Aspectos Nutricionais e manejo da adubação da                        macieira no Sul do Brasil                            ...
Tópicos da apresentação• Algumas particularidades das pesquisas  em nutrição da Epagri• Ensaios regionais de adubação   n...
Características das fruteiras de clima             temperado• Antes dos anos 2000:  Trabalhos   concentrados   principalm...
Características das fruteiras de clima             temperado• Depois de 2000:  Intensificação dos   trabalhos de pesquisa...
Ênfase dos trabalhos da Epagri em           nutrição de fruteiras•   Ensaios regionais – curvas de    resposta;•   Transfe...
Adubação de crescimento vs teor de N               foliar                         23                         22           ...
Resposta: N em crescimento                                         São Joaquim                                  250       ...
Produção maçãs Fuji em São Joaquim  vs adubação nitrogenada (8 anos)     N                                         Ano   (...
Produção maçãs Gala em Fraiburgo vs   adubação nitrogenada (4 anos)              2003        2004       2005        2006  ...
Produção maçãs F. Suprema em Fraiburgo    vs adubação nitrogenada (4 anos)              2003        2004       2005       ...
Resposta à adubação nitrogenada na    fase produtiva da macieira• Muito relacionada com o tipo de solo   Se profundos: pr...
Tamanho de fruto Vs adubação com N e K                                   Ano   N      98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 ...
Nava et. al., 2012
Relação entre teores de N em duas                                      épocas                         28N, g kg-1 em fever...
N foliar, %              • Análise foliar precoce                Dias após a plena floração                               ...
Adubação nitrogenada vs teores de cálcio                                       65       Ca no fruto em 2003 y = y = 40,95 ...
Adubação com N e K – Distúrbios                     Argenta et. al., no prelo
Coloração frutos vs doses de N                    65Cor dos frutos, %                    60                    55         ...
Adubação nitrogenada vs sólidos        solúveis totais            15,0            14,7   SST, %            14,4           ...
Adubação nitrogenada vs firmeza da polpa de maçãs – safras 2003/04 e 2004/05                                    year 2005 ...
Rendimento de frutos vs doses de cama de                                aviário                                65         ...
Deficiência de nitrogênioCOM DEFICIÊNCIA DE N   SEM DEFICIÊNCIA DE N
Nitrogênio vs controle de invasoras      Roçado            Herbicida
• Manejo da cobertura do solo                         Epagri - EESJ, 2008
• Manejo da cobertura do solo                 Lotus serrano                                 Epagri - EESJ, 2009
Vigor da macieira – perímetro do tronco                              Nava et al., 2010
Adubação potássica vs rendimento da             macieira   K2O                                         Ano  (kg ha-1) 98/9...
Produção maçãs Gala em Fraiburgo vs    adubação potássica(4 anos)             2003        2004       2005        2006     ...
Produção maçãs F. Suprema em Fraiburgo     vs adubação potássica(4 anos)            2003        2004       2005        200...
Tamanho de fruto Vs adubação com N e K                                       Ano       N      98/99 99/00 00/01 01/02 02/0...
Extração de nutrientes pela macieira        50 toneladas maçãs              Polpa fresca   Extração 50t  Nutriente        ...
Adubação potássica vs relação K:Ca dos               frutos                     40                                        ...
Adubação potássica vs teor de açúcarde maçãs – safras 2003/04 e 2004/05                     15,3                     15,0 ...
Rendimento Frutos x adubação         fosfatada Dose de P2O5            Safra Agrícola    Kg/ha             2011           ...
Peso de Frutos x adubação fosfatada   Dose de P2O5           Safra Agrícola      Kg/ha            2011             2012   ...
Materiais e métodos – Ensaio com gesso – 8 anos      • Instalação do experimento: 2001      • Solo: Cambissolo Húmico     ...
Doses de gesso x profundidade do solo x Ca trocável                  (após 8 anos)                                        ...
Doses de gesso x profundidade do solo Mg2+ trocável                  (após 8 anos)                                        ...
Doses de gesso x profundidade do solo K+ trocável                 (após 8 anos)   Gesso           K trocável no solo (mg d...
Doses de gesso x pH do solo                              42
N            P             K             Ca            Mg            Fe             Mn              Zn              BGesso...
Gesso       N              P              K             Ca           Mg          N/Ca           K/Ca      K+Mg/Cat/ha     ...
Incidência e severidade de “bitter pit”                                           (safra 2005/2006) Tratamentos           ...
Incidência e severidade de “bitter pit”                                          (safra 2006/2007)    Tratamentos         ...
Conteúdo de Ca nos frutos                             8                                  Safra 2005/2006Conteúdo de Ca (mg...
Fruit Ca (mg/100g FW)                                                                Ambrosia                             ...
Teor de Ca foliar                              20                                   Safra 2005/2006Teor de Ca na folha (g ...
Teores minerais x RegiãoRegião              Gala             Fuji              --------------Ca-ppm--------------Fraiburgo...
Teores minerais x RegiãoRegião              Gala             Fuji              --------------K+Mg/Ca-------------Fraiburgo...
Teores minerais x RegiãoRegião           Gala               Fuji              --------------N/Ca-------------Fraiburgo    ...
Nutrição safra 2011/2012 vs série             histórica       Nutriente         Média             Safra 2011/12           ...
Valores de referência para interpretar          análise de frutos
SEM APLICAÇÃO           B - FLORADA           B – PÓS-COLHEITABloco                   Bloco                 Bloco  3      ...
B foliar x B na folha da ‘Fuji Suprema’                                                                  a                ...
B no solo x atributos de produtividade na              ‘Imperial Gala’Doses de B no    Germinação do                      ...
B no solo x atributos de produtividade na              ‘Fuji Suprema’Doses de B no    Germinação do                       ...
B foliar x atributos de produtividade na               ‘Imperial Gala’                 Germinação do                      ...
Boro (solo e folha) vs Qualidade         Imperial Gala                 Fonte: Argenta - Nava., 2011
Artigos científicos para consulta•   NAVA, G.; ERNANI, P.R.; SÁ, A.A.; PEREIRA, A. J. Soil composition and nutritional sta...
Artigos científicos para consulta•   NAVA, G.; DECHEN, A.R.; NACHTIGALL, G.R. Nitrogen and potassium fertilization affect ...
Considerações finais•   Necessidade de uniformização das metodologias utilizadas para    fins de análise química de frutos...
Agradecimento        Clori Basso        Alessandra Muito            Gilberto Nava – EESJObrigado!         nava@epagri.sc.g...
Palestra vacaria 2012 nava 1
Palestra vacaria 2012 nava 1
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Palestra vacaria 2012 nava 1

1,117 views

Published on

Aspectos Nutricionais e manejo da adubação da macieira no Sul do Brasil
Gilberto Nava Pesquisador da Epagri – EESJ
Seminário Internacional de Fruticultura
Vacaria, 12 de julho de 2012
Secretaria de Estado da Agricultura e Da Pesca
Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina S. A

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,117
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
232
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Palestra vacaria 2012 nava 1

  1. 1. Aspectos Nutricionais e manejo da adubação da macieira no Sul do Brasil Gilberto Nava Pesquisador da Epagri – EESJ Seminário Internacional de Fruticultura Vacaria, 12 de julho de 2012 Secretaria de Estado da Agricultura e Da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina S. A.Governo do Estado
  2. 2. Tópicos da apresentação• Algumas particularidades das pesquisas em nutrição da Epagri• Ensaios regionais de adubação  nitrogenada  potássica  Gesso  Adubação foliar – Cálcio e Boro• Base de dados de análise química - Epagri• Considerações finais
  3. 3. Características das fruteiras de clima temperado• Antes dos anos 2000: Trabalhos concentrados principalmente para solos profundos
  4. 4. Características das fruteiras de clima temperado• Depois de 2000: Intensificação dos trabalhos de pesquisa para condições de solos rasos Diminuição dos trabalhos em solos mais profundos
  5. 5. Ênfase dos trabalhos da Epagri em nutrição de fruteiras• Ensaios regionais – curvas de resposta;• Transferência de resultados para técnicos e produtores; Cursos, palestras, dia de campo Utilização dos conhecimentos básicos (implantação)
  6. 6. Adubação de crescimento vs teor de N foliar 23 22 segundo ano 21 y = 17,22 + 0,045828N R ² =0,947 N na folha, g kg-1 20 19 18 17 terceiro ano 16 y = 16,2 + 0,0428N R ² = 0,913 15 0 20 40 60 80 100 Dose de nitrogênio, kg ha-1 Nava et al., 2007
  7. 7. Resposta: N em crescimento São Joaquim 250 60 Nitrogênio vs MMF MMF = 219,9 + 0,406N - 0,001345N2, R² = 0,9998Massa média dos frutos (PMF), g 55 12 Rendimento de frutos, t/ha Nitrogênio vs F/P 240 50 F/P = 25,52 + 0,2861N, R² = 0,9599 Frutos por planta (F/P) 10 45 230 40 8 35 220 30 6 25 Nitrogênio vs Rend Rend = 4,67 + 0,0633N, R² = 0,9731 210 20 4 0 25 50 75 100 Dose de nitrogênio, kg ha-1 Nava et al., 2007
  8. 8. Produção maçãs Fuji em São Joaquim vs adubação nitrogenada (8 anos) N Ano (kg ha-1) 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 Total ------------------------------------t ha-1------------------------------------- 0 48,5 52,3 33,0 40,2 40,4 31,2 30,9 43,0 319,5 50 49,0 53,0 39,0 42,1 42,2 36,7 40,5 51,9 354,4 100 49,7 59,5 46,2 50,4 46,6 34,9 47,0 56,7 391,0 200 53,5 61,8 46,2 44,8 40,9 32,6 38,4 56,5 374,7 Reg. ns 0,88 0,98 0,77 ns ns 0,97 0,99 0,98 Fuji – São Joaquim: Nava, 2007
  9. 9. Produção maçãs Gala em Fraiburgo vs adubação nitrogenada (4 anos) 2003 2004 2005 2006 ACUM N Kg/ha -------------------------- ton/ha-------------------------- 0 4,23 26,28 34,70 25,47 90,68 25 4,04 32,35 33,95 37,43 107,77 50 6,62 40,40 35,61 32,06 114,69 100 4,91 32,36 33,18 31,05 101,50 150 5,28 37,10 32,61 30,46 105,45 Gala – Fraiburgo: – Basso, NP
  10. 10. Produção maçãs F. Suprema em Fraiburgo vs adubação nitrogenada (4 anos) 2003 2004 2005 2006 ACUM N Kg/ha -------------------------- ton/ha-------------------------- 0 65,75 65,75 65,75 65,75 65,75 25 67,29 67,29 67,29 67,29 67,29 50 65,92 65,92 65,92 65,92 65,92 100 64,69 64,69 64,69 64,69 64,69 150 65,54 65,54 65,54 65,54 65,54 F. Suprema – Fraiburgo: – Basso, NP
  11. 11. Resposta à adubação nitrogenada na fase produtiva da macieira• Muito relacionada com o tipo de solo  Se profundos: probabilidade baixa de resposta Se rasos: maior necessidade de N;
  12. 12. Tamanho de fruto Vs adubação com N e K Ano N 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 Média(kg/ha) ------------------Massa média de frutos (g)------------------- 0 165 169 168 148 142 149 142 159 155 50 165 174 181 151 142 156 157 162 161 100 165 174 183 153 152 158 173 164 165 200 170 178 181 152 142 156 153 157 161 Reg. ns ns 0,95 ns ns ns 0,93 ns Fuji – São Joaquim: Nava, 2007
  13. 13. Nava et. al., 2012
  14. 14. Relação entre teores de N em duas épocas 28N, g kg-1 em fevereiro 98/99 99/00 26 24 22 20 y = 18,51 + 02,13x y = 9,046 + 0,521x 18 18 20 22 24 26 28 30 32 18 20 22 24 26 28 30 32 N, g kg-1 em novembro Nava et. al., 2012
  15. 15. N foliar, % • Análise foliar precoce Dias após a plena floração Drahorad, 1999
  16. 16. Adubação nitrogenada vs teores de cálcio 65 Ca no fruto em 2003 y = y = 40,95 Ca no fruto, mg kg-1 (polpa fresca) 60 Ca no fruto em 2004 y = 45,863 + 9,324(-0,0098x) R2 = 72 Ca no fruto em 2006 y = 34,746 + 7,663(-0,0231x) R2 = 96 55 50 2004 45 2003 40 2006 35 30 0 50 100 150 200 Doses de N, kg ha-1 Nava et. al., 2008
  17. 17. Adubação com N e K – Distúrbios Argenta et. al., no prelo
  18. 18. Coloração frutos vs doses de N 65Cor dos frutos, % 60 55 50 45 Y = 64,31 - 0,2176N + 0,0005318N2 40 R² = 0,8413 35 0 50 100 150 200 -1 N, kg ha
  19. 19. Adubação nitrogenada vs sólidos solúveis totais 15,0 14,7 SST, % 14,4 14,1 y = 14.78 - 0.00291x R2 = 0.82** 0,0 0 50 100 150 200 250 N, kg ha-1 Nava et. al., 2008
  20. 20. Adubação nitrogenada vs firmeza da polpa de maçãs – safras 2003/04 e 2004/05 year 2005 : y = 14.6421 + 1.16623 e-0.0210823x R2 = 0.98** 16,0 15,5 Firmeza polpa, lb 15,0 14,5 14,0 year 2004 : y = 14.2516 + 0.848537e-0.0597x R2 = 0.97** 0,0 0 50 100 150 200 N, kg ha-1 Nava (2005)
  21. 21. Rendimento de frutos vs doses de cama de aviário 65 Herbicida Y = 50,138 + 1,459E - 0,0583E2 60 R² = 0,9679Rendimento de frutos, t ha -1 55 50 45 Roçado Y = 38,906 + 0,954E 40 r² = 0,9715 35 0 5 10 15 20 Doses de esterco, t ha-1 Fonte: Nava, 2010 São Joaquim, SC
  22. 22. Deficiência de nitrogênioCOM DEFICIÊNCIA DE N SEM DEFICIÊNCIA DE N
  23. 23. Nitrogênio vs controle de invasoras Roçado Herbicida
  24. 24. • Manejo da cobertura do solo Epagri - EESJ, 2008
  25. 25. • Manejo da cobertura do solo Lotus serrano Epagri - EESJ, 2009
  26. 26. Vigor da macieira – perímetro do tronco Nava et al., 2010
  27. 27. Adubação potássica vs rendimento da macieira K2O Ano (kg ha-1) 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 Total ------------------------------------t ha-1------------------------------------ 0 50,7 52,5 38,7 41,0 35,3 28,3 25,6 46,6 318,7 50 50,5 56,8 38,9 43,3 40,6 31,1 38,8 55,3 355,3 100 50,8 60,9 40,7 47,5 46,4 36,2 42,4 54,7 379,6 200 48,7 56,0 44,1 45,6 47,7 39,7 43,1 49,2 374,1 Reg. ns 0,96 ns ns 0,98 0,95 0,98 ns 0,97 Fuji – São Joaquim: Nava, 2007
  28. 28. Produção maçãs Gala em Fraiburgo vs adubação potássica(4 anos) 2003 2004 2005 2006 ACUM K2O Kg/ha -------------------------- ton/ha-------------------------- 0 4,10 39,94 32,32 25,85 102,21 50 6,74 36,55 40,99 33,96 118,24 100 5,82 39,25 39,91 30,64 115,62 150 8,30 41,58 38,41 39,31 127,60 200 5,47 40,05 41,03 27,08 113,63 Gala – Fraiburgo: – Basso, NP
  29. 29. Produção maçãs F. Suprema em Fraiburgo vs adubação potássica(4 anos) 2003 2004 2005 2006 ACUM K2O Kg/ha -------------------------- ton/ha-------------------------- 0 4,99 31,00 25,69 20,08 81,76 50 4,58 31,79 28,50 22,82 87,69 100 5,06 28,88 23,22 20,13 77,29 150 4,90 34,95 20,90 23,36 84,11 200 4,02 37,49 22,57 21,59 85,67 F. Suprema – Fraiburgo: – Basso, NP
  30. 30. Tamanho de fruto Vs adubação com N e K Ano N 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 Média (kg/ha) ------------------Massa média de frutos (g)------------------- 0 165 169 168 148 142 149 142 159 155 50 165 174 181 151 142 156 157 162 161 100 165 174 183 153 152 158 173 164 165 200 170 178 181 152 142 156 153 157 161 Reg. ns ns 0,95 ns ns ns 0,93 ns K 2O ------------------Massa média de frutos (g)------------------- 0 166 174 172 144 130 140 119 145 149 50 164 170 176 151 143 150 156 163 159 100 167 174 183 155 151 160 164 169 165 200 170 176 182 154 153 167 170 167 167 Reg. ns ns ns 0,99 0,99 0,98 0,95 0,97 Fuji – São Joaquim: Nava, 2007
  31. 31. Extração de nutrientes pela macieira 50 toneladas maçãs Polpa fresca Extração 50t Nutriente -1 (mg Kg ) (kg) N 400 20 P 100 5 K 1000 50 Ca 50 2,5 Mg 50 2,5
  32. 32. Adubação potássica vs relação K:Ca dos frutos 40 2006 2003 30 Relação, K:Ca 2004 20 Doses K vs K:Ca 2003 : y = 21,76 + 0,0462x R2=0,96 Doses K vs K:Ca 2004 : y = 17,81 + 0,0893x - 0,000242x2 R2=0,96 10 2 Doses K vs K:Ca 2006 : y + 22,38 + 0,1727x - 0,00046x R2=0,98 0 50 100 150 200 Doses de K2O, kg ha-1 Nava et. al.,
  33. 33. Adubação potássica vs teor de açúcarde maçãs – safras 2003/04 e 2004/05 15,3 15,0 TSS, 0 Brix 14,7 14,4 2004 : y = 14.24 + 0.009x - 0.000036x2 R2 = 0.89** 14,1 2005 : y = 14.13 + 0.0143x - 0.00005x2 R2 = 0.98** 0,0 0 50 100 150 200 K2O, kg ha-1 Nava (2005)
  34. 34. Rendimento Frutos x adubação fosfatada Dose de P2O5 Safra Agrícola Kg/ha 2011 2012 ----------------ton/ha-------------- 0 59,1 33,3 40 52,2 34,3 80 55,3 37,0 120 64,1 29,6 160 51,3 38,1 Diferença ns ns Nava - Dados não publicados
  35. 35. Peso de Frutos x adubação fosfatada Dose de P2O5 Safra Agrícola Kg/ha 2011 2012 -------------gramas-------------- 0 147 120 40 142 119 80 152 112 120 146 118 160 147 116 Diferença ns ns Nava - Dados não publicados
  36. 36. Materiais e métodos – Ensaio com gesso – 8 anos • Instalação do experimento: 2001 • Solo: Cambissolo Húmico • Doses de gesso: 0, 1, 2 e 3 t ha-1 ano-1 • Final do experimento: março de 2009 • Doses cumulativas de gesso: 0, 8, 16 e 24 t ha-1 pH: 6,4 Ca: 103 mmolc dm-3 Mg: 54 mmolc dm-3 M.O: 43 g dm-3 Argila: 450 g dm-3 38
  37. 37. Doses de gesso x profundidade do solo x Ca trocável (após 8 anos) Ca (mmolc dm 3) - 0 20 40 60 80 100 120 140 160 0 ** 5cm 10 ** 10cm 20 Profundidade (cm) 30 ns 30cm 40 0 t ha-1 de gesso 50 ** 50cm 1 t ha-1 de gesso 60 2 t ha-1 de gesso 3 t ha-1 de gesso 70 ** 70cm 80 ** Significativo, regressão (p ≤ 0,05) 39Nava et al., 2012 - RBCS
  38. 38. Doses de gesso x profundidade do solo Mg2+ trocável (após 8 anos) Mg (mmolc dm-3) 10 20 30 40 50 60 0 ** 5 10 ** 15 20 Profundidade (cm) 30 ns 30 40 0 t/ha de gesso 1 t/ha de gesso ns 50 50 2 t/ha de gesso 3 t/ha de gesso 60 70 ns 70 80 ** Significativo, regressão (p ≤ 0,05) 40
  39. 39. Doses de gesso x profundidade do solo K+ trocável (após 8 anos) Gesso K trocável no solo (mg dm-3) t/ha 0-10 10-20 20-40 40-60 60-80 0 357 165 93 77 81 8 336 219 81 69 74 16 382 202 110 106 96 24 358 166 95 81 87 R2 ns ns ns ns ns ** Significativo, regressão (p ≤ 0,05) 41
  40. 40. Doses de gesso x pH do solo 42
  41. 41. N P K Ca Mg Fe Mn Zn BGesso --------------------g kg-1-------------------- ----------------mg kg-1----------------t h-1 ------------------------------------------2002-2003------------------------------------------0 18,6 3,5 13,6 8,2 1,9 48,5 184 42,5 25,71 17,9 3,8 13,6 8,9 1,9 74,2 197 48,5 27,52 18,6 3,5 13,9 8,4 1,9 53,4 178 48,2 25,73 17,7 3,5 14,5 8,6 1,8 64,0 175 45,5 24,5 Teores foliares deEfeito ns ns ns ns ns ns ns ns nsCV (%) 6,2 11,4 7,3 6,0 8,4 48,0 10,8 9,7 13,2 nutrientes ------------------------------------------2003-2004------------------------------------------0 17,6 3,3 13,2 9,3 2,2 93,5 169 23,5 28,01 17,8 3,4 13,2 8,9 2,2 65,0 165 21,2 28,72 17,9 3,1 13,2 8,5 2,2 53,7 147 20,2 26,53 18,6 3,2 13,2 8,1 2,0 58,5 146 20,5 27,5Efeito ns ns ns ns ns ns ns ns nsCV (%) 8,6 15,0 11,7 13,2 11,7 52,2 11,3 13,2 5,0 ------------------------------------------2004-2005------------------------------------------0 20,7 1,8 12,9 11,0 2,5 76,5 129 27,7 29,51 21,2 1,8 12,9 11,5 2,6 77,0 141 26,0 31,02 20,6 1,8 13,5 10,5 2,4 95,5 126 28,2 31,03 19,8 1,8 13,0 8,2 2,2 77,7 97 26,5 26,0Efeito ns ns ns ns L* ns ns ns ns Nava et al., 2012CV (%) 2,6 9,8 5,2 23,9 5,5 20,4 24,4 7,1 15,8 43 - RBCS
  42. 42. Gesso N P K Ca Mg N/Ca K/Ca K+Mg/Cat/ha --------------------------mg kg-1---------------------------- ------------------------------------------ 002-2003------------------------------------------ 20 349 170 1502 23,0 53,0 15,1 65,3 67,61 331 165 1458 22,5 52,2 15,2 65,2 67,52 339 169 1575 22,7 55,0 15,0 69,5 71,73 357 180 1455 21,2 49,8 16,7 67,8 70,2Efeitoa ns ns ns ns ns ns ns nsCV (%) 8,4 10,6 9,8 9,8 11,7 13,3 10,0 9,7 ------------------------------------------ 003-2004------------------------------------------ 20 288 138 1313 39,2 54,5 7,4 33,8 35,11 264 136 1267 37,2 52,0 7,1 34,0 35,42 267 135 1298 40,2 55,5 6,7 32,6 33,93 278 141 1318 37,7 53,7 7,4 35,3 36,8EfeitoaCV (%) ns 5,6 ns 4,4 ns 2,3 ns 11,0 ns 6,0 ns 12,5 ns 11,9 ns 11,9 Teores de0 ------------------------------------------2004-2005------------------------------------------ 334 138 1159 32,0 35,5 10,6 36,8 37,9 Nutrientes nos frutos1 327 142 1175 32,7 37,0 10,4 37,3 38,52 313 171 1217 33,5 34,2 9,8 37,8 38,83 320 151 1204 36,2 35,0 8,9 33,7 34,6Efeitoa ns ns ns ns ns ns ns nsCV (%) 6,4 15,1 2,9 13,0 7,8 17,7 14,1 14,0 ------------------------------------------ 005-2006------------------------------------------ 20 316 172 1063 21,7 58,2 14,5 49,1 51,71 338 170 1355 23,5 55,2 14,6 59,4 61,82 340 169 1426 25,5 60,0 14,3 59,9 62,43 335 168 1366 29,0 60,2 11,9 48,6 50,8Efeitoa ns ns ns ns ns ns ns nsCV (%) 4,1 4,7 24,1 16,1 3,9 16,5 32,2 31,2 ------------------------------------------ 006-2007------------------------------------------ 20 270 261 1339 24,7 41,2 11,0 54,1 55,812 273 274 264 265 1280 1338 24,7 23,0 43,0 39,7 11,0 12,0 51,8 58,3 53,5 60,1 Nada foi significativo3 290 265 1312 23,0 44,5 12,6 57,2 59,2Efeitoa ns ns ns ns ns ns ns nsCV (%) 4,5 5,9 9,5 9,7 6,4 9,7 13,6 13,4 ------------------------------------------2008-2009------------------------------------------0 280 163 1077 54,5 39,5 5,5 19,7 20,71 265 160 1108 50,5 40,2 5,2 22,5 23,22 273 157 1064 54,0 39,2 5,0 20,0 20,53 294 164 1131 54,5 42,5 5,5 20,7 21,7Efeitoa ns ns ns ns ns ns ns ns Nava et al., 2012 44CV (%) 13,3 14,5 6,5 10,3 5,3 18,9 14,6 13,3 - RBCS
  43. 43. Incidência e severidade de “bitter pit” (safra 2005/2006) Tratamentos Incidência inicial Severidade (manchas fruto-1) (%) Inicialns *Finalns Evoluçãons T1 23,9 4,6a 5,9a 1,4 T2 10,4*** 3,8a 4,8a 1,0 T3 5,5*** 4,4a 5,3a 0,9 T4 1,9*** 4,1a 4,8a 0,7 T5 15,3 3,0a 4,0a 1,0 T6 14,8 5,6a 6,4a 0,7 T7 12,7*** 4,2a 5,3a 1,1 T8 11,9*** 4,8a 6,0a 1,2 T9 16,8 6,0a 6,5a 0,6 Média 12,6 4,5a 5,4b 0,95 CV (%) 40,7 38,6 34,1 85,6T1 – Test; T2 – Calboron (3 kg ha-1); T3 – Sett (3 L ha-1); T4 – CaCl2 (duas aplicações a 0,4% + 13 aplicações a0,6%); T5 – Cal Super (2 L ha-1); T6 – Cal Super (3 L ha-1); T7 – Cal Super (4 L ha-1); T8 – Wuxal Cálcio (1 L ha-1); T9 – Orgasol Ca (10 aplicações de 1 L ha-1). Fonte: Katsurayama, 2010
  44. 44. Incidência e severidade de “bitter pit” (safra 2006/2007) Tratamentos Incidência inicial Severidade (manchas fruto-1) (%) Inicialns *Final Evolução T1 45,5 1,7a 4,2b 2,5 T2 35,0 1,0a 2,0a 1,1 T3 19,7*** 1,0a 2,1a 1,1 T4 18,7*** 0,3a 0,4a*** 0,2*** T5 37,6 1,3a 3,1a 1,8 T6 45,9 1,2a 2,1a 0,9*** T7 34,3 1,9a 3,0a 1,1 T8 15,9*** 1,2a 2,4b 1,3 T9 48,0 2,4a 4,8b 2,4 Média 33,4 1,3a 2,7b 1,4 CV (%) 30,9 54,7 40,8 54,2T1 – Test; T2 – CalSOL 15 (cinco aplicações de 3 L ha-1); T3 – CalSOL 15 (10 aplicações de 3 L ha-1); T4 – CaCl2(duas aplicações a 0,4% + 13 aplicações a 0,6%); T5 – Cal Super (2 L ha-1); T6 – Cal Super (3 L ha-1); T7 – CalSuper (4 L ha-1); T8 – CalSOL 15 (15 aplicações de 3 L ha-1); T9 – Coda-Ca-L (10 aplicações de 1 L ha-1) +CodaSal-Plus 2000 (duas aplicações de 5 L ha-1 + 15 aplicações de 2 L ha-1). Fonte: Katsurayama, 2010
  45. 45. Conteúdo de Ca nos frutos 8 Safra 2005/2006Conteúdo de Ca (mg fruto )-1 6 Gala Fuji 4 Catarina 2 0 40 60 80 100 120 140 160 Dias após a plena floração
  46. 46. Fruit Ca (mg/100g FW) Ambrosia a Gala a 8 a Fuji 7 a b b b c c 6 c 5 bmg/100g FW 4 3 2 1 0 1999 2000 2001 2002 Fonte: Neilsen, 2003 - Canadá
  47. 47. Teor de Ca foliar 20 Safra 2005/2006Teor de Ca na folha (g kg )-1 15 10 40 60 80 100 120 140 160 Dias após a plena floração
  48. 48. Teores minerais x RegiãoRegião Gala Fuji --------------Ca-ppm--------------Fraiburgo 48,8 39,4Vacaria 48,8 42,6São Joaquim 53,5 49,6 ENFRUTE, Amarante et al., 2011
  49. 49. Teores minerais x RegiãoRegião Gala Fuji --------------K+Mg/Ca-------------Fraiburgo 23,7 29,6Vacaria 24,5 26,3São Joaquim 22,3 23,7 ENFRUTE, Amarante et al., 2011
  50. 50. Teores minerais x RegiãoRegião Gala Fuji --------------N/Ca-------------Fraiburgo 9,3 10,3Vacaria 10,2 9,4São Joaquim 7,6 7,5 ENFRUTE, Amarante et al., 2011
  51. 51. Nutrição safra 2011/2012 vs série histórica Nutriente Média Safra 2011/12 histórica (*) N (mg) 410 359 P (ppm) 116 138 K (ppm) 1028 986 Ca (ppm) 47 43 Mg (ppm) 52 47 N/Ca 9,6 8,6 K+Mg/Ca 24,3 23,7 Fonte: Laboratório Epagri - Caçador
  52. 52. Valores de referência para interpretar análise de frutos
  53. 53. SEM APLICAÇÃO B - FLORADA B – PÓS-COLHEITABloco Bloco Bloco 3 0 3 0 3 2,5 5,0 5,0 0 2,5 2,5 5,0Bloco Bloco Bloco 2 2 2 0 0 5,0 2,5 2,5 2,5 5,0 5,0 0Bloco Bloco Bloco 1 2,5 1 5,0 1 2,5 5,0 0 0 0 2,5 5,0
  54. 54. B foliar x B na folha da ‘Fuji Suprema’ a 30 b bTeor foliar de B (mg kg )-1 25 20 15 10 5 0 Sem aplicação Floração Pós-colheita Época de aplicação foliar de B Fonte: Sá et. al., 2011 – Mestrado – CAV/Epagri
  55. 55. B no solo x atributos de produtividade na ‘Imperial Gala’Doses de B no Germinação do Rendimento Fruit set (%) solo (kg/ha) grão de pólen (%) (t/ha) 0 46,8 a 250,2 a 54,7 a 2,5 49,4 a 250,9 a 56,3 a 5,0 48,0 a 255,6 a 55,4 a Fonte: Sá et. al., 2011 – Mestrado – CAV/Epagri
  56. 56. B no solo x atributos de produtividade na ‘Fuji Suprema’Doses de B no Germinação do Rendimento Fruit set (%) solo (kg/ha) grão de pólen (%) (t/ha) 0 70,0 a 313,8 a 64,9 a 2,5 70,9 a 337,7 a 63,9 a 5,0 71,1 a 328,4 a 63,2 a Fonte: Sá et. al., 2011 – Mestrado – CAV/Epagri
  57. 57. B foliar x atributos de produtividade na ‘Imperial Gala’ Germinação do Rendimento B - foliar Fruit set (%) grão de pólen (%) (t/ha)Sem aplicação 49,4 a 260,3 a 58,3 aFloração 44,2 b 225,0 a 54,7 aPós-colheita 50,5 a 271,3 a 53,4 a Fonte: Sá et. al., 2011 – Mestrado – CAV/Epagri
  58. 58. Boro (solo e folha) vs Qualidade Imperial Gala Fonte: Argenta - Nava., 2011
  59. 59. Artigos científicos para consulta• NAVA, G.; ERNANI, P.R.; SÁ, A.A.; PEREIRA, A. J. Soil composition and nutritional status of apple as affected by long-term application of gypsum. Rev. Bras. Ciênc. Solo, vol.36, n.1, p. 215-222, 2012.• NAVA, G. Produção e crescimento da macieira ‘Fuji ‘ em resposta à adubação orgânica e manejo de plantas espontâneas. Revista Brasileira de Fruticultura, V. 32, n4, p.1231-1237, 2010.• NAVA, G.; DECHEN, A.R.; NACHTIGALL, G.R.; KATSURAYAMA, J.M.; ROCCO, M.A. Composição mineral de folhas em duas épocas de amostragem e vigor da macieira ‘Fuji’ em resposta a nitrogênio e potássio. Revista Agropecuária Catarinense, V. 23, n2, p. 77- 83, 2010.• NAVA, G.; Dechen, A.R. long-term annual fertilization with nitrogen and potassium affect yield and mineral composition of fuji apple. Scientia Agricola, v. 66, p. 377-385, 2009.
  60. 60. Artigos científicos para consulta• NAVA, G.; DECHEN, A.R.; NACHTIGALL, G.R. Nitrogen and potassium fertilization affect apple fruit quality in Southern Brazil. Communication in Soil Science and Plant Analysis, v.39, p.96-107, 2008.• NAVA, G., NUENRBERG, N. J., PEREIRA, A., DECHEN, A.R. Adubação de crescimento de macieira cv. catarina sobre porta-enxerto marubakaido em São Joaquim, SC. Revista Brasileira de Fruticultura. , v.29, p.359 - 363, 2007.• NAVA, G. Rendimento e nutrição da macieira em resposta às adubações nitrogenada e potássica e balanço de água no solo e na planta. 2007. 113p. Tese (Doutor em Agronomia) – Esalq/USP, PIracicaba, 2007.• ESPANHOL, G.L.; ALBUQUERQUE, J.A; MAFRA, A.L.; NUERNBERG, N.J.; NAVA, G. Propriedades químicas e físicas do solo modificadas pelo manejo de plantas espontâneas e adubação orgânica em pomar de macieira. Revista de Ciências Agroveterinárias, V.6, n2, p.83-94, 2007.
  61. 61. Considerações finais• Necessidade de uniformização das metodologias utilizadas para fins de análise química de frutos• Relacionar a nutrição de plantas nas pesquisas realizadas em outras áreas de estudo (melhoramento, fitossanidade)• Intensificar as pesquisas com disponibilidade de água, principalmente para solos pouco profundos• Avaliar melhor a resposta ao uso do geso em solos profundos e/ou com baixo pH;• Fundamental a participação da assistência técnica para ajustes finos da adubação, muito dependentes das condições climáticas• Avanços na área de nutrição são contínuos – Os conhecimentos existentes podem suportar altas produtividades
  62. 62. Agradecimento Clori Basso Alessandra Muito Gilberto Nava – EESJObrigado! nava@epagri.sc.gov.br

×