Clube, suas motivações e seus empecilhos, suas naturais dificuldadesem ambiente aquático e suas superações diante do esporte natação. Por isso a escolha do ACRA Tênis Clube que é a referencia de clube nacidade e a mais de vinte anos trabalha com a prática de natação associadastanto a competição quanto ao bem estar e saúde. A escolha dos adolescentesdeu-se devido à observação e coleta de dados junto ao clube onde seobservou que era o perfil da grande maioria adepta no devido esportepesquisado. O município de Alagoinhas localiza-se a 119 km da cidade de Salvador etem população estimada no último censo do IBGE de 137.810 habitantes em2009. São reconhecidos no meio acadêmico os benefícios da natação taiscomo: a contribuição no desenvolvimento físico, ou seja, o fortalecimentogrande grupo muscular, a melhoria da coordenação dos movimentos e oaumento da resistência cardiorrespiratória. Ela também contribui no
    • 10desenvolvimento psicológico e social, no combate ao estresse e a obesidade,auxilia no tratamento de bronquite e asma; Diante de tudo isso, surge o problema: Qual o perfil de adesão/aderência dos praticantes de natação no ACRATênis Clube de Alagoinhas/Bahia?
    • 112. OBJETIVOS 2.1. Objetivo Geral Identificar o perfil dos alunos/adolescentes praticantes de natação sobre a aderência em um clube da cidade de Alagoinhas/BAHIA. 2.2. Objetivo Especifico Identificar os fatores de aderência à pratica da natação entre os adolescentes.
    • 123. REFERENCIAL TEORICO 3.1. A atividade física Segundo Pollock et al (1986), existem fortes evidências de que em 80 a86% dos adultos obesos sua origem vem da infância e da adolescência. Nestecontexto, muitos dos hábitos adquiridos na juventude podem ser transferidospara fase adulta. Ainda segundo Pollock et al (1986), a obesidade infantil estámais associada a inatividade física do que à superalimentação. Neste sentido,é pertinente enfocar, no primeiro momento, as orientações práticas visando adiminuição do sedentarismo. Atividade física vem para assumir o papel principal nas relações demanutenção do peso, tentando construir hábitos saudáveis. A atividade física édefinida como qualquer movimento corporal produzido pela musculaturaesquelética, que resulte em gasto energético (CASPERSEN, POWELL &CHRISTENSON, 1985). A atividade física pode ser programada, o que resultaria em exercíciofísico Caspersen (1985) coloca que o exercício físico é a atividade repetida,planejada e estruturada, que tem como objetivo a manutenção e melhoria deum ou mais componentes da aptidão física. Para Pitanga (2004) a atividade física pode ser entendida como umcomponente humano complexo, com componentes e determinantes de ordembiológica e psicosociocultural, podendo ser exemplificada por esportes,exercícios físicos, danças e outras atividades de lazer, locomoção e ocupaçãoprofissional. Segundo a Organização Mundial de Saúde (2007), a pratica de atividadefísica regular reduz a mortes prematuras, doenças do coração, acidentevascular cerebral, câncer de colón e mama e diabetes tipo II. Atua naprevenção e redução da hipertensão arterial, previne o ganho de peso(diminuindo o riso de obesidade), auxilia na prevenção ou redução daosteoporose, promove o bem-estar, reduz o estresse, a ansiedade e a
    • 13depressão. Especialmente em crianças e jovens, a atividade física interagepositivamente com as estratégias para a adoção de uma dieta saudável,desestimula o uso do tabaco, do álcool, das drogas, reduz a violência epromove a integração social. Segundo a Estratégia Global para Dieta, Atividade Física e Saúde da Or-ganização Mundial de Saúde (2002), é recomendado que indivíduos se envo-lvam em níveis adequados de atividade física e que esse comportamento sejamantido para a vida toda. Diferentes tipos, freqüência e duração de atividade fí-sica são requeridos para diferentes resultados de saúde. Pelo menos 30 minu-tos de atividade física regular, de intensidade moderada, na maioria dos diasda semana, reduz o risco de doenças cardiovasculares, diabetes, câncer de có-lon e mama. Para Amaral (2005) a atividade física desempenha um papel importanteem uma variedade de problemas relacionados à saúde, como diabetes, coagu-lação sangüínea e fibrinólise, lipídios sangüíneos, imunologia e saúde mental.Além disso, exceto em condições extremas de treinamento, onde a lesão ou ofechamento prematuro da placa de crescimento constitui uma preocupação, aatividade física não exerce um impacto negativo sobre a maturação dacriança/adolescente em desenvolvimento. A falta de atividade física pode ter efeitos negativos sobre a vida do indi-víduo, como o aumento da taxa de diabetes, aparecimento de doenças cardía-cas, e leva até mesmo a um aumento do risco de enfarte. Um estilo de vida se-dentária é um forte contribuinte nas mortes por doenças crônicas que incluidoenças coronárias, infarto e câncer, perdendo somente para o hábito de fumare a obesidade. A prevalência de um estilo de vida sedentária aumenta com aidade, sendo de fundamental importância o incentivo à prática de atividades fí-sicas regulares (GUEDES, 1995). Tendo em vista a melhoria da qualidade de vida das pessoas, é neces-sária a prática regular de algum tipo de exercício físico, onde seja exigido umgasto de energia, pois esta prática deveria ser um hábito como todos os outrosque fazem parte do cotidiano (GUEDES, 1995).
    • 14 Sem dúvida, a adesão a programas de atividades físicas, esportes eexercícios físicos traz benefícios tanto físicos (PAFFENBARGER et al.,1986;BLAIR ET al.,1989) quanto mentais (BOUCHARD, SHEPHARD & STEPHENS,1994). 3.2. A natação “historia e benefícios” Desde a pré-história o homem já nadava, fosse para motivos de caçapara a alimentação ou fuga de predadores em terra sendo assim o homem selançava em ambiente aquático e nele se deslocava. Os primeiros registroshistóricos de natação aparecem em Egito, no ano de 5.000 a.C, nas pinturas deRochas de Gilf Kerbi. (SAAVEDRA, 2003) Na antiguidade, saber nadar era mais uma arma que o homem dispunhapara sobreviver. Os povos antigos (assírios,egípcios, fenícios, ameríndios, etc.)eram exímios nadadores. Muitos dos estilos do nado desenvolvidos a partir dasprimeiras competições esportivas realizadas no século XIX basearam-se noestilo de natação dos indígenas da América e da Austrália. Entre os gregos, o culto da beleza física fez da natação um dosexercícios mais importantes para o desenvolvimento harmonioso do corpo.Acredita-se que já nesta época a competição era praticada: aos melhoresnadadores eram erguidas estátuas. O esporte também era incluído no treinodos guerreiros. Em Roma, a natação também configurava num método epreparação física do povo, incluída entre as matérias do sistema educacionalromano. “Ao igual em Grécia, em Roma a natação faz parte da educação dosromanos, existindo uma visão mais recreativa da água”(LEWIN apudSAAVEDRA, 2003) Platão afirmava que o homem que não sabia nadar não eraeducado. Com a queda do império Romano, a natação praticamente desapareceuaté a idade média. Nesta época temiam-se que a modalidade disseminavaepidemias, “... devido sobretudo, ao pouco entendimento que se mostra a tudorelacionado com o corpo humano. Só nos países do norte da Europa se vêcomo uma atividade benéfica.”(LEWIN; REYES apud SAAVEDRA 2003). No
    • 15renascimento, algumas dessas falsas noções começaram a cair em descrédito.Surgiram então várias piscinas públicas, sendo a primeira construída em Paris,no reinado de Luís XIV. A natação começou a ser difundida somente após a primeira metade doséculo XIX, quando começou a progredir como desporto, realizando-se asprimeiras provas em Londres, em 1837. Várias competições foram organizadasnos anos subseqüentes e em 1844 alguns nadadores norte-americanosatuaram em Londres, vencendo todas as provas. Até então o estilo empregadoera uma braçada de peito, executada de lado, mais tarde para diminuir aresistência da água, passou-se a levar um dos braços a frente pela superfície,que foi chamado de single overarm stroke e depois foi mudado para levar umbraço de cada vez, chamado de Doublearm stroke. Em 1893 ainda os pés faziam um movimento de tesoura, depois foiadotado um movimento de pernas agitadas na vertical chamado de crawlaustraliano. Atualmente a natação é praticada em 4 estilos: CRAWL, COSTA , PEITO EBORBOLETA, sendo o crawl o mais rápido. No âmbito mundial quem controlaa natação é o FINA (Federação Internacional de Natação Amadora) . A natação foi introduzida oficialmente no Brasil em 31 de julho de 1897,quando os clubes Botafogo, Gragoatá, Icaraí e Flamengo fundaram no Rio deJaneiro a União de Regatas Fluminense, que foi chamado mais tarde deConselho Superior de Regatas e Federação brasileira das Sociedades deRemo. Em 1898, eles promoveram o primeiro campeonato brasileiro com opercurso de 1500m. Abrão Saliture foi o campeão no nado livre. Em 1913, ocampeonato brasileiro passou a ser promovido pela Federação Brasileira dasSociedades do Remo, em Botafogo. Além dos 1500 m. nado livre, tambémforam disputadas provas de 100m para estreantes, 600m para seniors e 200mpara juniors. Em 1914, o esporte e competições no Brasil começaram a sercontroladas pela Confederação Brasileira de Desportos. Somente em 1935, asmulheres entraram oficialmente nas competições. O Brasil projetou-se internacionalmente com alguns nadadores queobtiveram marcas mundiais: Em 1984, Ricardo Prado tornou-se recordista
    • 16mundial dos 400 medleys, na década de 90 também quebraram recordesmundiais e sul-americanos Gustavo Borges, Fernando Scherer, RogérioRomero, Daniela Lavagnino, Adriana Pereira, Patrícia Amorim e Ana Azevedo. 3.3. Aderência É importante para começar a tratar da aderência a diferenciação dostermos atividade física e exercício físico, a atividade física é aquela espontâneae ocasional, já o exercício físico é uma atividade intencional e dirigida. Ainda é controverso sobre qual a melhor terminologia para estudar a en-trada e manutenção ou permanência do indivíduo em um programa de exercí-cios físicos. Cada autor define uma palavra diferente para estes momentos. Aspalavras mais utilizadas na literatura são adesão e aderência (SABA, 2001;ANDREOTTI & OKUMA, 2003; SANTOS & KNIJNIK, 2005). Alguns autoresconsideram estas palavras como sinônimas (PIERIN & MION JR., 2004), pois aidéia de ligação, união, aprovação está explícita em ambas, segundo definiçõesencontradas em dicionários de língua portuguesa. Estas palavras são origina-das de duas palavras latinas formadas a partir do mesmo verbo latino, “adhae-rere” que significa aderir. Por outro lado, as palavras adesão e aderência po-dem significar a entrada e manutenção, respectivamente (SABA, 2001; AN-DREOTTI & OKUMA, 2003; SANTOS & KNIJNIK, 2005 todos citados por PE-RES 2007). Segundo Saba (2001) a aderência é um conjunto de determinantespessoais, ambientais e característicos do exercício físico que propicia umamanutenção da prática física por longos períodos de tempo, elevando aqualidade de vida desse indivíduo. Somente nesse estágio de prática constanteque o indivíduo tem possibilidade de usufruir dos benefícios, sendo eles físicos,psicológicos e sociais, contribuindo assim para o seu bem-estar. Ainda referindo- se a Saba (2001), a aderência pode ser entendida comoo ápice de uma evolução constante, rumo a prática do exercício físico inseridano cotidiano do indivíduo. Para esse autor, a mesma esta diretamenterelacionada a wellness, que significa o bem-estar, o equilíbrio, a medida certa e
    • 17a satisfação. Corbin apud Saba (2001) define wellness assim: “É a integraçãode todos os aspectos de saúde e aptidão (mental, social, emocional, espirituale física), que expande um potencial para viver e trabalhar efetivamente, dandouma significante contribuição para a sociedade.” Alguns fatores proporcionam a aderência, esses podem ser Fatorespessoais: histórico pessoal, ocupação, fumo, obesidade, doençascoronarianas, conhecimento dos benefícios, nível educacional, idade dospraticantes, grau de apreciação, auto motivação e auto eficácia; Fatoresambientais: apoio do companheiro, facilidade de acesso ao local, reforço socialpercepção; Características do exercício físico: a percepção da intensidade ecaracterísticas do corpo técnico. Estudos mostram que “os fatores queinfluenciam mais poderosamente a adoção inicial são muito provavelmentediferentes daqueles que afetam a manutenção da atividade, uma vez queiniciada” (ACSM, 1994, P. 334). O mesmo chama a atenção dos profissionaisde saúde, ressaltando que eles podem colaborar na redução dos abandonosdurante o período crítico inicial, que é entre 3 e 6 meses após a adesão inicial,quando a aderência cai ou as desistências caracteristicamente acontecem. No Brasil ainda são escassos os estudos que acompanham oenvolvimento da população com a prática regular de exercícios físicos, o quedificulta inferências consistentes sobre o assunto. Entretanto, o número deindivíduos interessados ou levados por algum tipo de necessidade a praticarexercícios físicos regularmente parece estar aumentando. A literatura revelaque esta proporção ainda é baixa em relação aos não praticantes, e quepoucos permanecem motivados e engajados em um programa de exercíciofísico por longo período de tempo. Alguns indivíduos interrompem por umdeterminado período e depois retornam, enquanto outros abandonamdefinitivamente (NAHAS, 2001). Okuma (1994) enfoca que obter benefícios para a saúde, como sentir-sebem, controlar o peso, melhorar a aparência e reduzir o estresse, são osprincipais fatores que fazem com que determinado indivíduo tenha aderência aum programa de exercícios físicos regulares. As influências sociais da família eamigos são, também, de extrema importância à manutenção da atividade
    • 18física, pois este suporte social incentiva o praticante a manter o interesse emcontinuar fisicamente ativo (DISHMAN, 1998).4. METODOLOGIA 4.1. Modelo do estudo Segundo Gil (1993), a pesquisa do tipo descritiva tem como finalidade“... a descrição das características de determinada população ou fenômeno ouestabelecimento de relações entre variáveis.” (p. 46). Especifica ainda queentre as pesquisas descritivas devem-se salientar aquelas que têm o objetivode estudar as características de um dado grupo, como sua distribuição porsexo, idade, nível de escolaridade, etc. A pesquisa quantitativa aplica-se a dimensão mensurável da realidade,origina-se na visão newtoniana dos fenômenos e transita com eficácia nahorizontalidade dos extratos mais densos e materiais da realidade. Seusresultados auxiliam o planejamento de ações coletivas e produz resultadospassíveis de generalização, principalmente quando as populações pesquisadasrepresentam com fidelidade o coletivo. 4.2. População e Amostra A população-alvo do estudo é formada por 44 adolescentes de umaamostra de 64 alunos freqüentadores das aulas de natação no clube. Noentanto, a amostra avaliada foi composta apenas por adolescentes na faixaetária dos 12 aos 18 anos, regularmente matriculadas nesta aula.
    • 19 TABELA 1 – Tabela de dados antropométricos IDADE MASSA CORPORAL ESTATURA IMC Ano kg m Kg/m2MASCULINO 13.4 ± 1,7 61,8 ± 7,0 1,61 ± 0,06 23,13 ± 1,14 n=38 FEMININO 13,8 ± 1,7 53,7 ± 3,6 1,60 ± 0,06 20,5 ± 0,83 n=6 TOTAL 13,6 ± 1,7 60,68 ± 7,23 1,61 ± 0,06 22,72 ± 1,88 n=44 Essa tabela estabelece médias e desvio padrão de idade, peso, altura eimc; ela também esta dividindo o grupo estudado em gênero. 4.3. Procedimentos: 1ª etapa - Inicialmente foi feita a seleção dos voluntários que se encaixamfaixa etária e estavam regularmente matriculados, informando-os sobre osobjetivos e importância do estudo e lhes fornecendo o termo de consentimentolivre e esclarecido. Os alunos responderam a um questionário (ANEXO I)referente aos fatores de aderência a pratica do exercício de natação. 2ª etapa - Foi analisado, através das fichas de matricula dos alunos, afreqüência de permanência dos mesmos nas aulas de natação, dividindo emgrupos com permanência, conforme a descrição abaixo: Grupo I – alunos com aderência inferior a 3 (três) meses. Grupo II – alunos com aderência inferior a 6 (seis) meses e superior a 3(três) meses. Grupo III - alunos com aderência superior a 6 (seis) meses e inferior a 1(hum) ano. Grupo IV - alunos com aderência superior a 1 (hum) ano. 3ª etapa – Analisar os dados colhidos através do Anexo I. 4.4. Local do estudo
    • 20 O município de Alagoinhas localiza-se a 119 km da cidade de Salvador etem população estimada no último censo do IBGE de 137.810 habitantes em2009.. Na cidade encontra-se a Universidade do Estado da Bahia, Campus- II,com 7 (sete) cursos, dentre eles o curso de Licenciatura em Educação Física. O ACRA (Associação Cultural e Recreativa de Alagoinhas) Tênis Clubeda cidade de Alagoinhas/BA tem mais de 30 anos de existência conta comestrutura de palco para shows, salão de festas, salão de jogos, quadrapoliesportiva, piscina infantil de 10 m x 5 m e adulta de 22 m x 10 m, vestiáriosmasculino e feminino, conta com aulas de dança, natação, capoeira,hidroginástica e karatê. 4.5. Instrumento de medida O grupo pesquisado foi escolhido intencionalmente (adolescentes comidade entre 12 e 18 anos), a partir de levantamento realizado através das fichasde matriculas, anamneses e observação da adesão dos adolescentes asaulas. Tal instrumento indicou as características pessoais dos indivíduos. Paraa pesquisa foram selecionados apenas os alunos freqüentadores das aulas denatação. Foi utilizado um questionário para analisar o perfil da aderência aoexercício da natação (Anexo I). Na coleta de dados sobre o clube, utilizou-seum questionário com informações administrativas, estruturais, dos profissionaise dos programas disponibilizados (Apêndice A ). 4.6. Coleta de dados
    • 21 A aderência aos programas de atividade física foi determinada pelasfichas de matriculas dos alunos, que indica o período de treino deles através decarimbo e assinaturas da recepcionista ou administrador do clube ao efetuar opagamento mensal. Esses dados foram colhidos durante todo o ano de 2009 eanalisados agora no primeiro semestre de 2010. 4.7. Análise de dados A partir das informações geradas através da pesquisa, os dados foramanalisados através de estatística descritiva (média, desvio padrão e percentual)com a construção de tabelas, gráficos utilizando-se o software Windows Excel2003. Delimitação do Estudo Este estudo procurou analisar e discutir informações referentes aosadolescentes (de 12 a 18 anos) freqüentadores do clube ACRA Tênis Clube dacidade de Alagoinhas, os quais faziam atividade de natação . Restringiu-se na composição da amostra a investigação dasparticipantes que estiveram matriculadas no clube no ano de 2009.
    • 225. RESULTADOS E DISCUSSÃO Gráfico 1 – Representação gráfica do percentual de alunos/adolescentesfreqüentadores das aulas de natação, que praticavam ou não algum exercíciofísico anteriormente. De acordo com o gráfico 1, dos 44 alunos entrevistados, 23% nãopraticavam nenhum exercício antes de começar a natação, já 77% praticavamexercícios fisicos.Pessoas com histórico a prática de atividade física podem termais facilidade em aderir à prática de atividade física. Palma (2000) sugere queo hábito de praticar exercício físico é reflexo da prática de educação física es-colar. A prevalência de um estilo de vida sedentária aumenta com a idade, sen-do de fundamental importância o incentivo à prática de atividades físicas regu-lares (GUEDES, 1995).
    • 23 Gráfico 2 – Representação gráfica do percentual de alunos/adolescentesfreqüentadores das aulas de natação, que tem apoio familiar ou não a práticada natação.O gráfico aponta para 100% de apoio familiar aos alunos. Csikszentmihalyi ecolaboradores (1993), em estudo longitudinal com jovens talentosos, identifica-ram a integração, harmonia total da pessoa com a atividade, e a diferenciaçãoatravés de desafios constantes, como duas outras variáveis necessárias para odesenvolvimento de expoentes. Introduziram também o conceito de complexofamiliar para descrever as famílias que promoveram os melhores estímulospara o desenvolvimento de seus filhos em diferentes áreas, dentre elas o es-porte. Este estudo veio complementar os anteriores, pois a participação da fa-mília é apontada por Bloom (1985) como fator importante nas diferentes fasesde desenvolvimento, sendo uma das responsáveis pela superação das restri-ções impostas pela área de conhecimento.
    • 24 Gráfico 3 – Representação gráfica do percentual de alunos/adolescentesfreqüentadores das aulas de natação, que estudam ou trabalham ouestudam/trabalham ou nenhuma das respostas anteriores. O gráfico 3 mostra que 98% dos alunos praticantes de natação realizamatividade discente, sendo que deste percentual 7% associam o trabalho aatividade escolare apenas 2% apenas trabalham. Estudo de Santos e Knijnik(2006) evidenciam que a maioria dos indivíduos contorna os problemas, nãoexistindo nenhuma dificuldade para prática regular de uma atividade física, fatoque se repetiu nesse estudo. Diferente deste, no estudo de Tahara e Schwartze Silva (2003) a maior dificuldade encontrada foi o tempo disponível, ficandoclaro que a atividade física se encontra em segundo plano em relação à obriga-ção do trabalho.
    • 25 Gráfico 4 – Representação gráfica do percentual de alunos/adolescentesfreqüentadores das aulas de natação, que tem facilidade de acesso ou não aoclube onde praticam natação. Interessante analisar que 66% dos alunos entrevistados responderamque tem fácil acesso ao clube e só 34% não tem esse fácil acesso. SegundoDishman (citado por OKUMA,1997), “ A acessibilidade ao local da atividade econveniência de horário são requisitos necessários para tornar a atividadefísica mais praticada.” Dishman(1994) ainda diz que a facilidade de acesso aolocal da prática de exercicios é um outro fator fundamental na influencia para oabandono da atividade.
    • 26 Gráfico 5 – Representação gráfica do percentual de alunos/adolescentesfreqüentadores das aulas de natação, que são do gênero masculino oufeminino e praticam natação. No que se refere ao indicativo de gênero apenas 14% são mulheres, osoutros 86% são homens. Esses resultados entram em choque com estudosencontrados que “Quanto ao gênero, o que parece existir realmente é adiferença em relação a intensidade da atividade. Considerando-se a atividadevigorosa(intensa), encontra-se que os homens, em média, são 80% mais ativosdo que as mulheres, contudo quando se consideram os níveis moderados, asdiferenças são menores”, (STEPHENS E CARSPERSEN citados por OKUMA,1997). Walkel (1993) (citado por OKUMA, 1997) relata que os homes preferemmais o jogging e os jogos coletivos, enquanto as mulheres preferem mais anatação, a caminhada, o ciclismo e a ginastica.
    • 27 Gráfico 6 – Representação gráfica do percentual de alunos/adolescentesfreqüentadores das aulas de natação, que tem ou tiveram aderência de 0 à 3meses, 3 à 6 meses, 6 meses à 1 ano ou mais de 1 ano. A grande adesão de 59% dos alunos ao esporte natação por mais de1(hum) ano, entendendo que se faz relação com os aspectos colocados nosgráficos acima esta adesão. Nunomura et al. (1997) afirmam que a inclusão e a manutenção da ativi-dade física nos hábitos cotidianos, aspectos fundamentais para a obtenção dosefeitos positivos dos exercícios sobre a saúde, associam-se aos estados so-cioeconômicos, influências culturais, idade, estado de saúde e a motivaçãopara a sua prática. De acordo com Storchi e Nahas (1992), a prática da atividade física estásujeita a fatores como a natureza do trabalho, personalidade, composição cor-poral, forma física, quantidade e uso das horas de lazer e acesso a esportes erecreação comunitários.
    • 286. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho evidenciou que a adesão entre adolescentesocorreu de forma bastante acentuada. Quanto ao perfil dos adolescentes e a adesão que foram verificados opercentual de adolescentes que já eram ativos, recebem apoio da família,estudam, tem fácil acesso ao clube e são do gênero masculino são maiorianesta adesão. Os resultados conseguidos através dessa pesquisa podem orientar su-gestões que ampliem a compreensão do universo da adesão a natação e àspráticas físicas, tornando esse trabalho mais uma fonte de conhecimento paraoutras pesquisas do referido tema, assim como também, em sentido prático,possa ser aplicado a uma população especifica visando condições que favore-çam a uma prática constante no que se diz respeito à natação e a atividade físi-ca. Espera-se que os resultados sirvam de orientação aos professores e quepossam repensar sua prática pedagógica e adaptá-la para que melhor sejaatendidas as expectativas e necessidades dos alunos através do conhecimentogerado pelo trabalho e da realidade vivida no mercado de Ensino da Natação,aumentando o número de praticantes. É evidente a necessidade de realização de novos estudos dessa nature-za, envolvendo outras faixas etárias, tipos de exercícios físicos, locais de práti-ca, bem como grupos com características diferentes das apresentadas nesteestudo.
    • 29 REFERÊNCIASACSM. (1994). Prova de esforço e prescrição de exercício. ( A. B. Camargo,A. R. S. Rigon e R. M. Nahas, trads.) Rio de Janeiro: Revinter (trabalho originalpublicado em 1994).AMARAL, Ridailda de Oliveira. Atividade física e saúde. Disponível em:http://www.nead.unama.br/site/bibdigital/pdf/artigos_revistas/78.pdf acessadoem 12/02/2010ANDREOTTI, M.C.; OKUMA, S.S. Perfil sócio-demográfico e de adesão ini-cial de idosos ingressantes em um programa de Educação Física. RevistaPaulista de Educação Física, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 142-153, 2003.BIGNARDI, Fernando A. C. Reflexões sobre a PESQUISA QUALITATIVA &QUANTITATIVA: Maneiras complementares de apreendera Realidadehttp://www.scielo.br/pdf/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf acessado em 12/02/2010.BLAIR, S. N., CLARK, D. G., CURETON, K. J., POWELL, K. J. (1989). Exer-cise and fitness in childhood: implications for a lifetime of healt. Perspect-ives in Exercise Science and Sports Medicine: Youth, Exercise andSport.Indianapolis: Benchmark Press.BLOOM, B. S. (1985). Developing talent in young people. New York:BallantineBOUCHARD, C.; SHEPHARD, R. J.; STEPHENS, T. (1994). Physical Activity,Fitness, and Health: International Proceedings and Consensus Statement.Champaign: Human Kinects.CASPERSEN, C. J., POWELL, K. E., CHRISTENSON, G. M. (1985). Physicalactivity, exercise and physical fitness: definitions and distinctions forhealth-related research. Public Health Reports, 100, p.126-131.CSIKSZENTMIHALYI, M., RATHUNDE, K. & Whalen, S. (1993). Talentedteenagers: The roots of success and failure. Toronto: Cambridge UniversityPress.DISHMAN, R. K. (1994). Advances in exercise adherence. Champaign:Human Kinetics.
    • 30DISHMAN RK. Exercise adherence: It’s Impact on public health.Champaign: Human Kinetics,.V. 15, p. 12- 13, 1998.GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projeto de Pesquisa. 4ª edição. SãoPaulo: Atlas, 2002.GOMES, Wagner Domingos Fernandes. Natação, uma AlternativaMetodológica. Rio de Janeiro: Sprint, 1995.GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. P. Exercício na promoção da saúde. Lon-drina: Midiograf, 1995.LEWIN, G. (1979). Natação. Madri: Augusto Pilha Teleña.NAHAS MV. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos esugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf; 2001.NUNOMURA, Myrian. et al. Nível de adesão ao exercício num programa su-pervisionado. Revista Brasileira de atividade física e saúde. V 2, N 3, 1997 p61-66OKUMA, S. S. (1997). O Significado da atividade física para o idoso: umestudo fenomenológico. Tese de doutorado, Instituto de Psicologia, USP,São Paulo.OKUMA, S.S. Fatores de adesão e de desistência das pessoas aos progra-mas de atividade física. In: SEMANA DA EDUCAÇÂO FÌSICA, 2., 1994, SãoPaulo.PAFFENBARGER, R. S., HYDE, R. T., WING, A.L., HSIEH, C. (1986). Physic-al activity, allcause mortality, and longevity of college alumi. New EnglandJournal of Medicine, n. 314, p.605-613.PALMA, Alexandre. Atividade física, processo de saúde-doença e condi-ções sócio-econômicas: uma revisão de literatura. Revista Paulista de Edu-cação Física, vol 14, nº1; Jan/Junho, 2000.PERES, J. H. S. Fatores que influenciam na adesão e aderência a um pro-grama de exercícios físicos supervisionados. Monografia apresentada ao De-partamento de Educação Física da Faculdade de Ciências da Universidade Esta-dual Paulista – UNESP, 2007.PIERIN, A.M.G.; MION JR., D. Adesão ao tratamento anti-hipertensivo. Re-vista da Sociedade Brasileira de Hipertensão, v. 2, n. 1, p. 9-12, 1999.
    • 31PITANGA, F.J.G. Teste, medidas e avaliação em educação física. 3.ed. SãoPaulo: Phorte, 2004.POLLOCK, M. L. et al. Exercícios na saúde e na doença: avaliação eprescrição para prevenção e reabilitação. 1ª edição. Rio de Janeiro: MédicaCientífica, 1986.PORTAL SÃO FRANSCICO. Historia Da Natação. Disponível em:http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/natacao/historia-da-natacao.phpAcessado em: 10/04/2010REYES, R. (1998). Evolução da natação espanhola através doscampeonatos de natação de inverno e verão desde 1977 a 1996. TeseDoutoral. Universidade das Palmas de Grande Canária.SAAVEDRA, J. M. (2003). A Evolução da Natação. Disponível em:http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Ano 9 - N° 66 -Novembro de 2003SABA, Fabio. Aderência à Prática do Exercício Físico em Academias. 1ªedição. São Paulo: Manole Ltda, 2001SANTOS, Susan C.; KNIJNIK, Jorge D. Motivos de adesão à prática de ativi-dade física na vida adulta intermediária I. Revista Mackenzie de EducaçãoFísica e Esporte. 2006; 5(1): 23-34.STORCHI, C. M; NAHAS, M.V. A prática espontânea de atividades físicasnas ruas de Florianópolis, Santa Catarina, Diagnóstico preliminar com in-divíduos de meia idade. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, nº 1 vol 6Santa Catarina. 1992. p 7-13TAHARA, A.K.; SCHWARTZ, G.M.; SILVA, K. A. Aderência e manutenção daprática de exercícios em academias. Revista Brasileira de Ciência e Movi-mento, Brasília, v. 11, n. 4, p. 7-12, 2003.WALKEL, L. M. (1993). The importance of enjoyment to adherence andpsychological benefits from physical activity. Internacional Journal os SportPsychology, 24, 151-69WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global strategy on diet, physical activ-ity and health. Disponível em:
    • 32<www.who.int/gb/ebwha/pdf_files/WHA57/A57_R17-en.pdf>. acessado em12/02/2010.WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical activity. Disponível em:<www.who.int/dietphysicalactivity/media/en/gsfs_pa.pdf>. Acesso em:15/02/2010. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical activity: direct and indirecthealth benefits. Disponível em: <www.who.int/hpr/physactic/health.benefits.sht-ml>. Acesso em: 15/02/2010.
    • 33ANEXOS
    • 34 APÊNDICEAPÊNDICE A - Dados do ClubeClube ___________________________________________O clube está em funcionamento a quanto tempo (em anos ou meses):_________Nº médio de usuários: __________Tamanho do edifício (m2): __________Material de construção do edifício: __________________________Número de vasos sanitários ( ) Número de chuveiros ( )Programas oferecidos (aulas):Professores:N° de professores formados ou credenciados em Educação Física: _______N° de estagiários: ______Se os professores e/ou estagiários atuarem em mais de uma área, marcá-lo emcada uma das áreas em que ele atuar.Atividade Aquática (Natação)N° de professores: _________Carga horária média dos professores: _______horas _______min.Medidas da piscina: ___________________
    • 35ANEXO I- Questionário de fatores de procura e adesãoPraticava algum exercício físico antes?Sim NãoQual sua ocupação ?Estuda Trabalha Estudo/Trabalha Nenhuma das alternativas anterioresSua família apóia sua prática de exercícios físicos?Sim NãoO local do Clube é de fácil acesso para você?Sim Não