COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA

377 views
290 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
377
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA

  1. 1. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 Congresso de Comercialização de Energia 2013 15 e 16 de maio de 2013 Hotel Blue Tree Faria Lima | São Paulo Impactos da Lei 12.783 | Futuro do Mercado Livre | PLD e Resolução CNPE nº 3 Mariana Amim Assessoria Externa ANACE - Associação Nacional dos Consumidores de Energia Gilberto Tonim Gerente de Energia NESTLÉ Henrique Romagnolo Gerente de Comercialização de Energia Copel - Companhia Paranaense de Energia Marcelo Mello Presidente BRIX Energia e Futuros Luiz Fernando Leone Vianna Presidente, APINE - Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica João Carlos Mello Presidente THYMOS ENERGIA Elbia Melo Presidente executiva ABEEólica Walfrido Avila Presidente TRADENER COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA Victor Kodja Presidente BBCE-Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia ApoiadoresPatrocínio
  2. 2. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 O mercado de comercialização de energia está sujeito a uma série de variáveis e constantemente propõe aos agentes reflexões e decisões que podem alterar significativamente os rumos das relações e movimentos de migração. A lei 12.783, desdobramento da MP 579, publicada em janeiro de 2013 representou uma grande mudança e trouxe consigo medidas pouco claras com relação à tarifa de energia e os impactos das concessões. Além disso, muitos agentes perceberam a medida como O Desafio um desestímulo ao mercado livre, já afetado pelas constantes oscilações do PLD. Não menos importantes, estão as discussões sobre a seguranças de suprimento energético, principalmente ligadas ao período de escassez de chuvas, despacho das termelétricas e o modo como o preço da energia será afetado. Pelo visto, há muito que discutir e principalmente de que forma o mercado e o consumidor irão se comportar diante dos novos cenários. Temas em destaque: • Impacto da lei 12.783 para a comercialização de energia • Visão dos agentes sobre o futuro do mercado livre • Projeção de cenários, desafios e possíveis mudanças • Segurança de Suprimento e Planejamento Energético • Sessão com Especialistas:Cenário de preços de energia, influências, incertezas, oportunidades e riscos • Mesa Redonda: Procedimentos de Comercialização e impactos decorrentes da portaria 455 • Painel com Eletrointensivos: A percepção dos consumidores sobre o atual momento do setor elétrico • Panorama das Novas Regras de Comercialização para Consumidores Especiais e Fontes Incentivadas • Novo sistema de Garantias Financeiras • Painel com consumidores: Autoprodução de Energia como alternativa para suprimento energético
  3. 3. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 Programação do Evento Dia 1 | São Paulo, 15 de maio de 2012 08h00| Credenciamento dos participantes 08h50| Abertura da Conferência pelo Presidente de Mesa Palestra de Abertura – Lei 12.783 09h00| Impacto da lei 12.783 para a comercialização de energia • Renovação das concessões • Redução Tarifária • Venda de excedentes de energia: Artigo 25 - da Lei 12.783 Gilberto Tonim Gerente de Energia NESTLÉ Henrique Romagnolo Gerente de Comercialização de Energia COPEL Heloísa Scaramucci Partner TOZZINI FREIRE ADVOGADOS 10h30| intervalo para café e troca de cartões Mesa Redonda – Futuro do Mercado Livre 11h00| Visão dos agentes sobre o futuro do mercado livre: Projeção de cenários, desafios e possíveis mudanças Autoridades discutirão as perspectivas e rumos do mercado livre frente às recentes mudanças e cenário de oscilação de preços. Cada palestrante terá 30 minutos para suas considerações. Posteriormente, o tema será aberto para discussões e questionamentos dos participantes. Walfrido Avila Presidente TRADENER COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA Marcelo Mello Presidente BRIX Energia e Futuros Luiz Fernando Leone Vianna Presidente APINE – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES INDEPENDENTES DE ENERGIA ELÉTRICA 12h00| Intervalo para Almoço e Troca de Cartões Segurança de Suprimento e Planejamento Energético 13h30| Analise do atual cenário de oferta de energia e dos fatores de risco relacionados à segurança de suprimento João Carlos Mello Presidente THYMOS ENERGIA Termelétricas 14h30| Analise do atual cenário termelétrico e o reflexo para os preços da energia Xisto Vieira Filho Presidente ABRAGET 15h30| intervalo para café e troca de cartões Teremos uma sessão interativa durante este coffee break. Nela, você poderá conhecer melhor os participantes e palestrantes do evento e fazer novos negócios. Não se esqueça de trazer seu cartão de visita! Resolução CNPE 3/2013 16h00| Entenda a Resolução CNPE nº 3: alterações na formulação do PLD e o novo critério para distribuição do custo oriundo do despacho de usinas termelétricas • Alteração nos modelos de previsão de preços • Internalização dos mecanismos de aversão ao risco • Estágios e implementação da mudança • Impacto financeiro da medida ainda não foi concluído • Cálculo do CMO/PLD quando a metodologia entrar em vigor Juliana Ferrari Chade Ricosti Estudos Setoriais e de Mercado COMERC ENERGIA Isabel Lustosa Advogada ULHOA CANTO ADVOGADOS 18h00 - 18h30 Tempo para Perguntas 17h30| Encerramento do Primeiro dia do Congresso
  4. 4. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 08h30| Recepção e Credenciamento dos Participantes 08h50| Abertura da Conferência pelo Presidente de Mesa Mesas de Discussão - Portaria 455 09h00| Procedimentos de Comercialização e impactos decorrentes da portaria 455 Esta sessão contará com três momentos distintos. No primeiro, dois especialistas farão uma explanação sobre o tema, em seguida os grupos terão um momento para discussão e por fim, as conclusões e duvidas serão apresentadas a todos os participantes. Victor Kodja Presidente BBCE-BALCÃO BRASILEIRO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA Mariana Amim Assessoria Externa ANACE - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CONSUMIDORES DE ENERGIA 10h30| Intervalo para café e troca de cartões Visão dos Eletrointensivos 11h00| A percepção dos consumidores sobre o atual momento do setor elétrico e suas expectativas para a comercialização de energia Representantes convidados dos seguintes seguimentos: Fabiano Fuga Energy Regional Manager - South America LINDE GASES Isabela Vargas Diretora de Projetos e Energia EFICIÊNCIA CONSULTORIA E PROJETOS Autoprodução de Energia 16h30| Autoprodução de Energia como alternativa para suprimento energético e avaliação dos consumidores quanto aos investimentos e desafios • Regulação • Tarifas • Combustíveis • Investimentos Erik Rego, Consultor EXCELÊNCIA ENERGÉTICA CONSULTORIA EMPRESARIAL Michael Lehmann, Gerente Executivo da Divisão de Energia VOLKSWAGEN Painel Interativo de Encerramento 17h30| Levantamento dos principais pontos discutidos durante a conferência Neste painel o presidente de mesa fará um levantamento dos principais temas discutidos durante o encontro e apresentará suas conclusões. Os participantes também poderão interagir e fazer comentários relacionados com os temas. Reuniões de Negócio: Um dos diferenciais deste encontro é a possibilidade de aproveitar a sua participação para realizar reuniões privativas com outros participantes e palestrantes. Temos um processo e uma estrutura preparada para isso e para potencializar os resultados de sua participação. Ao se inscrever, você receberá as instruções de agendamento. 12h00| Intervalo para Almoço e Troca de Cartões Fontes Renováveis no Mercado Livre 13h30| Panorama das Novas Regras de Comercialização no que Tange o Potencial dos Consumidores Especiais e Fontes Incentivadas no Mercado Livre Roberto Guimarães Director MULTINER Elbia Melo Presidente executiva ABEEólica Charles Lenzi Presidente ABRAGEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA 15h00| Intervalo para café e troca de cartões Garantias Financeiras 15h30| Novo sistema de Garantias Financeiras • Aumento da inadimplência • Desligamentos polêmicos de agentes e • Novas portarias regulamentadas pelo Governo Federal • Impactos da inadimplência no mercado livre e mecanismos de mitigação Programação do Evento Dia 2 | São Paulo, 16 de maio de 2012
  5. 5. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 1. Consumidores de Energia 2. Concessionárias de Geração de Energia 3. Distribuidoras 4. Comercializadoras de Energia 5. Autoprodutores e Produtores Independentes 6. Empresas de Serviços Especializados 7. Pesquisadores e Acadêmicos 8. Governo e Associações de Classe 9. Consultorias especializadas Apoios Quem estará presente ABRAGE - Associação Brasileira das Empresas Geradoras de Energia Elétrica Foicriadaem1998etemcomoobjetivoalcançaromelhordesenvolvimentodasatividadesligadasàgeraçãodeenergiaelétrica.Aassociaçãorepresentaas grandesgeradorasdeenergiaelétrica,deorigempredominantementehidráulica...Parateracessoainformaçõescomplementaressobreaassociação,acesse: http://www.abrage.com.br/ ANACE - Associação Nacional dos Consumidores de Energia A ANACE representa os interesses dos consumidores brasileiros que têm a energia, em seu mais amplo sentido, como um componente estratégico de suas atividades-fim e que avaliam que os atuais cenários mundial e doméstico, além de influenciar suas decisões empresariais, podem representar riscos para os seus negócios.... Para ter acesso a informações complementares sobre a associação, acesse: http://www.anacebrasil.org.br/portal/ CERPCH - Centro Nacional de Referência em Pequenas Centrais Hidrelétricas Entidade voltada para difusão da tecnologia de PCH, criada em 1998, através de convênio entre instituições governamentais, universidades e empre- sas... Para ter acesso a informações complementares sobre o jornal, acesse: http://www.cerpch.unifei.edu.br/ ABRAGEL - Associação Brasileira de Geração de Energia Limpa O Objetivo da ABRAGEL é promover a união dos pequenos e médios produtores de energia elétrica, das empresas, entidades e associações interes- sadas neste mercado, representando suas associadas perante os poderes públicos, incluindo o Poder Judiciário, e órgãos e instituições nacionais e internacionais, defendendo seus direitos, interesses e aspirações... Para ter acesso a informações complementares sobre a associação, acesse: http:// www.abragel.org.br/zpublisher/secoes/home.asp ABIAPE - Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia A Missão da ABIAPE é promover os interesses dos autoprodutores e produtores independentes de energia, considerados para este fim aqueles que produzam e/ou produzirão energia predominantemente para seu próprio consumo, junto a organizações nacionais e internacionais, órgãos e autori- dades públicas, autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista, agências ou assemelhados, federais, estaduais e municipais, direta ou indiretamente afetas ao setor energético... Para ter acesso a informações complementares sobre o jornal, acesse: http://www.abiape.com.br/default. asp
  6. 6. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 Como se inscrever Consulte-nos sobre condições especiais para mais de 3 participantes. r$ 1 950,00 Valor para inscrição www.hiria.com.br +55 (11) 5093-7847 linkedin.com/company/hiria facebook.com/HiriaInfo twitter.com/HiriaInfo Para fazer sua inscrição entre em contato pelo telefone 11 5093-7847 ou envie um e-mail para daniel.valladares@hiria.com.br
  7. 7. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 As conferências e reuniões setoriais configuram-se como uma excelente oportunidade para que os profissionais possam se atualizar, ampliar a sua rede de contatos e fazer novos negócios com executivos e fornecedores de soluções. Por este motivo os encontros promovidos pela Hiria apresentam-se como uma eficiente ferramenta de relacionamento e exposição para os patrocinadores. Oferecemos um conjunto de ações pensadas para que os patrocinadores obtenham o máximo de resultados, além de pacotes de patrocínio e exposição personalizados. Entre os benefícios em patrocinar os eventos da Hiria, as empresas otimizam o seu trabalho de prospecção, pois encontrarão seu publico alvo de forma concentrada, no mesmo ambiente, gerando ganho de escala e menor custo de oportunidade. Para catalisar as oportunidades de fechamento de negócios, dividimos os benefícios em quatro pilares: Relacionamento comercial Comaçõesexecutadaspreviamente,duranteeapósoeventotêmafunçãodepermitirqueaempresapatrocinadora estabeleça contato direto com potenciais prospects. As ações envolvem convites para participação no encontro (a empresa patrocinadora escolhe um numero pré-estabelecido de prospects que gostaria de encontrar e a Hiria promove o encontro dos interesses durante o evento). Atravésdessamodalidadedepatrocinio,aHiriapoderáformataregerenciaralmoçosdirigidos,emqueopatrocinador tem a oportunidade de sentar-se ao lado de contatos que fazem parte de sua estratégia de prospecção de mercado. Aproximação estratégica de prospects Neste conjunto de ações, as empresas patrocinadoras e expositoras podem convidar contatos-chave para participar das conferências da Hiria, além de poder utilizar as salas de reuniões privativas que estão reservadas ao lado da sala de conferência. A empresa patrocinadora poderá também indicar contatos para que recebam descontos especiais. Demonstração de soluções As empresas patrocinadoras possuem a oportunidade de demonstrar soluções durante os painéis que compõem as conferencias da Hiria e nas áreas de exposição. Ao interagir desta forma, os participantes tomarão conhecimento de seu expertise no setor, o que pode acelerar a aproximação nas sessões de relacionamento do próprio evento. Um dos benefícios desta opção de patrocínio é de poder utilizar uma área de exposição nas áreas de relacionamento da conferência, além de colocar em contato os colaboradores da empresa patrocinadora com os contatos que compõem os mercados-alvo. Marca Aplataformadedivulgação“Branding”formatadapelaHiriapossuieficientesaçõesparafixaramarcadopatrocinador entre os participantes da conferência. Entre as opções, consideramos a impressão da logomarca em todos os matérias da conferência, na pasta ou sacola que serão distribuídas a todos os participantes, capas de cadeira e mais de 40 outras opções que podem compor pacotes personalizados para potencializar a exposição do patrocinador. Algumas das Ações contidas na opção “branding” podem compor os outros pacotes de patrocínio descritos acima, formando uma conjunção de esforços gerenciados pela Hiria. Para conhecer as oportunidades de patrocínio (em inglês ou português) para o Hiria Smart Cities 2013 escreva ou ligue para Ricardo Simon: ricardo.simon@hiria.com.br e 11 5093 7847. Como patrocinar
  8. 8. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 Entrevista A Comer Energia faz gestão de quantos agentes no mercado livre atualmente? Hoje são 50 geradores, sendo a maioria biomassa. E de consumidores livres nós temos 265 unidades de consumo, o que representa aproximadamente 210 empresas. Mas temos contratadas outras 500 unidades consumidoras, que não estão hoje, mas estão programadas para migrar até o final de 2014. Isso porque o consumidor vai entrando de acordo com o vencimento do contrato cativo dele. Quantos MW médios foram negociados pela Comerc Energia em 2012? A gente trabalha com dois balanços, um de operações de longo prazo – que é o que interessa para gente - e o de curto prazo. O de longo prazo está em torno de 370MW médios, enquanto o de curto prazo varia entre 200MW até 300MW médios negociados. Como a volatilidade dos contratos de curto prazo é muito grande, então a gente separa essa operação. Ou seja, você tem um portfólio de contratos de longo prazo, e os de curto vão se somando. Na média deste ano negociamos cerca de 600MW médios por mês. Presidente da Comerc Energia, Cristopher Vlavianos, falou sobre os impactos da MP579 e da portaria 455 no mercado livre e sobre a atuação da CCEE e de plataformas de negociação, como Brix e BBCE Por Wagner Freire, de São Paulo (SP) A partir de 2013, as comercializadoras e consumidores livres terão a necessidade de se adequar as modificações que ocorrerão no Ambiente de Contratação Livre (ACL) de energia elétrica, muito por causa da Medida Provisória 579 e a Portaria 455. Enquanto a MP579 deve impactar na liquidez da energia negociada no mercado de livre, a 455 deve impor novos custos às comercializadoras, exigindo delas um aumento de mão de obra por causa dos contratos ex-ante com ajustes semanais. “O volume de trabalho dos gestores de energia vai aumentar demais”, afirma Cristopher Vlavianos* presidente da Comerc Energia. Mas nem tudo são más notícias. A perspectiva da criação da figura do “Comercializador Varejista” também é bem vista por Vlavianos. “Isso diminuirá muito o trabalho das comercializadoras. Ela (a comercializadora) passa a poder administrar o ponto de carga do consumidor”, explica o executivo. “É extremamente benéfico para todo mundo, inclusive para a CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) que vai ter menos processos.” Para ele, não há mais obstáculos para a implementação do comercializador varejista. “Muita coisa foi discutida em termos de inadimplência: como ficaria um consumidor inadimplente, como ficaria uma comercializadora inadimplente. Mas dentro das discussões já se chegou a alguns parâmetros interessantes. Acho que não tem mais nenhum obstáculo, é só implementar mesmo.” Vlavianos ainda criticou a criação de um índice de preços no mercado livre proposto pela 455. Ele também avaliou a contribuição da CCEE e de plataformas como Brix e BBCE para o desenvolvimento do ACL. Confira abaixo os principais trechos da entrevista do presidente da Comer Energia: O mercado livre em 2013 pós-MP579 e 455
  9. 9. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 Qual a sinalização para esses números em 2013? Deve aumentar. É importante explicar que o volume negociado está muito ligado ao PLD (Preço de Liquidação das Diferenças). Quando o preço do indicador fica muito alto, os consumidores acabam flexibilizando os contratos de uma forma diferente, contratando menos energia. Então, esse efeito de PLD alto reduz o volume de energia negociado. Mas imaginamos que essa situação deve se estabilizar no ano que vem e a contratação deve aumentar — tanto de novas migrações para o mercado livre quanto de operações de volumes maiores no mercado de curto prazo. Então o PLD alto diminui a liquidez do mercado? Exatamente. Em sua opinião, a Medida Provisória 579 é prejudicial para o Ambiente de Contratação Livre? No contexto da alocação de cotas foi. Se olharmos pelo ponto de vista da redução de energia, isso é bom para todo mundo. Mas a alocação de cotas só para o consumidor cativo diminui a competitividade do mercado livre. Quer dizer, você está dando um benefício para o mercado cativo que você não está dando para o mercado livre. Então, a gente espera que o governo reveja essa isso com as emendas e que, considerando que esses consumidores livres também ajudaram a amortizar o investimento dessa geração, que fossem alocadas também essas cotas para o consumidor livre, para equipará esse equilíbrio entre o mercado cativo e livre. Mas olhando o contexto, a MP579 da forma como foi colocada, ela acaba privilegiando o mercado cativo em detrimento do mercado livre sim. Com essa falta de isonomia entre mercados, o governo demonstra que a preferência é o cativo? O governo é a favor de que a expansão do mercado livre seja feita de uma forma mais controlada. Quando ele vê que os consumidores cativos estão indo numa velocidade muito grande para o mercado livre, isso preocupa o governo. Preocupa em termos de expansão de geração. O modelo de expansão de geração foi feito dentro do contexto do mercado cativo. Como o consumidor livre sai desse mecanismo, o agente passa a não ser mais uma carga administrada pela distribuidora, declarada; ele passa ser uma carga volátil. E essa carga volátil é motivo de preocupação para o governo. Toda vez que se vê esse movimento muito intenso, esse volume de migração de consumidor para o livre muito rápido, existe uma preocupação do governo. Quanto a carga do mercado livre hoje representa no consumo de energia brasileiro? São 12.500 MW médios, representando 27% do consumo do País. A Comerc Energia faz a gestão de 13% desse mercado. Essa porcentagem da Comerc pode aumentar? Existem algumas medições. Quando falamos em volume de carga, para aumentar esses 13% é preciso ter cargas maiores para dentro da empresa. Que não é o caso desses novos consumidores previstos. Esses novos consumidores são os que migram para o mercado com fonte renovável, que consomem menos energia, são consumidores médios; não grandes. Então, como o mercado tende a se expandir por essa base (de médios consumidores) temos um crescimento em volumes de unidades e de energia não tão grande. Hoje o consumidor especial (0,5 a 3MW) já passa os consumidores livres (acima de 3MW). São mais de 800 consumidores especiais no mercado e 500 livres, mas a carga do especial é 10% da somatória do livre. Quando você prega o mercado livre em si, os grandes consumidores de cargas de energia (que já foram para o mercado livre) acabam por estabilizar esse crescimento em termos de carga. Mas em termos de volume de consumidores a gente espera crescer 40% em 2013. Neste ano nós crescemos em número de unidades 150%. A criação do comercializador varejista beneficia as comercializadoras? Muito. Isso diminuirá muito o trabalho das comercializadoras. Ela (a comercializadora) passa a poder administrar o ponto de carga do consumidor. Hoje os consumidores grandes são os que procuram ter a sua carga separada e administrar a própria carga, mas para o consumidor pequeno é um trabalho e uma burocracia muito grande para a CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica). Então, uma vez que você possa colocar esse consumidor dentro do seu ponto de carga e cuidar dele, como uma pequena distribuidora — que você está operando a carga desse consumidor e diminuindo o trabalho que ele tem — é extremamente benéfico para todo mundo, inclusive para a CCEE que vai ter menos processos. Qual seria o grande obstáculo para a implementação do comercializador varejista? Muita coisa foi discutida em termos de inadimplência: como ficaria um consumidor inadimplente, como ficaria uma comercializadora inadimplente. Mas dentro das discussões já se chegou a alguns parâmetros interessantes. Acho que não tem mais nenhum obstáculo, é só implementar mesmo.
  10. 10. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 Qual a sua opinião sobre a Portaria 455/2012? A 455 tem duas medidas. Uma delas é a divulgação do preço dos contratos; e a outra é a parte de registro dos contratos, que seriam feitos ex-ante, com ajuste semanal. Para nós, a parte de registro de contratos vai aumentar muito o trabalho. Em vez de fazer um registro mensal você vai ter que fazer quatro. O volume de trabalho dos gestores de energia vai aumentar demais. Isso não é nada diferente do que fazemos hoje, vamos ter que nos adequar e fazer, o que inclui contratar mais funcionários. Isso significa aumentar os custos, porque você está trazendo mais gente e tendo mais trabalho por consumidor. Eu prefiro ver na prática se realmente isso (455) vai funcionar. O que vai acontecer é que você vai ter de apurar muito mais os ajustes; vai ter sobra de energia de consumidor por causa de máquina parada, de fábrica parada, e vai ter que liquidar essa operação na CCEE. Não sei se o balanço desse processo é positivo. Acho que precisaria verificar se essa nova sistemática de garantias não seria suficiente para diminuir esse risco. O contrato ex-ante, eu não tenho como precisar, mas acredito que não tem efeito nenhum. É mais trabalho mesmo. E quanto à divulgação dos preços? Hoje existe uma percepção de algumas pessoas nesse setor que o consumidor fica alheio ao preço, ou que existe algum oligopólio. Isso não é verdade. Todos os processos que a gente faz, tanto para grandes consumidores quanto para os consumidores menores, são todos competitivos. A competitividade desse mercado é muito grande. Às vezes fazemos um processo de compra de energia e aparecem 20 geradores vendendo energia. Os caras brigam até o fim. Então, o consumidor não é prejudicado por esse movimento. Muito pelo contrário, o consumidor é beneficiado por essa competitividade. A divulgação do preço tem que ser acompanhada de uma realidade. São vários contratatos diferentes, nós não estamos falando de um contrato padrão. É preciso ter muito cuidado no tratamento dessas informações, para que não se vaze informações de contratatos fechados entre empresas, porque aí isso seria danoso. Agora, mesmo que você consiga chegar num parâmetro real, você estará sempre olhando para trás, para o momento anterior. No dia que você divulgar o preço, por exemplo, do dólar, você divulgou o preço do dólar de ontem; o dólar de hoje está rolando. Então, eu não vejo nenhum efeito em relação a isso também. Se isso vier acompanhado de algumas outras informações pode até ser que seja interessante. Essa informação utilizada de forma correta, para questão de expansão, de análise, de custo de contrato, pode até ser uma informação relevante, mas não em função do consumidor. O consumidor é bem informado. Ele não tem necessidade de saber qual foi o preço de ontem, ele tem necessidade de saber qual o preço de amanhã. Qual a sua avaliação sobre a atuação da CCEE? A CCEE tem a função de câmara de liquidação. Ela estaria muito mais para uma CETIP do que para uma BM&FBovespa, por exemplo. Eu não vejo a CCEE como uma bolsa. Acho que ela tem outros trabalhos a serem desenvolvidos. Tem outros que estão no mercado, com tecnologia e novos produtos para assumir esse papel de bolsa. O trabalho que a CCEE faz, ela faz muito bem, melhorou toda essa parte de sistema, foi extremamente corajosa nesses casos de inadimplência. O pessoal foi realmente além da obrigação deles para proteger o mercado. Acho que a CCEE tem um papel fundamental. O que precisa é separar o que realmente a CCEE precisa fazer. Temos outros agentes que podem cumprir essa necessidade de bolsa de energia. Em que plataformas como Brix e BBCE ajudam o mercado? Elas trazem liquidez, transparência de preço. Isso realmente é uma coisa interessante. O acesso ao preço todo mundo tem. Isso é um fator importante nesse mercado. Mas nenhuma dessas plataformas ainda é uma bolsa. São balcões organizados de negociação de energia. Mas não tem uma característica de bolsa. A característica de bolsa é você operar contra a bolsa, é você ter uma sistemática de garantia. E a sistemática de garantia para uma commodity volátil desse jeito é cara. O que encareceria muito esse processo. Então, eu acho que para gente formar bolsa no futuro a gente teria que mudar essa sistemática de preço. O preço não poderia ser um preço técnico, teria que ser um preço de mercado. Teria que ser um preço muito mais aderente à realidade dos contratos do que um preço técnico que varia num ano de R$20MWh a R$ 450MWh. Não tem operação de garantia que segure uma volatilidade dessa. É um começo (as plataformas), mas ainda precisa de muita evolução. Fonte: Jornal da Energia São Paulo, 11 de Dezembro de 2012 - 17:20
  11. 11. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 Últimos Eventos Em novembro de 2012, reunimos mais de 200 execu- tivos em dois importantes encontros: Energy Waste Bras- il 2012 e Cenários para os Preços de Energia 2013/2015. O primeiro , mais focado em discutir o aproveitamento energético de residuos e o segundo, nas recentes me- didas anunciadas pelo Governo e e seus reflexos para o custo da energia no Brasil. Conheça alguns dos prin- cipais momentos registrados durante os três dias de conferência. Para receber o report especial dos encon- tros com o resumo das palestras, entre em contato com gabriela.silva@hiria.com.br Hiria Club® O Hiria Club® foi concebido e formatado para propiciar aos associados o acesso a uma selecionada rede de especialistas através de eventos exclusivos que poderão auxiliá-lo(a) a atingir os seus objetivos profissionais. Oferecemos aceleradores de negócios por meio da participação em executive roundtables exclusivos para convidados, acesso a relatórios de inteligência de mercado restritos e a participação em visitas guiadas as mais representativas feiras de negócios no Brasil e no mundo. Além dos encontros de negócios, os membros do Hiria Club® participarão de eventos como campeonatos de golfe e jantares com renomados chefs de cozinha, com a premissa de reunir interesses convergentes em ambientes informais. Dessa forma, cada participação em nossos encontros de negócios torna-se uma experiência eficiente e única. Informe-se como se inscrever e participar do Hiria Club® através do hiriaclub@hiria.com.br
  12. 12. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 Os funcionários, colaboradores e apoiadores da Hiria acreditam que este encontro pode contribuir de forma decisiva para que os agentes as concessionárias avaliem o cenário e tomem suas decisões de maneira mais assertiva. No que acreditamos O encontro promoverá a troca de conhecimento, o benchmark e possibilidade de reunir aqueles que buscam novas oportunidades de negócios e novas formas de pensar a comercialização de energia. PORQUE NOS REUNIREMOS EM MARÇO Dessa maneira os agentes terão condições de fazer uma analise e planejamento adequados para uma movimentação de mercado que gere melhores resultados financeiros para a companhia. Resultado • Em janeiro de 2013, o Governo publicou a lei 12.783, desdobramento da medida Provisória 579 que estabelece as condições para renovação das concessões do setor elétrico com vencimento até 2017. • A Aneel aprovou, a primeira fase de mudança nas regras de garantias financeiras para o mercado livre de energia; • A ocorrência de chuvas abaixo dos níveis normais para o período no país, e com os reservatórios abaixo a média, trouxeram impactos diretos para o aumento do Preço da Liquidação das Diferenças; • Período de escassez e os seus efeitos da geração térmica e na tarifa de energia • Artigo 25, da Lei 12.783: para que consumidores livres convencionais e especiais de energia elétrica possam vender o excedente do insumo contratado que não foi consumido; Macro cenário de oportunidades Nosso Papel Gabriela Silva Especialista da Hiria gabriela.silva@hiria.com.br + 55 11 98265.9741
  13. 13. www.hiria.com.br • 11 5093 7847 Ideias multiplicadas Futuro inteligente. Hiria®, palavra originária do idioma basco, que significa reunião de povos, espaço de troca de conhecimento ou o que, atualmente, entendemos por cidade, local que favorece, por excelência, a comunicação, a conexão e o intercâmbio de ideias entre pessoas, grupos e organizações. Por meio de conteúdos informativos na forma de conferências, a Hiria® proporciona um ambiente ideal para a entrega e transferência de conceitos sobre a construção e a gestão da infraestrutura no Brasil e na América Latina. Potencializamos as oportunidades de encontros de negócios entre as lideranças da iniciativa privada, poder público e do meio acadêmico, para a formatação e execução de decisões eficientes e sustentáveis. Nossa missão é criar e multiplicar um acervo de conhecimento para soluções em cidades, energia, água e resíduos, na direção da construção de um amanhã mais inteligente. TRADENER - Comercialização de Energia Primeira comercializadora a ser autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica-ANEEL,aTradenerofereceaseusclientessoluçõesparacompra,venda e gestão de energia elétrica, provendo os serviços associados necessários, minimizando os riscos e proporcionando economia e a rentabilidade. Pioneira no mercado livre de energia elétrica no Brasil, atua desde 1998 na compra e venda, intermediação de negócios, representação e gestão de agentes, bem como na importação e exportação de energia elétrica. Com vasta experiência em todos os segmentos desse mercado especializado, a empresa paranaense atende consumidores livres e geradores em todo o território nacional. A Tradener é agente da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE desde o seu surgimento e é associada fundadora da Associação Brasileira dos AgentesComercializadoresdeEnergia-Abraceel.Parateracessoainformações complementares sobre a TRADENER, acesse: www.tradener.com.br

×