• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Estrutura Interna Da Terra
 

Estrutura Interna Da Terra

on

  • 13,383 views

 

Statistics

Views

Total Views
13,383
Views on SlideShare
13,367
Embed Views
16

Actions

Likes
0
Downloads
52
Comments
0

1 Embed 16

http://www.slideshare.net 16

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Estrutura Interna Da Terra Estrutura Interna Da Terra Presentation Transcript

    • Estrutura Interna da Terra A crosta em movimento
      • Nome : Lucas Machado Rocha Nº: 18
      • Nathália Kalifi Nº: 24
      • Priscila Loureiro Nº: 25
      • Data: 07/12/09 Profº: Rodrigo Santos
      • Série : 1º Ano Ensino Médio
    • As Estrutura Geológica da Terra A Terra tem em sua composição diferentes partes, como pode ser visto na figura ao lado. É formada pela Crosta Terrestre, Manto, Núcleo Líquido e Núcleo Sólido, além de uma zona convectiva. O núcleo sólido é composto, segundo se acredita, por ferro e níuel. Alguns argumentam que o núcleo interno pode estar na forma de um único cristal de ferro. Já o núcleo líquido deve ser composto de ferro líquido e níquel líquido (a combinação é chamada NiFe ), com traços de outros elementos.
      • O manto, por sua vez, é composto por substâncias ricas em ferro e magnésio. Também apresenta características físicas diferentes da crosta. O material de que é composto o manto pode apresentar-se no estado sólido ou como uma pasta viscosa, em virtude das pressões elevadas. Ao contrário do núcleo sólido, a pressão exercida obre o manto não é tão grande a ponto de torná-lo sólido.
      • Crosta Terrestre é a parte externa consolidada do globo terrestre. É reconhecida duas zonas que formam a crosta nas regiões continentais. A primeira zona é a superior, chamada de sial (devido ao predomínio de rochas graníticas, ricas em silício e alumínio). A zona inferior é conhecida por sima, pelo fato de se acreditar que nesta porção da crosta haja a predominância de silicatos de magnésio e ferro. Acredita-se que a espessura da crosta (sial + sima) se encontre numa profundidade média de 35 - 50 Km. Esse dado foi conseguido indiretamente, através de estudos modernos na área da geofísica.
    • A Crosta em movimeno
      • As Placas Tectônicas da Crosta estão em constante movimento, impulsionadas pelas correntes do manto. Portanto, os continentes se deslocam sobre o magma, como se estivessem flutuando. Esse fenômeno é chamado deriva continental.
      • No passado essa movimentação provocou a formação de cordilheiras e grandes conjuntos montanhosos. Atualmente, nos limites que separam as placas tectônicas em movimento situam-se regiões sujeitas a terremotos e erupções vulcânicas, devido ao choque dessas placas.
      • A deriva continental é quase imperceptível: poucos centímetros por ano. Mas como a Terra existe há muitos milhões de anos, a posição dos continentes mudou várias vezes no decorrer desse tempo, como pode ser observado nas imagem a seguir:
    • Legendas das Figuras: FIGURA 1: Permiano, 225 milhões de anos atrás. FIGURA 2: Triássico, 200 milhões de anos atrás. FIGURA 3: Jurássico, 135 milhões de anos atrás. FIGURA 4: Cretáceo, 65 milhões de anos atrás. Figura 5: Dias atuais.
    • Conclusão
      • Conhecer a estrutura geológica da Terra é importante para podermos entender suas transformações e fenômenos, facilitando assim nossas vidas e entendimento sobre o planeta, como a história de sua formação, através da teoria da deriva continental. Essa teoria explica que a Terra era antes um único e grande continente, mas que com o movimento das placas tectônicas, permitiu a formação dos atuais continentes ao longo do tempo.
      • Pode-se ressaltar ainda a importância do conhecimento da estrutura da terra, para entender como funciona a gravidade, os terremotos e outros efeitos para podermos controlá-los ou nos prepararmos para possíveis mudanças. Conhecer a Terra não é apenas questão geográfica, é também histórica, biológica e cultural.