Us

2,755 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,755
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
91
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Us

  1. 1. Ultra Som
  2. 2. Ondas mecânicas Diferem das ondas eletromagnéticas emum aspecto principal: as ondas mecânicasnão se propagam no vácuo. Isto ocorre pois a energia mecânica passapor um meio através do movimento demoléculas. O som é produzido por uma superfície que move(vibra) Exemplo: alto-falante, diafragma (estetoscópio)
  3. 3. Som A medida que a superfície se move elacomprime moléculas a sua frente. Estas moléculas empurram pra frente suasmoléculas vizinhas. Onda longitudinal: o deslocamento molecularocorre na direção de propagação.
  4. 4. Freqüência de transmissão da onda O ouvido humano escuta entre as freqüências de 16 Hz e 17 Khz. ↓16 Hz: infra-som ↑17 Khz: ultra-som
  5. 5. Freqüência de transmissão da onda Tecido biológico: ↓ freq. das ondas de som ↑ profundidade de penetração. O índice de absorção e, portanto, a atenuação aumentam a medida que a freqüência do ultra-som se eleva.
  6. 6. Ultra-som O ultra-som é gerado por um transdutor(transforma um tipo de energia em outra). Transforma energia elétrica em energiamecânica (efeito piezoelétrico).
  7. 7. Ultra-somCristal piezoelétrico Modifica sua espessura (deformação mecânica)dependendo da voltagem aplicada emitindo o ultra-som.
  8. 8. Área de radiação efetiva (ARE)o Porção da superfície do transdutor que realmente produz a onda sonora.o O tamanho do transdutor não indica a superfície real de radiação. o O tamanho adequado da área a ser tratada por ultra- som é de 2 a 3 vezes o tamanho da ARE do cristal. o Assim o ultra-som é usado mais eficazmente para tratar áreas menores.
  9. 9. Emissão de ondas Os geradores de US podem emitir ondas contínuasou pulsadas. Pode ser de 3 maneiras: o x seg ligados, y seg deslig o proporção ligado e desligado (2:1) o porcentagem (%)
  10. 10. Ultra-som
  11. 11. Efeitos fisiológicos do USEfeitos físicos Térmico Não térmico
  12. 12. Ultra-somEfeitos físicos: Térmico Devido a absorção de energia mecânica pelo tecidoA absorção depende: Vascularização do tecido Natureza do tecido Freqüência do US OBS: Quanto maior o n°de proteínas maior a absorção.
  13. 13. Características de absorção tecidualA quantidade de energia absorvida depende:•Natureza do tecido•Freqüência do US
  14. 14. Efeitos térmicos Temp. tecidual ↑entre 40 a 45°C por pelo menos 5 minutos• ↑ Aumento extensibilidade das fibras do colágeno;• ↓ Rigidez articular;• ↓ Espasmo muscular;• Modulação da dor;• ↑ Fluxo sanguíneo (contra-indicado na fase aguda da inflamação/hemorragia)
  15. 15. Ultra-somEfeitos físicos: Não térmico/Microtérmico Estimula regeneração tecidual Reparo de tecidos moles Aumento fluxo sanguíneo Aumenta síntese de proteína Reparo ósseo
  16. 16. Ultra-somEfeitos físicos: Não térmico Todos estes efeitos fisiológicos acontecem devido: Cavitação Correntes acústicas Ondas estacionárias
  17. 17. Ultra-somEfeitos físicos: Não térmico Cavitação Formação de micro bolhas (cavidades) em fluidos contendo gases Estas vibram e alteram a permeabilidade celular ↑ a intensidade ↑ a cavitação Pode ser lesivo, ↑ radicais livres
  18. 18. Ultra-somEfeitos físicos: Não térmico Correntes acústicas: movimento unidirecional defluidos Estimulam atividade celular Aumento da síntese protéica Aumento da secreção de mastócitos Alteração da mobilidade dos fibroblastos
  19. 19. Ultra-somEfeitos físicos: Não térmico Ondas estacionárias Ocorre quando a onda do US atinge dois tecidos com impedância acústica diferentes. Uma parte da onda é refletida Onda refletida + onda incidente = estacionária Aumenta a cavitação (radicais livres) Pode lesar células endoteliais
  20. 20. Ultra-somefeitos físicos: Não térmico Ondas estacionárias, Cavitação... COMO PREVENIR TUDO ISTO???? Movimentando o cabeçote do US Utilizando uma dose mínima porém que tenha efeito fisiológico.
  21. 21. Ultra-somAção do US: Fase Inflamatória Acelera a produção e a efetividade das células:mastócitos, plaquetas, neutróflos e macrofágos Plaquetas: liberação de fatores de crescimentocelular (estimulam fibroblastos) e serotonina Mastócitos: liberação de histamina (atrai leucócitos) Aceleração da fase inflamatória
  22. 22. Fase Inflamatória• O Us produz um efeito estimulante nas células.• Aumentando a atividade de algumas células, a influência terapêutica do US é certamente pró- inflamatória ao invés de anti-inflamatória.• O benefício desse modo de ação não é aumentar a resposta inflamatória e sim atuar como um “otimizador inflamatório”.
  23. 23. Ultra-somAção do US: Proliferação Angiogênese Estimula fibroplasia/síntese de colágenoPró-proliferativo: Não altera fase normal deproliferação,mas maximiza a sua eficiência.
  24. 24. Ultra-somAção do US: Remodelamento Estimula a organização/orientação dasfibras de colágeno Favorece uma melhor flexibilidade e resistência tênsil
  25. 25. Ultra-somAção do US: Reparo ósseo Método pulsado Cabeçote 1 MHz Dose 0,5 W/cm² Aumenta a velocidade de cicatrização
  26. 26. Ultra-somAção do US: Analgésica Devido a aceleração do processoinflamatório e de reparação. Aumenta o limiar de ativação dasterminações nervosas livres por meio deefeitos térmicos.
  27. 27. Ultra-somAção do US: Fonoforese Migração de moléculas de drogas através da pelesob a influência do ultra-som. Quantidade da droga é efetiva? Quanto penetra?
  28. 28. Considerações GeraisEscolha do equipamentoCalibração: 1 vez por semana (ideal)Escolha do meio acoplanteFreqüênciaIntensidadePulsado ou contínuoDuração do tratamento
  29. 29. Ultra-somEscolha do meio acoplante o AR: o US será refletido para o transdutor danificando o transdutor. o Água: melhor acoplante acústico (pouca reflexão).
  30. 30. Escolha do meio acoplantePropriedades do material acoplante: Propriedade acústica da água Não ter bolhas Viscosidade de gel (facilita o uso) Estéril Quimicamente inerte Hipoalergênicos
  31. 31. Escolha do meio acoplanteÁgua desgaseificada Utilizada dentro de um recipiente Revestimento de borracha (recipiente) O cabeçote e a área a ser tratada nãoentram em contato.
  32. 32. Aplicação do Ultra-som
  33. 33. Aplicação do Ultra-somFreqüência Quanto mais alta a freqüência, mais superficial a aplicação. Menor a freqüência maior a cavitação A atenuação também depende do tecido 3 MHz 1 MHz
  34. 34. Aplicação do Ultra-somIntensidade Não há evidências da necessidade de altas intensidades (acima 1 W/cm²). Evidências demonstram que níveis acima de 1,5 W/cm² têm efeitos adversos nos tecidos em regeneração. “intensidade mais baixa que produza o efeito terapêutico desejado” sugestão da bibliografia: agudo: 0,5 W/cm² crônico: W/cm²
  35. 35. Pulsado ou contínuo
  36. 36. Aplicação do Ultra-somIntervalo de tratamento Lesão aguda: quanto mais cedo se usa oUS melhor 1 aplicação por dia Lesão crônica: 1 a 3 vezes por semana
  37. 37. Contra indicaçõesÚtero em gestaçãoGônodasCATecidos com radiaçãoAnormalidades vascularesInfecções agudasÁrea cardíaca
  38. 38. Contra indicações Olhos Hemofílicos Proeminência ósseas Placas epifisárias Crânio Áreas anestésicas Se o paciente sentir dor ao tratamento deve-sereduzir a intensidade

×