FATORES QUE INFLUENCIAM A ADESÃO E A PERMANÊNCIA DE INDIVÍDUOS NA PRÁTICA DA NATAÇÃO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

FATORES QUE INFLUENCIAM A ADESÃO E A PERMANÊNCIA DE INDIVÍDUOS NA PRÁTICA DA NATAÇÃO

on

  • 4,908 views

RITA DE CÁSSIA LEMOS DE OLIVEIRA LIMA

RITA DE CÁSSIA LEMOS DE OLIVEIRA LIMA

Statistics

Views

Total Views
4,908
Views on SlideShare
4,908
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
61
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

FATORES QUE INFLUENCIAM A ADESÃO E A PERMANÊNCIA DE INDIVÍDUOS NA PRÁTICA DA NATAÇÃO Document Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA RITA DE CÁSSIA LEMOS DE OLIVEIRA LIMA FATORES QUE INFLUENCIAM A ADESÃO E APERMANÊNCIA DE INDIVÍDUOS NA PRÁTICA DA NATAÇÃO Alagoinhas – Bahia 2011
  • 2. RITA DE CÁSSIA LEMOS DE OLIVEIRA LIMA FATORES QUE INFLUENCIAM A ADESÃO E APERMANÊNCIA DE INDIVÍDUOS NA PRÁTICA DA NATAÇÃO Monografia apresentada ao Curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade do Estado da Bahia – UNEB, Campus II, Alagoinhas, como requisito parcial para a obtenção de grau de Licenciatura em Educação Física. Orientação: Prof. Dr. Maurício Maltez Ribeiro Co-orientador: Prof. Dr. Francisco Gondim Pitanga. Alagoinhas – Bahia 2011
  • 3. DEDICATÓRIADedico este trabalho a todos aqueles que desejamconhecer um pouco mais sobre a Natação, e a todos osque são apaixonados por este esporte Fantástico!
  • 4. AGRADECIMENTOS Agradeço imensamente ao Divino Pai Eterno por estar ao meu lado em todosos momentos da minha vida, sejam eles de alegria/tristeza, coragem/medo,força/fraqueza, segurança/insegurança, sempre me ajudando a superar asdificuldades encontradas e ultrapassar os obstáculos colocados em meu caminho,provando por diversas vezes que nele nós podemos confiar basta acreditar! A minha família que não somente faz parte da minha vida, mas que é a minhavida, por tudo o que já fizeram e fazem por mim. Aos meus pais, pelo amor,dedicação, educação, ensinamentos, apoio, incentivo, compreensão, paciência... Aminha amada irmã, sempre compreensiva, atenciosa, carinhosa e engraçada que eusempre pude contar. Aos meus sobrinhos que apesar de novinhos (7, 5 e 2aninhos), sem saber, me transmitiam força nos momentos difíceis, através dosabraços apertados, carinhos triplicados, sorrisos sinceros e suas brincadeiras, asquais tanto me divertiam e me distraíam. Ao meu namorado Sérgio que se empenhou em me ajudar em tudo o quefosse preciso, além de me dar atenção, amor e carinho, transmitindo tranqüilidadequando me encontrava quase entrando em "curto circuito" no período de execuçãoda monografia. Ao meu orientador Maurício Maltez, agradeço de coração, pela dedicação,empenho, atenção, prontidão, comprometimento, competência, humildade,responsabilidade, rapidez em sanar as minhas dúvidas, sempre presente mesmodurante a greve, me auxiliando enormemente na execução de todo o TCC. A todos os professores que contribuíram para a minha formação acadêmica:Luiz Carlos Rocha, Cézar Leiro, Ubiratan Menezes, Francisco Pitanga, Diana Tigre,Magdalânia Cauby, Eduardo Sá, Nélia Bispo, Normando Carneiro, Gregório Benfica,Ana Simon, Gleide Sacramento, Mônica Benfica, Valter Abrantes, Maurício Maltez,Martha Benevides, Neuber Leite, Alan Rocha e Viviane Viana.
  • 5. À Cíntia, minha companheira do Projeto EPAF – Educar para a AtividadeFísica - que me ensinou tudo sobre a tabulação de dados da pesquisa, além deestar sempre disposta a auxiliar no que eu precisasse. A professora Mônica Benfica, que apesar de não ser minha orientadora e nãoter obrigação/responsabilidade nenhuma em relação à minha monografia fezalgumas correções e considerações para o melhoramento do trabalho. Agradeço do fundo do meu coração à minha querida Ana Rita, professora deLíngua Portuguesa, que desde a execução do projeto de pesquisa corrige meustrabalhos. Aos professores Valter Abrantes e Maurício Maltez coordenadores do EPAF(Educar Para Atividade Física), os quais tenho imensa admiração, queproporcionaram um maior aprendizado na área de grupos especiais através daexperiência de quase dois anos nesse projeto de extensão. Tive a honra de ser aluna de várias disciplinas, dentre elas a de TCC, e serco-orientanda do professor Pós Dr. José Francisco Gondim Pitanga, a ele os meussinceros agradecimentos. A todos os colegas da graduação, em especial a equipe do "paredão" Izandra,Ariane, Janilma, Shirlei, Silas, Guilherme e às amigas inseparáveis: ArissandraCélia, Juliana Correia, Milena Carneiro e Tatiane Miranda pela amizade eexperiências compartilhadas. OBRIGADA A TODOS!!!
  • 6. "Dai-me Senhor, a perseverança das ondas do mar, quefazem de cada recuo um ponto de partida para um novoavanço." Gabriela Mistral
  • 7. RESUMOEste trabalho teve como objetivo identificar os fatores que influenciam napermanência de indivíduos na prática da natação e para este propósito foramescolhidos os dois clubes mais antigos da cidade de Alagoinhas-Ba, os quaisoferecem esse desporto. O presente estudo constituiu-se a partir de uma abordagemquantitativa, utilizando a pesquisa direta de campo e empregou-se o métododescritivo e exploratório. A amostra deste estudo foi composta por 42 indivíduos deambos os gêneros e sem distinção de faixa etária, com uma média de idade de25,69 ± 13,64 anos. Como instrumento de coleta de dados, utilizou-se as fichas dematrícula do mês de janeiro de 2010 a janeiro de 2011 e o questionário IDAPRANclassificado como estruturado. A análise de dados foi feita a partir das estatísticasdescritivas, utilizando o software da Microssoft Office Excel 2007. Os objetos deestudo foram atividade física e exercício físico, fatores que influenciam a prática daatividade física, níveis de atividade física, história, caracterísiticas e benefícios danatação. De acordo com os resultados obtidos, ficou evidenciado que a maioria é dosexo masculino com 83% e feminino apenas 17%; a faixa etária predominante é deadultos (31 a 59 anos) e crianças (5 a 12 anos), com 35% e 28% respectivamente.Com relação ao estado civil, 76% eram solteiros e 19% casados. Referente ao graude instrução, 26% tinha o ensino fundamental incompleto e 24% o nível superiorcompleto. Dentre as profissões, 41% eram estudantes e 17% professores. Quanto àidade que tinham quando iniciaram a prática da natação, 26% tinham de 7 a 12 anose 17% de 13 a 19 anos; sendo que 43% praticam o esporte a mais de 2 anos, 36% amais que 2 meses e menos que 6 meses. Os principais motivos de adesão forammelhorar o condicionamento físico com 28% e indicação médica com 26%; e osfatores que influenciaram na permanência no esporte foram melhorar ocondicionamento físico com 95%, seguido da sensação de bem estar e por ser umaatividade física saudável com 93%. Através dos resultados expostos, constatou-seque os fatores influenciadores tanto de iniciação à prática da natação como os depermanência no esporte, estão vinculados à saúde e bem estar e para a obtençãode uma melhor qualidade de vida. Portanto, conclui-se que os motivos de adesão sejustificaram após algum tempo de permanência na atividade e se intensificaram porconseqüência de uma percepção satisfatória diante dos objetivos que vem sendoadquiridos, estimulando os indivíduos a se manterem no esporte, usufruindo dosbenefícios esperados e atingidos.Palavras–chave: Atividade física, permanência, natação.
  • 8. ABSTRACTThis study aimed to identify factors that influence the persistence of individuals in thepractice of swimming and were chosen for this purpose both the citys oldest clubs inAlagoinhas, Bahia, which offer this sport. This study was based from a quantitativeapproach, using the lookup field and the method we used descriptive andexploratory. The sample was composed of 42 individuals of both genders andirrespective of age, with a mean age of 25.69 ± 13.64 years. As an instrument of datacollection we used the registration records of January 2010 to January 2011 andclassified as IDAPRAN structured questionnaire. Data analysis was made from thedescriptive statistics, using the software Microssoft Office Excel 2007. The subjectswere physical activity and exercise, factors that influence physical activity, physicalactivity levels, history, and characteristics make the benefits of swimming. Accordingto the results obtained, it was evident that the majority are males with female only83% and 17%, is the predominant age group of adults (31 to 59 years) and children(5-12 years) with 35% and 28% respectively. With regard to marital status, 76% weresingle and 19% married. Concerning the level of education 26% had incompleteprimary education and 24% college graduates. Among the professions, 41% werestudents and teachers 17%. As for the age they were when they began the practiceof swimming, 26% had 7 to 12 years and 17% from 13 to 19 years, and 43% practicethe sport for more than two years, more than 36% and less than 2 months 6 months.The main reasons for compliance were improved physical conditioning with 28% and26% with medical indication, and that influenced fatoores remaining on sportsimprove fitness were 95%, followed by a feeling of well being and for being a physicalactivity healthy 93%. Through the results presented, it was found that the factorsinfluencing both the initiation as the sport of swimming to stay in the sport, are linkedto health and wellness and to obtain a better quality of life. Therefore, we concludethat the reasons for membership are justified after some time spent in the activity andintensified by the perception of a satisfactory result on the objectives that have beenacquired, encouraging individuals to remain in the sport, enjoys the benefits expectedand achieved.Keywords: Physical activity, stay, swimming.
  • 9. LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLASACRA - Associação Cultural e Recreativa de AlagoinhasAF- Atividade físicaBA- BahiaCBDA- Confederação Brasileira de Desportos AquáticosIBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e EstatísticaIDAPRAN- Instrumento Diagnóstico de Adesão à Prática da NataçãoOMS - Organização Mundial de SaúdeUEFS - Universidade de Feira de SantanaUNEB- Universidade do Estado da Bahia
  • 10. LISTA DE ILUSTRAÇÕES GRÁFICOSGRÁFICO 1: Características quanto ao gênero dos alunos.GRÁFICO 2: Características conforme a faixa etária dos alunos.GRÁFICO 3: Características conforme o estado civil dos alunos praticantes danatação.GRÁFICO 4: Características conforme o grau de instrução.GRÁFICO 5: Características conforme as profissões dos alunos.GRÁFICO 6: Características conforme a idade em que os alunos iniciaram a práticada natação.GRÁFICO 7: Percentuais de quanto tempo os alunos praticam natação.GRÁFICO 8: Percentuais dos estágios de comportamento em relação à atividadefísica.GRÁFICO 9: Percentuais dos cinco principais motivos de adesão a prática danatação.
  • 11. LISTA DE TABELASTABELA 1: Percentuais do Nível de Importância das opções listadas, de acordocom o perfil e a percepção dos alunos para justificar o porquê continuam(permanecem) praticando natação.
  • 12. SUMÁRIO1INTRODUÇÃO ________________________________________________ 132 OBJETIVOS __________________________________________________182.1 Objetivo geral ________________________________________________182.3 Objetivos específicos __________________________________________ 183 REFERENCIAL TEÓRICO _______________________________________193.1 Atividade física e exercício físico_________________________________193.2 Fatores que influenciam a prática da atividade física _________________ 223.3 Níveis de atividade física ______________________________________ 273.4 História da natação __________________________________________ 293.5 Características da natação _____________________________________343.6 Benefícios da natação ________________________________________ 374 METODOLOGIA ______________________________________________ 394.1 Modelo do estudo ____________________________________________394.2 Amostra ___________________________________________________404.3 Local do estudo _____________________________________________404.4 Características dos clubes _____________________________________414.5 Funcionamento dos clubes ____________________________________ 424.6 Instrumento de medida _______________________________________ 424.7 Coleta de dados _____________________________________________434.8 Análise dos dados ___________________________________________ 43
  • 13. 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO __________________________________ 456 CONSIDERAÇÕES FINAIS _____________________________________ 68REFERÊNCIASANEXOSANEXO A: Termo de Autorização dos Clubes - IANEXO B: Termo de Autorização dos Clubes – IIANEXO C: Termo de Consentimento Livre e EsclarecidoANEXO D: Questionário (IDAPRAN)
  • 14. 131 INTRODUÇÃO O corpo humano está constantemente em ação e isso se deve a todos osseus órgãos trabalharem em conjunto e numa completa sintonia para mantê-lofuncionando perfeitamente, mas o seu bom funcionamento depende de algunscuidados essenciais como: uma boa alimentação, prática de atividades físicas,higiene, descanso, entre outros. Nosso corpo se desenvolveu com o movimento, oqual só é possível devido à ação de contração dos músculos que têm uma tarefaimensamente complicada, pois exige estímulos variados tanto para esforços muitograndes como correr, quanto para movimentos "finos" e delicados como o dos dedosum cirurgião, por exemplo. Entretanto, "devido à insuficiente utilização diária dos músculos do corpo,temos este importantíssimo sistema corporal atrofiando", diminuindo a flexibilidade, aforça, a capacidade cardiorrespiratória, a resistência e podendo sofrer lesões maisfacilmente, ou seja, "quando não são colocados para trabalhar durante muito tempoentram em falência, enfraquecendo-os", tanto que, além de acarretar os problemascitados, as articulações ficam endurecidas, tornando atividades simples algo difícil ecansativo, isso pode ser facilmente visualizado nos idosos, por exemplo, que devidoa algumas patologias necessitam ficar muito tempo parados, afetando diretamenteos movimentos (MENDES1, 2010). Diante deste cenário, faz-se necessário mudar esse estilo de vida onde seutiliza cada vez menos as habilidades corporais, adicionando a prática de atividadesfísicas no cotidiano e fazendo dela um hábito de fundamental importância paramanter ou obter uma melhor qualidade de vida. A aderência a uma atividade físicaou a um esporte que, segundo Saba (2001, p. 39), "é a manutenção da prática porlongos períodos de tempo como parte da rotina dos indivíduos", seria o ideal paramudar essa maneira de viver, no entanto, vários fatores estão associados àpermanência de tal prática.1 Disponível em: <http://www.corposaudavel.com.br/atividade-fisica/127-cinesiologia-a-importancia-dos-movimentos> MENDES, Aluísio Menin. Cinesiologia - A Importância dos Movimentos.
  • 15. 14 As transformações aceleradas proporcionadas à humanidade através doavanço da ciência e da tecnologia exercem uma influência fortíssima nocomportamento dos indivíduos, consequência das facilidades e confortos da vidamoderna, pelo fato de tornar as atividades diárias bem mais simples, diminuindo ogasto de tempo que é bastante positivo na agitação dos dias atuais. Porém, essa “leido mínimo esforço substitui o duro trabalho dos nossos músculos", fazendo com quetenhamos uma enorme tendência ao sedentarismo, ou seja, a uma vida pouco/nadaativa fisicamente (MENDES, 2011). Nos últimos anos, estudos demonstraram que "o sedentarismo é algo que oser humano não está habituado" e é nesta adaptação onde mora o perigo, pois ocorpo tem uma enorme capacidade de se adaptar tanto aos estresses físicosproporcionados pelos exercícios, e com isso melhorar suas funções; como também àinatividade física, que é um fator decisivo no desenvolvimento de doençasdegenerativas como: obesidade, colesterol, hipertensão arterial, doençascardiovasculares, diabetes tipo II, etc (B A S T O 2, 2009). O crescente discurso veiculado pelas mídias sobre saúde e pelos médicos emsuas consultas e recomendações demonstra que uma atividade física regular deintensidade moderada é extremamente importante por exercer uma ação positivasobre todo o corpo, trazendo benefícios não só físicos como fisiológicos, psíquicos esociais, ou seja, a saúde e a atividade física estão completamente interligadas, nãohá como separar uma da outra. Diante da necessidade de se trabalhar o corpo por inteiro de forma adequadae equilibrada, sugere-se a prática de um esporte bastante completo – já comprovadoem diversas pesquisas - que trabalha todos os músculos do corpo e desenvolvediversas habilidades como: coordenação, equilíbrio, força, resistência, flexibilidade,além de ser extremamente benéfico ao sistema cardiovascular e respiratório. Esse esporte tão "poderoso" é a natação. Uma atividade que o praticante aodominar os estilos dos nados (crawl, costas, peito e borboleta) estará trabalhandotoda a musculatura do corpo e, ao mesmo tempo, relaxando, pois alivia as tensões2 Disponível em: <http://joaobastotreinopersonalizado.blogspot.com/2009/02/os-ultimos-anos-demonstraram-que-o.html> B A S T O , João. Treino personalizado: Um conceito de qualidade devida.
  • 16. 15diárias, ajuda na recuperação e reabilitação de lesões, como também na redução dagordura corporal quando praticada na intensidade correta. A natação é um esporte bastante indicado pelos médicos, fisioterapeutas eprofessores de Educação Física por auxiliar na melhoria de diversas patologias, poisproporciona inúmeros benefícios físicos, fisiológicos, psicológicos e sociais. É umesporte fascinante, principalmente para aqueles que já o dominam, mas um tantodifícil para os que estão iniciando devido a diversos fatores: como o de estar inseridoem um novo ambiente com características bem diferentes daquelas que estamosacostumados fora da água, exigindo novas adaptações ao meio líquido como: arespiração, a adaptação óculo-visual, a flutuação e o deslize para, a partir daí, iniciarexercícios de coordenação da propulsão de pernas, braços e respiraçãosimultaneamente. Para iniciar qualquer atividade física, exercício físico ou esporte, geralmente épreciso de algum motivo, uma razão ou um objetivo a ser alcançado. E algo quedetermina essa atitude é a motivação, uma força interior, um desejo que conduzirá eintensificará os objetivos do indivíduo. Entretanto, a permanência em determinadaatividade depende, além da motivação, de perseverança, persistência e de umanecessidade física, fisiológica ou psicológica, motivos ainda mais fortes para queessa seqüência seja dada. Referente a isto, podemos notar que, em nosso país, os estudos queacompanham o envolvimento da população com a prática regular da natação sãoinsuficientes. Diante desta carência de informações, o objeto de estudo da presentepesquisa, ou seja, as questões que orientam essa investigação são: O que éatividade física e exercício físico? Quais os fatores que influenciam na prática daatividade física? Quais as características e os benefícios do esporte natação? Em busca de responder estes questionamentos, foi utilizada como abordagemMetodológica, nesta investigação, a Pesquisa Direta de Campo do tipo quantitativa –descritiva, em dois clubes situados na cidade de Alagoinhas – Bahia, onde foramaplicados questionários a todos os alunos de todas as faixas etárias que praticamnatação.
  • 17. 16 Para tanto, o referencial teórico deste estudo foi subdividido em seis capítulos, osquais abordam: 1. Atividade física e exercício físico, definindo e diferenciando cadauma dessas práticas; 2. Fatores que influenciam a prática da atividade física, falandosobre motivos, motivação, auto-motivação, determinantes da permanência em umprograma de atividade física e suas variáveis. 3. Níveis de atividade física, trazendoos estágios de mudança de comportamento dos indivíduos em relação à prática deexercícios. 4. História da Natação, contando alguns fatos ocorridos no passado; 5.Caracterísiticas da Natação, informando como esse esporte se constitui; 6.Benefícios da Natação, trazendo as vantagens de se praticar regularmente estaatividade. A metodologia mostra todo caminho percorrido para a execução da pesquisa,a amostra, os procedimentos e instrumentos utilizados. O item, Resultados eDiscussão, dedicou-se à apresentação dos dados coletados, estabelecendo umaligação com resultados de outros estudos feitos na área e com a revisão deliteratura. E para finalizar, as Considerações Finais, expõem os fatores queinfluenciaram na permanência de indivíduos na prática da natação, a partir dosresultados encontrados e dos pressupostos teóricos que embasam o estudo,indicando, também, algumas sugestões de mudança da realidade encontrada e depesquisas futuras. Podemos presumir que a permanência na atividade física, em geral, deve-sea fatores de maior importância/intensidade e/ou grandeza em relação àquelesmotivos iniciais de adesão, e com relação à natação há um agravante maior, por serum esporte não acessível a todos, exigindo certa estabilidade financeira para darcontinuidade à sua prática. Como futura professora de Educação Física, tenho como projeto profissionalatuar nessa área e, mais especificamente, com a natação, espero poder contribuirpara a manutenção e melhoria da saúde física e psicológica, como também nareabilitação física daqueles que optarem por este esporte. Portanto, este estudo traz informações valiosas para subsidiar a captação denovos alunos e colaborar na redução de abandonos do esporte na medida em quese conhecem as necessidades, as dificuldades e o que mais agrada e/oudesagradam os mesmos, podendo auxiliar tanto os donos de espaços onde
  • 18. 17oferecem a natação quanto os professores que poderão avaliar sua metodologia deensino, criando maneiras de tornar seu trabalho mais atrativo e dinâmico (já que anatação tem características um tanto monótonas, para alguns, por ser um esporteindividual de exercícios repetitivos até que se alcance a técnica dos nados). Aomesmo tempo, pode ser uma referência em como lidar com as diversas situações ouproblemas que eventualmente poderão ocorrer no decorrer das aulas. Essa, talvez,seja uma forma de se chegar a uma das raízes do problema (a desistência) e delaextrair possibilidades de mudança criando maneiras de suprir as necessidades que,possivelmente, serão encontradas e aprimorando assim a qualidade do serviçoofertado. Diante do exposto, configura-se como problema de investigação a seguintequestão: Quais os Fatores que Influenciam na Permanência de Indivíduos na Práticada Natação?
  • 19. 18 2. OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Identificar os fatores que influenciam na permanência dos indivíduos na prática da natação. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Identificar o perfil dos indivíduos praticantes do esporte natação. Identificar os motivos que levam os indivíduos a procurarem a natação como prática de atividade física. Identificar o tempo de permanência dos indivíduos na prática da natação.
  • 20. 193. REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 ATIVIDADE FÍSICA E EXERCÍCIO FÍSICO Atualmente é possível visualizar um maior número de pessoas praticandoalguma atividade física, seja ela realizada em instalações esportivas, espaçosprivados ou mesmo aqueles realizados em contato direto com a natureza,demonstrando uma crescente conscientização e conhecimento da importância e dosbenefícios adquiridos a partir da adoção de um estilo de vida ativo, independente daidade, para uma maior e melhor qualidade de vida. Segundo Gonzáles e Fensterseifer (2010 apud CASPERSEN et al, 1985), aatividade física (AF) é entendida como qualquer movimento corporal produzido pelosmúsculos esqueléticos do qual resultam em consumos energéticos. E também pode ser definida como: Um comportamento humano complexo, com componentes e determinantes de ordem biológica psicossociocultural, podendo ser exemplificada por esportes, exercícios físicos, danças e outras atividades de lazer, locomoção e ocupação profissional. (PITANGA, 5ª ed. p.16). Gonzáles e Fensterseifer (2010 apud Mc ARDLE et al 2000) consideramainda, que a “AF exerce efeito profundo sobre o consumo de energia humana”,independente do sistema orgânico envolvido. Nesse contexto, na maioria das vezes,AF é compreendida como uma prática relevante e significativa para o benefício dasaúde. A humanidade tem acompanhado e, grande parte dela, tem se beneficiadocom os admiráveis progressos da vida atual, no entanto, as facilidades ocorridasdevido ao avanço científico e tecnológico (elevadores, controles, internet, portõesque se abrem automaticamente, etc) substituíram a força humana, principalmente naexecução de atividades rotineiras que dependiam basicamente do esforço físico.
  • 21. 20 Essas facilidades que nos favorecem no sentido de diminuir o gasto detempo, pela lógica, sobraria mais tempo para cuidar de nós mesmos. No entanto, acorreria diária em busca da independência financeira, de aperfeiçoamento intelectualdevido à competitividade no trabalho, a instabilidade no emprego, sem falar nosproblemas com família, filhos, casa, trânsito, acabam tomando todo nosso temponos deixando tão cansados que vamos descuidando do nosso corpo como um todo,tornando-nos cada vez mais sedentários e estressados. Este acúmulo de coisas vaiditar nossas escolhas, atitudes e hábitos pessoais tendo um impacto positivo ounegativo em nossa saúde. Quanto mais sedentárias, apressadas, estressadas e debilitadas pelo modo de vida moderno, mais as pessoas procuram um idílio de paz e saúde, que lhes é traduzido pela prática de exercício físico (SABA, 2001, p. 49). Considerada como a doença do século, o sedentarismo está diretamenteassociado ao comportamento cotidiano decorrente dos confortos da vida atual, ouseja, a falta e/ou ausência e/ou diminuição de atividades físicas ou esportivas. Valeressaltar que essa inatividade física é mais prevalente em mulheres, idosos,indivíduos de baixo nível sócio-econômico e incapacitados. A partir da adolescência,as pessoas tendem a diminuir, de forma progressiva o nível de atividade física.Existem diversas indicações para que os indivíduos sedentários possam adotar umamudança de hábitos de acordo com as possibilidades, limitações ou conveniênciasde cada um, optando por uma vida fisicamente mais ativa e saudável. Neste sentido, Gonzáles e Fensterseifer (2010 apud POLLOCK et al, 1995)recomendam AF para melhorar e manter a saúde e as capacidades físicas,cardiorrespiratórias e músculo-esqueléticas, com ênfase na prevenção de doençascrônicas degenerativas. De fato, há consenso de existência sobre a relação entresaúde e AF; no entanto é, reconhecidamente, complexa e também contraditória,devido às influências sofridas não só da natureza atlética, mas de fatoressocioeconômicos e culturais. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a prática de AF regularreduz o risco de mortes prematuras, doenças do coração, acidente vascularcerebral, câncer de cólon e mama, e diabetes tipo II. Atua na prevenção ou redução
  • 22. 21da hipertensão arterial, previne o ganho de peso (diminuindo o risco de obesidade),auxilia na prevenção ou redução da osteoporose, promove bem-estar, reduz oestresse, a ansiedade e a depressão. Especialmente em crianças e jovens, a AFinterage positivamente com as estratégias para adoção de uma dieta saudável,desestimula o uso do tabaco, do álcool, das drogas, reduz a violência e promove aintegração social. O exercício físico é a subcategoria de AF planejada, estruturada e repetitiva,com o objetivo de ganhar e manter desempenho físico (GONÇALVES, et al, 1997);também é utilizada, entre outras finalidades, para estética, saúde, doença,reabilitação, treinamento, recreação e desenvolvimento motor e psíquico. Osexercícios físicos são constituídos de atividades programadas com ritmo eintensidade corretas, dias predeterminados entre exercício e descanso, orientadospor um professor de Educação Física, que é de suma importância, pois é ele que iráelaborar um programa de treinamento, respeitando a individualidade biológica decada aluno. Para Nahas (2003), o exercício físico é uma das formas de AF planejada,estruturada, repetitiva, que objetiva o desenvolvimento da aptidão física, dehabilidades motoras ou a reabilitação orgânico-funcional, as quais incluem,geralmente, atividades de níveis moderados a intensos podendo ser de naturezadinâmica ou estática. De acordo com Saba (2001, p. 3), o que diferenciabasicamente a AF do exercício físico é a intencionalidade e sistematicidade domovimento que apresenta este último. O ideal para a saúde é que a AF se torne um hábito desde a infância oumesmo na adolescência, com incentivo dos familiares e a participação nas aulas deEducação Física na escola para não haver dificuldades de integrá-la à vida adulta.Infelizmente a natação ainda é um esporte pouco difundido no ambiente escolar,principalmente em se tratando de instituições públicas de ensino. Estudos apontam que crianças e adolescentes que se mantêm fisicamenteativos, apresentam menor probabilidade de se tornarem adultos sedentários,obtendo então melhor qualidade de vida, pois a mudança de hábitos e atitudes jáestabelecidos na fase adulta representa uma tarefa bastante complexa e, muitas
  • 23. 22vezes, os resultados são insatisfatórios (ALVES et al, 2005; BRACCO et al, 2003;BARUKI et al, 2006). Indivíduos fisicamente ativos experimentam melhor desempenho no trabalho e/ou na escola, adquirem melhores hábitos nutricionais, apresentam menores índices de aquisição de hábitos nocivos à saúde como tabagismo, alcoolismo e utilização de outras drogas, sendo assim menos sujeitos ao estresse (SALLIS; PATE; HASKELL apud BRACCO et al, 2001, p.46). Sendo assim, é fundamental estimular precocemente a AF nessa faixa etária,para a promoção e/ou manutenção da saúde e prevenção de diversas doençascrônicas não transmissíveis, ou seja, não infecciosas, originadas a partir dainatividade física.3.2 FATORES QUE INFLUENCIAM A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA Motivos e motivação para iniciar uma AF e/ou exercícios físicos não faltam, odifícil é permanecer com a mesma empolgação de antes. Os objetivos esperadosgeralmente não chegam tão facilmente e rapidamente como gostaríamos, pois alémde gerarem um estresse ao corpo, que não está habituado a essa nova rotina deexercícios, causam cansaço e um pouco de dor nas regiões exercitadas; e por essarazão muitas pessoas desistem em um curto período de tempo. Magill (1984) se refere à motivação como a causa de um comportamento,definindo-a como alguma força interior, um impulso ou uma intenção, que leva apessoa a fazer algo ou agir de certa forma de modo a atingir seus objetivos, e umdos componentes mais importantes nesse processo são os motivos, ou seja, asnecessidades a serem satisfeitas pelo indivíduo. Para Tresca (2000), o processomotivacional, que se dá de forma intrínseca, também é uma função incentivadora daaprendizagem, e os motivos irão encaminhar as informações percebidasdirecionando o comportamento à determinado propósito.Sobre este aspecto, Saba (2001, p. 66) acredita que:
  • 24. 23 Hábitos anteriores de prática de exercícios criam um sentimento de familiaridade, o que impõe ao praticante autoconfiança e auto-motivação para a prática atual. E estes são sentimentos essenciais para a assiduidade na prática de exercício físico, conduzindo o indivíduo mais facilmente aos patamares de manutenção e aderência. A automotivação é a capacidade de motivar a si próprio de modo a encontrarrazões e força suficientes para realizar alguma atividade "impulsionado pelascrenças pessoais, sem grande dependência de incentivos externos como aparência,saúde ou reconhecimento social" e sem a necessidade de serem influenciados afazê-lo por outra pessoa, não desistindo do seu objetivo (SABA, 2001). SegundoSallis & Owen (1999) e Dishman (1993), a automotivação tem sidosignificativamente associada à participação em AF, tanto no lazer e tempo livrecomo em programas supervisionados. Saba (2001) afirma ainda que a auto-confiança é resultado de umcomportamento menos crítico em relação a si mesmo e à atividade, além dasegurança que se tem na realização da mesma. De acordo com Thomas (1983), o motivo e a motivação indicam uma"construção hipotética", isto é, um fenômeno que não pode ser reconhecido emedido diretamente, por ser incerto, mas que se supõe efetivo, ou seja, real eseguro, baseado nas observações de comportamento e na teoria docomportamento. Podemos dizer então que a motivação está diretamente relacionadae influenciada pelos motivos. A permanência em um programa de AF é algo mais complicado porque oindivíduo precisa além dos motivos, continuar motivado e perseverante paraalcançar o objetivo a que se propôs no início. Manter-se na atividade, então, requerforça de vontade, disciplina, gostar e ter prazer na atividade escolhida. Estudosmostram “que os fatores que influenciam mais poderosamente a adesão inicial sãomuito provavelmente diferentes daqueles que afetam a manutenção da atividadeuma vez que iniciada” (ACSM,1994, p.334). O termo aderência pode ser relacionado com muitos objetivos e implica queas pessoas decidam-se a se comprometer com planos de mudança de hábitos e
  • 25. 24reações a estímulos (BRAWLEY; CULOS-REED, 2000). De acordo com Saba,(2001, p. 61) aderência é comprometer-se abraçar uma idéia, ligando-se a ela deforma permanente ou ao menos duradoura, criando condições para que a prática daatividade proposta seja continuada de forma prazerosa e produtiva. O mesmo autordestaca que não basta que o indivíduo inicie a prática, é preciso que ele semantenha praticando, isso é aderência (SABA, 2001). Sobre este aspecto, há uma polêmica entre autores com relação à melhorterminologia para estudar a entrada e permanência do indivíduo em um progaramade exercícios físicos. As palavras mais utilizadas na literatura são adesão eaderência que podem significar a entrada e manutenção, respectivamente (SABA,2011; ANDREOTTI & OKUMA, 2003; SANTOS & KINIJNIK, 2005). Estas palavrassão originadas de duas palavras latinas formadas a partir do mesmo verbo latino,"adhaerere" que significa aderir. Alguns autores consideram estas palavras comosinônimas (PIERIN & MION JR., 2004), pois está explícita em ambas, a idéia deligação, união e aprovação, segundo definições encontradas em dicionários delíngua portuguesa. Baseado nisso, utilizou-se algumas vezes o termo adesão indicando aentrada do indivíduo em determinada prática de AF, e aderência será utilizada parase referir a um indivíduo que desenvolveu o hábito da prática de exercícios,alcançando o estágio de permanência por longos períodos de tempo. A respeito do tema supracitado, o estudo realizado por Okuma (1997) salientaque pesquisas e estudos sobre aderência a programas de AF vêm crescendobastante, aumentando o interesse de pesquisadores das diferentes áreas deconhecimento. Desta maneira, é relevante a realização de pesquisas em relação aotema, devido à valorização dada à AF nos dias atuais, ao desejo de obterinformações a respeito, e até mesmo dicas do que é preciso sentir, ter e fazer paradar continuidade a uma atividade que traz inúmeros benefícios, melhorandobastante a qualidade de vida dos seres humanos. A relação da aderência com a AF é entendida como a opção pelapermanência em um programa de AF. Nesse sentido é dependente de algumasvariáveis, classificadas por:
  • 26. 25 Martin et al (2000) em individuais, atléticas, interpessoais e ambientais considerando as duas primeiras como as principais. Sallis et al (1997) identificam também componentes interpessoais, sociais, ambientais, e diretrizes públicas variáveis, mas enfatizam os efeitos difusos do ambiente onde as pessoas vivem. Anderssen e Wold (1992) dão importância aos fatores sociais e ambientais, pois os agentes e as situações socializadoras podem interferir mais no aumento da participação nas atividades físicas do que os atributos sociais (GONZÁLEZ e FENSTERSEIFER, 2008, p. 19). De fato, todas essas variáveis descritas pelos autores exercem enormeinfluência na mudança do estilo de vida das pessoas que desejam permanecerpraticando exercícios físicos por períodos prolongados. Algumas influenciam maisque outras, dependendo das características individuais de cada ser humano,podendo ser facilmente identificado através de indivíduos que já vivenciaram ouestão vivenciando esta experiência. Pitanga (2004) descreve os determinantes da AF em quatro categorias: Variáveis demográficas: (idade, sexo, nível sócio-econômico, grau de instrução); Variáveis cognitivas: (percepção de barreiras, intenção para o exercício, distúrbios de humor, percepção sobre a saúde, auto- eficácia, percepção do esforço); Variáveis ambientais: (clima, facilidade de acesso aos locais apropriados); Suporte social: (família e amigos). Os fatores determinantes da aderência à AF dependem dos motivos queinfluenciam o comportamento do praticante ininterruptamente, são eles: o prazer; aescolha da AF; a sensação de satisfação; o bem-estar físico e psicológico; ohistórico de atividade; a autoconfiança (dificuldade do exercício); a auto-motivação(crenças pessoais); fatores psicológicos; manutenção e/ou recuperação da saúde;estética; família, amigos e colegas (companhias); o ambiente em que se constitui; ea mídia que possui um poder incrível na formação de opinião pública devido às suascaracterísticas de instantaneidade e simultaneidade as quais influenciamdiretamente nos processos educativos, cognitivos, percepções, maneiras de pensare agir.
  • 27. 26 Sobre este aspecto, Saba (2001, p. 69), traz que: A mídia é certamente um elemento de influência no aspecto psicológico dos indivíduos. São vendidos, maciçamente, padrões de saúde, qualidade de vida e bem-estar em todos os meios de comunicação. [...] é a principal impulsionadora do "corpo sadio e belo" como objeto de desejo, inserido em um estilo de vida saudável. [...] Basta uma olhada rápida nos jornais, revistas e, principalmente, na programação televisiva para saber que "exercitar-se" tornou-se um padrão de comportamento. As pessoas magras, com a musculatura desenvolvida, bronzeadas e felizes constituem o modelo. O modelo chamado atualmente de corpo definido. A estética tem sido alvo de grande preocupação, determinando, muitas vezes,à procura por centros especializados como as academias de ginástica - queprometem deixar os "corpos perfeitos" - e até mesmo outros tipos de exercícios ouesportes em busca da tão sonhada beleza física. No entanto, estudos realizadosrevelam que este não tem sido o principal motivo de adesão (entrada) e aderência(permanência) em determinada prática, mas sim a busca de uma melhor qualidadede vida de forma geral, pois parecem estar cientes de que a mudança de hábitos e ocomprometimento com uma AF constante trarão, indiscutivelmente, diversosbenefícios gerados de dentro pra fora, e como conseqüência disto, a estéticatambém será favorecida. Okuma (1994) defende que "[...] para obter benefícios à saúde, como sentir-se bem, controlar o peso, melhorar a aparência e reduzir o estresse, são osprincipais fatores que levam determinado indivíduo a permanecer em um programade exercícios físicos regulares". As influências sociais da família e amigos são,também, de extrema importância à manutenção de AF, pois este suporte socialincentiva o praticante a manter o interesse em continuar fisicamente ativo.(DISHMAN, 1998). A percepção de uma ameaça à saúde leva muitos indivíduos a relacionarem aprática de exercícios físicos a um provável bem estar. Andreotti e Okuma (2003)citam ainda que, para Dishman, a recomendação médica para a prática deexercícios físicos estimula consideravelmente a entrada nos programas
  • 28. 27principalmente para idosos. Esta, muitas vezes, ou, se não, na maioria delas, é umdos fatores determinantes de aderência à AF. De acordo com a análise de Saba (2001), aulas mal ministradas podemimpedir a manutenção e a permanência no exercício físico. Essa posição é tambémcompartilhada por Berger Mclnman, pois os dois autores apresentam dadosconfirmando que os indivíduos que recebem pouca atenção do corpo técnico tendema desistir duas vezes mais do que aqueles que recebem uma atenção maior. Em se tratando dos professores de Educação Física, é importante considerarque a competência profissional está diretamente associada ao bom relacionamentoentre as partes, à metodologia aplicada, à criatividade para ensinar fazendo daaprendizagem um momento prazeroso; na capacidade de se auto-avaliarconstantemente questionando sobre seus métodos, exercícios e planejamento dasaulas, tentando elaborar estratégias de mudança para melhorar seu trabalho demaneira a motivar, ajudar e orientar adequadamente os participantes,proporcionando uma permanência satisfatória por parte dos indivíduos, sejam elescrianças, jovens, adultos ou idosos. 3.3 NÍVEIS DE ATIVIDADE FÍSICA De acordo com a literatura, para que ocorra uma mudança de comportamentorumo à permanência em determinada AF, o indivíduo passa por um processo dedesenvolvimento, envolvendo cinco estágios diferentes, os quais se baseiam emdiferentes teorias e modelos teóricos. Prochaska, Diclemente e Norcross (1992),desenvolveram o modelo chamado de Transteórico para descrever os diferentesestágios envolvidos na aquisição e manutenção de um comportamento. Segundo Lessa (1999), o estilo de vida "inclui hábitos e comportamentosauto-determinados, adquiridos social ou culturalmente de modo individual ou emgrupos [...]". Quando se trata de um estilo de vida, pressupõe-se que o indivíduotenha controle sobre suas ações as quais podem ser prejudiciais ou benéficas àsaúde (LESSA, 1999; MINAYO; HARTZ & BUSS, 2000).
  • 29. 28 Desta forma, à medida que os indivíduos avaliam a informação sobre anecessidade, os benefícios adquiridos e a importância que a prática regular deexercícios representa em suas vidas, comprometendo-se em tomar atitudes quefortaleçam sua intenção de modificar-se, no sentido de atingir a meta e adotar oualterar um comportamento específico, estará progredindo perante os níveis de AF(U.S. DEPARTAMENT OF HEALTH AND HUMAN SERVISES et al, 1999). Martins (2000) reuniu e adequou os estágios de mudança do modeloTransteórico para a AF, da seguinte forma: Pré-contemplação: "nem pensei nisso ainda". É o estágio de maior resistência à mudança de comportamento, pois além de não ter intenção de praticar AF nem pensam em realizá-la; Contemplação: "eu penso, mas ainda não deu pra começar". Pode-se permanecer neste estágio por muito tempo, mesmo tendo vontade de modificar o seu comportamento, sabem da importância e até planejam iniciar alguma AF, mas ainda não executam; Preparação: "ainda estou me preparando"; o indivíduo coloca-se pronto para iniciar a prática de AF ou a realiza sem regularidade. Nesse estágio acontecem pequenas mudanças de comportamento; Ação: "estou fazendo, mas ontem não deu pra fazer". Nesse estágio ocorrem mudanças nítidas e positivas de comportamento, é o momento em que a pessoa está empenhada em mudar e adquirir um estilo de vida regularmente ativo o esforço para superar problemas é decisivo, embora a mudança ainda não seja permanente (menor que seis meses); Manutenção: "estou fazendo e sinto falta quando não faço"; nesse estágio o indivíduo conseguiu permanecer na prática de AF regular por mais de seis meses e incorporou-a como um hábito, pois têm consciência dos benefícios dos exercícios, além de prazer e satisfação psicológica decorrente da prática. Todos nós passamos por alguns ou todos esses estágios em nossas vidas.Há pessoas que não passam do primeiro, outras chegam até o último, e issodepende de querer realmente mudar os hábitos que possam comprometer o estadode saúde, gostar do que faz e ter persistência em sua prática.
  • 30. 293.4 HISTÓRIA DA NATAÇÃO Desde o surgimento da vida na terra, o homem já possuía inúmerashabilidades e uma tendência natural de realizar ações espontâneas, alheias à razão,dependendo da necessidade as quais utilizavam como meio de subsistência e parase manterem vivos. Com o passar do tempo, foi necessário, dentre muitas outrascoisas, aprender a nadar, ou seja, lançar-se no meio líquido e nele se deslocar,efetuando movimentos de braços e pernas, simultaneamente, para se proteger deanimais ferozes como também de ir à busca de alimentos quando não havia maisrecursos naturais nos lugares onde viviam. O homem teria aprendido a sustentar-se e locomover-se observando osanimais, daí o estilo conhecido como "nado cachorrinho" executado com a cabeçafora dágua e batimentos de braços (com angulação próxima de 90 graus) e pernasem leve flexão (realizando um movimento parecido com o pedalar). É difícil especificar com exatidão a data em que o homem começou a dedicar-se à natação. Segundo Catteau & Garoff (1990), a origem se confunde com a daprópria humanidade, referindo-se à necessidade de sua prática para subsistência esobrevivência. Citam em sua obra, que o homem raramente entrou em contato coma água por medo, geralmente isso acontecia por necessidade ou, às vezes, porprazer. A natação é uma atividade que pode ser utilizada tanto em balneários, pesca,exercício, desporto, como também pode ser útil, recreativa e ter fins terapêuticos, dereabilitação de atrofias musculares e no tratamento de problemas respiratórios.Bonacelli (2004) relata que, no século XIII a.C., japoneses e chineses praticavamexercícios físicos aquáticos como práticas médicas, aos moldes das hidroterapias edas massagens. De acordo com a Grande Enciclopédia Delta Larousse (1973), os Romanos,por volta de 310 a.C., já tinham o hábito de nadar nos lagos e nos rios e foi nomesmo período que surgiram as piscinas dentro dos balneários. Na Grécia, namesma época, as piscinas se localizavam dentro dos ginásios e, conta à história que
  • 31. 30os povos germanos mergulhavam seus filhos em águas geladas para que osmesmos ganhassem resistência. Não há registros quanto à origem da prática da natação sem finalidadeesportiva, ou seja, de competição e alto rendimento. Pinturas rupestres datadas de9000 a.C. revelam que as origens dessa prática se confundem com as da civilização(CATTEAU & GAROFF, 1990). Os primeiros grandes nadadores de que se tem notícia foram os assírios,egípcios, ameríndios e os fenícios considerados excelentes navegadores, cujosbarcos precisavam ser tripulados por pessoas que nadassem bem, a fim de quepudessem superar os problemas surgidos durante as longas viagens(ENCICLOPÉDIA MIRADOR INTERNACIONAL, 1981, p. 8013). Nessa época, o ato de nadar não tinha intenções de competição, e simutilitárias (sobrevivência) e de socialização. Este fato pode ser comprovado pelanatação não constar no programa dos Jogos Olímpicos Antigos. No decorrer daIdade Média, a natação foi contestada pelo fato de as pessoas terem que se despir,expondo o corpo, atitude essa desaprovada pela igreja na época (LEWIN, 1978apud RUBIO, 2004). Ao compararmos este fato com as atitudes atuais, percebe-se uma totaloposição de idéias e costumes de grande parte da população que vive sem pudoralgum, querendo mais é se mostrar mesmo. Em compensação, muitas pessoasainda ficam receosas e inibidas ao iniciar a prática da natação por causa davestimenta obrigatória, apesar de serem compostas, não expondo exageradamenteo corpo. A importância da natação como meio de alcançar a beleza física econseqüentemente o desenvolvimento harmonioso do corpo, só veio a serreconhecida pelos gregos; a ponto de Platão afirmar que o homem que não sabianadar não era bem educado (MIRADOR, 1981). Acredita-se que nesse período a natação já era praticada como competição esportiva e para os melhores nadadores eram construídas estátuas, uma das quais se encontra na Escola de Belas Artes em París. O esporte era incluído, também, no
  • 32. 31 treinamento de guerreiros e os bons nadadores formavam um corpo de destruição das defesas inimigas, localizadas em portos, como fazem os homens-rãs na era moderna (NOVA ENCICLOPÉDIA BARSA, 1998, p. 259). Wilke (1990) relata que durante a Idade Média, a prática da natação foirestrita à nobreza e aos militares. Afirma que Nikolaus Wynmann, um professoralemão de lingüística, escreveu, em latim, no ano de 1538, o primeiro livro sobrenatação, “O Nadador ou o diálogo sobre a arte de Nadar”, o qual foi reeditado em1968 pelo Instituto Nacional de Educação Física de Madri. Wynmann destacava queo homem não dominava naturalmente a "arte de nadar" e, portanto, necessitava deum mestre que o orientasse, devido aos perigos do afogamento. Partia dopressuposto de que o homem só seria capaz de se manter na superfície, casorealizasse movimentos específicos para a sua sustentação, os quais eraminicialmente aprendidos em terra e depois repetidos na água. Por medidas desegurança, todos os alunos usavam cintas de junco quando se exercitavam na água(WILKE, 1990). Catteau & Garoff (1990) afirmam que a origem da pedagogia da natação sedeu, inicialmente, através do ensino da natação para os militares. A aprendizagem da natação era realizada dentro de um modelo mecanicista, detalhista e metodista que visava mais o plano técnico do que o pedagógico, devido principalmente ao fato de a aprendizagem ter sido iniciada e supervisionada pelos técnicos (LIMA, 2006, p. 11). Em Roma, a natação também constituía um método de preparação física dopovo, os quais praticavam em magníficas termas, edifícios suntuosos onde estavamlocalizadas as piscinas, de tamanho variável, sendo mais comuns as de 100 m decomprimento por 25 m de largura. Essas termas enormes eram obrigatoriamenteutilizadas pelos jovens de ambos os sexos, pois a natação era uma das disciplinasdo sistema educacional dos romanos, e aqueles que não sabiam ler ou nadar eramconsiderados ignorantes (BARSA, 1998).
  • 33. 32 Com a queda do Império Romano e a chegada do Cristianismo, a prática danatação se desvalorizou até, praticamente, desaparecer durante toda a Idade Média.Chegou-se a temer, nessa época, que a natação ajudasse a disseminar epidemias.No Renascimento, algumas dessas falsas noções começaram a cair em descrédito.Surgiram então, em muitos países, piscinas públicas, a primeira das quais foiconstruída em Paris, no reinado de Luís XIV (BARSA, 1998). Muitos dos estilos de nados desenvolvidos a partir das primeiras competiçõesEsportivas realizadas, no século XIX, basearam-se no estilo de natação dosindígenas da América e da Austrália. A natação começou a ser difundida como esporte na Europa, a partir daprimeira metade do século XIX. Antes do advento das competições quando aindanão era bem aceita pela aristocracia, principalmente na Inglaterra, que custou aadotar uma opinião a ela favorável, há registros de proezas individuais como a deLord Byron, que em 1910, para convencer nobreza da necessidade de praticar esseesporte, atravessou a nado o estreito de Dardanelos, percorrendo 1.960m em poucomais de uma hora. Repetiu a façanha em 1818, dessa vez, na Itália, ao nadar 10 kmem quatro horas. No Reino Unido, causou sensação o feito do capitão Web, que foio primeiro a atravessar o canal da Mancha, em 1875, em 21h45minutos (BARSA,1998, p. 259). Foi ainda no Reino Unido, onde já havia, desde 1837, estabelecimentosbalneários e piscinas para a prática da natação, que se realizaram as primeirascompetições esportivas com participação de outros países. Instituiu-se o primeirocampeonato nacional em 1877. Após as primeiras disputas internacionais, o esportedifundiu-se na América e no resto da Europa. Em 1893, o inglês John Arthur Trudgen, com base nas observações feitasjunto aos indígenas da América do Sul, apresentou o estilo Trudgen como um dosmais rápidos dos já utilizados, e sua prática foi bem aceita. O Trudgen é umamaneira de nadar semelhante à dos répteis, onde as pernas eram apenasestabilizadoras da posição horizontal e praticamente não se moviam (MIRADOR,1981). "A batida de pernas evoluiu, porém, Frederick Cavill observou que osindígenas australianos nadavam agitando as pernas perpendicularmente à superfície
  • 34. 33da água. Seu filho Richard Cavill, em 1902, adotou o estilo (crawl australiano) ebateu o recorde mundial das cem jardas em 1900" (BARSA, 1998, p. 259). Na França, as competições começaram em 1899, com a participação denadadores ingleses e australianos. A partir de então, a natação difundiu-se em todoo mundo (BARSA, 1998, p. 259). A Federação Internacional de Natação (FINA), responsável por administrarcompetições internacionais nos desportos aquáticos, foi fundada em 19 de julho de1908, em Londres, no final dos Jogos Olímpicos de Verão realizados neste mesmoano pelas federações belga, britânica, dinamarquesa, finlandesa, francesa, alemã,húngara e sueca. Sua rede fica em Lausanne na Suíssa. Os estilos de nados foram se aperfeiçoando e evoluindo no decorrer dostempos. Atualmente, a natação é praticada em quatro estilos, sendo eles o crawl(comumente chamado de nado livre) o mais rápido de todos; costas, em que abatida de pernas é semelhante à do crawl; peito, o mais lento dos estilos egolfinho/borboleta, que surgiu como uma variação do nado de peito. Nas provas denado livre, os nadadores podem escolher qualquer um dos estilos, mas quasesempre optam pelo crawl, por ser o mais rápido. A natação surgiu no Brasil como esporte em 1898, quando o Clube de Natação e Regatas, no Rio de Janeiro, realizou o primeiro campeonato brasileiro. A competição constituiu-se de uma única prova, de 1500m nado livre, disputada apenas por homens e realizada no trecho situado entre a Fortaleza Villegagnon e a praia de Santa Luzia. A partir de 1913, o campeonato brasileiro passou a ser promovido pela Federação Brasileira das Sociedades de Remo, sob a denominação de "concursos aquáticos", na enseada de Botafogo. O esporte passou a ser controlado, em 1914, pela Confederação Brasileira de Desportos, responsável a partir de então pela organização das competições em âmbito nacional (BARSA; 1998, p. 260 e 261). Atualmente, a responsável por organizar as competições oficiais das cincomodalidades Olímpicas (natação, nado sincronizado, pólo aquático, saltosornamentais e maratona aquática) é a Confederação Brasileira de Desportos
  • 35. 34Aquáticos (CBDA), que surgiu em 1988 a partir da antiga Confederação Brasileira deNatação. A primeira piscina de competição foi inaugurada em 1919, no FluminenseFutebol Clube do Rio de Janeiro. "Somente quatro anos mais tarde, em 1923, ospaulistas que competiam no Rio Tietê, construíram sua piscina, na AssociaçãoAtlética São Paulo "(MIRADOR, 1981, p. 8014). O grande nome da natação nesse período foi Abraão Saliture, vencedor devários campeonatos (1901, a 1906 e 1909 a 1920). Somente a partir de 1935 asmulheres entraram oficialmente nas competições. Destacaram-se inicialmente MariaLenk, vencedora de todas as provas realizadas nesse ano e Piedade Coutinho,vencedora do campeonato de 1941(BARSA, 1998, p. 261). O Brasil projetou-se internacionalmente com alguns nadadores que obtiverammarcas mundiais: Maria Lenk, recordista mundial nas provas de 2300 e 400m, nadode peito em 1939; Manuel do Santos, que em 1961, no Rio de Janeiro, nadou os100m nado livre em 53s6, recorde mundial até 1964; José Sílvio Fiolo, em 1968estabeleceu a marca mundial 1min06s4 para os 100m nado de peito; e RicardoPrado, que se tornou em 1984 recordista mundial dos 400m medley, com4min19s78. Na década de 1990, uma geração de nadadores brasileiros, entre elesGustavo Borges, Fernando Scherer, Rogério Romero, Daniela Lavagnino, AdrianaPereira, Patrícia Amorim e Ana Azevedo, quebrou recordes sul-americanos emundiais (BARSA, 1998, p. 261).3.5 CARACTERÍSTICAS DA NATAÇÃO Natação é o ato de mover-se na água por impulso próprio, com movimentoscombinados de braços e pernas (BARSA, 1998, p. 258). Outro conceito que aEnciclopédia Mirador Internacional (1981) traz é que a natação é o ato de auto-propulsão e auto-sustentação na água, para o que se exige a conjugação de boascondições físicas e psicológicas.
  • 36. 35 Considerada o exercício físico mais perfeito, tem inclusive transcendido seu aspecto esportivo para ser utilizada também como terapêutica. Pela importância de que se reveste na vida do homem comum, como meio de defesa contra afogamentos, não são poucos os que se batem pela sua inclusão como disciplina obrigatória nas escolas (MIRADOR, 1981, p. 8013). Sites da internet, dentre os quais não podem ser considerados "fidedígnos"para serem mencionados numa pesquisa desse porte, mas que por se aproximarembastante das definições anteriores, traz informações que as complementam quandoafirmam que nadar é a capacidade do homem e de outros animais de se deslocar nomeio líquido através de movimentos simultâneos de braços, pernas e respiração,geralmente sem ajuda artificial. A natação é um esporte aeróbio, individual de exercícios repetitivos, no qualmuitas pessoas acham/pensam que é praticado apenas por atletas de altorendimento com finalidades específicas de competição, pois é bastante distante darealidade da maioria da população por ser realizado em piscinas particulares comcustos mensais, além de não ser tão divulgado pela mídia quanto o futebol, a nãoser em épocas de olimpíadas. Porém, hoje em dia, ela está bem mais acessível que antigamente, podendoser praticada por qualquer pessoa de todas as faixas etárias, desde bebês a adultosda 3ª idade, respeitando os níveis de habilidade individuais (iniciante, intermediário eavançado), também pode ser praticada como esporte competitivo, terapia ousimplesmente como uma forma de relaxamento para aliviar o estresse do dia-a-dia,ou seja, tudo que o brasileiro precisa nos dias atuais. Segundo o Jornal Folha do Oeste3 de 22 de dezembro de 2010, a nataçãopode ser encarada como um desporto de competição, um "recurso" utilizado emdiversos tratamentos e tipos de terapias, ou apenas como uma forma de reduzir astensões diárias, sendo também uma ótima forma de vencer o sedentarismo. A água,"matéria-prima" da natação, detém características relaxantes e melhora as funções3 Disponível em <http://www.adjorisc.com.br/jornais/folhadooeste/impressa/cadernos-especiais/mais-vida/natac-o-um-esporte-ao-alcance-de-todos-1.582906> FOLHA DO OESTE. Natação: um esporteao alcance de todos. Santa Catarina, 22 dez. 2010. Cadernos Especiais.
  • 37. 36orgânicas, sendo desprovida de efeitos agressivos. Desta maneira, em qualquercircunstância, idade, sexo ou profissão, salvo em situações de desaconselhamentomédico, todas as pessoas podem praticar natação, com grandes benefícios para asaúde. A natação é um esporte que exige bastante disciplina, força de vontade,determinação e persistência para se aprender os quatro estilos de nados, por isso épreciso que o professor seja bastante cauteloso, principalmente com alunosiniciantes, sejam eles, crianças, jovens, adultos ou idosos; adotando umametodologia de ensino que respeite as limitações e os medos dos mesmos,passando o máximo de confiança e segurança e, ao mesmo tempo, estando atentopara não queimar as etapas da seqüência pedagógica que são extremamenteimportantes no aprendizado; pensando em exercícios educativos que conduzam asadaptações ao meio líquido, a adaptação respiratória, a adaptação óculo-visual, aflutuação e o deslize, para, a partir daí, iniciar as técnicas dos nados crawl, costas,peito e borboleta/golfinho. Quando o aluno aprende os movimentos dos estilos, como coordenação dos movimentos da perna, braços e respiração específica, inicia o aperfeiçoamento da técnica e a melhora do condicionamento físico. Durante a fase do aprendizado, os alunos pouco melhoram sua condição fisiológica, por exemplo, aeróbia. A partir do aperfeiçoamento é que acontece significativa melhora (LIMA, 2006, p. 50). Neste período, muitas pessoas podem se desinteressar, desestimularem-se eaté desistir do esporte, especialmente aqueles que têm mais dificuldade epermanecem durante alguns meses sem apresentar evolução nos movimentos,demorando mais tempo para conseguir se adequar às necessidades mencionadas. Embora o aprendizado da natação seja aparentemente difícil, a conquista dosentimento de segurança tem como conseqüência um maior relaxamento, tornandoas próximas etapas mais fáceis pelo fato da água: [...] apresentar propriedades que facilitam a locomoção sem grande esforço, pois a sua propriedade de sustentação (empuxo) e eliminação quase total da força da gravidade podem, aliviar o estresse sobre as articulações que sustentam o peso do corpo, auxiliando no equilíbrio estático e dinâmico, propiciando, dessa forma, maior facilidade na execução dos
  • 38. 37 movimentos que em terra seriam muito mais difíceis ou impossíveis de serem realizados sem auxílio (COSTA apud CAMPION, 2000, p. 79). Este é um fator determinante na escolha desse esporte, pois essas sãocaracterísticas fundamentais para a indicação de médicos e fisioterapeutas. Háalgum tempo atrás, a recomendação médica para diversas patologias era de se ficarem repouso absoluto, com o tempo perceberam que seus pacientes, ao ficaremparados sem se exercitar durante certo período, apresentavam inúmerasdificuldades em se movimentar e realizar atividades simples do cotidiano. A partir daíforam realizados diversos estudos em relação a este assunto, os quais confirmaramque fazer atividades físicas supervisionadas por profissionais da área de saúdepodem de fato melhorar, amenizar ou pelo menos manter a condição física atualdesses pacientes. É necessário salientar a existência de doenças ou quadros clínicos em queainda é terminantemente proibida a execução de exercícios, daí a importância de sepassar por uma avaliação médica antes de iniciar qualquer AF ou esporte, pois sóele poderá dizer quais as limitações de cada indivíduo. 3.6 BENEFÍCIOS DA NATAÇÃO Os benefícios adquiridos através da natação são inúmeros. Essa talvez seja arazão maior de aderência a este esporte, pois ao nadar todos os quatro estilos denados (crawl, costas, peito e borboleta) a pessoa estará trabalhando todos osgrupamentos musculares e, ao mesmo tempo, auxiliando na redução da gorduracorporal, aliviando tensões, além de ser um esporte excelente na recuperação delesões devido ao fato da água amortecer os impactos, ou seja, o risco de sofrerlesões para quem pratica natação é quase nulo. Atualmente a natação é uma das atividades físicas mais recomendadas não somente aos portadores de asma brônquica, devido ao seu ótimo poder de fortificar e tonificar os músculos das vias respiratórias, mas também por sua
  • 39. 38 contribuição no aspecto neuromotor, sendo que cabe aos professores alertarem aos pais quanto a possíveis problemas neurológicos, auxiliando na prevenção e tratamento (LIMA, 2006, p. 13). O mesmo autor afirma que outro fator importante desse esporte é a faixaetária, pois é uma das atividades físicas que as pessoas podem praticar, commínimas restrições, desde o nascimento até o fim da vida. Sabe-se de nadadorescentenários que ainda participam de eventos masters. No Brasil encontramos oexemplo da nadadora Maria Lenk que aos 85 anos, demonstrando alegria,motivação, e tenacidade, participa de campeonatos de mastrs e está sempre naborda da piscina com seu material, pronta para dar umas braçadas, seja entregandoprêmios no Troféu Brasil ou em qualquer piscina ao redor do mundo. A natação diminui o risco de incidência de doença cardiovascular, reduz afreqüência cardíaca, estimula a circulação sanguínea, aumenta a autoestima,retarda o envelhecimento, além de ser um dos grandes aliados no combate aoestresse, pois a enorme concentração necessária para conciliar respiração emovimentos leva a uma sublimação das tensões e a um distanciamento dosproblemas do quotidiano. A natação leva ainda ao exercício de todas as articulações, potência, agilidade e promove a lubrificação destas, contribuindo para o alívio das dores resultantes das artroses. Patologias como a fibromialgia têm na natação uma calma dos sintomas dolorosos, à semelhança de outras que impliquem padecimentos relacionados com a dor. Em acréscimo, a natação ajuda a queimar calorias (podendo chegar à 600 por hora) e colabora na definição da silhueta. Aperfeiçoa, também, a coordenação motora e ativa a memória, na medida em que garante uma excelente oxigenação cerebral. (JORNAL FOLHA DO OESTE, 2010). É importante ressaltar que para obter todos estes resultados é necessário, emprimeiro lugar, ser perseverante na prática regular da atividade, não desistindodiante das dificuldades que, por ventura, ocorram, pois no caso da natação, é com arepetição dos exercícios que adquirimos a técnica de nadar os quatro estilos e apósestas etapas mais complicadas é que o indivíduo irá usufruir dos benefíciosproporcionados por ela.
  • 40. 394 METODOLOGIA4.1 Modelo do Estudo O presente estudo constituiu-se a partir de uma abordagem quantitativa quecom base em Minayo (2007); Lakatos et al (1986) "consideram que tudo pode serquantificável, o que significa traduzir em números opiniões e informações paraclassificá-las e analisá-las, exigindo o uso de recursos e de técnicas estatísticas(média, desvio padrão, percentuais, etc.)". Utilizou-se o tipo de pesquisa direta de campo, que se caracteriza pela buscade dados diretamente da fonte de origem, àquelas em que as condições de controledas variáveis modificam com o ambiente e interferem na resposta. Empregou-se ométodo descritivo, que tem como características observar, registrar, analisar,descrever e correlacionar fatos ou fenômenos sem manipulá-los, procurandodescobrir com precisão a freqüência em que um fenômeno ocorre e sua relação comoutros fatores. (MATTOS; ROSEETTO JR. E BLECHER, 2004) A forma de estudo pode ser classificada como exploratória e descritiva, quede acordo com Mattos et al (2004, p.15 apud CERVO; BERVIAN, 2002) além de tera finalidade de familiarizar-se com o fenômeno e obter uma nova percepção a seurespeito, descobrindo assim novas idéias em relação ao objeto de estudo, aomesmo tempo descreve as características, propriedades ou relações existentes nogrupo ou da realidade em que foi realizada a pesquisa. Este estudo procurou identificar os fatores que influenciam na permanênciade indivíduos na prática da natação, em dois clubes mais antigos da cidade deAlagoinhas – Bahia que oferecem este esporte, os quais foram escolhidos devido àexperiência de seis anos consecutivos entre aprendizado, prática do esporte eestágio durante certo período. O conhecimento dos funcionários dos clubes tambéminfluenciou na escolha, por facilitar na acessibilidade e na permissão de fazer apesquisa.
  • 41. 40 Inicialmente foi enviado um ofício solicitando a autorização (ANEXO A) eapoio das direções dos clubes e dos seus respectivos professores de natação, paraa realização da pesquisa, explicando os objetivos da mesma e como seria aaplicação dos questionários. Logo após a permissão da direção, foram coletados osdados, primeiramente fazendo um levantamento dos alunos matriculados no mês dejaneiro de 2010 a janeiro de 2011 em seus devidos arquivos. Para a concretização dessa investigação, antes de serem aplicados osquestionários, foram dados a todos os alunos entrevistados, o Termo deConsentimento Livre e Esclarecido (ANEXO B), informando o tema e o objetivo doestudo, respeitando os direitos de terem suas identidades preservadas, de receberesclarecimentos relacionados à pesquisa, e de se retirarem a qualquer momentodeixando de participar do estudo.4.2 Amostra A amostra deste estudo foi composta por 42 indivíduos de ambos os gêneros,sendo eles crianças, adolescentes, jovens e adultos de todas as faixas etárias, commédia de idade de 25,69 ± 13,84 anos; freqüentadores de dois clubes da cidade daAlagoinhas-Bahia, praticantes do desporto natação com assiduidade de 2 a 3 vezessemanais, em sua maioria.4.3 Local do Estudo Os clubes investigados estão situados na cidade de Alagoinhas, a 119 km deSalvador, capital da Bahia, a qual possui uma área de unidade territorial de 752,389Km ², densidade demográfica de 188,66 (hab./Km ²) e tem uma população estimadade acordo com o censo do IBGE do ano de 2011 de 141.949 habitantes, sendo67.212 homens e 74.737 mulheres. Na supracitada cidade, encontram-se váriasfaculdades privadas e o segundo maior campus universitário da UNEB
  • 42. 41(Universidade do Estado da Bahia), Campus II, oferecendo sete cursos, dentre eleso de Licenciatura em Educação Física.4.4 Características dos Clubes Os dois clubes escolhidos para a realização deste estudo são os mais antigosda cidade, sendo o clube ACRA (Associação Cultural e Recreativa de Alagoinhas),antigo "Clube Social" com 90 anos no mercado, fundado em 7 de dezembro de1921, através de um grupo de amigos que realizavam bailes carnavalescos numespaço situado na Central de Abastecimento, os quais fizeram tanto sucesso que olocal ficou pequeno, época em que compraram o terreno onde atualmente é o clube– Rua Marechal Deodoro, 326, Centro – e aos poucos compraram os terrenos aolado até virar o que é hoje a Associação Cultural e Recreativa de Alagoinhas. Possuium salão social e um palco, academia de ginástica e musculação, uma piscinaolímpica e uma quadra poli–esportiva. O Tênis Clube de Alagoinhas foi fundado em 01 de outubro de 1958, ou seja,tem 53 anos. Em 12 de outubro de 1959, recebeu como doação um terreno de 3200m², na Rua Professora Maria Feijó, nº 33, Centro. Possui um salão social e umpalco, onde são realizados vários eventos, um salão de jogos, onde acontecem asaulas de dança de salão e forró, uma piscina de adulto com 24m comprimento por12m de largura e outra de criança, onde acontecem às aulas de natação,hidroginástica e sessões de fisioterapia com profissionais qualificados na área,possui ainda uma quadra poli-esportiva, onde são realizadas aulas de EducaçãoFísica de alguns colégios da região e uma sala para Associação de futebol de mesa,(AFMA) fundada no ano de 1965.
  • 43. 424.5 Funcionamento dos Clubes No clube ACRA, as aulas acontecem de segunda a sexta-feira, no turnovespertino, das 16 às 20 horas; e nos dias de terça, quarta e quinta-feira, no turnomatutino, das 6 às 7 horas. O atual professor de natação é formado em EducaçãoFísica pela UEFS. As matrículas são mensais, com a escolha de fazer aulas denatação de uma a cinco vezes na semana, tendo um preço para cada opção dessas.O clube também dá a alternativa de fazer a quantidade de dias que o aluno quiser etiver disponibilidade de tempo sem pagar a matrícula mensal, pagando apenas adiária, facilitando a prática do esporte para àqueles que não podem fazer o mêsinteiro. No Tênis Clube há apenas uma opção de praticar natação. As matrículas sãomensais com três aulas semanais em dias alternados, ou seja, efetua-se opagamento e faz o mês inteiro. Os professores atuais são formados em EducaçãoFísica pelas universidades – UNEB Campus II e UEFS. Os sócios têm desconto namensalidade, podendo usufruir da piscina aos finais de semana com seusconvidados, apresentando sua carteirinha.4.6 Instrumento de Medida Utilizaram-se como instrumento de coleta de dados, as fichas dos alunosmatriculados no mês de janeiro de 2010 a janeiro de 2011, nos arquivos dassecretarias dos clubes; além de um Questionário (IDAPRAN - InstrumentoDiagnóstico de Adesão à Prática da Natação), classificado como estruturado,contendo dezesseis perguntas fechadas com alternativas determinadas, sendo quetrês delas eram abertas, no caso de as opções dadas nãocontemplarem/representassem os reais motivos de adesão (entrada) e permanênciana prática da natação. De acordo com Cervo e Bervian (2002), o questionário é a forma maisutilizada para coletar dados, possibilitando medir com exatidão o que se deseja
  • 44. 43desde que as questões estejam claras para que o informante responda comprecisão, evitando dúvidas. O instrumento foi validado e pré-testado anteriormente à coleta dos dados, nointuito de identificar possíveis problemas de linguagem, de estrutura lógica ouquaisquer outros fatores que pudessem prejudicar o entendimento dos mesmos.4.7 Coleta de Dados Como forma de coleta de dados, utilizou-se um questionário com todos os alunosque foram encontrados freqüentando as aulas de natação, abordados antes deiniciar a atividade, quando chegavam mais cedo e se disponibilizavam a respondernaquele momento ou após terminarem a aula. Os questionários foram respondidosindividualmente sob a supervisão direta do pesquisador para quaisqueresclarecimentos. É necessário destacar que todas as respostas foram efetivadaspelos alunos exceto uma aluna que tinha apenas 5 anos e sua mãe respondeu porela enquanto a mesma nadava. Estes dados foram colhidos durante todo o mês demaio de 2011 e analisados em julho deste mesmo ano.4.8 Análise dos Dados A análise de dados foi feita a partir das estatísticas descritivas (média, desviopadrão e percentual), utilizando o software da Microssoft Office Excel 2007 naconstrução dos gráficos e da tabela, cujos dados foram apresentados em forma depercentagem. É importante ressaltar que na questão nº 10, sobre a proximidade de suascasas ao local da prática, não houve nenhum parâmetro específico de análise, aforma de resposta foi aleatória, ou seja, os alunos respondiam conforme achavam. Na questão de nº 11 foi utilizado como critério de análise a seleção dos 5principais motivos de adesão à prática da natação mais votados pelos entrevistados,
  • 45. 44dentre as 16 frases listadas, onde os mesmos deveriam colocar o nº 1 para oprincipal motivo, o nº 2 para o segundo principal motivo e o nº 3 para o terceiroprincipal motivo em ordem de importância. Na última questão, também foram selecionadas pelo orientador da pesquisa,as 19 justificativas, dentre as 32 listadas na tabela, mais relevantes para este estudosobre a permanência de indivíduos na prática da natação.
  • 46. 455 RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados identificados nesta pesquisa foram analisados e discutidosneste capítulo através das respostas obtidas pelo questionário IDAPRAN, aplicadosno mês de maio de 2011, nos dois clubes da cidade de Alagoinhas - Bahia, paratodos os alunos que praticam o desporto Natação. No levantamento do número de matriculas feitas no período de janeiro de2010 à janeiro de 2011, verificou-se que 146 alunos foram matriculados no clubeACRA e apenas 49 alunos foram matriculados no Tênis Clube. Para iniciar, apresentaremos as principais características dos entrevistados;assim, verificou-se que, conforme demonstrado no gráfico nº 1, a maioria é do sexomasculino, demonstrando que os homens estão mais envolvidos com a prática danatação do que as mulheres ou ainda parecem ter mais tempo livre para talpropósito. Gráfico 1: Características quanto ao gênero dos alunos. Alguns estudos (COUSINS & KEATING, 1995; KING et al, 1992;VERTINSKY, 1995) encontraram níveis de AF auto-gerida mais baixos entre as
  • 47. 46mulheres do que entre os homens, particularmente em indivíduos mais jovens,persistindo as diferenças para adultos mais velhos, apesar de menos acentuadas.Parece que as diferenças entre os sexos são mais evidentes para atividades de altaintensidade e são menores para níveis moderados de atividade (COUSINS &KEATING, 1995). De acordo com o gráfico nº 2, os entrevistados tinham faixa etária de 5 a 54anos, sendo eles crianças, adolescentes, jovens e adultos, com média de idade de25,69 ± 13,84 anos. Gráfico 2: Características conforme a faixa etária dos alunos. Não foi encontrado nenhum idoso praticando este esporte durante todo operíodo da pesquisa de campo, mas isso não quer dizer que pessoas com faixaetária acima de 60 anos não façam natação, essa pode não ser a AF maisprocurada por eles, entretanto, em se tratando do meio aquático, a hidroginásticaparece ser mais apreciada, escolhida e praticada por idosos. As atividades maisrecomendadas por médicos para essa faixa etária são os exercícios na água:hidroginástica e a natação. Exercícios ideais para pessoas que possuem problemasósseos, como osteoporose e artrose, porque na água são reduzidos os efeitos da
  • 48. 47gravidade sobre as estruturas ósseas e articulares, diminuindo os desgastes e oimpacto, que podem causar fraturas. De acordo com uma pesquisa realizada pela prefeitura de Curitiba, os idosospraticam mais AF - independente de ser a natação - que os jovens e os adultos.39,9% das pessoas na faixa da terceira idade praticam AF, contra 21,7% dos demaisadultos, entre 18 e 59 anos. Dentre os motivos, está a maior preocupação com asaúde e recomendação médica. Segundo Neivo Beraldin, secretário municipal doEsporte e Lazer, "esta é a primeira pesquisa que quantifica a AF em relação à idadee ao nível de instrução", um levantamento que ouviu 5.168 adultos e 1.168 idosos(JORNAL O POVO4, 21 de maio, 2008). A prática da natação pelas crianças e adolescentes, ainda estudantes,demonstra o cuidado e o investimento dos pais no desenvolvimento dos mesmos, jáque os benefícios proporcionados são inegáveis como o aumento da resistênciacardiorrespiratória e muscular, melhora na coordenação, no equilíbrio, na agilidade,na força, na velocidade, desenvolve habilidades psicomotoras como a lateralidade,as percepções tátil, auditiva e visual, as noções espacial, temporal e de ritmo,sociabilidade e autoconfiança, além de ser uma medida de segurança, pois preparao psicológico e neurológico para o auto-salvamento evitando possíveis acidentes. Para Costa et al (2004), os pais também têm grande participação na iniciaçãode hábitos da AF de seus filhos, levando-os para praticarem esportes e caso nãotenham tempo nos dias úteis, preencha os finais de semana com jogos ebrincadeiras que exijam a participação ativa da criança. Sobre este aspecto, Dishman (1998) discorre que as influências sociais dafamília e amigos são, também, de extrema importância à manutenção da atividadefísica, pois este suporte social incentiva o praticante a manter o interesse emcontinuar fisicamente ativo.4 Disponível em <http://portaldoenvelhecimento.org.br/noticias/artigos/idosos-fazem-mais-atividade-fisica-do-que-jovens-e-adultos.html> JORNAL O POVO. Idosos fazem mais atividade física do quejovens e adultos. 21 maio, 2008.
  • 49. 48 Conforme pode ser obervado no gráfico nº 3, com relação ao estado civil dosentrevistados o percentual maior foi de solteiros, seguido dos casados, separados edivorciados. Gráfico 3: Características conforme o estado civil dos alunos praticantes da natação. Por serem solteiros, na maioria das vezes, os indivíduos possuem maisdisponibilidade de tempo para se cuidarem, pois têm menos responsabilidades emenos gastos, ficando mais fácil a permanência em qualquer modalidade esportiva.Neste estudo foram identificados 16 solteiros, dentre os 32 registrados, que aderiramà natação, três praticam de 6 meses a 1 ano, treze a mais de 2 anos, os quais doiscom 11 e 15 anos de prática, este último se constitui no atleta que começou apraticar natação aos dois anos de idade, estando atualmente com 17 anos. Para os indivíduos casados, geralmente é mais difícil iniciar e darcontinuidade à prática da natação devido às inúmeras responsabilidades com filhos,escola, trabalho, mas existem aqueles que conseguem administrar bem tudo isso, oque depende também e, principalmente, no caso da natação, de se ter uma boacondição financeira, o que é o caso de 5 dos nossos entrevistados que apesar deserem casados permanecem praticando esse desporto, sendo que um deles pratica
  • 50. 49de 6 meses até 1 ano, outro a mais de 2 anos, outros dois a 11 anos e outro a 10anos. Friis et al (2003) também verificaram que idosos viúvos, divorciados esolteiros tendem a participar mais de AF e de caminhadas do que os casados. Paraeles, o idoso casado dificilmente se engaja na AF se o cônjuge não estiverenvolvido, criando assim uma barreira para a prática regular de exercícios físicos. Referente ao grau de instrução, a maior parte está cursando o EnsinoFundamental, seguido do Nível Superior Completo, Ensino Médio Completo, EnsinoFundamental Completo, Nível Superior Incompleto, Ensino Médio Completo e aminoria fez Pós Graduação. O gráfico nº 4 demonstra que todos os entrevistados possuem algum grau deescolarização, seja ela a educação básica, formada pela educação infantil, ensinofundamental e ensino médio, como também educação superior. Gráfico 4: Características conforme o grau de instrução. Este é um dado interessante, pois podemos observar e concluir que aausência de indivíduos com baixo ou nenhum nível de escolaridade se dá pelo fatode não terem acesso a conhecimentos básicos, seus trabalhos/empregos tendem a
  • 51. 50ser mal ou pouco remunerados, não permitindo a prática desta modalidade, a qual –nesta cidade - só existe em locais privados. Diversos autores afirmam que osmaiores níveis de escolaridade e os maiores níveis sócio econômico têm maiorprobabilidade de se engajar regularmente em exercícios físicos do que os commenor nível escolar e de renda. Saba (2001, p.45) afirma que o nível de informação é fundamental, pois arelação entre AF e saúde quase sempre depende do conhecimento da importância enecessidade da exercitação física para a qualidade de vida e seu prolongamento. O nível de escolaridade também apresenta resultados controversos. Franklin(1998) citado por Saba (2001), sustenta que os praticantes devem ser educadosquanto ao exercício físico para que ocorra a aderência, independente do nível deeducação formal. Dishman (1994) aponta correlação positiva entre o grau deescolarização e adesão ao exercício físico. Andreotti e Okuma (2003), mostramdados de países como o Canadá, Austrália e Estados Unidos onde grupos commaior grau de instrução são de 1,5 a 3,1 vezes mais ativos do que aqueles comnível mais baixo de instrução. Entretanto, Santos e Kinijnik (2005) apresentam, comoresultado de pesquisa, que a prática de exercícios físicos parece não estar vinculadaao grau de instrução. De acordo com o gráfico nº 5, as profissões dos entrevistados variarambastante, desde estudantes, como professores, técnicos de diferentes setores,administradores, engenheiros, eletricista e auxiliar de coordenador, como mostra ográfico a seguir:
  • 52. 51 Gráfico 5: Características conforme as profissões dos alunos. Percebe-se pela maioria das profissões que são pessoas de classe média, ouseja, com boa condição financeira, facilitando tanto a entrada (adesão) como apermanência (aderência) a esta AF, já que este é um item dificultador para a maioriada população, pois não há lugares públicos nem mesmo escolas oferecendo estamodalidade esportiva na cidade, pelo custo bastante alto com a construção, limpezae manutenção das piscinas. Tahara et al (2003), citam que o alto preço dasmensalidades é uma das dificuldades encontradas para a prática regular deexercícios físicos, o que não foi o caso dos alunos entrevistados. A ocupação profissional também é um fator que determina a adesão e aaderência, podendo facilitar e em algumas situações interferir nesse processo. ParaDishman (1994), há evidências de que a estrutura ou organização do empregoinfluencia o tempo disponível para a prática de exercícios, pois existem profissõesque exigem demais dos indivíduos não dando tempo para praticarem atividadesfísicas ou mesmo deixando-os tão cansados a ponto de não terem disposição paraeste fim, além dos horários em que as aulas de natação acontecem, muitas vezes,não serem flexíveis o bastante para que os indivíduos possam ingressar.
  • 53. 52 Pierin e Mion Jr (2004) e Okuma (1994) também afirmam que a ocupaçãoprofissional pode estar relacionada com a adesão a exercícios físicos, na medida emque oportuniza os mesmos a participarem mediante ao pagamento dasmensalidades. Dishman (1994) relaciona a adesão ao exercício físico com a rendados indivíduos onde grupos de baixa renda têm inatividade reforçada, justamentepelo fato de não poderem pagar por um esporte como a natação que só é oferecidoem espaços privados. Realmente, não se pode deixar de levar em conta o nível sócio-econômico, onível educacional, a esfera das opções desenvolvidas por um indivíduo, com basenos referenciais que possui. Certamente o padrão de vida é fator preponderantepara o início das atividades físicas, sua manutenção ou seu abandono (SABA, 2001,p. 44). Segundo estudos disponíveis, no que se refere à população adulta, pareceque operáros, grupos com baixo grau de instrução e baixo nível sócio-econômico,grupos de faixas etárias mais elevadas, e indivíduos com alto risco de doençascoronarianas são relativamente inativos em seu tempo livre e têm poucaprobabilidade de participarem de programas supervisionados de AF. No gráfico nº 6, observa-se que quanto à idade que tinham quando iniciarama prática da natação, a maior parte tinha de 7 a 12 anos, seguido dos de 13 a 19anos; dos de 6 anos; de 33 a 39 anos; 26 a 32 anos; 40 a 45 anos; 20 a 25 anos enenhum acima de 46 anos.
  • 54. 53 Gráfico 6: Características conforme a idade em que os alunos iniciaram a prática da natação. Verificou-se que a grande maioria inicia a prática da natação ainda quandocrianças, seguido dos adolescentes e adultos. Segundo a literatura, um dosprincipais fatores de influência no processo de adesão e aderência é o envolvimentodo praticante com os exercícios físicos e esportes em seu histórico pessoal.Dishman (1994) cita que o passado relacionado com a prática de exercícios físicostem grande influência e relevância no prognóstico de atividades futuras. Andreotti eOkuma (2003) afirmam que pessoas ativas no passado tendem a aderir comfacilidade à prática de exercícios físicos. Quanto ao horário da prática deste esporte pode-se identificar que 60% fazaulas no turno vespertino, 26% no noturno, 12% no matutino e 2% novespertino/noturno. O horário/turno escolhido para a realização da atividade é umfator que depende da disponibilidade de tempo que cada um tem, de modo a nãointerferir em outros compromissos ou obrigações diárias. Não existe um horário determinado para praticar exercícios, pois existemindivíduos que se sentem mais dispostos no período da manhã, outros no períododa tarde e outros no período da noite, mas no fim do dia, na maioria das vezes,
  • 55. 54nossa disposição para praticar exercícios diminui pelo fato de estarmos maiscansados com todos os afazeres realizados durante o dia. Realizar a prática de exercício físico pela manhã parece ser o ideal, pelo fatode o corpo estar descansado após algumas horas de sono, além da temperatura doambiente estar mais favorável à execução do mesmo (isso em se tratando de climasmais quentes), proporcionando mais disposição durante o dia inteiro. Isso nãosignifica que o indivíduo não deva realizá-lo ao meio dia, por exemplo, mas desdeque se tomem os devidos cuidados como usar o protetor solar, beber bastante águapara evitar uma possível desidratação e usar roupas e calçados adequados econfortáveis para a prática, pois se trata de um horário em que a temperatura estábem mais elevada. Nosso corpo se adequa às mais diferentes situações, por isso émelhor se exercitar, seja lá qual for o horário, do que não se exercitar. Ao questionarmos a quanto tempo, mais ou menos, os alunos entrevistadosfazem natação, quase a metade respondeu a mais de 2 anos, e logo após os itensmais votados foram: mais de 2 meses e menos que 6 meses, de 6 meses a 1 ano emenos de 2 meses, respectivamente. Gráfico 7: Percentuais de quanto tempo os alunos praticam natação. Os indivíduos que praticam de 3 a 6 meses ainda estão começando apereceber os benefícios proporcionados pela atividade, já os 12% que praticam de 6
  • 56. 55meses a 1 ano e os 43% que fazem a mais de dois anos podem afirmar/confirmarsobre essas melhorias podendo ser uma das causas de permanência namodalidade. Pela análise do tempo de atividade, sugere-se que a maior parte dosindivíduos encontram-se no estágio de manutenção, pois conseguiram permanecerna prática de atividade física regular por mais de seis meses, incorporando-a comoum hábito; seguido do estágio de ação, onde houve mudanças nítidas e positivas decomportamento, embora ainda não sejam permanentes, são aqueles com o tempode permanência menor que seis meses, e nenhum deles está no estágio de pré-contemplação, contemplação e preparação como demonstra o gráfico nº 7.Gráfico 8: Percentuais dos estágios de comportamento em relação à atividade física. No mês de maio, quando foram coletados estes dados 60% dos participantesfaziam aulas de natação 3 vezes por semana, 33% duas vezes, 5% quatro vezes e
  • 57. 562% cinco ou mais vezes na semana; 88% deles com duração média de 60 minutos aaula e 12% com duração de 50 minutos. Basicamente, a recomendação dosprofissionais de educação física é praticar uma AF por pelo menos três vezes nasemana de no mínimo 30 minutos a uma hora, e isso é o que a maioria dosentrevistados está fazendo. As características da AF em si, como a frequência e duração das seções eintensidade da atividade, têm mostrado grande importância para a prática a longoprazo, incluindo as características do programa desde sua organização até a relaçãoprofessor-aluno (OKUMA, 1997). Quanto ao transporte utilizado para se deslocar até o clube, 43% vinhaandando, 35% vinha de carro, 12% de ônibus, 5% de moto e 5% carro/moto. Combase nestes resultados, percebe-se que a maioria utiliza algum meio de transportemesmo aqueles que consideram morar ou trabalhar perto do local da prática. Os entrevistados que utilizam veículos próprios ou pagos, por um lado ébastante prático, porque o gasto de tempo é reduzido e chega-se bem mais rápido,dando a possibilidade de praticar o esporte mesmo quando o tempo é curto, como éo caso de alguns dos entrevistados, geralmente os professores, que saíam dasinstituições de ensino e iam rapidamente até o clube fazer a aula de natação e aoterminar voltavam imediatamente, dando continuidade aos seus trabalhos. Esse éum fator positivo, se comparado aos indivíduos que vão andando, pois estes, muitasvezes, por não terem tempo disponível dificulta, principalmente, a permanência dosmesmos no esporte. Ao mesmo tempo, essa facilidade tira a possibilidade deestarem utilizando ainda mais o esforço físico, o qual pode ser considerado comoum prévio aquecimento do corpo antes iniciar a aula se beneficiando ainda mais porestar fazendo dois tipos de exercícios a caminhada e a natação. A percepção do tempo disponível é outro fator determinante para a adesão eprincipalmente para a aderência. Sobre este aspecto, Saba (2001, p. 81) destacaque a literatura específica diz que esse fator está fortemente ligado à aderência. Háquem afirme ser essa a razão prevalecente da desistência e da adoção de um estilode vida sedentário. Okuma (1997), citado por Saba (2001, p. 81), aponta que apercepção de tempo está mais associada à manutenção do que a adesão.
  • 58. 57 A décima pergunta do questionário indagava se o local da prática era longeou perto de casa, mas é importante salientar que não foi utilizado nenhum parâmetroespecífico para analisar esses dados. Os entrevistados colocavam de formaaleatória, assinalando o que achavam; então 36% respondeu perto, 33% longe, 19%muito perto e 12% muito longe; alguns dos que apontaram esta última opçãomoravam em outra cidade. Morar ou trabalhar perto do local da prática esportiva realmente facilita tanto aentrada como a permanência nos programas de AF; morar longe, por sua vez, é umdos motivos alegados que dificulta essa tomada de atitude e mudança decomportamento. Aqueles indivíduos que moram muito longe - como é o caso de umentrevistado - e ainda caminham certa distância até chegar ao clube, pela suaatitude, subentende-se que o mesmo tem bastante força de vontade, motivo emotivação para este propósito. Na questão seguinte, foram listadas 16 frases as quais os entrevistadosteriam que colocar o número 1 para o principal motivo de adesão (inicio) à prática danatação, 2 para o segundo principal motivo e 3 para o terceiro principal motivo emordem de importância. Assim, foi utilizado como critério a seleção dos 5 motivosmais votados, o que pode ser observado no gráfico nº 8.
  • 59. 58 Gráfico 9: Percentuais dos cinco principais motivos de adesão a prática da natação. Percebe-se, então, que os principais motivos que levaram os entrevistados ainiciarem a prática da natação foram: em 1º lugar, melhorar o condicionamentofísico; seguido da indicação médica; da preocupação com a saúde e sua devidamanutenção; da sensação de bem estar físico e mental, e por último, peloprazer/gostar de realizar a atividade. Segundo a sociedade mundial de fisiologia do exercício, melhorar ocondicionamento físico é treinar as 10 capacidades ou aptidões físicas através deadaptações neurológicas e/ou orgânicas. São elas: resistência cardiorrespiratória,resistência muscular, força, flexibilidade, potência, velocidade, coordenação,agilidade, equilíbrio e precisão. Quanto mais competente em cada uma delas, maiscondicionado você está, ou seja, um bom programa de treinamento deve conterexercícios que desenvolvam uma adaptação em cada uma dessas aptidões. Ocondicionamento físico pode ser medido pela capacidade de desempenhar bemdeterminada tarefa, podendo ser verificado através da comparação de como amesma tarefa/atividade era feita antes da realização de um treinamento ou atémesmo comparado a outros indivíduos.
  • 60. 59 Apesar destes resultados não serem tão semelhantes, podem sercomparados aos da pesquisa de Alves, Junger, et al (2007), os quais criaram eutilizaram este instrumento de investigação, o questionário IDAPRAN, comadolescentes frequentadores de três escolas de natação no estado do Rio deJaneiro. Nele, os motivos iniciais de adesão que obtiveram melhor pontuação foramas opções: porque eu sempre gostei de fazer natação; porque meus pais ouresponsáveis decidiram que era importante eu praticar natação; porque o médico meaconselhou; para melhorar meu condicionamento físico e por último porque eu nãosabia nadar. O estudo de Freire e Schwartz (2005), no qual foram analisadas 40 pessoascom faixa etária entre 14 e 65 anos matriculados no curso de natação, revelou que40% das respostas em relação à procura pelas atividades aquáticas foramrelacionadas aos aspectos da saúde (ajudar na saúde, entrar em forma, disposição,emagrecer, condicionamento físico, qualidade de vida, sedentarismo) e por serconsiderada uma atividade de baixo impacto; seguido por 22% de motivosrelacionados aos aspectos psicológicos e 22% de motivos ligados ao aprendizadodo esporte e, por último, somente 11% de motivos relacionados aos aspectosligados ao prazer e 5% relativos ao relacionamento humano. Ortega e Silveira (2010), em sua investigação que contou com a participaçãode 13 alunos idosos com idades de 60 a 80 anos, praticantes da modalidade dehidroginástica na cidade de Pelotas, concluiu que a recomendação médica para amanutenção e melhora na qualidade de vida foi o motivo principal de adesão àprática da hidroginástica, logo em seguida, veio à influência de amigos, parentes evizinhos e o professor considerado como fundamental para o sucesso da adesão àAF. Segundo Dishman (1993), há um consenso de que as variáveis conhecidasque determinam maior ou menor grau de fixação das pessoas aos programas de AFpodem ser categorizadas como fatores pessoais passados e presentes, fatoresambientais ou situacionais passados e presentes, fatores comportamentais e fatoresrelativos ao programa de AF.
  • 61. 60 Em termos de adesão inicial, os determinantes pessoais exercem grandeinfluência sobre esse comportamento, além de que permitem traçar um perfil dospraticantes de AFs. De acordo com Dishman (1998), aspectos sócio-demográficossão fatores que favorecem à identificação de pessoas que provavelmente terãomaior resistência para participarem programas de AF e, assim, tornam–se alvos paraintervenções. Ao questionar se os entrevistados participam de Competições Oficiais daFederação de Natação na Condição de Atleta, 95% marcou não e 5% marcou sim,ficando evidente que nos clubes estudados quase não há indivíduos motivados oucom objetivos de serem atletas. Em seguida, foram listadas várias frases que geralmente as pessoasrespondem para justificar o porquê continuam/permanecem praticando natação, asquais eles deveriam assinalar o nível de importância que cada uma representa emsuas opiniões. Assim, foram selecionados pelos orientadores dessa pesquisa, ositens com maior relevância para o estudo e os resultados podem ser visualizados natabela nº 1.Tabela 1: Percentuais do Nível de Importância das opções listadas, de acordocom o perfil e a percepção dos alunos para justificar o porquê continuam(permanecem) praticando natação. Mais ou Eu continuo praticando natação Muito Nada menos porque (...) importante importante importantePreciso tratar de uma doença que eu 38% 12% 50% tenho. A temperatura da água é agradável. 19% 43% 38% O local que eu pratico natação é 31% 48% 21% perto da minha casa.
  • 62. 61 Gosto de fazer atividades físicas 45% 26% 29% individuais. Deixa o corpo bonito. 50% 40% 10% Gosto de fazer novas amizades. 57% 33% 10% As aulas são bem organizadas. 64% 26% 10% Utilizo recursos e materiais legais 52% 26% 22% durante as aulas.O meu professor de Educação Física 83% 10% 7% me incentiva. O professor está sempre criando e 83% 12% 5% ensinando algo diferente.Os(as) funcionários(as) do clube são 78% 17% 5% educados e atenciosos. Quero ser um atleta. 24% 33% 43% Posso vencer e ganhar medalhas, 26% 14% 60% troféus e outras recompensas. Adoro fazer atividades na água. 74% 24% 2% Melhora a minha auto-estima. 74% 14% 12% Evita problemas de coluna, 86% 7% 7% respiratórios e/ou cardiovasculares É uma atividade física saudável. 93% 7% 0% Me faz sentir bem. 93% 7% 0%
  • 63. 62 Melhora a minha condição física. 95% 3% 2% A opção de se recuperar de uma lesão/doença foi considerada semimportância pela metade dos entrevistados, confirmando que a maioria não temcomo objetivo a recuperação/reabilitação de doenças, isso de certa forma pode serconsiderada uma boa notícia. A temperatura da água, mesmo em se tratando de piscinas não aquecidas, ea proximidade do local da prática não foram avaliadas como fatores muitoimportantes para permanecerem praticando natação. Indivíduos que já têm certotempo praticando natação estão mais adaptados ao meio líquido, conseqüentementenão sentem ou não consideram a temperatura da água ser tão importante para a suapermanência no esporte, mesmo nos períodos de clima mais frio. Em relação à proximidade do local da prática, Okuma (1994) afirma que alémda distância ao local de prática, a conveniência dos horários também é um fatorimportante. Aponta que a percepção de tempo está mais associada à aderência doque a adesão. A literatura específica apresenta esse fator fortemente ligado àdesistência ou também a adoção de um estilo de vida sedentário. Dishman (1994),citado por Saba (2001), levanta dúvida quanto à falta de tempo ser um determinanteambiental ou simplesmente reflexo da baixa habilidade comportamental do indivíduo,como não saber administrar melhor o tempo. Citam ainda que o pretexto da falta detempo possa indicar falta de interesse, envolvimento ou motivação com osexercícios físicos. Segundo Saba (2001), horários e locais flexíveis podem ser a solução paraeste fator e acredita ainda que a distância, o preço, e a acessibilidade são fatoresfundamentais para a adoção de um comportamento não sedentário. Algunstrabalhos mais recentes de Dishman, Berger e Mclnman estão de acordo com essaafirmativa porque os mesmos consideram a distância ao local da prática e aconveniência dos horários como fatores principais ligados à desistência, pois podemser entendidos como barreiras à prática.
  • 64. 63 Os alunos entrevistados não deram muita importância ao valor dasmensalidades para permanecerem praticando natação, sinal de que os mesmos têmuma condição financeira satisfatória e não precisam se preocupar com este fator. Os itens: fazer atividades físicas individuais e fazer novas amizades tiveramboa pontuação em relação à importância, mas nada muito acentuado. Shepard(1991), citado por Saba (2001), verificou que atividades em grupo apresentam maioraderência que as individuais. Também relatou que pessoas extrovertidas tendem àprática em grupo enquanto que as introvertidas à individual. Com relação àsamizades, Saba (2001) coloca que na realização do exercício, a companhia decolegas que tenham para si os mesmos objetivos auxilia na permanência de todos. Devido aos padrões corporais pré-determinados pela sociedade e pelasmídias, esperava-se que o fato da natação deixar o corpo bonito tivesse um maiorpercentual de votação em nível de importância, o resultado indica que a estética éconsiderada muito importante para 50% dos participantes, 40% avaliou este itemcomo mais ou menos importante e para 10% dos que compunham a amostrainvestigada, este é um fator que não exerce nenhuma influência sobre eles. Issodemonstra que a beleza física, para o grupo entrevistado, não é prioridade como sepensava. Sobre este aspecto, Saba (2001) afirma que com o aumento do tempo deprática, os benfícios psicológicos passam a preponderar sobre os valores estéticos,contribuindo para maior adesão. Sabe-se que mesmo tendo outros objetivos quenão os da estética com relação à natação, é obvio que a melhora da aparênciafísica, por consequência da prática, estimula/motiva ainda mais os indivíduos acontinuarem praticando o desporto. A organização nas aulas, a utilização de recursos/materiais, o incentivo doprofessor, como também a maneira de ensinar e a criatividade do mesmo tambémforam bastante votadas, mostrando que tanto o professor como a metodologiautilizada nas aulas são considerados motivos fundamentais para os praticantespermanecerem no esporte. Desenvolver um bom trabalho é se empenhar para que os alunos alcancemos seus objetivos perante a prática da modalidade, de modo a se sentirem satisfeitos
  • 65. 64e motivados a continuar e não apenas para obter mais alunos (SABA, 2001). Se, porum lado, o atrativo estético leva uma quantidade enorme de pessoas aos centrosespecializados, por outro, é preciso que a linha pedagógica, por eles adotada,exerça a sedução necessária para a manutenção do exercício físico por parte dapopulação (SABA, 2001, p. 57). No estudo de Freire e Schwartz (2005), verificou-se a importância da inserçãode atividades lúdicas em meio líquido, devido à reivindicação de maior tempo para aprática como sendo o fator decisivo na manutenção/continuidade em atividadesaquáticas. Verificou-se também, que os entrevistados adoram fazer atividades no meioaquático. Segundo Saba (2001), duas características importantes para apermanência na prática de exercícios físicos são o prazer e a sensação desatisfação. O prazer encontrado em sua prática garante continuidadedesencadeando o processo de interesse crescente, mesmo que o exercício aindanão esteja levando a condição de bem-estar completa. A sensação de satisfaçãoproporciona conforto em relação à aparência pessoal, oferecendo segurançadurante o exercício. Saba (2001, p. 77 apud WANKEL, 1993) considera importante essaapreciação definindo-a como uma emoção positiva, um estado afetivo positivo, quetambém envolve uma dimensão cognitiva quanto à percepção do sucesso no usodas próprias habilidades, no confronto com os desafios do meio ambiente. Fica claro que o percentual maior de entrevistados, 78%, considera muitoimportante o fato dos funcionários das instituições que oferecem a natação seremeducados e atenciosos para com os mesmos; 17% avaliam como mais ou menosimportante e apenas 5% acha que este item não influencia em nada a suapermanência no desporto. Algumas pessoas dizem que não se importam, mas narealidade ninguém gosta de ser mal tratado, mal recebido ou mal atendido, pois issoafasta/afugenta as pessoas de modo geral. Baseado nesta lógica, Saba (2001)afirma que, no âmbito dos centros especializados, funcionários e profissionaismotivados e incentivadores produzem um efeito positivo no processo evolutivo rumoà manutenção e à aderência.
  • 66. 65 Foi constatado que a maioria não dá importância, ou melhor, não têmfinalidades de ser atleta e muito menos de ganhar medalhas, troféus e outrasrecompensas. Estes dados mostram que tanto os motivos de adesão (entrada)quanto os de permanência não são para o esporte de alto rendimento. Praticar umesporte de alto rendimento exige esforço físico em demasiado, pois os atletas sãosubmetidos a situações de "sofrimento" por causa dos treinamentos exagerados,infelizmente, após certo tempo de prática eles vão apresentando diversos tipos depatologias (articulares, musculares, etc) decorrentes desse tipo de treino. Melhorar a auto-estima e evitar problemas de coluna, respiratórios ecardiovasculares também foi bastante votado. Com relação à auto-estima é possívelafirmar que os aspectos estéticos, ou seja, a satisfação com o corpo é essencial àelevação da mesma. A prática regular de AF é um recurso importante para manter o equilíbrioemocional. De acordo com o psiquiatra Maurício Lima, os efeitos psicológicos sãograndes: alivia o estresse, melhora a memória, diminui a insegurança e a ansiedade.Praticar exercícios, por si só, é excelente para a saúde do organismo, mas osganhos de quem deixa o sedentarismo são maiores ainda e geram impactos, não sóna estética e no bem-estar físico como também no sistema nervoso. Ainda segundo o especialista, trata-se de um efeito dominó, a saúde melhorae os benefícios se expandem para o restante do corpo. Ao praticar exercícios físicos,além de fatores químicos do cérebro, como o aumento dos níveis de serotonina(neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar) e a melhora do fluxosanguíneo, se exercitar pode ajudar a resolver e até mesmo eliminar vilões quejogam a autoestima para baixo. A falta de confiança em si mesmo diminui comexercícios que exigem desafios como é o caso da natação. O indivíduo pode extrairuma série de ganhos pessoais e aumentar a qualidade de vida, explica. A indicação médica de se praticar natação para evitar ou para melhorarproblemas de coluna, respiratórios e cardiovasculares é indiscutível, mas éimportante ressaltar que o nado borboleta não é indicado para pessoas que têmproblemas na coluna, porque força em demasiado essa parte do corpo. O mesmovale para o nado peito. Para quem sofre com esses problemas, o ideal é o nadocrawl, que previne e ajuda a corrigir problemas posturais, sendo coadjuvante nos
  • 67. 66tratamentos de lombalgia (dor na região lombar); seguido pelo estilo costas. Asupervisão de um professor de Educação Física na prática do esporte éfundamental. O fato da natação ser uma AF saudável e a sensação de bem estarproporcionados foram os itens mais votados pelos praticantes, em relação àsopções anteriores, exercendo grande influência sobre a permanência na natação. Melhorar a condição física foi o fator quase que unânime em nível deimportância para permanência na prática da natação, evidenciando que osindivíduos estão realmente mais preocupados com o nível de condicionamento físicoe não apenas com indicações médicas ou a estética. Através dos resultadosexpostos, constatou-se que os fatores influenciadores tanto de iniciação à prática danatação como os de permanência no esporte, estão vinculados à saúde e bem estarpara a obtenção de uma melhor qualidade de vida. Portanto, conclui-se que osmotivos de adesão se justificaram após algum tempo de permanência na atividade ese intensificaram por conseqüência de uma percepção satisfatória diante dosobjetivos que vem sendo adquiridos, estimulando os indivíduos a se manterem noesporte, usufruindo dos benefícios esperados e atingidos. È relevante salientar os motivos que os entrevistados incluíram na últimaquestão, caso a listagem não contemplasse o que realmente consideravamimportante para justificar sua permanência na prática da natação. Assim, oitopessoas colocaram as seguintes respostas: Emagrecer e melhorar meu condicionamento físico; Melhorar o aprendizado de natação; A profissão exige; Porque gosto da natação; Aprender todos os estilos de nados e me tornar um nadador famoso; Uma metodologia criativa e interessante; Prazer e necessidades especiais; Prevenir a piora de uma doença.
  • 68. 67 Os resultados do estudo de Krutzmann e Pol (2007) condizem com os dapresente pesquisa, pois os mesmos identificaram que dentre os aspectosmotivacionais que levam indivíduos acima de 60 anos a praticarem e aderirem aprática da hidroginástica, destacou-se com maiores percentuais: a melhora docondicionamento físico; ajudar a controlar e evitar doenças; o convívio em umambiente alegre; a melhora no condicionamento cardiorrespiratório e oemagrecimento. Ortega e Silveira (2010), por sua vez, concluíram que a manutenção daprática de hidroginástica está relacionada com o bem estar gerado pela atividade,seja no âmbito físico, psicológico-emocional, como também as amizades geradasque foram também apontadas como fundamentais para motivar a participação noprograma de AF. Ao comparar estas investigações com os resultados da presentepesquisa, é possível perceber que há semelhanças entre elas, apesar dos aspectosmetodológicos que orientam a realização das pesquisas, serem diferentes. Durante todo o mês de maio de 2011, quando foi realizada e concluída acoleta de dados, houve algumas limitações no que diz respeito ao número dealunos, que diminuiu bastante devido à baixa temperatura do clima e o fato daspiscinas não serem aquecidas. Este fator fez com que muitos deles parassem defreqüentar as aulas e outros trancassem suas matrículas. Outro fato importante paramencionar é que não foi encontrado nenhum idoso praticando natação no períodoem que foi realizada a pesquisa, e por esse motivo não participaram da mesma.
  • 69. 686 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este estudo teve como objetivo identificar os fatores que influenciam napermanência de indivíduos na prática da natação e para isso foi escolhido os doisclubes mais antigos da cidade de Alagoinhas-Bahia que oferecem esse desportopara a realização da pesquisa. Assim, foi aplicado um questionário estruturado(IDAPRAN) com todos os alunos, sem distinção de idade, que estavamfreqüentando as aulas de natação, nos três turnos, durante todo mês de maio de2011. De acordo com os resultados obtidos, podemos descrever as principaiscaracterísticas dos praticantes de natação, os quais a maioria é do sexo masculino,com predomínio do estado civil solteiro. Em relação à idade, os dados são bastanteheterogêneos tendo um percentual maior de adultos seguido das crianças. Grandeparte dos entrevistados estava cursando o Ensino Fundamental ou tinham o NívelSuperior Completo; em se tratando das profissões, a maioria eram estudantes,seguido de professores e técnicos de diversas áreas. Quanto à idade em que iniciaram a prática da natação, a maior parte foi entrea infância e adolescência. Ficando evidente que o tempo de prática dos alunos éacima de dois anos e acima de dois meses, respectivamente e se encontram nosmelhores níveis de AF o de manutenção e ação. Os principais motivos de adesão à natação foram melhorar ocondicionamento físico, aconselhamento médico e evitar problemas de saúde.Dentre as principais justificativas de permanência no esporte, destaca-se a melhorado condicionamento físico que foi quase unânime, em seguida, por ser uma AFsaudável e com igual porcentagem a sensação de bem estar; logo depois o fato de anatação evitar problemas de coluna, respiratórios e/ou cardiovasculares também seapresentou como um forte motivo de permanência. Considerando os resultados deste estudo, é possível concluir que os fatoresinfluenciadores da permanência de indivíduos na prática da natação sãopraticamente os mesmos que os de iniciação no esporte, sendo que os motivos deadesão se justificaram, após algum tempo de permanência na atividade, e se
  • 70. 69intensificaram por conseqüência de uma percepção satisfatória diante dos objetivosque vem sendo adquiridos, estimulando os indivíduos a se manterem no esporte,usufruindo dos benefícios esperados e atingidos. A identificação desses fatores é bastante proveitosa, na medida em que,conhecendo o que realmente é importante para os alunos, aponta o caminho a serpercorrido, possibilitando além de avaliar o trabalho pedagógico, já que o mesmo foiconsiderado fundamental para a permanência no esporte; ajuda na criação deestratégias para aperfeiçoá-lo em busca de atender as necessidades e finalidadesdos alunos, contribuindo assim para que os mesmos se comprometam com aatividade, fazendo dela um hábito e conseqüentemente melhorando a qualidade devida. Faz-se necessários outros estudos dessa natureza, como a investigação dosmotivos de desistência/abandono da natação, além da identificação de quanto oclima (inverno, água fria) pode influenciar no processo de permanência nesseesporte, porque, em diferentes realidades e em diferentes tempos, serãoencontrados outros resultados que deverão ser valorizados e priorizados paramelhorar a qualidade do serviço ofertado, buscando aumentar o número depraticantes desse esporte.
  • 71. 70REFERÊNCIASALVES, J. G. B. et al. Práticas de esportes durante a adolescência e atividadefísica de lazer na vida adulta. Rev Bras Med Esporte, São Paulo, 2005, v. 11, n. 5.ALVES, Mariana Pace; JUNGER, Washington Leite; et al. Motivos que justificam aadesão de adolescentes à prática da natação: qual o espaço da saúde?Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbme/v13n6/13.pdf> Acesso em: abril,2011.ANDREOTTI, M. C.; OKUMA, S. S. Perfil sócio-demográfico e de adesão inicialde idosos ingressantes em um programa de Educação Física: Revista Paulistade Educação Física. São Paulo, 2003, v 17, n. 2, p.142-153.BARBOSA, Tiago. As habilidades motoras aquáticas básicas. Disponível em:<http://www.efedportes.com/revistadigital> Buenos Aires; 2001, ano 6; n:33.BERGER, B. G. & Mclnman. "A. Exercise and quality of life". In Singer, R. N. &Tennant, L. K. Handbook of Research in Sport Psycology. Nova York, McMillan,1993.BONACELLI, M. C. L. M. A natação no deslizar aquático da corporeidade. 2004.Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual deCampinas, Campinas.BRACCO, M. et al. Atividades Físicas e Desportivas na Infância e Adolescência.Revista Paul Pediatria, São Paulo, 2001, v.19, p.46-48.BRASIL, Ministério da Saúde. Agita Brasil: guia para agentes multiplicadores.[S.1:s.n.], 2001. Disponível em:<http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/02_0108_M.pdf> Acesso em:7 de agosto de 2011, às 9:15h.CATTEAU, R.; GAROFF, G. O ensino da natação. São Paulo: Manole, 1990, 3 ed.
  • 72. 71COSTA, R. M. Razões e motivos para a prática da natação de adultos emacademias na cidade de Limeira – S.P. Motriz, 1999; S: 116.FREITAS, C. M. S. M.; SANTIAGO, M. S.; VIANA, A. T.; Leão, A. C.; FREIRE, C.Aspectos motivacionais que influenciam a adesão e manutenção de idosos aprogramas de exercícios físicos. Revista Brasileira de Cineantropometria eDesempenho Humano. 2007; 9:92-100.GOMES, Wagner D. F. Natação, uma alternativa metodológica. Ed. Sprint. 1995.CATTEAU O.G.; Ensino da Natação. Manole, 1990. Disponível em:<http://www.cdof.com.br/natacao7.htm> Acesso em 16/01/11 às 11h30minh.GONZÁLES, Fernando Jaime; FENSTERSEIFER, Paulo Evaldo. Dicionário Críticode Educação Física. 2ª ed. Revisada; Editora: Unijuí; R.S.; 2008.IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=ba#> Acesso em: 29 ago, 2011.INTERNACIONAL, Enciclopédia Mirador. Publicações Ltda; São Paulo – Rio deJaneiro; Brasil. 1981, p. 8012-8015.JÚNIOR, Armando Fernandes de Oliveira. Aderência a atividade física: um estudode fatores determinantes para adoção do estilo de vida fisicamente ativo.Monografia apresentada ao Curso de Licenciatura de Educação Física daUniversidade Estadual de Feira de Santana; Departamento de Saúde; 2009.LAROUSSE, Grande Enciclopédia Delta. Rio de Janeiro: Delta, 1973. v. 10.LIMA, William Urizzi de. Ensinando natação. São Paulo; Editora: Phorte; ed. 2.NONUMORA, M. Motivos de adesão à atividade física em função das variáveisidade, idade sexo, grau de instrução e tempo de permanência. Revista Brasileirade Atividade Física e Saúde, 1998, v. 3, n. 3, p. 45-58.
  • 73. 72MALAVASI, Leticia de Matos e BOTH, Jorge. Motivação: uma breve revisão deconceitos e aplicações. Revista Digital - Buenos Aires – Año: 9 - N° 61 - Junio de2003; Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd89/motivac.htm>Acesso em: 4 de fevereiro de 2011 às 16:12h.MARTINS, Marcelle de Oliveira . Estudo dos fatores determinantes da prática deatividades físicas de professores universitários 2000. Revista Brasileira deCineantropometria e Desempenho Humano. v. 2, n. 1, 2000.Disponível em: < http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/3955>Acesso em: 5 set. 2011, às 9:10h.MENDES, Aluísio Menin. Cinesiologia - A Importância dos Movimentos.Disponível em: <http://www.corposaudavel.com.br/atividade-fisica/127-cinesiologia-a-importancia-dos-movimentos> ou <http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?740>Acesso em: 21 ago. 2011, às 09h40minh.MINAYO; LAKATOS ET AL.Conceitos em pesquisa científica. Disponível em:<http://www.webartigos.com/articles/10409/1/Conceitos-Em-Pesquisa-Cientifica/pagina1.html> Acesso em: 11 ago, 2011, às 18h25min.MENDES, Aluísio Menin. Cinesiologia – A Importância dos Movimentos.Disponível em: <http://www.corposaudavel.com.br/atividade-fisica/127-cinesiologia-a-importancia-dos-movimentos> Acesso em: ago, 2011.BARSA, Nova Enciclopédia. MACROPÉDIA – Enciclopédia Britânica do BrasilPublicações LTDA; 1998, (México, Cidade do Osso). v. 10. p. 258-261.OKUMA, S. S. Fatores de adesão e de desistência das pessoas aos programasde Atividades Físicas. In: SEMANA DA EDUCAÇÃO FÍSICA, 2., 1994, São Paulo.Anais. São Paulo: Departamento de Educação Física, Faculdade de CiênciasBiológicas e da Saúde, Universidade São Judas Tadeu, 1994. p.30-6.OKUMA, S. S. (1997). O significado da atividade física para o idoso: um estudofenomenológico. Tese de doutorado. Instituto de Psicologia, USP, São Paulo.PASSOS, Taís da Cruz. Fatores que influenciam na aderência aos programas deatividade física direcionada a mulheres de 40 a 50 anos: Estudo de caso em
  • 74. 73uma academia de ginástica da cidade de Alagoinhas – Bahia. Monografiaapresentada ao Curso de Licenciatura de Educação Física da Universidade doEstado da Bahia; 2009.PEREIRA, Helton Oliveira; FILHO, Paulo Sérgio Ribeiro de Lima. Movimentar épreciso: uma análise da relação entre exercício físico, motivação e terceiraidade. Castanha,l 2009. Disponível em: < http://boletimef.org/biblioteca/2784 >Acesso em: 14 ago, 2011.PITANGA, F. J. G. Epidemiologia da atividade física, exercício físico e saúde. 2ªed. São Paulo: Phorte, 2004.PITANGA, F. J. G. Testes, medidas e avaliação em educação física. 3 ed. SãoPaulo: Phorte, 2004.RESENDE, Helder Guerra de. Motivos que justificam a adesão de adolescentesà prática da natação: qual o espaço ocupado pela saúde? Revista Brasileira deMedicina do Esporte, Niterói, Nov. 2007, v.13, n. 6.SABA, F. Aderência: a prática do exercício físico em academias. São Paulo:Manole, 2001.WANKEL, L. M. The importance of enjoyment to adherence and psychologicalbenefits from physical activity. In International Journal of Sport Psychology. 1993,v. 24.ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE – OMS (2006). Benefits of physicalactivity. Obtido em 20 de julho de 2006 do World Wide Web: <http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheer_benefits/em/índex.html> Acesso em: 08 nov. 2010.THOMAS, Alexander. Esporte: Introdução à psicologia. Tradução Professora MariaLenk - Rio de Janeiro. Ao livro técnico, 1983.SANTOS, S. C.; KNIJNIK, J.D. Motivos de adesão à prática de atividade física navida adulta intermediária 1. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte –2000, Ano 5, n.
  • 75. 74TAHARA, Alexander Klein; SILVA, Karina Acerra. A prática de exercícios físicosna promoção de um estilo de vida ativo. Revista Digital - Buenos Aires. 2003 -Ano 9 - 61. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd61/ativo.htm> Acesso em:26 jan, 2011.
  • 76. 75ANEXOS
  • 77. 76ANEXO A
  • 78. 77ANEXO B
  • 79. 78 ANEXO C UNEB - UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA Projeto de Pesquisa O curso de Licenciatura em Educação Física da UNEB, por meio dasrespostas deste questionário, pretende elaborar a pesquisa titulada: “Fatores queInfluenciam na Permanência de Indivíduos na Prática da Natação”.Os dados coletados com esta pesquisa visam identificar os fatores que influenciamna permanência de indivíduos na prática da natação, para criar maneiras de supriras necessidades que possivelmente serão encontradas, subsidiar na captação denovos alunos e colaborar na redução de abandonos do esporte. Os resultados da pesquisa serão divulgados. Entretanto, a identidade dosparticipantes será preservada. Termo de Consentimento Após ler, receber explicações sobre a pesquisa e ter meus direitos de:1. Receber resposta a qualquer pergunta e esclarecimento relacionados à pesquisa;2. Retirar o consentimento a qualquer momento e deixar de participar do estudo;3. Não ser identificado e ser mantido o caráter confidencial das informaçõesrelacionadas à privacidade. Tendo recebido as informações acima e ciente dos meus direitos, concordoem participar voluntariamente da pesquisa.Alagoinhas, _____ de maio de 2011.__________________________________ ___________________________ Assinatura da participante Assinatura do pesquisadorEndereço do pesquisador: Rua Alameda das Acácias, 46 – Santa Terezinha.Alagoinhas-BA. Telefone para contato: (75) 3181-5405
  • 80. 79 ANEXO D QUESTIONÁRIO Instrumento de Diagnóstico da Adesão à Prática da Natação (IDAPRAN) 1. Nome: ______________________________________________________ 2. Sexo: ( ) masculino ( ) feminino 3. Estado Civil: ( )solteiro ( )casado ( )separado ( )divorciado ( )viúvo 4. Idade: ______ anos 5. Profissão: ___________________________________________________ 6. Grau de Instrução:( ) Ensino fundamental completo ( ) Ensino fundamental incompleto( ) Ensino médio completo ( ) Ensino médio incompleto( ) Nível superior completo ( ) Nível superior incompleto ( ) Pós graduação 7. Quantos anos você tinha quando começou a fazer aulas de natação?( )até 6 anos ( )7 a 12 anos ( )13 a 19 anos ( )20 a 25 anos( )26 a 32 anos ( )33 a 39 anos ( )40 a 45 anos ( )mais de 46 anos 8. Horário que pratica:( ) matutino ( ) vespertino ( ) noturno 9. Há quanto tempo, mais ou menos, você pratica natação?( ) menos de 2 meses ( ) mais de 2 meses e menos que 6 meses( ) 6 meses até 1 ano ( ) mais de 1 ano e menos que 2 anos ( ) mais de 2anos 10. Atualmente, quantas vezes por semana você pratica natação?( ) 2 vezes ( ) 3 vezes ( ) 4 vezes ( ) 5 ou mais vezes 11. Qual a duração média da aula?( ) 0:30 minutos ( ) 0:40 minutos ( ) 0:50 minutos ( ) > 0:60 minutos
  • 81. 80 12. Como você vai para a natação?( ) de carro ( ) de ônibus ( ) andando ( ) de bicicletaEscreva outra resposta se o seu caso for diferente das afirmações acima.___________________________________________________________________ 13. O lugar onde você pratica natação é:( ) muito longe de casa ( ) longe de casa ( ) perto de casa ( ) muito pertode casa 14. Quais os principais motivos que te levaram a praticar natação (escolha no máximo três motivos, colocando o número “1” para o principal motivo, “2” para o segundo motivo em ordem de importância, e “3” para o terceiro principal motivo.Eu comecei a praticar natação (...)( ) porque era a única atividade física que tinha perto da minha casa/local detrabalho/local de estudo.( ) porque meus pais ou responsáveis decidiram que era importante eu praticarnatação.( ) porque o médico me aconselhou.( ) porque eu não sabia nadar.( ) porque eu queria ser um atleta de natação.( ) porque eu queria ter um corpo bonito.( ) porque eu queria ou precisava emagrecer.( ) para melhorar meu condicionamento físico (eu vivia cansado ou me cansavafacilmente).( ) porque eu sempre gostei de fazer natação.( ) pela possibilidade de estar em companhia dos meus amigos e fazer novasamizades.( ) porque a mensalidade era mais adequada/acessível às minhas possibilidades depagamento (ou se for o caso dos meus pais ou responsáveis).( ) para evitar problemas de saúde.
  • 82. 81( ) porque eu queria aprender uma nova atividade física.( ) porque as pessoas que praticam natação são mais valorizadas.( ) porque a natação é um tipo de atividade física que possibilita diferentesdesafios.( ) porque eu queria me sentir bem físico e emocionalmente.Escreva outro(s) motivo(s) se o seu caso for diferente das afirmações acima:___________________________________________________________________15- Atualmente você participa de competições oficiais da federação de nataçãona condição de atleta? ( ) sim ( ) não 16. A seguir, listamos várias frases que as pessoas, geralmente respondem para justificar o porquê continuam praticando natação. Leia atentamente cada uma das frases e assinale o nível de importância que cada uma delas tem para justificar o porquê você continua praticando natação. Eu continuo praticando natação Muito Mais ou Nada porque (...) importante menos importante importanteA temperatura da água é agradável.As aulas são bem organizadas.Deixa o corpo “sarado”.Quero ser um atleta.È muito desafiante.É uma atividade física queproporciona situações desafiantes.É uma atividade física saudável.Adoro fazer atividades na água.
  • 83. 82Fico mais resistente, forte e veloz.Utilizo recursos e materiais legaisdurante as aulas.Evita ficar doente.Evita problemas de coluna,respiratórios e/ou cardiovascularesGosto de competir.Gosto de fazer atividades físicasindividuais.Gosto de fazer novas amizades.Gosto do(a) meu(minha) professor(a)Me dá muita disposição.Me dá satisfação.Me diverte.Me faz sentir bem.Melhora a minha condição física.Melhora a minha auto-estima.O horário da aula não interfere nosmeus outros compromissos.O local é muito bonito e agradávelO local que eu pratico natação é pertoda minha casa.O local que eu pratico natação possuifacilidades de acesso.Os(as) funcionários(as) do clube sãoeducados e atenciosos.O meu professor de Educação Físicame incentiva.O professor está sempre criando eensinando algo diferente.
  • 84. 83O valor da mensalidade não é muitocaro.O(a) professor(a) é atencioso(a)comigo.O(a) professor(a) é paciente comigo.Os meus amigos me incentivam.Posso vencer e ganhar medalhas,troféus e outras recompensas.Preciso tratar de uma doença que eutenho.Preenche meu tempo de formaprazerosa.Quero participar de campeonatos daFederação da Natação.Deixa o corpo bonito.Sou muito elogiado por praticar estaatividade física.Tem muita gente legal praticando.Tenho desconto na mensalidade.Tenho que me recuperar de umalesão/doença. 17. Caso haja necessidade, o espaço a seguir é para incluir quaisquer outros motivos não contemplados na listagem anterior que você considera „muito importante‟ para justificar o porquê você continua praticando natação.____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________