Trabalho competências be leonor

  • 761 views
Uploaded on

Estudo comparativo entre legislação portuguesa para a função de professor bibliotecário e perfil de desempenho dos educadores e professores do 1º ciclo por referência aos princípios emanados pela …

Estudo comparativo entre legislação portuguesa para a função de professor bibliotecário e perfil de desempenho dos educadores e professores do 1º ciclo por referência aos princípios emanados pela ASLA.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Obrigado, Bernard
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Obrigado por ter postado esses documentos muito interessante meu caro Maria ! Eu imediatamente referenciado no grupo. 'BANK OF KNOWLEDGE' (http://www.slideshare.net/group/bank-of-knowledge) Parabéns! Obrigado por compartilhar .. Desejo-vos um excelente fim de semana. Bernard

    NB: Eu escrevo uma mensagem idêntica em cada apresentação
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
761
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
7
Comments
2
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O excelente professor bibliotecário Quem é? Estudo comparativo Mestrado em Bibliotecas e Literacias do Sec. XXI Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Disciplina: “Professor Bibliotecário: desenvolvimento de novas competências” Docente: Mestre Mª José Vitorino Discente: Mª Leonor Salazar Albuquerque Julho, 2010
  • 2. Introdução Este trabalho insere-se no âmbito da disciplina “Professor Bibliotecário: desenvolvimento de novas competências” e procura ser objectivo e sucinto. A realização deste trabalho permitiu vislumbrar a possibilidade de ser continuado numa dissertação de tese e, por isso, encarou-se como inicial a esse trabalho mais complexo. Razão pela qual este trabalho faz o exercício de seguir as fases para elaborar um trabalho científico. Natureza do estudo Pelo objectivo do estudo e o tipo de material em análise, podemos dizer que o estudo é um estudo comparativo e de natureza qualitativa. Questão de partida Como questão de partida queríamos dar resposta à seguinte questão: - Haverá no perfil de desempenho dos educadores de infância e do professor do 1º ciclo do ensino básico competências que lhe permitem desempenhar as funções de professor bibliotecário, tendo por referência os enunciados da ASLA? Fontes documentais Como objecto de estudo iremos debruçar a nossa análise sobre três documentos: 1. Decreto-Lei nº 241/2001, de 30 de Agosto 2. Portaria nº 756/2009 3. Standards of Professional excellence for teacher librarians – Australian School Library Association (ASLA) Objecto Tendo por base os documentos legais fazer emergir, ou não, as competências para um desempenho de excelência do professor bibliotecário, descritas na ASLA. Objectivos • Verificar as presenças / ausências de itens de competência na legislação portuguesa, relativamente ao referencial australiano, para o desempenho excelente das funções. • Apontar pistas/áreas possíveis de formação contínua. Opção metodológica De entre as opções metodológicas possíveis, a que nos pareceu adequada foi a técnica de análise documental, segundo Bardin (1977). 1
  • 3. Sugestão de trabalhos futuros Desenvolver estudo na área das competências dos professores bibliotecários portugueses/formação contínua. Desenvolvimento do estudo A opção metodológica que se tomou, perante o objecto e o objectivo do estudo, foi a análise de conteúdo de documentos, segundo Bardin (1977), dado que o que foi dado como ponto de partida foram três documentos, para dar resposta à questão de partida. A organização da análise, segundo Bardin (1977), recai sobre três fases na análise dos documentos: 1- a pré-análise – escolha dos documentos a submeter a análise, formulação de hipóteses e dos objectivos e a elaboração dos indicadores que fundamentam a interpretação final. Deverão ser determinadas as operações a realizar de divisão de texto, de categorização e de codificação. As categorias podem ser definidas a priori, sugeridas pelo referencial teórico, e com categorias a posteriori, elaboradas após a análise dos documentos. Todas as unidades de registo foram categorizadas tendo em conta que as categorias são homogéneas, pertinentes, objectivas e mutuamente exclusiva e, portanto, as unidades de registo pertencerão a uma e a uma só categoria. 2- a exploração do material – leitura e exploração dos documentos segundo os objectivos traçados 3- o tratamento dos resultados, a inferência e a interpretação. Começou por fazer-se uma leitura “flutuante”, segundo a autora, dos documentos, a fim de deixar ”falar” o conteúdo do documento. Fez-se o tratamento do referencial australiano numa tabela: 1- Conhecimento profissional - integra todas as sub-categorias ligadas ao conhecimento prévio e intrínseco ao desempenho das funções de professor bibliotecário. 2- A prática profissional - comporta todas as sub-categorias ligadas ao desempenho efectivo, “no terreno” que é a biblioteca, do desempenho das funções: 3- O compromisso profissional - compreende todas as sub-categorias ligadas ao compromisso ético, se é que podemos empregar este termo, do desempenho das funções. Seguidamente iniciou-se uma análise do Decreto-Lei nº 141/2001, de 30 de Agosto e da Portaria nº756/2009, dividindo-as por unidades de registo ou indicadores, de forma a proceder à sua categorização. A tabela permite evidenciar que todas as unidades de registo da portaria se situam na categoria “Prática Profissional”, o que não é de todo de estranhar, dado que a portaria descreve as funções do professor e estas estão, efectivamente ligadas à prática, ao desempenho da função e os verbos são verbos de acção, tais como assegurar, garantir, apoiar, trabalhar colaborativamente, promover, representar, implementar, estabelecer, definir e operacionalizar. Podemos concluir que os 1
  • 4. conhecimentos prévios ao desempenho da função de professor bibliotecário, bem como o compromisso assumido perante a mesma, tal como definidos na declaração da ASLA, não estão aqui contemplados, mas estão implícitos na sua formação de fprofessor, à excepção dos conhecimentos que dizem respeito à biblioteconomia. Quanto ao Decreto-Lei nº240/2001, verificámos que também todas as unidades de registo se situam ao nível da prática profissional, pois este documento define o perfil geral de desempenho profissional do educador e do professor do 1ºciclo, ou seja, a sua prática profissional tendo subjacente os saberes adquiridos na sua formação inicial e que os habilita para a docência. Reflexão final Tínhamos como objecto de estudo, três documentos em análise: um que funcionou como referencial teórico e dois documentos de legislação portuguesa. Como questão de partida tínhamos que verificar se existiam, na legislação portuguesa em análise, itens para o desempenho excelente das funções do professor bibliotecário, tendo por referência o documento da Australian Library and Information Association, que é uma declaração de padrões de excelência profissional para os professores bibliotecários da Austrália e que descreve o conhecimento profissional, habilidades e compromisso destes. O objectivo estabeleceu-se ao querermos verificar as presenças / ausências de itens de competência na legislação portuguesa, relativamente ao mesmo referencial, para o desempenho excelente das funções e ainda poder, eventualmente, elencar sugestões possíveis para organizar formação contínua para professores bibliotecários, com vista à aquisição de competências, nas áreas em que se verifique ausência. O estudo, comparativo e de natureza qualitativa, procedeu à análise de conteúdo de documentos ou análise documental, segundo Bardin (1977) e verificámos que a Portaria nº 756/2009 contempla itens relativos às habilidades ou desempenho das funções de professor bibliotecário, assumindo como referencial teórico as categorias descritas pela declaração australiana. Relativamente ao Decreto-Lei chegámos à mesma conclusão, ainda que o perfil do professor do 1ºciclo refira que ele fomenta o tratamento e produção de informação, utilizando as tecnologias da informação e da comunicação (Anexo 2,II, alínea f. Em síntese, podemos dizer que o educador/professor tem, por exemplo, conhecimentos acerca do currículo, da avaliação, do trabalho de equipa e do projecto, etc. para mobilizar no contexto da sua turma, mas o professor bibliotecário terá de saber mobilizar todos esses conhecimentos, mas no contexto da biblioteca escolar, que é um outro contexto, com características e exigências diferentes. Por outro lado, terá, como é evidente, de mobilizar conhecimentos a nível da biblioteconomia. Assim, verificando-se dificuldades no desempenho das funções enunciadas, por lacunas nos conhecimentos de base ou a nível do que chamámos “compromisso ético com a profissão”, é possível, e recomendado, elaborar acções de formação no 1
  • 5. sentido de as superar. E têm-se verificado necessidades de formação, a que a RBE tem procurado dar resposta, organizando e promovendo acções de formação, que se situam em mais larga percentagem em áreas directamente relacionadas com a biblioteconomia (Área B), como se pode confirmar na página da RBE pelo Plano de Formação Contínua – 20071 e a extensa e actualizada lista de acções de formação em bibliotecas escolares2. Sugestão de trabalhos futuros A partir deste estudo, inicial e exploratório, poderá vir a desenvolver-se estudo e a aprofundar-se conhecimentos na área das competências dos professores bibliotecários portugueses/formação contínua. Bibliografia  Australian School Library Association - Standards of Professional excellence for teacher librarians. [Em linha]. [Consult. 15 Julho 2010].Disponível em WWW: http://www.asla.org.au/policy/standards.htm  BARDIN, Laurence – Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, Lda, cop.1977. 226 p. tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. ISBN 972-44-0898-1  Decreto-Lei nº241/2001, de 30 de Agosto.”D.R. I Série - A”.201(30-08-2001) 5572-5575  NP405-1.1994, Informação e Documentação – Referências Bibliográficas: documentos Impressos: Monte da Caparica: IP6,49 p.  NP405-4. 2002, Informação e Documentação - Referências Bibliográficas: Documentos electrónicos: Caparica: IPQ 26.p.  Portaria nº 756/2009.”D.R. 1ª Série”. 134 (14-07-2009) 4488-4491 1 Disponível em : http://www.rbe.min-edu.pt/np4/79.html 2 Disponível em: http://www.rbe.min-edu.pt/np4/?newsId=521&fileName=accoes_formacao.pdf 1
  • 6. 1