Sustentar bh 2012.05.23 - marco fujihara

407 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
407
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sustentar bh 2012.05.23 - marco fujihara

  1. 1. Regulamentação e Gestão doMercado de Carbono no Brasil 5º Fórum Internacional pelo Desenvolvimento Sustentável 23 de Maio de 2012
  2. 2. Áreas de Atuação da KeyAssociados - Estratégias Coorporativa - Créditos de Carbono - Mudanças Climáticas - Qualidade e Alimentos - Meio Ambiente - Responsabilidade Social - Sustentabilidade - Selos - Auto-regulamentação setorial - Fundo Brasil Sustentabilidade, FIP (Fundo de Investimento em Participações)Soluções - Tratamento de EfluentesSustentáveisEm - Reuso de águaEfluentes - Remediação 2
  3. 3. INTRODUÇÃO• Início da convenções climáticas e da biodiversidade: Eco’92• Regulamentação: Clean Air Act (1990) e o Protocolo de Quioto (Aprovado em 1997 e em vigor desde 2005);A nível nacional• Plano Nacional de MC (Lei 12.187 / 2009) estabelece o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões (MBRE);• Decreto 7.390 / 2010: meta redução aprox. 6% das emissões de 2005 (36,1% a 38.9% das emissões projetadas 2020), 3
  4. 4. A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL...O Brasil tem avançado nas políticas climáticas e desempenha umpapel importante no cenário internacional. Uma consequênciadisso é que vários estados e cidades têm adotado leis para: i) incentivar a redução de emissões; ii) estimular a proteção das florestas; e iii) promover o desenvolvimento e a adoção de tecnologias menos energo-intensivas (IPEA, 2010). 4
  5. 5. A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL... 5
  6. 6. A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL... 6
  7. 7. A EVOLUÇÃO DA AGENDA AMBIENTAL... 7
  8. 8. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕESO Relatório Stern (STERN, 2007) orienta que as políticas públicaspara redução de emissões devem ser baseadas em algumas“diretrizes. Entre elas, destacam-se: i. definição de preço para o carbono (criação de taxas); ii. presença de mercado ou regulação; ” iii. desenvolvimento de tecnologias de baixo carbono com foco em eficiência energética; e iv. remoção de barreiras de comportamento. 8
  9. 9. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕESO Relatório Stern (STERN, 2007) orienta que as políticas públicaspara redução de emissões devem ser baseadas em algumas“diretrizes. Entre elas, destacam-se: i. definição de preço para o carbono (criação de taxas); ii. presença de mercado ou regulação; ” iii. desenvolvimento de tecnologias de baixo carbono com foco em eficiência energética; e iv. remoção de barreiras de comportamento. 9
  10. 10. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕESTaxa de Carbono Interna e Barreiras Não-Tarifárias• Art. 10(b) da diretiva do European Union Emission Trading“ System (EU-ETS) permite criar uma o aos setores que sofrem perda de competitividade da redução de emissões;• A partir de 2012, as empresas reas que operam na Comunidade Européia, devem compensar suas es; ”• A Austrália implementou taxa de carbono interna ($25,00/tCO2) para os geradores de eletricidade de origem fóssil e se especula se irão implementar barreiras com base nisso. Fonte: Bloomberg New Carbon Finance 10
  11. 11. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕES • Colaboração de quase 40 empresas e entidades • Participação de 60 especialistas • Circulou em Consulta Nacional de 07.02.2011 a 07.04.2011 • Publicada em 16.05.2011 • Publicada também em inglês • Disponível em www.abntcatalogo.com.br 11
  12. 12. REGULAMENTAÇÃO DE EMISSÕES ABNT NBR 15948:2011 – EscopoEsta Norma especifica princípios, requisitos e orientações paracomercialização de reduções verificadas de emissões (RVE) nomercado voluntário de carbono brasileiro. Ela inclui requisitospara elegibilidade das reduções de emissões, transparência deinformações, e registro de projetos e de RVE (título).Diferentes padrões de certificação e registros podem atender a esta Norma. 12
  13. 13. GESTÃO DE EMISSÕES Estratégias Mudança do • Estratégia Clima Programa de Gestão de GEE • Gestão Estudo do potencial e • Potencial e metas de mitigação de GEE MetasInventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa • Inventário 13
  14. 14. GESTÃO DE EMISSÕES •Análise de impacto, gerenciamento de risco e oportunidades em Estratégias Mudanças do Clima. •Modelagem de cenários do IPCC e influência no seu negócio. Mudança do •Posicionamento estratégico da empresa no mercado e setor de atuação segundo as Mudanças do Clima. Clima •Desenvolver e implementar programas para redução de Programa de Gestão emissões de gases de efeito estufa (GEE). •Criar Benchmark colaborando com comunicação e RI. de GEE •Estudo de Viabilidade Técnica-Econômica e desenvolvimento de Projetos de Crédito de Carbono. •Identificar as oportunidades de redução de GEE. Estudo do potencial e •Elaborar a Curva de Custo Marginal de Abatimento de emissões, base para Programas de Gestão. metas de mitigação de GEE •Elaborar metas claras e realísticas de redução de emissões internas de GEE na operação e cadeia. •Identificação das fontes de emissão.Inventário de Emissões de Gases •ISO 14064 e GHG Protocol. de Efeito Estufa •Carbon Disclosure Project. •ICO2 e ISE BMF-Bovespa. 14
  15. 15. CASOS DE SUCESSO DE GESTÃO 15
  16. 16. CASOS DE SUCESSO DE GESTÃO  Caminho de Melhoria Benchmarking Estratégia  Metas Anuais  Indicadores SelecionadosGestão 16
  17. 17. CASOS DE SUCESSO DE GESTÃORelatório Anual e de Em 2010 a Cemig, com assessoria daSustentabilidade WayCarbon foi pioneira em unificar osCemig Relatórios Anual e de Sustentabilidade 17
  18. 18. ENCERRAMENTO Dúvidas? Perguntas?Gratos pela atenção, Marco Antônio Fujihara Leandro Peña-Salvático 18

×