Antipsicóticos e sua ação teratogênica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Antipsicóticos e sua ação teratogênica

on

  • 611 views

 

Statistics

Views

Total Views
611
Views on SlideShare
611
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
11
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Antipsicóticos e sua ação teratogênica Antipsicóticos e sua ação teratogênica Presentation Transcript

  • Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Biológicas Departamento de Biologia Celular, Embriologia e Genética Mecanismos Moleculares e Celulares de Teratogênese Antipsicóticos Laura Gehrke Professor: Gonzalo Jaime Cofre Cofre Florianópolis, novembro de 2013
  • Psicoses As psicoses são caracterizadas por uma ou mais das seguintes manifestações: • • • • • • • perda de encadeamento lógico do pensamento; incapacidade de julgamento; percepção incorreta da realidade; alucinações; ilusões; excitação extrema; e comportamento violento.
  • Esquizofrenia: • Sintomas positivos: delírios e distúrbio do pensamento. • Sintomas negativos: isolamento social e achatamento das respostas emocionais. Uma das hipóteses mais aceitas como sendo relacionadas na patogenia da esquizofrenia fala de uma combinação de hiperfunção da dopamina e hipofunção dos glutamatos no sistema neuronal, juntamente com um envolvimento pouco esclarecido dos receptores da serotonina (5HT2) e um balanço entre esses receptores com os receptores dopamínicos (D2).
  • Descoberta casual da clorpromazina:  1950: Clorpromazina (sintetizada por Paul Charpentier e testada por Simone Courvoisier)  Pacientes mais calmos. Henri-Marie Laborit (cirurgião francês) Tranquilizante
  • Fármacos antipsicóticos Típicos: Apresentam bom efeito nos sintomas positivos. Bloqueiam o receptor D2 da dopamina.  Clorpromazina;  Levomepromazina;  Triflupromazina;  Tioridazina;  Haloperidol.
  • Atípicos: Descobertos mais recentemente. Menores efeitos adversos. Apresentam algum efeito sobre os sintomas negativos. Capazes de bloquear receptores D2 e de outras monoaminas, tais como os de 5HT-2. Clozapina; Olanzapina; Quetiapina; Risperidona.
  • Mecanismo de Ação A) Ativação dos receptores D2. B) Bloqueio de receptores D2.
  •  Os antipsicóticos levam dias ou semanas para exercer seus efeitos. Isto se dá devido ao fato de possuírem uma meia vida longa. O fármaco alcança níveis estáveis somente após aproximadamente 5 tomadas.  O efeito das drogas antipsicóticas consiste em produzir um estado de apatia e menor iniciativa. O indivíduo mostra menos emoções, demora a responder a estímulos externos e tende a adormecer. As tendências agressivas são fortemente inibidas. Entretanto não há perda acentuada da função intelectual.
  • Teratogênese dos Psicofármacos Os recém-nascidos expostos intra-útero às drogas antipsicóticas podem desenvolver sinais de disfunção extrapiramidal, como tremores, reflexos tendinosos profundos hiperativos e irritabilidade.
  •  As drogas antipsicóticas atravessam facilmente a barreira placentária, alcançando níveis significativos no feto e no líquido amniótico.  O feto e o recém-nascido são particularmente sensíveis aos efeitos dos psicotrópicos, pois a permeabilidade da barreira hematoencefálica é maior que nos adultos.
  • Classificação da FDA: Típicos Clorpromazina C Haloperidol C Levomepromazina C Antipsicóticos Trifluioperazina C Tioridazida Raras anomalias; Icterícia fetal; Efeitos anticolinérgicos fetais no nascimento. C Atípicos Clozapina B Olanzapina C Quetiapina C Risperidona C Risco desconhecido.
  • - Teratogenicidade morfológica: abortos, malformações congênitas, retardos no crescimento, efeitos carcinogênicos e mutações (com baixo risco para a maioria das medicações psicotrópicas). - Associada à exposição fetal durante as primeiras 12 semanas de gestação. - Síndrome perinatal: inclui uma variedade de sintomas físicos e comportamentais notados logo após o nascimento. - Estes sintomas são atribuídos ao uso de fármacos perto ou durante o parto e geralmente são de curta duração. - Sequelas neurológicas, comportamentais, psicológicas e cognitivas (a longo prazo).
  • Há situações onde não tratar a mãe ou suspender o tratamento pode acarretar um risco maior para o feto do que o uso de drogas antipsicóticas. Nesse caso:  Manutenção do tratamento com droga antipsicótica clássica (haloperidol).  As drogas devem ser usadas na menor dose necessária e pelo menor tempo possível.  É recomendado a suspensão ou a diminuição do tratamento 1 semana antes do parto.
  • Bibliografia • Moreira FA, Guimarães FS. Mecanismos de ação dos antipsicóticos: hipóteses dopaminérgicas. Medicina (Ribeirão Preto) 2007; 40 (1): 63-71; • Marcelo A. Cabral. Anotações em Farmacologia e Farmácia Clínica: Fármacos Antipsicóticos; • Paulo José Soares. Uso de Medicação Psiquiátrica na Gravidez. 2003.