SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO
DOS RECURSOS NATURAIS
Sustentar 2014
Albano Araújo
Coordenador de Conservação de Água Do...
O QUE SÃO SERVIÇOS AMBIENTAIS ?
São funções prestadas pelos recursos naturais e
que são essenciais para a vida na Terra (...
Serviços ambientais
BIODIVERSIDADE
-Atração de fauna silvestre;
-Conectividade de corredores
biológicos;
-Serviços cultura...
Origem : Teorema de Coase, 1960.
Externalidades são efeitos
positivos ou negativos gerados
pelas atividades de produção e...
DEFINIÇÃO PSA
Uma transação voluntária na qual um serviço
ambiental bem definido ou uma forma de uso da
terra que possa as...
Pagamentos por Serviços Ambientais
É uma forma de “precificar” os serviços
ambientais e estimular a conservação,
atribuin...
PRINCÍPIO
PRINCÍPIO
Alguns projetos de PSA em curso
NO EXTERIOR
- Costa Rica
- Estados Unidos (Conservation Reserve program)
- França
 NO BRASIL
- Proambiente
- ICMS Ecológico
- Bolsa Floresta
- Produtor de Água
- Iniciativas Privadas (Fundação Boticário,...
O PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA
 É um programa voluntário no
qual são beneficiados
produtores rurais que, por meio
de prática...
Objetivos
 Melhoria da qualidade da água, através do abatimento
da erosão e sedimentação
 Regularização da oferta de águ...
Base Conceitual
Pagamentos baseados em custos de referência pré-
estabelecidos;
Pagamentos serão feitos após a implantaç...
OS 3 MÓDULOS DISTINTOS DO PPA
3 - CONSERVAÇÃO DE ÁGUA E SOLO
1 – RECUPERAÇÃO
DE APPs
2 - MANUTENÇÃO DE
ÁREAS FLORESTADAS
Práticas elegíveis
Reflorestamento com plantas nativas
Práticas Vegetativas
Práticas mecânicas
Barraginhas e terraços
Conservação de estradas rurais
Cálculo do abatimento da erosão
P.A.E (%) = 100 (1- Φ1 / Φo)
 Φ1= Fator de risco de erosão desejado
 Φo= Fator de risco ...
Cálculo do abatimento da erosão
Manejo Convencional C P Φ
Algodão 0,62 1,00 0,62
Manejo Conservacionista
Algodão – rotação...
Cálculo do abatimento da erosão
Manejo Convencional C P Φ
Pastagem degradada 0,25 1,00 0,25
Manejo Conservacionista
Pastag...
Projeto Piloto – Extrema – MG (PCJ)
Produtor de Água
Bacia do Ribeirão das Posses – Extrema – MG
Resultados da Restauração Florestal – 2004 a 2009
20042009
20...
Modelagem de Serviços Ambientais –
Modelo InVEST
Intervenções no Uso da Terra modificam a
oferta de Serviços Ambientais
...
O que é o InVEST?
 Conjunto de modelos que tem a finalidade de quantificar,
espacializar e valorar a oferta de serviços a...
Características
 Modelo espacialmente distribuído
 Escala temporal anual
 Inputs: mapas em formato raster e tabelas com...
POSSIBILIDADES
1. Gerar estimativas de processos biofísicos (ex. aporte de
sedimentos) a partir de diferentes cenários de ...
RETENÇÃO DE SEDIMENTOS
Com base na Equação Universal da Perda de
Solo (USLE) e no potencial de retenção de
sedimentos pelo...
RETENÇÃO DE SEDIMENTOS
 Estimativa de retenção de sedimentos:
Erosão considerando uso do solo e práticas de conservação
d...
RETENÇÃO DE SEDIMENTOS
 Estimativa da valoração do serviço de retenção de
sedimentos:
Custo unitário de remoção de sedime...
Dados de entrada:
• Modelo Digital de Elevação (DEM)
» Condicionamento hidrológico
» Insumo para fator de rampa (LS)
• Ero...
Dados de entrada:
Aplicação - Bacia do Ribeirão Pipiripau
Parâmetros de entrada:
Uso do Solo – C e P
» Coeficientes relacionados à cobertura do solo (C) e práticas de
conservação d...
Estudo Invest: Resultados Bacia do Ribeirão
Pipiripau – Cenário Atual (2008)
Erosão Total -
USLE (ton/ano)
Erosão Total -
...
Estudo Invest: Cenário com
intervenção
• Critérios de Área Ativa de Rio (AAR) e erosão acelerada
(perda de solo (A) >10 t/...
Estudo Invest: Cenário com
intervenção
• Usos passíveis de intervenção – Áreas prioritárias:
Uso da Terra Hectares %
Pasta...
Estudo Invest: Resultados
CENÁRIO
Erosão Total -
USLE (ton/ano)
Erosão Total -
USLE
(ton/ha/ano)
Exportação de
Sedimentos
...
Estudo Invest: estimativa de área para
compensação de Pegada Hídrica
Componente
Pegada Azul (m
3
/ano) Pegada Cinza (m
3
/...
Seleção das Áreas para Compensação da Pegada Hídrica
Áreas Prioritárias para Retenção de Sedimentos, N e P
Estudo Invest: ...
Seleção das Áreas para Compensação da Pegada Hídrica
Áreas Prioritárias para os Três Parâmetros
Parâmetro Priorizado Área ...
Seleção das Áreas para Compensação da Pegada Hídrica
Área Necessária para Compensação da Pegada Hídrica
Parâmetros Sedimen...
Obrigado!
Albano Araújo
Coordenador de Água Doce
The Nature Conservancy
aaraujo@tnc.org
SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo
SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo
SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo

398

Published on

Published in: Environment
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
398
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
42
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo

  1. 1. SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS Sustentar 2014 Albano Araújo Coordenador de Conservação de Água Doce
  2. 2. O QUE SÃO SERVIÇOS AMBIENTAIS ? São funções prestadas pelos recursos naturais e que são essenciais para a vida na Terra (Daily, 1997). OU Atividade humana que contribui para manter ou aumentar a provisão de benefícios por meio do ambiente (Chomitz et al., 1999).  PRODUTOS AMBIENTAIS X SERVIÇOS AMBIENTAIS
  3. 3. Serviços ambientais BIODIVERSIDADE -Atração de fauna silvestre; -Conectividade de corredores biológicos; -Serviços culturais (recreação, turismo e beleza cênica). ÁGUA - Regulação do fluxo hídrico; - Manutenção da qualidade; - Controle de erosão e sedimentação; - Manutenção do habitat aquático; - Serviços culturais (recreação, turismo, valor de existência). CLIMA - Redução de emissões de CO2 (comparando com outros usos do solo); - Fixação de CO2. - Regulação do regime de chuvas.
  4. 4. Origem : Teorema de Coase, 1960. Externalidades são efeitos positivos ou negativos gerados pelas atividades de produção e consumo exercidas por um agente econômico e que atingem os demais agentes.
  5. 5. DEFINIÇÃO PSA Uma transação voluntária na qual um serviço ambiental bem definido ou uma forma de uso da terra que possa assegurar este serviço é comprado por pelo menos um comprador de pelo menos um provedor sob a condição de que o provedor garanta a provisão deste serviço. (Wunder, 2005) COMPRADORPROVEDOR SA
  6. 6. Pagamentos por Serviços Ambientais É uma forma de “precificar” os serviços ambientais e estimular a conservação, atribuindo-lhes valor. A premissa básica para o pagamento por serviços ambientais é compensar os agentes econômicos que manejam o meio ambiente gerando bens ambientais e serviços que beneficiam não somente ele mesmo, mas toda a sociedade.
  7. 7. PRINCÍPIO
  8. 8. PRINCÍPIO
  9. 9. Alguns projetos de PSA em curso NO EXTERIOR - Costa Rica - Estados Unidos (Conservation Reserve program) - França
  10. 10.  NO BRASIL - Proambiente - ICMS Ecológico - Bolsa Floresta - Produtor de Água - Iniciativas Privadas (Fundação Boticário, Natura, Rede Hoteleira de Itacaré – BA) Alguns projetos de PSA em curso
  11. 11. O PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA  É um programa voluntário no qual são beneficiados produtores rurais que, por meio de práticas e manejos conservacionistas, venham a contribuir para o abatimento da erosão e para o aumento da infiltração de água, segundo o conceito provedor- recebedor.
  12. 12. Objetivos  Melhoria da qualidade da água, através do abatimento da erosão e sedimentação  Regularização da oferta de água por meio da adequada alimentação do lençol freático  Recuperação ambiental de bacias hidrográficas de importância estratégica para o País  Conscientização dos produtores e consumidores de água da importância da gestão integrada de bacias hidrográficas
  13. 13. Base Conceitual Pagamentos baseados em custos de referência pré- estabelecidos; Pagamentos serão feitos após a implantação do projeto proposto (produto); Metas de cumprimento verificadas e certificadas por equipes técnicas sendo pré-requisito para o pagamento do incentivo.
  14. 14. OS 3 MÓDULOS DISTINTOS DO PPA 3 - CONSERVAÇÃO DE ÁGUA E SOLO 1 – RECUPERAÇÃO DE APPs 2 - MANUTENÇÃO DE ÁREAS FLORESTADAS
  15. 15. Práticas elegíveis Reflorestamento com plantas nativas
  16. 16. Práticas Vegetativas
  17. 17. Práticas mecânicas Barraginhas e terraços
  18. 18. Conservação de estradas rurais
  19. 19. Cálculo do abatimento da erosão P.A.E (%) = 100 (1- Φ1 / Φo)  Φ1= Fator de risco de erosão desejado  Φo= Fator de risco de erosão atual O cálculo do P.A.E é feito usando-se fatores da Equação Universal de Perda do Solo (USLE)
  20. 20. Cálculo do abatimento da erosão Manejo Convencional C P Φ Algodão 0,62 1,00 0,62 Manejo Conservacionista Algodão – rotação (gram/legum) 0,40 1,00 0,40 Algodão – em nível 0,62 0,50 0,31 Algodão – rotação em nível 0,40 0,50 0,20 Algodão – cordões verdes 0,62 0,20 0,12 Algodão – terraços 0,62 0,10 0,06 Algodão – rotação e terraços 0,40 0,10 0,04 Algodão – plantio direto 0,40 0,10 0,04 PAE = 36% PAE = 67% PAE = 90% PAE = 93%
  21. 21. Cálculo do abatimento da erosão Manejo Convencional C P Φ Pastagem degradada 0,25 1,00 0,25 Manejo Conservacionista Pastagem recuperada 0,12 1,00 0,12 Pastagem rotação com grãos 0,10 1,00 0,10 Reflorestamento 0,05 1,00 0,05 PAE = 52% PAE = 60% PAE = 80%
  22. 22. Projeto Piloto – Extrema – MG (PCJ)
  23. 23. Produtor de Água Bacia do Ribeirão das Posses – Extrema – MG Resultados da Restauração Florestal – 2004 a 2009 20042009 20042009 20042009
  24. 24. Modelagem de Serviços Ambientais – Modelo InVEST Intervenções no Uso da Terra modificam a oferta de Serviços Ambientais Importante comparar diferentes cenários de Uso da Terra e suas consequências Discussão de alternativas com stakeholders
  25. 25. O que é o InVEST?  Conjunto de modelos que tem a finalidade de quantificar, espacializar e valorar a oferta de serviços ambientais Biodiversidade Armazenagem e Sequestro de Carbono Produção de hidroeletricidade Retenção de Nutrientes Retenção de Sedimentos Manejo Florestal Polinização de plantios agrícolas http://www.naturalcapitalproject.org
  26. 26. Características  Modelo espacialmente distribuído  Escala temporal anual  Inputs: mapas em formato raster e tabelas com parâmetros  Baixa demanda de dados de entrada em relação a outros modelos  Parâmetros para calibração  Ferramenta gratuita que funciona em ambiente ArcGis (toolbox)
  27. 27. POSSIBILIDADES 1. Gerar estimativas de processos biofísicos (ex. aporte de sedimentos) a partir de diferentes cenários de uso e manejo da terra 2. Identificar espacialmente que porções da bacia são mais estratégicas para provisão de serviços 3. Gerar estimativas financeiras dos serviços ambientais para cada cenário
  28. 28. RETENÇÃO DE SEDIMENTOS Com base na Equação Universal da Perda de Solo (USLE) e no potencial de retenção de sedimentos pelo Uso da Terra, calcula a quantidade de sedimentos retidos e o valor deste serviço (em termos de custos de dragagem ou tratamento de água)
  29. 29. RETENÇÃO DE SEDIMENTOS  Estimativa de retenção de sedimentos: Erosão considerando uso do solo e práticas de conservação de solo (USLE) Diminuição da erosão conforme  Eficiência de Retenção de Sedimentos de cada Uso da Terra  Caminho do fluxo de sedimentos = QUANTIDADE DE SEDIMENTOS RETIDOS
  30. 30. RETENÇÃO DE SEDIMENTOS  Estimativa da valoração do serviço de retenção de sedimentos: Custo unitário de remoção de sedimento (dragagem ou tratamento de água) X Quantidade de sedimento retido = Valor total do Serviço Ambiental de Retenção de Sedimentos ($/ano)
  31. 31. Dados de entrada: • Modelo Digital de Elevação (DEM) » Condicionamento hidrológico » Insumo para fator de rampa (LS) • Erosividade (potencial de erosão pela chuva) - R • Erodibilidade (suscetibilidade dos solos à erosão) - K • Uso e cobertura da terra
  32. 32. Dados de entrada: Aplicação - Bacia do Ribeirão Pipiripau
  33. 33. Parâmetros de entrada: Uso do Solo – C e P » Coeficientes relacionados à cobertura do solo (C) e práticas de conservação de solos (P) Coeficientes de Retenção de Sedimentos para cada uso da terra Floresta > Campo > Agricultura > solo nu Fator de Acumulação de fluxo » Número de pixels confluentes para definir um curso d’água Limite de declividade » O modelo usa 2 equações para o cálculo do fator LS (maior e menor declive)
  34. 34. Estudo Invest: Resultados Bacia do Ribeirão Pipiripau – Cenário Atual (2008) Erosão Total - USLE (ton/ano) Erosão Total - USLE (ton/ha/ano) Exportação de Sedimentos (ton/ano) Exportação de Sedimentos (ton/ha/ano) Taxa de Aporte de Sedimentos (%) 179.571 6,46 1.627,3 0,1 0,9% Parâmetros para calibração: Invest Silva,Chaves & Camelo (2011) Erosão Total - USLE (ton/ha/ano) 1.627,3 1.550,1* Exportação de Sedimentos (ton/ano) 6,46 6,50 * SILVA, C.R; CHAVES, H.M.L; CAMELO, A.P. Calibração e validação da equação universal de perda de solos modificada (MUSLE) utilizando dados hidrossedimentológicos locais. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Campinas, n.35, p 1431-1439, 2011.
  35. 35. Estudo Invest: Cenário com intervenção • Critérios de Área Ativa de Rio (AAR) e erosão acelerada (perda de solo (A) >10 t/ha.ano).
  36. 36. Estudo Invest: Cenário com intervenção • Usos passíveis de intervenção – Áreas prioritárias: Uso da Terra Hectares % Pastagens 591,5 12% Agricultura extensiva 82,9 1% Cultura Irrigada 134,8 13% Solo Exposto 10,3 9% Vias não pavimentadas 17,5 5% Áreas Críticas (total) 836,9 5%
  37. 37. Estudo Invest: Resultados CENÁRIO Erosão Total - USLE (ton/ano) Erosão Total - USLE (ton/ha/ano) Exportação de Sedimentos (ton/ano) Exportação de Sedimentos (ton/ha/ano) Taxa de Aporte de Sedimentos (%) Uso da Terra (2008) 179.571 6,46 1.627 0,1 0,9% Uso considerando intervenções em áreas prioritárias 173.452 6,19 1.481 0,1 0,9 REDUÇÃO ABSOLUTA 6.118,5 0,3 146,2 0,0 REDUÇÃO PERCENTUAL 3,4% 4,2% 9,0% 9,0%
  38. 38. Estudo Invest: estimativa de área para compensação de Pegada Hídrica Componente Pegada Azul (m 3 /ano) Pegada Cinza (m 3 /ano) Pegada Hídrica Reduzida Total (m 3 /ano)Atual Reduzida Atual Reduzida Produção 255.771 55.316 3.519.637 1.407.855 1.467.131 Funcionamento 300 300 692.209 276.884 277.184 Total 256.071 55.616 4.211.846 1.684.739 1.740.355
  39. 39. Seleção das Áreas para Compensação da Pegada Hídrica Áreas Prioritárias para Retenção de Sedimentos, N e P Estudo Invest: estimativa de área para compensação de Pegada Hídrica
  40. 40. Seleção das Áreas para Compensação da Pegada Hídrica Áreas Prioritárias para os Três Parâmetros Parâmetro Priorizado Área Prioritária (ha) Nível de Prioridade Sedimento, Fósforo e Nitrogênio 928,3 1 – Máximo Sedimento e Nitrogênio 19,6 2 – Muito Alto Sedimento e Fósforo 107,8 2 – Muito Alto Sedimento 850,4 3 – Alto Fósforo e Nitrogênio 2,586,6 4 – Médio Nitrogênio 214,4 5 – Baixo Fósforo 875,0 5 – Baixo Total 5.582,1 Estudo Invest: estimativa de área para compensação de Pegada Hídrica
  41. 41. Seleção das Áreas para Compensação da Pegada Hídrica Área Necessária para Compensação da Pegada Hídrica Parâmetros Sedimentos Nitrogênio Fósforo Aporte médio em ton/ha.ano e kg/ha.ano para N e P 37 7,84 0,80 Carga aceitável (kg/m3 ) 0,5 0,0037 0,0001 Volume de água disponibilizado (m3 /ha.ano) 54.000 903 5.000 Área a compensar Pegada Reduzida 32,2 1.928 348 Pegada Atual 82,7 4.949 894 Estudo Invest: estimativa de área para compensação de Pegada Hídrica
  42. 42. Obrigado! Albano Araújo Coordenador de Água Doce The Nature Conservancy aaraujo@tnc.org
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×