Regulamentação e Gestão doMercado de Carbono no Brasil             5º Fórum Internacional pelo            Desenvolvimento ...
Áreas de Atuação da KeyAssociados                   -   Estratégias Coorporativa                   -   Créditos de Carbono...
INTRODUÇÃO• Início da convenções climáticas e da biodiversidade: Eco’92• Regulamentação: Clean Air Act (1990) e o Protocol...
A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL...O Brasil tem avançado nas políticas climáticas e desempenha umpapel importante no cenário...
A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL...           5
A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL...           6
A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL...           7
REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕESO Relatório Stern (STERN, 2007) orienta que as políticas públicaspara redução de emissões devem ...
REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕESO Relatório Stern (STERN, 2007) orienta que as políticas públicaspara redução de emissões devem ...
REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕESTaxa de Carbono Interna e Barreiras Não-Tarifárias• Art. 10(b) da diretiva do European Union Emi...
REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕES     • Colaboração de quase 40       empresas e entidades     • Participação de 60       especia...
REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕES             ABNT NBR 15948:2011 – EscopoEsta Norma especifica princípios, requisitos e orientaç...
GESTÃO DE EMISSÕES          Estratégias          Mudança do        • Estratégia             Clima      Programa de Gestão ...
GESTÃO DE EMISSÕES                          •Análise de impacto, gerenciamento de risco e oportunidades em         Estraté...
CASOS DE SUCESSO DE GESTÃO     15
CASOS DE SUCESSO DE GESTÃO                                        Caminho de                                         Melh...
CASOS DE SUCESSO DE GESTÃORelatório Anual e de         Em 2010 a Cemig, com assessoria daSustentabilidade            WayCa...
ENCERRAMENTO                         Dúvidas?                        Perguntas?Gratos pela atenção,                       ...
Sustentar bh 2012.05.23 - marco fujihara
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Sustentar bh 2012.05.23 - marco fujihara

259

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
259
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sustentar bh 2012.05.23 - marco fujihara

  1. 1. Regulamentação e Gestão doMercado de Carbono no Brasil 5º Fórum Internacional pelo Desenvolvimento Sustentável 23 de Maio de 2012
  2. 2. Áreas de Atuação da KeyAssociados - Estratégias Coorporativa - Créditos de Carbono - Mudanças Climáticas - Qualidade e Alimentos - Meio Ambiente - Responsabilidade Social - Sustentabilidade - Selos - Auto-regulamentação setorial - Fundo Brasil Sustentabilidade, FIP (Fundo de Investimento em Participações)Soluções - Tratamento de EfluentesSustentáveisEm - Reuso de águaEfluentes - Remediação 2
  3. 3. INTRODUÇÃO• Início da convenções climáticas e da biodiversidade: Eco’92• Regulamentação: Clean Air Act (1990) e o Protocolo de Quioto (Aprovado em 1997 e em vigor desde 2005);A nível nacional• Plano Nacional de MC (Lei 12.187 / 2009) estabelece o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões (MBRE);• Decreto 7.390 / 2010: meta redução aprox. 6% das emissões de 2005 (36,1% a 38.9% das emissões projetadas 2020), 3
  4. 4. A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL...O Brasil tem avançado nas políticas climáticas e desempenha umpapel importante no cenário internacional. Uma consequênciadisso é que vários estados e cidades têm adotado leis para: i) incentivar a redução de emissões; ii) estimular a proteção das florestas; e iii) promover o desenvolvimento e a adoção de tecnologias menos energo-intensivas (IPEA, 2010). 4
  5. 5. A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL... 5
  6. 6. A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL... 6
  7. 7. A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL... 7
  8. 8. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕESO Relatório Stern (STERN, 2007) orienta que as políticas públicaspara redução de emissões devem ser baseadas em algumas“diretrizes. Entre elas, destacam-se: i. definição de preço para o carbono (criação de taxas); ii. presença de mercado ou regulação; ” iii. desenvolvimento de tecnologias de baixo carbono com foco em eficiência energética; e iv. remoção de barreiras de comportamento. 8
  9. 9. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕESO Relatório Stern (STERN, 2007) orienta que as políticas públicaspara redução de emissões devem ser baseadas em algumas“diretrizes. Entre elas, destacam-se: i. definição de preço para o carbono (criação de taxas); ii. presença de mercado ou regulação; ” iii. desenvolvimento de tecnologias de baixo carbono com foco em eficiência energética; e iv. remoção de barreiras de comportamento. 9
  10. 10. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕESTaxa de Carbono Interna e Barreiras Não-Tarifárias• Art. 10(b) da diretiva do European Union Emission Trading“ System (EU-ETS) permite criar uma o aos setores que sofrem perda de competitividade da redução de emissões;• A partir de 2012, as empresas reas que operam na Comunidade Européia, devem compensar suas es; ”• A Austrália implementou taxa de carbono interna ($25,00/tCO2) para os geradores de eletricidade de origem fóssil e se especula se irão implementar barreiras com base nisso. Fonte: Bloomberg New Carbon Finance 10
  11. 11. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕES • Colaboração de quase 40 empresas e entidades • Participação de 60 especialistas • Circulou em Consulta Nacional de 07.02.2011 a 07.04.2011 • Publicada em 16.05.2011 • Publicada também em inglês • Disponível em www.abntcatalogo.com.br 11
  12. 12. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕES ABNT NBR 15948:2011 – EscopoEsta Norma especifica princípios, requisitos e orientações paracomercialização de reduções verificadas de emissões (RVE) nomercado voluntário de carbono brasileiro. Ela inclui requisitospara elegibilidade das reduções de emissões, transparência deinformações, e registro de projetos e de RVE (título).Diferentes padrões de certificação e registros podem atender a esta Norma. 12
  13. 13. GESTÃO DE EMISSÕES Estratégias Mudança do • Estratégia Clima Programa de Gestão de GEE • Gestão Estudo do potencial e • Potencial e metas de mitigação de GEE MetasInventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa • Inventário 13
  14. 14. GESTÃO DE EMISSÕES •Análise de impacto, gerenciamento de risco e oportunidades em Estratégias Mudanças do Clima. •Modelagem de cenários do IPCC e influência no seu negócio. Mudança do •Posicionamento estratégico da empresa no mercado e setor de atuação segundo as Mudanças do Clima. Clima •Desenvolver e implementar programas para redução de Programa de Gestão emissões de gases de efeito estufa (GEE). •Criar Benchmark colaborando com comunicação e RI. de GEE •Estudo de Viabilidade Técnica-Econômica e desenvolvimento de Projetos de Crédito de Carbono. •Identificar as oportunidades de redução de GEE. Estudo do potencial e •Elaborar a Curva de Custo Marginal de Abatimento de emissões, base para Programas de Gestão. metas de mitigação de GEE •Elaborar metas claras e realísticas de redução de emissões internas de GEE na operação e cadeia. •Identificação das fontes de emissão.Inventário de Emissões de Gases •ISO 14064 e GHG Protocol. de Efeito Estufa •Carbon Disclosure Project. •ICO2 e ISE BMF-Bovespa. 14
  15. 15. CASOS DE SUCESSO DE GESTÃO 15
  16. 16. CASOS DE SUCESSO DE GESTÃO  Caminho de Melhoria Benchmarking Estratégia  Metas Anuais  Indicadores SelecionadosGestão 16
  17. 17. CASOS DE SUCESSO DE GESTÃORelatório Anual e de Em 2010 a Cemig, com assessoria daSustentabilidade WayCarbon foi pioneira em unificar osCemig Relatórios Anual e de Sustentabilidade 17
  18. 18. ENCERRAMENTO Dúvidas? Perguntas?Gratos pela atenção, Marco Antônio Fujihara Leandro Peña-Salvático 18
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×