Resenha crítica adm mud_persp_cap17
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Resenha crítica adm mud_persp_cap17

on

  • 5,611 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,611
Views on SlideShare
5,609
Embed Views
2

Actions

Likes
1
Downloads
41
Comments
0

2 Embeds 2

http://www.slideshare.net 1
http://www.linkedin.com 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Resenha crítica adm mud_persp_cap17 Resenha crítica adm mud_persp_cap17 Document Transcript

  • Resenha Crítica Bibliografia: ROBBINS, Stephen P. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva 2003. 524 p.Cap 17. Pag. 454 á 481. CHIAVENATO, IDALBERTO (1983). Introdução à Teoria Geral da Administração. Pág 9. 3ª Edição. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil. DRUCKER, Peter Ferdinand. A profissão de administrador. São Paulo: Pioneira, 2002. 187 p. Giovane Gaspar Benedet Estudante de Administração com Ênfase em Administração de empresas pela Universidade da Região de Joinville ( UNIVILLE ) Administrando a Mudança: Revisitando o Inconstante mundo do Trabalho Stephen P. Robbins, Doutorado pela Universidade do Arizona, Estados Unidos, é Professor Emérito de Gestão na Universidade de San Diego, Califórnia, e é o autor mais vendido do mundo na área de manuais sobre gestão e comportamento organizacional. Os seus livros foram adaptados em mais de 1000 universidades norte-americanas e traduzidos para 19 idiomas. Seus artigos sobre vários temas têm destaque em assuntos como negócios e perspectivas econômicas, gestão internacional além de participações em revistas especializadas. No capítulo 17 do livro Administração, Mudanças e Perspectivas o autor escreve a obra para analisar e investigar as mudanças no mundo contemporâneo da administração dentro das organizações, inovações e
  • mudanças e resistência frente a estes temas, desde a forma gerencial até a forma operacional das situações. É citado pelo autor que grandes organizações com maiores tempos de experiência tendem a ser mais resistivas a mudanças culturais e inovadoras, mas nem sempre é o que acontece. Ele expressa as mais variadas formas de mudanças detalhando cada uma delas. O autor cita que no capítulo 17 a força que a resistência humana tem fator impactante sobre as ações a serem tomadas no dia a dia e que impede que mudanças sejam tomadas e inovações sejam lançadas. Cada colaborador de uma organização aceita as mudanças de forma diferente, dentre a aceitação destas mudanças os fatores que podem intervir são conforme Robbins, segurança, fatores econômicos,medo do desconhecido ,ou seja ,medo do novo e o processo incorreto das informações recebidas. Estes “medos” conforme citado pelo autor são claramente visualizados quando se tem claro alguns fatores que podem contribuir para o afloramento dos mesmos, o que podemos chamar de resistências organizacionais, fatores que já vem desde mesmo de nossas infâncias. As pessoas com dificuldade de inserção em grupos de pessoas certamente terão problemas de inserção em grupos de trabalho nas organizações. Para que estas situações sejam resolvidas de forma a tornar a organização mais produtiva e com a menor quantidade possível de problemas, o autor cita que a alta gerência deve ser agente de organização de mudanças. Porém estas mudanças não podem ser feitas de forma unilateral e sim de forma bilateral , ou em pequenos grupos de trabalho visando a resolução de problemas.Algumas mudanças são planejadas, ocorrem de acordo com o cumprimento ou não das metas.As mudanças podem ou não atingir vários níveis da organização e conforme o autor vem sempre de cima para baixo conforme hierarquia. Peter Drucker diz que o gerente deve e tem como principal função equilibrar as mudanças e dar continuidade aos trabalhos da empresa levando a
  • organização a obter ganhos cada vez melhores, ele cita isto como melhoria continua, porém para isso,deve-se ter um pensamento alinhado entre os gerentes Robbins diz que estratégias devem ser utilizadas para que resistência á mudanças, estas ações tornam o processo de resistência mais fraco fazendo com que as pessoas envolvidas nele possam obter de forma mais clara e tranqüila as mudanças. Um plano de organização para as mudanças através de auditorias, incluindo um passo a passo adequado somado à abertura das situações quanto às pessoas envolvidas torna este processo mais rápido e menos estressante. O texto mostra que mudança e política a dentro de uma empresa acontece de maneira a trazer á organização evolução e dinamismo, pois toda organização que foque em evolução e organização deve ter conflitos gerados para que a superação e evolução dentro da mesma aconteçam. Então o gerente deve ser foco destes conflitos como principal pilar e agente gerador de mudanças, organizando, acompanhando e validando estas. O gerente tem o poder de alterar a estrutura da organização, célula ou divisão, seja esta mudança a nível operacional, estrutural, matricial, organizacional ou cultural visando um maior rendimento. Este último caso o autor cita o exemplo de Jack Welch como presidente da General Electric que se engajou em uma mudança cultural dentro da organização com um esforço entre 7 e 10 anos transformando-a em umas das mais poderosas organizações mundiais. Para Chiavenato o ato de gerenciar varia para cada área da organização, desde de vendas é recursos humanos e deve ser feita de forma diferenciada para cada tipo de problema e área, porém, no todo deve-se sempre tentar aplicar as teorias da administração gerencial de forma o mais possível da uniforme. As mudanças em uma organização segundo Robbins podem ser também de nível tecnológico, que na grande maioria das vezes é o caso que mais
  • acontece e mais promissor a sucesso, pois é notável a substituição do homem pela máquina. Mudanças de ambiente também segundo o autor podem gerar benefícios extremamente benéficos para uma organização, uma simples retirada de um biombo entre setores atrelados sob uma mesma gerencia pode facilitar a comunicação e trazer resultados como melhor administração de tempo, feedback imediato e maior interação entre colaboradores. A mudança das pessoas talvez seja o fator de maior dificuldade para sofrer alterações, pois envolve diversas opiniões sob diversos pontos de vista, cabe ao gerente orientar para a melhor definição. Sabendo o gerente que a mudança das pessoas é o passo mais difícil de ser trabalhado em uma organização, pois envolve cultura e personalidade, foram criadas técnicas para este processo. O Autor diz que este conjunto de técnicas pode ser chamado de desenvolvimento organizacional, utilizando de feedback para com o colaborador. A formação de equipes também faz parte do dia a dia de um gerente, o mesmo precisa saber harmonizar os perfis para formar equipes de sucesso, as metas e objetivo devem ser desenhados juntamente com a equipe.Quando existem problemas nas equipes formadas pode-se utilizar de ferramentas de desenvolvimento multigrupo a fim de que todas equipes caminhem em conjunto com a organização.O stress dos funcionários também interfere no dia a dia , alguns cargos possuem maior nível de stress do que outros o que exige do gerente saber se comunicar de forma diferenciada com cada nível hierárquico.Conhecer o nível de stress de cada colaborador não é tarefa fácil e deve ser feita de forma cautelosa. Por fim o autor ainda fala sob inovação como ferramenta indispensável em toda organização onde cita exemplos de que o aprendizado continuo e o aprendizado de uma pessoa com a outra poder fazer a diferença no mercado competitivo. Exemplo de um exército também é citado como propulsor de mudanças e reengenharia. O tema gerenciar é sem duvida um assunto para discussão de especialistas de diversas áreas, a o tema gerenciar envolve desde o dia a dia até as
  • organizações, e em todas as situações pessoas de diferentes opiniões e perfis. Analisar e avaliar estas pessoas e situações cabe ao gerente, medidas e ferramentas para esta atribuição facilitam nas responsabilidades atreladas a um gerente.