• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
2 exodo
 

2 exodo

on

  • 3,142 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,142
Views on SlideShare
2,888
Embed Views
254

Actions

Likes
7
Downloads
216
Comments
0

7 Embeds 254

http://www.escolabiblicavirtual.com.br 123
http://www.pibpenha.org.br 69
http://pibpenha.org.br 35
http://escolabiblicavirtual4.webnode.com 12
http://m.escolabiblicavirtual.com.br 7
http://cms.escolabiblicavirtual4.webnode.com 4
http://escolabiblicavirtual.com.br 4
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    2 exodo 2 exodo Presentation Transcript

    • ESCOLA BÍBLICA VIRTUAL CLASSE: A BÍBLIA EM UM ANO PROFº: FRANCISCO TUDELA PIBPENHA -SP Estudo 3: ÊXODO DEUS LIBERTA SEU POVO TODA A BÍBLIA EM UM ANO 1
    • AUTORIA: MOISÉS Jesus afirma a autoria mosaica do livro de Êxodo em Jo 7.19; 5.46-47 Os eventos anteriores foram relatados a Moisés por Deus (Ex 27.34; 24.1), que os transmitiu oralmente, bem como os eventos subsequentes. 2
    • SOBRE O MOISÉS Mósis, em egípcio, significa "filho“, para os judeus, Moshê , significa "retirado das águas". Pai: Anrão, filho de Coate, 2.º filho de Levi Mãe: Joquebede, Tia de Anrão, Esposa: Ziporá, ou Seforá(em hebraico Tzipora). Sogro: Jetro Irmãos: Miriam / Aron ou Arão Tempo de Vida: 120 anos Local de Morte: Monte Nebo, Planíce de Moabe
    • Cronologia da vida de Moisés 1570 aC Início da escravidão dos Judeus no Egito 1526 aC Nasce Moisés / 40 anos de estudo no Egito 1486 aC Morte do egípcio / Exílio em Midiã - 40 anos 1447 aC Moisés vê o arbusto em chamas 1446 aC Sacrifício do Cordeiro Pascal / Saída do Egito – Êxodo / Travessia do Mar Vermelho 1406 aC Morte de Moisés / Chegada a Canaã - (Dt 34,1-12) 4
    • PROPÓSITO E TEOLOGIA Registrar a libertação do povo de Israel da escravidão no Egito. Apresentar os fatos históricos acerca da origem da nação dos hebreus e de suas cerimônias religiosas. Registrar a outorga da Lei de Deus para o povo de Israel. 5
    • TEMAS PRINCIPAIS 1. O cativeiro do povo Hebreu 2. O nascimento de Moisés, seu exílio em Midiã e retorno como líder de Israel. 3. A Sarça ardente 4. As dez pragas do Egito 5. A Páscoa 6. A saída do povo do Egito 7. A travessia do Mar Vermelho 8. A caminhada até o Sinai 9. Os Dez Mandamentos 10.As Leis de Deus 11.O estabelecimento dos métodos de adoração, do sacerdócio e do tabernaculo. 6
    • Estrutura do livro: A presença de Deus 1. Libertação da escravidão do Egito – 1.1 a 13.16 2. Jornada para o Sinai – 13.17 a 18.27 3. Aliança no Sinai – 19.1 a 24.18 4. Regras do tabernaculo e sacerdotes - 25.1 a 31.18 5. Disciplina e perdão de Deus – 32.1 a 34.35 6. Culto a Deus – 35.1 a 40.38 7
    • Êxodo (= são estes, pois, os nomes; saída) 1 - Cenário Histórico – escrito em 1440 a.C. durante a primeira parte da peregrinação do povo judeu pelo deserto de Cades–Barnéia. (data do êxodo 1445 a.C.). Faraós da época de Moisés: AMÓSES I (1580-1558) TUTMÉS I (1539-1514) ordenou a matança das crianças na época de Moisés. TUTMÉS II faraó de quem Moisés fugiu. AMENÓFIS II reinado que Moisés foi usado por 8
    • 2 - Cenário Religioso - naquela época no Egito se adoravam e cultuavam muitos deuses. Existiam deuses relacionados a natureza, por ex.: RÁ-AMON-RÁ ao sol; OSIRIS ao rio Nilo; HORUS ao sol. Ao analisarmos as pragas ao Egito observamos que o castigo de Deus não foi apenas sobre o faraó e seu povo, mas também, Deus quis mostrar seu poder sobre os deuses do Egito. 9
    • Divisão do livro: (1 a 18) Mostra a chamada do homem de Deus e a saída do Egito. (19 a 40) Mostra a mensagem (lei) de Deus. 10
    • DOS PATRIARCAS AO ÊXODO JOSÉ É VENDIDO COMO ESCRAVO NO EGITO GN 37.28 FOME E IDA DOS HEBREUS PARA O EGITO GN 41 A POPULAÇÃO DE HEBREUS CRESCE GN 47.27 A ESCRAVIDÃO E OPRESSÃO DO POVO ÊX 8 NASCIMENTO DE MOISÉS ÊX 2
    • ÊXODO PARA CANAÃ A PRAGAS CONTRA O EGITO ÊX 7a11 OS HEBREUS SÃO LIBERTOS E DEPOIS PERSEGUIDOS ÊX 12 ATRAVESSANDO O MAR VERMELHO ÊX 13a15 RECEBENDO OS 10 MANDAMENTOS ÊX 20 ISRAEL VAGUEIA PELO DESERTO POR 40 ANOS NM 14
    • A História do povo hebreu tem início no século XX a.C. quando Abraão, vindo da cidade de Ur, na Caldéia entra na Palestina. 14
    • Os hebreus eram pastores nômades da Mesopotâmia. No séc. XIX a. C., guiados por Abraão, deslocaram-se para a Palestina, em busca da Terra Prometida. 15
    • TERRA PROMETIDA. 16
    • RIO JORDÃO. 17
    • 18
    • Depois de Abraão, a liderança foi passando de pai para filho. De Abraão foi para Isaque e depois para Jacó. Jacó teve seu nome mudado para Israel e teve doze filhos, que deram origem as doze tribos de Israel. 20
    • Jordão Galiléia Med iterr ân eo As e r Z ebu lomN af ta li Issa car 12 Tribos de Israel Benjamim á Mar Mor Jud Mt.Nebo to Jericó Jerusalém Simeã o G a de Rú be n Dã Efraim Rio M a n a s s és © EBibleTeacher.com NASA PHOTO Doze Tribos de Israel Manassés Naftali Issacar Efraim Benjamim Simeão Aser Zebulom Gade Dã Rúben Judá 21
    • Os hebreus tiveram conflitos com vizinhos e uma terrível seca que assolou a Palestina, obrigou-os a emigrar para o Egito. O Egito era dominado pelos hicsos, semitas provenientes da Palestina, o que certamente os incentivou a levar um escravo como José a uma posição de destaque no governo ao saberem que era um irmão semita. 22
    • (1635 - 1491 a.C.) - da morte de José ao Êxodo. A estada de Israel no Egito se inicia com a ida dos irmãos de José para comprarem mantimento (Gn 42). Após a morte de José, os israelitas ainda tiveram uns 60 anos de bonança antes de começar a escravidão Permaneceram no Egito por 430 anos (Ex 12.40). 23
    • Os descendentes de Abraão, eram 70, tinham aumentado o seu número para mais de dois milhões ( em aprox. 370 anos). Para o novo Faraó, os hebreus eram estrangeiros, e seu número tornava-se assustador, decidiu escravizá-los, temendo uma virada na balança do poder. Por meio de uma série de acontecimentos notáveis, um menino hebreu, chamado Moisés, veio a ser príncipe no palácio do Faraó, mais tarde um exilado em terras desérticas e finalmente o líder do povo hebreu. 24
    • a) Os primeiros 40 anos de Moisés foram no seu lar no palácio do Faraó, onde recebeu educação religiosa e na corte o conhecimento intelectual, político e treinamento militar. b) Os segundos 40 anos passou exilado em Midiã, como pastor de ovelhas, fugindo do faraó. Assassinara um egípcio (2.11a15) e pensava que ninguém havia visto, porém a notícia havia se espalhado, e faraó o procurava para executá-lo. c) Um fugitivo fora da lei: chance de ser líder do povo? d) Os últimos 40 anos viveu como líder dos hebreus. e) Como pai israelita não havia circuncidado seu filho 25 (4.24-26) o que mostra seu despreparo para a tarefa.
    • (1491 - 1451 a.C.) - do Êxodo a Deuteronômio. Neste período a nação de Israel é fundada, e a Lei promulgada. Os sacrifícios de animais são cerimoniais, apontando para Cristo, como a perfeita expiação do pecado. O tabernáculo é levantado e consagrado, bem como seus oficiais - os sacerdotes. O tabernáculo gravitava em torno da arca que representava a presença de Deus (25.22). Enquanto Moisés estava no topo do Sinai, recebendo as instruções sobre o Tabernáculo, seu irmão está embaixo, levando o povo a construir e adorar ídolos (32. 26 1-5).
    • Aí, no Monte Sinai, Moisés recebeu de Deus as Tábuas da Lei, contendo os Dez Mandamentos. 27
    • Até este momento o local de culto era centrado na família, adoração doméstica. O culto no tabernáculo: no altar de pedras e com o sacrifício de animais as pessoas voltavam a se reconciliar com Deus. Israel permaneceu no Monte Sinai até o final do primeiro ano, ocupado com a construção do Tabernáculo. O propósito do Tabernáculo: Assim como a Lei retratava a santidade de Deus e a separação do homem por causa do pecado, o Tabernáculo mostrava a Graça de Deus que permitia, através dos sacrifícios, purificação e conduta santa, a maneira de voltarem a ter comunhão com Deus e de O terem vivendo entre eles (25.8) 28
    • 1) Foi dada para revelar os princípios espirituais e morais de Deus ao povo como um modo de vida, e não como um meio de salvação. 2) Era um acordo ou aliança entre Deus e seu povo. Era condicional, serviria para saber se aceitavam a Deus como o Senhor da Aliança (Ex.19.5) Deveria motivá-los a Santidade, estabelecendo uma base para a bênção ou punição na medida que se tornavam uma Nação Teocrática (Dt 5.32,33) 30
    • A Lei 1. Para revelar a si mesmo – O tipo de lei que uma pessoa faz expressa o tipo de pessoa que ela é. Por exemplo, se os criminosos pudessem fazer leis, eles legalizariam o crime. – Deus é o legislador e a lei revela o tipo de pessoa que Ele é. – A Lei trata do relacionamento do povo, tanto com Deus como entre si, devendo refletir, na pratica, o caráter de Deus A primeira função da lei é revelar Deus. – A lei é também chamada a Palavra de Deus. As palavras são o meio pelo qual uma pessoa se revela. 31
    • A Lei 2. Para mostrar que somos pecadores – Suponhamos que vivêssemos numa sociedade onde todos rastejam. – Ninguém nunca andou em pé, por isso é normal andar rastejando. – Diante da regra ficamos sabendo que somos incapazes de andar. – Certo dia recebemos a ordem para andar em pé e ficamos proibidos de rastejar. – Antes, não percebíamos o nosso problema, pois não tínhamos necessidade de andar. – Assim é a Lei: nos mostra o pecado quando não a 32 cumprimos.
    • A Lei A lei revela nossa pecaminosidade. A lei mostra que constantemente a quebramos, para que depois de quebrada nos convençamos da necessidade de ajuda. Aquele que deu a lei, ele próprio a guarda. Ele faz as exigências, e também as satisfaz. A Lei Mosaica terminou na Cruz quando Jesus se tornou o Sumo Sacerdote, eliminando o Sacerdócio Araônico e toda 33 a Lei correspondente (Hb.7.12 e Jr 31.31)
    • A Lei 1. Não terás outros deuses além de mim. 2. Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem. 3. Não tomarás em vão o nome do SENHOR, o teu Deus. 4. Lembra-te do dia de sábado, para santificá-lo. 5. Honra teu pai e tua mãe. 6. Não matarás. 7. Não adulterarás. 8. Não furtarás. 9. Não darás falso testemunho contra o teu próximo. 10. Não cobiçarás a casa do teu próximo. 34
    • O Livro de Êxodo As dez pragas 35
    • 1.ª PRAGA – AGUAS TRANSFORMADA EM SANGUE (7.14-25) Foi um golpe contra o deus Hapi, o deus protetor das inundações do Rio Nilo. O Rio Nilo era considerado um deus e o deus hapi intervia junto o deus Nilo nas inundações. Deus resolveu zombar dessas divindades que não tiveram forças para impedir que suas águas apodrecessem e cheirassem mal. 2.ª PRAGA – A INVASÃO DE RÃS (8.1-15) Os egípcios relacionavam as rãs com a deusa da fertilidade. Todos que queriam a fertilidade invocavam tal divindade. O Deus verdadeiro zombou também dessa divindade, pois ela não conseguiu impedir que o Egito fosse invadido por rãs. 36
    • 3.ª PRAGA – A INVASÃO DE PIOLHOS (8.16-19) O pó da terra, usado para curar as pessoas, considerado sagrado no Egito, converteu-se em insetos muito importunadores. Os sacerdotes egípcios, ao ministrarem nos lugares sagrados, usavam vestes brancas de linho. Raspavam a cabeça e, antes de entrar para o lugar sagrado, examinavam minuciosamente, não podiam ter no corpo ou nas vestes qualquer inseto. Esse pó considerado sagrado agora causava grandes feridas ao egípcios. Era uma profanação ao seus deuses. Devido a essa praga os sacerdotes egípcios ficaram impossibilitados de cumprirem seus rituais. 37
    • 4.ª PRAGA – A INVASÃO DE MOSCAS (8.20-32) Tinham um deus chamado Belzebu, criam ser poderoso para afugentar moscas. Enxames de moscas cobriram a terra do Egito. Sacerdotes e magos clamaram a Belzebu e nada aconteceu. Mais um deus desmoralizado. 5.ª PRAGA – PESTE NOS ANIMAIS (9.1-7) Foi um golpe contra Amom, o deus adorado em todo Egito, tinha a forma de um carneiro, animal sagrado. Amom era adorado em forma de um touro, ou bode, deus protetor dos rebanhos do Egito. Foi incapaz de proteger o rebanho egípcio. 38
    • 6.ª PRAGA – ÚLCERAS (9.8-12) Um duro golpe contra o deus Tifon que deveria proteger os egípcios contra qualquer ferida que fosse causada por qualquer coisa. Os sacerdotes invocavam a Tifon e as cinzas do altar dele eram jogadas em todos os doentes. Agora, os próprios sacerdotes foram os primeiros a serem infectados. 39
    • 7.ª PRAGA – SARAIVA (ÊXODO 9.13-35) A deusa Serafis era a protetora da lavoura do Egito. A tempestade de trovões, raios e saraiva destruiu as colheitas de cevada e de linho e matou os animais. 8.ª PRAGA – INVASÃO DE GAFANHOTOS (10.1-20). Isis e Serafis deveriam proteger a vegetação. A praga de gafanhotos trazida por um vento oriental consumiu a vegetação que havia sobrado da tempestade. Isis e Serafis foram impotentes para proteger o Egito dos gafanhotos. 40
    • 9.ª PRAGA – TREVAS (10.21-29) As trevas encobriram todo o Egito, exceto a terra de Gósen, onde Israel habitava, de tal modo que um homem não conseguia ver o outro mesmo que estivesse a um palmo na sua frente. Grande golpe no deus Rá, o deus solar. Os luminares celestes, objetos de culto, eram incapazes de penetrar à densa escuridão. Foi um golpe direto contra o próprio Faraó, suposto filho de Rá, Faraó era chamado de “O FILHO DE SOL”. 41
    • 10.ª PRAGA – A MORTE DOS PRIMOGÊNITOS (11.112.36) O Egito estava completamente arruinado (10.7). Agora, passado cerca de um ano desde a primeira praga, vem o cumprimento da Lei da Semeadura. Os egípcios tinham matado as crianças dos judeus, agora eles mesmos colhiam do que plantaram. Moisés e seu povo tiveram permissão para sair e foram dados suprimentos para que pudessem partir. fonte:http://gracamaior.com.br/mensagens/as-10-pragas-doegito-e-sua-relacao-com-as-divindades-pagas-egi.html 42
    • MILAGRES NO LIVRO DE ÊXODO MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REFERÊNCIA 1. SARÇA ARDENTE QUE NÃO SE CONSUMIA O CHAMADO DE MOISÉS HOREBE EX 3.2 2. VARA DE MOISÉS SE TRANSFORMA EM SERPENTE CONFIRMAR SUA FÉ HOREBE EX 4.2-5 43
    • MILAGRE 3. A MAO DE MOISÉS FICA LEPROSA E É CURADA PROPÓSITO CONFIRMAR SUA FÉ LOCAL REFERÊNCIA HOREBE EX 4.6-7 4. A VARA DE ARÃO É TRANSFORMADA EM SERPENTE CONVENCER FARAÓ DE QUE DEUS OS ENVIARA EGITO 5. AS 10 PRAGAS OBRIGAR EGITO FARAO A LIBERAR OS ISRAELITAS E DERROTAR OS DEUSES EX 7.10-12 EX 7-12 44
    • MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REFERÊNCIA 6. A COLUNA GUIAR OS DE NUVEM DE ISRAELITAS DIA E A COLUNA DE FOGO DE NOITE PROXIMO AO EGITO EX 13.20-21 7. A DIVISAO DO MAR VERMELHO E SUA VOLTA AO NORMAL ABRIR CAMINHO P/ ISRAEL E DETER OS EGÍPCIOS PRÓXIMO AO EGITO EX 14.2 8. AS ÁGUAS DE MARA SE TORNAM DOCES SUPRIR O POVO COM ÁGUA POTÁVEL MARA EX 15.24-25 45
    • MILAGRE PROPÓSITO LOCAL REFERÊNCIA 9. O ENVIO DE SUPRIR OS CODORNIZES ISRAELITAS E O MANÁ COM ALIMENTO O DESERTO EX 16.13-35 10. A ÁGUA SAI DA ROCHA HOREBE E MERIBÁ EX 17.5-7 NM 20.8-12 SUPRIR OS ISRAELITAS DE ÁGUA 46
    • CONCLUSÃO Deus se revela em 3.14 “Eu Sou” Deus “é”; eles, os animais, “são” e o homem “é” parcialmente. A incompletude (não estar pronto) do homem é ver-se como um ser que pode completar-se e ser diferente daquilo que é. Progresso é o processo cumulativo no qual o estágio mais recente é preferível e melhor, ou seja, qualitativamente superior, ao que o precedeu. É uma palavra que só faz sentido para o homem, não faz sentido para Deus nem para os animais, pois já estão completos. O homem espera completar-se e pode escolher como fazê-lo. Há pessoas que se fazem piores daquilo que são (regredir). A melhor escolha é fazer-se melhor (progredir). O caminhar do cristão, neste sentido, se chama santificação. 47
    • 48
    • PÔ, MOISÉS, MANERA NÉ?! 49
    • • Toda a Bíblia em um ano: De Gênesis a Neemias; Dusilek, Darci; 9ª Ed. Rio de Janeiro; Ed. Horizonal, 2006 • Manual Bíblico SBB; trad. Noronha, Lailah; São Paulo; Ed. Sociedade Bíblica do Brasil; 2008 • Textos Bíblicos extraídos: Bíblia Sagrada Nova Versão Internacional; São Paulo; Ed. Vida; 2001 • Bíblia De Estudo NVI, Barker; São Paulo; Ed. Vida; 2003 • MacDonald, Willian, Comentário Bíblico Popular, São Paulo, Ed. Mundo Cristão, 1ª edição, 2008 • BRUCCE, F. F. Comentário Bíblico NVI. São Paulo, Ed. Vida, 1ª edição, 2008 • Reflexões extraídas da World Wide Web
    • 51