Your SlideShare is downloading. ×
0
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Análise de Riscos - Estratégia infalível no projeto de testes de software

276

Published on

Published in: Technology
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
276
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Estratégia infalível no projeto de testes software Gabriela Linhares 2º Encontro deTeste de Software do Ceará - GTS-Ce
  • 2.  Bacharel em Ciência da Computação pela UECE - Universidade Estadual do Ceará e está cursando Pós-Graduação em Engenharia de Software na FA7 - Faculdade 7 de Setembro.  Atualmente é Analista de Requisitos,Testes e Métricas naVTITecnologia;  Trabalha desde 2009 como analista de requisitos e já foi colaboradora nas empresas: Instituto Atlântico (Prefeitura de Fortaleza, Padtec, Telcon, Moura Brasil, Icatel) e Capgemini Brasil (BNB eTJ-CE);  Trabalhou como analista de testes e programadora C# .NET no Instituto Atlântico (HP Brasil), trainee em programação Java Web na Usix Technology e trainee em C, C++ na Softbuilder Informática, de 2006 a 2010;  Foi pesquisadora / analista de requisitos na UQÀM (Universitée du Quebéc à Montreál) em Montreal, Canadá, em 2011, na área de virtualização de redes na nuvem.
  • 3.  Dicionário Houaiss da Língua portuguesa: Risco é a “probabilidade de insucesso, de malogro de determinada coisa, em função de acontecimento eventual, incerto, cuja ocorrência não depende exclusivamente da vontade dos interessados.”
  • 4.  Risco  Análise do Risco  Ameaça  Vulnerabilidade  Controle
  • 5. 1. TESTE É ATIVIDADE DO CICLO DEVIDA DO PROJETO 2. TESTE COMO PROJETO DE SOFTWARE RISCOS CONSIDERADOS QUANDO:
  • 6.  Testes custam dinheiro! COBERTURA DETESTES QUANTIDADE DE DEFEITOS DO SOFTWARE EM PRODUÇÃO
  • 7. EMPRESA SÓGASTA RECURSOSCOMTESTES CASOA OCORRÊNCIA DE UM DEFEITOSEJA UM RISCO PARAO NEGÓCIO. PARA DEFINIRA COBERTURA DETESTES NO PLANO DE TESTES 1. PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DO RISCO. 2. O IMPACTO E A PERDA ASSOCIADOSA ESSE RISCO.
  • 8.  Total de testes a ser executado está diretamente ligado ao total de riscos envolvidos.  Análise de riscos bem feita  Alocação mais adequada dos recursos disponíveis; IMPACTO PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA ALTA MÉDIA BAIXA ALTO AA AM AB MÉDIO MA MM MB BAIXO BA BB BB
  • 9. Teste o que importa no tempo que lhe resta!
  • 10.  Orçamento  Qualificação da EquipeTécnica deTestes  Ambiente deTestes  Ferramentas  Metodologias  Cronograma para recebimento e devolução de testes  Testware  NovasTecnologias
  • 11.  MAGNITUDE DOS RISCOS: Análise de Custo x Benefício em investir no controle do risco  QAI estabelece quatro maneiras de determinar um risco:  Intuição ou discernimento: técnica alinhada à experiência;  Consenso entre os testadores;  Fórmula do risco: utilize dados financeiros;  Estimativas de perdas anuais: consenso + fórmula do risco;
  • 12. ISSO/IEC 9126 -1 CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADEQUE O SOFTWARE DEVETER:  FUNCIONALIDADE  CONFIABILIDADE  USABILIDADE  EFICIÊNCIA  MANUTENIBILIDADE  PORTABILIDADE TIPOS DETESTES NECESSÁRIOS  FUNCIONAIS  ESTRESSE  USABILIDADE  CAIXA-BRANCA / PRETA / CINZA...  PRODUÇÃO / ALFA...
  • 13.  Ausência de Cronograma Detalhado;  Problemas na Base deTestes  Não disponível  Método de Criação  Disponibilidade de Testers  Falta de Métrica p/ Medir o Sistema (Ponto de Função) ou p/ Medir o Processo deTestes (Ponto deTeste).  Crescimento do Sistema (PF) -> Prazo deTestes  Ambiente deTestes;  Disponibilidade;  Componentes (GC);  Introdução à abordagens com as quais a organização não tem experiência;
  • 14.  Risco Relacionado ao Esforço deTestes Livro: Base de conhecimento em teste de software – Cap. 4 – Pág. 103
  • 15.  Risco Relacionado ao Princípio de Pareto Livro: Base de conhecimento em teste de software – Cap. 4 – Pág. 103
  • 16.  Planejar Gerenciamento dos riscos;  Identificar Riscos;  Analisar Qualitativamente;  Analisar Quantitativamente;  Controlar e Monitorar;
  • 17.  CTFL – CertifiedTester Foundation Level.  CTAL - CertifiedTester Advanced Level.  CTAL –TM –Test Manager;  CTAL –TA –Test Analyst;  CTAL –TTA - TechnicalTest Analist;
  • 18.  Base de Conhecimento emTeste de Software. Aderson Bastos... [et al] – 2º edição ver. – São Paulo: Martins, 2007.  Manual CTFL: CertifiedTester Level Syllabus.Versão 2011br. BSTQB – Brazilian Software testing Qualifications Board  Qualister: <www.qualister.com.br>  Testanto o que importa no tempo que lhe resta: <www.qualister.com.br/blog/testando-o-que-importa-no- tempo-que-lhe-resta>  BSTQB: <www.bstqb.org.br>

×