PEC Bruna Merini e Matheus Gritten

775 views
701 views

Published on

Published in: Technology, News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
775
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
54
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

PEC Bruna Merini e Matheus Gritten

  1. 1. BRUNA NAYARA MERINI MATHEUS HENRIQUE GRITTENPROJETO EXPERIMENTAL EM COMUNICAÇÃO: Programete Cultural para Rádio AM BLUMENAU 2011
  2. 2. BRUNA NAYARA MERINI MATHEUS HENRIQUE GRITTEN PROJETO EXPERIMENTAL EM COMUNICAÇÃO:Programete Cultural para Rádio AM: “Cultura em Sintonia” Projeto apresentado à SOCIESC IBES, como parte dos requisitos necessários para conclusão da Disciplina de Projeto Experimental, do curso de Comunicação Social, habilitação em Jornalismo. BLUMENAU 2011
  3. 3. RESUMO O Projeto Experimental em Comunicação “Cultura em Sintonia” pretende levaraos ouvintes de rádio AM de Blumenau e região, uma nova maneira de relacionarjornalismo cultural e entretenimento, oferecendo um conteúdo diferenciado ao públicoque aprecia este segmento, bem como atrair pessoas com pouco ou nenhumconhecimento a respeito do tema. Música, artes, literatura, são formas de expressãoque estão presentes na cultura nacional desde sempre, mas, no entanto, não é comumque estes assuntos sejam abordados nos meios de comunicação como um todo. Oprogramete sugere que estes temas sejam tratados com clareza e naturalidade e quesejam de fácil entendimento para o público, como mais um meio de entretenimento narádio regional.
  4. 4. SUMÁRIO1 APRESENTAÇÃO GERAL...........................................................................................61.1 Introdução...................................................................................................................71.2 Justificativa.................................................................................................................81.3 Objetivo.....................................................................................................................101.3.1 Objetivo Geral........................................................................................................101.3.2 Objetivos Específicos............................................................................................102 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA..................................................................................112.1 Cultura......................................................................................................................112.1.1 Conceito Geral.......................................................................................................112.1.2 Outros Conceitos...................................................................................................122.1.3 Jornalismo Cultural...............................................................................................132.2 Rádio........................................................................................................................152.2.1 História..................................................................................................................152.2.2 Comunicação Radiofônica.....................................................................................162.2.3 Comunicação no Rádio: Entretenimento...............................................................173 Rádio Nereu Ramos....................................................................................................183 RELATO DE PRÉ-PRODUÇÃO.................................................................................194 CONCLUSÃO..............................................................................................................225 REFERÊNCIAS...........................................................................................................236 ANEXO: PROGRAMAS..............................................................................................25
  5. 5. 1 APRESENTAÇÃO GERAL O programete cultural, direcionado para rádios AM, será elaborado poracadêmicos de Comunicação Social – Jornalismo, da instituição Ibes Sociesc, deBlumenau. Este programete tem a intenção de aumentar os conhecimentos dosouvintes nos segmentos artísticos de música, teatro e cinema, artes plásticas eliteratura, ou seja, na área cultural. O programete agregará uma grade de programação específica para cada dia dasemana. O conteúdo será eclético e democrático, dentro do que for consideradorelevante aos ouvintes da emissora, neste caso a Rádio Nereu Ramos. Também éimportante que os assuntos abordados sejam pertinentes à área em que a emissoraatua. A produção será feita com base em notícias atuais, de cada tema em questão, eterá a duração de três minutos a cada dia, fechando em um total de quinze minutos porsemana. A afinidade dos pesquisadores com música e cultura em geral, além doconhecimento em diversos estilos, ajudará no conteúdo. A convivência e experiênciade um dos integrantes-pesquisadores com o veículo facilitarão a linguagem e aprodução. Procurar buscar conhecimento sobre como funciona o trabalho em rádio ecomo o programa será inserido em um meio que já está em atividade há tanto temposão desafios que este trabalho impõe. Este programete é direcionado especificamente para rádio AM por que hánecessidade de conteúdo diferenciado neste tipo de emissora, uma proposta com viésmais cultural para a sociedade blumenauense, bem como de toda a região do Vale doItajaí. O projeto deste programa mostra um diferencial, proposta nova que não seencontra no jornalismo radiofônico local.
  6. 6. 1.1 Introdução Os pesquisadores optaram por realizar este projeto de programete com a intençãode mostrar um segmento que é raro nas rádios AM da região e também angariar umnovo público para este tipo de emissora. Além disso, visam agregar novosconhecimentos na área cultural aos que já são ouvintes. Geralmente as emissorastratam de notícias e músicas como um padrão geral. O projeto em questão procuraabrir espaço para um novo segmento, ressaltando o pioneirismo da iniciativa quepoderá influenciar a criação de outros projetos semelhantes posteriormente. Os autores já têm uma afinidade com o veículo de comunicação rádio, sendo queum deles trabalha no meio há algum tempo, possuindo conhecimento das técnicasdesse segmento da profissão. Sendo assim, colocamos em prática o conhecimento jáexistente e busca-se mais experiência e aprendizado realizando este projeto.Jornalismo cultural de rádio é um segmento que não é tão reconhecido pelos outrosmeios e é pouco conhecido pela população leiga ao meio de comunicação. Ospesquisadores, jovens acadêmicos, buscam dar “sua cara” para o programete a fim detornar a programação de rádio AM um pouco mais jovem e cultural. Dessa forma, será criado o programete cultural, que recebe o nome de “Culturaem Sintonia”, visando informação e entretenimento. Diariamente o programa serálevado ao ar proporcionando este conteúdo aos ouvintes. A cultura é formada pelavivência histórica e cotidiana de cada um, é intrínseca ao ser humano, e não apenasuma abstração regionalista coletiva. SANTOS (2003, p.22) afirma ainda que hátambém uma cultura alternativa, que compreende tendências de pensar, e a vida emsociedade, na qual a natureza e a realização individual são enfatizadas. Música, artes,cinema e teatro: a partir deste pioneiro programete, esses gêneros artístico-culturaisestarão mais presentes na realidade do morador de Blumenau e região - e isto comcerteza será um benefício para o crescimento da sociedade municipal e regional.
  7. 7. 1.2 Justificativa Atualmente, as rádios AM’s são reconhecidas apenas por seres fontes de notíciaspara os ouvintes, sendo elas regionais, municipais, ou mesmo de bairro; e por umsegmento musical mais fechado, sendo que o estilo sertanejo e a música tradicionalistasão os mais tocados. Os ouvintes escutam e diretamente reconhecem a rádio queestão ouvindo; já é um sentimento familiar, íntimo. Procuramos inserir um atrativodiferente no dia-a-dia dos ouvintes, mas que ainda assim soe informal e pessoal paraestes. Um programete cultural, além de informativo, também irá aproximar o ouvinte ecolaborar na fidelização à emissora, já que este se torna mais íntimo conforme vai seapegando aos programas que vão surgindo em sua emissora favorita. Pode causarestranheza a princípio, porém conforme o programa for sendo exibido e o ouvinte for seinteirando do que trata, a primeira impressão dará lugar ao desejo dele por informaçãoe uma identidade ao projeto. O produto a ser elaborado faz parte do veículo de comunicação que chegou aoBrasil em 1922. E mesmo depois de tanta tecnologia e interatividade, de acordo comFerraretto (2007), o rádio é a preferência nacional. Assim, o mercado pede cada vezmais uma abrangência de conteúdos. Por isso, o programete proposto ilustra anecessidade que as diversas formas de culturas têm ao escolher uma emissora. Nacidade de Blumenau, apenas a Furb FM faz uma mescla de estilos musicais,jornalísticos e informativos, mas ainda de forma reduzida e limitada. Assim, oprogramete propõe dar espaço a críticos, músicos e pessoas que ajudam a disseminara cultura em Blumenau. O tema “cultura” trata de um contexto tão abrangente, que no programete emquestão será segmentado, abordando cada gênero em determinado dia da semana.Blumenau é uma cidade com mais de 150 anos de fundação e naturalmente teve suacultura inicial muito alterada. Além disso, a cultura está em constante desenvolvimento. Os pesquisadores optaram por utilizar o rádio como meio de disseminação denossa mensagem, pois este é o meio mais comum, mais abrangente e, segundoestudiosos, o mais “querido” do Brasil, sendo que a TV é escolhida pela comodidade.Barbosa Filho sugere em “Rádio: A Sintonia do Futuro” que o rádio é o canal decomunicação onde as mensagens são passadas de maneira mais correta e são
  8. 8. contadas de maneira mais ampla e confiável. Também há de se destacar a agilidadeque este meio de comunicação oferece. O autor ainda se refere ao rádio como “micro e macro”, o local e o global: “Mesmoque não se teorize muito a esse respeito, o rádio reconstrói a cada instante as noçõesde público e privado, de coletivo e individual, de local e global, da parte e do todo”. Ouseja, apesar da mensagem do programa ora proposto ser transmitida para umdeterminado grupo de pessoas, esta poderá ser gravada e disseminada posteriormentepara outros meios e outros lugares. O rádio ainda é um meio de comunicação importante e que está longe de seextinguir, mesmo com o advento da internet, que começou no século XX. Com esteprojeto também será possível mostrar que o radiojornalismo ainda tem muito chão pelafrente e muitas possibilidades a serem exploradas. No que compete a realização do programente, este rodará dentro do ProgramaOpinião Pública, da Rádio Nereu Ramos, já que estepode ser definido como umarevista eletrônica no rádio blumenauense. O horário escolhido para veiculação doprogramete seria às 15h, com a proposta de alcançar os ouvintes no pico de audiênciado programa e também poder informar de possíveis peças de teatros, shows eexposições que acontecerão naquele dia. Assim, o horário ajuda as pessoas a seprogramarem caso haja interesse de comparecer em algum destes eventos. Também teremos participações. Por exemplo, na terça-feira falaremos sobreliteratura, e neste dia contaremos com a entrevista ou comentários de um escritor oupoeta da região, comentando sobre suas obras e também sobre literatura em geral,expondo seu trabalho e também sanando dúvidas que possam vir dos ouvintes. Blois (1996, p. 13) cita que “o brasileiro acorda e... liga o rádio! Daí em diante, elenão é mais o mesmo – os acontecimentos considerados destaque de sua cidade, paísou mundo, chegam-lhe através do seu noticiário rádio”. O rádio é muito importante paraa sociedade brasileira e não será tão cedo que ele sairá de cena.
  9. 9. 1.3 Objetivo1.3.1 Objetivo GeralProduzir um programete cultural radiofônico, veiculado de segunda a sexta-feira,durante à tarde, na Rádio AM Nereu Ramos, de Blumenau, Santa Catarina, comduração de três minutos.1.3.2 Objetivos Específicos - Levar conhecimento cultural ao público ouvinte de rádio AM. - Ressaltar a cultura e gêneros artísticos, assunto esquecido enquanto debaterumo ao conhecimento neste tipo de emissora. - Apresentar os valores culturais e artísticos da cidade e região, sem esquecer dainformação necessária à compreensão dos ouvintes. - Manter o público ouvinte atualizado sobre os eventos culturais que acontecemem Blumenau e região.
  10. 10. 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Cultura 2.1.1 Conceito Geral A palavra cultura vem do latim colere, que significa “cultivar” e é um conceito devárias acepções. Edward Taylor define a cultura como “aquele todo complexo que incluio conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outroshábitos e aptidões adquiridos pelo homem como membro da sociedade”. Em outras regiões, a palavra tem outros significados. Na Roma Antiga, significavasimplesmente “agricultura”; no alemão, cultura se refere àquilo que é estritamentepopular ou as manifestações artísticas mais relevantes da humanidade. Definições decultura foram dadas através dos séculos por diversos cientistas sociais, sendoencontrados pelo menos 167 definições para a palavra. Segundo Santos (2003, p.7) “cultura é uma preocupação contemporânea, bemviva nos tempos atuais. É uma preocupação em entender os muitos caminhos queconduziram os grupos humanos às suas relações presentes e perspectivas do futuro”.Com o passar do tempo, o mundo vai se alterando, e a história registra comabundância as transformações por que passam as culturas dos povos, se alterandoconforme os anos. Essas mudanças podem ocorrer por forças externas, internas, emuitas vezes, por ambos os motivos. O autor afirma que cada cultura tem sua lógica interna, a qual devemos procurarconhecer para que façam sentido suas práticas e costumes: [...] As variações nas formas de família, por exemplo, ou nas maneiras de habitar, de se vestir e distribuir os produtos de trabalho não são gratuitas. Fazem sentido para os agrupamentos humanos que as vivem, são resultados de sua história, relacionam-se com as condições materiais de sua existência. Entendido assim, o estudo da cultura contribui no combate a preconceitos, oferecendo uma plataforma firme para o respeito e a dignidade nas relações humanas.
  11. 11. Importante também é considerar a diversidade cultural existente na sociedade.Isso é essencial para compreender a cultura e, principalmente, a cultura do país emque vivemos. Essa diversidade não é só feita de idéias, mas também está relacionadacom as maneiras de atuar na vida social, é um elemento que faz parte das relaçõessociais do país. A diversidade também se constitui de maneiras diferentes de viver,cujas razões podem ser estudadas, com o intuito de eliminar preconceitos eperseguições a grupos e pessoas. A cultura, conforme fora dito anteriormente, é algo em constante mutação. Cabeentão, acompanhar seu desenvolvimento junto à sociedade, e procurar estar atento àsalterações que vão acontecendo. 2.1.2 Outros Conceitos Cultura costuma se referir aos costumes e tradições de determinada região. É oconceito mais comum, o mais usado. Por exemplo, quando nos referimos ao Brasilpara algum estrangeiro, é quase automático que ele se lembre de carnaval, samba eoutros itens que fazem nosso país ser reconhecido lá fora. Aprofundando no tema, Cultura é tudo aquilo que pode ser lembrado. Ou seja,tudo aquilo que marcou uma geração, determinado povo ou nação, e fez história.Tomemos como exemplo a Cultura Egípcia, uma das mais antigas da humanidade.Existiu há muitos séculos e deixou um legado enorme para diversos povos que vieramposteriormente. Até hoje ainda essa cultura é estudada. Muitos outros assuntos também estão ligados à cultura como, por exemplo, aAntropologia, a Sociologia, e diversas outras Ciências Sociais. Isso só nos prova comoeste tema pode ser abrangente e como há diversas maneiras de estudá-la. A seguir, alguns exemplos de diferenciações de cultura: - Cultura Popular: Como o próprio nome já diz, é a cultura do povo. É o resultado da integraçãocontínua entre pessoas de diversas regiões, que juntas formam uma única cultura.Nasceu da adaptação do homem ao mundo em que vive, conforme este foi semoldando com o passar das gerações. Abrange inúmeras áreas de conhecimento:
  12. 12. crenças, artes, moral, linguagem, idéias, hábitos, tradições, usos, costumes,artesanatos, folclore, dentre outros. - Cultura de massa Por sua vez, esta vem a ser a cultura total de idéias, argumentos, memes,perspectivas, imagens, atitudes e outros fenômenos que vem de um consenso informalda sociedade. É fortemente influenciada pela mídia de massa, dominada pelos meiosde comunicação atuais: TV, rádio e, principalmente, a internet. Hoje em dia, é tambémusado o tema estrangeiro “pop culture” para se referir a cultura geral de umdeterminado grupo ou comunidade. Além destes, ainda existem outros, como as culturas verbais e não-verbais,interpessoal e intrapessoal, visual e audiovisual, segmentada e cultura de redes,apenas citando alguns exemplos. No entanto, não nos aprofundaremos nestessegmentos para não fugirmos do real foco deste projeto e no objetivo do trabalho emgeral. 2.1.3 Jornalismo Cultural O Jornalismo Cultural é aquele que abrange tudo o que pode ser entendido pormeio cultural da sociedade: literatura, música, artes e entretenimento. É um segmentomuito específico da comunicação e também um dos mais conhecidos, pois estáconstantemente na mídia, seja na televisão, no rádio ou nos meios impressos. Em seu livro “Jornalismo Cultural”, Daniel Piza (2003) traça um histórico dosurgimento deste segmento, com a criação da revista Spectator, na Inglaterra. Afinalidade dessa publicação era levar a filosofia das bibliotecas e escolas até os clubes,casas de chás e cafés. A revista falava basicamente de tudo: livros, óperas, festivais demúsicas, teatro e política, num tom de conversação bastante informal, o que tornava apublicação mais acessível. No Brasil, o marco da propagação do jornalismo cultural foi a revista O Cruzeiro,publicada pela primeira vez em 1928. Piza afirmou que, no entanto, com o passar dotempo, a crítica do jornalismo cultural foi sendo deixada de lado pelos fenômenos deaudiência, aqueles que dificilmente serão julgados.
  13. 13. O autor ainda discorre sobre o fato do preconceito que os profissionais dejornalismo cultural sofrem, sendo que estes não trabalham com os chamados “furosjornalísticos”. No entanto, o jornalista cultural também está sempre em contato com omelhor da arte. Está por dentro do que está acontecendo ao seu redor, ouve primeiroos lançamentos musicais, assiste antes as peças teatrais e filmes. Ainda é preciso que o jornalismo cultural avance e ganhe um espaço maior nacomunicação em geral, e seja respeitado como um segmento de qualidade e grandeimportância, com profissionais qualificados, que possam assim formar ideologias einstruir as pessoas.
  14. 14. 2.2 Rádio 2.2.1 História Muito se discute sobre a criação e a implantação do rádio no Brasil. Algunshistoriadores acreditam que o início se deu no Rio de Janeiro, enquanto outros afirmamque os primórdios vêm de Recife. Documentos comprovam que a primeira rádio aexistir no país foi a Rádio Clube de Pernambuco, que foi fundada no dia 6 de abril de1919. Com um transmissor importado da França, Oscar Moreira Pinto, o fundador, deuinício à emissora, que mais tarde contou com a colaboração de novos sócios.(ORTRIWANO, 1985, p. 13) O fato histórico seguinte foi a inauguração oficial do rádio, no ano de 1922, no Riode Janeiro, o que fez com que a cidade carioca levasse a fama sobre a implantação dorádio no Brasil. Segundo Barbosa Filho (2004, p.53), “naquele ano, no dia 7 desetembro, em comemoração ao centenário da Independência, seria transmitido odiscurso do presidente Epitácio Pessoa no local da Exposição Internacional, que serealizava no Rio de Janeiro”. Em seguida, foi implantada a primeira emissora oficial do País, a Rádio Sociedadedo Rio de Janeiro. De acordo com Calabre (2007, p.73) “os pioneiros, Roquette Pinto eHenrique Morize, ambos os membros da Academia Brasileira de Ciência, comfinalidades estritamente culturais e educativas, nos moldes europeus”. Ou seja, aprimeira influência que aconteceu na implantação da rádio no Brasil veio dos projetospioneiros da Europa. Nos anos 30, aconteceu a disseminação do rádio. As “rainhas do rádio”, comoeram chamadas na época Ângela Maria e Marlene, ajudaram a popularizar e fortalecero fenômeno. Ao longo desta década, também, a programação das emissoras ganhouuma nova cara, com programas humorísticos e programas de auditório. No registro de Ferrareto: [...] o primeiro grande fenômeno das indústrias culturais no país é sem dúvida a Rádio Nacional, do Rio de Janeiro, emissora inicialmente privada que o governo federal escampa em 1940. Vive- se no Estado Novo, mistura de fascismo com positivismo castilhista. A emissora carioca vai alçar o rádio à condição de veículo massivo, trabalhando suas mensagens conforme uma média de gosto e
  15. 15. visando atingir o máximo possível de ouvintes na busca de retorno comercial. 2.2.2 Comunicação Radiofônica Seguindo nos conceitos da comunicação do radiofônica, Ferraretto explica queesta é complexa e ao mesmo tempo mágica, sendo que os ouvintes não conhecem orosto daqueles que estão lhe transmitindo a mensagem. Os espectadores criam emsuas mentes imagens de como o transmissor é baseando-se em sua voz e nasalterações durante uma mensagem. Como o autor explica, isso mostra ainda umaconfiança e intimidade maior entre o locutor e o ouvinte, mesmo um não conhecendo ooutro. Assim, FERRARETTO (2001, P.25) explica o comportamento do rádio como“sendo sem contato face a face entre os interlocutores, e com um deles – sendo este oouvinte – não possuindo a opção de uma resposta imediata”. Segundo ORTRIWANO (1985), a mensagem radiofônica deve ser analisadaatravés de quatro aspectos: [...]a) em função do meio: a mensagem é imediata, supondo a eliminação dos fatores espaço e tempo, consistindo em uma unidade de emissão sucessiva, imediata e simultânea, implicando ainda na presença do receptor no momento exato da transmissão, sendo a mensagem única e irrepetível, implicando ainda na ausência do receptor do campo visual do emissor; b) em função dos componentes da mensagem: a mensagem tem como suporte sinais compostos por sons – palavras, música, efeitos sonoros – que são comunicados idéias, realidade e emoções; c) função do ouvido: receber a mensagem radiofônica, é unicamente necessária que exista a capacidade de ouvir; d) função do receptor da mensagem: pode ser recebida através da ampliação do campo auditivo, conseguida tecnologicamente, o que dá autonomia na recepção, ao que se une o fato de cada mensagem ser decisiva em si mesma, por ser uma unidade única e irrepetível. No entanto, FERRARETTO (2004, p.119) afirma que são seis fatores que definema mensagem radiofônica: a capacidade auditiva do receptor, a linguagem radiofônica, a
  16. 16. tecnologia de transmissão e recepção empregada, a fugacidade, os tipos de público eas formas de recepção. Para ser bem compreendida pelo público leigo e que não está acostumado comas técnicas dos meios de comunicação, a mensagem, como produto de rádio, deverespeitar todas as singularidades deste meio de comunicação, sendo ser bem ouvida apreocupação básica do emissor. 2.2.3 Comunicação no Rádio: Entretenimento Segundo Barbosa Filho (2003, p.13), o gênero de entretenimento “despertainteresse de profissionais e de pesquisadores”. Seus formatos possuem característicaspeculiares, como por exemplo, juntar em um programa só, notícias, humor e anúncios.A seguir, conceitos que se destacam nesse gênero: a) Programa Musical – Abra espaço para a difusão de obras musicais dos mais diferentes gêneros; b) Programação Musical – É uma sequência de programas dispostos dentro de técnicas específicas. Tem geralmente cerca de seis a doze minutos de duração. c) Evento Artístico – É a grande capacidade do meio rádio devido a facilidade que o meio de comunicação tem em garantir presença nos mais diversos eventos, fazendo a transmissão ao vivo d) Programa Interativo de Entretenimento – Constitui um conjunto de ações que são para divertir o público, que tem como pressuposto fundamental a presença dos ouvintes, os quais participam de eventos, gincanas, jogos, podendo assim, aparecer como quadros, dentro de formatos especiais, ou como programas específicos. Na maioria das vezes, esta participação do público é contemplada com brindes.
  17. 17. 3 RÁDIO NEREU RAMOS A Rádio Nereu Ramos é uma emissora da cidade de Blumenau, que atua sobrea freqüência 760 kHz AM. A rádio trabalha com o segmento jornalístico e seu foco sãoos municípios do Vale do Itajaí, porém aborda também informações de âmbitointernacional, nacional e estadual, entretanto sempre mantendo o enfoque no regionale local. A emissora foi fundada no dia 1º de setembro de 1958 por Evelásio Vieira,popularmente conhecido como Lazinho. Desde sua criação, tem como sua principalcaracterística a programação pautada na informação. No início das operações, aemissora marcou a revolução da radiodifusão na região, a chamada era de ouro dorádio blumenauense. Depois de cinqüenta anos, a emissora carrega consigo o conceito de “ainformação que forma opinião”. Atualmente, a Rádio Nereu Ramos possui a maiorpotência de transmissão de rádio AM catarinense, sua programação é voltada para ojornalismo onde conta com a participação de uma das maiores equipes decomunicadores do rádio catarinense, com forte poder de influência e credibilidade juntoa outros formadores de opinião. Noticiando diariamente sobre política, esporte, e outros assuntos pertinentes acomunidade blumenauense e também da região do Vale do Itajaí, a emissora parecenão se incomodar com a concorrência ou com as tecnologias que vêm chegandoprometendo tomar o lugar das rádios, mostrando-se sempre inovadora e fiel aos seusouvintes. Atualmente, a Rádio Nereu Ramos é a emissora com a maior cobertura de sinaldo estado, além de ser referenciada como destaque no radiojornalismo, tendo ênfasena informação regional.
  18. 18. 4 RELATO DE PRÉ-PRODUÇÃO 4.1 Projeto Depois de definidas as editorias que serão apresentadas a cada dia da semana,que seguirão a seguinte ordem: segunda-feira – literatura, terça-feira – museu eexposições, quarta-feira – artes cênicas, quinta-feira – artes plásticas e na sexta-feira –música, e a maneira como estes serão apresentados ao público, inicia o processo deprodução do conteúdo. Os programetes rodarão diariamente, e por isso terão queserem gravados no mesmo período. Isso acontecerá nos laboratórios de rádio daFaculdade Ibes/Sociesc e também no estúdio de gravação no prédio da Força doRádio, onde se encontram as Rádios Nereu Ramos, Clube de Blumenau e 90 FM. 4.2 Pesquisa: Programas já existentes Antes de iniciarmos nosso projeto, buscamos fundamentar nosso trabalho comuma pesquisa relacionada ao jornalismo de rádio, especificamente no campo dojornalismo cultural para rádio AM. Pelo Brasil, existem diversos programetes e atémesmo rádios específicas neste segmento. Uma destas é a Rádio Cultura AM de Foz do Iguaçu, no Paraná. A emissora temrelativo sucesso na região, sendo que o programa “Contraponto” é um dos que temmais repercussão. Apresentado pelo jornalista Aluízio Palmar e pelo radialista EnnesMendes da Rocha, o programa aborda diversos temas culturais, focados na região dacidade paranaense. Outra emissora tradicional que atua nessa área é a Rádio MEC, do Rio deJaneiro. Esta, no entanto, vai ao ar como FM. Entretanto, a rádio tem um projeto deprogrametes culturais, que vão ao ar semanalmente, e que também são postados pelainternet, os chamados podcasts. A cada três dias, uma nova matéria é realizada, e vaiao ar na emissora, e em seguida vai pra web. Tomamos como inspiração essas duas rádios e mais alguns outros exemplos detrabalhos realizados para seguirmos com nosso projeto, já com um maioraprofundamento de como trabalhar neste segmento.
  19. 19. 4.3 Pré-Produção Iniciamos nosso projeto com a idéia de um programente musical, direcionado aosouvintes de rádio AM da cidade de Blumenau, com a intenção de diferenciar aprogramação já existente. Começamos a trabalhar em nosso projeto experimental comesta idéia em mente. Conforme fomos tendo nossos primeiros encontros com o orientador, optamos portornar nosso projeto mais abrangente, tornando o tema principal como cultural, e nãoapenas musical, abrindo espaço para outros assuntos. Em seguida, partimos para a pesquisa de quais editorias atingiriam mais ouvintese acrescentariam, levando-se em conta o tema. Escolhemos cinco assuntos a seremabordados a cada dia da semana: artes plásticas; museu e exposições; teatro ecinema; música e literatura. Com as editorias formadas, pesquisamos sobre a programação da Rádio NereuRamos e qual o melhor horário para veiculação do programete. Por algumas de suasprincipais características encaixarem com o objetivo do programete, o programaescolhido foi o Opinião Pública. 4.3 Execução do Projeto Posteriormente, avançamos para a fundamentação teórica com pesquisas emlivros e diversas referências, que agregaram não só o veículo de comunicação queescolhemos como também a produção em si. Desenvolvemos essa fundamentaçãocom base na história do rádio no Brasil desde seu surgimento, seu desenvolvimento,até sua transformação com o advento da TV e também a sua adaptação com achegada da Internet. Buscamos também nos orientar do conceito “cultura”, um termo tão abrangente.Observamos as diversas caraterísticas deste tema, seus conceitos e as formas comoela é conhecida por todo mundo. Além disso, encontramos programetes de cultura quejá existem no Brasil, como forma de nos orientamos para a conclusão do trabalhoprático. Com o trabalho memorial praticamente concluído, adentramos na produção doprogramete em si. Será realizada a gravação e edição no material, conforme esquemasque realizamos em pré-produção. O nome escolhido para nossa produção foi “Cultura
  20. 20. em Sintonia”, que como o próprio nome já sugere, está em sintonia com os ouvintes derádio AM, levando a cultura e a produção em rádio a outro nível. 4.4 Finalização Definidos todos os esquemas e realizadas as pautas, a equipe partiu para afinalização do trabalho prático, iniciando a produção do produto de áudio. A gravação dos programetes ocorreu entre os meses de maio e junho nosestúdios da própria Rádio Nereu Ramos, localizada na Rua Buenos Aires, número 145,no bairro Ponta Aguda em Blumenau. A captação das informações com osentrevistados ocorreu no mesmo período. Foram utilizados equipamentos da emissora,e as sonoras também foram feitas com auxílio de gravadores. Cada tema contou com a participação de um profissional da editoria, como naliteratura, com a poetisa Cláudia Yara Vetter e no tema de museus e exposições, com agerente de comunicação do museu Hering, Amélia Malheiros. Foram criadas as trilhas de abertura e fechamento do programa, e a locuçãoprincipal ficou por conta do acadêmico de jornalismo Diego Becker. O programetetambém teve a participação de Rose Leite, que tem uma vasta carreira noradiojornalismo blumenauense. Após a finalização dos cinco programas, foi realizada a edição, também feita naRádio Nereu Ramos, e a conclusão do material para ser entregue na data estipuladapela instituição.5 CONCLUSÃO Desde seu surgimento, o Rádio mostrou-se como um instrumento decomunicação muito importante para a história do jornalismo no mundo, e teve
  21. 21. fundamental importância no Brasil durante o século XX como, por exemplo, durante aDitadura Militar e a luta pela democracia em nosso país. Escolhemos a Rádio Nereu Ramos justamente por ela ter esse conhecimento dehistória e luta, por ter sido a percussora de jornalismo noticioso em Blumenau, e por sera rádio que mostrou ao público o que é política, cultura e outros conceitos que nãofaziam parte do dia-a-dia de todos os blumenauenses. Conforme nosso Projeto Experimental foi ganhando forma, fomos tomandoconhecimento de como realmente é um trabalho jornalístico, de como temos de levar asério quando se trata de um produto que irá atingir um número tão grande de pessoas.Inclusive, ao escolher os ouvintes de Rádio AM como nosso público alvo, acabamospor escolher também um público já muito característico, com sua personalidadedefinida. Escolhemos trabalhar com jornalismo cultural pelo fato de que cultura é algo queo brasileiro tem dentro de si, mas que geralmente não é desenvolvido. Nosso país éconhecido pelo folclore, pelo carnaval, e por seu povo ter características muito únicas.A cultura deve ser apreciada, respeitada, mas também discutida, transformada. Culturaestá sempre em transformação, em desenvolvimento, assim como um indivíduo e umasociedade. Os ouvintes sabem o que gostam e o que não gostam. Porém, é sempre bom teralgo de novo naquela programação diária, algo que faça sair da rotina, e que chame aatenção daqueles que já são ouvintes fiéis da rádio, e também trazer novo público aemissora. Assim, é um desafio trazer um tema novo para a região, inovador. Inserir umprojeto inovador para rádio AM pode ser arriscado, mas ainda assim, vale a pena otrabalho e o esforço com que trabalhamos nesse projeto. Com isso, nosso trabalho torna-se ainda mais gratificante, podendo adquirirexperiência e ainda contribuir para um jornalismo sério e de qualidade, onde todossaem ganhando: produtores, empresa e ouvintes.
  22. 22. 6 REFERÊNCIASLivros:BARBOSA FILHO, André. Gêneros Radiofônicos: os formatos e os programas emáudio. São Paulo. Paulinas, 2003.FERRARETTO, Luiz Artur. Rádio: o veículo, a história e a técnica. 2ª Ed. PortoAlegre. Sagra Luziatto, 2001.GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro. LTC, 1989.JUNG, Milton. Jornalismo de Rádio. São Paulo. Contexto, 2004.LARAIA, Roque de Barros. Cultura: Um Conceito Antropológico. 20ª Ed. Rio deJaneiro. JZE, 2006.ORTRIWANO, Gisela Swetlana. A informação no rádio: os grupos de poder e adeterminação dos conteúdos. São Paulo, Summus, 1985.PENA, Felipe. Teoria do Jornalismo. São Paulo. Contexto, 2006.PIZA, Daniel. Jornalismo Cultural. Contexto, São Paulo, 2003.SANTOS, José Luis dos. O que é Cultura. São Paulo. Brasiliense, 2003.VIEIRA NETO, Evelásio. Rádio Nereu Ramos: 50 anos. Trabalho de Conclusão deCurso. Univali, Itajaí, 2007.WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. São Paulo. Martins Fontes, 2003.
  23. 23. Websites:BLOIS, Marlene. O rádio nosso de cada dia: Comunicação e Educação. São Paulo,1996. Disponível emhttp://revistas.univerciencia.org/index.php/comeduc/article/view/4296/4026> Acesso em16 de maio de 2011.Rádio Cultura Foz. Foz do Iguaçu, Paraná, 2011. Disponível em>http://www.radioculturafoz.com.br> Acesso em 09 de junho de 2011.
  24. 24. ANEXO: PROGRAMASPrograma 1 – Segunda-feira: LiteraturaABERTURATRILHA“(..)Pois no fundo do inevitável há a voz que me clama,e soa o nome que meus ouvidos já provarampor meu velho conhecido,não sei espacejar o natural, e a ausência me bebe a longos sorvose fico discreta, à estampa do invisívele os dias todos me seguem,provando que na nostalgia do que passaeu sinto intensamente íntima a voz da saudade,um grito.”O trecho que você ouviu, faz parte da poesia de Cláudia Iara Vetter, escritorablumenauense, é marcada por versos fortes e representa a emoção da autora. Elacomeçou a escrever letras de músicas com seus 16 anos e descobriu a paixão pelapoesia transcrita em livros e sem melodia. Neste mês, Cláudia lança seu segundo livro,intitulado “O Retrato da Nudez Eólica”ENTRA SONORAO lançamento acontece em uma noite multicultural na Fundação Cultural de Blumenauás 19h de hoje. No local, além da sessão de autógrafos da escritora, diversas bandaslocais se apresentarão ao redor de uma exposição de obras de arte de pintores daregião. A Fundação fica localizada na Rua 15 de Novembro, número 161, no centro deBlumenau.TRILHAFECHAMENTO
  25. 25. Programa 2 – Terça-feira: Museus e ExposiçõesABERTURATRILHAEntre a rota de museus de Blumenau, os apreciadores da história antiga, podem sedeparar com o recente Museu Hering – Dois Peixinhos. Como o nome mesmo diz, omuseu conta a história da CIA Hering. A empresa começou em 1880, com umapequena produção no centro do município. A palavra Hering significa ”arenque” emAlemão. É um tipo de peixe parecido com a sardinha. Os dois peixinhos representamos irmãos Hermann e Bruno Hering, fundadores da empresa. No espaço, conformeAmélia Malheiros, Gerente de Comunicação Corporativa da Hering, os visitantespodem ver a interpretação do passado até o presente, com a exposição Tempo aoTempo, que busca contribuir com informações e principalmente com inspiração parafuturas gerações. O visitante também será surpreendido com a modernidade.ENTRA SONORAO museu está localizado na Rua Hermann Hering, 1790, próximo a empresa no BairroBom Retiro.
  26. 26. Programa 3 - Quarta-feira: Artes CênicasABERTURATRILHAOs preparativos para o 15º Festival Nacional de Teatro Infantil de Blumenau jácomeçaram. Esse ano, a organização irá trazer novidades para o público e tambémpara os artistas. Além das peças teatrais apresentadas durante toda a semana,oficinas, debates, palestras e mesas redondas sobre os trabalhos apresentadosmarcarão o evento.ENTRA SONORATanto amadores como profissionai, podem participar do evento que será realizado de11 a 21 de setembro. As inscrições seguem até dia 15 de agosto. Os grupos serãoselecionados por uma comissão indicada pela organização do evento. O edital está nowww.fcblu.com.br.TRILHAFECHAMENTO
  27. 27. Programa 4 – Quinta-feira: Artes PlásticasTRILHAABERTURAQuem nunca passou pela Ponte do Tamarindo e se deparou com uma escultura alta eum tanto estranha em uma das cabeceiras? Mas você sabe o que ela signigica e porque foi colocada neste lugar? Primeiro vamos falar de quem a criou: Guido Heuer.Nasceu em 1956 em Blumenau. Autodidata, iniciou seu aprendizado com o ave,Johannes Heuer, que trabalhava com fundição de metais. Em mais de trinta anos deatividades, ultrapassa uma centena de exposições. E para matar a sua curiosidade, aescultura localizada próxima a rodoviária de Blumenau representa o povoamentoaçoriano em Santa Catarina. O círculo, é um símbolo que nos remete a ideia deperfeição e infinito, características que por sua vez invocam o divino e, portanto, oparadisíaco.ENTRA SONORATRILHAFECHAMENTO
  28. 28. Programa 5 – Sexta-feira: MúsicaABERTURATRILHAO rock’n roll que sempre caminhou em universo independente e paralelo a outrosestilos, hoje se depara com um concorrente...ou aliado!ENTRA MÚSICAO Sertanejo Universitário!Apesar de muitos se discutir sobre o assunto, hoje em dia querendo os amantes dorock ou não, é inevitável os dois estilos terem que dividir o mesmo palco. O músicoAndré Soberanski, de Gaspar, que toca há dez anos em bandas de diversos estilos,não concorda com essa mistura.ENTRA SONORAMas como o músico afirmou, em nossa região, temos vários casos de locais queapostam em apenas um gênero, e fecham, por faltam de público ou até mesmoreclamação dos vizinhos, como foi o caso do Butiquim Wolstein e do Ahoy Pub, amboslocalizados na área central de Blumenau. Por mais preconceito que ainda exista, osblumenauense terão que se habituar a frequentar casas com os mais variados estilos.FECHAMENTOTRILHA

×