Your SlideShare is downloading. ×
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Diatermia por Ondas Curtas e Microondas

23,075

Published on

Published in: Education
0 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
23,075
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
11
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. DIATERMIA POR ONDAS CURTAS Prof. Fuad Hazime
  • 2. Considerações históricas• Faraday (1867) e Maxwell (1879) • Um campo elétrico gera um campo magnético e vice- versa.• D’Arsonval (1890) • Passagem de corrente de 1A em alta frequência pelo próprio corpo, referindo sentir apenas uma sensação de aquecimento.• Hertz (1894) • Ondas eletromagnéticas se propagam na velocidade da luz=3x108 metros por segundo.
  • 3. Características Físicas• Modalidade que utiliza radiações do espectro eletromagnético na ordem de MHz (10-100 MHz).• Freqüência terapêutica: 27,12MHz• Comprimento de onda: 11m
  • 4. Espectro Eletromagnético
  • 5. Radiação Eletromagnética São campos elétricos e magnéticos que corremjuntos através do espaço. São pequenos “pacotes” de energia. Quanto mais longo for o comprimento de ondamenor será a energia emitida.
  • 6. A rápida aceleração das cargas causa a produção de radiações eletromagnéticas O campo magnético gerado pelo circuito oscilador induz umacorrenteza na bobina ressonadora
  • 7. Efeito Fisiológico Aumento da temperatura• A energia eletromagnética das ondas curtas tem um efeito muito pequeno no tecido vivo.• São as correntes oscilantes de alta freqüência geradas nos tecidos que causam o aquecimento.
  • 8. Efeitos dos campos elétricos oscilantes nos tecidos• Vibração dos íons• Rotação dos dipolos• Distorção molecular
  • 9. Absorção de Energia de RadiofreqüênciaVibração dos íons: Os íons positivos e negativos se movem de um lado para outrosob a influência de um campo oscilante. Ocorre o aumento da energia cinética da matéria.
  • 10. Absorção de Energia de RadiofreqüênciaRotação de dipolos: As moléculas polares rodam de um lado para outro ámedida que o campo elétrico oscila. Realizam movimentos rotacionais a medida que as cargasdas placas se altera rapidamente.
  • 11. Absorção de Energia de RadiofreqüênciaDistorção Molecular: As vias dos elétrons em órbita são distorcidas primeiro emum sentido e depois em outro á media que o campoelétrico oscila.
  • 12. Absorção de Energia de Radiofreqüência A elevação da temperatura depende da Taxa de AbsorçãoEspecífica (TAE). É a quantidade de energia absorvida por uma massa detecido (W/Kg). A TAE é uma função da condutividade do tecido Reflete a facilidade com que um campo elétrico pode ser produzido no tecido.
  • 13. Diatermia por OC pulsada Nem todos os equipamentos tem esta opção. A diferença entre a terapia pulsada e a contínua é ainterrupção do campo eletromagnético. O tempo de pausa pode chegar até 20 vezes o tempo de duração do pulso. O objetivo é dar uma carga eletromagnética sem efeitotérmico.
  • 14. Efeitos terapêuticos de OC e OCPEfeito Térmico Fluxo Sanguíneo Processo inflamatório Colágeno Rigidez articular
  • 15. Efeitos terapêuticos de OC e OCPEfeito não Térmico ou Atérmico Membrana plasmática mais permeável Mitocôndrias produzem mais ATP Alívio da dor Aumento da fabricação de colágeno???? Aumento da regeneração celular??? Fagocitose???
  • 16. Aplicação: técnica CapacitivaPlacas metálicas flexíveisDiscos metálicos rígidos
  • 17. Aplicação: técnica CapacitivaDiretrizes para escolha e colocação do eletrodo Os eletrodos devem ser de tamanhos iguais Aquecimento maior perto do eletrodo menor Concentração sobre uma área de superfície menor Eletrodos mais largos que a área a ser aplicada Campo elétrico é menos uniforme na margem das placas Eletrodos paralelos a pele
  • 18. Aplicação: técnica CapacitivaArranjo dos eletrodos Aplicação contraplanar ou transversal
  • 19. Aplicação: técnica CapacitivaArranjo dos eletrodos Aplicação coplanar
  • 20. Aplicação: técnica CapacitivaArranjo dos eletrodos Aplicação longitudinal
  • 21. Aplicação: técnica Indutiva Nesse processo o campo magnético induz correntessecundárias 2 tipos de eletrodos: Cabo espiralado e eletrodo tipo bobina
  • 22. DosagemSensibilidade térmica do paciente - OCDose OCP
  • 23. Procedimentos para o tratamentoPreparo do paciente Examinar sensibilidade térmica e dolorosa Excluir contra-indicações Retirar objetos metálicos da área de tratamento Remover auxílios auditivos Remover bandagem e roupas Pele seca Pedir ao paciente relatar qualquer sensação percebida durante a aplicação
  • 24. Procedimentos para o tratamentoPreparo do equipamento Conexão dos cabos Não encostar os cabos em superfícies metálicas Alinhamento dos eletrodos Proteção genital Suporte do paciente (cadeira ou maca) não pode ser metálico.
  • 25. Procedimentos para o tratamentoDurante o tratamento O terapeuta não deve ficar próximo ao aparelho Assegurar que o paciente mantenha a posição correta durante a aplicação não deixar o paciente sozinho
  • 26. Riscos Queimaduras Exacerbação dos sintomas Alastramento de patologias existentes. Ex.: tumores Insuficiência cardíaca – choque elétrico ouinterferência com marcapassos. Gestação (primeiro trimestre)
  • 27. Contra-indicaçõesUso de marcapassos TumoresMetais implantados TB ativaInsensibilidade térmica Trombose venosaDéficit de consciência recenteGestação Radioterapia ou exame radioativoÁreas hemorrágicasTecidos isquêmicos
  • 28. Diatermia por Microondas
  • 29. Espectro Eletromagnético
  • 30. MicroondasMenos profundo que o OCEmprego terapêutico: Freqüência: 2.450 MHz Comprimento de onda: 12 cm Gera correntes Irradia microondas oscilantes
  • 31. Microondas Penetração é proporcional ao comprimentode onda e inversamente proporcional afreqüência. Absorção dependente da condutividadeelétrica do tecido. A penetração também dependedo ângulo de inserção.
  • 32. Relação comprimento de onda e absorçãoComprimento de onda 122,5mm (2450 MHz): pouca penetração,aquecimento mais superficial. 327 mm (915 MHZ): maior penetração,aquecimento mais profundo.
  • 33. Intensidade da radiação É inversamente proporcional ao quadrado da distânciaentre a fonte de energia e a superfície.
  • 34. Efeitos terapêuticosEfeito Térmico Principal efeito Fluxo Sanguíneo Processo inflamatório Colágeno Rigidez articular
  • 35. Efeitos terapêuticos Efeito não Térmico ouAtérmico (MOP) Não há evidências daeficácia
  • 36. Aplicação Materiais metálicos devem ser afastados pelo menos3 metros. Pode haver interferência em computadores e outrasequipamentos.
  • 37. DosagemSensibilidade térmica do paciente.Os procedimentos são idênticos ao do OC.
  • 38. RiscosQueimadurasExacerbação dos sintomasInsuficiência cardíaca – choque ou marcapassosAlastramento de patologias existentesInício de gestação (primeiro trimestre)
  • 39. Contra-indicações IGUAL OC Uso de marcapassos Tumores Metais implantados TB ativa Insensibilidade Trombose venosatérmica recente Déficit de consciência Radioterapia ou Gestação exame radioativo Áreas hemorrágicas Tecidos isquêmicos
  • 40. Termoterapia O que não pode ser curado pela Medicina, pode ser curado pela cirurgia; O que não pode ser curado pela cirurgia, Pode ser curado pela hipertermia;O que não pode ser curado pela hipertermia é, provavelmente, incurável. (Hipócrates)

×