• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Resumo FENERC 2012 - Cachoeiro de Itapemirim 2
 

Resumo FENERC 2012 - Cachoeiro de Itapemirim 2

on

  • 694 views

 

Statistics

Views

Total Views
694
Views on SlideShare
694
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Resumo FENERC 2012 - Cachoeiro de Itapemirim 2 Resumo FENERC 2012 - Cachoeiro de Itapemirim 2 Document Transcript

    • AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS ALUNOS QUILOMBOLAS DA ESCOLA DE ENSINO BÁSICO DE MONTE ALEGRE EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM – ES Vivianne Ambrozim Bicas – CUSC-ES/PMCI, Ana Paula Batista Tomazini – CUSC-ES/PMCI, Nathália Torres Castello – PMCI, Ana Márcia Laeber – CUSC-ES, Camila Ambrosio Destefani – CUSC-ES, Gisele Lorenzon Rossi – CUSC-ES, Jamaica Secotti Bonicegna – CUSC-ES, Palavras chave: Avaliação nutricional, estudantes quilombolas.INTRODUÇÃO De acordo com o Ministério de Desenvolvimento Agrário (2005) as comunidadesquilombolas são grupos étnicos predominantemente constituídos pela população negra ruralou urbana, que se auto definem a partir das relações com a terra, o parentesco, o território,a ancestralidade, as tradições e práticas culturais próprias. Essas comunidades têm um patrimônio histórico e cultural inestimável, em algunscasos, preservaram práticas culturais centenárias, trazidas por seus ancestrais diretamentedo continente africano. São expressões de religiosidade, de arte, além de técnicas agrícolase medicinais desenvolvidas pelos indivíduos na construção da sua sobrevivência nesseambiente. Por isso o conceito de quilombo precisou transformar-se para dar conta darealidade atual dessas comunidades, que não são simplesmente um repositório de memóriae história, mas também sujeitos concretos que precisam ser incluídos socialmente no quediz respeito a suas tradições (CORREIA et all, 2007). A Comunidade Quilombola de Monte Alegre está situada à 36 km de Cachoeiro deItapemirim - ES, na estrada de Burarama, distrito de Pacotuba (Governo do Estado doEspírito Santo, 2008). Residida por 130 famílias, com uma população de 560 habitantes,sendo 500 deles remanescentes de escravos (COSTA et all, 2009). Sem registros oficiaisque precisem com exatidão a data, baseando-se apenas em informações de seusmoradores mais antigos, acredita-se que foi fundada no período pós-abolição, por trêsescravos, recém libertados, que receberam as terras onde hoje existe a comunidade(MOREIRA, 2005). De acordo com as referências e dados demográficos disponíveis, as populaçõesnegras participam em maior número dos segmentos mais pobres da população e/ou vivem
    • em situação de maior desigualdade social (SHICACHO, 2002). Esses dados indicam oempobrecimento e a maior vulnerabilidade destas populações no campo da saúde(SOUZAS, 2004). Nas comunidades quilombolas, as conseqüências históricas do processo deescravidão e a forma de sua libertação têm influenciado o acesso diferenciado a bens eserviços, constituindo-se como fatores condicionantes da situação de insegurança alimentar(SILVA, 2008). Diante do exposto o presente trabalho tem como objetivo verificar o estadonutricional dos alunos quilombolas da Escola Municipal de Ensino Básico de Monte Alegreem Cachoeiro de Itapemirim-ES, através da investigação antropométrica e classificação nacurva de crescimento de acordo com parâmetros da Organização Mundial de Saúde.MATERIAL E MÉTODOS Para a obtenção dos dados antropométricos foi feita aferição da massa corporal(peso) e da estatura. A pesagem foi realizada em balança mecânica pessoal da marcaPlenna, com capacidade de 120 Kg e precisão de 0,1kg. No procedimento de pesagem oaluno foi colocado em pé parado no meio da plataforma da balança em posição ereta, semtocar em nada, e com o peso do corpo igualmente distribuído em ambos os pés e os braçosestendidos ao longo do corpo. Na aferição da estatura foi utilizada fita métrica inelásticafixada na parede, o aluno foi avaliado em pé, com os calcanhares e joelhos juntos, braçossoltos e posicionados ao longo do corpo, com as palmas das mãos voltadas para as coxas;pernas retas, ombros relaxados e cabeça no plano horizontal de Frankfort (olhando parafrente, em linha reta na altura dos olhos) (MARTINS, 2008). A amostra constitui-se de 91 alunos da Escola Municipal de Ensino Básico de MonteAlegre com idade entre 26 e 141 meses, da área quilombola de Cachoeiro de Itapemirim –ES, no mês de março de 2010, contudo apenas 77 alunos (84,6 %) foram avaliados, devidoao não comparecimento dos demais (14 alunos- 15,38%) no dia da aferição dos dadosantropométricos. Do total da amostra 44 (57,14 %) são meninos e 33 (42,38) são meninas. Os dados antropométricos foram comparados com as curvas do National Center ofHealth Statistics (NCHS), citado pela World Health Organization (WHO) e de acordo com osexo e a idade para os seguintes índices antropométricos: peso/idade, estatura/Idade,peso/estatura e IMC/idade. Sendo que de 0 a 5 anos foi usado: peso/idade, estatura/idade,peso/estatura e IMC/idade, de 5 a 10 anos: estatura/idade, peso/idade, IMC/idade e de 10 a19: estatura/idade e IMC/idade.RESULTADOS E DISCUSSÃO Segundo a classificação de estatura/idade para o sexo masculino de um total dequarenta e quatro alunos, nenhum (0%) apresentou estatura muito baixa para a idade, um
    • (2,27%) foi classificado com estatura baixa para a idade e quarenta e três (97,42%) foramclassificados com estatura adequada para idade. Já para o sexo feminino de um total detrinta e três alunas, nenhuma (0%) foi classificada com estatura muito baixa para a idade,uma (3,03%) foi classificado com estatura baixa para a idade e trinta e duas (96,96%)apresentaram estatura adequada para idade. Para o IMC/idade os resultados obtidos foram: para o sexo masculino (Gráfico 1) deum total de quarenta e quatro alunos, nenhum (0%) foi classificado com magreza acentuada,três (6,81%) foram classificados com magreza, trinta e oito (86,36%) como eutróficos, três(6,81%) com risco de sobrepeso, nenhum (0%) com sobrepeso e nenhum (0%) comobesidade.Gráfico - 1 Para o sexo feminino de um total de trinta e três meninas, nenhuma (0%) foiclassificado com magreza acentuada, duas (6,06%) foram classificadas com magreza, trintae uma (93,93%) estavam eutróficas, nenhuma (0%) com risco de sobrepeso, nenhuma (0%)com sobrepeso e nenhuma (0%) com obesidade. Para peso/idade os resultados obtidos foram: para o sexo masculino de um total detrinta e quatro alunos, nenhum (0%) foi classificado com peso muito baixo para idade, um(2,94%) foi classificado com peso baixo para idade, trinta e três (97,05%) foramclassificados com peso adequado para idade e nenhum (0%) foi classificado com pesoelevado para idade. Para o sexo feminino de um total de vinte e sete alunos, nenhuma (0%)foi classificada com peso muito baixo para idade, uma (3,70%) foi classificado com pesobaixo para idade, vinte e seis (96,29%) foram classificados com peso adequado para idadee nenhuma (0%) foi classificada com peso elevado para idade. Para peso/estatura os resultados obtidos foram: para o sexo masculino de um totalde onze alunos, nenhum (0%) foi classificado com magreza acentuada, um (9,09%) foiclassificado com magreza, dez (90,90%) foram classificados como eutróficos, nenhum (0%)
    • foi classificado com risco de sobrepeso, nenhum (0%) com sobrepeso e nenhum (0%) comobesidade. Para o Sexo feminino de um total de nove meninas, nenhuma (0%) foiclassificado com magreza acentuada, nenhuma (0%) foi classificada com magreza, nove(100%) foram classificadas com eutrofia, nenhuma (0%) foi classificada com risco desobrepeso, nenhuma (0%) com sobrepeso e nenhuma (0%) com obesidade. Diante dos dados observados na presente pesquisa, nota-se a prevalência deeutrofia na classificação do estado nutricional, uma vez que, o menor índice observado paraeutrofia foi IMC/idade 86,36% (sexo masculino), atingindo 100% para o índice depeso/estatura (sexo feminino). Após a avaliação antropométrica realizou-se atividades de educação nutricional(palestras, dinâmicas) na escola orientando os alunos e também pais de alunos sobre aimportância de adotar uma alimentação saudável e manter o peso dentro da faixa denormalidade.CONCLUSÃO Essa pesquisa mostrou que a maioria dos alunos quilombolas da Escola de EnsinoBásico de Monte Alegre em Cachoeiro de Itapemirim - ES paradoxalmente a vulnerabilidadesocial e histórica a qual estão inseridos, se encontram em eutrofia. No entanto acreditamos que esta avaliação antropométrica isolada não podedeterminar todas as carências nutricionais que podem estar presentes nessa população.Destacamos, portanto a necessidade de maior número de pesquisas sobre o estadonutricional dos quilombolas. A fim de ampliar as discussões e aumentar o conhecimentosobre o perfil nutricional dos mesmos, possibilitando ações governamentais para melhorarsua qualidade de vida.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASCORREA, W et all. Programa transdisciplinar para o desenvolvimento sustentável dacomunidade quilombola de Monte Alegre. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. v.1, n. 2, p. 4-53, dez. 2007.COSTA et all. Proposta de Arborização em Área Comum à Comunidade Quilombola deMonte Alegre, Cachoeiro de Itapemirim - ES. Rev. Bras. De Agroecologia/nov. 2009 Vol. 4No. 2.MOREIRA, N.L. Estrutura populacional de Senefeldera multiflora em um trecho deborda na Mata Atlântica Estacional Semidecidual da Floresta Nacional de Pacotuba,Cachoeiro de Itapemirim, ES. 2005. 45 f. Monografia (Especialozação)-Ciências Biológicas,Centro Universitário São Camilo-ES, Cachoeiro de Itapemirim, 2005.MARTINS. C. Avaliação do Estado Nutricional e Diagnóstico. Ed Copyright 2008 by
    • Nutroclínica, vol 1, Curitiba-Paraná.SHICACHO, S.T. Desigualdade racial: indicadores sócio-econômicos Brasil 1991-2001.Brasília: OPEA - Ministério da Gestão do Planejamento; 2002.SOUZAS, R. Uma primeira mirada no Quilombo de Ivaporunduva: uma comunidadenegra rural e a saúde; rev. O mundo da Saúde. São Paulo, ano 28 v. 28n. 1 jan/mar.2004).SILVA et all. A Rede de Causalidade da Insegurança Alimentar e Nutricional deComunidades Quilombolas com a Construção da Rodovia BR-163, Pará, Brasil. revNutr.vol 21. Campinas Julh/Agost, 2008.Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2005. Disponível em:<http://sistemas.mda.gov.br/aegre/index.php?sccid=579>. Acesso: 18/04/2010.WHO (World Health Organization). Physical status: the use and interpretation ofanthropometric indicators of nutritional status. Geneva: The Organization; 1995.(Technical Report Series, 854).Organização Mundial da Saúde, 2006 e 2007. Disponível Em:<http://nutricao.saude.gov.br/documentos/sisvan_norma_tecnica_criancas.pdf>. Cesso:14/04/2010. ANEXOS
    • Resumo expandido:AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS ALUNOS QUILOMBOLAS DA ESCOLADE ENSINO BÁSICO DE MONTE ALEGRE EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM – ES.Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim, Cachoeiro de Itapemirim - ES.Laeber, MA; Tomazini, BPA; Destefani, AC; Rossi, LG; Bonicegna, SJ; *Castello, TN; Bicas,AV.INTRODUÇÃO Comunidades quilombolas são grupos étnicos predominantemente constituídos pelapopulação negra, rural ou urbana, que se definem a partir das relações com a terra,parentesco, território, ancestralidade, tradições e práticas culturais próprias (MDA, 2005). Asconseqüências históricas do processo de escravidão e a forma de sua libertação têminfluenciado o acesso diferenciado a bens e serviços por essa população, constituindo–secomo fatores condicionantes para uma situação de insegurança alimentar (SILVA, 2008),além de maior vulnerabilidade social (SOUZAS, 2004). Diante do exposto o presentetrabalho tem como objetivo verificar o estado nutricional dos alunos quilombolas da EscolaMunicipal de Ensino Básico de Monte Alegre em Cachoeiro de Itapemirim-ES, através dainvestigação antropométrica e classificação na curva de crescimento de acordo comparâmetros da Organização Mundial de Saúde.MATERIAL E MÉTODOS: O trabalho foi realizado através da obtenção dos dados antropométricos, aferição dopeso, estatura e classificação dos resultados na curva de crescimento, através da avaliaçãodos seguintes índices antropométricos: peso/idade, estatura/Idade, peso/estatura eIMC/idade. Sendo que de 0 a 5 anos foi usado: peso/idade, estatura/idade, peso/estatura eIMC/idade, de 5 a 10 anos: estatura/idade, peso/idade, IMC/idade; 10 a 19: estatura/idade eIMC/idade. RESULTADOS E CONCLUSÕES Os resultados do estudo demonstraram prevalência de eutrofia no estado nutricionaldos alunos Quilombolas. Tendo estatura adequada para idade: 97,42% (sexo masculino) e96,96% (sexo feminino). Peso adequado para idade: 97,05% (sexo masculino) e 96,29%(sexo feminino). Para o índice IMC/idade foram classificados com eutrofia: 86,36% (sexomasculino) e 93,93% (sexo feminino). E para o índice peso/estatura a classificação deeutrofia foi de: 90,90% (sexo masculino) e 100% (sexo feminino). A maioria dos alunosavaliados se encontram em eutrofia. No entanto esta avaliação antropométrica isolada nãopode determinar todas as carências nutricionais que podem estar presente nessa população.Destacamos, portanto a necessidade de maior número de pesquisas em comunidadesquilombolas, a fim de aumentar o conhecimento sobre o perfil nutricional dos mesmos,
    • possibilitando ações governamentais para melhorar sua qualidade de vida. ANEXOS