Aula 004 - Aspectos técnicos (luz)

5,517 views
5,428 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,517
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2,581
Actions
Shares
0
Downloads
248
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 004 - Aspectos técnicos (luz)

  1. 1. Aspectos técnicosCâmeras e o controle da luz
  2. 2. CronogramaPropriedades das câmeras• Obturador• Diafragma• Sensibilidade (ISO)
  3. 3. Propriedades• Câmeras digitais semelhantes às analógicas, na obtenção da luz• Fotometria baseada no controle de três componentes fundamentais: – Tempo da luz (obturador) – Quantidade de luz (diafragma) – Sensibilidade do filme (ISO)
  4. 4. Obturador• Dispositivo que regula quanto tempo o filme (ou o CCD) deve ficar exposto à luz – Tempo de exposição• Sequências pré-determinadas: 1s, 1/2, 1/4, 1/8, 1/15, 1/30, 1/60, 1/125, 1/250, 1/500, 1/1000 ...
  5. 5. • Princípio: Quanto maior a velocidade, maior a probabilidade de se congelar a cena fotografada. Quanto menor, maior a probabilidade de borrar ou tremer
  6. 6. • Maior o número configurado, maior a possibilidade de congelar, parar uma cena fotografada
  7. 7. 1/250 - Com uma 1/3 - Com uma velocidadevelocidade baixa temos um efeito dealta, conseguimos ver a movimentoágua da cachoeiradetalhadamente
  8. 8. • Fica após o diafragma – A depender da câmera, pode se localizar na objetiva ou no corpo• A velocidade do obturador, é um dos fatores utilizados para alterar o resultado final de uma fotografia
  9. 9. • Cada câmera tem uma definição Fujica STX-1
  10. 10. • Dois tipos de obturador – Concêntrico: formado por um jogo de lâminas finas – Localizado nas objetivas, encarecendo o preço das mesmas
  11. 11. – De plano focal: situa-se no corpo da câmera, na frente do filme ou CCD– Duas cortinas que correm superpostas • Vertical ou horizontal– Semelhante a uma fenda
  12. 12. Quando o obturador é acionado, a Se a velocidade de obturadorprimeira cortina começa a deslizar escolhida for superior a 1/30 s, asobre o filme, expondo a primeira segunda cortina começará a separte dele mover antes de a primeira ter chegado ao outro lado
  13. 13. • Enquanto que o diafragma desempenha o papel de uma janela mais ou menos aberta, o obturador desempenha o papel de uma cortina fechada sobre essa janela
  14. 14. • Trabalhos com longa exposição:
  15. 15. • Recurso também importante para o light painting:
  16. 16. • Recurso também usado para múltiplas exposições
  17. 17. • É pelo obturador que se consegue o efeito de Panning – imagem com o objeto principal da fotografia perfeitamente focado, enquanto cria um efeito de fundo que sugere movimento
  18. 18. • Efeito de motion blur – Velocidades diferentes
  19. 19. Cacumbi MirimAdilson Andrade
  20. 20. MovimentoAdilson Andrade
  21. 21. Diafragma• Sistema que controla a quantidade de luz que passa pela objetiva e atinge o filme• É expresso por um número antecedido pela letra f• Inscrito nos anéis das objetivas
  22. 22. • Cada abertura de diafragma deixa entrar o dobro de luz da abertura precedente
  23. 23. • Princípio: quanto maior o diafragma, mais a objetiva é luminosa – Maior a possibilidade de incidência da luz no filme ou CCD
  24. 24. • Cada objetiva tem o seu diafragma pré- definido – Quanto mais clara a lente, mais valor ela terá• Variação "f": f/22, f/16, f/8, f/5.6, f/4, f/2.8, f/2 e f 1.4 – O número f/22 representa a menor abertura e f/1.4 a maior abertura
  25. 25. Objetiva Canon 70-200mm F2.8Objetiva Nikon 70-300mm F4.5-5.6 R$ 8.100,00R$ 1.700,00
  26. 26. • Variação de aberturas é definido pelas objetivas
  27. 27. • A atual escala de abertura utilizada é obtida através da equação:• Onde: – f é o valor do diafragma obtido – DF é a distância focal – A é o diâmetro da abertura, em milímetros
  28. 28. • Determina também a profundidade de campo – Profundidade: faixa de nitidez que se estende para aquém e para além do ponto de foto
  29. 29. • Quanto maior a abertura, menor a profundidade de campo
  30. 30. • Cada objetiva terá sua variação na profundidade de campo
  31. 31. f22f2.4Fundo totalmente difuso; não dá paradistinguir o que é Todos os detalhes aparecem definidos, tanto os próximos (o rio) quanto os mais distantes (os prédios)
  32. 32. f1.8
  33. 33. f4
  34. 34. Sensibilidade• Princípio: quanto maior o ISO, mais sensível se é a luz• O número do ISO é o que determina o grau de sensibilidade do filme (ou CCD)
  35. 35. • Quanto maior o ISO, maior a possibilidade de existência de ruídos na imagem ISO 100 ISO 3.200
  36. 36. • Ao fotografar sem flash em iluminação insuficiente, a velocidade de disparo lenta torna difícil evitar a trepidação da câmera e borrar o objeto em movimento – O aumento da sensibilidade minimiza os borrões ISO100 ISO800
  37. 37. • Uma sensibilidade ISO mais alta possibilita capturar o objeto sem a iluminação artificial de um flash ISO100 ISO800
  38. 38. • Condições para uso do ISO – ISO 100 ou menor que 100 - bom para fotografias ao ar livre à luz do sol – ISO 200 - bom para fotografias ao ar livre ou em ambientes bem iluminados – ISO 400 - bom para fotografias em ambiente fechado – ISO 1000 ou 1600 - bom para fotografia em ambiente fechado quando você quer evitar o uso do flash
  39. 39. • Fotografia noturna: grandes sensibilidades
  40. 40. DigitalAnalógica • Controle através • Controle através do negativo do menu da • Uma definição câmera para todo o • Definível a cada negativo disparo
  41. 41. • Cada câmera terá sua variação de sensibilidade, assim como a possibilidade de ter ruídos em uma imagem Nikon D5000 Canon Rebel T1i
  42. 42. ObturadorSensibilidade Diafragma (ISO)
  43. 43. ReferênciasTRIGO, Thales. Equipamento fotográfico: teoria e prática. 2ª Ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2003.ZUANETTI, Rose et al. Fotógrafo: o olhar, a técnica e o trabalho. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2002.

×