Your SlideShare is downloading. ×
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Ezequiel
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ezequiel

1,689

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,689
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – CAMPOS II – ALAGOINHAS EZEQUIEL LIMA DE OLIVEIRAPERFIL DE COMPONENTES MORFO FUNCIONAIS DA APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE DE PRATICANTES DE CAPOEIRA ALAGOINHAS 2011
  • 2. EZEQUIEL LIMA DE OLIVEIRAPERFIL DE COMPONENTES MORFO FUNCIONAIS DA APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE DE PRATICANTES DE CAPOEIRA Monografia apresentado como requisito do componente curricular TCC do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade do Estado da Bahia – Campos II. Orientador: Prof. Ms. Valter Abrantes. ALAGOINHAS 2011
  • 3. Dedico esse trabalho a Deus e a todos que de, algum modo,colaboraram para sua construção: a minha família, meu orientador eos educadores que fizeram parte da minha trajetória como estudante ecomo eterno professor em formação e a toda comunidade capoeiranade Salvador/BA.
  • 4. AGRADECIMENTOS Acredito que este é um dos momentos mais prazerosos de todo a trajetória no curso,pois é a oportunidade de minimante dizer muito obrigado a todos os quais contribuíram para aconstrução deste sonho de estar se formando em uma instituição renomada como aUniversidade do Estado da Bahia. Primeiramente gostaria de agradecer ao Senhor Jesus Cristo que depois do grandesacrifício na cruz do calvário realizado para garantir a vida eterna a todo o que crer no Seunome, em meio a tantas lutas me possibilitou mais uma vitória na conclusão deste curso. Agradeço aos meus pais, dona Rachel e seu Ubaldino pelos esforços realizados naconstrução do meu futuro. Agradeço a minha irmã Soraia por ter realizado a minha primeiramatrícula no espaço escolar, acreditando que o seu trabalho na fila de uma escolinha públicade madeira não seria em vão. Agradeço a meu irmão Fredson pela paciência e compreensãonos momentos onde tive que “invadir”, sua casa para usufruir dos seus conhecimentos eaparelhagem de informática. Agradeço a minha irmã caçula Saionara por não desacreditar do meu sonho e eminúmeros momentos financia-lo sem hesitar. Agradeço a minha sogra, dona Edite, por meconceder uma esposa linda e nas inacabáveis reformas na sua casa me garantiu muitas idas aAlagoinhas e vários livros do curso. Agradeço em especial, a minha esposa Bianca pelo apoio, carinho, compreensão,ajuda na transcrição dos testes e das entrevistas e por ser suficientemente forte nos momentosde angústia afirmando sempre que o seu amor era independente das circunstâncias. Na sequência, agradeço a todas as minhas sobrinhas (os), Samanta, Rafaela, Beatriz,Bruna, Rafael e Daniel pelo companheirismo e nos momentos te estresse, me possibilitaralegria, prazer e felicidade além de com todas as nossas brincadeiras me fazer perceber comoé necessário superar os desafios a todo o momento, imaginando e fantasiandoindiscriminadamente, sabendo que o lúdico é indispensável na descoberta e conhecimento domundo em que vivemos. Agradeço ao Pastor Juarez Neves por ser o mentor na formação da minhapersonalidade e me fazer conhecer o princípio da Sabedoria e o valor incalculável do
  • 5. conhecimento, por estar sempre disposto e com paciência resolver as minhas dúvidasacadêmicas. Agradeço a meu orientador o professor Valter Abrantes, pelo seu exemplo de pessoahumana que sem nenhuma soberba me concedeu tantas caronas para Salvador, pela paciênciaem me orientar com responsabilidade e compromisso especificando detalhadamente todorigor científico necessário para o desenvolvimento de um bom trabalho. Agradeço aos capoeiristas e aos grupos de capoeira, Diamante Negro, Meninos daBahia e Mangangá os quais participaram com muita alegria e satisfação da construção destetrabalho. Especialmente agradeço aos mestres Lúcio e André, ao professor Jairo e o alunoElton que esteve em todo momento estimulando e transmitindo confiança aos colegas pararealizarem os testes e responder as questões da entrevista. Agradeço a professora de TCC, Martha Benevides, por toda sua cobrança eresponsabilidade exigida nas atividades acadêmicas, sendo que no momento onde fui maiscriticado e excluído pela maioria dos colegas encontrei o seu apoio. Agradeço ao professor Francisco Pitanga que me possibilitou uma experiência muitoproveitosa como monitor na disciplina Testes, Medidas e Avaliação em Educação Física, aqual foi de fundamental influência na construção deste trabalho. Agradeço a todos os meus colegas da turma e do curso, por todas as discussões edebates indispensáveis na formação de um professor competente e preparado para enfrentar avida. Logo, a todos que contribuíram na construção da minha história direta e indiretamentemeu muito obrigado.
  • 6. Há caminhos que ao homem parece direito, mas o fim deles são oscaminhos da morte. (BÍBLIA SAGRADA. ALMEIDA, 2004, Prov. 14: 12, p. 714)
  • 7. LISTA DE SIGLASACSM – Colégio Americano de Medicina EsportivaDF – Distrito FederalEFC – Educação Física CurricularIBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e EstatísticaINCA – Instituto do CâncerIMC – Índice de Massa CorporalOMS – Organização Mundial da SaúdeUNEB – Universidade do Estado da BahiaUNICAMP – Universidade Estadual de Campinas
  • 8. LISTA DE ILUSTRAÇÕESTABELA 1 - Idade, Estatura e Massa corpórea da amostra 24TABELA 2 - Perfil morfofuncional da amostra 29GRÁFICO 1 - Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável 30 Morfológica, Índice de Massa Corporal (IMC)GRÁFICO 2 - Capoeira e Aptidão Física relacionada à Saúde variável Funcional 33 Motora, FlexibilidadeGRÁFICO 3 - Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Funcional 36 Motora, Resistência/Força Abdominal
  • 9. RESUMOO objetivo da pesquisa foi analisar em praticantes de capoeira do gênero masculino, na faixaetária de 18 a 40 anos, integrantes dos grupos Diamante Negro, Meninos da Bahia eMangangá localizados na periferia da cidade do Salvador/BA, as contribuições da capoeira naaptidão física relacionada à saúde. A amostra foi constituída por 17 capoeiristas dos trêsgrupos com no mínimo três meses de treino ininterruptos, os quais aceitaramespontaneamente participar do trabalho. A partir deste universo foi realizada uma PesquisaQuantitativa em corte transversal, cujos procedimentos foram entrevistas semiestruturadascom os mestres e professores de capoeira e os testes para avaliação dos componentes daaptidão física relacionada à saúde. Foram priorizados componentes funcionais motores emorfológico. A variável morfológica utilizada foi o Índice de Massa Corporal (IMC)originado a partir das medidas antropométricas de massa corporal e estatura. Para a avaliaçãodas variáveis funcionais motoras foram selecionados os seguintes teste: Banco de sentar ealcançar para flexibilidade e número de repetições em 1 minuto para força abdominal. Osdados referentes á pesquisa foram tabulados e analisados a partir do Programa Excel paraWindows. Na variável IMC, 23.5% da amostra ficaram abaixo dos padrões de normalidade,23.5% dentro dos padrões de normalidade e 53% com sobrepeso. Com relação à flexibilidade38% ficaram com valores inadequados à saúde e 62% com boas condições de saúde. Na forçaabdominal 96% foram classificados com boas condições de saúde e 4% com um fracodesempenho. Concluiu-se que a prática da capoeira contribui positivamente nos componentesda aptidão física relacionada à saúde, mesmo a relação entre atividade física/exercício físico esaúde, como também dos componentes da aptidão física relacionados à saúde, não sendo ofoco nas aulas os benefícios acontecem.Palavras-chave: Capoeira. Aptidão Física. Saúde.
  • 10. ABSTRACTThe research objective was to analyze in practicing capoeira males, aged 18 to 40 years,members of the groups Diamante Negro, Meninos da Bahia and Mangangá located on theoutskirts of Salvador/Bahia, the contributions of capoeira in fitness related to health. Thesample consisted of 17 capoeiristas of the three groups with, at least, three months ofuninterrupted training, which voluntarily agreed to participate of the work. From this universewas made an Quantitative Research Cross-sectional, whose procedures were semi structuredinterviews with Master and teachers of capoeira and tests for evaluation of the components ofphysical fitness and health. Functional components,engines and morphology were prioritized. The morphological variable used was the BodyMass Index (BMI) originated from the anthropometric measurements of body weight andheight. For the evaluation of motor function variables were selected following test: Benchand reaching for flexibility; number of repetitions in one minute for abdominalstrength and 12 minutes of jogging for cardio respiratory capacity. The data concerning to theresearch were tabulated and analyzed by the program Excel for Windows. In BMI, 18%, ofthe sample, were underweight; normal weight 23% and 59% overweight. With relation toflexibility, 38% were with inadequate values to health care and 62%, with good health. Inabdominal strength, 96% were classified as having good health and 4%, with a poorperformance. It was concluded that the practice of capoeira contributes positively in thecomponents of physical fitness and health, even the relationship between physical activity /exercise and health, as well as the components of physical fitness related to health, not beingthe focus in the classroom benefits happen.Keywords: Capoeira. Physical Fitness. Health
  • 11. SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO 132 OBJETIVO GERAL 183. CAPOEIRA E APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SÁUDE RUMOS PARAUMA VIDA MAIS SAUDÁVEL 193.1 Atividade Física, um componente indispensável na busca de uma vida maissaudável 193.2 Possíveis relações entre a atividade física, aptidão física e saúde 203.3 Capoeiras x Aptidão física relacionada à saúde, uma nova identidade 214. METODOLOGIA 244.1 Características Gerais do Universo de pesquisa 244.2 Métodos, Técnicas e Instrumentos para coleta e análise dos dados 254.3 O dia-a-dia nos Grupos 264.4 Procedimento Utilizado na coleta dos dados 275. RESULTADOS E DISCUSSÕES 295.1 Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Morfológica, Índice deMassa Corporal (IMC) 295.2 Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Funcional Motora,Flexibilidade 32
  • 12. 5.3 Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Funcional Motora,Resistência/força abdominal 366. CONSIDERAÇÕES FINAIS 40 REFERÊNCIAS ANEXOS APÊNDICES
  • 13. 1 INTRODUÇÃO Atualmente, com o advento da globalização e o crescente avanço no acesso àinformação em um universo de formação sociocultural direcionada a construção de cidadãosconscientes dos diversos fatores norteadores da vida em sociedade, o Tema Saúde se tornouassunto de pauta nos diversos espaços de construção da personalidade humana. Pitanga (2004)na tentativa de aclarar o sentido do termo relata que a saúde pode ser definida como umacondição humana com dimensões físicas, sociais e psicológicas. Minayo (1998) estabelecendo uma relação sobre a abrangência da temática retrata quea solução dos principais problemas envolvendo a saúde da população, neste caso a brasileira,perpassa o interior do próprio setor “Saúde”. Segundo o Ministério da Saúde (1996) a saúdepode ser classificada a partir de dois pólos, Positiva e Negativa. A saúde positiva estariaassociada à capacidade de apreciar a vida e de resistir aos desafios do cotidiano, por sua vez, asaúde negativa estaria associada á morbidade e, no extremo, com a mortalidade. Na mesmaafirmativa destaca-se também que os principais fatores influentes no deslocamento dosindivíduos entre os dois pólos seriam: ambientais, sociais, estilo de vida e biológicos. Nesta perspectiva observa-se que a saúde compõe um elo da vida em sociedade, é algodinâmico o qual transpassa a ideia puramente biológica e higienista e se caracteriza a partir deum conjunto de determinantes e condicionantes como: alimentação, moradia, saneamentobásico, poluição ambiental, educação, lazer, atividade física, serviços essenciais, felicidade,alegria e prazer todos necessários para uma melhor condição de saúde e satisfação de viver. Buscando construir um diálogo com este amplo universo observou-se que osparadigmas atividade física ou exercício físico e saúde são bastante discutidos entre diversosespecialistas da área, por exemplo, em pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro deGeografia e Estatística (IBGE), divulgada no segundo bimestre de 2007, foi constatado que aexpectativa de vida do brasileiro cresceu 17 anos em um período de 46 anos, indo dos 54,6anos, em 1960, para 72,3 anos em 2006. Em 2005, a esperança de vida era de 71, 9 anos,sendo a masculina 68, e a feminina, 75. 1 De acordo com a pesquisa o acréscimo na longevidade se dá, principalmente peloavanço da medicina, o controle das doenças infecto – contagiosas, e uma preocupaçãoincessante na busca de uma melhor qualidade de vida e hábitos mais saudáveis, sendo aatividade física ou exercício físico fatores de grande valia nesta relação.1 AUTOR TITULO, disponível em <www.cinform.com.br>Acesso em 31 de out. 2008 13
  • 14. A presente afirmativa tem suas bases desde épocas mais remotas quando a aptidãofísica exercia um importante papel na realização de atividades fundamentais à sobrevivênciadas pessoas, como a caça, a pesca, os trabalhos na agricultura e na produção industrial, queaté pouco tempo era muito dependente de qualidades físicas como a resistência e a forçamuscular. Como se pode observar, a confirmação da relação entre atividade física ou exercíciofísico e saúde não é recente, também se encontra relatos mencionada na cultura chinesa,indiana e nos textos clássicos de gregos e romanos, os quais têm ressaltado a importância daatividade física na aptidão física relacionada à saúde e para tratamento de doenças. Embora, com todo avanço tecnológico ocorrido principalmente nas últimas décadas,ter contribuído com que boa parte das atividades relacionadas ao trabalho tivesse suaintensidade reduzida, pelo menos em relação ao esforço físico, bem como as atividades delazer as quais passaram a ser, cada vez mais passivos, observando a questão pelo mesmo viésdo esforço físico, diversos estudos comprovam que programas de exercícios físicos melhorama aptidão física relacionada à saúde na dimensão morfológica, funcional motora, fisiológica ecomportamental, questões imprescindíveis na tentativa de buscar uma vida mais saudável ecom qualidade. Matsudo (1992) dialogando sobre a questão afirma ser um fator relevante àmanutenção de uma vida ativa fisicamente, pois a atividade físicaexercício físico regularpoderia levar à redução nas taxas de mortalidade, o aumento no tempo de vida e uma melhoriana aptidão física principalmente àquela relacionada à saúde das pessoas. O autor igualmentereforça que as pessoas com melhores níveis de atividade física e/ou aptidão física, apresentammenor incidência de certas doenças e mortalidade por todas as causas, assim como poralgumas causas específicas diferentemente de seus pares menos ativos ou com menor nível deaptidão física. De acordo com relatos da Organização Mundial da Saúde (OMS, 2002), a atividadefísica é uma das recomendações principais quando a questão é a prevenção de algumasdoenças e uma vida com maior qualidade. Isso porque sua prática propicia uma melhoriasensível da aptidão física relacionada à saúde com implicações positivas na qualidade de vida.Silva, (1999) garante a relação informando que a associação entre um estilo de vidafisicamente ativo pode estar ligada à tentativa de controle das doenças crônicas degenerativas,o equivalente ao que a imunização representa na tentativa de controle das doenças infecto–contagiosas. 14
  • 15. Tomando como referência todos estes princípios que relacionam diretamente a questãosaúde e consequentemente a aptidão física relacionada à saúde com a atividadefísica/exercício físico evidenciado desde os primórdios da história do homem e da mulher nahumanidade, à prática regular da arte desenvolvida pela cultura popular no período daescravidão no Brasil pelos, até aquele momento, escravos se poderia assim dizer afro-brasileiros, denominada de capoeira, apresenta-se como uma ótima opção enquanto fator quepode influenciar na melhoria da aptidão física, e por consequência, contribuir na saúde dosseus praticantes. Isso porque, a capoeira arte genuinamente afro-brasileira, hipoteticamente,permite com o seu leque de possibilidades de movimentos o desenvolvimento eoumanutenção de importantes indicadores de saúde tanto na dimensão funcional motora, quantonos parâmetros antropométricos relacionados ao percentual de gordura e massa magra. Além disso, as atividades realizadas nas aulas podem se converter num eficaz meio devalorização da vida social dessas pessoas, fazendo do ambiente em que ocorre sua prática umrico espaço de sociabilidade e afirmação da cidadania, considerando o prazer proporcionadoao praticar a atividade, tendo a música como agente motivador das aulas, permitindo inferirque este fato, até mesmo, pode levar a uma maior permanência na prática, quando comparadocom outras atividades. A capoeira uma mistura de arte, dança, luta, jogo e esporte também se caracterizacomo uma das manifestações culturais com um relevante potencial de inclusão. Um exemploclássico acontece na roda da capoeira, momento em que os capoeiristas se reúnem para seconfraternizar com o jogo da capoeira propriamente dito embalado pela musicalidade. Nas rodas de capoeira todos participam independente de cor, etnia, classe social, idadeou sexo. Apenas duas pessoas se apresentam de cada vez, no entanto, aqueles que não estãojogando na roda esta compondo a mesma, cantando as músicas, batendo palmas ou tocando osinstrumentos utilizados nas manifestações. É importante relatar que nesta relação sociocultural a capoeira se configura como um“microcosmo” do “macrocosmo” da vida, pois se na vida acontece decepções de todos osgêneros, na roda de capoeira existe uma predisposição dos praticantes levarem uma rasteira ecair, porém consciente que todos podem cair ou sofrer decepções, mas não ficar no chão.Devido ao caráter lúdico da arte as atividades são desenvolvidas com alegria e satisfação emuma realidade que misturam atividade física, exercícios físicos, lazer e cultura. É fato afirmar, que são ínfimas as referências comparando a prática da capoeira e/ouos esportes de luta e as possíveis contribuições na aptidão física relacionada à saúde, portanto, 15
  • 16. na perspectiva de contribuir com as investigações neste campo a presente proposta depesquisa se apresenta. A hipótese do presente trabalho, que o perfil morfofuncional dos praticantes decapoeira atende perfeitamente os padrões preconizados para uma melhor condição de saúde,se deve a observação de relatos dos capoeiristas sobre a sua atual condição física eanteriormente, quando esta realidade ainda não fazia parte do seu contexto social. Segundo os capoeiristas a relação cotidiana com a arte, possibilitou de forma subjetivae perceptiva, por parte dos alunos, uma melhoria nos níveis de flexibilidade, força e nosparâmetros antropométricos de gordura e massa magra. Uma idéia muito difundida entre elesé que os praticantes de capoeira são pessoas “mais fortes”, “mais bonitas”, “mais ágeis” e“mais resistentes”. Estas possíveis contribuições relatadas pelos praticantes, segundo eles,perpassaram à esfera laborativa e no aproveitamento do tempo livre, o qual passou a ser commais vigor e energia, fato que pode ser subentendido como melhoria da qualidade de vida. Logo, o objetivo deste trabalho foi: Avaliar o perfil de componentes morfofuncionaisda aptidão física relacionada à saúde de praticantes de capoeira. A presente proposta de pesquisa se delineia em seis capítulos. Inicialmente, em umabreve introdução se busca através do universo o qual rodeia a temática da saúde pontuar asrelações da atividade física exemplificada desde os primórdios da humanidade e as influênciasna aptidão física relacionada à saúde, na tentativa de encontrar pressupostos os quaisgarantam a legitimação da capoeira como uma prática influente na relação da saúde eatividade física. Na sequência, se discute com base literária a hipótese a qual levou aelaboração do problema de pesquisa enfatizando alguns aspectos peculiares aos praticantes decapoeira, bem como ressaltando as possíveis contribuições na melhoria da saúde daquelas quese mantêm ativos fisicamente com a arte. Posteriormente se delineia o processo metodológicoque norteou o desenvolvimento da pesquisa na seguinte ordem: o universo da pesquisa, ométodo, a técnica de coleta dos dados, os instrumentos utilizados para coleta dos dados, arelação dos acontecimentos no ambiente onde se realizou o trabalho e o instrumento deanálise dos dados. Nos dois últimos capítulos são apresentados os resultados juntamente comas observações (Discussão) feitas a partir dos mesmos o qual vai culminar nas conclusõespertinentes à experiência vivenciada no trabalho. 16
  • 17. 17
  • 18. 2 OBJETIVO GERAL  Avaliar o perfil de componentes morfofuncionais da aptidão física relacionadaà saúde de praticantes de capoeira. 18
  • 19. 3 CAPOEIRA E APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SÁUDE RUMOSPARA UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL 3.1. Atividade Física, um componente indispensável na busca de uma vida maissaudável. Atualmente são inúmeros os trabalhos comprovando a relevância da atividadefísicaexercício físico sobre a aptidão física, independentemente de sexo ou idade.Considerações retratadas por diversos autores se organizam em consistentes relatos, nosentido de informar e conscientizar que os benefícios da atividade físicaexercício físico sobrea aptidão física, principalmente àquela relacionada à saúde, se tornou algo crucial na vida decada pessoa, assumindo um papel importante até mesmo no auxilio da tentativa de cura e naprevenção de várias doenças. É muito bem referenciado que tais contribuições são comuns a todos os tipos deatividades físicas, seja ela, esportivas ou laborativas, desde que seja respeitada a condiçãofísica de cada indivíduo. De acordo com Merquiades e colaboradores (2010), a atividadefísicaexercício físico é uma forma de sobrecarga para o organismo. Estas na proporçãocorreta estimulam adaptações de aprimoramento funcional motor e morfológico de todos ossistemas envolvidos. McArdle (2008) à luz das suas entrelinhas demonstra pormenorizadamente estarelação, dialogando que independente da característica da atividade, de força, aeróbica ou deflexibilidade, desde que observados alguns princípios morfofisiológicos se constituem comoum importante componente para o desenvolvimento de uma vida mais saudável. O mesmo,ainda reforça que o aprimoramento muscular, na densidade óssea, no equilíbrio dinâmico e noestado funcional global com o exercício regular, além de minimizar ou reverter à síndrome defragilidade física se configuram como um eficaz meio de promoção da saúde com implicaçõespositivas na aptidão física relacionada à saúde. Na mesma perspectiva, Silva (1999) relata que a influência da atividade física se dasob múltiplos aspectos. Entre eles pode ser destacada a ação benéfica sobre os efeitos nocivosdo estresse e o melhor gerenciamento das tensões diárias. Além da sensação de bem estarrelacionada com a concentração de endorfina no organismo que aumenta com a atividadefísica, proporcionando mudanças no humor e sensação de bem estar. 19
  • 20. McArdle (2008) aponta que um estilo de vida fisicamente ativo afeta positivamente asfunções neuromusculares, cardiovasculares e a nível metabólicocelular independentementede raça, gênero, idade e até certo ponto, estado de saúde. Às presentes constatações sãoratificadas com as novas recomendações do Colégio Americano de Medicina Esportiva(ACSM) (MCARDLE, 2008, p. 496) as quais informam que: “Benefícios de saúde significativos podem ser obtidos ao incluir uma quantidade moderada de atividade física na maioria dos dias, ou até em todos os dias da semana. Através de um aumento moderado a maioria dos indivíduos consegue melhorar sua saúde e qualidade de vida. benefícios de saúde adicionais podem ser obtidos através de maiores quantidades de atividade física. É provável que poderão obter um maior benefício as pessoas que conseguirem manter um esquema regular de atividade que seja de maior duração ou de intensidade mais vigorosa. Alguma atividade física é melhor que nenhuma, e uma maior quantidade (até certo ponto) é melhor que uma menor quantidade.” Esses dados apenas comprovam as relações positivas existentes entre a saúde, aptidãofísica e atividade física/exercício físico presente no contexto sociocultural do homem e damulher desde os primórdios das sociedades, relações estas que por certo período da históriaesteve adormecida, porém emerge na tal contemporaneidade garantindo firmemente a ideiaque a manutenção de uma vida ativa fisicamente é algo necessário e conveniente à vida detodas as pessoas. 3.2 Possíveis relações entre a atividade física, aptidão física e saúde. De acordo com Pitanga (2004), apoiado nos questionamentos de (Bouchard, 1995), orelacionamento entre atividade física, aptidão física e saúde é bem documentado através deuma ampla série de estudos transversais e longitudinais, onde se observa que maiores níveisde atividade física melhoram a aptidão física relacionada à saúde e têm importante efeitopositivo sobre o bem-estar geral, morbidade e mortalidade. O mesmo autor ainda relata que, os níveis de atividade física, aptidão física e outrasvariáveis modificáveis no estilo de vida podem influenciar no risco de doenças crônicas emorte prematura. Loch e colaboradores (2006) também informam que todos estes trabalhossimplesmente confirmam a antiga suposição de que as pessoas com melhores níveis deatividade física e/ou aptidão física, apresentam menor incidência de certas doenças, demortalidade por todas as causas e por algumas causas específicas, que seus pares menos ativosou com menor nível de aptidão física. 20
  • 21. 3.3 Capoeiras x Aptidão física relacionada à saúde, uma nova identidade. Portanto, na tentativa de elucidar a problemática, a qual enfatizou as possíveisinfluências da capoeira sobre a aptidão física relacionada à saúde, a presente proposta depesquisa encontrou em Sérgio Augusto de Sousa e Amaurí Bássoli (2001), aspectosrelevantes associados à experiência da prática da capoeira, como equilíbrio, lateralidade,força, potência, resistência e flexibilidade sendo esta última extremamente necessária paraevitar as denominadas lombalgias. Segundo os autores uma série de relações com as valências relatadas podem serestabelecidas, por exemplo, a força (potência e resistência) é proporcionada aos praticantesnas atividades voltadas ao condicionamento físico como: os circuitos de exercícios mesclandoatividades aeróbicas e de força e nos movimentos técnicos e táticos da arte os quais envolve odesenvolvimento do jogo da capoeira nos treinos e na roda, local onde os capoeiristasdemonstram com presteza e alegria seus dotes físicos e artísticos. Em uma experiência prática foi possível observar que até mesmo a ginga, ou seja, omovimento realizado para se movimentar nas rodas de capoeira é concretizado em diversasintensidades, tanto pode ser executada de maneira leve, moderada ou intensa de acordo com amusicalidade própria nas rodas de capoeira. A flexibilidade, outro componente importante à aptidão física relacionada à saúde, éenfatizado de forma sublime nas atividades propostas nas aulas de capoeira, podendo serevidenciada pelas aulas de flexionamentoalongamento visando promover a amplitudearticular dos capoeiristas. A resistência muscular é também muito presente nas aulas de capoeira, podendo serexemplificado com os exercícios de flexão e extensão da musculatura do abdômen, talcaracterística é comum tanto nos exercícios planejados para cada aula, quanto nosmovimentos propriamente ditos da arte, para efeito de análise, gostaria de citar o movimentoconhecido entre os capoeiristas de “macaco souto” onde o praticante colocando as mãosapoiadas no chão realiza um movimento de encurtamento do abdômen, e levantando osmembros inferiores, sustenta todo corpo apenas com as mãos por um determinado momento eretornando a posição inicial distende o abdômen abaixando os membros inferiores, diga-se depassagem, é um movimento que envolve um grande emprego de força e resistência namusculatura do abdômen e nos membros superiores para sustentar toda massa corporal apenascom as mãos apoiadas no chão. 21
  • 22. Logo, a capoeira, hipoteticamente pode ser reconhecida como uma alternativa ricapara o desenvolvimento das estruturas corporais e possivelmente nas variáveis relacionadas àaptidão física relacionada à saúde “pois na execução das atividades, os movimentos sãoexecutados usando praticamente todas as partes do corpo.” (SOUZA; OLIVEIRA 2001 p. 43-50). Outras características funcionais motoras também podem ser atribuídas à experiênciacom a arte, exemplo, a lateralidade algo muito presente nos movimentos de capoeira, bemcomo o equilíbrio. Segundo Manoel Gomes Tobino (1984) o equilíbrio é classificado emestático, dinâmico e recuperado. Tobino (1984) afirma que o equilíbrio estático refere-se àhabilidade de manter o equilíbrio enquanto parado, na capoeira é possível ser estimulado nasparadas de mão e outros movimentos técnicos. O mesmo autor diz que o equilíbrio dinâmico éa habilidade de manter o equilíbrio em movimento, nos movimentos de capoeira podemosevidenciá-lo quando há deslocamentos em posições invertidas e em muitos outros pertinentesà arte. De acordo com Tobino (1984) O equilíbrio recuperado é evidenciado em posiçõesinvertidas, combinações de movimentos em um, dois ou três apoios e golpes giratórios, fatotambém presente nos movimentos de capoeira. A orientação espaço-temporal, embora não seja uma variável considerada nestetrabalho, segundo Souza e Oliveira (2001), é uma característica relevante no desenvolvimentoda autonomia das pessoas e, é possibilitada nos movimentos da capoeira na medida em que asaulas são ministradas em salas retangulares e nos diversos espaços urbanos como nos camposde futebol, nos areais, vide a Lagoa do Abaeté, nas academias de musculação e dentre outrosespaços com leves aclives ou declives. Os mesmos autores ressaltam que outro aspecto influente para o desenvolvimento deuma boa capacidade funcional motora atribuído à capoeira é que os movimentos sãoexecutados em todos os planos do corpo humano: sagital, frontal, horizontal, e em todas asdireções: para frente, para trás, para os lados, diagonal, em círculo, em parábola, com corporente ao solo ou solto no ar. A coordenação motora é outra qualidade física que pode serdesenvolvida com todo este leque de possibilidades. Este componente é trabalhado desde omovimento básico e fundamental da capoeira que é a ginga, até aos demais movimentos esuas combinações. Com base nas constatações referidas gostaria de lembrar aqui o projeto Capoterapiarealizado em Ceilândia e Taguatinga (DF) idealizado pelo Mestre Gilvan, o qual tem comofoco a capoeira para pessoas da terceira idade, no entanto, se constitui como uma importante 22
  • 23. referência, no que diz respeito, a capoeira e as suas possíveis relações com à aptidão físicarelacionada à saúde. O projeto: [...] tem o objetivo de adaptar a capoeira para pessoas da terceira idade, proporcionando uma terapia revitalizante e socializante, superando as limitações físicas e bloqueio emocional advindo da baixa estima e da desarmonia com a natureza. Bem como uma terapia alternativa a qual pode contribuir na prevenção das doenças cardiovasculares, locomotora e psicológica. Devido à capoeira ser uma práxis social, cultural, educativa e desportiva, de grande mobilização e êxito comprovado pelo projeto, a CAPOTERAPIA visa oferecer melhor qualidade de vida aos seus adeptos, criando hábitos saudáveis de atividade física, alimentação, higiene e lazer. 2 Desta forma, compartilhando as perspectivas do projeto Capoterapia, a presenteproposta de pesquisa objetivou contribuir com possíveis informações no que tange à melhoriada aptidão física relacionada à saúde proporcionada pela prática da capoeira. Isto envolvefomentar hábitos de vida mais saudáveis em todas as fazes da vida. Enfim, o que se buscou neste trabalho, foi avaliar em praticantes de capoeira do sexomasculino, com idade entre dezoito e quarenta anos o perfil de componentes morfofuncionaisda aptidão física relacionada à saúde, tomando como base a avaliação da composiçãocorporal, a resistência muscular localizada e a flexibilidade. Acredita-se que a experiência da prática da capoeira possua um arcabouçosignificativo para a efetivação dos diversos componentes que compõe a aptidão físicarelacionada à saúde em níveis adequados que poderia ajudar na promoção da saúde dospraticantes, na efetiva função do indivíduo na sociedade, sem excessiva fadiga e com reservade energia para desfrutar o tempo livre o que se considera como uma vida com qualidade.2 Projeto Capoterapia disponível em <http://www.ladainha.org.com.br>. Acesso em 10 out. 2008 23
  • 24. 4 METODOLOGIA 4.1. Características Gerais do Universo de pesquisa. A presente proposta de pesquisa teve como universo os praticantes de capoeira, de trêsgrupos, (Meninos da Bahia, Mangangá e Diamante Negro) situados em dois bairros, CasteloBranco e Dom Avelar, da periferia da cidade do Salvador-BA. O número de pessoas pertencentes aos grupos, não foi possível constatar ao certo, poisexistem várias ramificações dos grupos por toda a cidade do Salvador-BA e também emalgumas das regiões metropolitanas, porém as ramificações que participaram do trabalho eramcompostas de aproximadamente quarenta pessoas as quais foram selecionadas considerando oacesso e a disponibilidade dos capoeiristas em participar da pesquisa. Observou-se que os grupos que participaram do trabalho, na sua totalidade, sãoformados por pessoas de diversas faixas etárias e ambos os sexos, porém foram incluídos napesquisa apenas os praticantes do sexo masculino, com idade entre dezoito e quarenta anos, osquais já praticavam a capoeira pelo menos há três meses ininterruptos com regularidademínima de duas vezes por semana. O motivo para participação apenas do sexo masculino se deu em decorrência damaioria masculina nas aulas, pelo menos nos grupos pesquisados. As pessoas do sexofeminino eram crianças e/ou jovens com menos de quinze anos, sendo que o trabalho tinhacomo parâmetro pessoas de maior idade. Fato que inviabilizou a participação feminina napesquisa. Fizeram parte do trabalho dezessete pessoas do sexo masculino, na Tabela 1 é possívelobservar as médias e o desvio padrão dos referenciais antropométricas de estatura e massacorporal, bem como a idade desta amostra.Tabela 1. Idade, Estatura e Massa corpórea da amostra. Idade Estatura MassaMédia 26.7 172.5 72.4DP 6.2 11.1 10.2Mínimo 18 157 50Máximo 40 191 90Escores 17 17 17 24
  • 25. É importante salientar que todos os participantes do trabalho foram informados sobreos objetivos da pesquisa e os procedimentos adotados para sua realização, bem como docaráter voluntário de participação. Assim, todos que aceitaram participar da pesquisaassinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, obedecendo às normas pararealização de pesquisa em seres humanos. A coleta dos dados foi realizada no momento das aulas as quais ocorriam das 19hs às21hs, utilizou-se o mesmo espaço físico onde as aulas de capoeira eram ministradas paracoletar os dados. 4.2. Métodos, Técnicas e Instrumentos para coleta e análise dos dados. Como método utilizado para o desenvolvimento desta pesquisa foi adotado, a pesquisaquantitativa. A pesquisa quantitativa se caracteriza basicamente por ser um método depesquisa social que utiliza técnicas estatísticas na sistematização das análises. De acordo comValente (2003), a Pesquisa Quantitativa se aplica quando se quer descobrir quantas pessoas deuma determinada população compartilham uma característica ou um grupo de características.Este método, segundo o Instituto Ethos de Pesquisa (2002) é especialmente projetado paragerar medidas precisas e confiáveis que permitam uma análise estatística, a qual normalmenteapresenta os dados em percentuais. Optou-se pela utilização deste método pela crença que a análise de dados quantitativose dos cruzamentos entre as diversas informações coletadas possibilitariam ao pesquisador tirarconclusões que não poderiam ser ministradas sem o levantamento e o cruzamento deinformações quantitativas as quais serviriam de suporte na produção de inferênciasqualitativas. A técnica de coleta de dados utilizada na pesquisa teve como pressuposto um estudoem corte transversal. Este tipo de estudos é apropriado para descrever características daspopulações no que diz respeito a determinadas variáveis e os seus padrões de distribuição,uma característica marcante nesta técnica é que todas as medições são feitas num único"momento", não existindo período de seguimento dos indivíduos. Como instrumento para o levantamento das informações foi utilizado um documento oqual foi preenchido no contato com os capoeiristas, contendo os testes de flexibilidade noBanco de Wells (banco de sentar e alcançar) e resistência muscular localizada (abdominal em1 minuto); bem como as medidas antropométricas de massa e estatura corporal as quais 25
  • 26. possibilitaram o cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC). Também foi utilizada umaentrevista semi-estruturada, com os mestres e professores dos grupos de capoeira em questão,a qual tinha como base questões sobre a relação da prática da capoeira com o objetivo traçadopara a elucidação da problemática que deu origem a este trabalho. De acordo com Moreira(2002, p.55) na entrevista semi-estruturada: “O entrevistador pergunta algumas questões em uma ordem pré – determinada, mas dentro de cada questão é relativamente grande a liberdade do entrevistado. Além disso, outras questões podem ser levantadas, dependendo das respostas dos entrevistados, ou seja, podem existir questões suplementares sempre que algo de interessante e não previsto na lista original de questões aparecerem.” Os dados referentes á pesquisa foram tabulados e analisados a partir do ProgramaExcel para Windows. 4.3. Procedimentos Metodológicos. Após a estruturação do projeto com a problemática estabelecida, buscou-se o contatocom as possíveis academias de capoeira as quais se dispunham a participar do trabalho. Seteve como critério a disponibilidade dos capoeiristas, a localização das academias e a relaçãosocial bem estabelecida do pesquisador com os referidos grupos, os quais se encontravam emdois bairros, Castelo Branco e Dom Avelar, da periferia da cidade do Salvador-BA,relativamente próximos um do outro. Com os contatos estabelecidos, o primeiro passo foi a informação sobre os dias e oshorários que aconteciam as atividades as quais estavam entre as segundas, terças, quintas,sextas feiras e aos domingos sempre à noite das 19h às 21h. As atividades desenvolvidas nasacademias envolviam exercícios de resistência muscular na sua maioria com a cadeia cinéticafechada, como apoio, abdominal dentre outros, exercícios de flexibilidade, equilíbrio estáticoe dinâmico e aeróbico, bem como os movimentos técnicos e táticos da capoeira. Geralmente a ordem das atividades era: um breve alongamento, atividades aeróbicas,exercícios de resistência muscular, flexibilidade (região lombar e inguinal) e os movimentostécnicos e táticos da capoeira. Foi possível observar também nas aulas atividades de toquesdos instrumentos e os cânticos utilizados nas rodas de capoeira. O trabalho foi realizado em uma academia por vez, sendo que cada uma recebeubasicamente três visitas, as quais aconteceram na seguinte ordem: no primeiro encontro/diaque as academias foram visitadas, era estabelecido o diálogo com os mestres e/ou professores 26
  • 27. de capoeira responsáveis pelas academias, explicando todo o trabalho a ser desenvolvido, osobjetivos da pesquisa, bem como a solicitação pelos mesmos para realização de umaentrevista, a qual aconteceria no segundo encontro, sobre a relação da capoeira e as possíveiscontribuições na aptidão física relacionada à saúde. Foi informado aos mestres e/ou professores também que todos aqueles participantesdo trabalho seriam agraciados com uma avaliação física, além do compromisso da divulgaçãodos resultados da pesquisa em todas as academias participantes da pesquisa e nos eventos decapoeira organizados por eles que fosse solicitado os comentários do trabalho. No segundo encontro, o tempo e espaço das aulas eram cedidos a uma breve palestracom os alunos das academias em foco, atividade que tinha como conteúdo as possíveiscontribuições positivas de uma vida ativa fisicamente, tanto do ponto de vistamorfofisiológico quanto psicossocial, além dos objetivos do trabalho, e como iria serdesenvolvido. Ainda nesta ocasião foi realizada a entrevista semi-estruturara, planejada desdeo primeiro encontro, com os mestres e/ou professores, a mesma possuía questões relacionadasà prática da capoeira e as possíveis influências sobre a aptidão física relacionada à saúde. O roteiro da entrevista continha questões as quais versavam sobre a relevância, seeram desenvolvidas e qual a metodologia para exercitar as variáveis de flexibilidade na regiãolombar e a resistência muscular localizada. A iniciativa foi importante para o fortalecimentoda hipótese de base deste trabalho, isso porque as respostas dos mestres e/ou professoresforam satisfatória com relação à hipótese, acrescentando, além das questões elaboradas arelação do equilíbrio estático e dinâmico e a percepção espaço temporal extremamentepresente nos movimentos técnicos da arte. No terceiro encontro/dia ocorreu à assinatura do Termo de Consentimento Livre eEsclarecido e os testes para mensurar a flexibilidade e a resistência muscular localizada, alémdas medidas antropométricas de estatura e massa corporal. O trabalho foi realizado com muitaalegria e satisfação, inclusive pelos mestres e professores que até mesmo idealizaram umacomitiva no dia da apresentação da pesquisa na Uneb campos II Alagoinhas, bem como outrosconvites para relatar para grupos maiores de pessoas sobre a importância da educação para aatividade física e os possíveis benefícios de uma vida ativa fisicamente. 4.4. Procedimento Metodológico utilizado na coleta dos dados. 27
  • 28. A coleta dos dados a qual ocorreu no terceiro dia de visita às academias nos meses desetembro e outubro de 2010, foi realizada através de uma bateria de testes para a avaliação daaptidão física relacionada à saúde, se considerou variáveis relacionadas aos componentesfuncionais motores e morfológico e aconteceu na seguinte ordem: a mensuração da massacorporal e estatura que possibilitou os valores do Índice de massa corporal (IMC), medidas deflexibilidade de troco (teste de sentar e alcançar) e a resistência muscular localizada(abdominal em 1 minuto). É importante lembrar que estes acontecimentos ocorreramuniformente em todas as academias. Para determinação das medidas antropométricas propostas no trabalho foramutilizados os seguintes objetos: uma balança mecânica Camry (precisão de 1 kg) e umEstadiômetro Starrett de plástico com fita metálica flexível (em centímetros), tais medidaspossibilitaram o cálculo do índice de massa corporal (IMC). Tanto as medidasantropométricas, quanto os testes foram realizados nos espaços físicos destinados às aulas decapoeira os quais variavam de acordo com as academias. A bateria de teste teve início com as medidas antropométricas de estatura e massacorporal para o cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC) que teve como referência paraclassificação dos resultados a tabela proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ecitada por Pitanga (2008), o qual relata ser o valor de 25 Kg/m² como limite máximo paranormalidade. Na sequência foram feitas as avaliações da flexibilidade a qual foi realizado em umbanco de sentar e alcançar com 30 centímetros de altura por 60 de comprimento. O teste foiefetivado em três tentativas sendo considerado o melhor resultado. Como parâmetro declassificação para análise desta variável, considerou-se as normas para teste de sentar ealcançar masculino proposta pelo Colégio Americano de Medicina Esportiva (ACSM 2000). Posteriormente, realizou-se o teste de resistência muscular localizada (Abdominal em1 minuto), utilizando 1 cronômetro Motorola e 1 colchonete. Considerou-se para classificaçãodo teste a tabela, para homem, proposta por Pollock, Wilmore e Fox (1994), tambémreferenciada por Pitanga (2008 p. 188). Vale ressaltar que cada capoeirista foi avaliado individualmente com o máximo deatenção possível é válido relatar também, que todos os testes foram ensinados e testadospreviamente com os avaliados. 28
  • 29. 5 RESULTADOS E DISCUSSÕES A Tabela 2 apresenta os dados descritivos de média e desvio padrão dos componentesda aptidão física relacionada à saúde, IMC, Flexibilidade e Força Abdominal, delimitadospara caracterizar o perfil morfofuncional dos capoeiristas participantes do trabalho.Tabela 2. Perfil morfofuncional da amostra IMC Flexibilidade AbdominaisMédia 24 29.5 46.5DP 3.8 6.5 12.8Mínimo 17 16 27Máximo 30 40 80Escores 17 17 17 É possível constatar com relação ao IMC que a média e o desvio padrão do grupo foide 24 kg/m² e + 3.8 respectivamente. Na Flexibilidade a média foi de 29.5 cm, com o umdesvio padrão de + 6.5 cm e na resistência força Abdominal a média foi de 46.5 abdominaisem um minuto com um desvio padrão de + 12.8 abdominais em um minuto. 5.1 Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Morfológica, Índicede Massa Corporal (IMC). O gráfico 1 expõe os dados descritivos do índice de Massa Corporal (IMC) doscapoeiristas que compuseram a amostra. Na comparação dos valores obtidos com as tabelasde referência, observou-se, que 23,5% dos avaliados com uma média de 18, 25 kg/m², ficaramabaixo do peso recomendado, 23,5%, com uma média de 23 kg/m² ficaram dentro da faixa depeso considerada recomendável e 53% com uma média de 27 kg/m² foram classificados comsobrepeso. Em relação à obesidade não foi encontrado nenhum caso, sendo que, a média totaldo grupo na variável em questão foi de 24 kg/m² e o desvio padrão + 3.8, dado que pode sertambém consultado na Tabela 2 onde se encontram os dados de média e desvio padrão detodos os componentes da aptidão física relacionada à saúde avaliados neste trabalho. 29
  • 30. Gráfico 1. Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Morfológica Obesidade 0% IMC Baixo peso 23,5% Baixo peso Normal Sobrepeso Normal Obesidade Sobrepeso 53% 23,5% Com base na análise dos dados descritivos contidos no gráfico 1, foi possível constatarcom relação ao IMC da amostra que a maior parte dos capoeiristas, cerca de 53%, foramclassificados com sobrepeso. O relacionamento entre sobrepeso e o início de doenças cardiovasculares,particularmente doenças cardíacas coronarianas, tem sido extensivamente investigado emdiversos estudos, mas a evidência de uma potente e consistente associação não está clara,porém a literatura aponta que a atual condição da maioria dos capoeiristas avaliados, pode teruma relevante associação com doenças hipocinéticas. Resultados similares aos encontrados na presente pesquisa também fizeram parte dosestudos realizados por Maia e colaboradores (2010), ao avaliarem o efeito da prática dacapoeira sobre os parâmetros cardiovasculares e antropométricos de capoeiristas,comparando-os com o de indivíduos sedentários. Os autores demonstraram que os capoeiristas avaliados apresentaram valores médiosde IMC classificados como sobrepeso, sendo até mesmo, maiores que os encontrados entre ossedentários. Segundo eles, tal fato não se caracterizou como excesso de peso, pois a partir daavaliação do percentual de gordura os capoeiristas avaliados pelo autor foram consideradosdentro da faixa de normalidade para a idade e sexo dos indivíduos estudados. A partir destas constatações tendo como base a média total do IMC dos capoeiristasavaliados no presente trabalho a qual foi de 24 kg/m², e a média dos 53% classificados comsobrepeso a qual foi de 27 kg/m², é possível inferir que os valores de sobrepeso encontradosna amostra estudada na presente pesquisa estejam associados muito mais com um elevado 30
  • 31. nível de massa magra que propriamente com excesso de gordura corporal. Isso porque oÍndice de Massa Corporal é uma variável eficaz quando se pensa na avaliação de populaçõessedentárias, porém, como relata a literatura, em populações atléticas à grande massa muscularpode ser confundida com excesso de gordura e, em detrimento disso, a maior parte doscapoeiristas avaliados neste trabalho, serem classificados com sobrepeso, muito mais pelalimitação do indicador para populações ativas fisicamente, que propriamente por excesso degordura corporal. O exemplo clássico desta afirmativa se configura nos estudos de Eaton ecolaboradores (1995), referenciado por Pitanga (2004), onde foram avaliadas pessoassedentárias, moderada e com alta atividade física e ficou evidenciado que não ouve diferençanos valores de IMC entre os indivíduos. Em outro trabalho realizado por Loch e colaboradores (2006), ao estudarem o perfil daaptidão física relacionada à saúde de 438 (249 homens e 189 mulheres) universitários, namesma faixa etária do grupo de capoeiristas avaliados no presente trabalho, os quaisfrequentavam as aulas de Educação Física Curricular (EFC), da Universidade Federal deSanta Catarina, constatou que os homens apresentaram maior proporção de excesso de pesoque as mulheres, sendo esta diferença estatisticamente significativa. Portanto acredita-se que os valores de sobrepeso encontrados entre os capoeiristassejam em função da grande massa muscular dos mesmos e não propriamente por excesso degordura corporal. Com relação aos valores de 23,5% e 23,5% para os capoeiristas que ficaram abaixo dopeso recomendado e na faixa de normalidade para idade e sexo dos indivíduos estudados,respectivamente, se pode inferir a partir das considerações de Maia e colaboradores (2010),que a prática da capoeira exerce influências significativas sobre o (IMC). Segundo Nahas (2003), uma prevalência de baixo peso entre 5% e 10% caracterizabaixa exposição à desnutrição. Os valores de baixo peso encontrados neste estudo podemestar muito mais associados à constituição física das pessoas do que propriamente à falta dedisponibilidade ou ingesta inadequada de alimentos. Tais fatos também podem ser relacionados com os diversos estudos os quaisdemonstram efeitos do treinamento aeróbico e também do treinamento de força na redução damassa corporal total, diminuição da massa gorda e da gordura corporal relativa, bem como namanutenção ou aumento da massa isenta de gordura. 31
  • 32. Isso porque a capoeira com seu “leque” de possibilidades tanto nos movimentostécnicos da arte quanto nos exercícios planejados para cada aula, como se faz referência nahipótese deste trabalho, envolve atividades com características aeróbicas e de força, além dasatividades de alongamento/flexionamento, inclusive, de acordo com Nahas e colaboradores(2006), em um estudo, realizado com homens obesos, demonstrou-se que o grupo praticantede exercício apresentou redução de massa corporal, relacionada com significativa diminuiçãona massa gorda, mas não na massa isenta de gordura. Esses argumentos são reforçados com as constatações de McArdle (2008), o qualdialoga que um programa combinado de treinamento aeróbico e treinamento de resistênciaaumenta a força muscular e a potência aeróbica, reduz a gordura corporal e eleva a taxametabólica basal. Desta forma, com base nas análises dos dados se pode inferir que no componentemorfológico da aptidão física relacionada à saúde, Índice de Massa Corporal (IMC), a práticada capoeira proporcionou influências positivas. 5.2 Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Funcional Motora,Flexibilidade. Na variável flexibilidade de tronco foi possível constar, a partir da análise do gráfico2, com uma média de 29.5 centímetros (tabela 2), que 16% da amostra ficou com odesempenho muito alto, 28% alto, 18% regular, 27% fraco e 11% muito fraco. Em uma breveanálise dos referidos resultados é possível observar que 38% dos capoeiristas avaliados foramconsiderados com valores inadequados à saúde, porém a maior parcela dos avaliados, ou seja,62% se apresentaram com valores considerados como importante para obtenção de umamelhor condição de saúde. 32
  • 33. Gráfico 2.Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Funcional Motora Flexibilidade Muito Alta 16% Muito fraco 11% Muito fraco Alta 28% Fraco Regular Alta Fraco Muito Alta 27% Regular 18% Os valores de 38% dos capoeiristas classificados como inaptos para uma melhorcondição de saúde sugerem, de forma geral, que embora a capoeira possua relevantes opçõesde atividades para exercitar as variáveis da aptidão física relacionada à saúde, se faznecessário um maior esclarecimento por parte dos capoeiristas, sobre a importância de níveisadequados à saúde dos componentes da aptidão física, afim de que as atividades as quaisestejam relacionadas com os tais componentes sejam priorizadas nas aulas. No entanto, deve ser considerado, que mesmo com um direcionamento específico nasaulas para melhorar esta variável, dificilmente iria ser obtido valores desejáveis em toda aamostra, devido ao fato das predisposições genéticas de cada indivíduo. Segundo Guedes(1997) apud Araújo e Batista (2008), esta questão não se deve perder de vista nesta relação,pois as influências decorrentes dos fatores genéticos, patológicos, culturais e a composiçãocorporal dos indivíduos, são fatores significativos e podem exercer influências aparentementenegativas sobre a variável flexibilidade. E, o fato de ser um corte transversal nos impossibilitade verificar se estes indivíduos que estão abaixo, não obtiveram melhorias com a prática dacapoeira. Obviamente que na tentativa de estabelecer uma consonância ótima entre a prática dacapoeira e padrões adequados para uma melhor condição de saúde se configura as referidasinferências, contudo a partir dos resultados apresentados por Loch e colaboradores (2006), oqual revelou que na variável flexibilidade ouve uma significativa deficiência entre osuniversitários avaliados, (47% da amostra para os homens e 57% para as mulheres), sendo 33
  • 34. classificados com valores de flexibilidade irrelevantes à saúde, mesmo com os estudantesavaliados sendo participantes da disciplina Educação Física Curricular é possível observar quea pratica da capoeira resulta em melhorias sobre a variável, diferentemente das aulas deeducação física. Certamente, ressalta os autores, que o papel da disciplina não é contribuir diretamentepara melhoria da aptidão física dos estudantes, porém dar subsídios para os mesmos semanterem ativos, um verdadeiro desafio o qual deve ser assunto de pauta na agenda dadenominada contemporaneidade. De acordo com Brito e colaboradores (2006), esta relação entre capoeira eflexibilidade é algo muito bem estabelecido. Os autores relatam que em uma amostra de 39capoeiristas, iniciantes, cerca de 51% estava com os níveis de flexibilidade entre abaixo damédia e ruim, no entanto, os mesmos autores dialogam que o tempo de prática com a artedeste grupo, foi o principal motivo que influenciou os referidos resultados, sendo que arealidade têm grande possibilidade de ser revertido se a amostra continuar adotando acapoeira como opção para se manterem ativos fisicamente por um período de tempo maislongo. Os presentes argumentos são ratificados com base nas informações difundidas pordiversos autores os quais concordam piamente que uma vida ativa fisicamente é repleta deinfluências positiva a nível morfofisiológico, funcional motor e comportamental. Comoexemplo clássico Barbante (2001), relata que uma vida ativa fisicamente aumenta a extensãodos movimentos e, por outro lado, diminui a resistência oferecida pelos músculosantagonistas. Nesta perspectiva, no que tange aos 62% da amostra classificada com valores deflexibilidade adequados para uma melhor condição de saúde em contraponto aos 38%considerados como insipientes para o mesmo fim, é possível constatar que de fato, a práticaefetiva da capoeira se caracteriza como uma metodologia eficiente para garantir influênciaspositivas nos níveis de flexibilidade dos praticantes. Os presentes resultados corroboram com as informações difundidas por Silva eOliveira (2001) os quais associam características funcionais motoras necessárias à saúdeassociadas a uma convivência ativa com a arte. Dialogando na mesma perspectiva Signoreti eParolina (2009), relata que a capoeira com a sua riqueza de movimentos caracteriza-seprincipalmente pelos desequilíbrios os quais geram alterações de flexibilidade, força,equilíbrio e coordenação motora. 34
  • 35. Resultados similares aos referenciados no presente trabalho foram encontrados porSilva e colaboradoras (2008), ao analisarem a flexibilidade e a postura em atletas de ginásticarítmica, os resultados encontrados pelas autoras revelaram que o grau de amplitude demovimento, flexibilidade, se caracterizou acima do padrão populacional. Costa e colaboradores (2007), em uma amostra composta por 10 mulheres acima de 50anos, as quais participaram de um programa de treinamento com o método pilates, tambémencontrou resultados satisfatórios ao comprovar que ouve aumentos estatisticamentesignificativos de flexibilidade do quadril após 12 semanas de treino. Mais recentemente, Teixeira e colaboradores (2009), ao estudarem 10 pessoas deambos os sexos com idade entre 20-29 anos, pertencentes ao espaço terapêutico Shankara domunicípio de Tubarão/SC, os quais praticavam yoga 2 vezes por semana, observaramassociação significativa entre a prática da yoga e a flexibilidade. Tais achados evidenciados na capoeira e nestas modalidades de atividades físicas/exercícios físicos, segundo Silva e colaboradoras (2008), estão associadas com os efeitoscrônicos nos sistemas proprioceptivos dinâmicos das articulações e dos tecidos molescircundantes (músculos, tecidos conectivos e pele) os quais sofrem uma significativaelasticidade muscular e amplitude articular adquirida pelo estresse das atividades vivenciadasnos movimentos técnicos e nos exercícios específicos propostos na capoeira para promoçãoda flexibilidade. Foi possível perceber, nas experiências vividas com os capoeiristas na construçãodeste trabalho, que a flexibilidade é uma valência completamente necessária na capoeira paraobter melhor mobilidade, destreza e beleza na execução dos movimentos técnicos e táticos daarte, na roda da capoeira e na hora de se defender de um oponente, tanto na roda da capoeira,quanto em um possível acontecimento de ameaça à vida no universo que engloba as pessoasem sociedade. Estas constatações são seguramente garantidas por Dantas e Soares (2007), os quaisdialogam que é complicado o desenvolvimento de um desempenho adequado nas atividadesesportivas, na análise em questão a capoeira, sem se usar de um bom nível de flexibilidadenos segmentos musculares e articulares empenhados. Buscando transpor a visão puramente esportiva e construindo um paralelo com ascontribuições da capoeira à saúde das pessoas com base nos resultados encontrados com oscapoeiristas avaliados nesta pesquisa, Dantas (1998) e Araújo (1987) concordam que aflexibilidade é necessária para a perfeita execução nas atividades físicas/exercício físico, pois 35
  • 36. melhores níveis de flexibilidade minimizam o risco de provocar lesões, além de ser essencialpara o desenvolvimento de atividades da vida diária, pois proporciona ao individuomovimentos mais harmônicos, maior liberdade dos mesmos nas ações cotidianas, auxilia naprevenção de determinadas doenças e mantêm a interdependência funcional. Logo, os presentes resultados nos levam a crer que a prática ativa da capoeira emproporções adequadas, se caracterizou como uma rica alternativa na tentativa de buscarmelhores níveis de flexibilidade, consequentemente uma melhor condição de saúde epossivelmente uma vida com mais qualidade. 5.3 Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Funcional Motora,Resistência/força abdominal em 1 minuto. De acordo com os resultados apresentados na tabela 2, bem como no gráfico 3respectivamente, no que tange a variável resistência/força muscular (força abdominal), nota-se que, com uma média de 46.6 abdominais por minuto, 45% dos capoeiristas avaliados foramconsiderada com um desempenho excelente, 11% bom, 40% médio, e apenas 4% fraco.Gráfico 3. Capoeira e Aptidão Física relacionada à saúde variável Funcional Motora Regular 0% Abdominal Fraco 4% Excelente Bom Médio Excelente Regular Médio 45% 40% Fraco Bom 11% Buscando estabelecer as possíveis relações com os presentes resultados observa-se queuma relevante parcela dos capoeiristas avaliados, ou seja, 96%, tendo como referência os 36
  • 37. padrões adequados para uma boa saúde, obtiveram resultados satisfatórios com relação àresistência/força abdominal. De acordo com Matos e Silva (2010), os presentes fatos compreendem a uma série debenefícios, funcionais motores associados a um convívio de relações intimas com a arte, aqual solicita enfaticamente a utilização de habilidades como a força/resistência muscular nosdiversos grupos musculares na execução de seus movimentos técnicos e táticos. As referidas constatações informadas pelos autores têm como arcabouço os resultadosadquiridos a partir de uma amostra de 28 jovens, meninos e meninas, em idade escolar, osquais foram subdivididos em praticantes, (50%) e não praticantes (50%) de capoeira, onde seobservou que os capoeiristas demonstraram maior desempenho na resistência/forçaabdominal, bem como em outras variáveis da aptidão física relacionada à saúde quandocomparados aos não praticantes. Cobra (2005), ao analisar a prática pelo viés da saúde ratifica as seguintes informaçõesgarantindo que a prática da capoeira também é particularmente privilegiada por se adequar aonível de intensidade e exigência, conforme as condições específicas de cada indivíduo,independente do seu preparo físico, orgânico ou muscular. Resultados similares os quais se demonstraram satisfatórios quando comparados àsconstatações encontradas no presente trabalho e as enfatizadas por Matos e Silva (2010),também foram observados por Conte e colaboradores (2008), ao estudarem o nível deatividade física como estimador da aptidão física de estudantes universitários recém-ingressosao curso de Medicina na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em 2008. Em umtotal de 290 pessoas, distribuídas em 146 masculinos e 144 do sexo feminino, constatou-seque a capacidade/aptidão física dos avaliados considerados como ativos eramsignificantemente superiores às dos diagnosticados como sedentários. Os presentes achados quando se pensa nas limitações funcionais e as incapacidadesque podem ser desenvolvidas em detrimento da falta de estímulo desta variável ao longo davida são imprescindíveis, isso porque a literatura aponta que níveis adequados deforça/resistência muscular são necessários para um bom funcionamento musculoesquelético,além de contribuir para preservação da musculatura e das articulações, sendo que, os baixosníveis de força/resistência muscular têm um impacto negativo relevante imaginando uma vidasocialmente ativa, com satisfação e prazer de viver em todas as fazes. As seguintes transformações na resistência/força muscular observada nos capoeiristasparticipantes deste trabalho, segundo McArdle (2008), é um acontecimento concreto e tem 37
  • 38. uma explicação. De acordo com o autor, o aprimoramento da força associa as adaptações emdois fatores principais: a fibra muscular e a própria couraça de tecido conjuntivo, assim comoa organização neural e a excitabilidades das unidades motoras que acionam padrõesespecíficos de movimentos voluntários, fato que, está diretamente relacionado como nível detensão aplicado ao músculo o qual em geral governa os aprimoramentos da força/ resistênciaindependentemente do tipo de exercício que se aplica a sobrecarga. Tais afirmações, as quais dialogam positivamente com os referidos resultadospuderam ser evidenciadas com as experiências vivenciadas nas aulas as quais foramacompanhadas na coleta dos dados do presente trabalho, onde se observou que a variável emquestão tem uma influência direta à incorporação da técnica e da tática que envolve a artepropriamente dita. Como exemplo, na execução dos saltos acrobáticos, um movimento muito comumentre os capoeiristas e nas modalidades de ginástica de solo, o recrutamento dos músculosestabilizadores, tanto para impulsionar o corpo do solo para o ar, como para realizar o girolonge do solo sem o auxílio dos membros superiores, se faz necessário uma significativaforça/resistência abdominal e dos membros inferiores. Além disso, nos programas de exercício desenvolvidos para melhorar ocondicionamento físico dos praticantes a fim de possibilitá-los a condição adequada parajogar capoeira, a força/ resistência muscular também é amplamente estimulada com exercíciosde força/ resistência específicos para o fortalecimento da musculatura abdominal, exercíciosresistidos, na grande maioria, com cadeia cinética fechada e trabalhos pliométricos. Concomitantemente com as referidas observações Matos e Silva (2010), trás à luz quea prática da capoeira possibilita ao indivíduo a capacidade de desenvolver aptidões físicas degrande importância à vida do ser humano em todas as fazes, sendo que a resistência/forçamuscular é uma das valências engajada neste contexto. Cobra (2005) corrobora dialogandoque sua prática está aliada a movimentos de força, coordenação, destreza e equilíbrio, além deexigir dos praticantes a participação dos grandes músculos do corpo em praticamente todos osseus movimentos. Essas informações ganham ênfase com a realização e participação dos capoeiristas nosgrandes eventos como os batizados que envolvem entre 48 e 72 horas de plena atividade, aqual impõe aos mesmos um condicionamento físico minimante adequando, fato que associadocom os presentes resultados nos levam a concretizar que o aprimoramento da força/resistência 38
  • 39. muscular com a prática da capoeira é uma realidade e possivelmente justifiquem os presentese animadores achados. Uma situação contraditória foi encontrada em um grupo de universitários, na mesmafaixa etária dos capoeiristas, avaliados por Corseuil e Petroski (2010), isso porque seconstatou prevalência de baixa aptidão física relacionada á saúde, e consequentemente daresistência/força abdominal, e para efeito de análise, a principal conclusão relatada pelosautores foi à necessidade de se adotar estratégias que visem à promoção da saúde no campusuniversitário e para além do referido discurso, entre todas as pessoas compreendendo aeducação como peça fundamental nesta relação. Nos estudo realizado por Loch e colaboradores (2006), também com uma amostra deuniversitários, já citado anteriormente, foi claramente evidenciado que a questão da saúdeentre os alunos necessita ser veementemente debatida e com utilização de convincentesargumentos, isso porque os baixos níveis de resistência força/abdominal e de outroscomponentes da aptidão física relacionada à saúde caracterizou a identidade do grupo. Silva e Oliveira (2008) ao estudarem 38 praticantes de capoeira da terceira idadeparticipantes do projeto Capoterapia em Brasília/DF encontrou melhoras significativas, emnível de saúde, na força/resistência muscular e na massa muscular dos participantes doprojeto, beneficências estas que segundo os autores teve forte impacto no aumento dacapacidade da função motora, na perda de peso e possivelmente na diminuição do risco dedoença cardiovascular. Resultados similares também foram encontrados por Pedreira e Martins (2009) aocompararem dois grupos de pessoas, 20 praticantes de capoeira há 12 anos e 20 nãopraticantes da arte, observaram que a capoeira teve uma significativa contribuição nosmelhores níveis de condicionamento físico dos praticantes, pois uma característica marcanteda arte é aumentar a atividade muscular que, por conseguinte, vai refletir na ampliação dosníveis de força/resistência muscular dos mesmos. Portanto, a partir das referidas constatações, bem como os resultados encontrados nopresente trabalho nos permite concretizar, mesmo não sendo o foco nas aulas de capoeira arelação entre aptidão física relacionada à saúde e a capoeira, que a capoeira só tem a acrescerna vida e saúde de quem a pratica e com seu repertório de possibilidades exerce umasignificativa influência na força/resistência abdominal dos seus praticantes. 39
  • 40. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Avaliar em praticantes de capoeira o perfil morfofuncional de componentes da aptidãofísica relacionada à saúde considerando variáveis funcionais motoras e morfológica foi apretensão inicial deste trabalho. A capoeira, enquanto manifestação esportiva, cultural afro-brasileira, repleta de significações histórico-sociais e ricas em movimentos se caracterizoucomo uma ferramenta efetiva para compor os programas de atividade física/exercício físico osquais visem à promoção da saúde. No que diz respeito ao componente morfológico constatou-se que a prática da capoeiragarantiu influências no Índice de Massa Corporal dos capoeiristas. Com relação à resistênciaforça/abdominal os resultados demonstraram a eficiência da arte na manutenção de padrões deforça e resistência abdominal os quais estejam condizentes com o que se preconiza para umamelhor condição de saúde. No que tange à flexibilidade se pôde observar que a maior parcela da amostra estevedentro dos padrões adequados para uma boa saúde, logo, inferi-se que a capoeira garanteinfluências positivas na flexibilidade. Acredita-se que é perfeitamente possível uma troca de saberes entre uma práticaoriginária da cultura popular a qual se tem demonstrado como uma verdadeira “mina” deconhecimento já explorado pelo meio acadêmico e ainda com um relevante potencial a serestudado, ampliar sua esfera de ação com a inserção das capacidades essenciais à aptidãofísica relacionada à saúde e suas respectivas variáveis de forma metodizada e didaticamentebem transmitidas nos programas de treinamentos dos capoeiristas, seja nos projetos enfocandoa saúde, nas escolas ou nos diversos grupos formados para a prática do ensino aprendizagemda capoeira, compreendendo a intima relação entre exercício físico, saúde e qualidade de vida. Logo, face às observações realizadas durante a elaboração deste estudo, conclui-se quea prática da capoeira, de fato, altera o perfil morfofuncional de componentes da aptidão físicarelacionada à saúde, mesmo considerando o possível desconhecimento por parte dos mestres eprofessores na associação da prática da capoeira com os componentes da aptidão físicarelacionada à saúde, ainda assim os benefícios ocorrem, mesmo que o foco principal das aulasnão seja este. Tendo em vista os dados preliminares apresentados e as limitações daquelesencontrados, sugerem-se novos estudos sobre a aptidão física relacionada à saúde emcapoeiristas englobando amostras mais representativas, incluindo também na avaliação dos 40
  • 41. componentes a capacidade cardiorrespiratória, bem como a relação da capoeira com aqualidade de vida dos praticantes. 41
  • 42. REFERÊNCIASALENCAR, Nelyse; DANTAS, Estélio. Avaliação da Percepção e do Conhecimento dosUsuários de uma unidade básica de saúde da família sobre Exercício Físico. 2007 Disponívelem< www.sanny.com.br/pdf_eventos_conaff/Artigo01.pdf> Acesso em : 27 nov. 2007.ARAÙJO, C.G.S. Existe relação entre flexibilidade e somatotipo? Uma nova metodologiapara um problema antigo. Revista Medicina do Esporte 1983, Disponível em <www.clinimex.com.br/.../Publication%20and%20abstracts%20list.> Acesso em 22 dez. 2010.ARAÚJO, David Marcos Emérito de; BATISTA, Larissa Santos. Estudo comparativo daflexibilidade de crianças pré-púberes de sexo e condições financeiras diferentes. Anais, 2008.Disponível em <http://www.ufpi.br/.> Acesso em 07 jan. de 2011.BRITO, David Leonardo Cavalcante; SILVA, Iransé Oliveira; SILVA, Rubens dos Santos.Nível de Flexibilidade em iniciantes de capoeira. Faculdade de Educação Física – LAFE -Anápolis, Goiás, Brasil. Disponível em <www.unievangelica.edu.br/gc/index.php?pag=noticia...> Acesso em 22 dez. 2010BANDARO, Ana Fátima Viero; SILVA, Aline Huber da; BECHE, Daniele. Flexibilidadeversus alongamento: esclarecendo as diferenças. Saúde, Santa Maria, vol 33, n 1: p 32-36,2007.CASTANHEIRA J., PEREIRA T., CONDE J. Adaptações Cardíacas em Atletas: EstudoComparativo. Departamento de Ciências Imagiológicas e Bio-Sinais, Sector deCardiopneumologia Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra, Portugal. 5ºCongresso de cardiologia pela Internet 2007. Disponível em<www.fac.org.ar/qcvc/llave/tl097p/tl097p.php> Acesso em 22 dez. 2010.CONTE, Marcelo; GOLCALVES, Aguinaldo; CHALITA, Liciana Vaz de Arruda Silveira;RAMALHO, Luiz Carlos de Barros. Nível de Atividade Física como Estimador da AptidãoFísica de Estudantes Universitários: Explorando a Adoção de Questionário Através de
  • 43. Modelagem Linear. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Vol. 14, n. 4 Julho/Agosto,2008.COSTA, Théo Abatipietro; RAMALHO, Lívia Alice; LOPES, Fernando; JUNIOR, Silva.Avaliação da Flexibilidade após aplicação dos exercícios do método Pilates em mulheresacima de 50 anos. 2007. Disponível em: <www.fef.unicamp.br/ccd/cd/trabalhos/29937988802.pdf> Acesso em: 10 dez. 2010.COBRA, Nuno. Capoeira fará “revolução” na atividade física. Portal Capoeira. 2005,Disponível em <http://www.guiame.com.br/ Acesso em: 11 set. de 2010.CORSEUIL, Maruí Weber; PETROSKI Edio Luiz. Baixos níveis de aptidão físicarelacionada à saúde em universitários. Revista brasileira Educação Física e Esporte. Vol. 24n.1 São Paulo março, 2010. Disponível em <www.revistasup.sib.usp.br/scieloOrg/php/articleXML.php> Acesso em: 10 dez. 2010.DANTAS, Estélio. Flexibilidade: alongamento e flexionamento. 4ª ed, Rio de Janeiro:Shape, 1998.DANTAS, Estélio, SOARES, Juliana. Flexibilidade Aplicada ao Personal Training. 2007Disponível em < www.saudeemmovimento.com.br/revista/artigos/.../v1n0a2.pdf> Acesso em22 dez. 2010.INSTITUTO ETHOS de PESQUISA. 2002 Disponível em <http://www.ethos.com.br >Acesso em 03 de fev. 2001.LEE, Sojung; L. KUK, Jennifer; T. KATZMARZYK, Peter; N. BLAIR, Steven; S.CHURCH, Timothy; ROSS, Robert. Cardiorespiratory Fitness Attenuates Metabolic RiskIndependent of Abdominal Subcutaneous and Visceral Fat in Men .Diabetes Care, volume 28,number 4, April 2005.LOCH, Mathias Roberto; KONRAD, Lisandra Maria; SANTOS, Patrícia Domingos dos;NAHAS, Markus Vinicius. Perfil da Aptidão Física relacionada à Saúde de Universitários
  • 44. da Educação Física Curricular. Revista Brasileira de Cineantropometria e & DesempenhoHumano. Santa Catarina-SC. Vol.8 n.1 p. 64-71. 2006. Disponível em<www.rbcdh.ufsc.br/DownloadArtigo.do?artigo=255 > Acesso em 10 de out. 2010.MARTINS, Gilberto. Estudo de Caso: uma estratégia de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.MATOS, Eduardo Willian de Souza; SILVA, Milton Cesar da. Avaliação do desempenhomotor em escolares de 11 a 14 anos, praticantes e não praticantes de capoeira, de umaescola privada de Barreiras-BA. Disponível em <www.webartigos.com/categories/...e.../Esportes-e-Recreação> Acesso em 22 de dez. 2010.MAIA, Rodrigo Batista; CARVALHO, Maria do Carmo de; ROCHA, Cláudio HenriqueLima; RICARDO, Irapuá Ferreira. Efeito da prática da Capoeira sobre os parâmetrosCardiovasculares. Revista Brasileira de Cardiologia. Piauí-Teresina (PI), vol. 1 n.1 p. 68-73janeiro/fevereiro 2010.MCARDLE, William D., FRANK I. Katch ; VICTOR L. Katch. Fisiologia do Exercício,Nutrição e Desempenho Humano: Atividade Física, Saúde e Envelhecimento. Traduzido porGiuseppe Taranto. 6. Ed. , Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.MCARDLE, William D., FRANK I. Katch ; VICTOR L. Katch. Fisiologia do Exercício,Nutrição e Desempenho Humano: Força Muscular: Treinando os Músculos para se tornaremmais fortes. Traduzido por Giuseppe Taranto. 6. Ed. , Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2008.MCARDLE, William D., FRANK I. Katch ; VICTOR L. Katch. Fisiologia do Exercício,Nutrição e Desempenho Humano: Treinando para Potência Anaeróbica e Aeróbica.Traduzido por Giuseppe Taranto. 6. Ed. , Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.MENEZES, José Alexandre de Souza; VICENTE, José Gerardo Villa; ÓRDAS, MariaConcepción; MENEZES, Nelsival de Souza. Capoeira – Análise das formas tradicionais deEnsino. Propostas para beneficiá-las agregando dados científicos no treinamento dascapacidades físicas, técnicas, táticas, moral e psicológicas. Anais do XVI Congresso
  • 45. Brasileiro de Ciências do Esporte e III Congresso Internacional de Ciências do EsporteSalvador – Bahia – Brasil 20 a 25 de setembro de 2009.MERQUIADES, Jucineide Herculano; AGRA, Jucineide Herculano Merquiades;ALBUQUERQUE, Kamila Maria Dantas; COSTA, Ruthnea Cordeiro; NAVARRO, AntonioCoppi. A Importância do Exercício Físico para a Qualidade de Vida dos Idosos. Rev.Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício 2010. Versão eletrônica ISSN 1981-9900.Disponível em <www.ibpelex.com.br> Acesso em: 22 de dez. 2010.MINAYO, Maria Cecília de Souza. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa emsaúde. 8ª Edição. São Paulo: Haucitec. 2006. 406p.MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diabetes Mellitus – Guia Básico para diagnostica e tratamento.Brasília, Secretaria de Assistência à Saúde, 1996. Disponível em<dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/.../livros.htm> Acesso em 07 de dez. de 2011.NAHAS, Markus Vinicius. Atividade física, saúde e qualidade de vida. Londrina: Midiograf;2003.ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Joint WHO/FAO Expert ConsultationonDiet, Nutrition and the Prevention of Chronic Diseases. Geneva, Switzerland, 2002.Disponível em < www.fao.org/DOCREP/005/AC911E/ac911e00.htm> Acesso em 22 dez.2010.PEDREIRA, Maikon Luiz Paullin; MARTINS, Maria Isabel Morgan. A Prática da capoeiracontribui para a melhoria da pressão arterial. Curso de Educação Física ULBRA/Gravataí,2008. Disponível em <gravatai2. ulbra.tche.br/.../capoeirainteratividad.html> acesso em 07 dedez. de 2011.PITANGA, Francisco José Gondim. Epidemiologia da Atividade Física, Exercício Físico eSaúde: prescrição de exercícios físicos na promoção de saúde. 2. Ed., São Paulo: Phorte,2004.
  • 46. PITANGA, Francisco José Gondim. Testes, Medidas e Avaliação em Educação Física eEsporte: Avaliação da Aptidão Física Variáveis funcionais e Motoras. 5. Ed., São Paulo:Phorte, 2008.PITANGA, Francisco José Gondim. Testes, Medidas e Avaliação em Educação Física eEsporte: Propostas para Avaliação da Aptidão Física em Escolas, Atletas de Performance eProgramas de Condicionamento Físico Individualizado. 5. Ed., São Paulo: Phorte, 2008.SIGNORET, Mariana Machado; PAROLINA, Evelyn Cristina. Análise postural emcapoeiristas da cidade de São Paulo, Aspectos Fisiológicos e Biomecânicos. Revista daFaculdade de Ciências da Saúde. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa. ISSN1646-0480. 6 (2009) 462-470.SILVA, Larissa Rebola Volpe da; LOPEZ, Lisandra da Cunha; COSTA, Maria CristinaGrillo; GOMES, Zuleika Coelho Moya; MATSUSHIGUE, Karin Ayumi. Avaliação daFlexibilidade a Análise Postural em atletas de Ginástica Rítmica desportiva. RevistaMackenzie de Educação Física e Esporte. Pontifícia Universidade Católica do Paraná-PR;Vol.7 n.1 p. 59-68. 2008. Disponível em<www3.mackenzie.br/editora/index.php/remef/article/viewFile/1218/916> Acesso em 10 denov. 2010.SILVA, Edevaldo Luiz; OLIVEIRA, Eduardo Almeida. Avaliação do nível decondicionamento físico aeróbico dos idosos praticantes de Capoterapia do centro deconvivência de Dourados/MS. 2008. Disponível em < www.capoterapia.com.br/... > Acessoem: 07 de dez. 2011.SOUZA, Sergio Augusto de; OLIVEIRA, Amauri A. de. Estruturação da Capoeira noEnsino Fundamental e Médio. Revista da Educação Física/UEM Maringá, vol. 12, n. 2, p. 43-50, 2 sem. 2001. Disponível em:< www.boletimef.org/?canal=12&p=b%E1ssoli - 18k>Acesso em: 27 nov. 2007.TEIXEIRA, AT.; CARDOSO, TB.; ROSA R. Efeitos da prática de yoga em indivíduospertencentes ao espaço terapêutico Shankara do Município de Tubarão/SC. 2009. Disponível
  • 47. em < www.fisio-tb.unisul.br/Tccs/09b/ana_tuane/artigoAna_Tuane.pdf > Acesso em 10 jan.2011.TUBINO, Manoel José Gomes. Metodologia científica do treinamento desportivo. 3ª edição.São Paulo: Ibrasa, 1984.VALENTE, José Armando. Como fazer Pesquisa Quantitativa. 2003. Disponível em <www.ead.unicamp.br/...pesquisa/Pesq_quanti.htm - Em cache - Similares > Acesso em 03 defev. 2011.VIEIRA. Luiz Renato. História da Capoeira. 2008. Disponível em:<www.beribazuceilandia.hpg.ig.com.br - 18k > Acesso em: 27 nov. 2007.
  • 48. ANEXO A Todas as tabelas utilizadas para classificação dos testes realizados na coleta dos dadosda presente pesquisa se encontra em:PITANGA, Francisco José Gondim. Testes, Medidas e Avaliação em Educação Física eEsporte: Avaliação da Aptidão Física Variáveis funcionais e Motoras. 5. Ed., São Paulo:Phorte, 2008.
  • 49. APÊNDICE A
  • 50. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIADEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – CAMPOS II – ALAGOINHASORIENTADOR: VALTER ABRANTESDISCENTE: EZEQUIEL LIMA DE OLIVEIRA FICHA DE AVALIAÇÃO CAPOEIRANome:_____________________________Idade: ______________________________;Há Quanto tempo pratica a capoeira ___________________; quantas vezes porsemana_______________; o tempo de duração das aulas______________; faz outraatividade física, qual? _____________; quantas vezes por semana__________; o tempode duração das aulas__________. Índice de Massa Corporal (IMC)Massa Corporal Estatura (m) Índice de Massa(kg) Corporal Teste de Cooper Distância de 12 min. D – 504,1/44,9 VO2máx Teste de Abdominal em 1 minuto Tempo 1min. Abdominais Teste do banco de sentar e alcançar Centímetros
  • 51. APÊNDICE B
  • 52. TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDOPrezados capoeiristas,Sou formando do curso de Educação Física da Universidade do Estado da Bahia-UNEB,campos II Alagoinhas, e venho por meio deste, solicitar a participação na minha pesquisa deMonografia para conclusão do curso. A pesquisa trata das possíveis influências da prática dacapoeira na aptidão física relacionada à saúde dos praticantes. Para a realização deste estudo,que se fará a partir de um corte transversal, precisarei realizar teste que mensuram aflexibilidade, a aptidão cardiorrespiratória, a resistência muscular localizada e o indicadorantropométrico. Estes procedimentos ocorrerão no local e horário das aulas com osequipamentos para a realização dos testes e de áudio e vídeo para retratar as vivências. Aefetivação destes procedimentos só acontecerá mediante a autorização de cada capoeiristapara que o pesquisador possa realizar as atividades. Atenciosamente, Ezequiel Lima de Oliveira (Formando do curso de Educação Física da Universidade do Estado da Bahia)Eu______________________________, capoeirista dogrupo____________________________, aceito participar da pesquisa de Monografia doformando Ezequiel Lima de Oliveira, concordando com todos os termos postos neste Termode Consentimento Livre e Esclarecidos. ____________________________________________ Assinatura do Capoeirista
  • 53. APÊNDICE C
  • 54. TABELA DOS DADOS COLETADOS NO TRABALHO IDADE ESTATURA MASSA IMC FLEXIBILIDADE ABDOMINAL Vo2max 1 25 183 90 26 22 59 1480 2 26 190 61 17 40 48 1920 3 32 185 65 18 34 56 1960 4 29 180 85 26 29 40 5 29 157 65 26 38 41 6 27 164 75 27 31 40 1700 7 24 168 75 26 35 67 8 28 191 83 22 16 42 1462 9 23 166 65 23 26 40 2840 10 31 166 84 30 38 37 1869 11 18 183 65 19 31 27 1953 12 18 160 50 19 29 38 2058 13 20 167 79 28 20 39 1680 14 28 170 70 24 29 40 1920 15 19 178 74 23 30 44 2205 16 40 166 75 27 29 80 1932 17 37 158 69 27 25 50MÉDIA 26.7 172.5 72.4 24.0 29.5 46.4 1921.5DP 6.2 11.1 10.2 3.8 6.5 12.8 349.0
  • 55. APÊNDICE D
  • 56. ROTEIRO DA ENTREVISTA(1) Na capoeira se exercita as habilidades da aptidão física relacionada à saúde?(2) Qual a metodologia para exercitar a flexibilidade na região lombar?(3) Quais as técnicas utilizadas para exercitar a musculatura do abdômen (resistência muscular localizada)(4) Qual a metodologia para exercitar a capacidade cardiorrespiratória?(5) Os componentes referenciados anteriormente são relevantes à capoeira?

×