Guerra Árabe-Israelense & Revolução Iraniana
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Guerra Árabe-Israelense & Revolução Iraniana

  • 750 views
Uploaded on

Um breve introdução ao conflito palestino (Guerra Árabe-Israelense) e à Revolução Iraniana.

Um breve introdução ao conflito palestino (Guerra Árabe-Israelense) e à Revolução Iraniana.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
750
On Slideshare
750
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
17
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A Questão da Palestina A região da Palestina é o território histórico de dois povos: judeus e palestinos. Os judeus ocuparam a região há mais de 4 mil anos, mas se espalharam pelo mundo devido à repressão sofrida durante os Impérios Romano e Otomano. Os palestinos ocuparam a região por um período continuo de 2 mil anos. 1922 O Reino Unido divide a região em Palestina e Transjordânia, restringindo o assentamento judeu à Palestina. A indicação de que os britânicos quererem criar ali uma nação para os judeus faz com que aumente a migração vinda da Europa. 1918 O Império Otomano alia-se à Alemanha e sai derrotado da 1ª Guerra Mundial. Seu território é dividido entre França e Reino Unido, que fica com a região da Transjordânia. 1947 A Grã-Bretanha anuncia sua intenção de repassar o mandado da Palestina para a ONU. No mesmo ano, a ONU aprova um plano que divide o território em dois estados. Os judeus, massacrados na Europa pelo regime nazista na 2ª Guerra Mundial, aceitam a proposta, mas os árabes a rejeitam.
  • 2. Cronologia do Conflito - I 1948 Israel declara sua independência em relação ao Reino Unido. No mesmo ano, Líbano, Síria, Iraque, Egito, Transjordânia (Jordânia) e árabes locais atacam o no Estado judeu, na 1ª Guerra árabe-israelense, que dura 13 meses. 1949 Após a 1ª Guerra árabe-israelense, Israel faz acordo com países vizinhos. O território palestino é dividido em 3 partes: o Estado de Israel, a Cisjordânia, sob responsabilidade da Jordânia, e a Faixa de Gaza, sob responsabilidade do Egito 1956 Israel invade a Península do Sinai, território do Egito, com o apoio da França e do Reino Unido, que tinham interesses econômicos no canal de Suez. Por conta da pressão dos EUA e da URSS, no ano seguinte Israel retira seu Exército do Sinai. 1967 Na Guerra dos Sete Dias, Israel vence Egito, Síria, Jordânia e Iraque, expandindo seu território e conquistando o Sinai, a Faixa de Gaza, a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e as Colinas de Golã (até então território da Síria. 1973 Na Guerra de Yom Kippur, a Síria e o Egito atacam Israel nas Colinas de Golã e no Sinai. Jordânia, Iraque e outras nações árabes dão apoio às ofensivas. Após duas semanas de guerra, o Exército de Israel consegue afastar as tropas agressoras. 1978 Egito e Israel assinam o acordo de Camp David. Os israelenses se comprometem a deixar o Sinai em troca de paz e de negociações futuras sobre a Faixa de Gaza e a Cisjordânia. No ano seguinte, o Egito se trona o primeiro país árabe a reconhecer a Estado de Israel oficialmente.
  • 3. Cronologia do Conflito - II 1988 1982 Israel invade o Líbano para remover forças da OLP (Organização para a Libertação da Palestina, criada em 1964 com o objetivo de substituir o Estado de Israel por um Estado da Palestina independente), depois de violações de um cessar-fogo negociado no ano anterior. Em 1981, Israel bombardeou a sede da OLP em Beirute. A 1ª guerra do Líbano acaba no ano seguinte, com a retirada das tropas israelenses. 1987 1ª Guerra do Líbano O Conselho Nacional da Palestina proclama o Estado da Palestina independente, mas não é reconhecido pela ONU. O Paquistão é o primeiro país a reconhecer o Estado da Palestina. 1982 Começa a 1ª Intifada, revolta popular palestina que se espalhou pela Cisjordânia e pela faixa de Gaza, e que contou com resposta das forças israelenses. O braço em Gaza de um movimento muçulmano do Egito se separa, criando o grupo Hamas. 1993 É assinado o Tratado de Oslo, segundo o qual Israel se compromete a devolver partes da Cisjordânia e da Faixa de Gaza em troca de um acordo de paz. O acordo também criou a Autoridade Nacional Palestina, que ficaria responsável por administrar sua parte do território. Autoridade Nacional Palestiniana Jericó Gaza 1994 Israel retira sua presença militar de Jericó e da cidade de Gaza. 2000 Israel oferece aos palestinos soberania em áreas da Cisjordânia e da Faixa de Gaza; porém, exige soberania completa em todos os locais sagrados. A disputa por Jerusalém intensifica o impasse e, assim, não há acordo. Explode a segunda Intifada.
  • 4. Atualidade ► A pacificação na região não se concretizou. Trechos do Muro de Fronteira da Cisjordânia. ► Diversas barreiras foram construídas ao longo das fronteiras de Israel para dificultar a ação de grupos terroristas palestinos. ► Mais de 3 milhões de palestinos querem voltar para sua terra mas são impedidos por Israel. ► Continuam os ataques suicidas contra israelenses. Uma explosão causada por um ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza durante o conflito de 2008-2009 entre Israel e Gaza, janeiro de 2009 ► Israel não aceita Jerusalém como capital da Palestina. ► Várias pessoas, incluindo crianças, morrem todos os dias, dos dois lados. ► A Cisjordânia não tem autonomia total. ► A Faixa de Gaza continua sendo uma região de grande tensão. Um foguete disparado por um civil na Faixa de Gaza para o sul de Israel, janeiro de 2009.
  • 5. Uma Introdução ao Irã  A maior parte do território do Irã, localizado entre o mar Cáspio e o golfo Pérsico, no Oriente Médio, é formada por platôs desérticos. Ao norte, na região das montanhas Elburz, estão as áreas mais férteis.  A economia baseia-se na exploração de petróleo – é o segundo mais importante produtor da região, atrás da Arábia Saudita.  O marco do período moderno é o golpe de Estado de 1921, em que o general Reza Khan derruba o sultão Kajar, coroando-se xá em 1926 com o nome de Reza Shah Pahlevi. Um decreto real, em 1935, muda o nome do país de Pérsia para Irã.  Durante a II Guerra Mundial, o Irã é ocupado por britânicos e soviéticos. O xá abdica em favor do filho, Mohammad Reza Pahlevi. Visão Panorâmica de Teerã, capital do Irã. A Torre Azadi é um dos principais símbolos de Teerã.
  • 6. A Revolução Iraniana - I  A Revolução Iraniana, ou Revolução Islâmica do Irã, começou como um movimento popular pela democratização e terminou com a criação de um Estado Islâmico. O episódio transformou completamente a estrutura social do país e foi um dos momentos que marcaram o século 20.  Antes da revolução, o Irã era governado pelo xá (rei) Reza Pahlevi. O poder era concentrado dentro de seu círculo de amigos e aliados pró-Ocidente. A desigualdade entre ricos e pobres se aprofundou nos anos 1970. Críticas à política econômica e ao estilo autoritário do xá estimularam a oposição ao seu regime. Mohammad Reza Shah Pahlavi em 1973.  O xá estava no poder desde 1941, com uma curta interrupção em 1953 quando teve que abandonar o país. Retornou no mesmo com a ajuda de uma operação da CIA, batizada de Operação Ajax.  As principais vozes da oposição se concentraram na figura do aiatolá Ruhollah Khomeini, um clérigo xiita que vivia exilado em Paris. Ele prometeu reformas sociais e econômicas, receitando uma retomada de valores religiosos tradicionais muçulmanos.  No final dos anos 70, uma série de protestos violentos contra o regime de Pahlevi tomou as ruas do Irã. A instabilidade aumentou com uma onda de greves gerais, que abalaram também a economia iraniana. Em janeiro de 1979, o xá deixou Teerã para um período de “férias”. Nunca mais voltou. Aiatolá Ruhollah Khomeini.
  • 7. A Revolução Iraniana - II  Em sua última decisão antes de fugir, o xá indicou o primeiro-ministro Shahpur Bakhtiar como governante do Irã durante a sua ausência. Bakhtiar tentou conter a onda oposicionista e não autorizou o aiatolá Khomeini a formar um novo governo.  Em 1º de fevereiro de 1979, o aiatolá Khomeini voltou ao Irã de seu exílio na França. A instabilidade política e social aumentou. Em várias cidades, ocorreram enfrentamentos entre militantes pró-Khomeini e a polícia e manifestantes a favor do regime.  Em 11 de fevereiro, tanques tomaram as ruas de Teerã entre rumores de golpe militar. Mas, com o passar do dia, ficou claro que o Exército não estava interessado em tomar o poder. Os revolucionários tomaram a principal estação de rádio da capital e declararam: “Esta é a voz da revolução do povo do Irã!”.  O primeiro-ministro Bakhtiar renunciou. Dois meses mais tarde, Khomeini teve uma enorme vitória num referendo. Ele declarou a criação de uma República Islâmica e foi escolhido como perpétuo líder supremo político e religioso do Irã.  Foram reintroduzidos os castigos corporais para quem violasse os preceitos da sharia (sexo fora do casamento, adultério, consumo de álcool) e a pena de morte foi aplicada não só aos defensores do xá, como também em prostitutas, homossexuais e marxistas. Desembarque do Aiatolá Ruhollah Khomeini em 1º de Fevereiro de 1979. Protestos contra o Xá em Teerã.