Aula 3: Aplicação

3,182 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,182
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
78
Actions
Shares
0
Downloads
82
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 3: Aplicação

  1. 1. ANAMNESE A importância da coleta de dados para realização de um trabalho assertivo com a criança com Dificuldades de Aprendizagem
  2. 2. Aula 3Anamnese: aplicação.
  3. 3. ANAMNESE IDENTIFICAÇÃONome: DN: Idade:End.: Bairro:Cidade: Tel:Naturalidade: Nacionalidade:Pai: Idade: Escolaridade: Ocupação:Mãe: Idade: Escolaridade: Ocupação:Irmãos: Idades:Escola: Série/Período: Professor:Convênios:Informante:Data da anamnese:
  4. 4. ANAMNESE QUEIXA Qual é a queixa?- Neste ítem vamos verificar qual é a queixa trazida e essa informação precisa ficar muito clara, uma vez que todo o trabalho terapêutico será realizado com o objetivo de saná-la.
  5. 5. ANAMNESE De quem é a queixa?- Vamos pesquisar quem trouxe à tona a dificuldade que está “incomodando” a ponto do profissional ser procurado.- Quem trouxe essa preocupação foi a família, a criança, os professores?- Se a família disser que foi alguém de fora que sugeriu uma avaliação, quer dizer que ela própria ainda não enxergou a necessidade do tratamento. O orientação precisará ser reforçada buscando envolver os responsáveis no processo terapêutico e tentando-lhe mostrar-lhes a necessidade, ou não do acompanhamento.
  6. 6. ANAMNESESe a queixa veio do professor, é fundamental queo profissional entre em contato com ele ousolicite um relatório por escrito para verificar oque está defasado em sua visão. Caso a própria mãe tenha observado anecessidade da avaliação, meio caminho estáandado, pois você contará com o apoio dosresponsáveis que já estão cientes da dificuldadee dispostos a contribuir.
  7. 7. ANAMNESE É imprescindível que os familiarescompreendam a alteração, caso ela exista,antes que se inicie o processo diagnóstico,pois caso não entendam o motivo ou nãoconcordem em estarem ali, o casodificilmente evoluirá e você poderá serconsiderado um terapeuta incompetente.
  8. 8. ANAMNESE Defina em que área é a queixa.Ela pode ser referente à:- Linguagem oral;- Aprendizagem;- Comportamento;- Desenvolvimento motor...
  9. 9. ANAMNESEExemplos de queixa:- Comportamento: desobediência, agressividade, birra desatenção.- Fala: ausência, atraso, alteração, incompreensão, disfluência, timbre.- Aprendizagem: atraso, dificuldades na alfabetização, não retém o conteúdo, troca de letras.- Desenvolvimento motor: atraso, alteração, dificuldade.
  10. 10. ANAMNESE HISTÓRIA DA “DOENÇA” ATUAL - Pronto! Já coletamos todos os dados de identificação e a queixa. Agora vamos nos referir mais pontualmente ao “problema”. - Os questionamentos nos trarão informações importantes e pontuais sobre aquilo que vamos tratar posteriormente. - Nem sempre as respostas serão fornecidas na ordem. O importante é coletar o máximo de dados possíveis para que depois você possa juntá-los à avaliação e chegar a uma hipótese diagnóstica.
  11. 11. ANAMNESE1. Início do quadro- Desde quando “isso” começou?- Fator desencadeante?- Aconteceu alguma coisa diferente neste período que você se recorde e que possa ter alguma relação?- Qual é a frequência? Quantas vezes “isso” acontece? Todo dia? Toda semana? Só à noite?
  12. 12. ANAMNESE2. Características (É a caracterização da queixa)Como “isso” acontece?3. Sintomas associadosExiste mais alguma coisa que ocorre?4. Situações desencadeantesQuando acontece?Só quando a avó está perto, só na escola, quando o pai grita...
  13. 13. ANAMNESE5. Qual é a reação da família diante do fato? Como cada um de vocês reage? Não ligam, colocam de castigo, dão bronca, abraçam....6. Posicionamento do paciente frente ao fato? O que você acha que é “isso”? E por quê ocorre? Você acha normal? Como era com os outros filhos ou como é com os colegas da mesma idade?7. Fatores agravantes? Existe algum fator que piora a situação?
  14. 14. ANAMNESE ANTECEDENTES Dependendo da idade do paciente, neste momento o informante precisará retomar informações do passado, voltando no tempo e relembrando detalhes que podem fazer toda a diferença no processo terapêutico.
  15. 15. ANAMNESE São dados que algumas vezes podem ser desagradáveis de serem expostos ou retomados, mas necessários. O profissional começará investigando os fatos e condições anteriores à gestação, o ocorrido durante a gravidez e posteriormente ao nascimento do bebê. Terá que lembrar de situações vivenciadas com outros filhos se tiver. Assim como históricos de abortos e doenças.
  16. 16. ANAMNESE ANTECEDENTES Dados do pré-natal Dados do peri-natal Dados do pós-natal
  17. 17. ANAMNESE Dados pré-natais- Idade ao engravidar.- Estado civil ao engravidar.- A gravidez foi planejada ou aconteceu sem querer?- Estava de quanto tempo quando percebeu a gestação?- Qual sua reação ao descobrir que estava grávida? E a do pai?- Tinha preferência por algum sexo?- Quantidade de filhos, sexo e idades.- Filiação dos outros filhos.
  18. 18. ANAMNESE Dados pré-natais Neste momento o profissional pesquisará tudo que ocorreu antes do parto.
  19. 19. ANAMNESE Consanguinidade- A genitora e o pai são primos ou parentes ? Doenças genéticas ocorrem com maior frequência quando há histórico de consanguinidade do casal.- Fazia uso de medicamentos? A mãe tomou algum remédio durante a gestação? Qual? Por que? O médico que indicou? Que quantidade? Em quais horários?
  20. 20. ANAMNESE- Fez acompanhamento pré-natal? Foi ao médico durante a gestação? Fez ultrasom? Quantos? Em que período?- Ocorrência de doença durante a gestação. Teve alguma doença, alergia, dor de cabeça muito forte, coceira, manchas, convulsão, depressão? Muitas vezes a informante nem sabe que esteve doente.
  21. 21. ANAMNESE- Radiografias e vacinas Foi ao dentista quando estava grávida? Fez algum tipo de radiografia (raio X)? Tomou alguma injeção? Pra quê? O médico que indicou? Tomou vacinas de rubéola, gripe, hepatite?- Traumas físicos Levou algum tombo durante a gravidez? Seu esposo era agressivo? Bateu alguma vez na sua barriga? Como foi? Com que força? De quanto tempo estava? Houve alguma complicação após esse episódio?
  22. 22. ANAMNESE- Hábitos e vícios. Uso de álcool, tabaco (fumo) ou drogas durante a gestação. Com qual frequência? Quantidade? Tipo? Perguntamos do companheiro também porque caso a mãe não tenha coragem de contar que fez uso de uma dessas substâncias durante a gestação é possível percebermos, dentro do contexto familial, se é uma situação presente (inclusive até o momento atual).
  23. 23. ANAMNESE- Houve tentativa de aborto? Obviamente que se a gestação foi planejada não vamos fazer essa pergunta, a modificaremos para: sua gravidez foi de risco? Teve alguma complicação? Você tentou abortar? Estava de quanto tempo? O que usou? O que aconteceu depois disso?- Intercorrências A genitora teve alguma complicação durante a gestação como pressão alta, diabete, depressão? Teve alguma outra doença? Foi ao médico? Precisou de medicação? Qual? Ficou internada?
  24. 24. ANAMNESE- Alimentação Quantos quilos engordou na gravidez? Como era a alimentação? Teve muito enjôo?- Condições de moradia A casa na qual morava era de alvenaria? Tinha água encanada, tratamento de esgoto? Quantos cômodos tinha? Quem morava com você? Quais eram as condições físicas e psicológicas vivenciadas naquele ambiente?- Atividade exercida Você trabalhava? Aonde? O que fazia especificamente? Observaremos as condições ambientais às quais a gestante estava exposta, tais como inalação de substâncias tóxicas e esforço repetitivo
  25. 25. ANAMNESE Dados péri-natais- Nasceu à termo?- Tipo de parto?- Houve uso de fórceps?- “Demorou” pra nascer?- -Ápgar?- Aspirou líquido amniótico ou mecônio?- Chorou?
  26. 26. ANAMNESE Coletaremos dados referentes ao momento do parto.- Tempo da gestação. Nem todas as mães ou pais se lembraram exatamente com quantas semanas de gestação tiveram o filho. O melhor é perguntar se o bebê foi prematuro ou se “passou do tempo” de nascer. Quando o bebê nasce no “tempo” certo dizemos que nasceu a termo.- Ápgar. O ápgar é uma nota de zero à dez que todas os bebês recebem no primeiro e quinto minuto após o nascimento e que avalia funções como: tonicidade, respiração, cor da pele, frequência cardíaca e reflexo. Fornece dados importantes sobre as condições nas quais a criança chegou ao mundo. Se essa nota aumenta é bom sinal. Elas devem constar na carteirinha do bebê.
  27. 27. ANAMNESE- Mecônio Ainda na barriga da mamãe, o bebê pode ter aspirado alguma substância como o líquido amniótico ou mecônio (suas próprias fezes). A genitora deverá ser questionada a respeito.- Choro. É importante saber se a criança chorou logo ao sair do útero materno. Normalmente é o que acontece, mas o contrário, não caracteriza, necessariamente, um problema. Ao sair da barriga da mamãe, o bebê passa a respirar no meio atmosférico e não mais no líquido. Vir ao mundo não deixa de ser um “choque”. Para quem estava quentinho, apertadinho, no escuro e sendo alimentado sem precisar fazer nada, não é nada fácil ser “puxado” e dar de cara com a luz intensa, ruídos, frio além de poder se esticar inteiro sentindo insegurança e estranheza.
  28. 28. ANAMNESE- Circular de cordão Alguma vezes, o próprio cordão umbilical que conduz o alimento para o bebê, pode estar enrolado no pescocinho dele, o que pode “sufocá-lo na hora do parto. Por isso o ultrasom é tão importante, pois prevendo essa possibilidade o médico estará mais preparado para desenrolá-lo sem causar nenhum problema.
  29. 29. ANAMNESE- Cor ao nascer A intenção aqui não é investigar a cor da pele, mas saber se o bebê nasceu “amarelinho” (icterícia) ou roxinho (falta de oxigenação no cérebro – anóxia).
  30. 30. ANAMNESE- Incubadora Questionar a mãe se saíram juntos da maternidade ou se o bebê precisou ficar internado. Pergunte os motivos. Caso tenha ficado na incubadora, por quanto tempo e por qual razão? Precisou de cuidados especiais? Ficou na UTI? Por quê?
  31. 31. ANAMNESE Atividade – Aula 3 Responda as questões disponíveis no site.

×