UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB          DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – CAMPUS II         CURSO DE LICENCIATURA EM EDUC...
HELDER JOSUÉ OLIVEIRA SANTOSFATORES ASSOCIADOS A INATIVIDADE FÍSICA DOS ESTUDANTES DE    GRADUAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍ...
AGRADECIMENTOSQuero que fique registrado esse momento muito importante da minha vida, poisnele reflete todos os sentimento...
“O trabalho tem a virtude de elevar a consciência do trabalhador até aconsciência de sua liberdade, de seu valor humano, m...
RESUMOA inatividade física já é considerada o mal do século, mesmo sendo deconhecimento da maioria das pessoas as grandes ...
ABSTRACTPhysical inactivity is now considered a disease of the century, even thoughknowledge of most people the major nega...
LISTA DE GRÁFICOSGRÁFICO 1 – Gênero.                                                              25GRÁFICO 2 – Faixa etár...
SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO                                                  92 OBJETIVOS                                         ...
91 INTRODUÇÃO      Considerado como o mal do século, o sedentarismo é definido como a falta oudiminuição de atividades fís...
10a situação quando refletimos a respeito do porque muitas pessoas não tem o hábitode se exercitar, mesmo com tanta facili...
112 OBJETIVOS2.1 Objetivo Geral   • Identificar os fatores associados a atividade física e hábitos sedentários dos      es...
123 REFERENCIAL TEÓRICO3.1 Atividade física      Os benefícios da prática de atividade física para a saúde e qualidade de ...
13atividade física, quem venha trazer benefícios e bem estar na vida cotidiana.Segundo Pitanga (2004, p. 16):             ...
14      Fazendo assim, tão proporcional a procura, quanto a permanecia daspessoas praticando atividade física, que normalm...
15       Dumith (2010) existe um consenso na literatura de que praticar algumaatividade física é melhor do que nada, já qu...
16física, por uma boa noite de sono. O jornal da Unicamp diz (julho de 2009 – ANOXXIII – Nº 434):                     O se...
17                    aumentar o gasto calórico semanal pode se tornar possível,                    simplesmente reagindo ...
18             Doenças osteoarticulares             Síndrome metabólica      Evidenciando ainda mais que as pessoas necess...
19perceptível de massa muscular além de contribuir para o aumento de peso e atémesmo levar a obesidade, como afirma Apter ...
20       Segundo Pitanga (2004):                       Epidemiologia é a ciência que estuda os fenômenos da saúde-        ...
21      A Organização Mundial de Saúde (OMS), relatou dados recentes mostrandoque a inatividade física é responsável por 2...
224. METODOLOGIA4.1 Modelo de estudo      O presente estudo objetivou levantar várias informações sobre os fatoresassociad...
234.3 Local do estudo      O estudo foi realizado na própria Universidade do Estado da Bahia –Alagoinhas –Bahia, mais prec...
244.5 Análise de dados      A partir dos resultados colhidos através da entrevista, os dados foramanalisados por meio da e...
255. RESULTADOS E DISCUSSÃO        Na distinção do sexo, constam (53%) participantes femininos e (47%)masculinos, como mos...
26Gráfico -2; Faixa etária da amostra.                             2%                        8%                           ...
27Gráfico-3; Estado civil da amostra.                       Divorciado   Viúvo                           0%        0%     ...
28Gráfico-4; Tabagismo da amostra.                                        Sim                                        0%   ...
29Gráfico-5; Nível de atividade física.                              2%                           10%                     ...
30Gráfico 6; classificação apenas entre sedentários e ativos.      No gráfico 7, pode-se verificar que os participantes pa...
31      Através do gráfico 8, pode-se verificar que (64%) dos entrevistados estão compeso normal; (28%) sobrepeso; (5%) ab...
32       De acordo com o gráfico 9, a média de idade entre os inativos é de 27 anos eentre os ativos de 24 anos. De acordo...
33Gráfico-10; Como você se sente não praticando atividade física.                          2%                             ...
34Gráfico-11; Sua residência é próximo de um espaço adequado para a práticade atividade física.                    Não    ...
35Gráfico-12; Percepção de segurança nos locais da prática de atividade física.                        Não                ...
36O gráfico-13; O por que normalmente as pessoas não conseguem praticaratividade física regularmente.                     ...
37Gráfico-14; Tenta sair dos hábitos de inatividade física.                    Não                    8%                  ...
386. CONSIDERAÇÕES FINAIS      A partir das características encontradas nesse estudo, que delimitam osfatores associados a...
39REFERENCIASAmerican College of sports medicine (ACSM). Paternidade mais provável do quecasamento de impacto da atividade...
40DARIDO.S.C. A educação física na escola e o processo de formação dos nãopraticantes de atividade física. Rev. bras. Educ...
41LEITE.T.     Artigos     médicos       –     sedentarismo.       Disponível     em<http://emedix.uol.com.br/doe/mes001_1...
42MINISTÉRIO DA SAÚDE; Pesquisa da Organização Pan-Americana de Saúde de2003. Disponível em http://www.saudeemmovimento.co...
43RODRIGUES.E.S.R., CHEIK.N.C., MAYER.A.F. Nível de atividade física etabagismo em universitários. Organização Mundial da ...
44Silva, M.A.D. O exercício, Preparação Fisiológica, Avaliação Médica, Avaliação,Aspectos Especiais e Preventivos. Exercíc...
45ANEXOS
46                                    ANEXO A                 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO ESTADO DA BAHIA                TERM...
47                                            ANEXO BQUESTIONÁRIO INTERNACIONAL DE ATIVIDADE FÍSICA – QIAF – VERSÃOCURTANo...
48nadar, dançar, fazer ginástica aeróbica leve, jogar vôlei recreativo, carregar pesosleves, fazer serviços domésticos na ...
49                                   ANEXO C                           QUESTIONÁRIO ADAPTADO1- Qual a sua idade? ________2...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Helder

1,041

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,041
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Helder"

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – CAMPUS II CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA HELDER JOSUÉ OLIVEIRA SANTOSFATORES ASSOCIADOS A ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS SEDENTÁRIOSDOS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNEB – ALAGOINHAS/ BAHIA. Alagoinhas 2011
  2. 2. HELDER JOSUÉ OLIVEIRA SANTOSFATORES ASSOCIADOS A INATIVIDADE FÍSICA DOS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNEB – ALAGOINHAS/ BAHIA. Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para a obtenção de título de Licenciado em Educação Física, no curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade do Estado da Bahia – campus II. Orientador Prof. Pós. Dr. Francisco José Goldim Pitanga. Alagoinhas-BA 2011
  3. 3. AGRADECIMENTOSQuero que fique registrado esse momento muito importante da minha vida, poisnele reflete todos os sentimentos de alegria e angustias que só eu desfrutei. Emprimeiro lugar agradeço muito ao cara que sempre esteve comigo, me atendeuem todos os momentos e iluminou a minha vida sempre, Sr. Deus. Agradeçomuito a mulher da minha vida, que me criou e ensinou a ser a pessoa que souhoje, D. Edna, minha avó. A minha mãe, D. Elza, que mesmo estando longe,sempre esteve comigo, se preocupando com a educação, carinho, afeto do seufilho, igualmente a meu tio “Edinho” que me orientou com as minhas escolhas esempre sendo uma referência na minha vida, agradeço também a meu primo,afilhado, “Descaradinho pequeno” Lucas, ( risos ), me preocupo muito com ele,e o amo como um irmãozinho que nunca tive, minhas realizações de vida sãotambém pensando muito nele. Não posso deixar de agradecer aos meus amigosde infância, que sempre estiveram comigo, principalmente nas resenhas,diversões, mais que nunca me deixaram na mão, a minha ex-namorada, quedurante muito tempo me incentivou e apoiou as minhas decisões e realizaçõesde vida, aos amigos que moram comigo, Cíntia, Meiriane, Crisleide, que meensinaram muitas coisas e se tornaram pessoas que sempre vou levar no fundodo meu coração, especialmente Rodrigo, que se tornou um irmão de confiança,e sempre esteve comigo nessa empreitada, a todas as pessoas boas queconheci em Alagoinhas, e que se tornaram meus amigos, Ana Claudia, Leda,Ivo, Érica, Iracema, Daniel, Pity, Tiago, Anderson, Vini, Pulga, Mineiro, Vanessa,Pedrinho, Welber, Rosangela, Cintia, Rosinaldo e muitos outros que não citei porfalta de memória, mais que são concerteza grandes amigos. Agradeço a todosprofessores que contribuíram nessa difícil missão, em especial o Dr. FranciscoPitanga, Ms. Valter Abrantes, Dr. Mauricio Maltez, Ms. Alan Rocha, Ms. UbiratanMenezes são pessoas de grande conhecimento e que ratificaram a minhaescolha de ser um Professor de Educação Física. Agradeço muito a André,Carlos Henrique, Cleidison, João Gabriel, Raul, Raimundo, Rodrigo, enfim a“galera do mal”, (risos), e a todos os amigos da faculdade que sempre meajudaram a continuar buscando os meus objetivos. Dessa forma, deixo meuagradecimento e um grande abraço a todos.
  4. 4. “O trabalho tem a virtude de elevar a consciência do trabalhador até aconsciência de sua liberdade, de seu valor humano, mas essa consciênciaé adquirida por meio de um longo processo teórico e prático de luta contrasua exploração, ao fim do qual o oprimido chega à consciência, e, por suavez, à de sua liberdade”. (Georg Wilhelm Friedrich Hegel)
  5. 5. RESUMOA inatividade física já é considerada o mal do século, mesmo sendo deconhecimento da maioria das pessoas as grandes conseqüências negativas queo sedentarismo acarreta, é preciso deixar claro que nos dias atuais a atividadefísica tem sido associada a qualidade de vida, fazendo com que as pessoassaiam da inatividade física, tendo uma maior expectativa de vida econseqüentemente uma saúde melhor. Dentre as diversas doenças que tem sidodiagnosticadas, como: obesidade, diabetes, hipertensão arterial, doençascardiovasculares, entre outras, são derivadas também pela falta de atividadefísica regular, que vem se agravando muito por conta da modernização, falta deestimulo, grande carga de trabalho e por falta de algumas informações. Oobjetivo desse trabalho foi analisar os fatores associados a atividade física ehábitos sedentários dos estudantes de graduação do curso de educação físicada UNEB –Alagoinhas/Bahia. A partir dos dados obtidos, descrever o perfil dosindivíduos quanto ao sexo, idade, estado civil, tabagismo, nível de atividadefísica, índice de massa corporal e características relacionadas à falta deatividade física regular e no lazer, como por exemplo, horas em média sentadodurante a semana e fim de semana, como se sente não praticando atividadefísica, reside próximo de um espaço adequado para a prática de atividade físicae outras. As informações necessárias ao estudo foram adquiridas a partir decontato direto com os indivíduos participantes, os quais tiveram conhecimentosobre a pesquisa, assinaram um termo de consentimento e responderam a umaentrevista. A amostra total foi composta por 60 pessoas de todas as turmas docurso de educação física da UNEB – Alagoinhas. Após a aplicação da entrevista,os resultados foram dispostos através de gráficos, utilizando o Microsoft OfficeWord 2007. Os dados revelaram que a maioria dos estudantes de educaçãofísica da UNEB – Alagoinhas apresentam o seguinte perfil: faixa etária entre 18 e30 anos, solteiro, não fumam, ativo, passam em média 7 horas sentados durantea semana, e 6 horas no final de semana, peso normal, os inativos tem média de27 anos e os ativos 24 anos, se sentem razoavelmente mal quando não praticamatividade física, residem próximo de um espaço adequado para a prática deatividade física, se sentem seguro nos locais onde praticam atividade física,normalmente não conseguem praticar atividade física regular pela falta deestimulo, geralmente tentam sair da inatividade física. Dessa forma, a partir dopresente estudo, fica claro que os alunos têm a consciência da importância daprática de atividade física regular e no lazer, para que assim venham a contribuircom a diminuição da inatividade física que vem trazendo grandes conseqüênciasnegativas para a população e se tornando um problema de saúde pública.Palavra – chave: Atividade física – Saúde – Qualidade de vida
  6. 6. ABSTRACTPhysical inactivity is now considered a disease of the century, even thoughknowledge of most people the major negative consequences that entails asedentary lifestyle, you need to make clear today that physical activity has beenassociated with quality of life, making people out of a sedentary lifestyle, having alonger life expectancy and consequently better health. Among the variousdiseases that have been diagnosed as obesity, diabetes, hypertension,cardiovascular diseases, among others, are derived by lack of regular physicalactivity, which has deteriorated in large part because of modernization, lack ofstimulation, large load work and lack of some information. The aim of this studywas to analyze the factors associated with physical inactivity of undergraduatestudents of physical education course UNEB -Alagoinhas/Bahia. From the dataobtained, describe the profile of subjects according to gender, age, marital status,smoking, physical activity, body mass index and characteristics related to lack ofregular physical activity and leisure, such as hours in average sitting during theweek and weekend, do not feel like exercising, lies near an adequate space forphysical activity and more. The information necessary for the study wereacquired from direct contact with individuals involved, who had knowledge aboutthe research, signed a consent form and responded to an interview. The totalsample comprised 60 people of all classes in physical education UNEB -Alagoinhas. After application of the interview, the results were displayed throughcharts, using Microsoft Office Word 2007. The data revealed that the majority ofstudents in physical education UNEB - Alagoinhas have the following profile: agebetween 18 and 30 years old, single, do not smoke, active, spend an average of7 hours sitting on weekdays and 6 hours at the end week, normal weight andinactive has averaged 27 years and 24 years active, feel reasonably bad whenthey do not practice physical activity, reside near an adequate space for physicalactivity, feel safe in places where practice activity physical, often can not performregular physical activities due to lack of stimulation, often try to get out of physicalinactivity. This way, from the present study, it is clear that students are aware ofthe importance of regular physical activity and leisure, so that may contribute tothe reduction of sedentary lifestyle that has brought enormous negativeconsequences for the population and becoming a public health problem.keywords: Physical Activity - Health - Quality of life
  7. 7. LISTA DE GRÁFICOSGRÁFICO 1 – Gênero. 25GRÁFICO 2 – Faixa etária. 26GRÁFICO 3 – Estado civil. 27GRÁFICO 4 – Tabagismo. 28GRÁFICO 5 – Nível de atividade física. 29GRÁFICO 6 – Classificação apenas entre sedentários e ativos. 30GRÁFICO 7 – Tempo em média sentado no dia de semana e fim de semana. 30GRÁFICO 8 – Índice de massa corporal. 31GRÁFICO 9 – Média de idade entre ativos e sedentários. 32GRÁFICO 10 – Como você se sente não praticando atividade física. 33GRÁFICO 11 – Sua residência é próximo de um espaço adequado para aprática de atividade física. 34GRÁFICO 12 – Percepção de segurança nos locais da prática de atividade física. 35GRÁFICO 13 – O porquê normalmente as pessoas não conseguem praticaratividade física regularmente. 36GRÁFICO 14 – Tenta sair da inatividade física. 37
  8. 8. SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO 92 OBJETIVOS 11 2.1 Objetivo geral 11 2.2 Objetivos específicos 113 REFERECIAL TEÓRICO 12 3.1 Atividade Física 12 3.2 Inatividade Física 14 3.3 Doenças associados ao sedentarismo 17 3.4 Epidemiologia da atividade física 194 METODOLOGIA 224.1 Modelo de Estudo 224.2 Caracterização da Amostra 224.3 Local do Estudo 234.4 Coleta de Dados 234.5 Análise de Dados 245. RESULTADOS E DISCUSSÕES 256. CONSIDERAÇÕES FINAIS 38 REFERÊNCIAS 39LISTA DE ANEXOS 45 ANEXO A – TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO. 46 ANEXO B – QUESTIONÁRIO INTERNACIONAL DE ATIVIDADE FÍSICA– QIAF – VERSÃO CURTA. 47 ANEXO C – QUESTIONÁRIO ADAPTADO 49
  9. 9. 91 INTRODUÇÃO Considerado como o mal do século, o sedentarismo é definido como a falta oudiminuição de atividades físicas ou esportivas. Associada ao comportamentocotidiano decorrente dos confortos da vida moderna, pessoas que tem o gastocalórico reduzido semanalmente pela ausência da prática esportiva sãoconsideradas sedentárias ou com hábitos sedentários. Houve um tempo que se pregava que as pessoas deveriam andar, nadar,correr, como melhor remédio para prevenção de doenças, achava-se que o aumentodo VO2 como conseqüência da atividade aeróbia estava diretamente ligado à saúde.Com o tempo esse conceito foi se modificando, nos tempos atuais prega-se que oindividuo não deve ser sedentário, mas sim ter hábitos de vida ativo, pois, trabalhose pesquisas mostram que pessoas que praticavam outro tipo de atividade física semser aeróbio, têm o mesmo beneficio da saúde. Uma vida sedentária é caracterizada pela ausência de atividades físicaspodendo provocar um processo de regressão funcional, perda de flexibilidadearticular além de comprometer o funcionamento de vários órgãos posteriormentedistinguindo-se um fenômeno associado à hipertrofia de fibras musculares.Pesquisa da Organização Pan-Americana de Saúde (2003) diz que o sedentarismoestá associado ao aumento da incidência de várias doenças e males, como ahipertensão arterial, diabetes, obesidade, aumento do colesterol ruim (LDL),depósito de gordura nas artérias, infarto do miocárdio. Hoje, as principais causas demortes no Brasil podem estar relacionadas a falta de atividades físicas. As pessoas reduzem gradativamente o nível de atividade física a partir daadolescência. Com a diminuição do metabolismo, ao logo dos anos, o corpo começaa perder músculos e acumular gorduras, especialistas recomendam, MOVIMENTE-SE, pois as atividades físicas são grandes aliadas na redução e manutenção de umpeso saudável. De acordo com Estelar (2007) apenas para estarmos vivos,gastamos aproximadamente 1200 calorias, além disso, devemos gastar no mínimomais 200 calorias diárias. Não é o tipo de exercício, aeróbio ou anaeróbio que gastamais ou menos calorias, o que difere é a aptidão do individuo, os mais treinadosgastam mais calorias porque o fazem com maior intensidade. Sabendo dosmalefícios que a inatividade física proporciona, Miotto (2003) diz que é preocupante
  10. 10. 10a situação quando refletimos a respeito do porque muitas pessoas não tem o hábitode se exercitar, mesmo com tanta facilidade e veiculação dos inúmeros benefíciosgerados a saúde quando são pessoas ativas. A partir dessa preocupação serãolevantados dados sobre os fatores associados a inatividade física dos estudantes degraduação do curso de Educação Física da Uneb – Alagoinhas/Bahia. Qual opercentual de graduandos inativos fisicamente?, como o sedentarismo é visto pelosestudantes?, quais os fatores que os fazem sedentários?, qual a prevalência desedentários entre os alunos?, eles tentam sair da inatividade?, tem plenaconscientização do mal que lhe trás o sedentarismo?, fazendo assim, umadiscussão sobre o tema.
  11. 11. 112 OBJETIVOS2.1 Objetivo Geral • Identificar os fatores associados a atividade física e hábitos sedentários dos estudantes de graduação em Educação Física da Uneb – Alagoinhas/Bahia.2.2 Objetivos Específicos • Identificar a prevalência dos hábitos de inatividade física entre os alunos de graduação em Educação Física da Uneb. • Classificar o nível de atividade física dos estudantes de graduação em Educação Física da Uneb.
  12. 12. 123 REFERENCIAL TEÓRICO3.1 Atividade física Os benefícios da prática de atividade física para a saúde e qualidade de vidadas pessoas de qualquer idade é de conhecimento de todos. Almeida (2010) umaquestão a ser considerada é que o fato de um indivíduo estar ciente dos benefíciosda prática de atividade física não necessariamente resulta em adoção oumanutenção de um estilo de vida ativo. Tassitano (2007) assegura que durante aadolescência, especificamente, há evidências de que a atividade física trazbenefícios associados a saúde esquelética e ao controle da pressão sanguínea e daobesidade. Além dos benefícios diretos, estudos evidenciaram que a exposição àinatividade física, quando iniciada na infância ou adolescência, torna-se mais estávelna vida adulta e, portanto, mais difícil de modificar. Segundo Guedes (2001): Importantes estudos tem procurado destacar que hábitos de prática de atividade física, incorporados na infância e na adolescência, possivelmente possam transferir-se para idades adultas. Acompanhamentos longitudinais sugerem que adolescentes menos ativos fisicamente apresentam maior predisposição a tornarem-se adultos sedentários Buzzachera (2007) relata que no Brasil, estima-se que apenas 13% dapopulação realizam um mínimo recomendado de 30 minutos diários de atividadefísica contínua em um ou mais dias da semana, e somente 3,3% desses realizamuma atividade física superior a 30 minutos em cinco ou mais dias da semana. Porconsiderar uma prevalência elevada de sedentarismo a Organização Mundial deSaúde (OMS), incluiu a atividade física na agenda mundial de saúde pública,fazendo com que todos tenham uma maior concepção e disposição para amovimentação do seu próprio corpo, tencionando ainda mais essa realidade. Namaioria das vezes as dificuldades da falta de tempo, pouca disposição, nívelsocioeconômico, falta de segurança, contribuem para atrapalhar uma rotina de
  13. 13. 13atividade física, quem venha trazer benefícios e bem estar na vida cotidiana.Segundo Pitanga (2004, p. 16): A Atividade física é definida como qualquer movimento corporal, produzido pela musculatura esquelética, que resulta em gasto energético, tendo componentes e determinantes de ordem biopsicosocial, cultural e comportamental. A atividade física vem sendo umas das alternativas que as pessoas estãoescolhendo para sair da rotina do trabalho e de sua vida cotidiana de forma geral,para que assim, não tenha uma aderência a hábitos de vida nocivos, fazendo comque não consigam ter uma qualidade de vida ideal e desejável, Silva (2004) afirmaque: A obtenção e preservação da qualidade de vida, entendida nesse sentido genérico, vincula-se, intimamente, ao estilo de vida da pessoa, ao seu padrão de alimentação, pratica de atividade física, a não aderência a hábitos nocivos, como o fumo, como lhe dar com seu trabalho, sua família e com as chamadas tensões da vida moderna. Neste sentido, Biazussi (2011) diz, lança-se um olhar para a necessidade deuma intervenção numa perspectiva didática-pedagógico, para tentar efetivamentetransformar o cotidiano de crianças e adolescentes sedentários. Acredita-se que nãobasta só informar, mas deve-se, antes de tudo, socializar os hábitos saudáveis emconjunção com as informações sobre as doenças provocadas ou agravadas pelafalta de atividade física. No estudo de Nahas (1995), para os estudantes iniciando osegundo grau, uma das prioridades deveria ser a educação para a atividade física esaúde. Para que assim tenham uma maior probabilidade da prática de atividadefísica por toda sua infância, juventude e principalmente na vida adulta tardia, ondeos declínios fisiológicos são bem acentuados. Segundo estudo relatado por Biazussi(2011): Um bom procedimento de abordagem para a superação da falta de atividade física, é encorajar as crianças e adolescentes a tentarem acumular períodos curtos de exercícios com intensidade moderada no decorrer do dia.
  14. 14. 14 Fazendo assim, tão proporcional a procura, quanto a permanecia daspessoas praticando atividade física, que normalmente não acontece, pois, começamestimulados por vários motivos e depois não conseguem adequar ao seu dia-dia,posteriormente oscilando na prática de atividade física. Seria de grande importância para a manutenção e promoção da saúde que a prática de atividade física ocorresse de forma continuada, por todos os períodos da vida, sem este movimento de desistência semana após o início de um programa de exercícios; está continuidade seria de fundamental importância. (SANTOS, 2006).3.2 Inatividade Física A Inatividade física ainda é muito relevante na população, de forma que éconsiderada a doença do século. É importante deixar claro que existemclassificações ao nível de atividade física dos indivíduos. De acordo com Dumith(2010): existe uma certa confusão entre “ser sedentário” e não “ser ativo fisicamente”. Uma pessoa pode ser fisicamente inativa, isto é, não atingir a recomendação de 150 minutos por semana de atividade moderada a vigorosa, e não apresentar um estilo de vida sedentário. O contrário também pode ser verdadeiro, ou seja, existem pessoas que são classificadas como ativas, mas possuem um estilo de vida sedentário.Segundo Martin (2010): observa-se, com freqüência, a utilização equivocada dos termos “sedentário” e “fisicamente inativo”, mesmo quando não se avalia a prática de AFL. Não se trata somente de nomear corretamente o que se observa. Talvez sejam mais importantes as implicações únicas e distintas à saúde de não realizar AFMV, permanecer tempo demasiadamente longo nas posições sentada ou deitada, e realizar atividades físicas em níveis ou intensidades aquém dos apontados pelas recomendações.
  15. 15. 15 Dumith (2010) existe um consenso na literatura de que praticar algumaatividade física é melhor do que nada, já que os maiores benefícios são observadospara sujeitos inativos que começam a praticar atividades físicas.Quadro 1 - Proposta de nomenclatura para classificar o nível de atividade físicaClassificação de atividade física ( minutos por semana ) Classificação0 Inativo1 – 149 Insuficientemente ativo150 – 299 Ativo300 ou mais Muito ativoApenas atividades físicas de intensidade moderada a vigorosa (Dumith, 2010). Ainda é necessário se debater muito sobre esse assunto por pesquisadoresda área, pois, o importante é praticar atividades físicas, e o que é visto, são aspessoas tendo mais dificuldade de se movimentar. Segundo Apter (2009): A inatividade física é a falta ou grande diminuição da atividade física, segundo a Medicina, o sedentário é a pessoa que gasta poucas calorias por semana com atividades cotidianas. O gasto calórico semanal define se o indivíduo é sedentário ou ativo. A inatividade física vem aumentando de forma alarmante, como destacaOrganização Mundial da Saúde (OMS), somente 13% dos brasileiros praticaexercícios, mais de 60% da população brasileira é completamente sedentária, porano morrem mais 300 mil brasileiros pela falta de atividade física por conta dasinúmeras atribuições que o individuo tem na sua jornada diária, seja no trabalho, namá alimentação, nos estudos, na própria casa, que acaba desencadeando umcansaço que muitas vezes é fundamental para que a população troque a atividade
  16. 16. 16física, por uma boa noite de sono. O jornal da Unicamp diz (julho de 2009 – ANOXXIII – Nº 434): O sedentarismo tem sido agravado devido a vários fatores, entre os quais os hábitos alimentares, a jornada desenfreada de trabalho da família e a falta de espaço para a prática de atividade física em razão da verticalização das residências. A maior dificuldade é conscientizar as pessoas da importância da atividadefísica, para a promoção da saúde, ou seja, não só pelo culto ao corpo, mais tambémmostrar para elas que para sair da inatividade física tem que se exercitarcorriqueiramente. Como relata Leite (2010): Do ponto de vista da Medicina Moderna, o sedentário é o indivíduo que gasta poucas calorias por semana com atividades ocupacionais. Segundo um trabalho realizado com ex-alunos da Universidade de Harvard, o gasto calórico semanal define se o indivíduo é sedentário ou ativo. Para deixar de fazer parte do grupo dos sedentários o indivíduo precisa gastar no mínimo 2.200 calorias por semana em atividades físicas. Precisamos ter uma vida saudável e de acordo com a Organização Mundialde Saúde (2011), devemos buscar o bem-estar, seja ele físico, mental, social eespiritual, e não somente a ausência das patologias. Na vida corrida que a maioria das pessoas vive, acaba passandodespercebido as centenas de forma para que se tenha um gasto calóricosignificativo, de forma prática e decisiva para sair do sedentarismo. Segundo Neto(2011):
  17. 17. 17 aumentar o gasto calórico semanal pode se tornar possível, simplesmente reagindo aos confortos da vida moderna. Subir 2 ou 3 andares de escada ao chegar em casa ou no trabalho, dispensar o interfone e o controle remoto, estacionar o automóvel intencionalmente num local mais distante, dispensar a escada rolante no shopping - center, são algumas alternativas que podem compor uma mudança de hábitos. camufladas pela modernização, que acaba impedindo que as pessoas aumentem o gasto calórico que deveria, para não fazer parte do quadro de sedentarismo.Estudos tem demonstrado que o uso de cartazes, quadros, artesanatos, músicas,iluminação e sinais indicativos, podem influenciar a opção pelo uso de escadas aoinvés de elevadores e escadas rolantes (REIS, 2010).3.3 Doenças Associados a Inatividade física Poucas são as iniciativas de prevenção da saúde através da atividade físicaem nosso país, melhorar a qualidade de vida dos portadores de doenças, menosinternação, medicamentos, que significa ganhos importantes para saúde daspessoas. A inatividade é um dos males da sociedade moderna, resultante doprogresso, conforto, que atinge a todos os países, ricos e pobres, desenvolvidos ounão (MASSON, 2004). Sem dúvida traz muitos prejuízos para saúde, um verdadeirodesuso dos sistemas funcionais. É sabido pela Organização Mundial de Saúde(OMS) que o sedentarismo é considerado o principal fator de risco para a mortesúbita, aumentando em 54% os casos de infarto e em 50% do risco de morte porderrame cerebral, que são os principais causadores de morte no país, entre outras,como destaca Roveda (2004): Obesidade Diabetes Melito Doenças cardiovasculares Hipertensão arterial Doenças respiratórias Doenças dermatológicas
  18. 18. 18 Doenças osteoarticulares Síndrome metabólica Evidenciando ainda mais que as pessoas necessitam se movimentar, pois, osedentarismo é diretamente ou indiretamente causador ou agravador da grandemaioria das doenças. Muitas informações abundam sobre um melhor estilo de vidafisicamente, para ter uma melhor saúde, mais autores relatam incisivamente que amaior dificuldade é a vida moderna, como relata Masson (2004): O percentual de sedentarismo aumentou, sendo que atualmente, uma pessoa gasta menos de 500 kcal de energia por dia, um valor bem menor do que o encontrado há 100 anos atrás.Isto se deve ao desenvolvimento tecnológico e ao conforto da vida moderna. Trazendo ainda mais átona, o porque as pessoas tem tanta dificuldade emtornar-se um pouco mais ativo, diminui o risco de morte por doenças cardíacas em40%, fazendo com que os especialistas ratifiquem radicalmente, que a maiorcontribuição para que a população continue sedentária é a modernização de formageral. Como diz Leite (2010): Na verdade trata-se de um comportamento induzido por hábitos decorrentes dos confortos da vida moderna. Com a evolução da tecnologia e a tendência cada vez maior de substituição das atividades ocupacionais que demandam gasto energético por facilidades automatizadas, o ser humano adota cada vez mais a lei do menor esforço reduzindo assim o consumo energético de seu corpo. A literatura científica nos aponta várias doenças em decorrência dosedentarismo, destacam-se apatia, perda de força explosiva, flexibilidade, perda
  19. 19. 19perceptível de massa muscular além de contribuir para o aumento de peso e atémesmo levar a obesidade, como afirma Apter (2009): A vida sedentária não estimula as atividades dos órgãos do corpo humano. O aparelho locomotor e os demais órgãos entram em um processo de regressão funcional. No sistema músculo-esquelético ocorrem as alterações mais perceptíveis como a perda de massa muscular, comprometendo, assim, as atividades do dia a dia, devido a sobrecarga das articulações e maior exigência do sistema cardiovascular. Com o avanço da medicina as pessoas estão tendo uma maior expectativa devida, porém, ainda não há uma real vontade de praticar atividades físicas,juntamente com ma alimentação equilibrada para uma melhor qualidade de vida,que dê suporte ao seu envelhecimento com saúde. Hallal (2006) diz que embora amaioria das doenças associadas ao sedentarismo somente se manifeste na vidaadulta, é cada vez mais evidente que seu desenvolvimento se inicia na infância eadolescência. Atualmente alguns aspectos relacionados aos “comportamento ou hábitosprejudiciais a saúde”, bem como a “síndrome” de problemas comportamentais deadolescentes e jovens adultos têm sido extensamente estudados e documentados.Entre essas atitudes mencionadas incluem-se o tabagismo, consumo de álcool, usode drogas e atividade sexual de risco (CONTE, 2000).3.4 Epidemiologia da atividade física A maioria dos textos, que fundamentam a epidemiologia, especula que estanasceu com Hipócrates. Silva (2009), diz que de fato, a estrutura e o conteúdo dostextos hipocráticos sobre as epidemias e sobre a distribuição de enfermidades nosambientes, sem dúvida, antecipam o chamado raciocínio epidemiológico.
  20. 20. 20 Segundo Pitanga (2004): Epidemiologia é a ciência que estuda os fenômenos da saúde- doença e seus determinantes em grupos populacionais. Proporciona uma visão da freqüência, distribuição e tipos de doenças da humanidade em diferentes épocas e pontos da superfície da terra, relacionando-as com a genética, o meio ambiente e estilo de vida da população. A atividade física relacionada a saúde, aparece como um dos principaisfatores que poderia modificar o risco dos indivíduos adoecerem. Segundo Wikipédia(2011) a definição de saúde possui implicações legais, sociais e econômicas dosestados de saúde e doença; sem dúvida, a definição mais difundida é a encontradano preâmbulo da Constituição da Organização Mundial de saúde: saúde é umestado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas ausência dedoenças. Os principais estudos sobre epidemiologia da atividade física continuam ainvestigar a relação entre sedentarismo já ser considerado fator de risco primáriopara as doenças cardiovasculares, identificando sua prevalência, tendo como visãoincentivar as pessoas a adotarem uma vida mais ativa fisicamente, essacaracterística tem relação com as aplicações epidemiologia, se tornado fator de riscocorriqueiro, ou estilo de vida ativo fisicamente, sendo abordado, como fator deproteção e agravos cardiovasculares, hipertensão, câncer, diabetes e saúde mental.Bastos (2007) diz que as mudanças ocorridas nos perfis de morbimortalidade nasúltimas décadas geraram crescentes interesses científicos pelos fatores associadosas doenças crônicas. Segundo estudo relatado por Matsudo (2007): O sedentarismo se tornou uma epidemia mundial, atingindo países desenvolvidos e de forma mais intensa os países em desenvolvimento, 60-70% da população mundial está classificada como insuficientemente ativa para obter benefícios desse comportamento.
  21. 21. 21 A Organização Mundial de Saúde (OMS), relatou dados recentes mostrandoque a inatividade física é responsável por 2 milhões de mortes por ano no mundo, evários estudos que avaliam apenas as atividades físicas no tempo de lazer econstata-se um índice de sedentarismo ainda mais elevado, sendo assim,destacando que o desafio maior é a promoção da atividade física mesmo, tendo emvista, a grande diversidade, globalização, a própria expansão que a mulher estátendo no mercado de trabalho, fazendo assim com que o homem tenha que assumirnovos papéis num mundo altamente concorrido, influenciando decisivamente naqualidade de vida da população. Muitos estudos vem sendo realizadosmundialmente, de qual seria os principais motivos para a inserção e manutenção doestilo de vida fisicamente ativo. As principais variáveis consideradas comodeterminantes de acordo com Pitanga (2003), são: Variáveis Demográficas Idade, Sexo, Nível sócio-econômico, Grau de instrução Variáveis Cognitivas Percepção de barreiras, Intenção para o exercício, Distúrbios de humor, Percepção sobre saúde, Auto-eficácia, Percepção de esforço. Variáveis Ambientais Clima ( Estação do ano ), facilidade de acesso e locais apropriados. Suporte Social Família, Amigos. Dessa forma, é de fundamental importância essas pesquisas, para que assimseja observado o aumento, constância ou diminuição do sedentarismo e as variáveisque motivão essas pessoas a saírem desse quadro em nosso país e todo mundo.Segundo Mantovani (2010) a atividade física relacionada a saúde, no contexto dasredes multicausais, aparece como um dos fatores que poderia modificar o risco dosindivíduos para adoecerem.
  22. 22. 224. METODOLOGIA4.1 Modelo de estudo O presente estudo objetivou levantar várias informações sobre os fatoresassociados a atividade física e hábitos sedentários dos estudantes de graduação docurso de educação física da Uneb – Alagoinhas – Bahia. Dessa forma, especificadocomo método quantitativo, por meio de uma investigação exploratória.Para Sampieri (2006) o enfoque quantitativo utiliza a coleta e análise de dados pararesponder as questões de pesquisas e testar as hipóteses estabelecidaspreviamente, e confia na medição numérica, na contagem e freqüentemente no usode estatística para estabelecer com exatidão os padrões de comportamento de umapopulação.Para Gil (2007) as pesquisas exploratórias têm com objetivo proporcionar maiorfamiliaridade com o problema, com vista a torná-lo mais explícito.4.2 Caracterização da amostra A amostra do presente estudo foi composta por 60 pessoas de todas asturmas do curso de educação física da UNEB – Alagoinhas, sendo 32 do sexofeminino e 28 do sexo masculino, tendo prioritariamente individualização naaplicação do questionário, de forma que todos estes, estudantes do curso deLicenciatura em Educação Física da Uneb – Alagoinhas – Bahia, distribuídos peloturno matutino.
  23. 23. 234.3 Local do estudo O estudo foi realizado na própria Universidade do Estado da Bahia –Alagoinhas –Bahia, mais precisamente nas salas de aula do curso de Licenciaturaem Educação Física.4.4 Coleta de dados A amostra analisada foi escolhida aleatoriamente no período matutino nodecorrer da pesquisa, para a coleta de dados foi contabilizado os alunosefetivamente matriculados no curso de Licenciatura em Educação Física,subseqüentemente realizado uma entrevista (ANEXOS B e C), que se constituiu noperíodo de 26 à 29 de julho de 2011. Quando abordados, os sujeitos eraminformados sobre a realização da pesquisa e o destino da mesma. Posteriormente,se aceitassem participar do presente estudo, assinavam um termo de consentimentode livre e esclarecimento (ANEXO A). Em todo momento da aplicação da entrevista foram questionadosinformações à respeito da idade, sexo, estado civil, fuma, IMC, como se sente nãopraticando AF, sua residência é próximo de algum espaço adequado para a práticade AF, percepção de segurança onde pratica AF, por que as pessoas nãoconseguem praticar AF regularmente, quantas horas em média passa sentadodurante um dia de semana e no fim de semana, tenta sair da IF, e algumas outrasindagações ( ANEXO B e C).
  24. 24. 244.5 Análise de dados A partir dos resultados colhidos através da entrevista, os dados foramanalisados por meio da estatística descritiva e apresentados através de gráficos.Para cada pergunta abordada na entrevista, foi exposto um gráfico discriminando oresultado obtido.
  25. 25. 255. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na distinção do sexo, constam (53%) participantes femininos e (47%)masculinos, como mostra o gráfico 1. Na atual amostra não há uma discrepânciaquantitativa entre os dois grupos. Importante destacar que no estudo de Costa(2003) observou-se que as mulheres referiram praticar significativamente menosatividade físicas no tempo destinado ao lazer do que os homens. Já a Secretaria deSaúde (2009) destacou que na população paulista, as mulheres continuam sendomais ativas fisicamente que os homens. Gráfico-1; Gênero da mostra. Masculino Feminino 47% Masculino Feminino 53%. Em relação a faixa etária, o gráfico 2 mostra que (90%) dos entrevistadosapresentam idade variando entre de 18 a 30 anos; (8%) entre 30 a 40 anos; (2%)entre 40 a 50 anos. De acordo com Guedes (2001) acompanhamentos longitudinaissugerem que adolescentes menos ativos fisicamente apresentam maiorpredisposição a tornarem-se adultos sedentários. Para Sociedade Brasileira deMedicina do Esporte (1998) promover atividade física na infância e na adolescênciasignifica estabelecer uma base sólida para a redução da prevalência dosedentarismo na idade adulta, contribuindo desta forma para uma melhor qualidadede vida.
  26. 26. 26Gráfico -2; Faixa etária da amostra. 2% 8% 18 a 30 anos 30 a 40 anos 40 a 50 anos 90% Quanto ao estado civil (90%) dos entrevistados relatam ser solteiros;(10%)casados; (0%) divorciados e (0%) viúvo, como mostra o gráfico 3. Pesquisadores dauniversidade Pittsburgh (2007) descobriram que a atividade física diminuiu 1,3 horasem toda a extensão de dois anos para todos os participantes que não eram casadosou quem não tem filhos no início do estudo. Já no estudo de Pitanga (2005), foiidentificado que o sedentarismo no lazer predominou entre os casados nos homense entre casados, separados e viúvos para as mulheres.
  27. 27. 27Gráfico-3; Estado civil da amostra. Divorciado Viúvo 0% 0% Casado 10% Solteiro Casado Divorciado Viúvo Solteiro 90% O gráfico 4 demonstra que (100%) dos participantes não fazem uso decigarro. No Brasil mais de 300 pessoas morrem por dia, em conseqüência do hábitode fumar, a Organização Mundial de Saúde (OMS) prevê que, caso nada seja feito,em 2020 o tabagismo levará mais de 10 milhões de pessoas por ano, à morte.Ratificando alguns estudos de Rodrigues (2003) que relatam associação entresedentarismo e tabagismo, adolescentes fumantes apresentam menores níveis deatividade física, e a atividade física na adolescência interfere no início do tabagismoneste período e em sua manutenção na idade adulta.
  28. 28. 28Gráfico-4; Tabagismo da amostra. Sim 0% Sim Não Não 100% De acordo com o gráfico 5, pode-se inferir que (46%) dos entrevistados sãoativo fisicamente; (35%) muito ativo; (10%) insuficientemente ativo B; (7%)insuficientemente ativo A; (2%) sedentários. No estudo de Baretta (2007) observou-se uma proporção maior de indivíduos inativos entre aqueles com IMC maior oumenor do que a faixa entre 18,5Kg/m² e 29,9Kg/m², aqueles que auto-avaliaramsentirem pouca ou muita dificuldade de locomoção, indivíduos que não sentiamenergia suficiente para o seu dia-a-dia e aqueles que referiram não se sentir bemem relação a sua saúde.
  29. 29. 29Gráfico-5; Nível de atividade física. 2% 10% 7% Muito Ativo 35% Ativo Ins. Ativo A Ins. Ativo B Sedentário 46% No gráfico 6, a classificação foi feita apenas entre inativos e ativos, observou-se o seguinte resultado, (90%) dos participantes são ativos fisicamente e (10%) sãoinativos. De acordo com Wagmacker (2004) o sedentarismo pode ser identificadocomo a não participação ou participação insuficiente em atividades físicas durante arotina de vida diária das pessoas. A atividade física pode ser entendida comoqualquer movimento corporal produzido pela musculatura esquelética que resulte emgasto energético, podendo ser exemplificado por jogos, lutas, danças, esportes,exercícios físicos, atividades laborais e deslocamento.
  30. 30. 30Gráfico 6; classificação apenas entre sedentários e ativos. No gráfico 7, pode-se verificar que os participantes passam em média 7 horassentado durante a semana e 6 horas no final de semana. Segundo Antonio (2011)trabalhos revelam que pessoas com comportamento sedentário, que passa muitotempo sentadas, correm mais riscos de desenvolver problemas cardíacos. Já Melo (2010) diz que permanecer por mais de seis horas sem se levantar, aumenta o riscode desenvolver obesidade, diabetes tipo 2 e males como hipertensão arterial ecolesterol alto, que levam a doenças cardiovasculares.Gráfico-7; horas sentado em média dia de semana e fim de semana Dias da semana - 7 horas Fim de semana - 6 horas Dias da semana - 7 horas Fim de semana - 6 horas
  31. 31. 31 Através do gráfico 8, pode-se verificar que (64%) dos entrevistados estão compeso normal; (28%) sobrepeso; (5%) abaixo do peso; (3%) obesidade grau I; (0%)obesidade grau II e (0%) obesidade grau III. O Índice de massa corporal (IMC) éuma medida internacional para calcular se uma pessoa está no peso ideal(Wikipédia, 2011). Segundo Santos (2010) usar uma fórmula para aferir acomposição corporal não é um conceito novo, já no século XIX, um estatístico belgachamado Adolphe Quetelet criou o Índice de Quetelet, que media a obesidade aodividir o peso da pessoa pelo quadrado da altura.Gráfico-8; -Índice de massa corporal da amostra. 0% 0% 3% 5% 28% Abaixo do peso= 18.4 Peso normal= 18.5 - 24.9 Sobrepeso= 25.0 - 29.9 Obesidade I=30.0 - 34.9 Obesidade II=35.0 - 39.9 64% Obesidade III = 40
  32. 32. 32 De acordo com o gráfico 9, a média de idade entre os inativos é de 27 anos eentre os ativos de 24 anos. De acordo Toscano (2009) a literatura aponta evidênciasepidemiologico envolvendo quanto ao efeito positivo de adoção de um estilo de vidaativo ou o envolvimento em programas de atividade física sistemática, na prevençãoe minimização dos efeitos deletérios do envelhicimento.Gráfico-9; média de idade entre ativos e inativos Inativos 27 anos Ativos 24 anos Inativos 27 anos Ativos 24 anos De acordo com o gráfico 10, pode-se inferir que a maioria dos respondentes(38%), se sentem razoavelmente mal não praticando atividade física; (33%) normal;(20%) muito mal; (7%) razoavelmente bem e (2%) muito bem. Esses resultadosmostram que a maioria dos entrevistados se sentem razoavelmente mal quando poralgum motivo não pratica atividade física, segundo Knijnik (2006) para o adultoaderir à atividade física é mais complicado, pois ele tem que abrir espaço na suaagenda para praticá-la, e se esta exigir uma infra-estrutura determinada, as barreiraspara a prática começam a se multiplicar. Mais encontra partida mostra que ainda hápessoas que se sentem muito bem de forma geral não praticando nenhumaatividade física.
  33. 33. 33Gráfico-10; Como você se sente não praticando atividade física. 2% 7% 20% Muito bem Razoavelmente bem 33% Normal Razoavelmente mal Muito mal 38% A partir do gráfico 11, pode-se averiguar que (58%) dos entrevistadosmoravam próximo de um espaço adequado para a pratica de atividade física,enquanto que (42%) residiam em locais distantes. No estudo de Barreto (2009) ocomportamento saudável foi positivamente influenciado pela disponibilidade de localadequado a prática de atividade física perto de casa. Estudo sobre usuários de umserviço de saúde mostrou que viver perto de pistas de caminhada ou bicicletaaumenta a chance de prática de atividade física.
  34. 34. 34Gráfico-11; Sua residência é próximo de um espaço adequado para a práticade atividade física. Não 42% Sim Não Sim 58% O gráfico 12 relata a percepção de segurança dos entrevistados nos locais daprática de atividade física, sendo que (75%) responderam sim e (25%) afirmaramque não se sentem realmente seguras. De acordo com Santos (2010) residir emambientes que não ofereçam segurança durante à noite pode ser considerado comouma barreira para prática de atividade física, especialmente entre as mulheres quevivem em localidades periféricas. Outras barreiras perceptíveis que servem deimpedimento para fazer parte de programas de caminhada ou simplesmente incluí-lacomo parte de suas atividades diárias são: aparência, calçado desconfortável, tempogasto no deslocamento até o local da atividade e falta de local seguro para a práticade exercícios e esportes (PINTO, 2006).
  35. 35. 35Gráfico-12; Percepção de segurança nos locais da prática de atividade física. Não 25% Sim Não Sim 75% De acordo com o gráfico 13, pode-se observar que a maioria dos sujeitos,(46%) afirmam que a falta de estimulo é o primeiro determinante para a falta deatividade física regular; (42%)relataram que o trabalho é o principal fator; (10%)destacaram a modernização e (2%) a falta de informação como fator crucial. Darido(2004) diz que, entendemos que uma grande parcela da população não chega a teracesso, à educação, e também não possuem as condições mínimas satisfeitas, oque seriam, por si só, fatores relevantes para o afastamento da prática de atividadefísica regular. Já Marani (2006) relata que nas últimas décadas, o ser humanoencontra-se cada vez mais limitado a realizar movimentos devido ao avanço datecnologia, em função de uma progressiva automoção e mecanização observada emseu cotidiano, propiciando um estilo de vida hipocinética. Se é difícil fugir dos longosexpedientes para se exercitar, o jeito é fazer do escritório sua academia, trocar oelevador pela escada e levantar da cadeira de hora em hora ajudam a espantar osedentarismo (ATALLA, 2008).
  36. 36. 36O gráfico-13; O por que normalmente as pessoas não conseguem praticaratividade física regularmente. 2% 41% Trabalho Modernização 47% Falta de Estimulo Falta de Informação 10% Para seguinte prioridade, o gráfico 14 enfatiza que (92%) dos entrevistadostentam sair dos hábitos de inatividade física e (8%) não tentam sair dessa realidade.Segundo Duca (2009) estudo de tendência temporal tem mostrado um aumento nosníveis de inatividade física em nível populacional. Segundo Loch (2010) torna-se umgrave erro considerar o estilo de vida como dependente único e exclusivamente davontade pessoal de cada individuo, ao mesmo tempo em que é incorreto negar esteaspecto como um importante influenciador dessas escolhas.
  37. 37. 37Gráfico-14; Tenta sair dos hábitos de inatividade física. Não 8% Sim Não Sim 92%
  38. 38. 386. CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir das características encontradas nesse estudo, que delimitam osfatores associados a atividade física e hábitos sedentários dos estudantes degraduação do curso de Educação física da Uneb – Alagoinhas/Bahia, espera-se tercontribuído positivamente com o trabalho das áreas afins e deixa-se claro, anecessidade de mais estudos com bases cientificas relacionadas ao tema, queauxiliem o conhecimento e esclarecimento acerca da inatividade física e seusmalefícios para a saúde. A expectativa é que o presente estudo desperte ainda mais a iniciativa paraoutras pesquisas, que assim, colaborem com a manutenção e melhora da qualidadede vida através da atividade física, tendo uma maior expectativa de vida e saúde.Visto que a inatividade física é uma “doença” que está infectando muitas pessoas etrazendo conseqüências muitas vezes fatais. O único modo de reverter essasituação, é a pratica de atividade física regular, para que assim venha contribuirainda mais na vida dos estudantes do curso de educação física. Em relação aos estudantes de educação física da instituição, pode concluir oseguinte perfil: sexo masculino e feminino, faixa etária entre 18 e 30 anos, solteiro,não fuma, ativo, passa em média 7 horas sentado durante a semana, e 6 horas nofinal de semana, peso normal, os inativos tem média de 27 anos e os ativos 24 anos,se sentem razoavelmente mal quando não pratica atividade física, reside próximo deum espaço adequado para a prática de atividade física, se sente seguro nos locaisonde pratica atividade física, normalmente não consegue praticar atividade físicaregular pela falta de estimulo, geralmente tenta sair da inatividade física. É importante deixar bem claro que apesar da maioria dos indivíduos seremativos fisicamente, grande parte ainda se encontram com hábitos sedentários, e osque são inativos apesar de saberem sobre os benefícios que a atividade físicaproporciona, alguns se mostraram resistente a essa filosofia de vida.
  39. 39. 39REFERENCIASAmerican College of sports medicine (ACSM). Paternidade mais provável do quecasamento de impacto da atividade física. 2007. Disponível em: <http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&langpair=en%7Cpt&u=http://www.acsm.org/AM/Template.cfm%3FSection%3DHome_Page%26template%3D/CM/ContentDisplay.cfm%26ContentID%3D7480.Acesso em: 22 de agosto de 2011.ANTONIO.C. Trabalhar sentado afeta o coração. 2011. Disponível em:http://www.arcauniversal.com/qualidadedevida/saude/noticias/trabalhar-sentado-afeta-o-coracao-6597.html. Acesso em: 03 de setembro de 2011.ATALLA.M. Como conciliar trabalho e bem-estar. 2008. Disponível em: <http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EMI17195-15230,00.html>. Acessoem: 25 de agosto de 2011.BARETTA.E., PERES.K.G. Nível de atividade física e fatores associados emadultos no Município de Joaçaba, Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública,Rio de Janeiro, 23(7): 1595-1602, jul, 2007.BARRETO.S.M., PASSOS.V.M.A. Comportamento saudável entre adultos jovensno Brasil. Rev Saúde Pública 2009;43(Supl 2):9-17.BIAZUSSI.R. Os benefícios da atividade física aos adolescentes. 2011. Acessoem: 20 de agosto de 2011.BUZZACHERA.C.F., ELSANGEDY.H.M. Parâmetros fisiológicos e perceptivosdurante caminhada de intensidade preferida por mulheres adulas, previamentesedentárias. Rev. Bras.Cineantropom. Desempenho Hum. 2007;9(2):170-176.CANUDO.A. O FUMO E ATIVIDADE FÍSICA. 2011. Disponível em:<http://www.divirta-se.uai.com.br/html/sessao_42/2011/03/17/ficha_saudeplena_fitness/id_sessao=42&id_noticia=36239/ficha_saudeplena_fitness.shtml. Acesso em 22 de agosto de 2011.CONTE.M. Atividade física, um paradoxo para a saúde: estudo a partir deuniversitários recém-ingressos ao curso de medicina. 2000.COSTA.R.S., HEILBORN.M.L.Gênero e prática de atividade física de lazer. Cad.Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19(Sup. 2):S325-S333, 2003.
  40. 40. 40DARIDO.S.C. A educação física na escola e o processo de formação dos nãopraticantes de atividade física. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v.18, n.1,p.61-80, jan./mar. 2004 .DUCA.G.F.D. Associação entre nível econômico e inatividade física emdiferentes domínios. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde • Volume 14,Número 2, 2009..DUMITH.S.C. Atividade física e sedentarismo: diferenciação e proposta denomenclatura. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. V 15. N 4. 2010.GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. Como classificar as pesquisas?Pag. 41.GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria da saúde. 2011. Disponívelem: <http://www.saude.sp.gov.br/content/cretimesle.mmp>. Acesso em 18 de agostode 2011.GUEDES.D.P., GUEDES.J.E.R.P. Níveis de prática de atividade física habitualem adolescentes. Rev. Bras. Med Esporte. Vol.7 nº7, Niterói, Nov/Dec.2001.GUEDES.D.P., BARBOSA.D.S., OLIVEIRA.J.A. Níveis de prática de atividadefísica habitual em adolescentes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v.7,nº6, 2001. Acesso em: 15 de agosto de 2011.HALLAL.P.C., DUMITH.S.C. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividadefísica no Brasil: revisão sistemática. Rev Saúde Pública 2007;41(3):453-60.HALLAL.P.C., BERTOLDI.A.D. Prevalência de sedentarismo e fatoresassociados em adolescentes de 10-12 anos de idade. Cad. Saúde Pública, Riode Janeiro, 22(6):1277-1287, jun, 2006.KNIJNIK.J.D., SANTOS.S.C. Motivos de adesão à prática de atividade física navida adulta intermediária I. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte –2006 5(1):23-34.LAZZOLI.J.K., NÓBREGA.A.C.L.. Atividade física e saúde na infância eadolescência. revista brasileira de medicina do esporte. V4.N 4. Niterói July/aug.1998.
  41. 41. 41LEITE.T. Artigos médicos – sedentarismo. Disponível em<http://emedix.uol.com.br/doe/mes001_1f_sedentarismo.php#texto3>. Acesso em28 de janeiro de 2011.LOCH.M.R., NAHAS.M.V. Comportamento negativos relacionados à saúde emestudantes do ensino médio de Florianópolis, SC. 2011. Revista Brasileira deAtividade Física & Saúde. Disponível em: http://www.sbafs.org.br/_artigos/27.pdf.Acesso em: 02 de setembro de 2011.MASSON.C.R. Estudo de prevalência de sedentarismo nas mulheres adultasresidentes na zona urbana de são Leopoldo. 2004.MANTOVANI.E.P., FORTI.V.A.M. Epidemiologia, atividade física e saúde. 2011.Disponível em:http://www.fef.unicamp.br/departamentos/deafa/qvaf/livros/livros_texto_ql_saude_cole_af/saude_coletiva/saude_coletiva_cap1.pdf. Acesso em: 16 de setembro de 2011.MARANI.F., OLIVEIRA.A.R., GUEDES.D.P. Indicadores comportamentaisassociados à prática de atividade física e saúde em escolares do ensinomédio. R. bras. Ci. e Mov. 2006; 14(4): 63-70MARTIN.L., GARCIA.T. Atividades físicas e comportamentos sedentários:evidências e novos caminhos para nossas pesquisas. Revista Brasileira deAtividade Física e Saúde. V15. N 2. 2010.MATSUDO.V. VIII Simpósio Nordestino de Atividade Física e Saúde. Programas deincentivo a prática da atividade física no Brasil e em outros países em ummundo de diversidade. Pag. 36.MELO.M.M. Ficar sentado muito tempo pode causar diabetes e malescardiovasculares. 2010. Disponível em:http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2010/09/16/interna_ciencia_saude,213186/index.shtml. Acesso em: 03 desetembro de 2011.MENDES.M.A. Fontes de informação sobre a importância da atividade física:estudo de base populacional. Revista brasileira de Atividade Física e Saúde. v15.n3. 2010.
  42. 42. 42MINISTÉRIO DA SAÚDE; Pesquisa da Organização Pan-Americana de Saúde de2003. Disponível em http://www.saudeemmovimento.com.br. Acesso em 10 de fev.2011.MIOTTO, IVO; sedentarismo – falta de exercício físico. 2003. Disponível emhttp://www. fisiculturismo.com.br. Acesso em 20 de fev. 2011.NAHAS.M.V., PIRES.M.C. Educação para atividade física e saúde. RevistaBrasileira de Atividade Física e Saúde. V.1, N.1, pág. 57-65, 1995.NETO.T.L.B. Sedentarismo. 2011. Disponível em:http://emedix.uol.com.br/doe/mes001_1f_sedentarismo.php#1. Acesso em: 10 dejulho de 2011.NIEMAN, D.C. Exercício e saúde. Os benefícios do exercício regular. Capítulo 22.Pag 301.PINTO.M.E.B., DAUDT.C. Rastreamento do sedentarismo em adultos eintervenções na promoção da atividade física na atenção primária a saúde.2011.PITANGA, F. Epidemiologia da Atividade Física, Exercício Físico e Saúde,capítulo 1. Conceitos e definições, Pag. 12.PITANGA, Francisco. Epidemiologia da atividade física, exercício físico e saúde,capítulo 3. Aderência aos programas de atividade física e saúde pública, Pag. 53.PITANGA, Francisco. VIII Simpósio Nordestino de Atividade Física e Saúde.Epidemiologia da atividade física. Pag. 41 A 43.PITANGA.F.J.G., LESSA.I. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo nolazer em adultos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21(3):870-877, mai - jun,2005. Acesso em: 22 de agosto de 2011.PLOX; Sedentarismo é a doença do século. Disponível emhttp://www.plox.com.br/caderno/homem-e-mulher/sedentarismo-%C3%A9-doen%C3%A7-do-s%C3%A9culo. Acesso em 12 de fevereiro de 2011.REIS.R.S., JÚNIOR.J.S.V. Associação entre ambiente construído em prédiospúblicos, características dos usuários e uso de escadas. Revista Brasileira deAtividade Física & Saúde. 2011. Disponível em:http://www.sbafs.org.br/_artigos/55.pdf. Acesso em 05 de setembro de 2011.
  43. 43. 43RODRIGUES.E.S.R., CHEIK.N.C., MAYER.A.F. Nível de atividade física etabagismo em universitários. Organização Mundial da Saúde. Tabagismo & saúde anos países em desenvolvimento; tradução.Brasília: Instituto Nacional do Câncer;2003.ROVEDA.F. Atividade física e saúde. 2004.SAMPIERI.R.H. Metodologia de pesquisa. Que enfoques foram apresentadospara a pesquisa? Pag. 4 e 5SANTOS.M. Percepção de segurança do ambiente e atividade física. 2010.Disponível em: http://mauriciosantos11.blogspot.com/2010/01/percepcao-de-seguranca-do-ambiente-e.html>. Acesso em: 25 de janeiro em 2011.SANTOS.M.J.P. Composição corporal dos inspetores da polícia civil RJ (cursode formação-turma 2009) e atividade física. Disponível em:http://www.artigonal.com/biologia-artigos/composicao-corporal-dos-inspetores-da-policia-civil-rj-curso-de-formacao-turma-2009-e-atividade-fisica-2237560.html.Acesso em 24 de agosto de 2011.SANTOS.S.C., KNIJNIK.J.D. Motivos de adesão à prática de atividade física navida adulta intermediária I. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte –2006 5(1):23-34.SAÚDE E LAZER; sedentarismo é a doença do século. 2009. Disponível em<http://www.saudelazer.com/index.php?Itemid=49&id=5288&option=com_content&task=view>. Acesso em 31 de janeiro de 2011.SAÚDE.H. Qual é o mínimo para deixar de ser sedentário. 2007. Disponível em:http://www.humanasaude.com.br/novo/materias/6/qual--o-m-nimo-para-deixar-de-ser-sedent-rio-_2178.html. Acesso em: 01 de agosto de 2011.SENAC; portal de saúde. Disponível em<http://www.sc.senac.br/arquivos/brusque/portal_saude_arquivos/Page407.htm>.Acesso em 12 de fevereiro de 2011.SILVA.E.M. Sociologiada promoção à saúde do indivíduo-coletivo no âmbitodaepidemiologia social. Campina Grande v. 8, número 12 - Janeiro / Junho 2009.
  44. 44. 44Silva, M.A.D. O exercício, Preparação Fisiológica, Avaliação Médica, Avaliação,Aspectos Especiais e Preventivos. Exercício e qualidade de vida, capítulo 23.Pag. 261 a 266.TASSITANO.R.M., BEZERRA.J. Atividade física em adolescentes brasileiros:uma revisão sistemática. Rev. Bras.Cineantropom. Desempenho Hum.2007;9(1):55-60.TIRADO.N.G., CALDEIRA.D.F.O. Combate ao sedentarismo: a intervençãoatravés de atividades e exercícios físicos para a promoção de uma vidasaudável e ativa. 2011. Disponível em:http://www.webartigos.com/articles/57286/1/COMBATE-AO-SEDENTARISMO-A-INTERVENCAO-ATRAVES-DE-ATIVIDADES-E-EXERCICIOS-FISICOS-PARA-PROMOCAO-DE-UMA-VIDA-SAUDAVEL-E-ATIVA/pagina1.html. Acesso em: 15 deagosto de 2011.TOSCANO.J.J.O., OLIVEIRA.A.C.C. Qualidade de vida em idosos com distintosníveis de atividade física. Rev Bras Med Esporte – Vol. 15, No 3 – Mai/Jun, 2009.WAGMACKER.D.S. Atividade física comparada a atividade física no tempo livrecomo fator de proteção à hipertensão arterial sistemática. 2009.WIKIPÉDIA, A ENCICLOPÉDIA LIVRE. Índice de massa corporal. 2011.Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%8Dndice_de_massa_corporal>.Acesso em: 24 de agosto de 2011.WIKIPÉDIA; Saúde. 2011. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Sa%C3%BAde.Acesso em: 28 de setembro de 2011.
  45. 45. 45ANEXOS
  46. 46. 46 ANEXO A UNIVERSIDADE ESTADUAL DO ESTADO DA BAHIA TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Estamos realizando uma pesquisa com o objetivo de analisar os fatoresassociados a inatividade física dos estudantes de graduação do curso de EducaçãoFísica da Uneb –Alagoinhas/ Bahia. Você está sendo convidado (a) para participar,como voluntário, em uma pesquisa. Após ser esclarecido (a) sobre as informações aseguir, no caso de aceitar fazer parte desse estudo, assine ao final destedocumento, em caso de recusa você não será penalizado (a) de forma alguma. Este estudo pretende seguir os princípios éticos de pesquisas envolvendoseres humanos, evitando danos e qualquer agravos aos sujeitos envolvido namesma. Será garantido o sigilo total de todas as informações individuais coletadasnessa pesquisa, preservando assim sua identidade. CONSENTIMENTO DA PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COMO SUJEITOEu,________________________________________________, concordo emparticipar do estudo, como sujeito. Fui devidamente informado e esclarecido pelopesquisador Helder Josué Oliveira Santos sobre a pesquisa, os procedimentos nelaenvolvidos, assim como os possíveis riscos e benefícios decorrentes de minhaparticipação. Alagoinhas (BA), ___/___/___ _________________________________________ Assinatura do sujeito
  47. 47. 47 ANEXO BQUESTIONÁRIO INTERNACIONAL DE ATIVIDADE FÍSICA – QIAF – VERSÃOCURTANome:________________________________________________Data:____/____/____ Idade:______ Sexo: F ( ) M ( )Nós estamos interessados em saber que tipos de atividade física as pessoas fazem como parte doseu dia-a-dia. Este projeto faz parte de um grande estudo, que está sendo feito em diferentes paísesao redor do mundo. Suas respostas nos ajudarão a entender quanto ativos nós somos em relação apessoas de outros países. As perguntas estão relacionadas ao tempo que você gastou fazendoatividade física na ÚLTIMA semana. As perguntas incluem as atividades que você faz no trabalho,para ir de um lugar a outro, por lazer, por esporte, por exercícios ou como parte das suas atividadesem casa ou no jardim. Suas respostas são MUITO importantes. Por favor, responda cada questãomesmo que considere que não seja ativo. Obrigado pela sua participação!Para responder as questões lembre-se que: Atividades físicas VIGOROSAS são aquelas que precisam de um grande esforço físico e que fazem respirar MUITO mais forte do que o normal. Atividades físicas MODERADAS são aquelas que precisam de algum esforço físico e que fazem respirar UM POUCO mais forte do que o normalPara responder as perguntas pense somente nas atividades que você realiza porpelo menos 10 minutos contínuos de cada vez:1a Em quantos dias da última semana você caminhou por pelo menos 10 minutoscontínuos em casa ou no trabalho, como forma de transporte para ir de um lugarpara outro, por lazer ou prazer ou como forma de exercício?Dias________ por SEMANA ( ) Nenhum1b Nos dias em que você caminhou por pelo menos 10 minutos contínuos quantotempo no total você gastou caminhando por dia?Horas:________ Minutos:________2a Em quantos dias da última semana, você realizou atividades MODERADAS porpelo menos 10 minutos contínuos, como, por exemplo, pedalar leve na bicicleta,
  48. 48. 48nadar, dançar, fazer ginástica aeróbica leve, jogar vôlei recreativo, carregar pesosleves, fazer serviços domésticos na casa, no quintal ou no jardim como varrer,aspirar, cuidar do jardim, ou qualquer atividade que fez aumentar moderadamentesua respiração ou batimento do coração (POR FAVOR NÃO INCLUA CAMINHADA)Dias________ por SEMANA ( ) Nenhum2b Nos dias em que você fez essas atividades moderadas por pelo menos 10minutos contínuos, quanto tempo no total você gastou fazendo essas atividades pordia?Horas:_________ Minutos:___________3a Em quantos dias da última semana, você realizou atividades VIGOROSAS porpelo menos 10 minutos contínuos, como, por exemplo, correr, fazer ginásticaaeróbica, jogar futebol, pedalar rápido na bicicleta, jogar basquete, fazer serviçosdomésticos pesados em casa, no quintal ou cavoucar no jardim, carregar pesoselevados ou qualquer atividade que fez aumentar MUITO sua respiração oubatimentos do coração.Dias______ por SEMANA ( ) Nenhum3b Nos dias em que você fez essas atividades vigorosas por pelo menos 10 minutoscontínuos quanto tempo no total você gastou fazendo essas atividades por dia?Horas:________ Minutos:_______
  49. 49. 49 ANEXO C QUESTIONÁRIO ADAPTADO1- Qual a sua idade? ________2- Sexo: F( ) M( )3- Estado civil : Solteiro ( ) Casado ( ) Divorciado ( ) Viúvo ( )4- Faz uso de cigarro? Sim ( ) Não ( )5- Qual o seu peso?_______Estatura:_______IMC:_______6- Como você se sente não praticando atividade física? Muito bem ( ) Razoavelmente bem ( ) Normal ( ) Razoavelmente mal ( ) Muito mal ( )7- Sua residência é próximo de um espaço adequado para prática de atividade física? Sim ( ) Não ( )8- Você tem uma percepção de segurança nos locais da prática de atividade física? Sim ( ) Não ( )9- O por que normalmente as pessoas não conseguem praticar atividade física regularmente?Trabalho ( ) Modernização ( ) Falta de Estimulo ( ) Falta de informação ( )10- Quantas horas em média você passa sentado durante um dia de semana?____________11- Quantas horas em média você passa sentado durante um dia no fim de semana?___________12-Você tentar sair da Inatividade Física? Sim ( ) Não ( )

×